Você está na página 1de 3

Planejamento estratégico em pequena empresa: um estudo de caso na área de

prestação de serviços

Introdução
O Planejamento estratégico considera a análise do ambiente
organizacional e possibilita criar consciência das oportunidades, ameaças,
pontos fortes e fracos para o cumprimento da missão. Assim, é possível
estabelecer rumos para aproveitar as oportunidades e evitar riscos (FISCHMAN,
2013). Conforme Hitt, Irelan e Hoskisson (2011), o planejamento estratégico é
um processo cíclico e contínuo. Trata-se de uma ferramenta essencial,
entretanto, pouco vislumbrada nas pequenas empresas.
Com 27% de participação no PIB em 2011, as Micro e Pequenas
Empresas demonstram grande importância. No entanto, a falta do uso de um
planejamento estratégico é apontada como causa relevante dos fracassos
(BEDÊ, 2016). Conforme Santos, Rodrigues e Santos (2015), traduzir os
conceitos estratégicos alinhado aos fatores empíricos podem trazer ganhos ao
empreendedor. Dessa forma, este estudo tem por objetivo demonstrar a
aplicação do planejamento estratégico em uma pequena empresa de prestação
de serviços que busca sustentabilidade em sua sucessão para a segunda
geração.

Metodologia
Conforme preconiza Gil (2008), o presente trabalho consiste em um
estudo de caso, pois dedica-se a investigar um contexto das relações sociais em
um objeto delimitado. O objeto de estudo consiste na empresa SM Serviços e
Montagens, uma empresa do ramo de prestação de serviços de caldeiraria,
sediada na cidade de Jacareí, SP. O estudo possui objetivo exploratório, pois
analisa uma situação em busca de compreensão de seu contexto. Trata-se de
uma pesquisa de caráter documental, em razão de expor os fatos registrados
nos processos de gestão da empresa à um novo ângulo de visão, respeitando a
originalidade dos mesmos. Em virtude da análise de fatores subjetivos nos
documentos abordados em comparação com o referencial teórico, utilizou-se a
abordagem qualitativa.

Resultados
Em busca de se manter no mercado, a empresa estudada buscou planejar
o futuro tendo em vista sua sucessão administrativa. O processo de
planejamento estratégico foi embasado nos conceitos de Castelo (2009),
considerando adaptações específicas, como a adequação de elementos da
validação da missão, visão e valores de forma que os conceitos teóricos
integrasse à pratica da empresa e convergisse com o entendimento do
empreendedor.
A empresa determinou a missão, visão e valores os quais refletem seu
futuro e o papel na sociedade e isso contribuiu na elaboração de metas e no
planejamento do processo sucessório a ser concluído em 3 anos. Com a
elaboração do SWOT, a empresa identificou seus pontos fortes para
manutenção e os pontos fracos para estabelecer ações de aprimoramento. Por
meio da ferramenta SMART, a empresa simplificou e traduziu a estratégia em
objetivos e metas convergente com suas especificidades.

Conclusão
O desenvolvimento do estudo possibilitou demonstrar que a elaboração
de um planejamento estratégico melhora o processo de gestão e por
consequência dos resultados da empresa, independentemente de seu porte. Na
SM Serviços e Montagens foi possível constatar o estabelecimento de missão
visão e valores e a utilização de ferramentas de gestão como SWOT, SMART o
que deixou evidente a importância do planejamento para o processo de
sucessão que a empresa vivencia, além de se apresentar como fator de sucesso
para empresa.

Referências
BEDÊ, M.A. (coord). Sobrevivência das Empresas no Brasil. Brasília:
SEBRAE, 2016.
CASTELLO, D. Como construir e executar seu planejamento estratégico.
São Paulo: Endeavor, 2009.
GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ed. São Paulo: Atlas, 2008.
FISCHMAN, A. Planejamento Estratégico na prática. São Paulo: Atlas, 2003.
HITT, M., IRELAN, R.D., HOSKISSON, R.E. Administração Estratégica:
competividade e Globalização. São Paulo: Cengage, 2011.
SANTOS, O.F., RODRIGUES, J.L.K, SANTOS, N.M.B.F. Planejamento
estratégico situacional aplicado em ema pequena empresa de serviços
de Itapeva, SP. Interfaces Científicas – Humanas e Sociais, v.3, n.2,
p. 83-94, Fev. 2015