Você está na página 1de 38
PLÁGIO NA ACADEMIA BRASILEIRA:CONCEPÇÕES, TRATAMENTO E DESAFIOS FUTUROS PROFA. DRA MARÍLIA MENDES FERREIRA DLM/FFLCH/USP LABORATÓRIO DEHTTP://LETRAMENTOACADEMICO.FFLCH.USP.BR MMFERREIRA@USP.BR " id="pdf-obj-0-2" src="pdf-obj-0-2.jpg">

PLÁGIO NA ACADEMIA BRASILEIRA:CONCEPÇÕES, TRATAMENTO E DESAFIOS FUTUROS

PROFA. DRA MARÍLIA MENDES FERREIRA

DLM/FFLCH/USP

LABORATÓRIO DE LETRAMENTO ACADÊMICO

MMFERREIRA@USP.BR

Tópicos da apresentação

Tópicos da apresentação  Definição do termo  Estudos sobre o plágio no Brasil  Visões
  • Definição do termo

  • Estudos sobre o plágio no Brasil

  • Visões anglo-americana e brasileira sobre o plágio

  • O tratamento dado ao plágio pela academia brasileira

  • Desafios

Etimologia

  • grego "Plágios" (DIAS; EISENBERG, 2015).

“oblíquo, que não está em linha reta, que está de lado, de esguelha; que apresenta o flanco, transversal, falando

Etimologia  grego "Plágios" (DIAS; EISENBERG, 2015). “oblíquo , que não está em linha reta, que

especialmente de uma linha de batalha, de um exército, de

uma esquadra; fig. Que usa meios oblíquos, equívoco, pérfido,

velhaco”

  • Latim

    • plagiare (v) ferir

    • plagiarius (subst)” - aquele que em Roma “roubava escravos ou vendia como escravos indivíduos livres" (MORAES, 2007, p. 3).

    • Escravos= coisa

  • Marcialis (poeta)- seu poema (comparado a uma criança) foi roubado/plagiado/sequestrado (Krokoscz,2012)

  • Definição de plágio

    • Dicionário Aurélio

    Plágio: sm. Ato ou efeito de plagiar. / Plagiar: v.t.d. 1. Apresentar como seu

    (trabalho intelectual de

    outrem). 2. Imitar (obra

    alheia)”

    Definição de plágio  Dicionário Aurélio  Plágio: sm. Ato ou efeito de plagiar. / Plagiar:

    Definição de plágio

    Definição de plágio  “ Trata-se de qualquer conteúdo (artístico, intelectual, comercial etc) que tenha sido
    • Trata-se de qualquer conteúdo (artístico, intelectual, comercial etc) que tenha sido produzido ou

    já apresentado originalmente por

    alguém e que é reapresentado por outra pessoa como se fosse

    próprio ou inédito” (Krokoscz,

    2012:11)

    (Grifo meu)

    História do termo

    História do termo  Invenção da imprensa: visão coletivista → visão individualista (Moraes,2007)  1710- copyright
    • Invenção da imprensa: visão coletivista visão individualista (Moraes,2007)

    • 1710- copyright act na Inglaterra

    • Plágio conceito anglo e da europa ocidental (Swales e Feak,2004)

    Definição de autoria

    • O dicionário Aurélio :

    Definição de autoria  O dicionário Aurélio :  “Autoria: sf. Condição de autor. / Autor:
    • “Autoria: sf. Condição de autor. / Autor: (ô) sm. 1.

    A causa principal, a origem de. 2. Criador de obra artística, literária ou científica. 3. Aquele que

    intenta demanda judicial” (Ferreira, 2001, p. 77

    apud DIAS; EISENBERG, 2015).

    • Etimologicamente, autor vem do latim Auctore-, “o que aumenta, que faz avançar, produzir; o que aumenta a confiança; fiador; que confirma autoridade, fonte; modelo, senhor, autoridade; fonte histórica; o que obriga a agir; conselheiro, instigador, promotor; criador, iniciador, fundador, autor; o que faz (compõe) uma obra, escritor” (Machado, 1967, p. 355 apud DIAS; EISENBERG,

    2015).

    Definição de autoria

    Definição de autoria  Para Barthes (2004), "o autor nada mais é que o resultado do
    • Para Barthes (2004), "o autor nada mais é que o resultado do ato da

    escrita, partindo do ideal de que tal autor sempre irá descrever em

    suas obras algo já dito, já descrito,

    já evidenciado, tornando-se, dessa forma, aquele que sincretiza

    discursos já proferidos" (DIAS e

    EISENBERG, 2015, p. 7).

    Tipos de plágio (KROKOSCZ, 2012)

    • Plágio direto: cópia na íntegra sem a identificação do autor.

    Tipos de plágio ( KROKOSCZ, 2012)  Plágio direto : cópia na íntegra sem a identificação
    • Plágio indireto: o redator usa suas próprias palavras, porém a ideia não é original, já que ele reproduz as ideias de outro de forma diferente.

      • Paráfrase sem citação

      • Mosaico

      • Chavões

  • Plágio de fontes: o autor reproduz as citações de outro como se tivesse consultado as fontes.

  • Plágio consentido: trabalho entre amigos ou um trabalho comprado, sem a identificação correta do autor.

  • Auto-plágio: apresentação de um mesmo texto do autor em situações diferentes sem a devida citação.

  • Auto-plágio

    “Quando um autor propõe seus textos já publicados, sem alusão aos trabalhos anteriores, criando a expectativa
    “Quando um
    autor
    propõe
    seus
    textos
    publicados, sem alusão aos trabalhos anteriores,
    criando
    a
    expectativa
    de
    algo
    inovador, mas
    deixando
    de
    contribuir
    com
    novas
    discussões,
    enganando o leitor, que acredita estar diante de
    algo
    inédito.
    O
    auto-plágio
    implica
    graves

    problemas de ordem ética e material, principalmente se pensarmos na questão editorial e nos acordos de ineditismo.

    (Dias e Eisenberg, 2015:182)

    Visão anglófona (Scollon,

    1995)

    Visão anglófona (Scollon, 1995)  Direito autoral (séc. XVII e XVIII)  Originalidade do indivíduo e
    • Direito autoral (séc. XVII e XVIII)

    • Originalidade do indivíduo e da construção do conhecimento

    o indivíduo criativo, original que, como um acadêmico autônomo, apresenta seu

    trabalho para um público sob o seu nome”

    (p.1)

    • Discurso acadêmico clareza, objetividade, racionalidade

    • Aspecto legal

    Visão brasileira (Ferreira e

    Persike,em preparação)

    Visão brasileira (Ferreira e Persike,em preparação)  uma tendência em tratar o plágio por meio de
    • uma tendência em tratar o plágio por meio de definições não explícitas, em que se trata o assunto por meio de associações com citação.

    • não há definição e distinção entre paráfrase de boa ou má qualidade, como ocorre na visão anglo-saxã.

    • não se associa a paráfrase ruim ao plágio.

    • A palavra plágio não é frequentemente usada

    Órgãos governamentais e

    o plágio

    Órgãos governamentais e o plágio  Capes endossa as diretrizes da OAB para o combate aohttps://www.capes.gov.br/images/stories/downloa d/diversos/OrientacoesCapes_CombateAoPlagio.p df ) " id="pdf-obj-12-6" src="pdf-obj-12-6.jpg">
    • Capes

    endossa as diretrizes da OAB para o combate ao plágio nas instituições de ensino, sugerindo o uso de softwares de detecção do plágio e de ações próprias das instituições para o seu combate como

    a criação de comissões para avaliação dos casos

    CNPq (2011)

    CNPq (2011) Relatório de comissão de integridade em pesquisa (2011) Propõe 2 ações: 1) Cunho pedagógico-preventivo

    Relatório de comissão de integridade em pesquisa

    (2011)

    Propõe 2 ações:

    1)

    Cunho pedagógico-preventivo

    -disciplinas , materiais, diretrizes,

    2) Cunho Corretivo - comissão (julgar, avaliar, decidir) 21 diretrizes

    CNPq (2011)

    CNPq (2011) “Plágio : consiste na apresentação, como se fosse de sua autoria, de resultados ou

    “Plágio: consiste na apresentação, como se fosse de sua autoria, de resultados ou conclusões

    anteriormente obtidos por outro autor, bem como

    de textos integrais ou de parte substancial de textos

    alheios sem os cuidados detalhados nas Diretrizes. Comete igualmente plágio quem se utiliza de ideias

    ou dados obtidos em análises de projetos ou

    manuscritos não publicados aos quais teve acesso como consultor, revisor, editor,ou assemelhado.

    Autoplágio: consiste na apresentação total ou

    parcial de textos já publicados pelo

    mesmo autor, sem as devidas referências aos trabalhos anteriores.”

    Fapesp (2011)

    • Código de Boas Práticas Científicas

    Fapesp (2011)  Código de Boas Práticas Científicas “(a)promover regularmente atividades educativas concernentes aos valores e

    “(a)promover regularmente atividades educativas concernentes aos valores e competências pertinentes à integridade ética da pesquisa, como cursos, eventos e programas de treinamento de pesquisadores em formação;

    (b) oferecer aos pesquisadores e estudantes da

    instituição aconselhamento em situações particulares que envolvam a aplicação desses valores e o exercício dessas competências; (c) investigar formalmente e, se for o caso, punir, de maneira justa e

    rigorosa, segundo regras expressamente definidas, toda denúncia de más condutas científicas, respeitando, no curso das investigações, o direito dos denunciados à plena defesa, à presunção de inocência e à preservação de suas reputações.”(p.11)

    Fapesp (2011)

    • Plágio

    “Em um trabalho científico, pressupõe-se que toda ideia ou formulação verbal, oral ou escrita, que seja nele utilizada e não seja evidentemente de domínio público na área de pesquisa em questão, seja uma

    Fapesp (2011)  Plágio “Em um trabalho científico, pressupõe-se que toda ideia ou formulação verbal, oral

    por

    eles

    contribuição original dos pesquisadores indicados

    como autores do trabalho. Se não for esse o caso, a

    ideia

    ou

    formulação

    deve

    ser

    expressamente

    creditada, no trabalho, a seus autores,

    independentemente

    de

    ter

    sido

    divulgada em trabalho científico.p.23

    (grifo meu)

    Fapesp (2011)

    • Auto-plágio:

    3.2.4. Todo pesquisador que submeta a um veículo de publicação trabalho científico idêntico, ou substancialmente semelhante, a trabalho também submetido a outro veículo, ou já publicado em outro veículo, deve declarar expressamente o fato

    Fapesp (2011)  Auto-plágio: “ 3.2.4. Todo pesquisador que submeta a um veículo de publicação trabalho

    ao editor do veículo no momento da submissão.

    3.2.5. Todo pesquisador que publicar trabalho científico idêntico, ou substancialmente

    semelhante, a trabalho já publicado deve

    mencionar expressa e destacadamente o fato no texto do trabalho.

    p.23

    USP

    USP  Código de ética da USP  Lista de softwares detectores de plágio (copyspider, plagiarism
    • Código de ética da USP

    • Lista de softwares detectores de plágio (copyspider, plagiarism advice, turn it in, etc)

    • Ferreira e Persike (2014)

    Tabela 1: COLETA DE DADOS EM TODAS AS UNIDADES DE ENSINO E PESQUISA* CONTÊM INFORMAÇÃO 28
    Tabela 1:
    COLETA DE DADOS EM TODAS AS UNIDADES DE
    ENSINO E PESQUISA*
    CONTÊM INFORMAÇÃO
    28
    58%
    NÃO CONTÊM INFORMAÇÃO
    20
    42%
    TOTAL
    48 100%
    * Estamos considerando unidades de ensino e pesquisa todas as
    escolas, faculdades e institutos da USP.

    Ferreira e Persike (2014)

    Tabela 2: TIPOS DE DOCUMENTOS 1. Com definição de citação. 18 40% 2. Mencionou-se plágio ou
    Tabela 2:
    TIPOS DE DOCUMENTOS
    1. Com definição de citação.
    18
    40%
    2.
    Mencionou-se plágio ou citação, mas
    não há definição ou explicação de
    nenhum dos termos.
    13
    29%
    3.
    Contêm definição de plágio, explícitas
    14
    31%
    ou inferidas.
    TOTAL
    45 100%

    Ferreira e Persike (2014)

    Conclusão (Ferreira e

    Persike, 2014)

    Conclusão (Ferreira e Persike , 2014)  Há poucas medidas para a prevenção ao plágio na
    • Há poucas medidas para a prevenção ao plágio na Universidade, tanto que 42% das unidades não possui informações sobre o tema

    • O acesso às informações é muito difícil;

    • Alguns documentos apenas normatizam as

    citações e acreditam, desta forma, prevenir o plágio;

    Conclusão

    Conclusão  Diretrizes - Criação de órgãos/comissões nas universidades que lidem com a questão  Faltam
    • Diretrizes - Criação de órgãos/comissões nas universidades que lidem com a questão

    • Faltam medidas concretas para prevenir e punir

    Ferreira e Persike (2014)

    Ferreira e Persike (2014) “[ ... ] o foco da abordagem acerca do plágio na universidade

    “[

    ...

    ]

    o foco da abordagem acerca do

    plágio na universidade é indireto e

    normativo. As normas encontradas referem- se à citação e não ao plágio. Não se

    estabelecem medidas pedagógicas e preventivas para o plágio ou regras para sua punição. Da mesma forma, foi possível perceber que os documentos reconhecem

    a existência e a ocorrência do plágio na

    academia, mas não se ensina como evitá-

    lo” (p. 532).

    Estudos sobre o plágio no

    Brasil

    Estudos sobre o plágio no Brasil  1996-2015  a discussão sobre plágio é pouco aprofundada
    • 1996-2015

    • a discussão sobre plágio é pouco aprofundada (VASCONCELOS, 2007; BIONDI, 2011)

    • poucos estudos acerca do plágio não só no Brasil, mas na América Latina em geral (SANTOS, 2014).

    • preocupação crescente com o tema

    (BIONDI, 2011; KROKOSCZ,2012)

    Causas

    Causas -a expansão da internet (Abranches, 2008) e consequente acesso à informação -a falta de orientação

    -a expansão da internet (Abranches, 2008) e consequente acesso à informação

    -a falta de orientação clara do professor para a confecção do trabalho pelo aluno (Abranches,2008) e falta de instruções formais aos

    alunos e pesquisadores que estão desenvolvendo

    um trabalho e/ou pesquisa, em cursos de redação, metodologia e filosofia da ciência

    (Azevêdo,

    2006;

    Eisenberg, 2015)

    Albuquerque,

    2009;

    Dias

    e

    - Falta de proficiência na L2 (Pecorari, 2001; Hirvela e Du, 2013)

    FOCO DOS ESTUDOS

    (exterior)

    FOCO DOS ESTUDOS (exterior) (mais estudado) -o da integridade acadêmica e da ética (Harvey e Robson,

    (mais estudado)

    -o da integridade acadêmica e da ética (Harvey e Robson, 2006)

    • - intencionalidade (Scollon, 1995; Pecorari, 2001; Harvey e Robson, 2006)

    • - enfoque cultural (Pennycook, 1994,1996; Buranen,

    1999; Shi, 2006)

    • - internet como fator de aumento do plágio

    (Bloch, 2001; Mckeever, 2004; Badge, 2010)

    FOCO DOS ESTUDOS (Brasil)

    • (bem menos estudado) (Azevêdo,2006; Vasconcelos, 2007; Silva, 2008; Biondi, 2011)

    • Foco teórico e não empírico

    FOCO DOS ESTUDOS (Brasil)  (bem menos estudado) (Azevêdo,2006; Vasconcelos, 2007; Silva, 2008; Biondi, 2011) 
    • - Jurídico ((Moraes,2004; Silva, 2008; Pithan, 2012; Marinho e Varella, 2015),

    • - ético, especialmente na pesquisa (Vaz, 2006; Albuquerque, 2009; Job, Mattos e Trindade, 2009; Tavares Neto e Azevêdo, 2009)

    • - Percepção (alunos, professores, universidade) (Guedes e Gomes Filho, 2015; Dias e Eisenberg, 2015; Barbastefano e Souza, 2007; Fachini, 2008; Silva e Domingues, 2008; Krokoscz, 2011)

    • - educacional (Abranches, 2008)

      • - Ensino da escrita e prevenção do plágio na escola regular

    • - áreas que mais se preocupam com o tema

      • - Direito

      • - Educação

    Conclusão

    Conclusão  mais estudos empíricos são necessários  O plágio na escrita dos alunos  intervenção
    • mais estudos empíricos são necessários

    O plágio na escrita dos alunos

    • intervenção pedagógica

      • Ensino da escrita acadêmica

        • Paráfrase

        • Referenciação

    Desafios

    • Medidas de âmbito preventivo

    Desafios  Medidas de âmbito preventivo 1) Ensino da escrita acadêmica/científica  Graduação,  Iniciação Científica

    1) Ensino da escrita acadêmica/científica

    • Graduação,

    • Iniciação Científica

    • Pós-graduação 2) Ensino da escrita na escola regular

    3) Formação ética (defendida pela maioria dos estudos)

    Desafios

    Desafios  Medidas punitivas divulgação de sites anti-plágio segunda chance • • definir plágio e como
    • Medidas punitivas

    divulgação de sites anti-plágio

    segunda chance

    definir plágio e como lidará

    com a questão no curso, na disciplina

    Desafios

    • Melhora das condições materiais

    Desafios  Melhora das condições materiais  Operacionalizar as diretrizes governamentais nas IES(comissões, detalhamentos das diretrizes)
    • Operacionalizar as diretrizes governamentais nas IES(comissões, detalhamentos das diretrizes)

    • Ampliar acesso a ferramentas de detecção (Turn it in)

    • Ampliar acesso à bibliografia

    • Oferecer condições a departamentos e professores para lidarem com plágio

    • Maior oferta de livros que esclareçam a questão e ensinem a escrever

    (português)

    Institucionalização do

    tratamento do plágio

    Institucionalização do tratamento do plágio “um projeto mais amplo, de formação de uma consciência, que envolve

    “um projeto mais amplo, de formação de uma consciência, que envolve várias ações como, por exemplo, de informação e capacitação, como sugere Krokoscz (2011) e que pode e urge ser abraçado não apenas por um ou outro professor. Deve ser um projeto assumido por vários atores, de preferência de forma integrada (até mesmo interdisciplinar) pelos departamentos acadêmicos, pelos comitês de pesquisa, pelos grupos de pesquisa, pelas instituições, pelas agências de fomento, pelas associações científicas das diversas áreas do conhecimento, entre outros. “ (Bessa,

    2014:120)

    Dicas

    • Organizar as leituras envolvidas na pesquisa

    rastrear quem disse o quê e onde

    • Exercitar a boa paráfrase (português e LE)

    Dicas  Organizar as leituras envolvidas na pesquisa rastrear quem disse o quê e onde 
    • Bom entendimento do texto lido

    • Bom vocabulário e domínio gramatical

    Obter feedback de terceiros (professores, orientadores, professores de língua)

    Use os softwares anti-plágio antes da submissão do texto

    (professores da área)

    Discutir a questão

    Exemplificar nos textos em andamento a questão

    Muito obrigada!!!!

    Muito obrigada!!!!

    Referências

    AZEVEDO, E.S. Honestidade científica: outro desafio ao controle social da ciência. Gazeta Médica da Bahia v.76, n. 1, p.35-41.2006.

    Referências AZEVEDO, E.S. Honestidade científica: outro desafio ao controle social da ciência. Gazeta Médica da Bahia

    ALBUQUERQUE, U.

    P. .

    “A qualidade das publicações científicas - considerações

    de um Editor de área ao final do mandato”. Acta Botanica Brasilica, v. 23, p.

    292-296, 2009.

    BESSA, José Cezinaldo Rocha. Por uma cultura de ética e de integridade do pesquisador em formação inicial. Revista Espaço Acadêmico, v. 14, n. 159, p. 114-121, 2014.

    BIONDI, A. Plágio na produção acadêmica, vespeiro intocado. Ou não? Revista

    Adusp, São Paulo, junho. 2011. pp. 58-65.

    DIAS, Wagner Teixeira; EISENBERG, Zena Winona. Vozes diluídas no plágio: a (des) construção autoral entre alunos de licenciaturas. Pro-Posições, v. 26, n. 1, p. 179- 197, 2015.

    Hirvela, A.; Du, Q. Why am I paraphrasing? Under -graduate ESL Writers’ Engagement with Source-based Academic Writing and Reading. Journal of

    English for Academic Purposes,

    • v. 12, n. 2, p. 87-98.2013.

    KROKOSCZ, M. Abordagem do plágio nas três melhores universidades de cada

    um dos cinco continentes e do Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48,

    • p. 745-818, 2011.

    Referências

    FERREIRA, Marília Mendes; PERSIKE, Alissa. O tratamento do plágio no meio acadêmico: o caso USP. Signótica, v. 26, n. 2, p. 519-540, 2014.

    Referências FERREIRA, Marília Mendes; PERSIKE, Alissa. O tratamento do plágio no meio acadêmico: o caso USP.

    GUEDES, Diego Oliveira; GOMES FILHO, Douglas Leonardo. Percepção de plágio acadêmico entre estudantes do curso de odontologia. Rev. bioét.(Impr.), v. 23, n. 1, p. 139-148, 2015.

    KROKOSCZ, Marcelo. Autoria e plágio: um guia para

    estudantes, professores, pesquisadores e editores. Atlas, 2012.

    MARINHO, Maria Edelvacy Pinto; VARELLA, Marcelo Dias. Plágio nos trabalhos acadêmicos: proposta de políticas institucionais de integridade. Revista Brasileira de Politicas Públicas, v. 5, n. 1, 2015.

    MORAES, R. O Plágio na Pesquisa Acadêmica: a proliferação da desonestidade intelectual. Revista Diálogos Possíveis, v.6, n2, 2007.

    SILVA, Obdália Santana Ferraz. Entre o plágio e a autoria:

    qual o papel da universidade? Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 13, n. 38, ago. 2008.

    Referências

    PECORARI, D. “Plagiarism and international students:

    Referências PECORARI, D. “Plagiarism and international students: How the English- speaking university responds”. In D. Celcher

    How the English-speaking university responds”. In D.

    Celcher & A. Hirvela (Eds.). Linking literacies:

    Perspectives on L2 reading-writing connections. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2001.

    SANTOS, Fábio Rocha. PLÁGIO DISCENTE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Caleidoscópio, v. 1, n. 6, p. 7-26, 2015.

    SCOLLON, Ron. Plagiarism and ideology: Identity in

    intercultural discourse. Language in Society, v. 24, n.

    01, p. 1-28, 1995.

    VASCONCELOS, S.M.R. Tendências. “O plágio na

    comunidade científica: questões culturais e

    linguísticas”. Ciência e Cultura, v. 59, n. 3, 2007.