Você está na página 1de 6

Delay do macaco veio com PT2399

Para quem se interessar desenhei este circuito de delay baseado no integrado

PT2399.

A princípio observei o circuito do Tone Pad que utiliza este CI e também observei o

data sheet do CI, no Tone Pad o primeiro inconveniente, quatro linhas de alimentação, 0V ( terra), +V , +5V e 1/2V (Vref) o que siginifica quatro trilhas de cobre sobre a placa

para alimentar dois integrados apenas.

Para

reduzir

a

complexidade

troquei

o

integrado

ampli-operacional

por

dois

transistores, assim não seria preciso a linha de alimentação de ½ de V.

O data sheet não mostra internamente o PT2399, apenas os componentes externos,

mas podemos considerar que este integrado seria a panaceia que sozinho substitui varios integrados que seriam preciso para construir o circuito que internamente ele tem, por exemplo um integrado conversor de analógico pra digital , um de memoria ram, um de oscilador interno , conversor de digital pra analógico etc., logicamente não esperemos que fizessem um integrado específico pra delay com todos estes elementos internos top de linha, ou seja, do bom e do melhor, assim o integrado tem suas limitações tais como ram pequena tendo curto tempo de atraso de sinal (delay curto), então se forçamos o circuito para um tempo mais largo o ruído interno da conversão aparece na saída do sinal sem muita possibilidade de filtragem ou eliminação, então o atraso deverá ser fixado até um limite máximo aceitavel.

Apesar de tudo com este CI digital se consegue um delay de muito melhor qualidade e menos componentes do que um analógico baseado em integrados de BBD.

Em ambos os casos só é possivel conseguir Eco (delay) , no caso de se querer uma câmara de reverb teria que se associar no mínimo dois integrados em paralelo, o ideal seriam quatro em paralelo para se obter uma proximidade do efeito de reverber natural que acontece na condição do som atingir 4 paredes com distancias diferentes causando o efeito no modo real.

Esquema e descrição do circuito

Observando o esquema (na página seguinte) temos um transitor na entrada como pré amplicador mas sem ganho exagerado, apenas um pouco de amplificação pois o sinal vai sendo reduzido a medida que segue no circuito.

Na saída do coletor o sinal se divide em dois, parte do sinal entra no integrado onde acontecerá todo o processo de conversão AD-DA, gravação na Ram, etc., a outra parte do sinal vai direto na entrada do segundo transistor.

Da saída do integrado o sinal já sai atrasado e vai também na entrada do segundo transistor que atua apenas como um buffer misturador com ganho unitário. Simples demais.

O potenciômetro de repetição pega um pouco do sinal atrasado e reinjeta na entrada novamente para multiplos ecos.

Função de alguns componentes chaves R1 - com o valor ai escolhido ao acionar a

Função de alguns componentes chaves

R1 - com o valor ai escolhido ao acionar a DPDT o sinal com efeito de eco deverá ter mesma proporção de volume sonoro de quando está sem o efeito, diminuindo o valor o volume do sinal com efeito aumenta. R3 - regula o ganho do estagio e poderia fazer a mesma função acima diminuindo o seu valor até um certo limite. R15 e R16 - ajustam a proporção de volume entre o sinal limpo e o sinal atrasado, uma mudança de valor de um deles desequilibrará fazendo o volume de um ficar mais alto ou mais baixo que o outro. C4 - libera com mais volume uma pequena taxa de super agudos pois os componentes em volta do integrado faz com que o sinal perca brilho, então C4 e R15 formam um pequeno filtro que atua compensando. C7 e C8 - atuam no integrado como um filtro de modo a limitar a faixa de frequencia do sinal, com valores mais altos (em torno de 2n7) a repetição perde o brilho dos agudos lembrando os delays analógicos, o valor recomendado no data sheet era de 560pF que faz com que a repetição tenha muito brilho mas ao colocar com um tempo de retardo muito largo o ruído interno gerado no integrado aparece mais forte. Usei um meio termo

1000pF.

R14 - impede que o volume do delay suma totalmente quando o volume está no mínimo deixando o volume baixinho pois não faz sentido abaixar o volume totalmente (era melhor acionar a DPDT para o sinal limpo).

Placa de circuito

A placa está mostrada pelo lado dos componentes, os capacitores não estão desenhados para ficar mais facil a visualização, eles estão apenas marcados com o numero.

8 cm

eles estão apenas marcados com o numero. 8 cm 7 cm Relação de componentes RESISTORES  

7 cm

Relação de componentes

marcados com o numero. 8 cm 7 cm Relação de componentes RESISTORES   100 R -
marcados com o numero. 8 cm 7 cm Relação de componentes RESISTORES   100 R -

RESISTORES

 

100 R

-

R23

1K

-

R22

R25

2K2

-

R3

R21

5K6

-

R12

10K

-

R7

R8

R10

R11

R14

15K

-

R6

R9

R13

 

22K

-

R1

R20

47K

-

R15

R19

100K

-

R2

R5

R16

R17

470K

-

R4

R18

1M

- R24

CAPACITORES 100nF a 1uF

-

-

C1

220nF a 1uF

C2

C3

C6

C13

C14

C15

C16

 

1000pF

-

C4

C7

C8

2n2

-

C11

3n3

-

C5

(ou 3n9)

 

10nF

-

C12

82nF

-

C9

C10

100nF

-

C17

C18

C21

(cerâmico)

1uF/16v

-

C24

10uF/16v

-

C23

47uF/10v

-

C19

100uF/10v

-

C20

100uF/16v

-

C22

obs.: os capacitores marcados entre um valor e outro podem ser usados qualquer valor intermediario mas de preferencia que sejam todos de um só valor escolhido, se não forem usados eletrolíticos dê preferencia aos de poliester, porem se não forem encontrados de baixissima voltagem por serem reduzidos em tamanho pode ser usado de cerâmica por serem bem menores (e mais baratos).

TRANSISTORES

Q1

Q2

Q3

Q4

- qualquer transistor npn de alto ganho e baixo ruído - BC237 238

547

548

549

550

etc

DIODOS

 

D1

e

D3

- 1N4148

1N914

ou qualquer outro semelhante

D2

- zenner para 10v

½ Watt

Led pequeno

CIRCUITO INTEGRADOS

Regulador de tensão

- 78L05

(pequeno)

Delay digital

- PT2399

POTENCIÔMETROS

Tempo de atraso do eco - 50K Linear

Volume do eco

Numero de repetições

- 100K Linear

- 100K Linear

MISCELANEAS Dois Jacks P10 mono (plástico) - Jack pra fonte P4 (plástico) - knobs - chave DPDT - soquete de 16 pinos para integrado, etc.

Montagem e Teste

Montar e soldar todos os componentes de menos a ligação da DPDT e não colocar o integrado de delay por enquanto. Alimentar o circuito com a fonte externa e medir a tensão na trilha positiva depois de R23, deverá estar em torno de 9v. medir a tensão no pino 1 do soquete que deverá ser de 5v ou 5,1. (a tensão não deve ultrapassar a 5,3v) . Soldar os fios correspondentes na DPDT e plugar a guitarra e o amplificador, ao acionar a DPDT (Led aceso) o som deverá estar ligeiramente mais alto em volume pois o integrado ainda não está colocado na placa, porem o som deverá estar limpo e sem mudança de timbre. Desligar a fonte desconectando o plug do Jack P4 ao invés de apenas retirar da tomada, encoste os dedos na placa de circuito ou toque na guitarra já com o circuito

desligado para descarregar totalmente os capacitores eletroliticos ainda carregados com carga da fonte. Após este procedimente colocar o integrado de delay no seu soquete evitando de segurar nos seus terminais. (NÃO errem o lado) Ligar o circuito e deverá ter o efeito de eco agora com os volumes equilibrados.

Cuidados especiais

Por se tratar de um circuito digital e um integrado bastante complexo internamente certos cuidados deverão ser observados para evitar a queima do componente. Ao retira-lo do circuito colocar sempre sobre algo metalico que esteja distante de possiveis cargas. Evitar soldar outros componentes com o integrado colocado, é melhor retira-lo, se quiser evitar de retirar muitas vezes para fazer soldagens, deixe o ferro esquentar bastante e no momento da solda deligue o ferro da tomada e solde com ele desligado, alguns ferros de solda muitas vezes não estão bem isolados internamente e uma pequena carga as vezes pode inutilizar um integrado digital. Não conheço este integrado internamente pois não é mostrado no datasheet mas dos pinos 1 ao 8 parece ser o lado digital e portanto mais sensivel principalmente no pino 2.

Outros detalhes

O corte e furação para a caixinha metálica segue o mesmo padrão do flanger ou do fuzz face por isso não vou repetir os desenhos aqui. Utilizei a ligação da DPDT no estilo ‘true by pass’ ainda que sempre dê um pequeno click, neste circuito o click é menor pois não há grande amplificação na entrada, mas quem preferir pode ligar do outro modo se orientando pelo desenho do fuzz face. Com uma montagem certinha, tendo o cuidado de não esquentar muito os capacitores na hora da soldagem, este circuito funciona bem chegando a quase meio segundo de delay e com um pouco mais de brilho na repetição do que o circuito do Tonepad.

Boa sorte a todos