Você está na página 1de 8

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

HISTÓRIA – 6º SEMESTRE

FRANCIELE DA SILVA FERREIRA

PORTIFOLIO INDIVIDUAL DE HISTÓRIA

Gramado
2014
FRANCIELE DA SILVA FERREIRA

PRODUÇÃO TEXTUAL INDIVIDUAL

A HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE VINCULADA A


CONTEMPORANEIDADE

Gramado
2014
INTRODUÇÃO

“A História é vital para a formação da cidadania porque nos


mostra que para compreender o que está acontecendo no
presente é preciso entender quais foram os caminhos
percorridos pela sociedade.”
Boris Fausto

Nesta citação de Bóris Fausto podemos nos remeter ao tema do trabalho onde
vamos entender o contexto de contemporaneidade,e expressar a história ao
longo do tempo suas transformações e o contexto deste tema nas ultimas
décadas.
Contemporaneidade suas influências sobre a história
social ao decorrer do tempo.

A Idade Contemporânea também chamada de contemporaneidade,é o periodo


especifico atual da história iniciado a partir da Revolução Francesa(1789).
A contemporaneidade concretizou a presença determinante do capitalismo no
cotidiano da humanidade. Exatamente por isso, surgiram novas teorias da vida
humana em realidade alheia ao capitalismo. A consolidação de várias potências
capitalistas desencadeou uma forte corrida por domínio de regiões
fornecedoras de matéria-prima e consumidoras dos produtos industrializados.
O novo período marcou as independências das antigas colônias europeias,
embora o imperialismo tenha gerado um novo tipo de dependência, a
econômica. No século XIX há de se destacar as unificações tardias de Itália e
Alemanha, as quais desencadearam a instabilidade na Europa com a entrada
de novos países na corrida imperialista.Compreender o mundo contemporâneo
do ponto de vista histórico é uma tarefa bastante complicada. Nesse período
que se inicia no século XIX e vem até os dias de hoje, o historiador se depara
com um fluxo de acontecimentos muito mais intenso do que em qualquer outro
momento da História. De fato, tem-se a nítida impressão que a história começa
a ficar mais acelerada e a função de refletir sobre os acontecimentos acaba
ficando bastante complexa.O grande volume de fatos históricos a serem
compreendidos na Idade Contemporânea acabou demonstrando um novo lugar
para este campo do conhecimento. Com tantas transformações acontecendo,
ficou cada vez mais nítido que a função de historiador não tem nada a ver com
a elaboração de projeções para o futuro. A ciência histórica fica mais próxima
de uma noção de que as formas de se ver o passado são atreladas aos valores
do tempo presente.

Citando o Brasil como um exemplo dos efeitos da contemporaneidade,


podemos destacar a modernização econômica e os efeitos no Brasil que
mudou muito nas ultimas décadas a partir do período contemporâneo.A
abertura da economia ás importações, as privatizações e a modernização de
alguns setores tiveram desdobramentos imediatos na economia e na
sociedade.Alguns setores industriais tiveram muitas dificuldades de vencer a
concorrência dos produtos estrangeiros, algumas vezes mais baratos e
competitivos ,como os do setor têxtil.

Muitas empresas faliram enquanto outras foram obrigadas a se modernizar


para se tornarem competitivas.Nas grandes cidades e mesmo no interior,as
desigualdades sociais tornaram-se visíveis ,por exemplo com as mudanças nos
padrões de consumo

A modernidade é produzida pelo capitalismo contemporâneo e dominada pelo


princípio do desempenho, sua temporalidade não é a da experiência, do
conhecimento, da felicidade; ela é institucionalmente organizada e este é "o
atributo mais eminente da dominação" - o que corresponde a um encolhimento
do "espaço de experiências" na vida social e de liberdade; liberdade de acesso
ao passado e ao futuro como construção de uma subjetividade democrático .

. A modernidade capitalista, do industrialismo à micro-eletrônica, supõe a plena


luz. Desta forma, com a substituição dos lampiões a gás pela iluminação
elétrica em fins do século XIX, "a Via-Láctea foi secularizada".Estas palavras
não se referem apenas ao desencantamento psíquico e da cultura, mas
também ao significado socioeconômico desta realização: a atividade sem
trégua do modo de produção capitalista tornou-a desmedida, não tolerando o
tempo noturno - de passividade, repouso e contemplação. A economia, em sua
forma atual de acumulação (cuja infra-estrutura são as nanotecnologias e a
microeletrônica), exige a extensão e a intensificação da atividade até os últimos
limites físicos e biológicos do indivíduo. Razão pela qual, com a eletrificação, o
dia iluminado terá vinte e quatro horas. A organização institucional do tempo é
a figura mais eminente da alienação e da dominação do homem pelo mercado
mundializado, pois cada um perde o sentido e o mestrado do tempo e de sua
vida. Consciente da heteronímia do tempo de trabalho.

Modernização significa, assim, a passagem de um mundo com regras


conhecidas a um mundo instável e incerto. A temporalidade contemporânea
assim constituída produz - não o tédio, mas monotonia. Se o tédio como
magistralmente o tematizou Baudelaire em poesia e prosa, é a temporalidade
do passado que se repete continuamente no presente - como a moda - isso
não significava perda do futuro. Por isso Baudelaire escreve Spleen e
Ideal, o spleen como ideal para se contrapor à lógica da produção de
mercadorias que é a da multiplicação e da repetição, em princípio ilimitada, do
mesmo objeto.

Pensar o presente na história, ou o presente da história, é cair na incerteza do


tempo. O tempo não pertence ao historiador..Os historiadores estudam
transforma A inclusão da categoria do presente no campo histórico não
obedece somente à idéia de uma seqüência temporal. Desqualificada pela
tradição histórica, em geral, e francesa, em particular, a história do presente
emerge no final dos anos 1970, graças, notadamente, às mutações da
concepção da historiografia e da nova relação da sociedade à sua história,
manifestada pelo interesse à temática da memória das sociedades humanas
ao longo do tempo.

A contemporaneidade perpassa o passado, o presente e o futuro. Quanto à


questão da carência de fontes, o esforço se concentrou em uma distinção feita
entre coletânea de arquivo e coletânea de história à dimensão
memorial6Assim, ao lado dos arquivos oficiais (interditados por uma duração,
em geral, de 30 anos), arquivos privados, textos oficiais e semi-oficiais, notas
da imprensa, livros jornalísticos, entrevistas, fontes orais, constituem um vasto
material de pesquisa.

Em suma, a indispensável luta contra o esquecimento e a denegação de certos


fatos históricos obriga o historiador do tempo presente a reivindicar o dever da
histórica, levando em conta o direito da singularidade da vítima. Assim, para
além das interrogações metodológicas, inevitavelmente colocadas pelos
historiadores em termo de interações entre: memória individual e coletiva,
objetividade do historiador e subjetividade do testemunho, a testemunha dita
ocular, se autoriza o dever de manter viva a memória histórica, contra abusos e
relativismos. A década de 90 vem ampliar ou confirmar o processo de
globalização mediante o desenvolvimento tecnológico da informática nas
comunicações. O marco neste período final do século e do milênio é a
instauração da Internet, essa plataforma do mundo virtual, onde sem limites
imagens e textos dígitos todo o imaginário possível se altera se reparte e se
repete, em trânsito contínuo.O volume de imagens deste mundo virtual é
infinitamente maior que o do mundo real, romperam-se as barreiras de tempo e
espaço, os limites históricos das leis e da moral, das línguas, das religiões e
mitos.
A internet assume um poder de ser uma verdadeira extensão do viver cotidiano
atual. Por outro lado, possibilita a sedução da liberdade,de um espaço ilimitado
de comunicação e de expressão do indivíduo. Consequente mente, afirma que
o valor supremo d a pós-modernidade, é a vontade de liberdade.No campo da
arte, jamais o artista teve tanta liberdade de criação,e experimentação; sem
limites ou ideologias, o artista é demiurgo e taumaturgo no seu universo de
criação, observa-se o desenvolvimento da Arte e Tecnologia, em que e opera
os meios da alta tecnologia, em cruzamentos e intermediações com outros
meios , o poliglotismo de meios e linguagens configuram Hibridismos,
conjugando fragmentos de diferentes naturezas- semânticas, técnicas e
tecnológicas.
Considerações Finais:
Podemos observar como a contemporaneidade influenciou nas mudanças
sociais ao longo do tempo, modificando o passado e trazendo tecnologias e
muitas mudanças para o presente.A noção de tempo histórico é uma
construção abstrata,que é fundamental,para o conhecimento histórico ,pois ele
trabalha com as ideias de ruptura e continuidade entre o passado e o presente
e também ,no caso de acontecimentos simultâneos ,mais situados em
contextos sociais diferentes.O conceito de tempo histórico é formado de
camadas e dimensões temporais.Na construção da memória é fundamental
para a reflexão do ensino de historia ,principalmente nas questões
contemporâneas.
Referencias Bibliograficas:

pt.wikipedia.org/wiki/Idade_Contemporânea
www.iscsp.utl.pt/~lbatalha/downloads/eliteportuguesacaboverdiana.pdf
Patricia Ramos Braick(Das Origens do homem á era digital)