Você está na página 1de 23

INTRODUÇÃO À

ECONOMIA
Profa: Maria Jessyca Barros Soares
DEFINIÇÕES DE ECONOMIA

“é a ciência social que estuda como o


indivíduo e a sociedade decidem (escolhem)
empregar recursos produtivos escassos na
produção de bens e serviços, de modo a
distribuí-los entre as várias pessoas e grupos
da sociedade, a fim de satisfazer as
necessidades humanas”.
(Vasconcelos & Garcia)
O PROBLEMA DA ESCASSEZ:

Necessidades Humanas: Ilimitadas / Infinitas.


X
Recursos Produtivos (Fatores de Produção)
(Recursos naturais, Mão de Obra, Capital)
Limitados e Finitos

Problema:
Escassez: natureza limitada dos recursos da sociedade.
(restrição física dos recursos)
PROBLEMAS ECONOMICOS
FUNDAMENTAIS

 O QUE E QUANTO PRODUZIR


 Quais produtos serão produzidos e as respectivas
quantidades a serem fabricadas.

 COMO PRODUZIR
 Quais recursos serão utilizados para a produção de
bens e serviços, dado o nível tecnológico existente.

 PARA QUEM PRODUZIR


 Como os membros da sociedade participarão da
distribuição dos resultados de sua produção.
CLASSIFICAÇÃO DOS BENS

 Bens de capital
 Utilizados na fabricação de outros bens, mas não se
desgastam totalmente no processo produtivo;
 Bens de consumo

 Destinam-se diretamente ao atendimento das


necessidades humanas;
 Classificam-se em: duráveis e não duráveis.

 Bens intermediários

 São transformados ou agregados na produção de


outros bens e são consumidos totalmente no
processo produtivo.
SISTEMAS ECONÔMICOS

 Conceito:

Forma organizada que a estrutura econômica de


uma sociedade assume. Engloba o tipo de
propriedade, a gestão da economia, os processos de
circulação das mercadorias, o consumo e os níveis
de desenvolvimento tecnológico e de divisão do
trabalho. (Sandroni, 2002)
SISTEMAS ECONÔMICOS

OU...

Forma política, social e econômica pela qual está


organizada uma sociedade. É um particular
sistema de organização da produção, distribuição
e consumo de todos os bens e serviços que as
pessoas utilizam buscando uma melhoria no
padrão de vida e bem-estar.
(Vasconcelos, 2004)
SISTEMAS ECONÔMICOS

 As sociedades resolvem seus problemas


econômicos fundamentais conforme sua forma de
organização econômica;

 Existem duas formas principais de


organização econômica:

1) Economia de mercado (descentralizada ou


capitalista);
2) Economia planificada (centralizada ou
socialista);
SISTEMAS ECONÔMICOS

5. Sistema Socialista

“Conjunto de doutrinas e movimentos políticos


voltados para os interesses dos trabalhadores,
tendo como objetivo uma sociedade em que não
exista a propriedade privada dos meios de
produção. Pretende eliminar as diferenças entre
as classes sociais e planificar a economia para
obter uma distribuição racional e justa da
riqueza social”.
(Sandroni, 2002)
SISTEMAS ECONÔMICOS
6. Sistema Capitalista
“Sistema econômico e social predominante na
maioria dos países industrializados ou em fase
de industrialização. Neles, a economia baseia-
se na separação entre trabalhadores
juridicamente livres que dispõem apenas da
força de trabalho e a vendem em troca de
salários, e capitalistas, os quais são
proprietários dos meios de produção e
contratam os trabalhadores para produzir
mercadorias (bens dirigidos para o mercado)
visando à obtenção de lucro”.
(Sandroni, 2002)
SISTEMAS ECONÔMICOS

7) Sistema de concorrência pura


 Principal características: laissez-faire /
liberalismo econômico / Mão invisível

Grande número Tomada de decisão


Mecanismo
de produtores e por conta dos
de preços
consumidores agentes

Excesso de oferta (ou escassez de demanda)

Excesso de demanda (ou escassez de oferta)


SISTEMA DE CONCORRÊNCIA PURA

O QUE e QUANTO produzir ?

(o que) Decidido pelos consumidores (soberania do consumidor).


(quanto) Determinado pelo encontro da oferta e demanda de
mercado.
COMO produzir ?

Questão de eficiência produtiva. Resolvido no âmbito das


empesas.
PARA QUEM produzir ?

Decidido no mercado de fatores de produção (demanda e oferta


de fatores de produção).
SISTEMAS ECONÔMICOS
 Imperfeições do Sistema de Concorrência Pura:
 Trata-se de uma grande simplificação da realidade;

 Os preços podem variar não devido ao mercado mas, em


função de:
• força de sindicatos ( através dos salários que
remuneram os serviços de mão-de-obra);
• poder de monopólios e oligopólios na formação de preços

no mercado;
• intervenção do governo (impostos, subsídios, tarifas,
política salarial, fixação de preços mínimos, política
cambial);
 O mercado sozinho não promove perfeita alocação de

recursos,
 O mercado sozinho não promove perfeita distribuição de
renda.
SISTEMAS ECONÔMICOS

8) Sistema de Economia Mista


 Desenvolvido a partir do século XX tendo em vista
o aumento da especulação financeira, do comércio
internacional, da forças dos sindicatos, dos
oligopólios, etc;

 A grande depressão dos anos 30 , mostrou que o


mercado sozinho não garante o pleno emprego dos
fatores de produção, necessitando de uma maior
atuação do governo na economia para evitar as
distorções e promover a melhoria do padrão de
vida,
SISTEMAS ECONÔMICOS
 Principais formas de atuação do governo:
 Atuação sobre a formação de preços, via
impostos, subsídios, tabelamentos, fixação do
salário mínimo, preços mínimos, etc;
 Complemento da iniciativa privada,
principalmente nos investimentos em infra
estrutura básica (energia, estradas, escolas,
hospitais) que demandam elevado montante de
recursos e tempo de maturação,
 Fornecimento de bens públicos, tais como
educação, segurança, justiça, etc;
 Compra de bens e serviços do setor privado,
pois o governo é o maior agente do sistema.
CURVA (FRONTEIRA) DE
POSSIBILIDADE DE PRODUÇÃO (CPP)
 Conceito:

 É a fronteira máxima que a economia pode


produzir, dados os recursos produtivos
limitados e tecnologia, em dado momento
do tempo.
 Pontos além da fronteira não poderão ser
atingidos com os recursos disponíveis;
 Pontos internos à curva representam
situações nas quais a economia não está
empregando todos os recursos que dispõe,
ou seja, há ociosidade na economia;
CURVA (FRONTEIRA) DE
POSSIBILIDADE DE PRODUÇÃO (CPP)

Bem X
(unidades)

B
A

Bem Y
(unidades)
CURVA (FRONTEIRA) DE
POSSIBILIDADE DE PRODUÇÃO (CPP)
Custo de oportunidade:
 Valor econômico da melhor alternativa
sacrificada ao se optar pela produção de um
determinado bem ou serviço (Ex: para
produzir uma unidade máquina a mais, é
necessário abrir mão da produção de uma
tonelada de alimentos)
• Em economia tudo tem um custo! Nada é de
graça!
 Custo de oportunidade zero – não há
nenhum sacrifício de recursos;
CURVA (FRONTEIRA) DE
POSSIBILIDADE DE PRODUÇÃO (CPP)

 Mudanças na CPP:

• Deslocamento para a direita:


• Aumento na disponibilidade de recursos
produtivos
• Desenvolvimento tecnológico
• Maior eficiência produtiva e organizacional
das empresas
• Melhoria no grau de qualificação de mão de
obra.
FLUXO CIRCULAR DE RENDA

Mercado de Bens e Serviços

Famílias Empresas

Mercado de Fatores de Produção

Fluxo Real
Fluxo Monetário
DIVISÃO DO ESTUDO ECONÔMICO

Microeconomia: é o ramo da Teoria Econômica que estuda o


funcionamento do mercado de um determinado produto ou grupo de
produtos, ou seja, o comportamento dos compradores
(consumidores) e vendedores (produtores) de tais bens.

Estuda o comportamento de consumidores e produtores e o mercado


no qual interagem. Preocupa-se com a determinação dos preços e
quantidades em mercados específicos.

Ex.: Evolução dos preços internacionais do café brasileiro. O nível


de vendas no varejo, numa capital.
DIVISÃO DO ESTUDO ECONÔMICO

Macroeconomia: é o ramo da Teoria Econômica que


estuda o funcionamento como um todo, procurando
identificar e medir as variáveis (agregadas) que
determinam o volume da produção total (crescimento
econômico), o nível de emprego e o nível geral de preços
(Inflação) do sistema econômico, bem como a inserção
do mesmo na economia mundial.
DIVISÃO DO ESTUDO ECONÔMICO
Desenvolvimento Econômico: estuda modelos de
desenvolvimento que levam à elevação do padrão de vida
(bem estar) da coletividade. Questões estruturais, de longo
prazo (crescimento da renda per capita, distribuição de
renda, evolução tecnológica).

Economia Internacional: estuda as relações de troca


entre países (transações de bens e serviços e transações
monetárias). Trata-se da determinação da taxa de câmbio,
do comércio exterior e das relações financeiras
internacionais.