Você está na página 1de 6

Universidade do Sul de Santa Catarina – Unisul

Campus Virtual

Avaliação a Distância

Unidade de Aprendizagem: Teoria do Conhecimento


Curso:
Professor:
Nome do aluno:
Data:

Orientações:
 Procure o professor sempre que tiver dúvidas.
 Entregue a atividade no prazo estipulado.
 Esta atividade é obrigatória e fará parte da sua média final.
 Encaminhe a atividade via Espaço UnisulVirtual de Aprendizagem (EVA).

Questão 1 (3,0 pontos)

Baseado na leitura dos tópicos de estudo da unidade de aprendizagem “Teoria do


conhecimento”, responda resumidamente:

a) Forneça um conceito para o termo “conhecimento”, ou seja, o que é conhecimento?

R: O conceito de conhecimento pode ser muito amplo e definitivamente é difícil


determina-lo. Este pode ser definido como “ato ou efeito de conhecer, noção, notícia,
informação” entre outros. O conhecimento resulta da relação entre o sujeito e o
objeto, como formas de apropriação do conhecimento, destaca-se a direta e a indireta.
A forma direta ocorre quando o sujeito enfrenta a realidade e opera “com” e “sobre” a
mesma. Na indireta, o conhecimento é obtido por intermédio de símbolos gráficos,
orais, mímicos etc. De modo geral, o conhecimento é um conjunto de informação
armazenada por meio da experiência ou da aprendizagem, dos relacionamentos
interpessoais, das leituras de livros e artigos diversos entre outros, mas o mais
importante é saber a maneira como essas serão aplicadas. Refletindo sobre os
conceitos da teoria do conhecimento, podemos concluir que o conhecimento faz parte
de uma argumentação filosófica na construção do saber. Após ter refletido sobre o
conhecimento pode-se aprofundar e refletir sobre os valores que fazem parte do
conhecimento estruturado e aceito pela sociedade através dos tempos.

b) Diferencie o conhecimento humano daquele pertencente a outras espécies de seres


vivos.

R: Diferente do que acontece com outros animais, nos seres humanos há uma nítida
diferença entre os dados compreendidos no meio ambiente e as respostas manifestadas
como comportamento. Além do comportamento instintivo, unicamente reativo, o ser
humano tem um comportamento reflexivo. Antes de expressar alguma reação, o homem
reflete. Julga, projeta e define aquilo que compreende do mundo e depois é capaz de
reconhecê-lo e identifica-lo. Por ser um animal apto a refletir sobre si mesmo, de ser
autoconsciente, o ser humano criou inúmeros tipos de conhecimento, além de ver a si
como um ser capaz de conhecer. Entre todos os animais, os seres humanos, são os
únicos capazes de criar e transformar o conhecimento, de por em prática o que
aprendeu, por diversos meio. São capazes de criar um sistema de símbolos, como a
linguagem, e com ele registrar as próprias experiências e passar para outros seres
humanos. Essa característica é o que permite dizer que o ser humano se difere dos gatos,
dos cães, dos macacos e dos leões. Dentre os tipos de conhecimento destaca-se: senso
comum, religioso, artístico, filosófico e científico. O senso comum representa um
conhecimento sensitivo e aparente, pois se apega a aparência dos fatos e não a sua
essência; o religioso tem base na fé e na crença, ou seja, apoia-se em seres divinos que
revelam aos homens proposições sagradas, dogmáticas e inquestionável; o
conhecimento artístico é baseado na intuição, que produz emoções, tendo como
propósito apresentar o sentimento e não o pensamento; o filosófico é o tipo de
conhecimento que tem um dos papeis mais relevante para o homem que é o de
desestabilizar o que está posto, demonstrando que as coisas não estão prontas e
acabadas, fazendo com que novos horizontes sejam descobertos; e por fim o científico,
sendo observado como o conhecimento real – no sentido que se prende aos fatos – e
contingente – por que se pauta, além da racionalidade, pela experiência e pela
veracidade das coisas. Já os animais, advertidos como um ser irracional, que é um ser
livre e realiza seus atos lançados por suas sensações, pelos apetites e pelo instinto
natural, para um fim de que ele mesmo ignora e cujas consequências não é possível
prever. Os animais também são seres inteligentes, no entanto eles não visam um
conhecimento para o futuro, vivem a realidade do momento, se expressam de uma
maneira natural para a vida.

c) Explique pelo menos um aspecto que se relacione à importância do estudo da teoria


do conhecimento para o estudante universitário.

R: Os questionamentos referentes à Teoria do Conhecimento são eminentemente


relevantes aos estudantes universitários. As diferenças entre as formas ou possibilidades
de conhecimento são vivenciadas pelos jovens a todo o momento. Eles provam
continuamente o conflito entre conhecimentos científicos, que aprendem na escola e
universidade, com as opiniões e crenças, que aprendem em casa e na mídia. Entender
essas diferenças é essencial para que as reações, as decisões e as opiniões dos estudantes
sejam conscientes ao afirmar em quais conhecimentos é possível acreditar, de quais é
necessário resignar, como é possível conhecer as coisas, etc. A partir desta procura-se
entender as diversas formas de conhecimento, as possibilidades ou não de se chegar a
verdade, formas de se organizar o pensamento, os limites do conhecimento e os critérios
de verdade que assegurem a certeza. Pensar em teoria do conhecimento é exigir uma
reflexão das mudanças ocorridas na sociedade do conhecimento tendo como base o
processo crescente de informatização da vida em sociedade. É preciso ir além para
promover a edificação do conhecimento a serviço dos projetos das pessoas em
sociedade, priorizando a aprendizagem de valores éticos e morais. Todo conhecimento
do mundo perde seu valor, se não estiver a serviço da inteligência, ou melhor, dizendo,
dos projetos sociais das pessoas e da sociedade.

Questão 2 (3,5 pontos)


O conhecimento filosófico e científico são geradores dos mais importantes de progresso
humano. Inicialmente, os gregos filósofos forneceram muitos conceitos racionais na tentativa
de explicar os fenômenos que os cercavam. Com o passar do tempo, o conhecimento
filosófico precisou ser complementado pelo científico para “dar conta da vida real”. Portanto,
a vida do homem moderno precisou de um conhecimento aplicável e eficiente na invenção de
tecnologias de produção, para o domínio e exploração da natureza, urbanização, entre outros.
CITE e EXPLIQUE pelo menos dois aspectos relacionados ao conhecimento filosófico e/ou
científico que ilustram o contexto mencionado. Em outras palavras, por que o mundo
moderno não seria possível se fosse baseado somente em filosofia?

R: Os gregos foram os primeiros a desenvolver um tipo de conhecimento desligado do mito.


Uma das preocupações mais evidentes nesse período era a da busca do saber, a compreensão
da natureza das coisas e do homem. Nessa época, as concepções míticas do universo dão
lugar às concepções baseadas na racionalidade, fazendo surgir a Filosofia. Na visão grega de
ciência, prevaleceu o modelo cosmológico de universo chamado geocentrismo (a terra como
centro do universo). Na idade média a ciência se fixava aos interesses religiosos e se submetia
aos critérios da revelação, pois, a razão humana devia ser vinculada ao testemunho da fé. Ao
final da Idade Média, foi proposto o modelo heliocêntrico (sol como centro do universo). Na
Idade Moderna, então, a concepção de ciência se desvincula da visão grega criando assim as
bases do conhecimento científico. Duas concepções marcaram a ciência no mundo moderno: a
racionalista e a empirista. A concepção racionalista preconiza um conhecimento racional,
dedutivo e demonstrativo e a concepção empirista defendia a posição de que não existem
ideias inatas e a experiência é o parâmetro para todo aprendizado. Refletir ou conceber o
mundo a luz do conhecimento filosófico significa, antes de tudo, usar o poder da razão para
pensar e falar ordenadamente sobre as coisas, possibilitando uma reflexão rigorosa, radical e
de conjunto sobre os problemas que a realidade apresenta. Constrói uma forma especulativa
de ver o mundo, a partir do pensamento, sem o uso de qualquer objeto que não o próprio
pensamento. É essencial considerarmos a Filosofia em tantos aspectos da nossa realidade,
pois nos ajuda a desvendar os mistérios da história da nossa existência, é a busca constante do
conhecimento, da verdade, é um olhar para dentro de nós mesmo, é estar sempre à procura de
respostas, é refletir, criticar, argumentar. No entanto, não é possível viver baseado somente na
Filosofia, visto que no mundo moderno necessita de explicações que podem ser testadas e
criticadas. Dos vários tipos de conhecimentos que existem, o cientifico é considerado o mais
recente. A ciência da forma como é entendida hoje é uma invenção do mundo moderno e
dentre as características do conhecimento cientifico pode-se dizer que o mesmo é verificável,
fatual, objetivo, racional, descritivo-explicativo, entre outros. Dessa forma é notório que o
conhecimento científico é o meio mais adequado e real no mundo moderno para o controle
prático da natureza. A alimentação, transporte, saúde, produção industrial dependem das
inovações tecnológicas e no que diz respeito, depende dos avanços da ciência, Logo pode-se
concluir que a ciência é a base do mundo moderno.

Questão 3 (3,5 pontos)

A idade média é conhecida como a “idade das trevas” quando são considerados os fatos
ocorridos neste período que perturbaram o avanço e a geração de conhecimento. Explique
pelos menos dois eventos medievais que atrasaram o desenvolvimento do conhecimento
humano.

R: Os filósofos pré-socráticos substituíram a concepção de mundo caótico concebido pela


mitologia pela ideia de cosmos, de forma que o universo passava a ser a ordem ou o cosmo. A
noção de ciência na Grécia voltava-se para a especulação racional e se desligava da técnica e
das preocupações práticas, pois “numa sociedade escravista, que deixava tarefas, trabalhos e
serviços aos escravos, à técnica era vista como uma forma menor de conhecimento”. Assim,
na visão grega de ciência, predominou esse modelo cosmológico aristotélico, que defendia a
ideia de um mundo “geocêntrico, finito de forma esférica, limitado às estrelas visíveis e
fechado, com princípios organizadores próprios, tal qual um organismo vivo, dotado de
inteligência própria”. O período medieval observa-se que continua a vigorar a influencia da
herança greco-latina, no que se refere à manutenção da mesma concepção de ciência. A
ciência era vinculada aos interesses religiosos e se subordina aos critérios da revelação, pois,
na Idade Média, a razão humana devia se submeter ao testemunho da fé. Dessa forma é
notório que o Teocentrismo, tendo na figura de Deus o centro de todas as atenções humanas,
passou a ser a visão do mundo que marcou o imaginário da maioria das pessoas que viveram
neste momento. Portanto, nessa fase histórica, não houve desenvolvimento das ciências
particulares fazendo com que a lógica aristotélica passasse a ser amplamente utilizada para
justificar as verdades da fé. Sendo assim essa época houve pouco desenvolvimento cultura,
pois a cultura era controlada aos interesses religiosos, como também não ocorreu
desenvolvimento científico e técnico, pois a fé era o único caminho a seguir.