Você está na página 1de 2

História da dança

A história da dança cênica representa uma mudança de significação dos propósitos


artísticos através do tempo.
Com o Balé Clássico, as narrativas e ambientes ilusórios é que guiavam a cena. Com
as transformações sociais da época moderna, começou-se a questionar certos
virtuosismos presentes no balé e começaram a aparecer diferentes movimentos de
Dança Moderna. É importante notar que nesse momento, o contexto social inferia
muito nas realizações artísticas, fazendo com que então a Dança Moderna Americana
acabasse por se tornar bem diferente da Dança Moderna Européia, mesmo que tendo
alguns elementos em comum.
A dança contemporânea como nova manifestação artística, sofrendo influências tanto
de todos os movimentos passados, como das novas possibilidades tecnológicas
(vídeo, instalações). Foi essa também muito influenciada pelas novas condições
sociais - individualismo crescente, urbanização, propagação e importâncias da mídia,
fazendo surgir novas propostas de arte, provocando também fusões com outras áreas
artísticas como o teatro por exemplo.

Catira
Catira ou cateretê é uma dança do folclore brasileiro, em que o ritmo musical é
marcado pela batida dos pés e mãos dos dançarinos.
De origem híbrida, com influências indígenas, africanas e européias, a catira (ou "o
catira") tem suas raízes em Mato Grosso, Goiás e norte de Minas. A coreografia é
executada a maioria das vezes por homens (boiadeiros e lavradores) e pode ser
formada por seis a dez componentes e mais uma dupla de violeiros, que tocam e
cantam a moda.
É uma dança típica do interior do Brasil, principalmente na área de influência da
cultura caipira (Mato Grosso, norte do Paraná, Minas Gerais, Goiás e partes de São
Paulo e Mato Grosso do Sul).
A coreografia da catira é quase sempre fixa, havendo poucas variações de uma região
para outra. Normalmente é apresentada com dois violeiros e dez dançadores.

Origem
Segundo historiadores, a dança foi incurtida no caminho das bandeiras, pois era
praticada pelo peões dos Bandeirantes, e assim foi sendo defendida pelos peões por
onde eles acampavam.
Diversos autores, entre eles Mario de Andrade, nos contam que a catira no Brasil, se
originou entre os índios e que o Padre José de Anchieta, entre os anos de 1563 e
1597, a incluiu nas festas de São Gonçalo, de São João e de Nossa Senhora da
Conceição, da qual era devoto. Teria Anchieta composto versos em ritmo de catira
para catequizar índios e caboclos e a considerada própria para tais festejos, já que era
dançada somente por homens, fato que se observa, ainda hoje, em grande parte do
país. Atualmente, ela é dançada também por homens e mulheres ou só por mulheres.
Há, porém, os que dizem que ela veio da África junto com os negros e outros acham
que é de origem ibérica. O certo é que ela adquiriu características desses três grupos
citados, podendo até ter recebido influências de outros povos que para o Brasil
imigraram.

Dança de rua
As primeiras influencias surgiram na época da grande crise econômica dos EUA, em
1929, quando os músicos e dançarinos que trabalhavam nos cabarés ficaram
desempregados e foram para as ruas fazer seus shows.
Em 1967, o cantor James Brown lançou essa dança através do Funk (não confundir
com o funk carioca.), estilo musical que tem entre seus expoentes Michael Jackson, Le
Gusta, Paula Lima, Tim Maia, Ed Motta, Jorge Ben, Seu Jorge, Funk N' Lata, Olodum,
Sandra de Sá, Thaide e DJ Hum, Aretha Franklin, Marvin Gaye, Funkadelic, entre
outros.
O Breaking, uma das vertentes dos Street Dances, explodiu nos EUA em 1981 e se
expandiu mundialmente. No Brasil, os dançarinos incorporaram novos elementos à
dança.

Existem dois tipos de street dances:


Street dances vinculada a Cultura Hip Hop, grupos ou crews;
Street dances vinculada às academias e estúdios de dança.
Podemos caracterizar o Street Dances como:
Um trabalho de coordenação motora com ritmo e musicalidade;
Um ritmo,onde se dá mais atenção aos movimentos fortes e enérgicos executados
pelos braços, pernas, movimentos acrobáticos coreografados, saltos e saltos mortais.
Uma dança com maioria de dançarinos homens, porém hoje encontra-se um maior
espaço para as mulheres.
São usadas músicas que tenham batidas fortes e marcantes,algumas músicas
eletrônicas e em geral músicas cantadas em cima dos breakbeats.
A Street Dances quando vinculada ao movimento Hip Hop (Hip do inglês - quadril; Hop
- pulo) toma um outro sentido na história e em sua formação.
Existem vários estilos de dança dentro do Hip Hop temos:
O Breaking, executados pelos B.Boys ou B.Girls
O Locking, executados por lockers
O Popping, executado por poppers
O Hip Hop Dance (New School Hip Hop Dance), executado pelos hip hoppers
As Social Dances (passinho de dança de dançeteria)
O "Break Beat" é a batida de fundo repetitiva muito conhecida pelos Mcs em seus
shows, os Djs entram e tocam a música e os dançarinos (b.boys ou b.girls) fazem a
sua dança nessa batida da música.
Difere-se do Hip Hop Dance que neste caso utiliza-se das danças sociais conhecidas
como, harlem shake, happy feet, monastery e etc. Em outras palavras, o Hip Hop é um
estilo de dança mais dinâmico, já que este veio de outras danças sociais.
Uma das grandes características vinculada ao Hip Hop é a improvisação, que algo
momentâneo e acontece com mistura de linguagens entre, encenação teatral, mímica
e dança. Tem o seu nascimento nos Estados Unidos da América, o leste e o oeste
norte americano tem expoentes diferentes de estilos e de representantes no Street
Dances.
O precursor do Hip Hop Dance nos EUA foi Buddha Stretch junto ao seu grupo Elite
Force Crew, a partir de 1984 iniciou-se a manifestação do Hip Hop Dance. Stretch
também foi o primeiro coreógrafo na cidade de Nova Iorque a ministrar uma aula de
Hip Hop na consagrada BROADWAY DANCE CENTER.