1 INTRODUÇÃO

Apresentar do que vai se tratar o relatório, qual o objetivo, qual o método
utilizado e as definições dos seguintes conceitos (embasados sempre em literatura
especializada):
A Caixa de Skinner foi um instrumento constituído para executar
experiências com animais e serve para de ajuda para levar efeito a uma ação física
qualquer através deste trabalho cientifico que o psicólogo pode descrever e verificar
os tipos de reforços. Estes conhecimentos foram usados na modelagem de
comportamentos e foi transversalmente da mesma que se pode notar o alcance de
novos comportamentos através do reforço e, ainda, que comportamentos malquistos
foram suprimidos com o não reforçamento do comportamento. Ficaram evidente a
relação entre aprendizagem e controle dos estímulos do meio ambiente dentro desta
abordagem delineada.
Skinner identificou dois tipos de respostas, através de estudos em
laboratórios, que hoje conhecemos como as respondentes e as operantes. As
respondentes são aquelas observadas nos estudos de Pavlov e Watson, ou seja,
são respostas que o organismo reproduz por causa de determinado estímulo.
Demonstrada no experimento a seguir: As respostas operantes identificadas por
Skinner são aquelas que não dependem de estímulos, ou seja, são naturais do
organismo, elas operam no meio externo, o modificando. A Análise do
Comportamento é um dos tipos de abordagem psicológica na qual visa na definição
do ser humano partindo da sua interação com o ambiente. Sendo que neste leva-se
em conta o mundo físico e social, à história de vida e a interação com nós mesmos.
As consequências que um comportamento aleatório produziu no passado
selecionam novos comportamentos, influenciando dessa forma se este continuará
ou não ocorrendo, exceto no caso do condicionamento respondente. Dessa forma,
se for alterada as consequências do comportamento, o comportamento modificara
provavelmente.
Depois Watson, temos outro meritório pesquisador da mesma linha: B.F.
Skinner. O Behaviorismo Radical, como foi nomeado por Skinner, teve grande
aquiescência nos Estados Unidos e no Brasil. Este pesquisador sugeriu que essa

em algum grau. . c) Estímulo: Qualquer acontecimento externo ou interno a um organismo. O Behaviorismo destaca-se entre várias teorias que estuda o comportamento humano e a aprendizagem são comportamentos resultantes de interação com o ambiente. permite modelar um determinado comportamento pretendido através da administração de reforços. Estudar o comportamento de ratos nos fornece insights sobre o comportamento humano. b) Comportamento: A relação que este mante com o ambiente. o modelo padrão experimental para a medida daquilo que foi descrito por Skinner (1941). com a fisiologia humana.1 Conceitos do Condicionamento Operante Fazer um parágrafo curto introdutório e não se esquecer de colocar a fonte de onde se retirou os conceitos! a) Condicionamento operante: Se refere aos estímulos que seguem a resposta.filosofia da Ciência do Comportamento só se pode agir através da análise experimental do comportamento. e) Contingência comportamental: É uma unidade de análise do comportamento. Esta abordagem teve como impulsor Skinner que procurava explicar como funciona o comportamento humano e de animais através da observação. O Sniffy Virtual Rato simula uma forma de condicionamento operante denominada resposta emocional condicionada (CER) ou supressão condicionada. pois a fisiologia desse mamífero roedor se parece. susceptível de ser captado pelos seus receptores e de levar a uma reação. d) Reforço: Qualquer acontecimento (estímulo) que segue uma resposta e aumenta a probabilidade dessa resposta ocorrer. 1. Estímulos e respostas. Descreve uma relação funcional em suas partes ambientais (os estímulos) e organísmicas (as respostas). na mesma situação.

A quantidade de respostas não varia entre um reforçador e outro. O comportamento é aprendido a base de toda área de treinamento comportamental.aedi.br/parfor/letras/images/documentos/ativ1_2014/abaetetuba/to meacu2011/ensino_as%20abordagens%20do%20processo. é aquele que pela sua própria natureza é capaz de condicionar independente de qualquer aprendizagem prévia. somente algumas respostas serão reforçadas. g) Programa de reforço contínuo: Todas as respostas. i) Reforço secundário: Qualquer estado de reforço ou recompensa que derive sua eficácia de um processo anterior de aprendizagem ou condicionamento.pdf 01/10/2015 < Acesso em .br/parfor/letras/images/documentos/ativ1_2014/abaetetuba/to meacu2011/ensino_as%20abordagens%20do%20processo. REFERÊNCIAS <http://www. <http://www.ufpa.pdf < Acesso em 01/10/2015. Assim reforço secundário é aquele que usados em associação com o reforço primário passa a ter a capacidade de condicionar após um processo de aprendizagem ou condicionamento. l) Discriminação: é a capacidade que temos de perceber diferenças entre estímulos e responder diretamente a cada um deles m) Generalização: É a capacidade de percebermos diferentes semelhanças entre estímulos e responder de maneira semelhante ou igual.ufpa. h) Reforço primário: Tende a ser um reforçador para todas as espécies. j) Programa de reforço intermitente: Em um programa de reforçamento intermitente.f) Modelagem: É um processo pelo qual determinados comportamentos vão sendo incentivados. Estes programas dividem-se em esquemas de reforçamento em razão e esquemas de reforçamento de intervalo. k) Razão fixa: O organismo deve emitir uma quantidade fixa e invariável de respostas para que o reforçador seja apresentado. sem exceção são reforçadas.aedi.

qual é o programa de computador utilizado.<http://bases. -O programa utilizado é Sujeito Rato virtual do programa Sniffy Pro 3.exe/iah/online/? IsisScript=iah/iah.bireme.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearc h=97879&indexSearch=ID< Acesso em 01/01/2015 2 MÉTODO Apresentar os dados: qual é o sujeito. -Métodos: O experimento durou aproximadamente 15 a 30 minutos. quanto tempo dura a sessão e colocar uma imagem do programa.17e24 de setembro de 2015 no Laboratório de Informática na Universidade anhanguera de são Paulo –UNIAN -Foram utilizados 1 computador .0 .br/cgi-bin/wxislind. cada experimento foi realizado por dois observadores: os dois observando e anotando os seguintes comportamentos: .2 folhas de registro de observação para a realização do experimento. qual o período de experimento.Materiais Utilizados: -O experimento foi realizado no dia 10. um celular e uma caneta.

tendo assim o maior objetivo na modelagem e quando estiver associando aos estimulo imposto. temos como objetivo observar. com a comida. entender e descrever como se dá o processo de aprendizagem nos animais. . Depois que ele for modelado observaremos efeito progressivo do reforço. e como pode influenciar e até que ponto há relevância nos resultados obtidos para comportamentos dos seres racionais. como podemos aplicar os resultados em seres racionais e quais as consequências.3 PROCEDIMENTOS Parágrafo introdutório explicando o que será apresentado a seguir. O Sniff será condicionado a associar o ruído. Para associar a barra comida através do som. Usamos o programa Sniffy Pro. e apontar em quais literaturas o procedimento foi embasado. do comedouro.

levantar-se nas patas traseiras aproximando o focinho do teto da caixa (LE). COÇAR-SE (C).1 Nível Operante (NO) Apresentar qual o objetivo da fase NO. ao ser introduzido pela primeira vez na caixa de experimental. composto por duas pessoas. O sujeito um. comportamentos emitidos como ao tocar a barra com uma ou ambas as patas (T). em um primeiro momento. Experimento 1º dia .Objetivo do relatório é observar os comportamentos que o objeto de estudo produz em seu nível operante e em seu nível condicionado. dividiram suas tarefas. 3. 3.10 de setembro de 2015 (objetivo da fase NO) Observamos o comportamento do rato virtual. o grupo. e assim podemos observar qual foi o seu comportamento antes que houvesse qualquer tipo de manipulação. relatando de que maneiras ele vai operar no ambiente segundo os conceitos abordados por Skinner. defecar (d) Lamber o Comedouro (LA). se posicionou com o cronômetro e adotou a tarefa de marcar o início e o fim da realização da atividade. ou seja qual foi seu comportamento e seu repertorio na caixa. E este anotou os diversos comportamentos de Sniffy.2 Treino de Comedouro (TC) . enfiar o focinho entre a barra do assoalho (E). além de avisar a passagem de tempo de minuto a minuto para a pessoa um (hum). o dia em que ocorreu e o procedimento com verbos no passado passo-a-passo.

em que Sniffy se deslocaria até o comedouro. em menos de 03s. em um segundo momento. (objetivo da fase TC) Assim. apenas anotávamos as repostas de comer a cada nova tentativa. dessa vez.Apresentar qual o objetivo da fase TC. foi selecionado no Menu Experiments o Design Operant Conditioning Experiments. onde foi aberta uma caixa de diálogo e. Foram utilizadas 20 tentativas teve duração 30 minutos. foi orientado que iniciassem a primeira sessão de treino ao comedouro.17 de setembro de 2015. feito por nos. referente ao experimento de nível operante.mas. Como o programa “Sniffy Rat Pro 3. à medida que o experimento prosseguia. a associação barra som e a força da ação. O critério de encerramento estabelecido foi a busca por alimento. além de registar os tempos que eram passados nesse experimento era necessário esperar que Sniffy se aproximasse do comedouro para disponibilizar uma pelota de alimento. o dia em que ocorreu e o procedimento com verbos no passado passo-a-passo. tendo sido realizado das 19h40 às 9h15. para a folha de registro e anotava as respostas de comer. anotando o tempo em que era acionada a barra de espaço para disponibilizar a pelota de alimento para Sniffy até que este comesse. o tempo de busca pelo alimento entre 03 e 06s. LE. E continuamos a anotar os comportamentos de Sniffy . 2ª dia . assim que ouvisse o som do alimentador. deixa-se aqui o consenso entre os sujeitos que observavam: Sniffy iniciou a associação som-alimento. Os sujeitos inverteram suas posições. . não foi possível colocar neste relatório com exatidão o nível da escala que Sniffy alcançou com o condicionamento. um marcava o tempo de reação de Sniffy e passava. onde se observava. na seção Target Behavoir foi selecionado o Press Barr. D e LA. pois ao final da sessão de treino ao comedouro já apresentava. o controle do comedouro permaneceu na posição manual – já que Sniffy não seria reforçado com comida. mas o som a comida. Passamos usar o cronômetro – ”. não anotamos registrou comportamentos como T.0” salvo deu início às seguintes configurações foram feitas: dentre os ícones disponíveis na barra de ferramentas. na vigésima tentativa. Porém.

anotando o tempo de reação após o pressionamento da barra de espaço liberando a pelota de alimento até que o rato virtual (Sniffy) comesse.3 Modelagem (M) e Reforçamento Contínuo (CRF) Apresentar qual o objetivo das fases M e CRF.0”. Foram realizadas 25 tentativas. Assim. O uso do cronômetro. foram trinta minutos de observação. anotações dos comportamentos realizados incluindo. vezes consecutivas. onde Sniffy. As duplas iniciaram o programa “Sniffy Rat Pro 3. seguindo os seguintes. tudo registrado na folha de registro. deveriam iniciar o procedimento de registros cumulativos (CRF). não haveria tempo hábil de realizar a modelagem. número de resposta. na nonagésima até a vigésima foi em direção ao comedouro em um intervalo de 01 a 04s quando o som do alimentador ecoou pela câmara operante. Anotar as respostas de pressão à barra – para cada pressão era colocado na folha de registro esse símbolo (/). adentrando em “open”. com o fim do experimento às 21h30. Assim. Foi possível observar a evolução de Sniffy na associação som-alimento e . ” Onde o arquivo da primeira sessão de treino ao comedouro de Sniffy. entretanto. o dia em que ocorreu e o procedimento com verbos no passado passo-a-passo.3. No mesmo dia 17 de setembro deu-se início a modelagem (M) e o reforçamento continuo (CRF) Na segunda sessão de treino ao comedouro. este foi utilizado para dar início à segunda sessão. sem ter sido previamente estimulado e conseguido que Sniffy pressionasse a barra. finalizamos o experimento. iniciada às 21h20 e encerrada às 21h50. que ocorre quando o Sniffy pressiona a barra sozinho. dando acesso aos documentos contidos no computador. O anotando os comportamentos de Sniffy as repostas de comer a cada nova tentativa. e executaram os seguintes comandos: na barra de ferramentas do software foi selecionado o “Menu file”. Deveriam ser feitos 30 minutos. ou seja. Com o cronometro eram informados cada minuto passado. para disponibilizar o alimento assim que Sniffy andasse em direção ao fundo da câmera operante. observações necessárias.

oriundas dos procedimentos. cheirar. farejar. Coloque legenda. pressionar a barra. Sniffy passou de ¾ de associação nos dois casos. 4 ANÁLISE DOS DADOS Faça um gráfico (histograma) com todos os comportamentos emitidos pelo sujeito experimental no exercício do nível operante. Tabela 1. após trinta minutos. Aqui serão apresentadas as tabelas e figuras (gráficos).força de pressão à barra gradualmente. Na ordenada os comportamentos do sujeito (andar. juntamente com uma discussão comprovando ou não o que a teoria estabelece.) e na abscissa a taxa de resposta. etc. Faça os comentários sobre os dados obtidos. Assim. Mensuração do nível operante Respostas Tocar a barra Entre a barra Levantar-se Coçar-se Defecar Frequência da resposta 12 33 91 160 0 . Utilize o recurso manual e folha de gráfico ou pelo computador. foram seguidos os comandos.

12 Rs/min.O. foi de 0. ou seja. coçar. Estes comportamentos concorrentes tendem a diminuir em razão do reforço positivo por pressionar a barra.O.8 Rs/min no CRF. As tentativas necessárias para que o sujeito virtual associasse o som de liberação da pelota de alimento com o alimento estão representadas Demonstrando uma evolução deste comportamento. O CRF tem por objetivo reforçar o comportamento de pressão à barra para que ocorra uma associação de uma resposta inicialmente neutra. passando para 10. defecar e lamber quando comparado ao N. A taxa inicial do N.Lamber-se 13 Frequencia de Resposta 180 160 160 140 120 91 100 80 Resposta total 60 Linear (Resposta total) 33 40 20 12 13 0 0 Gráfico 1. que é pressionar a . o sujeito experimental deveria realizar pressão à barra sem a necessidade de ser reforçado. diferente do que ocorre se o sujeito mantiver os comportamentos que não proporcionam uma resposta semelhante. a partir da RPB o sujeito virtual recebe a pelota de comida. após trinta minutos. por meio de aproximações sucessivas da resposta final desejada. Mensuração do nível operante Como a modelagem tem por objetivo diminuir respostas concorrentes e reforçar um único comportamento. Observou-se no CRF uma diminuição nos comportamentos de tocar a barra.

ocorreu um regresso ao estágio de frequência constante.barra. Qual a diferença entre elas? Como você explica esta diferença? Qual o tempo de latência maior e menor de todo o exercício? Quantos reforços (comida) o sujeito recebeu e quais os comportamentos que ele emitiu ao longo do exercício? Pode-se observar. observou-se primeiramente uma frequência constante até o 5º RPB acumulado. Modelagem da resposta de pressão a barra e reforço continuo Respostas Frequência da resposta Levantar próximo a barra 14 Levantar em frente a barra 08 Pressionar a barra 40 . 1993). na ordenada o tempo de reação ou latência do sujeito e na abscissa as tentativas realizadas. a partir dos dados. que neste caso é a liberação da pelota de alimento (Gomide & Dobrianskyj. Utilize o computador. manteve-se constante o número de acertos e números de erros. Coloque a legenda. Entre o 16º e o 21º RPB houve uma aceleração positiva com um aumento de acertos. 1) Relate seus resultados. a um reforçador. que o sujeito necessitou de 20 tentativas para adquirir. Faça os comentários sobre a curva obtida. compare o tempo de reação ou latência da 1º tentativa com o da 10º e com a última tentativa. ou seja. 2) fazer um gráfico. após 25 RPB consecutivos sem reforço. Tabela 2. Após o 23º RPB. O critério de encerramento desse experimento se deu.

(01s). Assim. que o sujeito necessitou de 20 tentativas para adquirir o comportamento desejado. O maior tempo de reação foi verificado na tentativa 8º (0. Uma justificativa para a ocorrência do maior tempo pode estar relacionada à lentidão do reforço após a resposta. 12.Frequência da resposta 45 40 40 35 30 25 Frequência da resposta 20 15 10 Linear (Frequência da resposta) 14 8 5 0 Gráfico 2. onde verificou-se o menor tempo de reação nas tentativas 7. a partir dos dados d. acompanha uma escala de 2 em 2 números. desta forma. 16. entretanto. O sujeito apresentou um tempo médio de reação de 0. a representação da 20ª tentativa está identificada apenas pela linha. é necessário que o reforço ocorra imediatamente após a resposta desejada ser emitida A figura 6 foi elaborada a partir dos dados levantados no dia 17 de setembro de 2015 e anotados na folha de registro do experimento. Modelagem da resposta de pressão a barra e reforço contínuo Pode-se observar. No eixo vertical apresentam- .01s. se alimentar antes de 03s a partir da liberação da pelota de alimento.28s). O gráfico.

mas este experimento é de grande valia no avanço de nossos estudos. fazê-lo associar o som com o alimento sendo disponibilizado. Para que todos os experimentos venha ser reaplicado em seres racionais. assim nem sempre o que afeta uma pessoa pode afetar a outra. pode ser que não seja para o outro indivíduo. pois o que pode ser reforçador para um indivíduo. Concluímos que apesar desse estudo tenha feito usando um rato virtual ele pode nos ajudar a entender um pouco do comportamento apresentado pelos humanos. Visto os resultados. 3) Resumo dos resultados dos dois exercícios realizados: Nível Operante e Treino de Comedouro.se os números de tentativas. ou seja. decorrentes da pressão à barra feita pelo sujeito. fica evidente que o comportamento é afetado por suas consequências e tendo como controlar o ambiente. mas não explica totalmente porque o comportamento humano é muito complexo e envolve a subjetividade de cada um. devemos observar o que podemos utilizar como estimulo reforçador positivo ou negativo para aquele objeto de estudo. temos melhor condições de controlar também o comportamento. no caso de punição positiva pode ser que: os contra efeitos podem ser piores que o comportamento existente. . pode acontecer do indivíduo eliciar respostas aversiva no comportamento ao estímulo que lhe foi apresentado. ou seja. e como citado na teoria de Skinner. enquanto que no eixo horizontal estão os 30 minutos de experimento. modelá-lo para que aprendesse a pressionar a barra para ganhar alimento para que depois pudéssemos ver o efeito da extinção e o efeito da punição nos comportamentos. Observamos o sujeito experimental (Sniffy) em seu nível operante e tivemos como objetivos: treiná-lo ao comedouro.

acompanha uma escala de 2 em 2 números. entretanto. O sujeito apresentou um tempo médio de reação de 01s. São Paulo: Thomson Learning.Analise Experimental do Comportamento: parte ½ ANEXOS Colocar as folhas de registro utilizadas nas sessões realizadas. se alimentar antes de 03s a partir da liberação da pelota de alimento. Uma justificativa para a ocorrência do maior tempo pode estar relacionada à lentidão do reforço após a resposta. O maior tempo de reação foi verificado na tentativa 8 (0:28s).0. se houver. as de rascunho e as “passadas a limpo”. Jeff. o rato virtual: versão para o 2. Sniffy.4) Relate a duração da fase da Modelagem. REFERÊNCIAS Moreira e Medeiros. quais as principais dificuldades e descreva como percebeu o processo de aprendizagem de seu sujeito. a partir dos dados. . 2007 WILSON. Pode-se observar. Tom. que o sujeito necessitou de 20 tentativas para adquirir o comportamento desejado. Material didático da Estácio . desta forma. a representação da 20ª tentativa está identificada apenas pela linha. ALLOWAY. GRAHAM. é necessário que o reforço ocorra imediatamente após a resposta desejada ser emitida. Assim. O gráfico. onde verificouse o menor tempo de reação nas tentativas 1. 2006. Greg. a 10 (02s).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful