Você está na página 1de 3

Maquiavel

Obras: O Príncipe, A arte da Guerra e Discurso sobre a Segunda Década de Tito Lívio

*Libertar as cidades italianas da dominação estrangeira;


* “ Os fins justificam os meios”
* O governante deveria fazer o necessário para atingir seus objetivos( mesmo que fossem precisos
mentiras, armações e assassinatos) .
* era melhor que o governante fosse temido do que amado.
* fez da política ou a arte de governo uma função totalmente separada da ética e da moral, ou seja, a
política deve ser um fim em si mesmo.

Thomas Hobbes

Obras: De Vice e Leviatã

- qualquer meio usado p/ defender-se da morte é correto;


- esses métodos não valem para outros casos, senão por intenção de defender-se;
- cada homem é POR NATUREZA juiz quanto à decisão do que o leva a sua auto-preservação.

* Estado Forte a partir de um contrato social;


* Individuo renuncia seus direitos, submetendo-se ao governo, que por sua vez, defendia a paz e o bem-
estar.

John Locke

Obras: Carta sobre a Tolerância , Dois tratados sobre o Governo Civil e Ensaio Filosófico sobre
entendimento humano.

*Defesa da propriedade, sendo dever do Estado protegê-la, uma vez que esta seria fruto do trabalho do
homem.
*Defesa de liberdade religiosa, sem disputas

*Indivíduos não poderiam ser tomados como juizes em causa própria


*Contrato Povo X Estado, sendo que o povo mandava em seus governantes;
* Concepção individualista, sociedade estava em estado de NATUREZA = liberdade e igualdade.
*Democracia Representativa

Jean-Jacques Rousseau

Obrass sobre as origens da Desigualdade e Contrato Social

*Propriedade gerava intrigas e desigualdades


*Democracia Direta (ao menos deveria o povo apenas fazer as LEIS, no mínimo)

Presidencialismo

O sistema só pode ser usado em repúblicas

ii. O chefe de estado(presidente) é o chefe de governo e portanto tem plena responsabilidade política e
amplas atribuições.
iii. O chefe de governo é o presidente eleito pelo povo, direta ou indiretamente. Fica no cargo por tempo
determinado, previsto na Constituição.

iv. O poder executivo é exercido pelo presidente da República auxiliado pelos ministros de estado que são
livremente escolhidos pelo presidente. A responsabilidade dos ministros é relativa à confiança do
presidente.

v. Adotado no Brasil, nos EUA, México.

////////
a) O Presidente da República exerce plenamente o Poder Executivo, acumulando as funções de Chefe de
Estado (pessoa jurídica de direito publico externo, i. é, em relação aos Estados estrangeiros). Chefe de
Governo e Chefe da Administração Pública (pessoa jurídica de direito público interno); não depende da
confiança do Poder Legislativo nem mesmo para sua investidura e cumpre mandato por tempo
determinado;

b) Os ministros de Estado são simples auxiliares do Presidente da República que tem poder para nomeá-
los e exonerá-los a qualquer tempo, sendo que cada um atua como se fosse chefe de um grande
departamento administrativo;

c) O eventual plano de governo, mesmo quando aprovado por lei, depende exclusivamente da
coordenação do Presidente da República que o executará ou não, bem ou mal, sem dar satisfação jurídica a
outro Poder (salvo prestações de contas financeiras ou orçamentárias);

d) É sistema típico das Repúblicas;

e) O Poder Legislativo (no nosso caso, Congresso Nacional, Assembléias Legislativas, Câmara Distrital e
Câmaras de Vereadores) não está sujeito à dissolução e não é Parlamento no sentido estrito, pois seus
membros (embora chamados parlamentares) são eleitos pelo povo e por um período fixo de mandato;

f) As relações entre o Poder Executivo e o Legislativo são mais rígidas, prevalecendo o princípio da
separação de poderes independentes e autônomos, embora possam ser harmônicos;

g) Tanto o Presidente da República, como os parlamentares representam o Poder Legislativo, são eleitos
democraticamente pelo sufrágio universal. Assim, se houver um Presidente da República que seja Ditador
ou com evidente predominância autoritária sobre os demais Poderes, então o sistema passa a ser ditatorial
e não mais presidencialista.

Parlamentarismo

i. O sistema pode ser usado em monarquias ou repúblicas.

ii. O chefe de Estado( rei ou presidente) não é o chefe de governo e portanto não tem responsabilidade
política. Suas funções são restritas.

iii. O chefe de governo é o premier ou primeiro ministro, indicado pelo chefe de Estado e escolhido pelos
representantes do povo. Fica no cargo enquanto tiver a confiança do Parlamento.

iv. O poder Executivo é exercido pelo Gabinete dos Ministros. Os Ministros de Estado são indicados pelo
premier e são aprovados pelo parlamento. Sua responsabilidade é solidária; se um sair todos saem em tese

v. È o caso de Inglaterra, França, Alemanha.

a) É típico das Monarquias Constitucionais, de onde se estendeu às Repúblicas européias;


b) O Poder Executivo se divide em duas partes: um Chefe de Estado (PJ de Dir. Público Externo),
normalmente exercido pelo Monarca ou pelo Presidente da República, e um Chefe de Governo exercido
por um Primeiro Ministro ou Presidente do Conselho de Ministros;

c) O Primeiro Ministro é indicado ou mesmo nomeado pelo Presidente da República, mas sua investidura
definitiva, bem como sua permanência posterior no cargo, depende da confiança da Câmara dos
Deputados e às vezes até do próprio Senado;

d) A aprovação do Primeiro Ministro e do seu Conselho de Ministros pela Câmara de Deputados se faz
pela aprovação de um plano de governo a eles apresentado, de modo que a Câmara assume a
responsabilidade de governo aprovando o plano e empenhando-se pelo mesmo perante o povo

e) O governo é assim exercido por um corpo coletivo orgânico de modo que as medidas governamentais
implicam na atividade de todos os Ministros e seus ministérios;

f) O Poder Legislativo assume no Parlamentarismo funções político governamentais mais amplas,


transformando-se em Parlamento, na medida em que compreende também os membros do governo;

g) O governo é responsável ante o Parlamento (Câmara dos Deputados), o que significa que o governo
depende de seu apoio e confiança para governar;

h) O Parlamento é responsável perante os eleitores, de sorte que a responsabilidade política se realiza do


governo para com o Parlamento e deste para com o povo; assim, se o Parlamento retirar a confiança no
governo, ele cai, exonera-se, porque não tem mandato, mas apenas investidura de confiança;

i) Mas, em vez da exoneração dos membros do governo que perdeu a confiança do Parlamento, pode-se
preferir apurar a confiança do povo e, então, utiliza-se o mecanismo da dissolução da Câmara,
convocando-se eleições extraordinárias para formação de outro Parlamento em torno da mesma questão
que gerou a crise que assim é resolvida sem traumas.

Sistemas Eleitorais

Formas:

*Majoritário: o vitorioso surge por maioria relativa (ou pluralidade), que representa a maior minoria, ou
por maioria absoluta.

* Proporcional: A partir dos votos apurados para determinada legenda, as vagas nas casas legislativas
serão preenchidas pelos candidatos mais votados da lista do partido ou coligação, até o limite das vagas
obtidas, segundo o cálculo do quociente partidário e distribuição das sobras.
pode ser NOMINAL ou POR LISTAS (Lista rígida, semi-livre ou livre)
O sistema proporcional privilegia o partido, e não o candidato. Por isso, é comum ocorrer de candidatos
serem eleitos com menos votos que outros que ficam de fora.

* Distrital: O país é dividido em pequenas regiões, onde cada partido lança seus candidatos. O mais
votado em cada uma é eleito. O voto distrital misto é o que existe na Alemanha e, como o nome diz, é uma
mistura dos outros dois sistemas: uma porcentagem é eleita pelos distritos e outra, por eleições
proporcionais.

No Brasil são adotados as formas Majoritária e Proporcional.