Você está na página 1de 3

1

RESUMO

DONALDSON, Lex. Teoria da contingência estrutural. In: CLEGG, Stewart, HARDY, Cynthia,
NORD, Walter. (Orgs.), Handbook de estudos organizacionais. v. 1. São Paulo Atlas, 1999. Cap. 3.

O artigo trata da origem e evolução da teoria da contingência, que fornece um importante


paradigma para a análise da estrutura das organizações, funcionando como um uma referência para
a construção de um corpo de conhecimento científico.
O objetivo do trabalho é traçar os contornos da teoria da contingência da estrutura organizacional e
mostrar como a pesquisa dentro desse paradigma evolui na forma de ciência normal.
As estruturas não estão circunscritas aos departamentos e setores organizacionais, expandem-se
para os relacionamentos de autoridade, liderança, subordinação e tomada de decisão. Citando
Pennings (1992), os autores afirmam que a estrutura extrapola a formalidade e alcança o ambiente
informal.
Para os autores, a tomada de decisão estaria influenciada por fatores contingenciais como a
estrutura, a dimensão, a estratégia e a incerteza com relação às tarefas e tecnologia. Em nível de
sobrevivência a organização precisaria se adequar aos fatores contingenciais e consequentemente
adaptando-se ao ambiente.
Dissertando sobre o conceito de paradigma, o trabalho apoia-se em Kuhn (1970), argumentando que
pesquisa científica está baseada em paradigmas construídos com a partir de uma ideia central, seus
pressupostos, seu método e suas convenções; tomando corpo até que esse paradigma é confrontado
com outro; convive com este, até que seja substituído ou transformado.
Como influência dos clássicos, o paradigma de referência até o fim da década de 1950 sustentava que uma
estrutura única seria suficiente para atender as necessidades de qualquer tipificação organizacional. Baseada
na hierarquia e autoridade centralizada, disseminando a estratégia até os níveis operacionais.
Esse pensamento vigora até emergir a escola das relações humanas, que foca o indivíduo e a interação de
grupos como influenciadores da dinâmica organizacional. O movimento contraria a lógica hierárquica e
coloca o indivíduo como partícipe da estratégia.
A base da teoria da contingência estrutural está no entendimento e percepção do nível de incertezas. Quanto
mais a tarefa se torna incerta, mais complexa será a tomada de decisão, surgindo a necessidade da mudança
do perfil de pessoas na execução das mesmas. O modelo mecanicista de realização de tarefas seria mais
2

eficaz em ambientes estáveis com baixo nível de incerteza e o modelo orgânico sistêmico mais indicado para
ambientes complexos e incertos.
A síntese da teoria está posta nos trabalhos de Burns e Stalker (1961), citado no artigo como enunciado
seminal da abordagem contingencial. Para estes autores, tanto a abordagem mecanicista e a orgânica tem seu
valor desde que aplicadas conforme à conjuntura. De forma complementar, os estudos de Woodward (1965)
são indicativos do mesmo princípio, onde a medida em que a complexidade tecnológica avança a estrutura
transita de mecanicista para orgânica.
A linha comum dos diversos autores apresentados no artigo está no foco principal da teoria, onde a estrutura
é moldada de maneira a satisfazer a necessidade do ambiente e das tarefas decorrentes. É destacado como
referência os trabalhos de Lawrence e Lorsh (1967), que dão origem ao nome “teoria da contingência”, onde
determinaram que a mudança ambiental tem relação direta com a diferenciação e a integração
organizacional.
A relação entre a estratégia e o modelo estrutural das organizações, se dão a partir de Chandler (1962), onde
a estratégia determina a estrutura e esta se adequa ao ambiente visando desempenho. Quando maior a
diversificação e complexidade dos produtos, mais complexo seriam as estruturas para atender a mercados
diferenciados. A inovação ambiental leva a organização a aumentar o grau de inovação, causa imediata de
uma estrutura orgânica.
O estudo apresenta evidências da relação entre a contingência e a estrutura organizacional, porém indica
preocupações quanto a necessidade da realização de estudos adicionais por pesquisadores independentes, a
fim de confirmar o mesmo fenômeno. O artigo caponta os estudos do Grupo de Aston (1971), que testou as
múltiplas dimensões de estruturas organizacionais, porém não obteve sucesso em comprovar replicações do
fenômeno.
Com a necessidade de testes, surgem os críticos, alegando não existir uma teoria da contingência, mas apenas
uma coleção de teorias que configuram uma “abordagem contingencial”. Essa crítica é rebatida com o que os
Donaldson (1987) chamou de “teoria da adaptação estrutural para readquirir adequação”. Inicialmente a
organização estaria adequada e, após alteração da contingência se tornaria inadequada com declínio de
desempenho, modifica sua estrutura e volta ao desempenho superior, fechando um ciclo de mudanças
contínuas.
Na contramão da contingência, estão ressaltados outros autores como Perrow (1986), Pfeffer e Salancik
(1978), sustentando que as organizações podem influenciar o ambiente de forma a se benefiarem do mesmo,
transformando-o mais favorável aos seus objetivos estratégicos. Outros autores são citados como Drazin e
Van de Vem (1985), ressaltam o conceito de “multiestruturação”, que vai além das variável contingencial e
estrutural, estendendo a um universo mais abrangente.
Outros paradigmas são confrontados no estudo, demonstrando que a teoria da contingência estrutural não é
uma universalidade, principalmente nos anos 70, com o surgimento de outras teorias como a teoria
3

institucional nos EUA e teoria do agenciamento no Reino Unido, citadas no artigo por Meyer (1970) e
Silverman (1970) respectivamente. Desta forma, mesmo sem ser unanimidade, a teoria contingencial da
estrutura pode ser considerada como o eixo principal no campo dos estudos da estrutura organizacional.
O autor conclui que a teoria contingencial surge de um “gap” entre os pressupostos da administração clássica
e da escola de relações humanas, tornando-se uma síntese para uma teoria mais ampla, onde seus
proponentes afirmam que ela contribuirá majoritariamente para a nova síntese, enquanto outras propostas
teóricas defendem que a teoria da contingência estrutural contribuirá apenas com com uma parte menor,
sendo este um dos principais debates sobre o futuro imediato dos estudos organizacionais.

Critérios para avaliação – resumo – 1,0 ponto extra na 1ª avaliação


▪ Prazo de entrega: 1 semana antes da 1ª avaliação
▪ Em dupla
▪ Norma ABNT
▪ Texto dissertativo
▪ Escrever dissertativamente, não utilizar tópicos
▪ Não fazer “CAPA”
▪ Formatação: 2 x 2
▪ Espaçamento: 1,5
▪ Fonte: 12 “time new romantic”
▪ Mìnimo: 550 palavras.
▪ Máximo: 850 palavras.
Pontos fundamentais:
▪ Do que trata o artigo.
▪ Seus objetivos.
▪ Contextualização.
▪ Teorias utilizadas pelos autores.
▪ Principais autores citados.
▪ Conclusão do autor