Você está na página 1de 11

INTRODUÇÃO

Neste relatório temos objetivo de descrever experiências realizadas em laboratório


com o objetivo de análise e compreensão dos resultados obtidos. A descrição será
feita de forma detalhada, seguindo os passos realizados no ambiente de pesquisa e
citando os equipamentos utilizados.

Foram realizadas três experiências. Nelas, foram abordados o calor especifico dos
metais, diferenciação de substâncias puras e misturas pelo seu ponto de ebulição e
a determinação da entalpia de neutralização e de dissociação dos elementos. Cada
experiência tem um resultado específico que será apresentado relacionando-se os
conhecimentos teóricos com a prática obtida.
2

Termoquímica

1 Determinação do calor específico de metais

1.1 Objetivo

Determinar o calor específico de um metal.

1.2 Procedimentos

Foram dados pelo professor dois cubos metálicos, um de cor prata (1) e outro de cor
de cobre (2).

Após pesados, o metal número 1 e 2 apresentaram pesos 18,514g e 57,954g


respectivamente.

Foi deixado na capela um bécher de 250mL com água suficiente para cobrir os
metais aquecendo até a ebulição.

Em um calorímetro foi adicionado 150g de H2O e medido a temperatura da mesma


(23 ºC).

Após os metais ficarem aproximadamente 10 min. Dentro do bécher com água em


ebulição na capela, foi medida a temperatura do mesmo (96 ºC). Logo após, através
de uma pinça, foi retirado o metal1, e colocado dentro do calorímetro imerso na água
e agitado por alguns segundos. Em seguida, foi deixado em repouso até estabilizar a
temperatura da água, medindo 26º C.

Dados obtidos com o metal 1:

Peso do calorímetro com água: 150,875g

Temperatura inicial água no calorímetro: 23º C.

Temperatura água aquecendo com metal: 96ºC.


3

Temperatura da água no calorímetro após colocar o metal aquecido: 26º C.

Com estas informações, podemos calcular através da temperatura final e a inicial o


calor específico do metal. Por meio de uma tabela, podemos descobrir qual o metal
deste cubo.

Fórmula e cálculo do calor específico do metal 1:

Mmetal x Cmetal x (▲T metal) = - (MH2O x CH2O x (▲TH2O)

18,514 x C x 70 = - (150,875 x 1 x 3)

C = - 4,98

Foi repetido todo o procedimento para o metal 2, e obtido os seguintes valores:

Peso do calorímetro com água: 151,715g

Temperatura inicial água no calorímetro: 23º C.

Temperatura água aquecendo com metal: 97ºC.

Temperatura da água no calorímetro após colocar o metal aquecido: 25º C.

Através da mesma fórmula calcula-se o valor do calor específico:

Mmetal x Cmetal x (▲T metal) = - (MH2O x CH2O x (▲TH2O)

57,954 x C x 72 = - (151,715 x 1 x 2 )

C = -13,75

1.3 Podemos afirmar que:

Com os calores específicos obtidos, os metais são:

Metal 1: latão

Metal 2: cobre

2 Substâncias puras e misturas


4

2.1 Objetivo

Determinar se uma substância é pura ou não por meio do acompanhamento do seu


ponto de ebulição

2.2 Procedimentos

Foram fornecidas duas substâncias desconhecidas: 1 e 2.

Foram colocados 50 mL da substância 1 em um bécher de 100 mL. Em seguida,


usamos um termômetro para medir sua temperatura.

O bécher foi levado ao bico de Bunsen para se aquecido. Foram listados o tempo e
a temperatura iniciais, sendo 23 ºC ao instante 0 s.

Em seguida, medimos a temperatura a cada vinte segundos até o ponto de ebulição


da substância. Depois disso, a temperatura foi observada a cada 1 minuto.

O tempo final também foi listado. A tabela a seguir mostra os dados obtidos após a
observação.
5

Instante t em segundos (s) Temperatura (ºC)


20 23
40 24
60 28
80 30
100 36
120 41
140 44
160 45
180 50
200 54
220 59
240 64
260 69
280 74
300 79
320 84
340 88
360 92
380 95
400 97 (ponto de ebulição)
460 97,5
520 97
580 96,5
640 96
700 96
760 96
820 95,5
880 95
940 95
1000 96
1060 96
1120 96
1180 96

O mesmo procedimento foi efetuado para a segunda substância. Sabendo que a


temperatura era de 23 ºC no instante 0 s.
6

Instante t em segundos (s) Temperatura (ºC)


20 25
40 29
60 33
80 38
100 43
120 48
140 53
160 59
180 63
200 69
220 74
240 76
260 80
280 84
300 87
320 90
340 93
360 96
380 98
400 99 (ponto de ebulição)
460 100
520 100
580 100
640 100,5
700 101
760 101
820 101,5
880 101,5
940 102
1000 102,5
1060 103
1120 103,5
1180 103,5

Usando as informações da tabela, os seguintes gráficos foram montados:


7
8

2.3 Podemos afirmar que:

Analisando os dois gráficos, a temperatura da substancia 1 decresce e cresce após


o ponto de ebulição. Já na substância 2, a temperatura só cresce após o ponto de
ebulição, comportamento típico de uma substância pura. Portanto, através do
comportamento da temperatura após o ponto de ebulição, podemos afirmar que a
substância 2 é pura.

3 Determinação de entalpia (▲H)

3.1 Objetivo

Determinar a entalpia de neutralização e de dissociação de um elemento

3.2 Procedimentos

3.2.1 Determinação do ▲H de neutralização.

No mesmo calorímetro utilizado anteriormente , foi adicionado 100 mL de HCl 1M e


medida a temperatura, após foi adicionado 10mL de NaOH 1M. Após agitar o
calorímetro foi anotada a temperatura de equilíbrio:

Temperatura inicial do HCl e NaOH: 23 ºC

Peso: 202,437g ou 0,202437kg

Temperatura final de equlíbrio : 29º C.

Utilizando a fórmula abaixo calculamos o ▲H:

▲H = m c ▲T
9

▲H = 0,202437 x 1 x 6

▲H = 1,2146 kcal

3.2.2 Determinação do ▲H de dissociação

Nesta prática visamos calcular o valor do ▲H de dissociação do NaOH, na água.

Em um calorímetro adicionamos 10 mL de água, a medimos a temperatura. Depois,


adicionamos 2g de NaOH, fechamos e misturamos.

Após estabilização da temperatura medimos seu valor novamente.

▲H = m x c x ▲T

▲H = 0,10012 x 1 x 5

▲H = 0,5 kcal

▲H = 50,06 cal.

3.3 Podemos afirmar que:

As experiências mostraram que:

Entalpia de dissociação: ▲H = 50,06 cal

Entalpia de neutralização: ▲H = 1,2146 kcal


10

CONCLUSÃO

As experiências realizadas mostraram resultados específicos para cada situação.


Em relação ao calor específico, foi possível obter dois valores de calor específico
próximos dos valores tabelados. Isto mostrou que os metais em questão são o cobre
e o alumínio. Já, em relação às substâncias puras e misturas, o acompanhamento
da temperatura através do tempo possibilitou a diferenciação entre a substância
pura, aquela cujo gráfico da temperatura não decresce em nenhum momento, ao
contrário da mistura. E por último, com o auxilio do calorímetro, foi possível medir os
calores específicos das substâncias em questão.
11

REFERÊNCIAS

1 Entalpia. Disponível em

<http://pt.wikipedia.org/wiki/Entalpia> capturado em 25 de junho de 2007.

2 Calor específico. Disponível em

< http://www4.prossiga.br/lopes/prodcien/fisicanaescola/cap15-2.html> capturado


em 25 de junho de 2007.