Você está na página 1de 6
Revista Gaúcha de Enfermagem Artigo Original Estratégias educativas para melhorar a adesão à identifi cação
Revista Gaúcha de Enfermagem Artigo Original Estratégias educativas para melhorar a adesão à identifi cação

Revista Gaúcha

de Enfermagem

Revista Gaúcha de Enfermagem Artigo Original Estratégias educativas para melhorar a adesão à identifi cação do
Revista Gaúcha de Enfermagem Artigo Original Estratégias educativas para melhorar a adesão à identifi cação do

Artigo Original

Estratégias educativas para melhorar a adesão à identificação do paciente

Educational strategies to improve adherence to patient identification

Estrategias educativas para mejorar la adhesión a la identificación del paciente

Melissa Prade Hemesath a Helena Barreto dos Santos a Ethel Maris Schroder Torelly a Amanda da Silveira Barbosa b Ana Maria Müller de Magalhães b

DOI:

http://dx.doi.org/10.1590/1983-

RESUMO

1447.2015.04.54289 Objetivo: analisar o impacto de ações educativas nos resultados do indicador de adesão à verificação da pulseira de identificação de

pacientes, antes da realização de cuidados de maior risco. Métodos: estudo descritivo e exploratório, conduzido em hospital universitário de grande porte, entre janeiro de 2013 e dezembro de 2014, com 6.201 pacientes entrevistados. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva. Resultados: a análise e o acompanhamento do indicador de adesão ao uso da pulseira de identificação do paciente demonstraram uma tendência de aumento do percentual, atingindo, ao longo do período estudado, de 42,9% a 57,8%, entre janeiro e abril de 2013,

e de 81,38% a 94,37%, entre setembro e dezembro de 2014.

Conclusões: as estratégias educativas, ancoradas na sensibilização da equipe, otimizaram a adesão dos profissionais à verificação da identificação do paciente, o que contribui para o fortalecimento da cultura de segurança na instituição. Palavras-chave: Sistemas de identificação de pacientes. Segurança do paciente. Indicadores de serviços. Educação continuada.

ABSTRACT Objective: The aim of this study was to analyze the impact of educational actions on the results of an adherence indicator while checking patient identification wristbands before high-risk care. Methods: This is a descriptive and exploratory study that was conducted in a large university hospital between January 2013 and

December 2014, where 6,201 patients were interviewed. Data were analyzed by descriptive statistics. Results: The analysis and monitoring of the adherence indicator in patient identification wristbands showed a tendency to increased percentage along the study period, from 42.9% to 57.8% between January and April 2013,and from 81.38% to 94.37% between September and December 2014. Conclusions: Teaching strategies based on staff awareness improved the professionals’adherence to checking patient ID wristbands.

In addition, this result can contribute to strengthening the safety culture within the institution.

Keywords: Patient identification systems. Patient safety. Indicators of health service. Continuing education.

RESUMEN Objetivo: analizar el impacto de las acciones educativas en los resultados del indicador de adhesión a la verificación de la pulsera de identificación de los pacientes hospitalizados, previo a la atención más arriesgada. Métodos: estudio descriptivo y exploratorio, realizado en gran hospital universitario, entre enero de 2013 y diciembre de 2014, con 6.201 pacientes entrevistados. Los datos se analizaron mediante estadística descriptiva. Resultados: el análisis y el acompañamiento del indicador de adhesión al uso de la pulsera de identificación del paciente ha demos-

trado una tendencia de aumento del porcentual, alcanzando a lo largo del periodo estudiado, de 42,9% a 57,8% entre enero y abril

de 2013 para 81,38% a 94,37% entre septiembre y diciembre de 2014.

Conclusiones: las estrategias educativas, ancladas en la conciencia de equipo, han optimizado la adherencia de los profesionales para verificar la identificación del paciente, lo que ayuda a fortalecer la cultura de seguridad en la institución. Palabras clave: Sistemas de identificación de pacientes. Seguridad del paciente. Indicadores de servicios. Educación continuada.

b Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Escola de Enfermagem. Porto Alegre. Rio Grande do Sul. Brasil.

a Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Porto Alegre. Rio Grande do Sul. Brasil

Versão on-line Português/Inglês: www.scielo.br/rgenf www.seer.ufrgs.br/revistagauchadeenfermagem

Rev Gaúcha Enferm. 2015 dez;36(4):43-8.

43

Hemesath MP, Dos Santos HB, Torelly EMS, Barbosa AS, Magalhães AMMINTRODUÇÃO A preocupação com a qualidade e a segurança nos servi- ços de saúde tem

INTRODUÇÃOMP, Dos Santos HB, Torelly EMS, Barbosa AS, Magalhães AMM A preocupação com a qualidade e

A preocupação com a qualidade e a segurança nos servi-

ços de saúde tem ocupado um espaço crescente na área de gestão em saúde. A busca de excelência na qualidade assis- tencial e a necessidade de oferecer um cuidado com mini- mização de riscos para os pacientes tornaram-se um grande desafio para as organizações de saúde em todo o mundo. As iniciativas da Organização Mundial de Saúde (OMS), que culminaram no lançamento da Aliança Mundial para

a Segurança do Paciente em 2004, fortaleceram o movi-

mento das organizações e instituições no sentido de im- plantar metodologias para avaliar de forma sistemática os riscos à segurança dos pacientes nos serviços de saúde a fim de aumentar a qualidade do cuidado (1) . Nesse sentido, ganhou força a implementação de indicadores para moni- torar a qualidade e avaliar os resultados dos serviços ofere- cidos aos clientes nas organizações hospitalares (2) . Publicações de estudos do Institute of Medicine (3) e OMS (1) alertaram a comunidade científica e a sociedade sobre as questões que envolvem os riscos decorrentes de erros ou fa- lhas que podem causar danos ou até mesmo a morte de pa- cientes nos sistemas de saúde atuais. No ano de 2005, a OMS firmou parceria com a Joint Commission International (JCI) (4) para a formação do Centro Colaborador dedicado à Segu- rança do Paciente, atuando no sentido de disseminar as seis Metas Internacionais para a Segurança do Paciente, as quais são: 1. Identificar os pacientes corretamente; 2. Melhorar a comunicação efetiva (prescrições e resultados de exames diagnósticos); 3. Melhorar a segurança para medicamentos

de risco; 4. Eliminar cirurgias em membros ou pacientes erra- dos; 5. Reduzir o risco de adquirir infecções; e 6. Reduzir o ris- co de lesões decorrentes de quedas. Essas metas vêm sendo implantadas e acompanhadas mundialmente nos hospitais em processo de acreditação internacional (5) . Desde então, a recomendação da identificação correta do paciente passou a ser adotada como uma das metas para o alcance da segurança do paciente a nível mundial

e, em 2013, foi formalizada como parte integrante do Pro-

grama Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) no Brasil,

o qual preconiza a promoção e apoio à implantação de

iniciativas voltadas à segurança do paciente em diferentes áreas da atenção, organização e serviços de saúde (6) . As consequências das possíveis falhas nos sistemas de saúde trazem impactos negativos tanto para os pacientes e

suas famílias, quanto para as organizações e para a sociedade. Estudos apontam que a ocorrência de eventos adversos no processo de atendimento aos pacientes hospitalizados acar- reta complicações na evolução de sua recuperação, aumento de taxas de infecções e do tempo médio de internação (7-8) .

A estimativa de que, aproximadamente, uma em cada 10 ad-

missões hospitalares resulta na ocorrência de pelo menos um

44 Rev Gaúcha Enferm. 2015 dez;36(4):43-8.

evento adverso é alarmante, ainda mais se considerarmos que metade destes incidentes poderiam ter sido evitados, segun- do estudos conduzidos em hospitais americanos (9-10) . No Brasil, estudo realizado em três hospitais de ensino evidenciou a incidência de eventos adversos de 7,6%, dos quais 66,7% foram considerados evitáveis (11) . Esses achados, aliados a iniciativas como a Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente (REBRAENSP), criada em 2008 em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), também fortaleceram a intenção de disseminar a cultura de segurança para as instituições, trabalhadores e familiares de pacientes no cenário brasileiro (12) . De acordo com a National Patient Safety Agency (NPSA) (13) , entre fevereiro de 2006 e janeiro de 2007, foram registrados 24.382 relatórios de situações incompatíveis com os cuida- dos dos pacientes, e estima-se que aproximadamente 2.900 destes incidentes estejam relacionados ao uso de pulseiras de identificação, como a ausência da pulseira ou informações incorretas nas mesmas. A agência alerta que estas situações podem aumentar o risco de os pacientes serem identificados de forma incorreta e receberem um cuidado errado. Além dis- so, ressalta que a padronização das pulseiras de identificação, assim como a informação contida nas mesmas e os processos usados para conferência dos dados nos momentos críticos são fundamentais para melhorar a segurança dos pacientes. Diante dessas considerações, entende-se como fun- damental a adoção de indicadores e monitoramento dos processos para diminuir as chances de falhas atingirem os pacientes nos sistemas de saúde. O hospital em estudo, preocupado com o acompanhamento de melhoria desse processo, desenvolveu e implantou, em janeiro de 2013, um indicador que monitora a adesão dos profissionais à verificação da identificação do paciente nos momentos crí- ticos recomendados em protocolos reconhecidos. Com a finalidade de avaliar se ações educativas sensibi- lizam os profissionais à práticas seguras, questiona-se: Ações educativas são capazes de melhorar os resultados da adesão à verificação da identificação do paciente pelos profissionais? O propósito do presente estudo é analisar o impacto das ações educativas nos resultados do indicador Taxa de Adesão dos Profissionais à Verificação da Pulseira de Identificação do Paciente, discutindo sobre a adesão dos profissionais ao pro- cesso antes de procederem aos cuidados de maior risco.

pro- cesso antes de procederem aos cuidados de maior risco. METODOLOGIA Estudo descritivo e exploratório, de

METODOLOGIA

Estudo descritivo e exploratório, de abordagem quantita- tiva, desenvolvido em um hospital universitário da cidade de Porto Alegre. Trata-se de um hospital de ensino de capacida- de extra, com 843 leitos de internação para adultos e pedia- tria. Ao longo do ano de 2012, o processo de identificação dos

pacientes foi discutido e redesenhado. Anteriormente, o hos-

pital já adotava a prática de identificar seus pacientes através de uso de pulseiras, entretanto, os elementos identificadores do paciente eram escritos à mão e não eram padronizados. Em alguns momentos os profissionais acrescentavam o leito do paciente, em outros não escreviam o nome completo do paciente ou esqueciam de adicionar o número de seu prontu- ário. A rotina de conferência dos identificadores também não era praticada de maneira uniforme na instituição. Com base nas diretrizes recomendadas pelas principais entidades que vêm tratando das questões de qualidade assistencial e da segurança do paciente (1,5,13) , que reco- mendam a adoção de pelo menos dois elementos iden- tificadores para o paciente, o hospital discutiu e revisou seu processo de identificação, adotando em sua política o nome completo do paciente e seu número de prontuário como elementos identificadores. A instituição assumiu a conferência obrigatória desses identificadores, por parte dos profissionais de saúde, antes de proceder aos cuidados de maior risco (como administração de medicamentos, sangue e hemocomponentes, antes das coletas de sangue

e outras amostras para exames, antes de procedimentos

invasivos e outros tratamentos), a partir de janeiro de 2013. Desde então, foi desenvolvido e adotado um novo indi- cador de qualidade assistencial e de segurança do paciente para avaliar a adesão dos profissionais a este novo processo. Esse indicador buscou medir a conformidade da verificação da identificação do paciente, contida na pulseira, antes dos momentos de cuidado. O mesmo foi mensurado através de entrevistas com os pacientes internados, nas 17 unidades de internação abertas do hospital, quando foi questionada a percepção que o paciente, ou familiar/acompanhante, teve em relação à verificação de sua pulseira, por parte dos pro- fissionais, antes da realização dos cuidados de maior risco, como administração de medicamento, coleta de sangue, entrega da dieta ou procedimentos invasivos. O número de respostas “Sim”estabeleceu o percentual de adesão dos pro- fissionais à rotina de conferência da identificação. Para a coleta das informações do indicador foram en- trevistados diariamente 18 pacientes internados nas uni- dades de internação abertas de pacientes adultos e pedi- átricos. Os pacientes foram alocados aleatoriamente para

a entrevista e a cada dia eram entrevistados pacientes em

duas unidades de internação. Nas unidades pediátricas a entrevista se realizou com os pais ou acompanhantes das crianças internadas. A amostra foi calculada considerando 40% de adesão

à verificação da identificação, que era a prevalência obser-

vada no segundo semestre de 2012, antes da implantação do indicador. O erro permitido foi de 5%. Para a amostra ser significativa, deveriam ser entrevistados 306 pacientes ao mês, ou 18 pacientes ao dia.

Estratégias educativas para melhorar a adesão à identificação do paciente

para melhorar a adesão à identificação do paciente Os pacientes foram escolhidos aleatoriamente de duas

Os pacientes foram escolhidos aleatoriamente de duas unidades por dia (nove pacientes de cada unidade), confor- me escala fixa, de forma que cada unidade fosse visitada o mesmo número de vezes no mês. A escolha dos pacientes entrevistados se deu da seguinte forma: o total do número

de pacientes elegíveis foi dividido por 9 e o número inteiro do resultado foi escolhido como primeiro paciente. Este foi

o primeiro a ser entrevistado; o seguinte era o nono paciente após, considerando-se a ordem crescente dos leitos com os pacientes elegíveis na unidade, e retornando-se ao primeiro leito da unidade quando a numeração terminava, e assim

por diante, até chegar-se ao nono paciente. Se algum dos pacientes escolhidos não estivesse no leito, ou estivesse in- capacitado de responder e sem acompanhante que pudes- se informar, foi escolhido o paciente do próximo leito, mas a escolha do seguinte seguiu a ordem numérica inicial. Foram entrevistados os pacientes internados há mais de 24 horas no hospital, ou seus familiares/acompanhan- tes. Sendo considerados critérios de exclusão: pacientes in- ternados há menos de 24 horas, pacientes em isolamento ou portadores de alguma restrição de contato, pacientes sem condição de se comunicar ou sem familiares/acompa- nhantes no momento da entrevista. Ao realizar a entrevista, o pesquisador informou o ob- jetivo do questionário e garantiu o sigilo das informações, solicitando verbalmente o consentimento dos pacientes e familiares/acompanhantes para participar na entrevista. Ao final da entrevista, o pesquisador informou ao pa- ciente que a verificação da pulseira se trata de uma ação de segurança para que o paciente certo receba o tratamen- to a ele destinado corretamente. Este retorno foi sempre dado no sentido de educar o paciente a colaborar com esta ação de segurança, o que também é preconizado pela Joint Commission International (4-5) . Os dados foram coletados no período de janeiro de 2013

a dezembro de 2014, armazenados no software Microsoft Ex- cel for Windows® e transferidos para o sistema informatiza- do Gestão Estratégica e Operacional – Strategic Advisor, no módulo Performance Manager, que apresenta todos os in- dicadores estratégicos e operacionais do hospital. Os dados são armazenados no indicador denominado Taxa de Adesão dos Profissionais à Verificação da Pulseira de Identificação do Paciente. Fizeram parte da amostra 6.201 sujeitos, pacientes internados ou familiares/acompanhantes dos mesmos.

A análise dos resultados foi realizada através de esta-

tística descritiva, obtendo-se os percentuais no indicador

nos diferentes períodos de coleta dos dados para todo o hospital. Durante o acompanhamento do indicador, im-

plementaram-se estratégias educativas e ações gerenciais para melhorar os resultados obtidos.

A primeira estratégia foi uma campanha institucional

educativa, com a produção de um vídeo, de cartazes e fol-

Rev Gaúcha Enferm. 2015 dez;36(4):43-8.

45

Hemesath MP, Dos Santos HB, Torelly EMS, Barbosa AS, Magalhães AMM deres em relação às

Hemesath MP, Dos Santos HB, Torelly EMS, Barbosa AS, Magalhães AMM

deres em relação às seis Metas Internacionais de Segurança

do Paciente, propostas pela Joint Commission International, que ocorreu em abril de 2013.

A segunda ação foi a elaboração de um curso na mo-

dalidade de Ensino a Distância (EaD), que incluiu a apre-

sentação do vídeo produzido no primeiro momento e que demonstrou todos os processos que envolvem as seis Metas, bem como procedimentos dos profissionais para a

que as Metas sejam cumpridas, otimizando a segurança do paciente e a qualidade dos processos. Esta ação ocorreu em outubro de 2013.

A terceira estratégia foi a elaboração e disponibilização

de um curso, na modalidade EaD, específico sobre o pro- cesso de identificação, intitulado “Identificação Correta do Paciente Como Medida de Segurança”. Este curso foi dispo- nibilizado para todo o público-alvo do hospital a partir do mês de maio de 2014, sendo incorporado na matriz institu- cional de capacitação. O mesmo é elencado como obriga- tório para todos os profissionais de enfermagem, nutrição, fisioterapia, coletadores e profissionais técnicos de áreas de exames, que são as categorias profissionais diretamente envolvidas na prestação dos cuidados que devam envol- ver a ação de conferir a identificação previamente, como exemplo, administração de medicamentos, sangue, dietas e antes de proceder coletas/execução de exames. Nesse curso em EaD, utilizaram-se casos publicados na mídia e disponíveis nas páginas da Internet. Foram sele- cionados cinco casos sobre: troca de corpos no necrotério do hospital; troca de medicações de pacientes na unidade de emergência; bebês trocados em maternidade; troca de exames de pacientes com nomes semelhantes; troca de pacientes no momento da transfusão de plaquetas. Estes casos da mídia foram agrupados e editados para apresen- tação em formato de vídeo. Utilizou-se o software Flash Player para a animação, e todos os dados de identificação das instituições foram apagados, de forma a evitar a expo- sição, mesmo sendo casos públicos. Além dos casos da mídia, foram apresentados mais qua- tro casos descritivos, reais ou fictícios, sobre erros relaciona- dos a falhas de identificação. Em sequência realizou-se uma reflexão sobre os casos, perguntando aos profissionais se, na opinião deles, casos semelhantes poderiam ocorrer no hos- pital. Após essa etapa, foi incluída uma questão de múltipla escolha sobre qual a principal barreira que deveria ter sido implementada para evitar que os erros acontecessem. Da metade até o final do curso, é apresentado conteú- do teórico acerca do processo de identificação do pacien- te, que envolve desde a conferência da identidade do pa- ciente no momento de admissão do mesmo, confirmação da identificação e colocação da pulseira com os identifi- cadores e o processo de conferência dos identificadores, ressaltando a obrigatoriedade desta conferência antes de

46 Rev Gaúcha Enferm. 2015 dez;36(4):43-8.

proceder aos cuidados de maior risco. A conclusão do cur- so e aprovação do profissional se dá por meio de um teste, onde o profissional responde a três questões relativas ao conteúdo teórico apresentado no curso.

A proposta do estudo recebeu parecer favorável do Co-

mitê de Ética em Pesquisa da instituição, sob o número n° 14-0478, respeitando-se as diretrizes estabelecidas na Re- solução nº 466/2012, do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde (14) .

Nacional de Saúde do Ministério da Saúde ( 1 4 ) . RESULTADOS A Figura 1

RESULTADOS

A Figura 1 apresenta o desempenho do indicador ins-

titucional, durante o período estudado, incluindo a indica- ção do início das três ações educativas desenvolvidas. Os resultados do indicador demonstraram que, no iní- cio da nova rotina, a adesão dos profissionais era extrema- mente baixa. No mês de janeiro de 2013, quando a rotina passou a ser implementada, a adesão era de 42,90%. Nos meses subsequentes, aumentou para em torno de 50%. Após implementação da primeira ação educativa, inicia- da em abril de 2013, foi verificada melhora na adesão dos profissionais ao processo de verificação. No mês maio, ob- servou-se uma adesão ao processo de 72,95%, atingindo um pico de 81% em junho, sendo este o único resultado do ano de 2013 que superou a meta estabelecida, que é de 80%. No mês de agosto a taxa voltou a ter queda, ficando em torno de 65%. Em novembro de 2013, após a segunda ação educativa, observou-se uma adesão de 76% ao processo de identificação dos pacientes. No primeiro quadrimestre de 2014, verificou-se que em média o resultado permaneceu em 65% de adesão. Em maio de 2014, após a implantação da terceira estra- tégia educativa, os resultados do indicador passaram a uma crescente melhoria, até superar a meta estabelecida de 80%. O curso em EaD atingiu, em dez meses, um total de 4.719 pessoas, de um público total de 6.727 (70,15%), considerando-se o público obrigatório e não obrigatório. Do público-alvo, considerando somente os profissionais de enfermagem (enfermeiros, técnicos e auxiliares de en- fermagem), que totalizam 1851 profissionais, realizaram o curso de EaD 1675 (90,49%) profissionais de enfermagem. Nos meses de maio e junho, verificou-se que o resulta- do do indicador de adesão dos profissionais ao processo continuava inferior à meta estabelecida de 80%, atingindo

o resultado de 70,11% e 74,42%, respectivamente. Gradati- vamente, à medida que os profissionais foram concluindo

o curso, os resultados do indicador passaram a superar a

meta, atingindo o pico de 94,37% em setembro de 2014. Após a introdução do curso, a adesão dos profissionais ao processo permanece superior à meta estabelecida.

Estratégias educativas para melhorar a adesão à identificação do paciente

para melhorar a adesão à identificação do paciente 100 Início 94,37 3ª ação 89,96 88,89 90
para melhorar a adesão à identificação do paciente 100 Início 94,37 3ª ação 89,96 88,89 90
100 Início 94,37 3ª ação 89,96 88,89 90 Início Início 2ª ação 83,39 86,99 81,38
100
Início
94,37
3ª ação
89,96 88,89
90
Início
Início
2ª ação
83,39 86,99
81,38
1ª ação
81,04 79,63
80
76,04
72,25
70,4
70,11 74,42
70
64,71 65,71
67,84 65,16
63,3 63,89
60,7
60
57,81
52,07 50,21
% 50
42,9
40
30
20
10
0
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez
2013
2014
Figura 1 – Resultados do indicador“Taxa de Adesão ao Uso da Pulseira de Identificação”, no ano de 2013 e 2014, Porto Alegre, RS
Fonte: Dados da Pesquisa. DISCUSSÃO
Fonte: Dados da Pesquisa.
DISCUSSÃO

As diretrizes de implantação da meta de identificação cor- reta dos pacientes recomendam que as instituições adotem métodos uniformes para identificar seus pacientes, como pul- seiras identificação, com o mínimo de dois elementos identifi- cadores. Além disso, deve ser difundido seu uso e assegurada a verificação das mesmas antes dos procedimentos de maior risco, principalmente antes da administração de medicamen- tos, de sangue e hemocomponentes, coleta de amostras, exa- mes diagnósticos e procedimentos cirúrgicos (1,4,6) . Além de implantar novas rotinas e protocolos para au- mentar a segurança dos pacientes internados, é importan- te desenvolver estratégias de apoio educacional e ações gerenciais de acompanhamento para sustentar práticas seguras e baseadas em evidências. Nesse sentido, entende-se que o envolvimento dos pro- fissionais e o comprometimento dos gestores são fundamen- tais, pois a utilização acrítica dos conhecimentos científicos ou implementação parcial de protocolos nas instituições de saúde, sem o envolvimento dos profissionais, faz com não se obtenha a segurança e qualidade almejadas, podendo incor- rer em riscos à saúde dos pacientes e dos profissionais (15) . A análise e acompanhamento do indicador de adesão à verificação da identificação do paciente demonstrou uma tendência de aumento do percentual, passando, ao longo do período estudado, de 42,9% a 57,8% entre janeiro e abril

de 2013, para 81,38% a 94,37% entre setembro e dezem- bro de 2014. Esse resultado foi obtido mediante esforços empreendidos de fortalecimento da cultura de segurança

na instituição, o que culminou com a revisão de processos

e adoção de protocolos para prevenir eventos adversos,

entre eles as falhas na identificação de pacientes, as quais podem levar a erros de administração de medicamentos e dietas, exames coletados incorretamente e erros em proce- dimentos cirúrgicos ou hemoterápicos, entre outros. Estes achados são corroborados por estudos que desta-

cam a importância da adoção de estratégias de sensibilização

e educação da equipe, buscando uma implantação de novas

práticas de maneira colaborativa e construtiva, destacando-se que a participação da enfermagem é fundamental para a re- dução de falhas na identificação do paciente e para consoli- dar um atendimento com qualidade e segurança (16-17) . As estratégias educativas são mecanismos centrais para

a difusão e comprometimento com a cultura de seguran- ça, assim como para a introdução de novas práticas e pro- cedimentos que possam se converter em barreiras para as falhas nos processos (18) . Destaca-se que, no último curso em EaD, voltado especificamente para a identificação do paciente, optou-se por iniciar a apresentação com a pro- blematização acerca do que as falhas na identificação do paciente podem causar, alertando os profissionais de que a simples conferência dos identificadores do paciente conti- dos na pulseira pode evitar uma série de eventos adversos.

Rev Gaúcha Enferm. 2015 dez;36(4):43-8.

47

Hemesath MP, Dos Santos HB, Torelly EMS, Barbosa AS, Magalhães AMM A recomendação do uso

Hemesath MP, Dos Santos HB, Torelly EMS, Barbosa AS, Magalhães AMM

A recomendação do uso de exemplos realísticos e situ-

ações da prática cotidiana dos profissionais e estudantes de saúde é considerada um princípio educacional essen-

cial para melhorar os resultados de segurança dos pacien- tes. O uso de fatos reais ajuda a dar significado e favorece a aprendizagem para melhorar os ambientes de cuidado (19) .

É importante destacar que, apesar da intensificação de

medidas para a identificação de pacientes, estudo inglês indica que o uso de pulseiras de identificação é amplamen- te recomendado, mas ainda é pouco estudado, as pulseiras não estão sendo bem usadas em todo o seu potencial para prevenir eventos adversos aos pacientes, porém o seu uso na prática ainda necessita ser investigado (20) .

CONCLUSÕESna prática ainda necessita ser investigado ( 2 0 ) . A revisão dos processos e

A revisão dos processos e implantação de um novo

protocolo, ancorado em estratégias educativas e ações gerenciais, demonstrou uma gradativa melhora na adesão dos profissionais à verificação da pulseira de identificação do paciente antes da prestação de cuidados. Esta melhora na adesão foi verificada justamente quando houve campa- nhas educativas e de reforço da nova rotina, incluindo um

curso em EaD, onde foi enfatizado para os profissionais que

a adesão é uma questão de segurança para o paciente e

para o profissional que presta o cuidado. As medidas educativas, como forma de reforço da ro- tina estabelecida para identificação dos pacientes, são fundamentais para a consolidação das práticas, otimizan- do a segurança dos pacientes nas instituições de saúde. No que pese à relevância dos resultados apresentados, os mesmos devem ser considerados levando-se em conta as limitações decorrentes de um delineamento descritivo e transversal em um único hospital, não possibilitando a ge- neralização dos achados. Estudos complementares, para acompanhamento deste

e de outros indicadores, podem indicar fragilidades e opor-

tunidades de melhorias para a segurança dos pacientes.

tunidades de melhorias para a segurança dos pacientes. REFERÊNCIAS 1. World Health Organization (CH), World

REFERÊNCIAS

1. World Health Organization (CH), World Alliance for Patient Safety. Summary of the evidence on patient safety: implications for research. Geneva; 2008.

2. Moura GMSS, Juchem BC, Falk MLR, Magalhães AMM, Suzuki LM. Construção e implantação de dois indicadores de qualidade assistencial de enfermagem. Rev Gaucha Enferm. 2009;30(1):136-40.

de enfermagem. Rev Gaucha Enferm. 2009;30(1):136-40. Endereço do autor: Melissa Prade Hemesath Rua Ramiro

Endereço do autor:

Melissa Prade Hemesath Rua Ramiro Barcelos, 2350, Largo Eduardo Z. Faraco 90035-903 Porto Alegre – RS E-mail: mhemesath@hcpa.edu.br

48 Rev Gaúcha Enferm. 2015 dez;36(4):43-8.

3. Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS, editors. To err is human: building a safer health system [Internet].Washington, DC: National Academy Press; 2000 [cited 2014 Jun 9]. Available from: http://www.nap.edu/openbook.php?record_id=9728&page=R3

4. Joint Commission International (US). International patient safety goals created. Jt Comm Perspect. 2006;26(2):8.

5. Wachter RM. Patient safety at ten: unmistakable progress, troubling gaps. Health Aff. 2010;29(1):165-73.

6. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 529 de 1º de abril de 2013. Institui o Pro- grama Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). [internet]. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil. 2013 abr. 02;150(62 Seção 1):43-4.

7. Needleman J, Buerhaus P, PankratzVS, Leibson CL, Stevens S, Harris M. Nurse staff- ing and inpatient hospital mortality. New Engl J Med. 2011;364(11):1037-45.

8. Curran CR, Totten MK. Governing for improved quality and patient safety. Nurs Econ. 2011;29(1):38-41.

9. Wachter RM. Compreendendo a segurança do paciente. Porto Alegre: Artmed; 2010.

10. Wilson RMCL, Weyden MBVD. The safety of Australian healthcare: 10 years after QA- HCS. Med J Aust [Internet]. 2005 [cited 2013 Mar 20];182(6):260-1. Available from:

http://www.mja.com.au/public/issues/182_06_210305/wil10087_fm.html

11. Mendes ACG, Araújo Jr. JLCA, Furtado BMAS, Duarte PO, Santiago RF, Costa TR. Avaliação da satisfação dos usuários com a qualidade do atendimento nas gran- des emergências de Recife, Pernambuco, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant.

2009;9(2):157-65.

12. Batalha EMSS. A cultura de segurança do paciente na percepção de profissionais de enfermagem de um hospital de ensino [dissertação]. São Paulo: Universida- de de São Paulo; 2012.

13. Norris B, Ranger C. Standardising wristbands improves patient safety: guidance on implementing the safer practice notice (SPN 24, July 2007) and the related information stands approved by the Information Standards Board for Health and Social Care in March 2009 [Internet]. London: National Patient Safety Agency; 2009 [cited 2014 Dec 10]. Available from: http://www.npsa.nhs.uk/Easysite-

Web/getresource.axd?AssetID=57989&type=Full&servicetype=Attachment

14. Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil. 2013 jun 13;150(112 Seção 1):59-62.

15. D’Innocenzo M, Feldman LB, Fazenda NRR, Helito RAB, Ruthes RM. Indicadores, auditorias, certificações: ferramentas de qualidade para gestão em saúde. São Paulo: Martinari; 2010.

16. Hoffmeister LV, Moura GMSS. Use of identification wristbands among patients receiving inpatient treatment in a teaching hospital. Rev Latino-Americana En- fermagem. 2015;23(1):36-43

17. Neves LAC, Melgaço RMT. A identificação do paciente como indicador de qualida- de. Rev Eletr Acred [Internet]. 2011 [acesso em: 2015 jun 08];1(1):88-100. Dispo- nível em: http://www.cbacred.org.br/ojs/index.php/Acred01/ article/view/17

18. Lathem T, Malomboza O, Nyirenda L, Ashford P, Emmanuel J, M’baya B, et al. Quality in practice: implementation of hospital guidelines for patient identifica- tion in Malawi. Int J Qual Health Care. 2012;24(6):626-33.

19. World Health Organization (CH). Patient safety curriculum guide: multi-profes- sional edition. Geneva; 2011.

20. Smith AF, Casey K. Wilson J, Fischbacher-Smith D. Wristbands as aids to reduce misidentification: an ethnographically guided task analysis. Int J Qual Health Care. 2011;23(5):590-9.

Recebido: 17.03.2015 Aprovado: 05.08.2015