Você está na página 1de 5

Lista de Exercícios 1-1 (Hidráulica) Prof.

Raposo

Aluno: Matrícula:

LE 1.2.1 Sua responsabilidade agora é para verificar se a pressão (PA) de saída de uma tubulação que chega em um reservatório de
um bairro (RA) atende ao critério mínimo de 1 m.c.a. quando a vazão necessária seja QA. A referida vazão é controlada por uma
válvula na entrada do reservatório (RA). O arranjo geral é mostrado abaixo:

RSM = Reservatório do lago Santa Maria;


RSM HSM = Cota Piezométrica no ponto SM;

HA = Cota piezométrica no ponto A (m)


SM
RA Cota_A = Cota do ponto A
DSM A
CSM A A
PA = HSM - ΔH SM A - Cota_A
LSM A
Tubo que acompanha uma topografia qualquer (Conduto forçado)

Em outras palavras, a cota piezométrica no ponto A (HA = HSM - ΔH SM A) deve estar pelo menos 1 m acima da cota do tubo (Cota_A), o
cálculo é feito com a diferença entre a cota piezométrica e a cota real do tubo (PA = HA – Cota_A).

Utilize o último número de sua matrícula no IESB para obter o diâmetro D SM A da tabela abaixo:

Último número de sua matrícula 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9


D SM A (mm) 500 600 700 800 900 1000 1100 1200 1300 1400

Demais parâmetros são:

HSM (m) Cota_A (m) LSM A (m) CSM A QA (m³/s)


1020 1015 5000 120 0,5

Utilize o formulário tabela de Hazen-Williams presentados no final desta lista de exercícios.

Trecho Beta J (m/100m) ΔH (m) P ao final do trecho (m) Verificação ao final do trecho
SM - A
LE 1.2.2 Sua responsabilidade agora é para verificar se as pressões (PA; PB) de saída de tubulações que chegam em reservatórios de
bairros (RA; RA) atendem ao critério mínimo de 1 m.c.a. quando as vazões necessárias sejam QA e QB. As referidas vazões são
controladas por válvulas na entrada dos reservatórios (RA; RA). O arranjo geral é mostrado abaixo:

RSM – Reservatório do lago Santa Maria;


RSM HSM = Cota Piezométrica no ponto SM;

DDB
CDB
SM D B
LDB
RB Cota_B = Cota do ponto B
DSM D
CSM D PB = HSM - [ΔH SM D + ΔH DB]- Cota_B
LSM D
DDA A
RA Cota_A = Cota do ponto A
CDA
LDA PA = HSM - (ΔH SM D + ΔH DA) - Cota_A

Em outras palavras, a cota piezométrica no ponto A (HA = HSM – [ΔH SM D + ΔH DA]) deve estar pelo menos 1 m acima da cota do tubo
(Cota_A), o cálculo é feito com a diferença entre a cota piezométrica e a cota real do tubo (PA = HA – Cota_A), da mesma forma como
no ponto B, com cota piezométrica (HB = HSM - [ΔH SM D + ΔH DB]) e pressão (PB = HB – Cota_B).

Utilize o último número de sua matrícula no IESB para obter o diâmetro D SM D da tabela abaixo:
Último número de sua matrícula 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9
D SM D (mm) 500 600 700 800 900 1000 1100 1200 1300 1400

As cotas e vazões conhecidas são:


HSM (m) Cota_A (m) QA (m³/s) Cota_B (m) QB (m³/s)
1020 1015 0,5 1016 0,3

Parâmetros da tubulação e espaço para resultados:


Trecho L C D Q (m³/s) Beta J (m/100m) ΔH (m) P final do trecho (m) Verificação
SM - D 2000 120 - -
D-A 2000 120 1000 -
D-B 800 120 1000 -

Utilize o formulário tabela de Hazen-Williams presentados no final desta lista de exercícios.


LE 1.2.3 Você é o responsável pela verificação do projeto hidráulico de um bairro com quatro condomínios residenciais e notou que
precisa calcular somente o condomínio mais distante (devido características topográficas e maior comprimento de tubulação). Cada
condomínio possui uma caixa de água que deve ter pressão de chegada mínima de 1 m.c.a. A figura a seguir mostra o arranjo de
distribuição:

RA RA – Reservatório do bairro
HA – Cota do nível da água do RA
Cota_4 = Cota do ponto 4
P4 = HA - (ΔHAB + ΔHBC + ΔHCD + ΔHD4) - Cota_4

A
1 2 3 4
R1 R2 R3 R4

DAB DB1 DC2 DD3 DD4


CAB CB1 CC2 CD3 CD4
LAB B LB1 DBC; CBC; LBC C LC2 DCD; CCD; LCD D LD3 LD4

Utilize o último número de sua matrícula no IESB para obter a vazão Q que vai para cada um dos reservatórios dos condomínios a
partir da tabela abaixo:
Último número de sua matrícula 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9
Q (L/s) 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

As cotas conhecidas são:


HA (m) Cota_4 (m)
1015 1012

Parâmetros da tubulação e espaço para resultados:


Trecho L C D Q (m³/s) Beta J (m/100m) ΔH (m) P final do trecho (m) Verificação
A–B 1000 120 600 - -
B–C 1000 120 500 - -
C-D 1000 120 400 - -
D-4 1000 120 300

Utilize o formulário tabela de Hazen-Williams presentados no final desta lista de exercícios.


Você foi contratado por um agricultor para projetar um trecho de tubulação que irá irrigar diversas culturas e ao final haverá um
ponto (Ponto F) extra para ser utilizado eventualmente. As derivações serão realizadas ao longo de um trecho de 100 m dos quais
partirão outros subsistemas para irrigação de diferentes culturas. Ao longo deste trecho haverá várias derivações e a vazão mínimas
necessária é de q CD para cada 1 m de tubo. Para aproveitar uma tubulação antiga de 100 mm de PVC disponível no sítio o
proprietário solicitou que este material fosse utilizado.

Último número de sua matrícula 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9


q CD (L/s/m) 0,10 0,11 0,12 0,13 0,14 0,15 0,16 0,17 0,18 0,19

LE 1.2.4 Considerando uma situação de utilização do ponto de irrigação F está fechado, ou seja QF = 0 l/s, Calcule a pressão em F
(PF) quando a vazão unitária de distribuição em marcha (q CD) no trecho C-D atenda o valor mínimo estabelecido na derivação.
Assuma para o ponto A uma pressão de 100 kN/m² ou PA = 10 m.c.a. Despreze as perdas localizadas.

LE 1.2.5 Considerando uma situação de utilização do ponto de irrigação F está aberto com jato sendo lançado para a atmosfera
com vazão QF = 5 l/s, calcule a pressão em F (PF) quando a vazão unitária de distribuição em marcha (q CD) no trecho C-D atenda o
valor mínimo estabelecido na derivação. Assuma para o ponto A uma pressão de 100 kN/m² ou PA = 10 m.c.a. Despreze as perdas
localizadas.
Formulário de Hazen-Williams (iguais ou maiores que 100 mm)

𝐽 = 𝛽𝑄1,85 𝑄 = (𝐽⁄𝛽) 1⁄1,85 𝐽 = ∆𝐻 ⁄(𝐿/100) 𝛽 = 100 ∙ 10,65⁄(𝐶 1,85 ∙ 𝐷 4,87 )

J = perda de carga para cada 100 m, em m.c.a. / 100 m;


Q = vazão em m/s;
β = Constante de Hazen-Williams que depende do coeficiente de rugosidade C e do diâmetro D;
C = Coeficiente de rugosidade de Hazen-Williams;
D = Diâmetro interno da tubulação em m;
H = Cota absoluta do nível piezométrico;
ΔH = Diferença de carga piezométrica em m.c.a.;
L = Comprimento do tubo.

Valores da constante β para Q (m³/s) e J (m.c.a./100m) com a fórmula de Hazen-Williams


Diâmetro (mm) C = 90 C = 100 C = 110 C = 120 C = 130 C = 140 C = 150
50 5.598E+05 4.606E+05 3.862E+05 3.288E+05 2.835E+05 2.472E+05 2.176E+05
60 2.304E+05 1.896E+05 1.589E+05 1.353E+05 1.167E+05 1.017E+05 8.953E+04
75 7.771E+04 6.394E+04 5.361E+04 4.564E+04 3.936E+04 3.431E+04 3.020E+04
100 1.914E+04 1.575E+04 1.321E+04 1.124E+04 9.695E+03 8.453E+03 7.440E+03
125 6.457E+03 5.314E+03 4.455E+03 3.792E+03 3.270E+03 2.851E+03 2.510E+03
150 2.657E+03 2.187E+03 1.833E+03 1.561E+03 1.346E+03 1.173E+03 1.033E+03
200 6.546E+02 5.387E+02 4.516E+02 3.845E+02 3.315E+02 2.891E+02 2.544E+02
250 2.208E+02 1.817E+02 1.523E+02 1.297E+02 1.118E+02 9.751E+01 8.582E+01
300 9.087E+01 7.478E+01 6.269E+01 5.337E+01 4.602E+01 4.013E+01 3.532E+01
350 4.289E+01 3.530E+01 2.959E+01 2.519E+01 2.172E+01 1.894E+01 1.667E+01
400 2.239E+01 1.842E+01 1.544E+01 1.315E+01 1.134E+01 9.885E+00 8.701E+00
450 1.261E+01 1.038E+01 8.702E+00 7.408E+00 6.389E+00 5.570E+00 4.903E+00
500 7.551E+00 6.214E+00 5.209E+00 4.435E+00 3.824E+00 3.334E+00 2.935E+00
600 3.107E+00 2.557E+00 2.144E+00 1.825E+00 1.574E+00 1.372E+00 1.208E+00
700 1.467E+00 1.207E+00 1.012E+00 8.615E-01 7.429E-01 6.477E-01 5.701E-01
800 7.655E-01 6.299E-01 5.281E-01 4.496E-01 3.877E-01 3.380E-01 2.975E-01
900 4.314E-01 3.550E-01 2.976E-01 2.533E-01 2.185E-01 1.905E-01 1.677E-01
1000 2.582E-01 2.125E-01 1.781E-01 1.517E-01 1.308E-01 1.140E-01 1.004E-01
1100 1.623E-01 1.336E-01 1.120E-01 9.534E-02 8.222E-02 7.169E-02 6.310E-02
1200 1.063E-01 8.745E-02 7.331E-02 6.241E-02 5.382E-02 4.692E-02 4.130E-02
1300 7.196E-02 5.922E-02 4.964E-02 4.226E-02 3.645E-02 3.178E-02 2.797E-02
1400 5.016E-02 4.128E-02 3.460E-02 2.946E-02 2.540E-02 2.215E-02 1.950E-02
1500 3.585E-02 2.950E-02 2.473E-02 2.105E-02 1.815E-02 1.583E-02 1.393E-02
1600 2.618E-02 2.154E-02 1.806E-02 1.537E-02 1.326E-02 1.156E-02 1.017E-02
1700 1.949E-02 1.603E-02 1.344E-02 1.144E-02 9.869E-03 8.605E-03 7.573E-03
1800 1.475E-02 1.214E-02 1.018E-02 8.663E-03 7.471E-03 6.514E-03 5.733E-03
1900 1.134E-02 9.329E-03 7.821E-03 6.658E-03 5.741E-03 5.006E-03 4.406E-03
2000 8.830E-03 7.267E-03 6.092E-03 5.186E-03 4.472E-03 3.899E-03 3.432E-03

Formulário de vazão em marcha:


Vazão em marcha ao longo do comprimento sem ponta seca Vazão em marcha ao longo do comprimento com ponta seca
Livro do Porto, Pag. 99 Livro do Porto, Pag. 100

𝑄𝑚 + 𝑄𝑗 𝑄𝑓 = 𝑄𝑚 ⁄√3
𝑄𝑓 =
2
onde: onde:
𝑄𝑓 = vazão equivalente para o cálculo do trecho; 𝑞 = vazão por metro de tubulação;
𝑄𝑚 = vazão de montante ou na entrada; 𝐿 = comprimento do tubo com saída da vazão 𝑞 [m];
𝑄𝑗 = vazão de jusante ou na saída (𝑄𝑗 = 𝑄𝑚 − 𝑞𝐿).