Você está na página 1de 34

I-01

radiação radiação •si •si •se Q •e condução convecção convecção
radiação
radiação
•si
•si
•se
Q
•e
condução
convecção
convecção
I-01 radiação radiação •si •si •se Q •e condução convecção convecção
I-02
I-02
II-02
II-02
II-11 Exemplo de cálculo: Local: Portalegre Cota: 380 m (considera-se a cota da soleira de
II-11
Exemplo de cálculo:
Local: Portalegre
Cota: 380 m (considera-se a cota
da
soleira de entrada do edifício)
Tipo
de
edifício:
Rc vazado
+3
pisos
Fracções:
1E,
2E, 3E,
1D, 2D, 3D
Tipologia ocupacional: Habitação, todas as fracções T2
PERSPECTIVA
EXTERIOR
COBERTURA INCLINADA
DO EDIFÍCIO
ISOLANTE SOBRE
ESTEIRA HORIZONTAL
COBERTURA
EM
TERRAÇO
ISOLAMENTO
P/ EXTERIOR
FRACÇÃO3D
FRACÇÃO3E
FRACÇÃO 2D
FRACÇÃO 2E
FRACÇÃO 1E
R/C VAZADO
LUGARES DE
ESTACIONAMENTO
FRACÇÃO 1D
R/C
GARAGENS

II-12

Planta TIPO das fracções Área de paredes (exteriores) - 32.0 x 2.70 (pd) = 86.40
Planta TIPO das fracções
Área de paredes (exteriores)
- 32.0 x
2.70
(pd) = 86.40 m2
Área da parede em contacto
com caixa de escadas - 12.0
x 2.70 (pd)
= 32.40
m2
Área de
pavimento
-
105.50 m2
(perímetro
interior das paredes
exteriores)
Área útil de pavimento -
99.67 m2 (perím. interior das paredes exteriores, -
paredes
interiores)
Área de vãos envidraçados -
15.60 m2
10.0
3.5
1.5
EL3
p3
EL1
EL1
p1
p2
1.5
1.5
3.5
12.0
3.5
1.5
1.5
II-15 Factor de Sombreamento do horizonte (Fh) O efeito do sombreamento de obstruções longínquas exteriores
II-15
Factor de
Sombreamento do horizonte (Fh)
O
efeito do sombreamento de obstruções longínquas exteriores ao edifício ou
criadas
por outros
edifícios vizinhos depende do ângulo do horizonte, latitude,
orientação,
clima
local
e
da
duração
da
estação
de
aquecimento.
O
ângulo de horizonte
é definido como o ângulo
entre
o plano horizontal e a recta
que passa
pelo centro
do envidraçado e pelo
ponto mais alto da
maior obstrução
existente entre
dois planos verticais que fazem 60º
para
cada um dos lados da
normal
ao
envidraçado.
Consideram-se as obstruções existentes e as previstas
nos planos
urbanísticos.
No Inverno aplica-se
tabela IV.5, no Verão
Fh deve
ser considerado
igual
a
1.
1
- Cota de soleira +
8
m
2
- Cota de soleira +
7
m
1
3
- Cota de soleira +
6
m
2
3

II-16

60º 25 m (lado Sul) JA1 12 m (lado Norte) 60º 22.3 m (lado Sul)
60º
25 m (lado
Sul)
JA1
12 m (lado Norte)
60º
22.3 m (lado Sul)
PA1
14.5 m (lado Norte)
II-17 -14.8º 0.57º 15.26º
II-17
-14.8º
0.57º
15.26º
IV-01 Reports e Impressões Relatório completo: descrição de os itens, sub-itens, totais e sub-totais; Relatório
IV-01
Reports
e Impressões
Relatório completo: descrição de os itens, sub-itens,
totais e
sub-totais;
Relatório mediamente detalhado:
descrição de itens e totais parciais;
Não imprimir Listagens: descrição apenas de itens e totais
globais;
Exemplo
de
relatório completo
Impressão da
fracção
activa, ou
de
todas as que
constituem
o
edifício.

IV-02

Reports e Impressões
Reports
e Impressões
VI-01 I&D GERVÁSIO, Helena; Engenheira Civil – Modelação e implementação de aplicações. LOPES, Marco
VI-01
I&D
GERVÁSIO, Helena; Engenheira Civil –
Modelação e implementação
de
aplicações.
LOPES,
Marco S.;
Arquitecto –
Interface,
modelação
e imagem
digital.
BELCHIOR, Rui
S.; Engenheiro Civil
– Algoritmia, desenvolvimento e estruturação
de
objectos.
DIAS,
Pedro Lopes; Engenheiro Civil – Algoritmia, Interface e implementação
de
aplicações.
SILVA,
Luís Simões; Doutor
em Engenharia
Civil – Consultoria e
análise experimental
Professor FCTUC - Dept. Engenharia Civil, U. Coimbra.
VIEIRA, Abilio;
Engenharia
e Gestão Industrial -
Consultoria, Formação
e helpdesk.
FARIA, João P.; Arquitecto – Formação e
helpdesk.
BELCHIOR,
Luís M.;
Doutor em Quimica –
Consultoria e
análise
experimental.
Professor, Faculdade Quimica -
U.
Porto.
PAIXÃO, João;
Engenheiro
Civil
– Formação
e helpdesk.
SIMÕES,
Luís;
Engenheiro
Técnico
Civil
Formação
e
helpdesk
VI-02 Bibliografia e Documentação Técnica SANTOS, C. A. Pina dos; MATIAS, Luis– Coeficientes de Transmissão
VI-02
Bibliografia
e Documentação Técnica
SANTOS,
C.
A.
Pina dos; MATIAS, Luis– Coeficientes
de
Transmissão
térmica
de
elementos da
envolvente dos edifícios.
Lisboa:
LNEC,
2006,
ITE
50
SANTOS,
C.
A.
Pina dos; PAIVA, J. A. Vasconcelos
– Coeficientes de Transmissão
térmica
de
elementos
da envolvente dos
edifícios. Lisboa: LNEC, 1990, ITE
28
SANTOS,
C.
A.
Pina dos; PAIVA,
J.
A.
Vasconcelos –
Caracterização
térmica
de
Paredes
de
Alvenaria.
Lisboa:
LNEC,
2004, ITE 12
SANTOS,
C.
A.
Pina dos; PAIVA,
J.
A.
Vasconcelos –
Caracterização
térmica
de
pavimentos pré-fabricados. Lisboa:
LNEC, 1990, ITE
11
GRANDÃO, Jorge
M.
- Revestimentos
de Impermeabilização de Coberturas
em
Terraço.
Lisboa:
LNEC,
2006, ITE 34
VÁRIOS
Coberturas
de
edifícios.
Lisboa:
LNEC,
2003,
CPP
516
VÁRIOS
Paredes
de
edifícios
.
Lisboa:
LNEC,
2003,
CPP
510
VÁRIOS, GRANDÃO Lopes – Revestimentos em edifícios recentes.
Lisboa: Cadernos
edifícios
03, LNEC, Setembro 2004
GOMES,
Ruy
J.
-
Coberturas
em Terraço.
Lisboa:
MOP LNEC,
Janeiro 1968
CANHA da Piedade;
MORET,
A.
H.;
RORIZ L.F.
- Climatização
em Edifícios,
Envolvente e
Comportamento Térmico.
Edições
Orion, 2ª Edição,
Abril 2003
DGE/IP-3E – Reabilitação
energética da envolvente de Edifícios residenciais.
Lisboa: DGE, Novembro 2004
BAIO Dias, António –
Construção em tijolo cerâmico, das
exigências
normativas
do
produto
à prática de aplicação. Porto:
Seminário sobre paredes de alvenaria,
P.B.L. & H.S.
(eds)
2002
BAIO Dias, António; CTCV – Experiência na marcação CE de produtos
cerâmicos.
Lisboa: Certificação energética e ambiental
dos edifícios,
INETI, 30 de
Junho
2006