Você está na página 1de 10

Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum.

2006;16(3):104-113 ATUALIZAÇÃO
CURRENT COMMENTS

RESILIÊNCIA: EM BUSCA DE UM CONCEITO+

RESILIENCE: LOOKING FOR A CONCEPT


Nina G. Taboada*
Eduardo J. Legal**
Nivaldo Machado***

Taboada NG, Legal EJ, Machado N. Resiliência: em busca de um conceito. Rev Bras Crescimen-
to Desenvolv Hum 2006; 16(3):104-113.

Resumo: O presente trabalho teve como objetivo investigar na literatura especializada as principais
definições de resiliência e seus conceitos operacionais. Entende-se, de maneira geral, resiliência
como sendo o processo onde o indivíduo consegue superar as adversidades, adaptando-se de
forma saudável ao seu contexto. Diante da diversidade de definições encontradas, estas foram
agrupadas em três eixos principais, entendendo a resiliência como um processo: adaptação/
superação; inato/adquirido; circunstancial/permanente. Tendo em vista a necessidade de
compreensão de outros temas diretamente relacionados com a resiliência, o trabalho apresenta
sessões que versam sobre: estresse, coping e suas relações com resiliência; fatores de risco,
fatores de proteção e vulnerabilidade. Constata-se a falta de definições operacionais claras acerca
do fenômeno, bem como se sugere que a resiliência pode ser entendida como uma estratégia de
coping com resultados positivos e até transformadores.

Palavras-chave: Resiliência. Estresse. Adaptação psicológica. Fatores de risco.

INTRODUÇÃO A psicologia, como outras ciências huma-


nas / da saúde, vem acompanhando esse movi-
As mudanças ocorridas na modernidade mento, chamando a atenção, por meio da produ-
incutiram um novo ritmo, novas exigências, no- ção de conhecimento, para a “forma como as
vas demandas, trazendo conflitos que têm se mul- pessoas se desenvolvem diante de suas circuns-
tiplicado a cada dia. Estes conflitos podem ser tâncias, ou seja, seu lugar de vida, seu tempo de
traduzidos, numa dimensão interpessoal, pelos de- história”2.
safios e dificuldades enfrentados diariamente, Observa-se então no campo das ciências
num ambiente de competição acirrada, de ex- humanas e da saúde uma mudança de paradig-
pectativas muitas vezes acima das possibilida- ma: se antes o foco de estudo estava voltado
des reais do sujeito1, onde cresce o número de para as patologias, doenças mentais e carências
marginalizados e excluídos e de patologias diver- humanas, torna-se hoje mister voltar nosso inte-
sas, incluindo os transtornos mentais. resse para as potencialidades e habilidades do

+
Trabalho realizado no Centro de Ciências da Saúde, curso Psicologia, Laboratório de Psicologia Experimental da
Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), apresentado em: Anais da 1ª Jornada Catarinense Multi/Interdisciplinar em
Pediatria do Centro de Ciências da Saúde da Univali. Itajaí. SC, 2005; XXIV Congresso Brasileiro de Psiquiatria -
Psiquiatria: medicina, humanismo e neurociências. Curitiba, PR, out 2006.
*
Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Rua Uruguai, 458 - Centro Itajaí, SC. Cep: 88302-202.
E-mail: nina.taboada@gmail.com
**
Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) Rua Uruguai, 458 - Centro Itajaí, SC. Cep: 88302-202.
***
Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (UNIDAVI). Rua Guilherme Gemballa,13. Rio do Sul, SC.
CEP: 89.160-000

104
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

homem, a fim de compreender a saúde mental3,4. humana de superar as adversidades. A partir daí
Nesse contexto, um fato vem chamando descortina-se uma gama de outros conceitos de
a atenção da ciência: como alguns indivíduos, suporte, fatores e características que definem o
apesar de todo um contexto de adversidade e processo resiliente. A dificuldade em se enten-
intenso estresse, conseguem se desenvolver de der resiliência e sua repercussão acadêmica se
maneira saudável, correspondendo às expectati- dá justamente pelo fato de lidarmos constante-
vas sociais? Na trilha dos estudos sobre tal fato mente com outros conceitos (fatores de risco,
encontramos um novo constructo em desenvol- de proteção, estresse, adaptação, superação,
vimento: a resiliência. ajustamento entre outros) que não possuem,
Falar de um constructo relativamente muitas vezes, definições claras, explícitas, o que
novo, ainda em desenvolvimento, nos obriga a pode resultar em confusão teórica. Tal confu-
tomar um enorme cuidado com o emprego das são se dá na medida em que o termo resiliência
palavras, principalmente com a precisão dos con- é utilizado para descrever processos diferentes.
ceitos utilizados. São a clareza e a objetividade Tais diferenças, ora sutis, ora mais intensas, tra-
na definição do constructo que permitem um di- zem implicações metodológicas divergentes numa
álogo construtivo entre pesquisadores, a criação práxis voltada para a saúde e sua promoção7.
de uma agenda em comum e possibilita reunir É importante notar que a constelação te-
esforços para efetivar estudos que testam as hi- mática citada acima também possui suas dife-
póteses formuladas. renças teóricas entre autores. Portanto, depen-
Observamos, nos últimos 20 anos, a resili- dendo de como cada pesquisador define os con-
ência conquistando espaço nos círculos acadê- ceitos satélites apontados, as definições opera-
micos de Psicologia, e nos últimos cinco anos cionais da resiliência seguirão determinada abor-
sendo discutida nos encontros internacionais5. dagem, conseqüentemente afetando suas possi-
O termo resiliência tem sua origem na Fí- bilidades práticas. É conveniente ressaltar que,
sica e Engenharia, sendo um dos seus precurso- embora tais conceitos sejam fundamentais para
res o inglês Thomas Young5. Nesta área, resili- o tema resiliência, são poucas as obras encon-
ência é a capacidade de um material para rece- tradas na literatura especializada que versem
ber uma energia de deformação sem sofrê-la de sobre eles.
modo permanente5. No presente artigo investigamos a utiliza-
Já nas ciências humanas, poderíamos de- ção do tema resiliência na literatura especializa-
finir inicialmente resiliência como a capacidade da procurando identificar as diferenças nas suas
que alguns indivíduos apresentam de superar as definições operacionais, de acordo com seus
adversidades da vida. autores.
Trazer um conceito das ciências físicas,
que possuem uma idiossincrasia diferente das Os conceitos de Resiliência
ciências de saúde, requer alguns cuidados. Sua
definição, nas ciências sociais e da saúde “... não As produções científicas que versam so-
é clara nem tampouco precisa quanto na física bre resiliência podem ser ora voltadas para pes-
ou na engenharia (e nem poderia ser), conside- quisas sobre o constructo, ora voltadas para as
radas a complexidade e a multiplicidade de fato- práticas do mesmo. Partindo de uma definição
res e variáveis que devem ser levados em conta em comum (resiliência como a capacidade do
no estudo dos fenômenos humanos”5 (p.16). indivíduo de recuperar-se de / fazer frente à /
A dificuldade é tanta que, para Slap 6 lidar positivamente com a adversidade), os con-
(p.173), “é mais fácil concordar sobre o que re- ceitos operacionais que versam sobre a resiliên-
siliência não significa do que sobre o que a pala- cia são, quando presentes, distintos. A fim de
vra significa”. facilitar a explanação e exposição das acepções
Como citado anteriormente, de modo ge- encontradas, adotaremos o modelo de organiza-
ral a resiliência é definida como a capacidade ção descrito por Deslandes e Junqueira7 que, em

105
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

sua revisão a respeito do tema, dividem as defi- gama de qualidades/habilidades a serem incor-
nições encontradas em três pólos temáticos prin- poradas (ou já presentes) pelo sujeito, como: oti-
cipais. São eles: mismo, criatividade, senso de humor, memória
· Resiliência enquanto um processo de acima da média, competência social e educacio-
adaptação X superação nal8, flexibilidade, iniciativa, propósitos9; bom tra-
· Resiliência enquanto um fator inato X fa- quejo social, alto nível de inteligência10, modos
tor adquirido avançados de resolver problemas, alto nível de
· Resiliência como algo circunstancial X ca- auto estima e autoconhecimento, habilidade de
racterística permanente tomar decisões, empatia, esperança em relação
ao futuro, consciência do seu valor e seu lugar
Adaptação X superação no mundo11,12; paciência, tolerância, responsabi-
lidade, determinação, compaixão, autoconfiança,
O primeiro pólo nos sugere a seguinte esperança13. Tais atributos visam uma otimiza-
questão: o processo resiliente consiste em um ção de recursos a serem utilizados frente a situ-
manter-se saudável apesar das adversidades, ou ações de intenso estresse. A resiliência não pode
a resiliência implica em crescimento e desenvol- ser compreendida, nesse caso, como uma sim-
vimento pessoal através das adversidades? ples ausência de sintomas esperados frente a si-
Pensar na resiliência pelo viés “apesar da tuações de intenso estresse e adversidade, mui-
adversidade” nos remete a um esforço do sujei- to menos como um processo de esquiva frente a
to manter suas características anteriores ao con- uma situação de risco. Além da ausência de sin-
flito assistido (adaptação), ou ainda, retornar ao tomas é preciso levar em conta atributos especí-
estado de equilíbrio (homeostase / alostase) an- ficos relacionados ao indivíduo e ao contexto em
terior (“bounce back”). Essa capacidade seria que está inserido.
fruto tanto de características pessoais dos indi- Entender, portanto, a resiliência enquanto
víduos quanto do estabelecimento de vínculos um processo de superação fornece ao pesquisa-
afetivos e de confiança destes com o meio. As- dor uma série de características referentes ao
sim, estes indivíduos conseguem extrair algum indivíduo e ao seu contexto, características es-
aprendizado diante do problema, conseguindo sas que são focadas nos métodos de mensura-
desenvolver comportamentos adaptados ao que ção da resiliência, bem como em estratégias para
é esperado pela sociedade7. fomentá-la.
Já no viés “através da adversidade” en-
contramos a resiliência atuando de tal forma que Fator Inato X Fator Adquirido
o sujeito é caracterizado por um conjunto de qua-
lidades ora resultantes do processo resiliente, ora Seria a resiliência um componente, uma
propiciadores do mesmo (é através das minhas força, uma característica intrínseca da natureza
habilidades e competências que me torno re- humana, ou seja, inata, hereditária, constituída
siliente ou é através do processo resiliente que pelos nossos genes? Ou seria a resiliência cons-
as desenvolvo?). truída socialmente, cabendo ao ambiente estimu-
Aqui a situação de risco é vista como opor- lá-la e desenvolvê-la? Como se dão as correla-
tunidade de superar os próprios limites, constru- ções entre os aspectos genéticos e ambientais
indo uma identidade fortalecida (superação). na formação do indivíduo? “A ênfase em qual-
Logo, a resiliência enquanto modo de superação quer um dos pólos, seja o genético, seja o ambi-
de situações conflitantes traz consigo a possibili- ental, determinará uma tendência que pode ser
dade da experiência traumática ser elaborada de extrema importância na questão dos estudos
simbolicamente, para que, futuramente, sirva sobre resiliência e sua utilização na definição de
como subsídio para novas situações estressan- políticas públicas”5 (p.42).
tes7 (p.229) Tal discussão referente aos fatores inatos
Nesse viés temático encontramos uma e adquiridos é das mais antigas, tanto na psicolo-

106
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

gia como na ciência de modo geral. “Todos, com que não era resiliente passa a ser, e esse proces-
algum bom senso, sabem que os seres humanos so geralmente é descrito através das qualidades
são produto de uma permuta entre os dois. Mas mencionadas anteriormente. Identifica-se, por-
ninguém consegue deter o debate14 (p.11)”. tanto, um indivíduo resiliente através das habili-
Nas produções científicas a respeito da dades e competências definidas como típicas da
resiliência não encontramos esta questão sendo resiliência, esperando que o mesmo atue de acor-
levantada de modo direto. Porém, as ênfases ora do com as habilidades demonstradas perante as
no indivíduo ora no contexto nos remetem à ques- vicissitudes da vida, sejam quais forem.
tão fundamental: quais são os fatores propicia- Ainda dentro da perspectiva permanente,
dores / criadores da resiliência? Pereira16 (p.87) aponta que: “Uma das grandes
Pesquisas que focam capacidades e habi- apostas para o próximo milênio será tornar as
lidades de um sujeito de forma descontextualiza- pessoas mais resilientes e prepará-las para uma
da e que partem do ponto onde a resiliência é certa invulnerabilidade que lhes permita resistir
considerada enquanto um traço ou uma caracte- a situações adversas que a vida proporciona...”.
rística de personalidade estariam mais propen- Corroborando com estas afirmações, Ra-
sas a identificar fatores inatos no processo resi- lha-Simões17 descreve resiliência como uma
liente. suposta invulnerabilidade inexplicável, decorrente
Já as teorias que focam o meio social en- das estratégias diferenciadas pertencentes ao
quanto criador tanto do próprio discurso científi- nível da construção de significado pessoal de
co (enquanto favorecedor de determinados pen- cada indivíduo.
samentos ideológicos) quanto das práticas soci- A grande maioria dos estudos foca a ques-
ais cotidianas, tendem a afirmar que a resiliência tão da resiliência como traço, narrando as com-
se caracteriza por ser uma habilidade social que petências e habilidades envolvidas e mostrando
pode (e deve) ser aprendida e estimulada. como os pais e, principalmente, as instituições
A maioria dos pesquisadores concorda, de ensino devem promover a resiliência11,13,18,19.
porém, que o ambiente e as relações sociais es- Os critérios utilizados pelas técnicas de mensu-
tabelecidas não são meros coadjuvantes no pro- ração de resiliência obedecem à mesma lógica.
cesso resiliente, tornando-se assim protagonis- Outro modo de entender a resiliência en-
tas na história da efetivação da resiliência. O meio contra-se no foco circunstancial. Aqui, a resiliên-
tornar-se-ia então a chave principal de um pro- cia é entendida enquanto uma força, uma estraté-
cesso que possui fortes indícios de possuir com- gia, um conjunto de habilidades utilizado em de-
ponentes inatos. terminado contexto por determinado indivíduo para
lidar com determinada adversidade. Não se trata
Circunstancial X Permanente de ser ou não resiliente, pois resiliência não é uma
característica de personalidade, mas sim um con-
O último pólo a ser tratado reúne de al- junto de ações movidas por determinados pensa-
guma forma as discussões levantadas anterior- mentos e atitudes relativos ao momento5.
mente. Tusaie e Dyer9, ao apontarem que os do-
Quando entendemos a resiliência enquan- mínios da resiliência são específicos do desen-
to uma característica permanente, estamos lidan- volvimento, mudando com as etapas da vida, afir-
do com um traço de personalidade que, teorica- mam que a resiliência não é um traço, mas um
mente, se mantém ao longo da vida, fazendo com estado.
que o indivíduo identificado como resiliente pos- Na mesma linha de raciocínio podemos
sa se recuperar rapidamente de qualquer expe- citar Deslandes e Junqueira7 que entendem a
riência traumática que por ventura venha ocor- resiliência não como um processo estanque ou
rer15. Sempre que a literatura traz termos como: linear, pois os indivíduos podem apresentar-se
“crianças resilientes” ou “tornar os jovens resili- resilientes em determinada situação e não em
entes” deparamo-nos com a idéia de que alguém outras. “Nesse sentido, não podemos falar de

107
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

indivíduos resilientes, mas de uma capacidade do otimismo, proporcionando excelente disposição


sujeito de, em determinados momentos e de acor- física, etc. Aqui, o estresse exerce uma função
do com as circunstâncias, lidar com a adversida- evolutiva: prepara o organismo para a ação, para
de, não sucumbindo a ela”7 (p.229). a adaptação ao meio causador de estresse. É
Assim, observa-se atualmente que há uma uma questão de sobrevivência e saúde 22,25.
tendência por parte de alguns pesquisadores de Entretanto, sob condições estressoras crô-
resiliência a serem mais favoráveis a uma com- nicas esta resposta adaptativa pode se tornar
preensão deste fenômeno enquanto habilidade causadora de problemas para o organismo devi-
manifesta em determinado contexto com deter- do ao alto desgaste provocado pela necessidade
minadas características, abandonando idéias de manutenção prolongada de um estado geral
como “personalidade resiliente”, defesa psicoló- de alerta. “Como a energia necessária para esta
gica20 ou imunidade psicológica21. adaptação é limitada, se houver persistência do
estímulo estressor, mais cedo ou mais tarde o
A constelação temática – pano de fundo da organismo entra em uma fase de esgotamen-
resiliência to” 22.
“Numa visão subjetiva do fenômeno, pode-
Em decorrência da amplitude dos temas se dizer que, dependendo da percepção que o
aqui abordados, apresentaremos uma síntese indivíduo tem da situação, da sua interpretação
sobre as principais definições e os conceitos mais do evento estressor e do sentido a ele atribuído,
utilizados na literatura a fim de esclarecer de teremos ou não a condição de estresse”5 (p.30).
forma um pouco mais aprofundada a constela-
ção temática amplamente citada quando o as- Estresse e Resiliência
sunto é resiliência.
A definição base da resiliência traz a ques-
Estresse tão da adaptação / superação do sujeito frente a
situações de estresse / adversidade. Ameaças,
Estresse pode ser entendido como um sofrimentos, perigos, fatores de risco são geral-
conjunto de alterações acontecidas num orga- mente chamados pelos autores de forma geral
nismo em resposta a um determinado estímulo de “experiências estressantes” ou de “condições
capaz de colocá-lo sob tensão22-24. Esta tensão, adversas”2. Fica claro que a literatura enfatiza a
por sua vez, gera uma série de respostas psicofi- questão patológica do estresse.
siológicas que tem por função atuar no evento Logo, a resiliência seria a capacidade de
causador de estresse e restabelecer o equilíbrio lidarmos e re-significarmos situações estressan-
dinâmico do organismo. O estresse é, então, uma tes de modo que o estressor deixe de ser enca-
resposta adaptativa, pois motiva para a ação. rado como tal. Tal situação capacitaria o indiví-
O estresse propriamente dito e estudado duo a lidar de maneira mais satisfatória com fu-
fora de um contexto demarcado não traz em si turas situações de estresse, pois “uma situação
características de valor (se é ou não positivo ou de sofrimento ou conflito pode fortalecer o jo-
negativo, desejável ou não). Sendo uma respos- vem diante de outras situações semelhantes, ge-
ta inespecífica a eventos específicos, as carac- rando-lhe um menor nível de estresse.”7 (p.227).
terísticas da reação ao estresse dependerão di-
retamente do indivíduo, do modo que este lida e “Coping”
significa o mundo em que vive, bem como com
as variáveis do contexto. Nesse aspecto pode- O conceito de “coping” merece uma aten-
mos citar dois tipos de estresse, o estresse sau- ção especial por apresentar algumas bases con-
dável e o patológico. ceituais extremamente parecidas (senão idênti-
Estresse saudável é aquele que traz au- cas) às da resiliência e, além disso, oferece dé-
mento de vitalidade, manutenção do entusiasmo, cadas de estudos e análises que têm muito a con-

108
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

tribuir para a formulação teórica e operacional las pessoas frente às adversidades, fica claro que
da resiliência. ambos os conceitos estão intimamente correla-
“Coping” é geralmente definido como o cionados.
“conjunto das estratégias utilizadas pelas pesso- Interessante notar, porém, que na literatu-
as para adaptarem-se a circunstâncias adversas ra pesquisada, são poucos os autores que falam
ou estressantes”26 (p.273). Existem modelos di- a respeito de “coping”, e quando o fazem, tra-
ferentes de “coping” na literatura, sendo que as zem-no em um capítulo à parte, sem fazer maio-
produções de Lazarus e Folkman27 tornaram-se res correlações entre os dois constructos.
referência obrigatória para aqueles que preten- Além disso, tanto “coping” quanto resili-
dem estudar o assunto. ência são processos relacionados, ou até mesmo
A definição de “coping” defendida por condicionados a situações de estresse. Enquan-
Lazarus e Folkman27 é focada nas: “constantes to o coping foca a maneira, a estratégia utilizada
mudanças cognitivas e comportamentais na ten- para lidar com a situação, independentemente do
tativa de administrar demandas específicas, in- resultado obtido, a resiliência concentra sua aten-
ternas e/ou externas, que são avaliadas pelo su- ção no resultado da(s) estratégia(s) utilizada(s),
jeito como excedendo ou sobrecarregando os que seria uma adaptação (muito) bem sucedida
recursos pessoais”27 (p. 141). Logo, o “coping” do sujeito frente às adversidades.
é entendido como uma ação deliberada e inten- Conforme Yunes e Szymanski5 (p.31):
cional. “muitas questões vêm sendo feitas ainda sobre o
Lazarus e Folkman27, defensores do “co- que estaria envolvendo o fenômeno da resiliên-
ping” enquanto estratégia, não enquanto estilo cia no que tange ao coping ‘bem sucedido’ dian-
de personalidade do indivíduo (conceito deriva- te das situações de estresse”.
do de outras concepções de coping), definem esse De uma maneira um pouco distinta, alguns
processo de modo que o: autores preferem entender tanto o “coping” quan-
to a resiliência diretamente relacionados com
... foco de atenção está no que a pessoa fatores de personalidade.
está fazendo ou pensando no momento atual,
presente, em contraste com o que a pessoa ha- Fatores de Risco
bitualmente faz, fazia ou deveria fazer, que é o
foco das teorias relacionadas a traços de perso- Estudos sobre resiliência geralmente es-
nalidade. Pensamentos ou ações de coping são tão relacionados com eventos geradores de es-
sempre encaminhados para condições particula- tresse e que aumentam a probabilidade do sujei-
res.27 (p. 142). to apresentar dificuldades, podendo desenvolver
uma série de problemas. Situações assim carac-
Sendo assim, as estratégias podem mudar terizadas recebem o nome de Fatores de Risco.
de momento para momento, durante os estágios De modo geral, “fator de risco” pode ser
de uma situação estressante, bem como durante definido como: “... toda a sorte de eventos nega-
os estágios de desenvolvimento do sujeito. “Dada tivos da vida, e que, quando presentes, aumen-
esta variabilidade nas reações individuais, estes tam a probabilidade de o indivíduo apresentar
autores defendem a impossibilidade de se tentar problemas físicos, sociais ou emocionais.”5 (p.24).
predizer respostas situacionais a partir do estilo Grünspun21 define fatores de risco como os fa-
de coping de uma pessoa”26 (p.284). tores presentes no ambiente econômico, psico-
lógico e familiar que possuem grande probabili-
“Coping” e Resiliência dade de causar danos sociais evidentes.
É importante destacarmos a palavra “pro-
Sendo a resiliência o estudo das pessoas babilidade”, ou seja, o fato de que estar exposto
que se adaptam/superam as adversidades, e o a uma situação de risco não determina o desen-
“coping” o estudo das estratégias utilizadas pe- volvimento de alguma psicopatologia ou compor-

109
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

tamentos de risco, mas está de alguma forma características definidas como fatores de prote-
associada. Não existem estudos experimentais ção, relacionadas às condições do próprio indiví-
sobre o tema e, por isso, mecanismos de causa- duo, às condições familiares e às redes de apoio
ção são desconhecidos. do ambiente. A autora afirma que tais caracte-
Hoje se entende que a presença de con- rísticas são de consenso da maioria dos autores,
seqüências negativas advindas de uma situa- porém não define o que são fatores de proteção,
ção caracterizada como risco dependerá de apenas descreve-os.
uma série de outros fatores (como por exem- Tusaie e Dyer8 definem fatores de pro-
plo, os fatores de proteção), e que o próprio teção como aqueles capazes de proteger os in-
risco se dá de forma processual, não de forma divíduos em situação de risco dos efeitos nega-
estática, uni-causal, linear 5. O risco em si não tivos da mesma. Tais fatores podem ser tanto
nos dá parâmetros avaliativos. É preciso in- individuais como ambientais. As autoras apon-
vestigar o contexto que antecede e os eventos tam também que não está claro o modo como
posteriores ao risco, e, sob essa perspectiva, os fatores de proteção interagem com a pessoa
estudos de longo prazo são mais consistentes que demonstra resiliência. Ou seja, sabe-se que
exatamente por conseguirem abarcar melhor existe uma correlação entre a presença da re-
essa teia de relações. siliência e de fatores de proteção, mas o modo
Entretanto, estudos longitudinais são ra- exato como eles atuam no indivíduo ainda é
ros no tema resiliência. Um destes grandes es- desconhecido. Mesmo assim, elas afirmam que
tudos que serve de base para a maioria das hipó- quando o número de fatores de risco é maior
teses investigadas no campo é o de Werner & que os de fatores de proteção, indivíduos que
Smith28. Esse estudo longitudinal durou cerca de apresentaram no passado resiliência podem
quarenta anos, tendo se iniciado em 19555. acabar apresentando sintomas, sejam físicos,
psicossociais, comportamentais, acadêmicos ou
Fatores de proteção no trabalho.
Diante do exposto, podemos assegurar a
Assim como em fatores de risco, a ex- importância de considerarmos o fato de que a
pressão “fatores de proteção” também é freqüen- presença de um fator de proteção diminui o im-
temente citada na literatura sobre resiliência. pacto da exposição a fatores de risco. Não há
Podemos citar como exemplo a definição de como estabelecer um fator de proteção sem ana-
Tusaie e Dyer8: “Mais além, as interações entre lisar o fator de risco envolvido.
risco e fatores de proteção num nível intrapes- Masten & Garmezy e Werner (apud 5) iden-
soal e ambiental são integrados para a definição tificaram três classes de fatores de proteção (im-
de resiliência” (p.4). portantes para o desenvolvimento infantil):
Na mesma perspectiva, Rutter (apud 29) · Atributos disposicionais da criança,
aponta que é de grande importância para se com- · Coesão familiar,
preender a resiliência, conhecer o modo como · Rede de apoio social bem definida.
as características protetoras se desenvolveram Podemos citar como atributos disposicio-
e como modificaram o percurso do indivíduo. nais: autonomia, auto-estima, atividade e socia-
Guzzo e Trombeta2 afirmam que o equilíbrio exis- bilidade, inteligência e lócus interno de controle.
tente entre fatores de risco e proteção contribui Coesão familiar corresponde ao suporte emoci-
para o desenvolvimento da resiliência. Deslan- onal oferecido por pelo menos um adulto com
des e Junqueira7 definem proteção como o con- grande interesse na criança, bem como a ausên-
junto de influências que modificam e melhoram cia de negligência. Já a rede de apoio social ca-
a resposta de um indivíduo quando este está ex- racteriza-se pelo sentido de determinação indivi-
posto a algum perigo que predispõe a um resul- dual e um sistema de crenças para a vida ofere-
tado não adaptativo. cida pelas instituições sociais (escola, igreja, tra-
Pinheiro29 traz em seu artigo uma lista de balho, etc)5.

110
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

Vulnerabilidade esta se dá a partir de uma gama de variáveis


distintas e correlacionadas, fundamentais para a
Segundo Yunes e Szymanski5, falar em efetivação do processo resiliente. Sendo assim,
vulnerabilidade é referir-se às predisposições a é necessário voltarmos o nosso olhar para as
desordens ou de susceptibilidade ao estresse. implicações dessas variáveis no processo resili-
Garcia30 define vulnerabilidade como o aumento ente a fim de entender como ele de fato ocorre e
da probabilidade de um fator de risco causar de se é realmente possível a criação de políticas
fato um resultado negativo. De forma parecida, educativas que possam fomentar a resiliência nos
Guzzo e Trombeta2 caracterizam vulnerabilida- indivíduos. Antes disso, é imprescindível estar-
de como a susceptibilidade a resultados negati- mos atentos à complexidade do tema para que
vos naqueles indivíduos expostos ao risco. possamos de fato chegar a uma definição con-
Assim como os fatores de proteção, o sistente do que é resiliência. O desafio está lan-
conceito de vulnerabilidade também está direta- çado.
mente relacionado com a situação de risco. Iden-
tificar se um indivíduo se apresenta vulnerável CONSIDERAÇÕES FINAIS
ou não implica conhecer as características pes-
soais do mesmo, do ambiente em que está inse- Através da análise da literatura consulta-
rido e, principalmente, do fator de risco e de pro- da, observou-se pouco consenso entre os auto-
teção (se presente) envolvidos. res sobre o conceito de resiliência, que pode va-
Como já exposto, os fatores de risco são riar desde uma capacidade inata que acompa-
aqueles que aumentam a probabilidade de um nha e protege o desenvolvimento do indivíduo a
indivíduo apresentar comportamentos negativos longo prazo, bem como uma habilidade adquirida
e mal adaptados durante seu desenvolvimento, que o sujeito apresenta frente situações adver-
enquanto os fatores de proteção auxiliam na di- sas situacionais.
minuição (ou mesmo eliminação) da probabilida- Encontramos um conceito de resiliência
de de influências negativas advindas do risco. amplo demais, com definições operacionais igual-
A vulnerabilidade, a princípio, pode ser mente amplas, que não permitem a delimitação
entendida como sendo uma situação oposta dos do fenômeno estudado. Como, então, distinguir
fatores de proteção, pois ela aumenta as chan- o processo resiliente de outros processos relaci-
ces de um indivíduo apresentar distúrbios com- onados ao fenômeno da saúde mental, ou então,
portamentais frente ao risco. dos demais processos de enfrentamento e reso-
A vulnerabilidade pode estar também rela- lução de problemas, como coping?
cionada com auto-estima baixa, depressão e de- Outras dificuldades relacionadas aos pro-
terminados traços de personalidade. Estes fato- cedimentos de pesquisa também merecem ser
res podem potencializar os efeitos depreciativos destacadas. Diante do grande número de variá-
de uma situação de risco5. Condições ambientais veis que interferem no processo resiliente, não
também devem ser consideradas como propicia- há estudos experimentais, apenas correlacionais.
doras de um aumento de vulnerabilidade. Não há estudos que tentam estabelecer fatores
Tem-se, assim, a teia de eventos que en- causais, mesmo que múltiplos, entre as variáveis.
volvem o processo da resiliência. Esta ocorre Delineia-se, portanto, um quadro onde
frente a uma situação de risco, onde fatores de encontramos um grande número de definições
proteção podem auxiliar o resultado adaptativo operacionais por demais amplas e vagas, sem
do sujeito, enquanto que, se este apresentar mai- estudos que tentam estabelecer elos causais en-
or vulnerabilidade em relação à situação de ris- tre este grande número de variáveis. O grande
co presente, as chances de insucesso também risco dessa tendência é de, a médio e longo pra-
são maiores. zo, construirmos uma panacéia de correlações
Podemos verificar, dessa maneira, a difi- não necessariamente válidas, sem significado.
culdade em trabalharmos com a resiliência, pois Os estudos têm sempre utilizado testes de

111
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

correlação e regressão logística. Nem sempre so? Quais as intervenções que podem ser elabo-
as correlações são altas, mas significativas. Em radas através de tais dados “significativos”?
outras palavras, tal variável pode estar relacio- Para responder a essas perguntas de for-
nada, mas seu grau de previsibilidade para a ocor- ma fundamentada com os achados científicos, é
rência do fenômeno é quase insignificante. preciso, antes de tudo, uma melhor definição ope-
Se uma das grandes propostas dos estu- racional do conceito, de forma mais objetiva, cla-
dos em resiliência, principalmente sobre resiliên- ra e, principalmente, detalhada. É preciso especi-
cia infantil, é a compreensão de como ocorre esse ficar de forma mais direta os comportamentos e/
processo para que intervenções sejam elabora- ou habilidades sociais e cognitivas relacionados
das através dos resultados das pesquisas, fica a ao processo resiliente, separá-los em categorias e
dúvida: o que de fato sabemos sobre o proces- testá-los em populações diversificadas.

Abstract: The present work aimed to investigate in the specialized literature the main definitions
of resilience and its operational concepts. Generally speaking, resilience is understood as the
process in which the individual is able to overcome adversities, adjusting himself in a healthy
way to his context. In view of the diversity of definitions that were found, these were grouped
into three main axes, considering resilience as an adaptation/overcoming process; an innate/
acquired process; a circumstantial/permanent process. Due to the need of understanding other
subjects directly related to resilience, the work presents sections that approach: stress, coping
and their relations with resilience; risk factors, protection factors and vulnerability. It is clear that
there is a lack of clear operational definitions concerning the phenomenon, and it is suggested
that resilience can be understood as a strategy of coping with positive and even transforming
results.

Key words: Resilience. Stress. Coping behavior. Risk factors.

REFERÊNCIAS 2003;19(1):227-35.
8. Tusaie K, Dyer J. Resilience: a historical review
1. Placco VMNS. Prefácio. In: Tavares J, of the construct. Holist Nurs Pract.
organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São 2004;18(1):3-8.
Paulo: Cortez; 2001. p. 7-12. 9. Hagewick S. Resilience required. J Environ
2. Guzzo RSL, Trombeta LHAP. Enfrentando o Health. 1998;60(10):37-8.
cotidiano adverso: estudo sobre resiliência em 10. Blum RW. Risco e resiliência: sumário para
adolescentes. Campinas: Alínea; 2002. desenvolvimento de um programa. Adolesc
3. Goleman D, Gurin J. Equilíbrio mente/corpo: Latinoam. 1997;1(1):16-9.
como usar sua mente para uma saúde melhor. 11. Brooks RB. To foster children´s self-esteem and
Rio de Janeiro: Campus; 1997. resilience, search for islands of competence.
4. Baum A, Posluszny D. Health psychology: Brown Univ Child Adolesc Behav Lett.
mapping biohavioral contributions to health 1998;14(6):1-3.
and illness. Annu Rev Psychol. 1999;50:137-63. 12. Hippe J. Self-awareness: a precursor to
5. Yunes MAM, Szymanski H. Resiliência: noção, resiliency. Reclaiming Child Youth.
conceitos afins e considerações críticas. In: 2004;12(4):240-2.
Tavares J, organizador. Resiliência e educação. 13. Janas M. Build resiliency. Interv Sch Clin.
2ª ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42. 2002;38(2):117-21.
6. Slap G. Conceitos atuais, aplicações práticas e 14. Ridley M. O que nos faz humanos. Rio de
resiliência no novo milênio. Adolesc Latinoam. Janeiro: Record; 2004.
2001;2(3):173-6. 15. Thompson N. Research into practice.
7. Deslandes SF, Junqueira MFP. Resiliência e Community Care. 2003;30:47.
maus tratos à criança. Cad Saúde Pública. 16. Pereira AMS. Resiliência, personalidade, stress

112
Nina G. Taboada, et al. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):104-113

e estratégias de coping. In: Tavares J, www.psiqweb.med.br/cursos/stress1.html.


organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São 23. Lipp MEN, Novaes LEN. O stress emocional e
Paulo: Cortez; 2001. p. 77-94. seu tratamento. In: Range B, organizador.
17. Ralha-Simões H. Resiliência e desenvolvimento Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um
pessoal. In: Tavares J, organizador. Resiliência e diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre:
educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez; 2001. p. 95- Artmed; 2001. p. 475-90.
113. 24. Sarda Jr JJ, Legal EJ, Jablonski Jr SJ. Estresse:
18. Antunes C. Resiliência: a construção de uma conceitos, métodos, medidas e possibilidades
nova pedagogia para uma escola de qualidade. de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo;
Petrópolis: Vozes; 2003. 2004.
19. Brooks RB, Goldstein S. Raising resilient 25. Lipp MEN. Stress: conceitos básicos. In: Lipp
children: fostering strength, hope, and MEN, organizador. Pesquisas sobre stress no
optimism in your child. New York: McGraw-Hill; Brasil: saúde, ocupação e grupos de risco. São
2001. Paulo: Papirus; 1996. p. 17-34.
20. Tavares J. A resiliência na sociedade emergente. 26. Antoniazzi AS, Bandeira DR, Dell´Aglio DD. O
In: Tavares J, organizador. Resiliência e conceito de coping: uma revisão teórica. Estud
educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez; 2001. p. 43-75. Psicol (Natal). 1998;3(2):273-94.
21. Grunspun H. Violência e resiliência: a criança 27. Lazarus RS, Folkman S. Stress, appraisal, and
resiliente na adversidade. Rev Bioética coping. New York: Springer; 1984.
[periódico na Internet]. 2002 [acesso em 12 set 28. Werner EE, Smith RS. Overcoming the odds:
2004];10(1):163-71. Disponível em: http:// high-risk children form birth to adulthood.
www.portalmedico.org.br/revista/bio10v1/ Ithaca: Cornell University Press; 1992.
Seccao4.pdf. 29. Pinheiro DPN. A resiliência em discussão.
22. Ballone JG. Estresse: curso de psicopatologia Psicol Estud. 2004;9(1):67-75.
[monografia na Internet]. 2002 [acesso em 15 30. Garcia I. Vulnerabilidade e resiliência. Adolesc
set 2004]. Disponível em: http:// Latinoam. 2001;2(3):128-30.

Enviado em: 18/09/2006


Modificado em: 25/09/2006
Aprovado em: 30/09/2006

113