Você está na página 1de 7

Caderno do Diálogo de Segurança

e Saúde

DSS Universal – CEMAR

FEVEREIRO
2018

“...em poucos segundos,


uma escolha errada pode apagar uma bela história.
Faça a escolha certa. Pratique a segurança!” .
Finalidade:
Nossos encontros servirão para aplicar o Diálogo Semanal de Segurança - DSS, visando
aprimorar as atitudes e as posturas que reduzem os índices de acidentes do trabalho e suas
consequências.
Objetivo:
O Diálogo Semanal de Segurança visa orientar e informar, conscientizando e educando os
colaboradores para um trabalho com toda segurança, mostrando também a importância da
participação de cada um na prevenção de acidentes.
Quando?
O DSS deverá ser realizado de forma semanal antes do início da jornada de trabalho, com
duração de 10 a 15 minutos, através da leitura e discussão de temas pré-selecionados ou
outros relativos à segurança, saúde e qualidade de vida.
Quem?
Líderes, profissionais da área de segurança, membros das CIPA’s. Para tanto, a leitura
prévia do assunto a ser tratado é importante para o bom planejamento e execução do
trabalho. O aplicador deve ainda registrar o tema desenvolvido no DSS e colher as
assinaturas dos participantes em impresso padrão disponível no próprio caderno.
Público alvo:
Colaboradores próprios e fornecedores, administrativos e operacionais.

ÍNDICE

Dia 07: CARNAVAL E A PREVENÇÃO AS DST’S


Dia 14: RISCOS AO USAR ADORNOS NO TRABALHO
Dia 21: INPEÇÃO EM FERRAMENTAS NO TRABALHO
Dia 28: NÃO BUSQUE UM CULPADO, BUSQUE O RISCO!
Tema do dia 07:
CARNAVAL E A PREVENÇÃO AS DST’S

O Carnaval está chegando, tempo de festas, de alegria, de curtição! Porém devemos


sempre lembrar que é nessa época do ano em que milhares de pessoas são
contaminadas por diversos tipos de doenças, as chamadas DST’s – Doença
Sexualmente Transmissíveis, portanto, como evitá-las?

 As DST’s são geradas por vírus, bactérias, fungos e parasitas e que podem aparecer na pele como
feridas, corrimento, bolhas ou verrugas (muitas tem o aspecto de couve-flor).
 Normalmente estas lesões surgem na genitália, mas pode aparecer também no ânus e não ter
relação ao coito anal. Em uma grande parcela de pessoas infectadas a lesão é tão pequena que
não se consegue visualizar a olho nu, e não é detectada pelo próprio paciente. Daí a necessidade
dos exames preventivos para ambos os sexos, pois só o médico especialista conseguirá
diagnosticar qualquer sinal e havendo suspeita faz-se a retirada da verruga ou biópsia da pele
lesionada e o material é enviado para análise. Só assim determinará se através desta infecção
poderá desenvolver algo mais sério, como o câncer. A importância do diagnóstico logo no início
na maioria das vezes torna o tratamento fácil e logo desaparecem as lesões.
 Para a transmissão de doenças sexuais não é necessário a penetração vaginal ou anal, o vírus
pode ser transmitido apenas pelo contato sexual mais íntimo, mas sem penetração. Uma vez
instalado o vírus, ele poderá ficar em estado latente por anos, até surgir o meio propício para se
desenvolver e somente neste momento surgirão as lesões.
 O meio para se prevenir é o uso adequado do preservativo durante todo o período de contato
íntimo (com ou sem penetração). Caso haja necessidade de tratamento deverá neste período
ficar sem ter este contato, é abstinência mesmo. Outro meio de se prevenir é não ter contato
sexual caso o parceiro seja portador da doença, deverá aguardar a liberação pelo médico.
 Entre as DST temos: sífilis, gonorreia, cancro mole, herpes genital entre outras, é importante
observar que em alguns casos a pessoa que foi contaminada pelo vírus só percebe depois de
alguns dias após o contato sexual lesões pequenas no seu órgão genital e não dá atenção.
 Passado mais alguns dias estas lesões desaparecem, mas retornando depois em forma de
caroços que também irão desaparecer sem tratamento e você fica aliviado achando que não era
nada demais. Só que mais alguns dias surgirão manchas avermelhadas e daí evolui para as
alterações na pele. Geralmente as pessoas procuram o médico neste estágio.

Estas doenças só permanecerão se a pessoa não tiver um tratamento adequado. Outros


sintomas não aparecem como lesões e sim secreções. Por isso, há a necessidade do exame
periódico anual (você vai ao médico uma vez por ano para fazer um check-up, mesmo que
não esteja sentindo nada), já que apenas o médico na especialidade será capaz de
diagnosticar com segurança se há algum problema...

FONTE: Coletânea dos temas disponíveis para profissionais da prevenção / Licenciado para: Adilmar Marques Jordão, E-mail: adailton.jordao@gmail.com
Tema do dia 14:
RISCOS AO USAR ADORNOS NO TRABALHO

Anéis, cadarços e outros perigos. Cuidado!


 Deixar de seguir os procedimentos de segurança
pode ser fatal, pelo simples fato de: usar anéis, aliança, brinco,
relógio de pulso, corrente, pulseiras, camisa fora da calça, cabelo comprido sem prendê-los,
mangas soltas, bota ou calçado com cadarço desamarrado, barras de calça ou uniformes
compridos.
 Esses adornos e roupas fora dos padrões enquanto se executa determinada atividade
devem ser evitados, ou até proibidos em certas situações. Principalmente quando o
trabalho exige que o colaborador se aproxime da rede elétrica, máquinas e equipamentos
envolvendo o contato de suas mãos ou corpo com partes móveis. Por quê?
 Porque além de comprometer a qualidade do serviço, pode levá-lo a um acidente fatal,
como a perda ou mutilação dos membros como dedos, pés e cabeça. Para algumas
atividades o uso de tais adornos pode causar acidentes gravíssimos que venham a
comprometer a vida e a integridade física;
 Todos aqui presentes já ouviram relatos de acidentes que foram provocados pela
utilização de anel, que ao descer de uma escada, veículo, o objeto enroscou provocando
uma lesão grave ou perda do membro. Portanto, retirem-nos de seus dedos, eles
representam elevado risco de lesões para suas mãos e dedos.
 Ainda como exemplo de perigo, podemos citar os sapatos e sandálias de salto alto. A
maioria das mulheres se veste muito bem e para completar sua elegância usam sapatos
de salto alto para o trabalho. A chance de sofrer um grave acidente é grande. Ouça um
fato real: certa vez uma colaboradora sofreu uma queda ao atravessar a rua. Motivo: a
barra da calça enroscou no bico do sapato causando grave acidente de trabalho, danos a
colaboradora e perda de tempo.
 Embora os adornos sejam bonitos e atraentes deixando homens e mulheres elegantes, ao
mesmo tempo são perigosos para a segurança em qualquer lugar.
 A conscientização não é fácil, visto que, muitos são relutantes quanto ao uso dos
adornos. Mas vale ressaltar que elas não poderão utilizar estes objetos caso venham a
faltar um de seus membros.
 A melhor coisa a fazer, é evitar e usá-los somente quando estiver fora de suas atividades
diárias e mesmo em situações típicas de nosso dia-a-dia toda atenção e cuidado é valida.

Lembrem-se, pequenos detalhes podem provocar graves acidentes!

FONTE: Coletânea dos temas disponíveis para profissionais da prevenção / Licenciado para: Adilmar Marques Jordão, E-mail: adailton.jordao@gmail.com
Tema do dia 21:
INPEÇÃO EM FERRAMENTAS NO TRABALHO

 A finalidade é descobrir, identificar riscos


que poderão transformar-se em causas de acidentes do
trabalho e também com o objetivo prático de tomar ou propor medidas que impeçam a
ação desses riscos.
 A inspeção se antecipa aos possíveis acidentes, mas quando repetidas, alcançam
outros resultados: favorecem formação e o fortalecimento do espírito prevencionista
que os colaboradores precisam ter.
 A inspeção de ferramentas é uma parte programada de cada tarefa. É tão indispensável
para o trabalho a ser feito quanto a sua habilidade e qualificação para executá-lo.
Verificar se as ferramentas e equipamentos estão em ordem é o primeiro passo, não
apenas para uma operação segura, mas também para uma operação eficiente.
 Quando falamos sobre uma pessoa que foi ferida por causa de uma falha na ferramenta
ou equipamento, o quadro muda rapidamente. Nada é mais importante em nossa
operação do que evitar que alguém saia ferido. A perda de um olho, de um braço, de
uma perna ou de uma vida é uma perda irreparável. Não há peça de reposição que
devolva a condição normal de um colega de trabalho.
 A responsabilidade por isto cabe a cada indivíduo. A manutenção de ferramentas e
equipamentos pode até não ser de sua responsabilidade pessoal, mas a
responsabilidade por inspecioná-la é sua. A inspeção é apenas o primeiro passo para
evitar os acidentes e ferimentos causados por equipamento ou ferramenta defeituosa.
 Muitos são os acidentes causados por ferramentas defeituosas, inadequadas para o
serviço, utilizadas de maneira errada e na maioria das vezes são improvisadas. Respeite
as normas e procedimentos de segurança para a operação de máquinas e
equipamentos. Não opere qualquer máquina ou equipamento sem que tenha
autorização e qualificação para isso!
 Qualquer que seja o problema não tente resolvê-lo sozinho comunique imediatamente
a sua liderança ou a área responsável. Não retire ou danifique as proteções das
máquinas, elas são instaladas para sua segurança.

Utilize os EPIs determinados para a sua atividade. Realize periodicamente as auto


avaliações, identificando os itens que possuem oportunidades de melhoria em sua área.

FONTE: Temas disponíveis para profissionais da prevenção / Licenciado para: Adilmar Marques Jordão, E-mail: adailton.jordao@gmail.com
Tema do dia 28:
NÃO BUSQUE UM CULPADO, BUSQUE O RISCO!

 O foco do trabalho de investigação das


Causas de um acidente não deve ser “encontrar
um culpado”, mas sim, “encontrar os riscos”. A maior
valia de um trabalho de investigação está em encontrar os fatos geradores do
acidente.
 Você, como colaborador, deve ter em mente que é muito importante colaborar
com a equipe de segurança, para ajudar a analisar as causas de um acidente.
 Uma investigação conduzida adequadamente pode ser muito útil para evitar que
novos acidentes ocorram. Nas empresas é difícil não ser tendencioso. Somos
seres humanos e muitas vezes gostamos mais do gerente A, ou da área B. Mas,
não devemos deixar que nossas preferências interfiram na correta condução da
investigação.
 Mesmo que um acidente seja considerado “bobo”, suas causas devem ser
analisadas em detalhes. Na análise das causas procure verificar se:
a) Os equipamentos utilizados estão em perfeita ordem?
b) Todos os funcionários estão devidamente treinados?
c) Os equipamentos de segurança são adequados para a atividade? entre outras.
 Faça quantas perguntas achar necessário até que tenha a clareza de que a
investigação do acidente se esgotou, ou seja, está completa.
 Todo acidente precisa ser analisado a fundo, para encontrarmos as suas causas.
Mesmo eventuais acidentes que possam ter acontecido por falta de atenção do
funcionário, devem ser investigados e analisados.
 Os colaboradores da empresa devem ter participação ativa durante a análise de
um acidente, colaborando com detalhes, sugestões e ideias de melhorias. Afinal, é
o dia a dia, ou seja, a prática que vai mostrando quais as maiores situações de
risco em uma empresa.

Ajudar a equipe de segurança do trabalho, CIPA, em geral a comissão de


investigação nas ocorrências dos acidentes, pois facilitará o entendimento dos fatos
e o levantamento dos dados essenciais para a conclusão do relatório e propor
medidas preventivas. Sua parte é essencial no processo!

FONTE: Coletânea dos temas disponíveis para profissionais da prevenção / Licenciado para: Adilmar Marques Jordão, E-mail: adailton.jordao@gmail.com
LISTA DE PARTICIPANTES DO DSS

Expositor
Data
Local
O Diálogo Semanal de Segurança visa orientar e informar,
conscientizando e educando os colaboradores para um trabalho
Objetivo com toda segurança, mostrando também a importância da
participação de cada um na prevenção de acidentes.

Tema
Nº NOME EMPRESA/LOTAÇÃO ASSINATURA
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22