Você está na página 1de 3

SINODO NORTE CATARINENSE

FORMAÇÃO POR EXTENÇÃO

ASSUNTO: SOLUCIONANDO CONFLITOS


OBJETIVO: Estudo para grupos de casais. Chamar atenção de
casais sobre a questão do conflito no Matrimônio.
METODO: Começar com a pergunta: como os casais resolvem
seus conflitos no dia a dia. Após algumas respostas
entregar o texto e fazer a leitura.
LEMBRETE: O líder deve buscar subsídios e tomar cuidado
para não impor sua opinião de princípio. O
assunto deve ser tratado com muito cuidado e
com sabedoria

É inevitável que haja conflitos no casamento. Marido e mulher


vêem as coisas sob ângulos diferentes, e o casamento seria algo muito
sem praça se não fosse assim. No entanto, as diferenças podem provocar
discórdias, e estas, por sua vez, podem provocar conflitos que são
capazes de suscitar estados emocionais altamente frustrantes.
Com freqüência os casais encaram os conflitos com certo tremor,
crendo que são motivo de ameaça ao seu relacionamento. Este conceito
errôneo leva alguns a evitarem os conflitos por meio de teimosa recusa
em reconhecer sua presença, fugindo deles, e forçando os sentimentos
no sentido de não permitir que venham à tona. Ignorá-los, porém não os
soluciona. Na verdade, algumas vezes surgem sérios problemas quando
os sentimentos não são liberados. Algumas regras simples podem levar a
uma solução construtiva dos problemas.

1 – Escolha o momento e o lugar mais apropriados. É melhor que os


conflitos sejam resolvidos assim que surgem. Porém se um dos dois está
zangado demais ou revela uma atitude não razoável, é melhor que 4 – Demonstre respeito. É provável que você não concorde com a
a discussão seja adiada. Contudo, não a adie por muito tempo. Se posição de seu cônjuge, e se oponha terminantemente a ela. Entretanto
seu cônjuge não voltar a tocar no assunto seria conveniente então ainda pode respeitar seu direito de ter suas próprias opiniões. Certas
que você tomasse a iniciativa. Não permita interrupções coisas jamais devem ser feitas numa discussão amadurecida, como, por
desnecessárias durante a discussão. Se achar conveniente tire o exemplo, insultos, ameaças de divórcio ou suicídio, observações a
telefone do gancho e não atendam a campainha. Se as crianças não respeito dos sogros ou parentes, emprego de expressões que diminuam a
estiverem fazendo parte da discussão, explique-lhes que estão aparência ou inteligência do cônjuge, violência física, gritos ou
tentando resolver uma importante questão e peça-lhes que não os interrupções. Palavras ditas com ira não poderão ser apagadas, e na há
interrompam. Se forem capazes de tratar do problema de maneira nada que possa desfazer seu efeito.
construtiva, não há nada de errado em permitir que elas estejam
presentes observando e, desta forma, aprendendo métodos sadios 5 – Faça uma lista das soluções possíveis. Quando os sentimentos
de lidar com desentendimentos. tiverem sido descritos aberta e construtivamente, será mais fácil
Evitem discutir questões importantes tarde da noite. As decisões entender as questões em jogo e apresentar alternativas razoáveis. Analise
tomadas há esta hora, quando o corpo está física, mental e toda solução possível, mesmo que pareça pouco prática, pois do
espiritualmente cansado, podem ser motivadas pelo nervosismo, e conjunto surgirá uma solução definitiva.
não pela razão. O melhor plano seria deitar-se na hora costumeira e
deixar a discussão para a manhã seguinte, quando o casal poderá 6 – Avalie as soluções. Uma vez que todo o tipo de informação
levantar-se uma hora mais cedo. disponível tenha sido analisado, ambos poderão fazer uma escolha
Muitas famílias bem organizadas dedicam uma noite por semana inteligente do procedimento mais conveniente para encontrar a solução.
para tratar de suas queixas. Isto elimina a conversação
desagradável durante as refeições e em outras ocasiões 7 – Escolha a solução mais aceitável. Dediquem-se a escolher a
inadequadas, ao mesmo tempo que permite o estudo de situações solução que mais se aproxime da necessidade dos dois ou daquele que se
antes que estas escapem ao controle. sente ofendido. Esta escolha poderá ser uma boa medida de negociação e
compromisso. Nesta batalha não deve haver vencedor, pois onde há um
2 – Seja direto. Esclareça seus sentimentos aberta e vencedor, há também um perdedor, e ninguém gosta de perder. A
respeitosamente, usando as mensagens pessoais (eu). Fale direta, solução pode ser possível quando um dos cônjuges cede
clara e resumidamente, sem deixar-se levar pela ira. Inclua razões voluntariamente, ou ambos cheguem a um acordo comum, ou um deles
que apóiem sua opinião. Explique como acha que o problema pode ante as exigências do outro. Será necessário cuidar para que não seja um
ser resolvido e o que está em jogo. Fale de maneira mais calma e dos cônjuges só que ceda todas às vezes. Para haver um conflito é
controlada possível, baixando o voluma da voz. necessário que haja duas pessoas, e par solucioná-lo deve ser da mesma
maneira. Ceder diante de outra pessoa durante um conflito requer
3 – Fique dentro do assunto. Apegue-se ao problema até que verdadeira maturidade, porque na verdade você está admitindo que sua
esteja resolvido. Quanto mais problemas forem trazidos à tona de análise da situação estava errado e que agora está pronto para mudar de
uma só vez, tanto menor a probabilidade de solucionar qualquer idéia.
um deles. Estabeleça uma regra que evite que problemas adicionais
sejam trazidos à baila, antes de ter solucionado o primeiro. 8 – Ponha sua decisão em prática. Decidam quem vai fazer o que,
onde e quando. É mais fácil encontrar uma solução quando ambos os
cônjuges estão dispostos a ver o problema do ponto de vista do
outro.

9 – O que Jesus nos ensina sobre conflitos. Que


diremos, pois?