Você está na página 1de 4

Em seu trabalho de dissertação, Dalmolin (2017) analisou os efeitos da área da

cultura com antibiose sobre uma população de insetos considerando a cultura secundária
disposta ao redor da cultura principal e uma distribuição de insetos inicial no centro
do domı́nio. Como resultado de seus experimentos, Dalmolin concluiu que a área da
cultura com antibiose não altera a dinâmica dos insetos. No entanto, ressalta que os
resultados poderiam ser diferentes para outra distribuição inicial dos indivı́duos e outras
configurações espaciais da cultura com antibiose.
A distribuição inicial no centro do domı́nio é, de fato, adequada para espécies
aladas que desenvolvem movimentos de longo alcance (na fase adulta). No entanto, se os
indivı́duos apresentam movimentação de curto alcance, a cultura com antibiose disposta
ao redor da cultura principal pode representar uma barreira para os insetos. Neste caso,
uma análise mais adequada deve pressupor uma condição inicial a partir da fronteira do
domı́nio.

1 SISTEMA DE EQUAÇÕES A DIFERENÇAS NÃO


LINEARES
Até o momento analisamos o comportamento dos indivı́duos descrito por uma única
equação a diferenças, vamos estender este resultado para um sistema com n equações a
diferenças, onde este n é arbitrário. Afim de simplificar a notação vamos analisar o caso
para n = 2.
Considere o seguinte sistema de equações a diferenças:

xn+1 = f (xn , yn ),
(1)
yn+1 = g(xn , yn ),

onde, f e g são funções não lineares. Pela definição de solução de equilı́brio, x e y devem
satisfazer:

xn+1 = xn = x,
(2)
yn+1 = yn = y.

1
Substituindo (2) em (1), obtemos:

x = f(x,y),
(3)
y = g(x,y).

Analizemos agora o que acontece com a solução de equilı́brio do sistema (1) quando
submetida a pequenas perturbações x0 e y 0 , ou seja, considerar soluções da forma:

xn = x + x0 ,
(4)
yn = y + y 0 .

De (4) obtemos:

xn = x + x0 ⇒ x0n+1 = xn+1 − x,
(5)
yn = y + y 0 ⇒ yn+1
0
= yn+1 − y.
Usando os sistemas (1) e (3), temos:

x’n+1 = f (x + x0 + y + y 0 ) − x,
(6)
y’n+1 = g(x + x0 + y + y 0 ) − y.

A análise da estabilidade destes pontos de equilı́brio é feita provocando pequenas


perturbações no sistema (3), o que resultará em um novo sistema que deve ser linearizado.
Para conseguirmos isto, faremos uma expansão em séries de Taylor das funções de duas
variáveis f e g (EDELSTEIN-KESHET, 1998).
Vamos aproximar f (x + x0 , y + y 0 ) e g(x + x0 , y + y 0 ) pelas expressões:

0 0

∂f 0

∂f 0 ∂ k f (x0 )k ∂ k g (y 0 )k
f(x+x , y+y ) = f (x, y) + ∂x
x + ∂y
y + ... + + k ,
∂xk x,y k! ∂y x,y k!

x,y x,y
| {z }
T ermos não lineares muito pequenos


∂g

∂g ∂ k f (x0 )k ∂ k g (y 0 )k
g(x+x0 , y+y 0 ) = g(x, y) + ∂x
x0 + ∂y
y 0 + ... + + .
∂xk x,y k! ∂y k x,y k!

x,y x,y
| {z }
T ermos não lineares muito pequenos

Por tomarmos x0 e y 0 pequenos, podemos desconsiderar os termos (x0 )k e (y 0 )k para


k ≥ 2. Deste modo,

2

0 0 ∂f 0 ∂f
f(x + x , y + y ) ≈ f (x, y) + ∂x
x + ∂y
y0,
x,y x,y (7)
∂g ∂g
g(x + x0 , y + y 0 ) ≈ g(x, y) + ∂x
x0 + ∂y
y0.
x,y x,y

Substituindo (7) em (6), chegamos em:


∂f ∂f
x’n+1 = f (x, y) + ∂x
x0 + ∂y
y 0 − x,
x,y x,y (8)
∂g 0 ∂g
y’n+1 = g(x, y) + ∂x
x + ∂y
y 0 − y.
x,y x,y

Logo pelo sistema (3), encontramos:

0 0 0
xn+1 = a11 xn + a12 yn ,
0 0 0
(9)
yn+1 = a21 xn + a22 yn .
Onde,


∂f ∂f ∂g ∂g
a11 = ∂x
, a12 = ∂y
, a21 = ∂x
, a22 = ∂y
. (10)
x,y x,y x,y x,y

Podemos representar estes coeficientes através de uma matriz, dada por:


 
a11 a12
A= , (11)
a21 a22

é a matriz Jacobiana do sistema de equações (1). Que pode ser escrito da seguinte forma:

X0 n+1 = AX0 n , (12)

com,
 
x0n
X0 n =  . (13)
yn0

Deste modo o problema se reduz a um sistema de equações lineares para pontos


que estão próximos do ponto de equilı́brio (x, y). Agora, para determinar a estabilidade
de (x, y) utilizaremos o método para uma única equação (visto anteriormente). Fazendo
uma breve análise, isso implica no seguinte:

3
1-Achar a equação caracterı́stica de (9), da seguinte forma:

det(A − λI) = 0,
 
a11 − λ a12
det   = 0,
a21 a22 − λ

λ2 − λ(a11 + a22 ) + a11 a22 − a12 a21 = 0. (14)

Considerando β = a11 + a22 e γ = a11 a22 − a12 a21 , a equação (14) tem a seguinte forma:

λ2 − βλ + γ = 0. (15)

2-Determinar se as raı́zes da equação (15) tem magnitude menor do que um, ou seja,
|λ1,2 | < 1.
É possı́vel formular um critério de estabilidade para um sistema de equações a di-
ferenças através dos termos dos coeficientes da equação caracterı́stica. Uma condição ne-
cessária e suficiente para a estabilidade de um sistema de segunda ordem é (EDELSTEIN-
KESHET, 1998):
Um ponto de equilı́brio (x, y) do sistema linear (1) é localmente assintoticamente
estável se os autovalores λ1,2 da matriz jacobiana quando aplicados ao equilı́brio satisfazem
|λ1,2 | < 1. E esta condição é válida se, e somente se,

2 > 1 + γ > |β|. (16)

Prova:
Seja γ um ponto de equilı́brio estável, isto é, γ < 1. Ainda, sabemos que

P(λ) = λ2 − βλ + γ = 0. Logo os autovalores são:



β (−β)2 −4γ
λ1,2 = 2 ± 2
.

β (−β)2 −4γ
Temos por hipótese que |β| < 2, ou seja, < 1, isso implica em,
2
1− β2 > 2
,
 2  √ 2
|β| (−β)2 −4γ 2 2
assim, 1 − > 2
, deste modo, 1 − |β| + |β|4 > β4 − 4γ
4
, desta forma,
2
1 − |β| > −γ, logo, γ > |β| − 1.

Assim, encontramos γ < 1 e γ > |β| − 1, ou seja, 1 > γ > |β| − 1. Portanto,

2 > γ + 1 > |β|.