Você está na página 1de 4

Universidade Estácio de Sá

Engenharia Mecânica

Atividade estruturada n°15. Circuitos hidráulicos.

Disciplina: CCE0353 – Sistemas Hidráulicos e Pneumáticos


Turma: 3009
Alunos: Ronaldo Ribeiro das Chagas
Professor: Leonardo Santos Azevedo

Rio de Ja2018

Janeiro
Circuitos hidráulicos utilizados em prensa

Descrição da Máquina, seus componentes e desenho;

As prensas são máquinas ferramentas em que o material placa ou chapa é trabalhado sob
operações de conformação ou corte e são utilizadas, principalmente, na metalurgia básica e na
fabricação de produtos de metal, máquinas e equipamentos, máquinas de escritório e
equipamentos de informática, móveis com predominância de metal, veículos automotores,
reboques e carrocerias. As prensas são usadas para conformar, moldar, cortar, furar, cunhar e
vazar peças. Nesses processos existe sempre um martelo (punção) cujo movimento é
proveniente de um sistema hidráulico (cilindro hidráulico) ou de um sistema mecânico (em
que o movimento rotativo é transformado em linear através de um sistema de bielas,
manivelas ou fusos). Há uma grande diversidade de prensas, que variam quanto ao tipo,
modelo, tamanho e capacidade de aplicação de força ou velocidade. No mercado,
encontramos prensas com capacidade de carga de poucos quilos até prensas de mais de 50.0
toneladas de força. No parque industrial brasileiro a maioria das prensas é do tipo excêntrica
que é a mais perigosa. O acionamento das prensas pode ser feito por pedais, botoeiras
simples, por comando bi manual ou por acionamento contínuo.
O movimento de descida e subida do martelo é executado pela ação de um ou mais cilindros
hidráulicos atuados por unidade hidráulica. A velocidade de descida e subida, a forma de
operação e o curso do martelo são definidos pelo projeto.

Este sistema se diferencia dos martelos de queda ou dos marteletes pelo fluído que exerce
pressão sobre o martelo, ou seja, o óleo injetado por bombas hidráulicas de alta pressão de
motores potentes. Em outras palavras, o martelo se movimenta por força de um pistão que se
desloca num meio fluido (óleo) dentro de um cilindro. Seu movimento é lento e pode ser
interrompido a qualquer momento, sendo seus acessórios principais: bomba, canalizações e
válvula de controle do óleo.

Na figura mostra um esquema hidráulico onde um conjunto de bombeamento (bloco inferior


tracejado) bombeia óleo para o sistema com vazão constante (bomba hidr. de deslocamento
positivo) sendo que na saída da bomba se encontra uma linha em paralelo referente a uma
válvula de segurança limitadora de pressão, e acima vê-se uma válvula dividindo o fluido para
dois pontos diferentes, vejamos então o da direita, o fluido segue por uma linha até a válvula
direcional de 3 vias que ao acionar eletricamente ira condicionar o cilindro a avançar ou
recuar, na linha da direita da válvula que distribui o fluido este passa por uma válvula redutora
de pressão que está em série com esta linha nos permitindo trabalhar com este cilindro com
uma faixa de pressão mais baixa que a do resto do sistema e em seguida o fluido passara por
uma válvula 4/2 vias, na linha de avanço deste cilindro encontra-se uma válvula reguladora de
vazão que permite fazer a regulagem da velocidade de deslocamento deste cilindro
mecanicamente. Esta é uma prensa simples mas o princípio de funcionamento nos dá uma
ideia do comportamento do fluido e das relações de deslocamento e pressões e se necessário
através de dispositivos elétricos e eletrônicos podemos automatiza-la fazendo todo um
processo de segurança e ajustes de pressões e velocidades, sendo que há válvulas com
dispositivos eletrônicos controladas por PLCs.