Você está na página 1de 70

or exemplo, em relação ao perfil do país, sobre a nossa constituição mestiça, sobre o fato

e sermos, em alguns aspectos, conservadores, de sermos considerados um país pobre,


devido à má distribuição da renda. Além disso, ele nos demonstra que há um conjunto de inf
rmações acerca do Brasil que constitui uma identidade nacional e que, possivelmente,
pode determinar um perfil para o Brasil. Percebe-se a problematização de algumas es
truturas da composição social brasileira, criando alguns conceitos e aplicando outro
s, no sentido de compreender o modo como os membros da sociedade brasileira inte
ragem. O autor se arrisca a nos propor questões a fim de elucidar a questão da ident
idade nacional, nos fazendo perceber que é na interação entre ambientes dicotômicos (cas
a e rua), mas não excludentes, que acabam marcando a identidade do brasileiro dian
te das outras nações. A comida, o carnaval, o trabalho, a relação rua/casa, entre outras
símbologias abordadas por DaMatta, são referências para as interações sociais entre os in
divíduos na cultura brasileira. O Brasil é identificado não pela homogeneidade étnica ou
pelos indicadores sócio-econômicos, mas pela forma de se relacionar peculiar à nossa
sociedade. De forma geral, pode-se dizer que é a relação entre "casa" e "rua" o que fa
HIqÁÞ´z o brasil, Ä Brasil.
Å Í Î Û ;
<
¼ÄÎÓðñòøý¤



f
Î¥±²¶õö-$8&aNd
$VPgZÆdq ÿcaep$gÛ÷dÌ3
óïóïëàëÜØÜÔÌÈÄÈëȹ®ªÔ¢Ì
$a$gdÌ3
òýe$p&d P½ÿÍÆa$µgÐüd«xë÷$÷$ÞdÞ&÷ÎdN÷ÆÿÎPÆ}ÿ¶ÆaÆ$¶ëgÆÆd®xë $ë a$$&ëgdPu
dÆÿhÝxa$gh dq
($C
ýp 5 ëhÂϨhY<ê
  ©¾B*
 p¼hÿ
½Íh,M¨sh($C
   B *
µüphÿ
¥ ¦hÐ~
Û "h($C
""S
fh5Ì3hRK 5hqh h m‾5hq
hfäR
ñ(ê)h`%ç
*!*"B*'p*
hÿS*hY`%ç
*Z*hp°B;
*û+hüw1Y
+ý+h,y,,9,-5Þ-BJ*p0hÿ
 0¿h4
yÂ4Ä4Í485Þ
z5haäR
6È6hÊ°B;
6Î65×h6
ÒØ6Ùh7
a| 7;h8
Dj@:hw1Y
: :h¡n#X
:[;B*;
phÿ
Û?Üh?
n#X
 A-A
 ˦A"üQ
hv\1B*phÿhv\1hv\1hv\15h qh+B*phÿh+h+h+5 h q5h qh qhfW B *phÿhfW h fW h fW 5 hù 9h
>³>?g?÷÷÷÷÷÷ïïïïïïïïïïçççççççççç$a$gdv\1$a$gd+$a$gdfW g ?Ü?ê@A/A A/CD|DFõF;G¡GÛG!HðH©IsJþJfK
jjjYlol*n+nçoBpCpDp`papp{q{ {¨{& ¿ å   ü øüôøíøíøôâ×â×ÌÈÀ¸±¦ ¦ ¦ ¦hybhyb>*
hybhybh !*
h !*h !*h
hå# 5 h 
h !*5h¶rÙh@rh m‾CJaJh@rhôCøCJaJh@rhÃ_æCJaJ
jàðhð! h m‾hð! h¥t¿q{ ÷ $a$gd x 2 1 h:p£FX° . °ÆA!°n"°n# n$ n%°°Å°Å
Ä  @@ñÿ@
NormalCJ_HaJmHsHtH>A@òÿ¡>
Fonte parág. padrãoTi@óÿ³T
Tabela normalö4Ö
l4Öaö,k@ôÿÁ, Sem lista{ ÿ ÿÿÿ  ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ "&£
ÎsÛòýep  ½
Í
µÐü«
ë ¦ Qâ ñ Z"p"$%o%Ë%&`&Ú& '"() )E*$+9,¿,Ä,|- .Ê.Î. /<0½0p1ª1Ý172h2 2§3Ã3ê3$4 45
6³67g7Ü7ê89/9 9/;<|<>õ>;?¡?Û?!@ð@©AsBþBfCúC´D'E@E E"F&F"GjH%IkJâJ-L'N N¦NúNO/OT¹VéVYAYV\ \D
¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦ÿ%¦%¬
T¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦ÿ%¦%¬
ü¦#%¦%¬
 ¦¬%ÿ¦¬
%¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦ÿ%¦%¬
 ¦µ% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦%
Φ%Ûòýse¦%p ¬¦% ¬ ½

 µÐü«
ë ¦ Qâ ñ Z"p"ü#$%o%Ë%&`&Ú& '"() )E*$+9,¿,Ä,|- .Ê.Î. /<0½0p1ª1Ý172h2 2§3Ã3ê3$4 45
6³67g7Ü7ê89/9 9/;<|<>õ>;?¡?Û?!@ð@©AsBþBfCúC´D'E@E E"F&F"GjH%IkJâJ-L'NuN N¦NúNO/OTEV¹VéVYAYV
PersonName
°*ð em dobro. Melhor em tribunais. Se ProductIDßåæ븽ÅÈÚßàãä"è  ½Êâ/ñ/c@n@YWhW
bbbbe"eöiüi(k.ktsys´sÅs w¤wy¸yÇyÎy{{ {
5
"$#è%é% ' '¢2¬2 6¡6 8¼8üGHÉIùIèPêPdTeT U UvX}X²^¸^ a£aÕdâdahchöiüi(k.kºkÊkll²nÙniq q
uuÇyÎy{{ { Î òýepd  ¦ Äåâ ñ ¿,Ä,Ê.Ø."F0FvN ND aeaYdnd { {åDC‾-Ì3, RK 
+f@r
qb_#Ð~ÏdäR Á:% ) !*ö$*TC,v\1]7ù 9°B;Z >D@($Cn#X£FXw1YÞlZ_yb
a q
fW Ý  x a| Ýh (  
_4 å# R 6 ð ! 3q È&§y;§ ¨{J¬Ì m‾¥t¿ .Ô8ضrÙÒ Ùy Þ`#æÃ_æ`%çY<ês_í PðßfòÁôúöôCøGVýÿ@ ) O)OpM7)

8
PD\dltä
CULTURA:
lidia.serpa
Normal.dot
lidia.serpa2Microsoft Office Word@ G@ì ‾ aË@ì ‾ aË <âgþÿÕÍÕ . + ,ù®0ô
Àhp     ¨°¸
ÕTäRT
 16Ý>àz' CULTURA:
Título  

 !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNþÿÿÿPQRSTUVWXYZ[\]^_`aþÿÿÿcdefghiþÿÿÿklmnopq
ÿÿÿÿ ÀF#Documento do Microsoft Office Word
MSWordDocWord.Document.8ô9²qntinuo processo de modificação. Existem dois tipos de mudança c
ultural: uma que é interna, resultante da própria dinâmica do sistema cultural, e a se
gunda que é o resultado do contato de um sistema cultural com o outro. Grandes mud
anças são decorrentes de revolução política, inovação cientifica (avião, pílula anticoncepc
Há diferenças culturais em diferentes gerações, entre pais e filhos. Ex: diferentes pad
rões de beleza e diferentes regras morais. A cada momento a sociedades debatem ten
dências conservadoras e tendências inovadoras, padrões ideais e padrões reais.
OdeQUE Roberto
FAZ OdaBRASIL,
Mata ABRASIL?
questão da Identidade: A sociedade brasileira quer juntar, e
não dividir. Ela não quer ver um Brasil pequeno e outro grande. Ela quer é descobrir c
omo é que eles se ligam entre si, como dependem um do outro, e como os dois formam
uma realidade única que existe concretamente naquilo que chamamos de pátria. Por is
so o BRASIL dividido e vistos em dois, o Brasil com B maiúsculo, e o brasil com b minús
ulo. O Brasil com B maiúsculo: É uma combinação especial das possibilidades humanas. Tem
m padrão, tem valores e julgam as ações humanas. É complexo e tem história. É país, tem cul
a, tem local geográfico, memória e consciência de um lugar que se tem ligação especial, af
etiva. O brasil com b minúsculo: É o país das possibilidades humanas. Fadado à degeneraçã
orte biológica, psicológica e social. È objeto sem vida, auto consciência ou pulsação inter
or. È pequeno e defasado das potências mundiais. É auto-flagelado e desanimado. O Bras
il que não sabe conjugar lei com grei; indivíduo com pessoa; evento com estrutura; c
omida farta com pobreza estrutural; carnaval com comício político. É um paradoxo, mas
não fica no meio termo, é, e não é. A construção de uma identidade social, assim como, a co
strução de uma saciedade, é feita de afirmativas e de negativas. A pessoa é diferente do
indivíduo. E assim o Brasil e visto como uma chave dupla. Um lado moderno e eletrôn
ico e outro Antigo e trabalhado pelos anos. A casa, a rua e o trabalho: São modos
de ler, explicar e falar o mundo. A casa equilibra a rua. O mundo da casa é difere
nte do mundo da rua. A casa é tranqüila, é nela que somos membros de uma família, temos
tradição, valores, honra, vergonha, respeito, etc. Forte moral da vida social. Nela
somos classificados por idade e sexo e se tem espaços exclusivos. O mundo da rua é u
m lugar de movimento, luta, competição, anonimato e do individual. O trabalho é o cast
igo no Brasil. Para os calvinistas americanos, leva à salvação. Como trabalhadores, se
tem, o Malandro que trabalho pouco e ganha muito. O renunciador ou santo, que v
ai trabalhar para outro. Caxias, o cumpridor de leis quem obrigam os outros a tr
abalhar. A ilusão das relações raciais. O brasileiro tem preconceito de ter preconceit
o, mas tem de fato. È um preconceito mascarado, invisível. Já os norte americanos, mos
tram seus preconceitos de forma direta e formal. Sobre comidas: Cru, cozido, doc
e, salgado. Ajudam a classificar coisas, pessoas e até ações morais importantes no nos
so mundo. Carnaval, o mundo como teatro e prazer: Períodos ordinários, momentos como
as festa de carnaval, onde a vida transcorre sem problemas. Extra-ordinários, for
a do comum, do que se está acostumado. Catástrofes são extra-ordinários não planejados. Tr
agédias
Da Mattasão falaeventos
sobre:tristes,
a questãoo da
queidentidade
ela ocorrebrasileira;
de cômico deve
a relação
ser inibido.
casa-rua-trabalho;
sobre a ilusão das relações raciais; a relação entre as comidas e as mulheres; o momento d
o carnaval, no qual o mundo passa a ser visto como teatro e prazer; sobre as fes
tas da ordem e o modo de navegação social : a malandragem e o jeitinho; e, questões ligad
as às crenças do povo brasileiro. A obra nos remete à idéia de dois Brasil um com o b (
bolizado o país explorado) e outro com B (simbolizando uma nação com suas características
e valores próprios). A partir das abordagens do autor, chegamos a reflexões diversas
sobre a constituição do Brasil, como por exemplo, em relação ao perfil do país, sobre a n
ossa constituição mestiça, sobre o fato de sermos, em alguns aspectos, conservadores,
de sermos considerados um país pobre, devido à má distribuição da renda. Além disso, ele no
demonstra que há um conjunto de informações acerca do Brasil que constitui uma identi
dade nacional e que, possivelmente, pode determinar um perfil para o Brasil. Per
cebe-se a problematização de algumas estruturas da composição social brasileira, criando
alguns conceitos e aplicando outros, no sentido de compreender o modo como os m
embros da sociedade brasileira interagem. O autor se arrisca a nos propor questões
a fim de elucidar a questão da identidade nacional, nos fazendo perceber que é na i
nteração entre ambientes dicotômicos (casa e rua), mas não excludentes, que acabam marca
ndo a identidade do brasileiro diante das outras nações. A comida, o carnaval, o tra
balho, a relação rua/casa, entre outras símbologias abordadas por DaMatta, são referências
para as interações sociais entre os indivíduos na cultura brasileira. O Brasil é identi
ficado não pela homogeneidade étnica ou pelos indicadores sócio-econômicos, mas pela for
ma de se relacionar peculiar à nossa sociedade. De forma geral, pode-se dizer que é
HIqÁÞ´a relação Ä entre Å"casa" eÍ"rua" oÎque fazÛo brasil,
; Brasil.
<
¼ÄÎÓðñòøý¤



f
Î¥±²¶õö-$8&aNd
$VPgZÆdq ÿcaep$gÛ÷dÌ3
óïóïëàëÜØÜÔÌÈÄÈëȹ®ªÔ¢Ì
$a$gdÌ3
òýe$p&d P½ÿÍÆa$µgÐüd«xë÷$÷$ÞdÞ&÷ÎdN÷ÆÿÎPÆ}ÿ¶ÆaÆ$¶ëgÆÆd®xë $ë a$$&ëgdPu
dÆÿhÝxa$gh dq
($C
ýp 5 ëhÂϨhY<ê
  ©¾B*
 p¼hÿ
½Íh,M¨sh($C
   B *
µüphÿ
¥ ¦hÐ~
Û "h($C
""S
fh5Ì3hRK 5hqh h m‾5hq
hfäR
ñ(ê)h`%ç
*!*"B*'p*
hÿS*hY`%ç
*Z*hp°B;
*û+hüw1Y
+ý+h,y,,9,-5Þ-BJ*p0hÿ
 0¿h4
yÂ4Ä4Í485Þ
z5haäR
6È6hÊ°B;
6Î65×h6
ÒØ6Ùh7
a| 7;h8
Dj@:hw1Y
: :h¡n#X
:[;B*;
phÿ
Û?Üh?
n#X
 A-A
 ˦A"üQ
hv\1B*phÿhv\1hv\1hv\15h qh+B*phÿh+h+h+5 h q5h qh qhfW B *phÿhfW h fW h fW 5 hù 9h
>³>?g?÷÷÷÷÷÷ïïïïïïïïïïçççççççççç$a$gdv\1$a$gd+$a$gdfW g ?Ü?ê@A/A A/CD|DFõF;G¡GÛG!HðH©IsJþJfK
jjjYlol*n+nçoBpCpDp`papp{q{ {¨{& ¿ å   ü øüôøíøíøôâ×â×ÌÈÀ¸±¦ ¦ ¦ ¦hybhyb>*
hybhybh !*
h !*h !*h
hå# 5 h 
h !*5h¶rÙh@rh m‾CJaJh@rhôCøCJaJh@rhÃ_æCJaJ
jàðhð! h m‾hð! h¥t¿q{ ÷ $a$gd x 2 1 h:p£FX° . °ÆA!°n"°n# n$ n%°°Å°Å
Ä  @@ñÿ@
NormalCJ_HaJmHsHtH>A@òÿ¡>
Fonte parág. padrãoTi@óÿ³T
Tabela normalö4Ö
l4Öaö,k@ôÿÁ, Sem lista{ ÿ ÿÿÿ  ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ"&£ ÿÿ "&£
ÎsÛòýep  ½
Í
µÐü«
ë ¦ Qâ ñ Z"p"$%o%Ë%&`&Ú& '"() )E*$+9,¿,Ä,|- .Ê.Î. /<0½0p1ª1Ý172h2 2§3Ã3ê3$4 45
6³67g7Ü7ê89/9 9/;<|<>õ>;?¡?Û?!@ð@©AsBþBfCúC´D'E@E E"F&F"GjH%IkJâJ-L'N N¦NúNO/OT¹VéVYAYV\ \D
¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦ÿ%¦%¬
T¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦ÿ%¦%¬
ü¦#%¦%¬
 ¦¬%ÿ¦¬
%¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦ÿ%¦%¬
 ¦µ% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦% ¬¦%
Φ%Ûòýse¦%p ¬¦% ¬ ½

 µÐü«
ë ¦ Qâ ñ Z"p"ü#$%o%Ë%&`&Ú& '"() )E*$+9,¿,Ä,|- .Ê.Î. /<0½0p1ª1Ý172h2 2§3Ã3ê3$4 45
6³67g7Ü7ê89/9 9/;<|<>õ>;?¡?Û?!@ð@©AsBþBfCúC´D'E@E E"F&F"GjH%IkJâJ-L'NuN N¦NúNO/OTEV¹VéVYAYV
PersonName
°*ð em dobro. Melhor em tribunais. Se ProductIDßåæ븽ÅÈÚßàãä"è  ½Êâ/ñ/c@n@YWhW
bbbbe"eöiüi(k.ktsys´sÅs w¤wy¸yÇyÎy{{ {
5
"$#è%é% ' '¢2¬2 6¡6 8¼8üGHÉIùIèPêPdTeT U UvX}X²^¸^ a£aÕdâdahchöiüi(k.kºkÊkll²nÙniq q
uuÇyÎy{{ { Î òýepd  ¦ Äåâ ñ ¿,Ä,Ê.Ø."F0FvN ND aeaYdnd { {åDC‾-Ì3, RK 
+f@r
qb_#Ð~ÏdäR Á:% ) !*ö$*TC,v\1]7ù 9°B;Z >D@($Cn#X£FXw1YÞlZ_yb
a q
fW Ý  x a| Ýh (  
_4 å# R 6 ð ! 3q È&§y;§ ¨{J¬Ì m‾¥t¿ .Ô8ضrÙÒ Ùy Þ`#æÃ_æ`%çY<ês_í PðßfòÁôúöôCøGVýÿ@ ) O)OpM7)

8
PD\dltä
CULTURA:
lidia.serpa
Normal.dot
lidia.serpa2Microsoft Office Word@ G@ì ‾ aË@ì ‾ aË <âgþÿÕÍÕ . + ,ù®0ô
Àhp     ¨°¸
ÕTäRT
 16Ý>àz' CULTURA:
Título  

 !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNþÿÿÿPQRSTUVWXYZ[\]^_`aþÿÿÿcdefghiþÿÿÿklmnopq
ÿÿÿÿ ÀF#Documento do Microsoft Office Word
MSWordDocWord.Document.8ô9²q

Interesses relacionados