Você está na página 1de 35

A ÁGUA NA COMPOSIÇÃO DE PAISAGENS

PEDER MORK MONSTED - Um lago tranquilo na floresta


Óleo sobre tela - 82,5 x 117,4 - 1904

De todos os motivos dentro da temática de


paisagens, a água parece ser aquele que desperta
maior admiração e fascínio entre os artistas. Plácida,
serena, tempestuosa, corrente, revolta... Em
qualquer situação, há nela uma infinidade de
condições que desafiam e estimulam qualquer
artista, desde os iniciantes até aos mais experientes.
Muitos impressionistas famosos tinham verdadeiro
trauma na representação de água em suas
composições e acabaram esquematizando suas
composições, concentrando-se muito mais nos seus
efeitos do que numa representação realista.
PEDER MORK MONSTED - Outono em Birchwood
Óleo sobre tela - 114 x 70,5 - 1903

Estarei utilizando, para ilustrar essa matéria,


imagens de um dos mais conceituados paisagistas,
na minha opinião. Peder Mork Monsted foi um dos
representantes tardios do Período de Ouro da
Pintura Dinamarquesa de Paisagens. Era um artista
virtuoso, que soube como ninguém captar as sutis e
cambiantes situações de uma paisagem. A água
está presente em muitas de suas composições e é
uma espécie de cartão de visitas de sua obra.

PEDER MORK MONSTED - Na floresta


Óleo sobre tela - 74 x 123 - 1896

Uma das dúvidas mais frequentes, principalmente


aos iniciantes da pintura de paisagens é com relação
à cor da água. Uma das regras básicas para
reproduzir com maior naturalidade a sua coloração,
é não se esquecer que água não tem cor, pelo
menos em seu estado mais natural possível. A cor
da água, a se representar em uma composição,
depende daquilo que está próximo a ela. Nenhuma
situação oferece maior possibilidade de luzes
refletidas e colorações variadas, do que a água.

PEDER MORK MONSTED - Um recanto tranquilo no bosque


Óleo sobre tela

Águas tranquilas produzem reflexos diretos, sem


muitas sinuosidades. Parecem imagens espelhadas
e por isso mesmo, oferecem menos dificuldades
para sua execução. Há que se ter muito cuidado
para introduzir todos os princípios da perspectiva
tradicional na execução da pintura de água. Todas
as regras e conceitos da perspectiva também são
aplicados em sua execução, como cores mais fortes
e contrastantes no primeiro plano e mais suaves
assim que a distância aumenta.
PEDER MORK MONSTED - Paisagem
Óleo sobre tela - 60 x 80

As águas agitadas são mais complexas para sua


execução. Os reflexos já não são tão diretos quanto
nas águas calmas e por isso tornam-se
interrompidos e por vezes chegam a parecer mais
compridos, dependendo da oscilação que possa
ocorrer na superfície da mesma. Também seguindo
os princípios da perspectiva, os reflexos serão
maiores e mais espaçados próximos ao observador,
e menores e mais unidos, assim que a distância
aumenta. Uma regra geral é que, próximos aos
objetos refletidos, os reflexos tornam-se bem mais
densos. Nas águas agitadas, as ondulações acabam
produzindo um contraste bem interessante entre as
depressões mais escuras e os picos luminosos mais
superficiais. Isso, próximo ao observador. À medida
que vão se distanciando, esses picos luminosos
tendem a se tornar uma massa homogênea e
brilhante.

PEDER MORK MONSTED - Um fluxo na floresta


Óleo sobre tela - 140 x 102 - 1895
Dependendo da incidência do sol, os reflexos na
água podem se tornar mais claros ou mais escuros.
Se o objeto está na sombra e a água é atingida
pelos raios solares, o reflexo será mais claro que o
objeto. Se, ao contrário, o objeto é iluminado e água
está nas sombras, então o reflexo será mais escuro.
Geralmente, as cores dos reflexos são sempre mais
escuros do que as cores dos objetos refletidos. Com
exceção de objetos negros, que costumam ter os
reflexos ligeiramente mais claros, devido à
transparência da água.
PEDER MORK MONSTED - Dia de primavera em uma casa de palha com lilases
florescendo
Óleo sobre tela - 1925

Um erro muito comum, ao se reproduzir água, é


fazer os objetos refletidos usando apenas sua
imagem contrária, em ponta-cabeça. A água
funciona como um espelho, portanto o que está
refletido nela depende principalmente do ângulo do
observador. Se você estiver observando uma
pessoa com uma sombrinha, por exemplo, não verá
a parte externa da sombrinha no reflexo, como vê no
objeto, verá a estrutura que forma a sombrinha, com
suas armações e suas cores de sombras
características. A gravura acima ilustra isso muito
bem. Da vasilha que está à beira d'água, no canto
direito, conseguimos ver o seu interior na imagem
superior e no reflexo não conseguimos ver a mesma
situação.

PEDER MORK MONSTED - Reflexos


Óleo sobre tela
Objetos que não estejam inclinados tendem a ter os
seus reflexos do mesmo tamanho. Se inclinam para
frente, os reflexos serão maiores, e se inclinam para
trás, serão mais curtos. Quanto maior a inclinação,
maior será a diferença do comprimento a ser
representada em uma composição.

PEDER MORK MONSTED - Paisagem costeira, Bornhol


Óleo sobre tela - 64,5 x 47,5 - 1917
Contra os reflexos dos objetos, o fundo da água
tende a mostrar tudo que está contido nela, como
pedras, gravetos e folhas. Contra o reflexo direto do
céu, o que aparece, com mais frequência, é apenas
a superfície da água.

PEDER MORK MONSTED - Beira de um lago


Óleo sobre tela
PEDER MORK MONSTED - Por de sol sobre a floresta
Óleo sobre tela - 68,7 x 113,6 - 1895

Lembre-se que não há uma regra geral para


representação de águas. Observar a natureza é o
método mais confiável possível. Não há melhor
mestre que ela. O mais sensato é praticar a pintura
ao vivo, para ver como se comportam todas as
situações possíveis.

PEDER MORK MONSTED - Um rio tranquilo


Óleo sobre tela - 61 x 91,5
Pintura à lápis de cor
O mundo dos lápis de cores
Lápis de cor tem uma infinidade de grandes atributos para oferecer ao
artista iniciante ou experiente. Eles são portáteis, não tóxico, fácil de usar, dependendo da
marca e qualidade do lápis de cor, eles podem ter um baixo custo ou não, e para
aquelesinteressados em explorar a sua gama completa, eles
são absolutamente indispensáveis.

Não tem segredo para pintar com lápis de cor, como a maioria das pessoas imaginam, mas há
técnicas de como usá-lo e a prática para elaborar pinturas bem feitas ou até mesmo
desenvolver novas técnicas de como pintar com os mesmos.

Demorei muito tempo para criar essa página de como pintar à lápis de cor, porque buscava
uma maneira simples de esclarecer dúvidas ou ensinar a pintar com eles. Devo mencionar, que
as técnicas apresentada nesta página não são as melhores ou única maneira de se pintar à
lápis de cor, quem já utiliza "profissionalmente" esse material em suas ilustrações,
normalmente tem sua própria maneira de manuseá-lo que aprendeu com o tempo de prática e
observação.

Escolhendo o material
Se é a primeira vez que você está pintando à lápis de cor, então experimente um pequeno
conjunto de 12 ou 24 cores para ver se gosta do material. No Brasil há muitas boas opções
para atender todas as aplicações do desenho, como paisagens ou retratos. As marcas de
melhor qualidade são mais duradouras. Os lápis de cor são melhores para contornos e podem
sobrepor as cores de várias maneiras.
Use os lápis de cor para desenhar linhas de contorno e
linhas paralelas ou cruzadas para criar sombras, faça
rabiscos, sobreponha as cores ou desenhe linhas juntas
para produzir áreas de cor.
Lápis
Existem três tipos básicos de lápis de cor. Os lápis a base de cera, que são os da imagem
acima, os lápis a base de óleo(conhecidos como giz de cera, algumas marcas importadas tem
seu corpo de madeira também, mas são como os giz de cera que conhecemos) e lápis solúveis
em água (que tem uma pasta de goma, que reage à água, semelhante à pintura aquarela), ou
seja os lápis aquareláveis. Cada marca de lápis tem características próprias que valem a
pena experimentar. Muitas lojas deartesanato ou de arquitetura vendem lápis individualmente,
marcando mais fácil para você misturar e combinar seus lápis, conforme necessário.

Eu uso marcas como: Faber Castell comum ou escolar, Staedtler, Polycolor (a base de cera)
e Mondeluz (aquarelável) da Koh-I-Noor. Essas marcas você poderá encontrar em qualquer
loja de materiais artísticos especializadas. As marcas como:Prismacolor, Derwent e Raffiné,
que também uso, não estão a venda no Brasil, só é possível comprá-los em sites internacionais
de venda como Ebay e Amazon.com ou outros similares.

Borrachas
O sucesso de apagar suas marcas de lápis de cor depende de dois fatores principais: a cor
da linha de lápis e a quantidade depressão que foi aplicada. Cores escuras tendem a manchar
o papel, tornando-os difíceis de remover, e as linhas pesadas são difíceis de apagar,
especialmente se a superfície do papel foi amassado. Eu costumo usar as borrachas Tombow
ou Staedtler (da direita para esquerda na imagem acima) para apagar grandes áreas
borradas com resíduos dos lápis que vão se espalhando conforme vai riscando o papel,
principalmente quando houve pressão do lápis sobre o papel durante a pintura. Para as
áreas mais difíceis, use uma borracha elétrica (canto da esquerda para a direita), que também
é difícil de encontras nas lojas brasileiras.
Não use borrachas de vinil para remover lápis de cor, o atrito entre a borracha e o papel pode
realmente retirar a cera do papel, mas também machuca o papel, estragando a qualidade da
sua arte.

Apontador ou Estilete?
Com os apontadores, você pode conseguir vários efeitos, dependendo de como afiada
ou longa você quer a ponto do lápis, masgeralmente você vai querer manter seus lápis bem
apontados em todos os momentos. Apesar de ter apontador, eu raramente uso, porque
eles têm uma tendência a quebrar as pontas de lápis e triturar a madeira, mesmo sendo a
melhor marca de apontador portátil, mas alguns artistas gostam deles. Os apontadores
elétricos são os mais indicados tanto para lápis de cor como para lápis grafites, isso se você
quer as pontas sempre perfeitas e afiadas, porém são muito caros. Eu prefiro o estilete, pois
me poupa de ficar apontando várias vezes em curto tempo, normalmente faço pontas longas e
não muito afiadas. Para áreas muito pequenas que exige uma precisão dos riscos ou uma
pintura bem delicada, ou seja, pontas bem afiadas e se possível longas, eu uso as minas
grafites (abaixo imagem 01) para lapiseira 3.8mm da Koh-I-Noor que são vendidas em 24 cores
e também avulso. Além dessas, há as mina grafite 2.0mm, com bastante cores variadas
também da Koh-I-Noor e a mina grafite 0.7mm da Pentel, mas que infelizmente no Brasil
encontramos apenas das cores azul e vermelho. ( imagem 02)
Imagem 01

Mina grafite aquarelável koh-I-Noor

Imagem 02
Lápis Incolor ou Misturador de Cores
Estas ferramentas são basicamente lápis de cor, mas sem qualquer pigmento,
e eles são ótimos para criar suaves misturasbrilhantes. Depois de aplicar duas
ou mais camadas de cores diferentes, estes lápis quando riscados em cima da
área colorida, as cores se misturam. A superfície do papel vai se tornar um
pouco escorregadio depois de usar um misturador (blender), por issotodas as
cores que você adicionar sobre a camada onde foi utilizado o lápis incolor, irá
deslizar facilmente no papel. Essa técnicaé chamada de "polimento" (ilustração
abaixo) é muito útil para fazer superfícies brilhantes em uma pintura à lápis de
cor, ou quando você quer deixar a pintura mais uniforme, lisa sem ter que fazer
pressão durante está colorindo seus desenhos.
Infelizmente esses lápis misturadores de cores ainda não estão disponíveis no
Brasil, somente em site internacionais. Porém, há outra alternativa de fazer a
técnica de polimento, usando os marcadores coloridos, ou o marcador blender
(ilustração abaixo), que são vendidos avulso ou em estojos das marcas
promarker ou copic.
Marcadores Blender são ainda mais eficaz do que liquidificador lápis na mistura suas
cores. Eles trabalham para dissolver suas cores e misturá-los direito no papel, o que lhe
permite atingir uma aparência lisa.

Papel
Sua escolha do papel é o fator mais importante na forma como o seu trabalho vai sair. Muitos
trabalhos não irão realizar-se aos rigores da aplicação de várias camadas de cor, de modo que
vale a pena tomar um tempo para testar um novo papel antes de investir muito tempo em um
projeto e acabar ficando frustrado e achar que pintar não é a sua praia. Se você está
planejando usarlápis aquareláveis e desmanchar sua pigmentação posteriormente, certifique-
se de usar papel de aquarela. Não há uma regra que diga qual é o melhor papel para pintar à
lápis de cor, o que há é como o artista gosta da textura de sua pintura. Tanto faz se o papel for
branco ou colorido, liso ou poroso, cada artista descobrirá o seu papel favorito para usar essa
técnica de pintura, por isso é sempre bom, investir em tipos de papeis de tonalidade, gramas e
marcas diferentes. Eu, particularmente, amo pintar em papéis coloridos e de 100 à 224g/m²,
marcas como Mi-teinte, Canson - linha universtária e Filiart Renaud são os meus favoritos.

Materiais Extras
Os materiais extras podem ser muito importante no acabamento de sua pintura.
Um pincel de pó (1) pode ser muito útil para remover suavemente o resíduo do lápis de
seu papel, pois sua mão pode manchar as cores e se soprar no papel pode deixar gotas
de saliva.
A fita crepe (2) pode ser usado para fixar o seu papel na mesa, evitando ficar girando o papel
enumeras vezes, onde haverá outros possíveis resíduos de lápis e sujando o seu papel frente
e verso.
Os lápis de cor policromos e aquareláveis ( quando a pintura for sem adição de água)
facilmente borram, então ao final da pintura, usar spray fixadores (3-5) pode ser de extrema
importância para durabilidade de sua arte, só não exagera na aplicação, pois alguns fixadores
podem deixar uma camada fina de névoa azul esbranquiçada ou amarelada de cera que pode
se desenvolverquando você trabalha com várias camadas de cor e aplica pressão no papel.
Sabe quando o lápis já está no seu finalzinho, que já é quase impossível de segurá-lo entre
seus dedos e continuar pintando? Pois bem, o prolongador de lápis (6) foi criado para isso,
para você poder aproveitar ao máximo do seus lápis de cor.
Se você não tem prática com estilete para deixar suas pontas bem finas, ou com apontadores,
que sempre acaba quebrando as pontas e ter que apontar novamente. Você pode usar a lixa
para lápis (4) tanto para grafites como para lápis de cores, se preferir, as lixas comuns para
madeira também serve.
E como toque final em sua pintura, vc pode dar alguns efeitos de luz usando a caneta Posca (7
- 8) branca ou preta ou qualquer outra cor que você queira dar mais destaque no seu trabalho.

Como misturar e combinar as cores


Os lápis de cores são transparentes, porém não é possível misturar as cores
como se estivesse usando tintas ou pasteis. Para formar as misturas de cores,
você precisa criar camadas em cima de camada de cor.

Roda de cores

A roda de cores é uma ferramenta de referência útil para a compreensão das relações de
cores. Sabendo onde cada cor encontra-se no círculo de cores torna fácil entender
como as cores se relacionam e reagem uma com a outro.

Na imagem acima, A roda de cores básicas é formadas pelas três cores primarias e as
secundárias em fatias menores centralizadas nas cores terciárias.

Conhecendo um pouco sobre a teoria da cor básica pode realmente ajudá-lo no desenho
com lápis de cor.

*Exercício: Crie uma roda de cores básicas.

Para ter uma noção de como as cores funcionam juntas e se relacionam


entre si, faça uma roda de cores.
Use um prato para fazer o círculo e divida-o em seis fatias. Coloque as três
cores primárias (azul, amarelo e vermelho) emcantos opostos e distante um
do outro, ou seja, pintando uma fatia e a outra não. Nas fatias que ficarão
vazias, coloque as cores secundárias:
 Verde - formado por azul e amarelo
 Laranja - formado por amarelo e vermelho
 Violeta (ou púrpura) - formado por azul e vermelho
E pronto você terá sua primeira roda de cores básicas.
Você pode continuar a fazendo isso com uma roda maior dividido em 12 ou 24 fatias e continue
a misturar as cores primárias e cores secundárias juntas. quando misturamos as cores
primárias com as secundárias encontraremos as cores terciárias. Fazer uma roda de cores com
lápis de cor, não é necessário misturar as cores como foi falado anteriormente, pois num estojo
de 24 cores, pode se dizer que se encontrará as cores primárias, secundárias, terciárias e as
complementares, vc só precisa saber quais são cores corretas que pertencem a cada grupo.

Cores Terciárias
Cores Complementares

As cores complementares são as duas cores em frente a outra na roda de


cores (como o vermelho e o verde, laranja e azul ou amarelo e roxo).

Usando Cores Complementares


Quando colocados lado a lado, as cores complementares ficam vivas,
formando contrastes interessantes. Usando uma cor complementar no fundo fará com que o
desenho se destaque, impressão de estar fora do papel.

Agora pratique bastante as combinações de cores, a imagem acima serve de exemplo para
você trabalhar, mas você também pode experimentar outras combinações.

Você também pode fazer um aquecimento antes de realmente pintar. Em um pedaço de papel
de rascunho, faça diferentesrabiscos e linhas, mude a pressão e tente segurar seu lápis de
diferentes maneiras.

A maneira como você segura o lápis terá um impacto direto sobre os traços que você
fará. Alguns rabiscos permitirá que vocêpressione com mais firmeza sobre o papel,
resultando em traços escuros, densos.
Bom, agora é só pegar seus lápis de cores e papel e praticar muuuuito. :)

Agora que você já tem uma certa prática de como segurar o seu lápis de cor vamos seguir com
algumas dicas básicas de dar volumes nos desenhos.

Seguindo Contornos
Para que os desenhos pareçam naturaia e e tenham volume e profundidade, os traços de lápis
de cor, e (se necessário traçossubsequentes de água ou solvente, deve ser sempre
aplicados na mesma direção e seguir os contornos, textura ou grão do tema a ser colorido.
Adição de cor gradualmente
Independentemente da técnica, a cor é sempre adicionado de forma gradual, com o mínimo
de pressão possível e uma ponta de lápis afiada.

Aplicação pesada de pigmento feito tudo de uma vez vence a sua capacidade
de utilizar características exclusivas translúcidasde lápis de cor, porque eles
são simplesmente dominado.
Contaminação de cor
As cores podem ser contaminadas sem querer misturar uma com a
outro. Devido a translucidez do lápis de cor, a contaminação é mais perceptível
quando a cor escura é arrastado para uma cor clara, como mostra a
imagem abaixo. Para evitar a contaminação de áreas de cor mais clara, o ideal
é arrastar a cor clara para cor mais escura.
Pintando da escura para o mais claro
Pinte o valor mais escuro de uma área específica em primeiro lugar, e em
seguida, adicione cores mais claras na parte superior. A translucidez única
do lápis de cor permite que os valores mais escuros apareça através de cores
mais claras pintadas sobre eles, enquanto as cores mais claras mantêm a
sua visibilidade.
Agora que tal usar esse mesmo exemplo e tentar pintar o seu próprio vaso, ou
desenhe qualquer outro o objeto no qual você poderá aplicar essa mesma
técnica.

Interesses relacionados