Você está na página 1de 5

ENSINO DA FITOPATOLOGIA COMO ELEMENTO SUBSTANCIAL NA FORMAÇÃO DE AGRÔNOMOS

Maria Silvana Nunes 1

José Manoel Ferreira de Lima Cruz 1

João Victor da Silva Martins 1

Luciana Cordeiro do Nascimento (Orientador) 2

1 Estudante de Graduação do Curso de Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Campus II, Areia/PB.

2 Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Centro de Ciências Agrárias, Campus II , Areia/PB.

INTRODUÇÃO

A importância da monitoria nas disciplinas do ensino superior excede o caráter de obtenção de um título, seja no aspecto pessoal de ganho intelectual do monitor, para descoberta da vocação ou não, seja na contribuição dada aos alunos monitorados e, principalmente, na relação interpessoal de troca de conhecimentos entre os professores da disciplina e o aluno monitor. O exercício da monitoria é uma oportunidade para o estudante desenvolver habilidades inerentes à docência, aprofundar conhecimentos na área específica e contribuir com o processo de ensino-aprendizagem dos alunos monitorados. O fato de estar em contato direto com alunos, na condição também de acadêmico, propicia situações extraordinárias e únicas, que vão desde a alegria de contribuir, pedagogicamente, com o aprendizado de alguns, até a momentânea desilusão em situações em que a conduta de alguns alunos mostra-se inconveniente e desestimuladora (MATOSO, 2013).

O Ensino Superior depara-se, cada vez mais, com acadêmicos que apresentam dificuldades para atingir objetivos curricularmente prescritos, impostos pela necessidade de o aluno desenvolver competências e habilidades demandadas pelo mundo contemporâneo. Com certa frequência, as Instituições de Ensino Superior têm tido a preocupação de desenvolver projetos educativos e pedagógicos que envolvam acadêmicos oriundos de diferentes comunidades, visando ao

aperfeiçoamento de sua qualificação. Considera-se que o papel do Ensino Superior não é o de mero adicionador de conhecimentos teóricos e científicos. Ele é responsável por proporcionar a aprendizagem como um processo ativo, cognitivo, construtivo, significativo, mediado e autorregulado, o que implica refletir sobre a organização de práticas pedagógicas e de metodologias de ensino (FRISON, 2016).

A Fitopatologia estuda as doenças causadas por fungos, bactérias, vírus e ainda podem ser incluídos os estudos de distúrbios causados pelos excessos, desequilíbrio ou perdas de fatores físicos e químicos. É uma ciência que usa os conhecimentos básicos das ciências tradicionais como botânica, micologia, bacteriologia, virologia, anatomia, fisiologia vegetal, genética, bioquímica, ciências do solo, biotecnologia, biomoleculares e informática. Esta ciência é importante porque trata de assuntos relacionados principalmente com a agricultura que fornece os alimentos necessários para a sobrevivência da humanidade, movimenta milhões de dólares em indústrias de defensivos agrícolas e “agrobusiness”. Desde o início da agricultura já havia preocupação com as perdas e consequentemente com as doenças de plantas. Essas perdas levam a fome na comunidade e causam problemas sociais e econômicos (CAMARGO, 2013).

METODOLOGIA

Os atendimentos de monitoria foram disponibilizados aos alunos dos semestres 2017.2 e 2018.1 do curso de Agronomia, na sala de aula localizada no Prédio da Fitossanidade, do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais (DFCA) do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Os monitores cumpriram 12 horas semanais, sendo 6 horas presenciais, através de monitorias ministradas e 6 horas de atendimento virtual, via e-mail e whatsapp, bem como preparação de materiais complementares aos conteúdos da disciplina. Além do atendimento prestado aos alunos da disciplina, os monitores também se fizeram presente na elaboração e apoio durante as aulas práticas realizadas no laboratório de fitopatologia (LAFIT) e aplicação das avaliações escritas. Diversos materiais foram elaborados pelos monitores com intuito de aproximar os alunos com o conteúdo abordado em sala, de forma prática e funcional. Foram realizadas também reuniões entre os monitores e o orientador, tendo com objetivo trabalharem no ensino-aprendizagem e discutir os elementos didáticos e os elementos estratégicos, bem como analisar o progresso das atividades.

A análise do desempenho dos discentes matriculados na disciplina ocorreu através da elaboração e análise de gráficos produzidos com dados do número de alunos matriculados, desistentes, trancamentos, aprovados e reprovados na disciplina.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os dados relativos ao período 2017.2 estão descritos na Figura 1. Foi verificado que não houve a realização de trancamentos na disciplina, porém o alto número de reprovações por nota e por falta, que totalizaram 28% dos alunos matriculados, faz com que a média geral da turma não atinja resultados satisfatórios, totalizando 5,9 pontos.

2017.2 7% 21% AP RE REF 72%
2017.2
7%
21%
AP
RE
REF
72%

Figura 1. Desempenho dos discentes matriculados na disciplina de Fitopatologia Geral no período 2017.2, oferecida ao curso de Agronomia. AP = % de alunos aprovados; RE = % de alunos reprovados por nota e REF = % de alunos reprovados por falta.

Como resultado esperado por fazer parte da cultura da maioria dos alunos universitários, o número de alunos que frequentavam os encontros oferecidos pelos monitores da disciplina só alcançavam números expressivos em véspera de avaliações. De acordo com a Figura 2 pode-se observar esta afirmação, onde o E6 e o E11 foram encontros realizados poucos dias antes da avaliação escrita da disciplina.

Oferta e Demanda de Monitorias no período 2017.2 25 20 15 10 5 0 E1
Oferta e Demanda de Monitorias no período 2017.2
25
20
15
10
5
0
E1
E2
E3
E4
E5
E6
E7
E8
E9
E10 E11 E12
Número de Encontros Oferecidos
Número de Alunos Presentes

Figura 2. Relação do número de encontros oferecidos pelos monitores da disciplina durante o período 2017.2 e o número

de alunos matriculados que solicitaram atendimento presencial.

Os dados referentes ao período 2018.1 ainda estão em andamento, mas já se espera resultados positivos, uma vez que medidas de incentivo a participação foram adotadas pelos monitores em conjunto com a professora responsável. O número de procura aumentou com a oferta do atendimento virtual e após a implementação de atividades semanais disponibilizadas em meio eletrônico.

CONCLUSÃO

Pode-se concluir que a experiência na monitoria é de suma importância, pois proporciona um crescimento pessoal e profissional, além de favorecer uma visão real da vivência e das atividades de docência. Para os discentes monitorados, possibilitou um maior estímulo ao estudo e uma redução da ansiedade as vésperas das avaliações. O bom resultado obtido nessa experiência foi fruto de um relacionamento estabelecido entre monitores, alunos monitorados e professora Luciana Cordeiro do Nascimento, da disciplina Fitopatologia Geral.

REFERÊNCIAS

CAMARGO, Margarete. FITOPATOLOGIA: HISTÓRICO. 2013. Disponível em:

<http://www.fcav.unesp.br/Home/departamentos/fitossanidade/MARGARETECAMARGO/fitopato logia-historico.pdf>. Acesso em: 13 out. 2018.

FRISON, Lourdes Maria Bragagnolo. Monitoria: uma modalidade de ensino que potencializa a aprendizagem colaborativa e autorregulada. Pro-posições, v. 27, n. 1, p.133-153, abr. 2016.

MATOSO, Leonardo Magela Lopes. A IMPORTÂNCIA DA MONITORIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO MONITOR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA. Catussaba, Mossoró/RN, ano 3, n. 2, p.77-83, abr. 2013.