Você está na página 1de 15
1
1

Atividade Avaliativa I Unidade

Aluno (a): Alef Santos da Costa Aluno (a): Camilla Fernandes Ferro Aluno (a): Carina de Jesus Santos Aluno (a): Gabriel Silva Nicolau Aluno (a): Rui Aciole Gomes Filho Aluno (a): Suellen Karolyne Fernandes Ferro Aluno (a): Thales Vieira Cruz

Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra Vetorial

Unidade: II

Prof.:Msc. Fábio Rocha Aragão

Data da Entrega:

Curso: Engenharia Civil

Turma: N06

20/11/2015

2
2

ALEF SANTOS DA COSTA CAMILLA FERNANDES FERRO CARINA DE JESUS SANTOS GABRIEL SILVA NICOLAU RUI ACCIOLE GOMES FILHO SUELLEN KAROLYNE FERNANDES FERRO THALES VIEIRA CRUZ

TRABALHO ACADÊMICO FOGÃO SOLAR

Trabalho apresentada ao Curso de engenharia civil, sob orientação do prof. Fábio Rocha Aragão, como um dos pré-requisitos para avaliação da disciplina de Geometria analítica e Álgebra Vetorial.

Aracaju

2015

3
3

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura

13

Figura

13

Figura

13

Figura

13

Figura

13

Figura

13

SUMÁRIO

4
4

1

INTRODUÇÃO ....................................................................................................................................5

2

OBJETIVOS .........................................................................................................................................6

3

JUSTIFICATIVA ..................................................................................................................................6

4

REFERENCIAL TEÓRICO .................................................................................................................7

 

4.1

HISTÓRIAS DO USO DE FOGÕES SOLARES ..........................................................................7

4.2

TIPOS DE FOGÕES SOLARES E SUAS CARACTERISTICAS ...............................................7

 

4.2.1

Fogões Solares do Tipo Painel ................................................................................................7

4.2.2

Fogões solares do tipo caixa ....................................................................................................8

4.2.3

Fogões solares do tipo parabólico ...........................................................................................8

 

4.3

POPULARIZAÇÃO DO FOGÃO SOLAR ...................................................................................8

4.4

VANTAGENS DO USO DO FOGÃO SOLAR ............................................................................9

4.5

DESVANTAGENS DO USO DO FOGÃO SOLAR

10

5

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

11

 

5.1

CONSTRUÇÃO DO PROTÓTIPO

11

6

CONCLUSÃO

13

REFERÊNCIAS

15

5

1 INTRODUÇÃO

O forno solar é um tipo de forno descrito por Nicholas de Saussure, e criado por Horace de Saussure em 1767. Por volta de 1770, Nicholas descreveu os primeiros experimentos com fornos solares do tipo caixa com o objetivo de preparo de alimentos, Saussure desenhou um fogão que consistia numa caixa retangular isolada e com a parte de cima envidraçada. A tampa da caixa, refletora, encarrega-se de concentrar a radiação dentro da caixa.

Além das vantagens da utilização em si, usar um forno solar também significa estar cooperando com a preservação da natureza, reciclando materiais e usando uma fonte gratuita, renovável, e inesgotável de energia (a energia solar) e, reduzindo a dependência dos combustíveis fósseis (gás) e dos recursos florestais (lenha e carvão) que provocam desmatamento e cuja queima contribui para o aquecimento do planeta.

Desta forma, o fogão solar é um aparelho simples de se fazer, e utilizar, e que traz muitos benefícios a quem o utiliza, constituindo-se em um equipamento eficaz. O sol é uma fonte inesgotável de energia térmica.

O fogão solar não usa gás, nem lenha, nem energia elétrica: o calor que cozinha o alimento vem diretamente do sol, cujos raios multiplicam-se ao encontrar as superfícies espelhadas do forno. Claro que, apesar de atingir temperaturas surpreendentes, o fogão solar é totalmente dependente da condição climática o que dificulta o seu uso no cotidiano da grande população.

O fogão solar é um equipamento que capta e transforma luz energia solar em calor, que é aprisionado e acumulado. A energia solar entra através do vidro na forma luminosa, ao se deparar com os objetos pretos, a luz se converte em calor, uma forma de energia que não passa através do vidro com a mesma facilidade, o isolamento térmico completa a armadilha que prende o calor. Como resultado temos o “efeito estufa”, muita energia entrando e pouca energia saindo, acarretando a rápida elevação da temperatura.

6

  • 2 OBJETIVOS

Objetivos Gerais:

Avaliar o uso de fogões solares.

- Objetivos Específicos:

Identificar os tipos de fogões solares e suas características;

Identificar as vantagens e desvantagens do uso do fogão solar;

Construir um protótipo do fogão solar e verificar seu funcionamento e eficácia.

  • 3 JUSTIFICATIVA

O emprego do fogão solar tem como finalidade uma alternativa energética e atualmente uma alternativa ecologicamente importante e correta. Pois, a energia solar tem um potencial energético renovável e limpo. Varias alternativas e pesquisas vem sendo estudadas para aproveitar essa fonte inesgotável de forma sustentável, é preciso pesquisas para que torne mais eficiente e popularizado na sociedade praticas utilizando energia renovável.

7

4 REFERENCIAL TEÓRICO

  • 4.1 HISTÓRIAS DO USO DE FOGÕES SOLARES

O uso de concentradores solares é muito antigo. O uso de espelhos curvos para concentrar luz solar é reputado aos aztecas, gregos, romanos e chineses, há milhares de anos atrás. Diz-se que o notável Archimedes em 212 A.C usou grandes espelhos côncavos convergentes para incendiar as velas da frota romana de navios na invasão da ilha grega de Siracuse.

Em 1860, Augustin Mochot, um matemático da Lycee de Tours, França, foi o primeiro a desenvolver fogão solar e seus benefícios. Ele foi a África e desenvolveu um fogão solar para as tropas francesas. Naquela época Augustin Mochot preconizava que o carvão como fonte de energia seria finito e poluente, e outros meios de geração de energia deveriam ser utilizados para o bem estar da humanidade.

Estes precursores não conseguiram o uso em larga escala dos fogões solares. A partir de 1950 é que os fogões solares começaram a ser estudados, com apoio das Nações Unidas e muitas organizações não governamentais. Estes estudos apontam que os fogões solares bem construídos cozinham bem, são de fácil construção, a custos acessíveis. Muitos programas foram criados para a difusão desta tecnologia principalmente em países pobres da Ásia e África, refugiados de guerras civis, em regiões desertificadas. Um exemplo é a organização Solarcookers International.

  • 4.2 TIPOS DE FOGÕES SOLARES E SUAS CARACTERISTICAS

4.2.1 Fogões Solares do Tipo Painel

São

os

mais

simples,

fáceis

de serem construídos, normalmente são

confeccionados com papelão revestidos de superfície de material polido e espelhado, como

papel alumínio.

8

Permite a cocção de alimentos, que demora mais tempo em relação ao fogão tradicional. A temperatura chega aos 100 graus centígrados. Podem ser usados para a pasteurização da água, processo de aquecimento a temperaturas superiores a 65 graus centígrados para esterilização dos germes. Importante lembrar que milhares de pessoas morrem anualmente por contaminação de água, principalmente crianças.

  • 4.2.2 Fogões solares do tipo caixa

Tem rendimento melhor, é mais direcional. Tem como diferença o efeito estufa, onde os alimentos ficam em uma caixa no fundo, com tampa de vidro, recebendo a radiação solar de abas direcionadoras. Podem ser utilizados como forno para assar. A temperatura ultrapassa os 100 graus centígrados.

  • 4.2.3 Fogões solares do tipo parabólico

É o sistema de melhor rendimento, funciona com direcionamento acompanhando o movimento do sol. O concentrador parabólico direciona os raios solares para o ponto focal, onde é colocado a panela. A temperatura no foco pode chegar a 350 graus centígrados, atuando como um fogão convencional em termos de tempo de cozimento. Necessita de

redirecionamento a cada 10 minutos, que pode ser manual ou com “tracking” eletrônico, com

sensor e motor posicionador, que é mais caro.

4.3 POPULARIZAÇÃO DO FOGÃO SOLAR

O emprego do fogão solar como uma alternativa energética na cocção dos alimentos e atualmente uma alternativa ecologicamente importante e correta, sabe-se hoje que cerca de dois terços da população mundial (3 bilhões de pessoas), dependem diariamente de lenha para satisfação de suas necessidades energéticas direcionadas para a utilização domiciliar (cocção de alimentos e aquecimento). Isto representa nos dias atuais um desmatamento anual das florestas tropicais da ordem de 25.000 a 30.000 Km2. Esta ocorrência se dá exatamente entre as populações que habitam as regiões tropicais, portanto em áreas propícias ao uso da energia solar. Com o uso de fogões solares em regiões propicias como estas além do beneficio econômico há do preservação ambiente local.

9

4.4 VANTAGENS DO USO DO FOGÃO SOLAR

A principal vantagem do uso do fogão solar é a disponibilidade de energia gratuita e abundante, além da ausência de chamas, fumaça, perigo de explosão, incêndios. A energia calorífica concentrada na zona focal do fogão é suficiente para fornecer as calorias necessárias à ebulição da água, cozinhar, assar, fritar, aquecer alimentos.

O uso sistemático do fogão solar somente trará benefícios para o usuário, principalmente os de baixa renda que habitam as zonas rurais. Por outro lado a sua frequente utilização representa uma contribuição inestimável a fauna e a flora, hoje tão comprometidas com o desmatamento inconsequente e predatório na busca de lenha, gravetos e materiais outros destinados a produção de energia térmica.

O emprego da energia solar não apenas na cocção de alimentos, mas ainda no aquecimento de água, secagem de produtos agropecuários, evidencia uma prática ecologicamente correta que não deve ser negligenciada. Podemos citar entre as vantagens do fogão solar:

  • 1. Mais limpo

Com o fogão solar você utiliza energia mais limpa e natural: A radiação solar.

  • 2. Mais barato

Nenhuma energia elétrica, nem gás, nem carvão, nem lenha é necessário. A energia solar é gratuita. O fogão solar pode cobrir entre 60 e 70% da sua energia.

  • 3. Mais saudável

Com o fogão solar você evita a emissão de dióxido de carbono (a fumaça do fogão de lenha) que causa doenças respiratórias, além de está contribuindo negativamente para propagação do Efeito Estufa. Um fogão solar pode evitar a emissão de 5 toneladas do dióxido de carbono por ano.

10

Quem usa um fogão de lenha precisa dedicar muito tempo em busca de lenha. Este tempo pode ser aproveitado para estudar ou trabalhar.

  • 5. Melhor para o meio ambiente

No Sertão do Brasil 30% da madeira retirada da caatinga transforma-se em lenha. Utilizando o fogão solar, será possível economizar até 55% dessa lenha.

  • 6. Mais simples

Quem cozinha diariamente não terá dificuldades com manejo. O sol aquecerá a panela e você se surpreenderá quão simples é, especialmente porque, você não precisa observar todo tempo para que sua comida fique cozida.

  • 7. Geração de renda:

Uso em restaurantes, lanchonetes, pousadas etc.

Produção de calda e geleia;

Conservação de frutas e verduras (cozedura);

Torrefação de café ou amendoim ou outros sementes;

Produção de bolo ou pão;

Fabricação de sabão, creme ou óleos;

Esterilização de água ou instrumentos;

Corar tecidos;

Esquentar água para lavar pratos ou roupas, ou até mesmo para ingestão;

Aquecer ferro para passar as roupas;

4.5 DESVANTAGENS DO USO DO FOGÃO SOLAR

Diferentemente dos sistemas que operam segundo a conversão térmica da radiação solar, o fogão exige para o seu funcionamento a presença da radiação solar direta, isto é, céu claro e muito pouca nebulosidade, já que trata-se de um sistema que opera segundo a reflexão desta radiação. Nas figuras abaixo vemos que o ideal é sol claro sem nuvens mas também consegue-se cocção com poucas nuvens.

11

No Brasil, as melhores regiões são o nordeste, centro-oeste, sudeste, norte. A região sul tem menor desempenho, mas é possível utilizar fogão solar.

A utilização do fogão solar nas áreas potencialmente propícias dar-se-á praticamente durante todo o dia sendo o intervalo correspondente entre 9 e 15 horas o que melhor se adequa à sua utilização. No verão o rendimento é maior, e no inverno é possível cozinhar, mas com menor rendimento.

5 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Este relatório se baseia nos experimentos conduzidos a partir dos dados coletados previamente, para o desenvolvimento do protótipo do fogão solar. Com eles em mãos, foi possível traçar alguns esboços gráficos que auxiliassem a construção do protótipo. Inicialmente foi pensado em se utilizar de materiais produzidos especialmente para este fim, mas a partir de algumas reuniões de grupo, foi decidido que o objetivo principal da construção do fogão seria a viabilização deste a partir de um baixo custo e com materiais acessíveis a qualquer um. Essa opção foi definida a partir da análise mais detalhada dos públicos em que esse projeto poderia ser útil ou de interesse.

É de conhecimento público e geral, das dificuldades enfrentadas por algumas famílias brasileiras, onde além do desafio diário na busca por alimentos, existe outro desafio que é desprender uma parte da renda na geração de energia para o cozimento destes alimentos. Com isso em mente nos propusemos a desenvolver um protótipo que substituísse ou auxiliasse na redução de gastos desse público em particular. Viabilizar tal produto, garante a sociedade alternativas eficientes do uso da energia solar e todo seu potencial, pois além de ser abundante, principalmente no nordeste, ela é considerada uma energia limpa, livre de resíduos de sua utilização.

Seu uso sustentável apesar de pouco explorado hoje, garante estímulos para o avançar de pesquisas direcionadas a sua aplicação e em paralelo projeta um futuro promissor de sua utilização como fonte de energia potencial e em larga escala.

5.1 CONSTRUÇÃO DO PROTÓTIPO

12

 

01 Suporte circular de ventilador usado;

01 Grade de proteção em ferro do ventilador;

Papel alumínio

01 Espelho;

04 Arames;

01 Suporte de panela;

01 Panela;

Bandeja metálica;

2.

Procedimento

Para dar início a construção do protótipo, foram feitos alguns ensaios com intuído de proporcionar uma melhor eficiência na reflexão dos raios solares para o aquecimento da panela.

Estes ensaios foram direcionados principalmente em relação ao espelho, pois este possui um potencial de reflexão maior que o papel alumínio. Seu posicionamento foi levado em conta na busca por uma área que tivesse uma boa reflexão e que este estivesse acomodado em um local que evitasse sua queda. Com ele devidamente posicionado no suporte, o suporte do ventilador foi acoplado a estrutura em grade de ferro e a ele foi adicionado 03 arames para garantir uma maior estabilidade ao movimentar a área de incisão dos raios solares.

Estruturado o protótipo, a próxima etapa foi a preparação do alimento a ser utilizado no cozimento, para este passo utilizamos um pacote de miojo e água. O teste se deu início às 11hrs e finalizado as 12:30.

Durante esse período conseguimos observar o aumento gradativo da temperatura, mas este era alvo de empeceres que dificultavam um ganho enérgico maior, como por exemplo o vento, passagens de nuvens e o próprio papel metálico da estrutura, que apesar de contribuir na reflexão e criação de um ambiente propicio para o cozimento, não possuía uma área constante, apresentando elevações, dobras e amassados, fazendo com que alguns dos raios refletidos não atingisse o alvo, no caso a panela, reduzindo assim um possível maior ganho energético. É importante ressaltar que todos os dados coletados apesar de terem sido

13

obtidos a partir de técnicas manuais e visualização, sendo assim sem a utilização de nenhum equipamento que determinasse a temperatura inicial e final do absorvedor e assim calcular a variação da temperatura em relação ao tempo, os dados foram suficientes para definir a eficácia do protótipo como positiva e visto que o cozimento do miojo foi concluído.

3.

Custo-Benefício

Em comparação com os meios tradicionais para cozimento de alimentos, o fogão solar não possui a mesma eficiência e praticidade, mas ele se torna uma alternativa interessante no que se refere a economia proporcionada, visto a fonte de energia ser livre.

Sendo assim, se compararmos em média o valor de um botijão de uma marca qualquer como aproximadamente R$50,00 e tomando seu uso a partir da quantidade de membros comuns em uma família (04 pessoas), este mesmo tem duração de aproximadamente 30 dias, totalizando R$600,00 no período de um ano. Já o fogão solar, foi construído a partir de algumas peças reutilizadas, onde este foi envolvido com papel alumínio. Considerando o desgaste do papel alumínio seja ele por qualquer forma, levamos em consideração a utilização de 01 rolo a cada 03 meses. Com isso o custo para se fazer um fogão solar se resume a aproximadamente 04 rolos de papel alumínio em um ano totalizando aproximadamente R$14,00 (R$3,50/unidade).

A economia gerada a partir da utilização do fogão solar durante um ano se resume ao valor de R$586,00 para a família, valor este considerável para uma família de baixa renda. Com tudo, pode-se concluir que apesar de não ser muito prático e necessitar de ajustes para melhorar a absolvição de energia, este pode ser uma alternativa para a preparação de alimentos alternados com outras fontes de energia tradicionais.

6 CONCLUSÃO

O uso da energia solar para o preparo de alimentos apresenta uma série de benefícios, como o baixo custo, uma vez que pode ser feito a partir de materiais recicláveis. Não agride ao meio ambiente, pois utiliza uma fonte renovável de energia, além de evitar o uso de outras fontes mais poluentes, ou seja, apresenta sustentabilidade.

14

LISTA DE ILUSTRAÇÕESLISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 Figura 2
Figura 1
Figura 2
14 LISTA DE ILUSTRAÇÕESLISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 4

Figura 3

14 LISTA DE ILUSTRAÇÕESLISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 4

Figura 4

14 LISTA DE ILUSTRAÇÕESLISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 4

Figura 4

14 LISTA DE ILUSTRAÇÕESLISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 4

Figura 5

15

REFERÊNCIAS

LOUBACK, Artur.

Como

funciona

o

forno

solar?

Disponível em:

Novembro de 2015.

STACCO, Maria Clara. ENERGIA SOLAR - USOS E APLICAÇÕES. INTRODUÇÃO AOS FOGÕES SOLARES. Disponíveis em: <http://www.fogaosolar.net/introd.html>. Acesso em 06 de Novembro de 2015.

NICOLAU, Andrade. COMO FUNCIONA O FORNO SOLAR P.S. MULTIUSO? Disponível em: <http://plenosol.com/2013/05/08/como-funciona-o-forno-solar-p-s-multiuso>. Acesso em 06 de Novembro de 2015.

ZIMMERMANN, Andrea FAÇA VOCÊ MESMO UM FOGÃO SOLAR. Disponível em:

2015.

TAVARES, Cristiano da Rocha. Construção de um Fogão Solar com Materiais. Disponível em: <http://becn.ufabc.edu.br/guias/energia/resumo/EN_C3_N_04.pdf> Reutilizados. Acesso em 02 de Novembro de 2015.