Você está na página 1de 15

Universidade de Brasília

PROJETO TRICICLO

Alberson Salles de Carvalho

Rafael Reis Yamamoto

Leandro Araújo
2
SUMÁRIO

1. CONCEITO ----------------------------------------------------------4
2. HISTÓRIA -----------------------------------------------------------5
3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO “PROJETO
TRICICLO”-----------------------------------------------------------7
4. CLASSIFICAÇÃO DO “PROJETO TRICICLO” DE
ACORDO COM O DETRAN -----------------------------------11
4.1 FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO --------------------------11
4.1.1 Quanto à tração
4.1.2 Quanto à espécie
4.2 CONSEQUÊNCIAS DA CLASSIFICAÇÃO -------------13
4.2.1 Normas gerais de circulação
4.2.2 Penalidades/ crimes

4.3 CONCLUSÃO -------------------------------------------------14

3
1. CONCEITO

Projeto triciclo é um equipamento que se destina a transportar carga, que possui


características semelhantes às de um reboque, porém, não se destina a ser tracionado por
um veículo automotor.

Possui um sistema mecânico movimentação (engrenagens), como intuito de


reduzir a força que seria necessária para seu deslocamento no sentido vetorial
determinado por agente embarcado.

Seu peso próprio é de aproximadamente 25kg e capacidade para transportar até


400kg de carga útil. Dispõe de sistema de freios.

4
2. HISTÓRIA

Iniciou-se a discussão deste projeto em uma disciplina oferecida pela Faculdade


de Educação na Universidade de Brasília, projeto 3 – denominado economia solidária e
educação. Trata-se da discussão de uma outra forma de viver em sociedade por meio
dos princípios que regem o campo da economia solidária. Este projeto está dividido em
três fases: conhecimentos teóricos; pesquisas de campo; aplicação do conhecimento em
grupos populares.

Nós, alunos de engenharia mecânica, conhecemos um pouco mais sobre essa


nova organização econômica e social e focamos a aplicação dos nossos conhecimentos
nos grupos de catadores de reciclagem.

Visitamos algumas cooperativas populares e observamos que havia a


necessidade de um transporte do reciclável coletado, realizado até então pela tração
animal e humana. Discutimos com os cooperados um equipamento, um triciclo de
carga, que fizesse uso de engrenagens com a finalidade de reduzir o esforço necessário
para o transporte de recicláveis e aumentasse a capacidade de carga.

Foi concretizada uma primeira fase do projeto com o apoio da Incubadora Social
e Solidária do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT). Nesta fase, foi
desenvolvido um triciclo de carga de teste para a cooperativa Fundamental, situada em
Planaltina, Distrito Federal. Segue imagens do triciclo de teste.

5
6
3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO “PROJETO TRICICLO”

O “Projeto Triciclo” trata-se do aperfeiçoamento do triciclo de teste. As


modificações foram feitas a partir de sugestões dos cooperados, que fizeram uso do
triciclo e por nós, alunos de engenharia mecânica.

Características do “Projeto Triciclo”:

3.1 CHASSI

O chassi é uma estrutura de suporte utilizada em veículos para sustentar os


sistemas embarcados. Alguns dos componentes que são acoplados ao chassi do “Projeto
Triciclo” são o sistema de freios, selim, garfo, guidão, etc.

Este chassi foi projetado para satisfazer as solicitações e dispõe de uma


estrutura reforçada para evitar a flexão e aumentar a capacidade de carga.

A dimensão da caçamba é de: 1,10m x 0,7m x 0,7m. Comprimento, largura,


altura, respectivamente.

3.2 RODA

7
A roda é uma máquinas simples com vastas aplicações no transporte e em
máquinas, caracterizada pelo formato circular de sua borda e pela presença de um eixo
rotativo no seu interior.

As rodas do “Projeto Triciclo” possuem um cubo de roda de aço reforçado


“velosteel” e diâmetro maior assim como raios duplos para aumento de sua resistência.

3.3 SISTEMA DE FREIO

8
O freio é composto basicamente de um conduite, um cabo de aço, uma alavanca
e um sistema com duas sapatas que se atritam com o aro, com a intensidade em que é
pressionada a alavanca. Entre o conduite e o sistema de sapatas há uma peça chamada
balinger, que permite ajustar a tensão do cabo de aço.

O “Projeto Triciclo” possui um sistema de freios com cinco freios do estilo v-


brake, sendo dois em cada roda traseira e um na roda dianteira. Os quatro freios
traseiros são acionados na manete direita do guidão e o dianteiro, na esquerda.

3.4 EIXO

O “Projeto Triciclo” possui um eixo de 20 mm de diâmetro com oito rasgos de


anel de retenção para restrição do movimento lateral e dois rasgos de chaveta, um para
acoplamento de uma roda e outro para as engrenagens.

3.5 ANEL DE RETENÇÃO

9
O anel de retenção tem como objetivo restringir o movimento lateral do eixo
para que não escape de sua posição inicial. O “Projeto Triciclo” possui oito anéis de
retenção.

3.6 ÂNGULO DE CASTER

O angulo de caster é o ângulo do pino mestre em relação à linha vertical que


passa pelo centro da roda olhando-se o veículo de lado.
O ângulo de caster proporciona firmeza e estabilidade à direção permitindo
dirigir em linha reta com esforço mínimo. Um ângulo de caster exagerado torna a
direção pesada. O ângulo de caster é definido no projeto do veículo e normalmente não
sofre alterações durante a vida do veículo.
O ângulo de caster do “Projeto Triciclo” e de 26,5°.

10
4. CLASSIFICAÇÃO DO “PROJETO TRICICLO” DE ACORDO COM O
DETRAN

4.1 CLASSIFICAÇÃO

O equipamento é um veículo terrestre. A expressão "veículo" acolhe em seu


sentido qualquer meio de transporte que possibilita a transmissão de algo. Neste caso,
objetivamos diferenciá-lo de outros equipamentos que não se constituem em veículos
para fins da legislação de trânsito, tais como os patins ou skates que são considerados
brinquedos. Nosso enfoque irá centrar-se à condição do equipamento frente à legislação
de trânsito, e para tal ele constitui-se efetivamente em um veículo.

O Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9503/97) promove a classificação dos


veículos em seu Art. 96, bem como os conceitua em seu Anexo I (Dos Conceitos e
Definições).

4.1.1 - Quanto à tração

O Código de Trânsito Brasileiro classifica os veículos quanto à tração em


automotores, elétricos, propulsão humana, tração animal e reboques ou semi-reboques.

Procuraremos conceituar o veículo, por exclusão, norteados pelos objetivos a


que se destina e pela forma como deve ser utilizado.

- Automotor/ elétrico

Pelo conceito legal o veículo automotor é aquele que se move ou circula por
seus próprios meios, incluídos os ônibus elétricos. Nesse primeiro item faremos a
exclusão mútua dos dois conceitos (Automotor e Elétrico) por entendermos que um é
espécie do outro, portanto excluindo-se o genérico se estará excluindo o específico.

Pelo Código: "veículo automotor - todo veículo a motor de propulsão que circule
por seus próprios meios, e que serve normalmente para o transporte de pessoas e coisas,
ou para a tração viária de veículos utilizados para o transporte de pessoas e coisas." O
termo compreende os veículos conectados a uma linha elétrica e que não circulam sobre
trilhos (ônibus elétrico).

11
- Reboque ou Semi-reboque

A diferença entre reboque e semi-reboque é que este se apóia em sua unidade


tratora, enquanto aquele se apóia em seu próprio rodado, e por esse motivo dissemos no
"conceito" que o “Projeto Triciclo” assemelhava-se a um reboque por possuir seu
próprio rodado.

- Tração animal

A exclusão do “Projeto Triciclo” da condição de reboque também explica sua


inadequação à classificação como veículo de tração animal.

- Propulsão humana

Entendemos que esta deva ser a classificação adotada para o “Projeto Triciclo”
por ser a mais adequada às suas características e aos fins a que se destina.

A concepção do veículo e os fins a que se destina o aproximam mais de uma


"Bicicleta". A própria "Bicicleta", que é um veículo de propulsão humana, recebe
tratamento diferenciado pelo Código de Trânsito Brasileiro se o seu condutor estiver
embarcado ou desembarcado. Segundo o Art. 68, § 1º do Código de Trânsito, o ciclista
desmontado empurrando (tracionando) a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e
deveres.

4.1.2 - Quanto à espécie

- Carga

O “Projeto Triciclo” é efetivamente um veículo de carga, não se prestando em


hipótese alguma ao transporte de passageiros, sob pena de ser descaracterizada a
classificação, e as consequências que dela advêm.

Sendo um veículo de carga, faremos também, por exclusão, qual seria o veículo
de carga que melhor se encaixa nas características do “Projeto Triciclo”. Não se trata de
uma carroça, pois esta é de tração animal.

12
O conceito de caminhoneta - veículo destinado ao transporte de carga com peso
bruto total de até três mil e quinhentos quilogramas. Apesar de encaixar-se à finalidade
do “Projeto Triciclo” não atende à classificação da tração, pois a caminhoneta é um
automotor. Via de consequência também não é um caminhão. Reboque ou semi-reboque
de carga também não é pela excludente da tração não ser feita por um automotor.

Conceito de carro de mão - veículo de propulsão humana utilizado no transporte


de pequenas cargas. Parece ser a melhor classificação do “Projeto Triciclo”. Apesar de
tolerar o transporte de uma massa expressiva em função de sua estrutura, sua área e
volume de ocupação são discretos.

4.2 CONSEQUÊNCIAS DA CLASSIFICAÇÃO

VEÍCULO DE PROPULSÃO HUMANA DA ESPÉCIE "CARRO-DE-MÃO"

4.2.1 - Normas Gerais de Circulação

Pela classificação proposta, o tratamento que deverá ser dado ao veículo, em


relação às normas de circulação, é o mesmo dado aos condutores de veículos de
propulsão humana, e não o dado ao pedestre.

A única exceção que existe para os veículos de propulsão humana terem o


tratamento equiparado ao do pedestre é com relação ao ciclista quando desmontado. Por
disposição expressa do parágrafo 1º do Art. 68 do CTB, "O ciclista desmontado
empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e deveres". Sendo uma
excludente expressa, não se aplica a qualquer outro veículo de propulsão humana.

A circulação do veículo deverá ser feita pelo bordo da pista, no mesmo sentido
de circulação regulamentado para a via (salvo se expressamente sinalizado de forma
diferente), com preferência sobre os veículos automotores, mesmo tratamento dado ao
ciclista montado conforme o Art. 58 do CTB.

Para utilização de vias destinadas a pedestres como calçadas e calçadões deverá


haver autorização da autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via.

13
O Art.247 do CTB prevê ser infração de natureza média, punida com multa,
deixar de conduzir pelo bordo da pista, em fila única, os veículos de tração ou propulsão
humana e os de tração animal, quando não houver faixa específica. Essa regra será
aplicável nos casos em que não havendo faixa específica, andar-se pelo meio da pista,
por exemplo. O condutor do veículo deve, portanto, obedecer às regras de circulação de
veículos, e não de pedestres, estando sujeito a suas penalidades.

O registro e licenciamento do veículo, bem como fiscalização e autuação das


infrações cometidas são de competência da autoridade executiva municipal de trânsito,
por disposição expressa do Art. 24, inciso XVII e do Art. 129, ambos do CTB.

Não há até o presente momento a regulamentação sobre equipamentos


obrigatórios necessários nem no Código de Trânsito (Art. 105 do CTB), nem na
Resolução 14/98 do Contran. Os equipamentos regulamentados na Resolução 46/98 do
Contran são exclusivamente para bicicletas.

4.2.2 Penalidades/Crimes

As penalidades administrativas a que se sujeita o condutor do “Projeto Triciclo”


são as mesmas de qualquer condutor de veículo de propulsão humana. Como já
dissemos, tão somente o ciclista desmontado tem o tratamento na condição de pedestre,
ou seja, a aplicação do Art. 254 do CTB que estabelece para o pedestre a metade da
multa de natureza leve.

Quanto aos crimes culposos que possam vir a ser cometidos na utilização do
“Projeto Triciclo” tais como lesões corporais e homicídio não deverão ser tipificados
conforme o Capítulo XIX do Código de Trânsito Brasileiro, Arts. 291 a 301, pelo fato
de não ser um veículo automotor, devendo ser analisados conforme o Código Penal,
com consequências processuais diversas das do Código de Trânsito.

4.3 CONCLUSÃO

Pelas características do veículo, para a finalidade a que se destina, pelas


implicações de natureza criminal, cível e administrativa decorrentes da classificação,
entendemos que o “Projeto Triciclo” deva ser considerado um VEÍCULO DE
PROPULSÃO HUMANA DA ESPÉCIE CARRO-DE-MÃO.

14
Lembramos que alterações em suas características e finalidades, tais como
engate em outro veículo, adaptação para que o condutor vá embarcado, transporte de
passageiros, comprometem o entendimento aqui exposto.

15