Você está na página 1de 19

27/06/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZONIA - UFRA


INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL E DE RECURSOS HIDRICOS – ISARH
DISCIPLINA BIOQUÍMICA

DEGRADAÇÃO OXIDATIVA DE
LIPÍDEOS
Profa. Joanne Moraes de M Souza

2013

INTRODUÇÃO

 OXIDAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS em CO2 , H2O e ATP


(energia).

 β-OXIDAÇÃO: 4 ETAPAS REPETITIVAS ONDE 2C SÃO


REMOVIDOS DE TRIACILGLICERÓIS E CONVERTIDOS A
ACETIL-CoA;

FORNECE ENERGIA E PRECURSORES


BIOSSINTÉTICOS DE ROTAS METABÓLICAS.

OCORRE EM ANIMAIS E VEGETAIS;

1
27/06/2013

EM ANIMAIS
 A oxidação de ÁCIDOS GRAXOS em energia é uma via
central.

 Os elétrons removidos da oxidação AG produz ATP →


através de Acetil-CoA na C.T.E.;

 FÍGADO e CORAÇÃO (mamíferos): fornece até 80% das


necessidades energéticas.

 Esta degradação ocorre em resposta a uma demanda


fisiológica.

 Ex: Corcova do camelo (energia + H2O por dias ou


semanas); mamíferos hibernantes; aves migratórias.

EM VEGETAIS
 A CONVERSÃO DE LIPÍDIOS EM ACETIL-COA É
UTILIZADO COMO PRECURSOR NA BIOSSÍNTESE DE
VÁRIAS MOLÉCULAS;

 OU FONTE SECUNDÁRIA DE ENERGIA;

 NA MOBILIZAÇÃO DE RESERVAS LIPÍDICAS DA


SEMENTE PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA PARA O
CRESCIMENTO DO EMBRIÃO E DESENVOLVIMENTO
DA PLÂNTULA;

 NA PRODUÇÃO DE ENERGIA EM SITUAÇÕES DE


ESTRESSE AMBIENTAL PROLONGADO EM PLANTAS;

2
27/06/2013

QUAIS AS VANTAGENS DO ARMAZENAMENTO DE


LIPÍDEOS??

 Energia de oxidação é duas vezes maior que a


produzida pelo mesmo peso de carboidratos;

 Não possuem peso extra de água (insolúveis em


água;

 Podem ser armazenados por longos períodos;

ácido oléico 18:1 (Δ9)

QUAIS AS DESVANTAGENS DO
ARMAZENAMENTO DE LIPÍDEOS EM ANIMAIS??

 Insolúveis, os triacilgliceróis quando ingeridos


devem ser emulsificados (solubilizados) antes
de serem digeridos por enzimas hidrossolúveis
no intestino;

 Devem ser carregados no sangue ligados a


proteínas que neutralizem a sua insolubilidade;

3
27/06/2013

Animais X Vegetais

As células podem obter AG de


gorduras da dieta, gorduras
armazenadas e gorduras sintetizadas
em um órgão para exportação a outro.

As plantas vasculares mobilizam


lipídeos armazenadas nas sementes
durante a germinação, mas não
dependem de gorduras para a
obtenção de energia.

Animais: Digestão, mobilização e transporte de gorduras


Fígado OBS: A passagem dos ácidos graxos para o interior celular
Gorduras ingeridas ocorre por livre difusão, mas estes não entram livremente
na dieta
nas mitocôndrias
Sais biliares (8) AG são oxidados como
combustíveis ou
armazenados
Vesícula biliar

ID (7) Entrada do ác. Graxo


na célula alvo
(1) Emulsificação dos lipídeos por
meio de sais biliares no intestino
delgado (ID), formando micelas (6) Ativação de
mistas Lipoproteínas lipases pela
apoC-II no capilar, liberando
(2) Degradação de ácidos graxos e glicerol
Mucosa
triacilgliceróis: ação de lipases
Intestinal (5) Quilomicrons se movem
através do sistema linfático
e corrente sanguínea
(3) Ác. Graxos e outros produtos de
degradação são absorvidos pelas
mucosas do intestino e convertidos em
(4) Triglicerídeos são incorporados com o colesterol
triacilgliceróis
e apolipoproteínas em estruturas chamadas
QUILOMICRONS

4
27/06/2013

ESTRUTURA DO QUILOMÍCRON

Lipídeos de armazenamento: triacilgliceróis

ÁCIDOS GRAXOS esterificados a 1 molécula de GLICEROL.

5
27/06/2013

DEGRADAÇÃO DOS TRIACILGLICERÓIS


 Realizada por meio de enzimas do tipo LIPASES;
 O ataque das LIPASES é SEQUENCIAL e COORDENADO,
ou seja, retiram um ácido graxo por vez;

DESTINO DO GLICEROL NO CITOSOL

glicólise

6
27/06/2013

OS ÁCIDOS GRAXOS COM AG ≥ 14 CARBONOS PRECISAM SER


ATIVADOS E TRANSPORTADOS PARA DENTRO DA MITOCÔNDRIA
ATRAVÉS DE 3 REAÇÕES ENZIMÁTICAS DO CIRCUITO DA
CARNITINA

CITOSOL CELULAR

TRANSPORTE
DOS ÁC.GRAXOS
ATRAVÉS DA
MEMBRANA
MITOCONDRIAL
INTERNA

1. Ativação do ácido graxo  Acilgraxo-CoA

Acido graxo é adenilado


NO CITOSSOL
pelo ATP formando acil-
adenilato-graxo

Grupo tiol da CoA ataca o


acilgraxo adenilato de
slocando AMP e formando
acilgraxo-CoA

7
27/06/2013

2. Ligação do acilgraxo-CoA à CARNITINA e transporte

OXIDAÇÃO DOS ÁCIDOS


GRAXOS
β-OXIDAÇÃO
(Ác. Graxos Saturados nº par)

8
27/06/2013

OXIDAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS


A oxidação do AG ocorre na mitocôndria em três etapas :
1. Remoção oxidativa de sucessivas unidades de 2
Carbonos na forma de acetil-CoA, começando pela
extremidade carboxílica da cadeia de acil graxo;
2. A formação de cada acetil-CoA requer a remoção de 4H+ e
2é pelas desidrogenases NAD+ e FAD+;
3. Depois os grupos acetil da acetil-CoA seguem para ser
oxidados a CO2 no CICLO DE KREBS OU CICLO DO
ÁCIDO CÍTRICO;
4. Os transportadores reduzidos NADH e FADH2 doam
elétrons na C.T.E. e produzem ATP (fosforilação oxidativa);

β-oxidação de Ác. Graxo saturado (número par de C)


Extremidade carboxílica do acil graxo

I-
Ác. Palmítico
DESIDROGENAÇÃO (16C)

II -

HIDRATAÇÃO

9
27/06/2013

III DESIDROGENAÇÃO
-

IV -
Separa o fragmento de 2C e
inserção de CoA

A cadeia de AG
restante sofrem
outras β-oxidações
até sobrarem apenas
duas moléculas de
Acetil-CoA(2C)

Cada β-oxidação de Ác. Graxo saturado


(número par de C):
1 ACETIL-CoA (-2 C)
1 NADH (2,5 ATPs)
1 FADH2 (1,5 ATPs)

10
27/06/2013

A convergência da β-oxidação: Animais

Rendimento energético: Palmitoil-CoA (16 C):

Nº de ciclos de β-oxidação : 16 /2 = 8 ciclos.


Nº de Acetil-CoA formados: 8 Acetil-CoA.
Nº FADH2 formados: Nº ciclos – 1 = 7 FADH2 x 1,5 =10,5 ATP
Nº NADH+H formados: Nº ciclos – 1 = 7 NADH x 2,5 = 17,5 ATP
No ciclo do Ácido Cítrico cada Acetil-CoA forma:
3 NADH+H x 8 = 24 x 2,5 = 60 ATP
1 FADH2 x 8 = 8 x 1,5 = 12 ATP
e 1 ATP (GTP) x 8 = 8 ATP
RENDIMENTO TOTAL: 108 ATP’S

*Cada NADH+H forma 2,5 ATP’s e cada FADH2 forma 1,5 ATP’s.

11
27/06/2013

RENDIMENTO ENERGÉTICO: ESTEARIL-COA (18 C):

Nº de ciclos de β-oxidação : 18 /2 = 9 ciclos.


Nº de Acetil-CoA formados: 9 Acetil-CoA.
Nº de FADH2 formados: Nº de ciclos – 1 = 8 FADH2
Nº de NADH+H formados: Nº de ciclos – 1 = 8 NADH+H
No ciclo do ácido cítrico cada Acetil-CoA forma:
3 NADH+H, 1 FADH2 e 1 ATP (GTP).
Rendimento total: 122 ATP’s

*considerando que cada NADH+H forma 2,5 ATP’s e que cada FADH2 forma 1,5
ATP’s.

β-OXIDAÇÃO DE ÁC. GRAXO INSATURADOS

 A maioria dos AG nos triacilgliceróis e fosfolipídeos


de animais e plantas é saturado, mas alguns são
insaturados tendo uma ou mais ligações DUPLAS
CIS;

 Estas ligações duplas não podem sofrer a ação da


enoil-CoA-hidratase (adição de H2O a duplas trans);

 β-oxidação de Ácidos graxos insaturados requer 2


reações adicionais;

12
27/06/2013

Β-OXIDAÇÃO DE ÁC. GRAXO INSATURADO (Nº PAR DE C)

OBS: mudar configuração da dupla de cis para trans.


Enzima: Enoil-CoA isomerase

13
27/06/2013

β-oxidação de Ác. Graxo saturado (nº ímpar de C)


Plantas e gado (rúmen)

13

11

3 CH3-CH2-COO-
Propionato

Oxidados na mesma via de oxidação de AG pares e na


última volta o propionil-CoA entra em via diferente

O que acontece com os 3C restantes????

3C

14
27/06/2013

OXIDAÇÃO DE LIPÍDEOS
EM PLANTAS

β-OXIDAÇÃO EM VEGETAIS

 Ocorre nos PEROXISSOMOS (tecido foliar) e


GLIOXISSOMOS (sementes em germinação);

 Utiliza lipídeos armazenados para fornecer


PRECURSORES BIOSSÍNTÉTICOS: glicose,
sacarose, metabólitos essenciais, não energia;

 β-OXIDAÇÃO, CICLO DO GLIOXILATO, CICLO DE


KREBS E GLICONEOGÊNESE SÃO PROCESSOS
COORDENADOS;

15
27/06/2013

VEGETAIS
Ácidos graxos são metabolizados através da
β-oxidação a Acetil-CoA nos Glioxissomos. Triacilgliceróis são
hidrolisados para produção
de ácidos graxos.

2 moléculas de
acetil-CoA
produzidas são
metabolizadas
pelo ciclo do
Glioxilato para
formar 1
succinato

O succinato é
transportado até a
mitocôndria onde é
convertido a malato

2 acetil-CoA → succinato
Não há conversão em 4 CO2

16
27/06/2013

CICLO DO GLIOXILATO

Converte ACETIL-CoA em SUCCINATO e depois em


CARBOIDRATOS;

Somente em Invertebrados, alguns microrganismos e


Plantas (nas sementes ricas em óleos em germinação) ;

 Possuem enzimas adicionais ao CK: isocitrase-liase e


malato-sintase, malato-desidrogenase;

corpos lipídicos, glioxissomos, mitocôndrias e citosol;

Succinato

17
27/06/2013

CICLO DO GLIOXALATO (Plantas)


O SUCCINATO é exportado para mitocôndria, onde as
enzimas do ácido cítrico transforma-o em MALATO;

MALATO é transportado para citosol e transformado em


OXALOACETATO (malato-desidrogenase);

OXALOACETATO é convertido em HEXOSES (sacarose) na


gliconeogênese;

Conversão dos triacilgliceróis das sementes em


carboidratos

18
27/06/2013

Muito Obrigada!!

19