Você está na página 1de 21

3

1. RESUMO

Pretende-se neste projeto viabilizar a possibilidade de atuação inovadora da


Psicologia do Esporte através de um serviço direcionado à atualização de seus
saberes permitindo reflexões acerca de paradigmas que circundam a prática de
esporte de forma sustentável, com foco em crianças e adolescentes do Projeto de
Envolvimento Local – PLEC situado na periferia da cidade de Sete Lagoas, mais
precisamente no bairro Itapuã. Ressaltando deste modo a valorização desses
indivíduos em pleno desenvolvimento, ratificando a importância de propiciá-los apoio
físico, psicológico e social sendo uma ponte entre esses e o empoderamento de
suas cidadanias, traduzindo essa tríade esporte x sustentabilidade x psicologia na
expressão de seus desejos e anseios.
No aprofundamento dos estudos pode-se perceber que a Psicologia do
Esporte tem mostrado cada vez mais essa possibilidade de ação por parte da
Psicologia por meio da discussão e da reflexão critica de sua prática concretizada na
atuação direta das ações educativas e socializadora, visando compreender a
importância do papel da Psicologia do Esporte no âmbito social, por desempenhar
tão importante participação ao lidar com várias situações em diferentes contextos,
fazendo-se necessária a conexão psicologia e esporte para trabalhar vivências e
contribuições aos sujeitos nesse processo.
Dessa forma espera-se obter como resultado a elucidação do olhar da
Psicologia sobre a atuação da Psicologia do Esporte aliada à sustentabilidade,
contudo o presente projeto conta com uma revisão da literatura de artigos existentes
sobre o assunto, seguindo critérios de elegibilidade previamente determinados,
propondo assim uma melhor análise deste contexto onde possam ter não somente
um acompanhamento no esporte, mas também o equilíbrio ante as situações de
conflito sobre as formas de ver o mundo e o homem, fazendo com que dessa forma
possa atingir seu propósito que é o de proporcionar a esses indivíduos uma
compreensão de suas potencialidades e perspectivas a despeito do Esporte e sua
função de promoção social.
Palavras- chave: Psicologia do Esporte, Interdisciplinaridade, Educação
Física, Sustentabilidade, Projeto.
4

SUMÁRIO

1. RESUMO ................................................................................................................. 3

2. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 5

3. TEMA:...................................................................................................................... 7

4. DELIMITAÇÃO DO TEMA: ...................................................................................... 7

5. PROBLEMA:............................................................................................................ 7

6. OBJETIVO GERAL: ................................................................................................. 7

7. OBJETIVOS ESPECIFICOS: .................................................................................. 7

8. JUSTIFICATIVA ...................................................................................................... 8

9. REFERENCIAL TEÓRICO .................................................................................... 10

10. MATERIAIS E MÉTODOS ................................................................................... 15

11. CRONOGRAMA .................................................................................................. 18

12. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS .................................................. 19

13. CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................. 20

14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................... 22


5

2. INTRODUÇÃO

Segundo Solomom (2007) tem sido cada vez mais perceptível a


degradação ambiental e social, resultantes de uma crescente globalização que nos
leva ao consumismo em massa e o crescimento da produtividade industrial,
causando severos impactos ao meio ambiente.

Diante disto a desigualdade social recorrente da modernização capitalista


faz com que comunidades em condições socioeconômicas precárias sejam mais
expostas a riscos ambientais do que outras. Em uma geração tecnológica e uma era
informatizada ainda se ouve pouco sobre o desenvolvimento sustentável, ainda mais
com a crise ambiental na qual vivemos hoje, sendo assim necessário propor
alternativas que programem uma educação ambiental às práticas do cotidiano da
população formulando uma proposta de construção de projetos que permitam à
diminuição dos impactos socioambientais.

De acordo com Ben (2002) o desenvolvimento de um projeto educacional


comprometido com os valore da cidadania plena, implica a crítica aos padrões de
produção e consumo, no desenvolvimento de tecnologias que não degradem o meio
ambiente, de forma a ampliar a qualidade de vida e a dar novo significado na
existência.

Os projetos sociais vêm crescendo a cada dia que passa, mas há um


agravante do qual sua execução só está possível atrelada a recursos financeiros de
diversas fontes sendo público ou privado e isso, paradoxalmente, criou outro setor
na economia conhecido agora como o Terceiro Setor fazendo assim com que todos
que podem e tem algum interesse estão disputando esse nicho de mercado e
valendo-se dos prestígios publicitários criando também uma disputa na mesma
lógica de mercado podendo então aumentar a desigualdade pela possibilidade de
acúmulo de bens.

Sendo assim o presente trabalho tem como objetivo apresentar a inserção


de práticas ao esporte sustentável à população como forma de benefícios à aqueles
que possuem acesso restrito as possibilidades de frequentar ambientes que
6

realizem estas atividades, podendo assim contribuir com a diminuição de riscos


sociais, uma vez que o esporte vem sendo visto não só como prática cotidiana mas
também como forma de intervenção de acordo com cada demanda, atuando na
melhoria da autoestima e bem estar físico promovendo também a diminuição da
ansiedade e do estresse propiciando o desenvolvimento das funções cognitivas e
agindo como um facilitador da socialização desses indivíduos .

Para uma melhor analise desse contexto em virtude dos fatos


mencionados nosso trabalho irá propor como metodologia uma pesquisa de campo
que terá como instrumento a construção de um circuito com materiais recicláveis
para crianças e adolescentes em situações vulneráveis de risco, podendo os auxiliar
em seu desenvolvimento biopsicossocial, promovendo a pratica de exercícios físicos
habitualmente influenciando na melhoria da qualidade de vida do indivíduo como na
prevenção da ansiedade, depressão, e alguns estados negativos do humor.

O projeto busca também desenvolver uma orientação completa que


abrange todas as formas de socialização através do esporte, salientado a
importância de se promover e procurar garantir uma convivência sadia em
sociedade demonstrando a importância desses trabalhos em grupos tornando-o um
projeto de inserção social.

Desta forma procura-se com este projeto contribuir para a inserção do


esporte sustentável na melhoria da capacidade e qualidade de vida, ressaltando a
valorização destes indivíduos em sua comunidade por intermédio das atividades que
serão realizadas buscando uma iniciação esportiva de qualidade utilizando o
potencial educativo do esporte para favorecer o desenvolvimento das crianças e dos
adolescentes unindo-as através de suas perspectivas sobre o esporte.
7

3. TEMA:
Sustentabilidade

4. DELIMITAÇÃO DO TEMA:
Projeto Mente sã, corpo são: possibilidade de acesso ao bem estar psíquico, físico e
social.

5. PROBLEMA:
Como a prática do esporte sustentável pode contribuir com o bem estar psíquico,
físico e social?

6. OBJETIVO GERAL:
Apresentar a inserção de práticas de esporte sustentáveis à população de crianças
e adolescentes em contexto de vulnerabilidade social.

7. OBJETIVOS ESPECIFICOS:

 Evidenciar as práticas esportivas sustentáveis que favoreçam o bem estar


psíquico, físico e social;
 Desenvolver práticas esportivas educacionais estimulando as crianças e
adolescentes a uma interação que contribua para o seu desenvolvimento.
 Contribuir com a inserção do esporte sustentável almejando a melhoria de
capacidades, qualidade de vida e o trabalho de potencialidades das crianças
e adolescentes em contexto de vulnerabilidade social.
8

8. JUSTIFICATIVA

O presente projeto tem como finalidade abordar a prática do esporte


sustentável no Projeto Local de Envolvimento Comunitário (PLEC), localizado na
cidade de Sete Lagoas Minas Gerais; com ênfase no bem estar psicológico, físico e
social das crianças e adolescentes moradores da comunidade, utilizando o esporte
como ferramenta de promoção social, através de uma análise e reflexões dos
benefícios adquiridos na sua prática sustentável e educativa, com uma proposta de
implantar para as crianças e adolescentes do PLEC como método recreativo,
motivando-os a construírem um circuito com materiais recicláveis usando recursos
naturais sem que agridam o meio ambiente e ao mesmo tempo beneficiem aqueles
que não têm acesso ao esporte por ausência de políticas públicas, espaços físicos
disponíveis e condizentes com suas possibilidades financeiras, proporcionando a
esses, interação com o mundo de forma sustentável, contribuindo para o bem estar
dessas crianças e adolescentes na prática do esporte de forma sustentável.

Lima (apud TUBINO, 2001) coloca que a orientação educativa no esporte


vincula-se a três áreas: a integração social, o desenvolvimento psicomotor e as
atividades físicas educativas. Na primeira área, seria assegurado a participação
autêntica, possibilitando aos educandos a oportunidade de decisões sobre a própria
atividade a ser desenvolvida. No desenvolvimento psicomotor seria oferecer
oportunidades para atender as necessidades de movimento, bem como
desenvolvimento de habilidades críticas, como a auto avaliação. E as atividades
físicas educativas englobaria a concretização das aptidões em capacidades.

Ainda de acordo com esse conceito o esporte educativo e sustentável busca


colaborar no desenvolvimento da criança e potencializar os seus valores assim
como a auto avaliação, espera-se que essa prática estimule o desenvolvimento de
diversas habilidades para serem exercidas durante esse processo, sendo elas
responsáveis no conforto físico, emocional e na integração social da criança e que
ainda contribua na qualidade de vida e possibilite a diminuição a riscos sócias, visto
que a iniciação esportiva nas crianças mostra-se necessária para o desenvolvimento
saudável destes.
9

Com isso torna-se indispensável à discussão dessa temática e o


conhecimento neste campo, percebe-se a importância do trabalho da psicologia no
campo esportivo educativo durante o processo de desenvolvimento e habilidades
dessas crianças, atuando como mediador das relações e realizando um trabalho de
forma interdisciplinar em junção com o educador físico para que assim proporcione
uma melhor compreensão e inserção da criança nesse contexto e promova um
ambiente que possibilite que estes se desenvolvam dando oportunidades
promovendo a saúde de forma global tornando a atuação mais complexa e rica em
experiências.

Segundo Silva e Costa Jr. (2011, p.43) “Em relação às crianças, a atividade
física desempenha papel fundamental sobre a condição física, psicológica e mental.
A prática da atividade física pode aumentar a autoestima, a aceitação social e a
sensação de bem-estar entre as crianças”.

Compreende-se que o esporte desempenha papel importante, pois é visto


como um caminho para o desenvolvimento da criança que trará experiências
esportivas na infância, possibilidades de socialização, estimulo cultural e psíquico
contribuindo tanto de forma direta ou indiretamente podendo ainda gerar sensações
de bem-estar para estes, daí surge à necessidade dessa conexão psicologia e
esporte educativo com intuito de trabalhar suas vivências e contribuições geradas
durante esse processo.

Nosso trabalho contribuirá ao apresentar uma perspectiva da psicologia ao


esporte sustentável e educativo, compreendendo suas práticas, evidenciando os
benefícios dessa interação e a partir deste contexto destacar sua importância no
processo de inserção da criança a práticas sustentáveis esportivas, ressalta também
a importância de pesquisas realizadas dentro dessa perspectiva fortalecendo ainda
mais essa práxis e ainda a contribuição para uma vida saudável em várias
dimensões.
10

9. REFERENCIAL TEÓRICO

A percepção sobre o esporte no nosso país reflete as características do


Brasil, com evidentes injustiças sociais, má distribuição de renda e ínfimas ações
nas políticas públicas na garantia do acesso a esse direito preconizado na
Constituição Federal (Brasil,1988). Porém, mesmo sendo um direito constitucional o
esporte apresenta acessibilidade limitada a muitos cidadãos, sendo voltado para
uma elite e de subestimada ação educativa para o desenvolvimento e
empoderamento do conceito de cidadania e da compreensão do individuo como ser
social.

Segundo argumenta Silva, F.S .(2007) o esporte se constituiu em um dos


grandes fenômenos sociais do século XX recebendo uma fortíssima influência
capitalista objetivando sua comercialização. Desta forma trazendo consigo o
paradoxo da sociedade contemporânea, pautada na concentração de renda à uma
minoria contrastando com um lastimável índice de desenvolvimento humano, que
perpetuam de maneira violenta e de forma socialmente aceitável, relevantes
desigualdades sociais.

Diante dessa sociedade de desigualdades tão evidentes Silva, F. S. D.


(2007) relata que a Psicologia, que em muitos momentos se absteve de se
posicionar frente a realidade social existente, buscando na possibilidade de uma
explicação do ser humano de forma sistematizada e particularizada, enfim abriu
seus olhos a compreensão do ser humano enquanto ser social. E para essa
transformação o ponto de partida foi o nascimento da Psicologia Comunitária e o
engajamento da práxis psicológica nas políticas públicas de assistência social,
saúde e educação como formas de contribuição mutua que se apresentam.

Desta forma ainda segundo Segundo Silva, F. S. D. (2007) essa visão do


psicólogo, com esses novos campos de atuação e espaço para novos debates no
campo acadêmico, a psicologia se encontra em um processo de estreita
aproximação das politicas públicas, na busca por atender grande parcela da
população em suas necessidades emergenciais, pautada sempre na Ética e na
11

Declaração Universal dos Direitos Humanos, e como reflexo desta nova realidade de
um compromisso com a sociedade demanda-se aos psicólogos uma formação
acadêmica diferenciada frente a este contexto .Para experienciar essas
possibilidades o desenvolvimento de projetos como esse corroboram com a visão de
quão é importante o papel da Psicologia na compreensão do individuo e sua
identidade, significados e significantes que aplica às suas vivências, e dessa forma
segundo Neira, M. G. (2008) o processo de construção da identidade cultural é de
difícil compreensão. Sendo que essa identidade é a garantia ao sujeito da formação
de características que o diferenciem dos demais indivíduos e que o conduz a fazer
parte de um determinado grupo na sociedade, intermediado por associações de
características religiosas, étnicas, de gênero, idade, etc, que mantém o elo entre o
sujeito e os grupos aos quais pertence.

Assim a partir da compreensão da Psicologia do Esporte em um contexto


sócio-político, transformando-a em uma ferramenta de percepção da realidade,
mediadas por ações educativas e socializadoras, com a premissa de que se há
desenvolvimento do individuo na pratica do/ou pelo esporte, a atuação do psicólogo
se fará necessária. Sendo essencial conhecer o público ao qual se ira trabalhar e a
didática utilizada; tendo o esporte um papel de facilitador na educação, socialização
e na práxis psicológica.

O objetivo de toda práxis psicológica e nesse projeto não seria diferente é


tornar o sujeito autônomo sendo que Duckur, L. C. B. (2003) compreende sujeito
autônomo como um indivíduo possuidor de todas suas capacidades, competências e
habilidades, sabedor de seu papel social, que compreende o que acontece ao seu
redor e seja capaz de opinar e participar efetivamente nesse processo de modificar e
ser modificado pelo meio, tornando a intervenção social comunitária facilitada, já que
o objeto de estudo dessas compreensões de sujeito busca trabalhar essas
desigualdades e a relação das mesmas com o processo de formação do individuo e
da sociedade.

Desta forma o “Projeto Mente Sã, Corpo São” acredita assim como
Marinho, A. (2004) que o lazer aliado à educação ambiental podem viabilizar
possibilidades de transformação nos indivíduos alcançados por esse projeto, com
12

uma proposta de um espaço de pausa para respirar, tomar fôlego, refletir e discernir.
Logo, é necessário perceber o quão proveitosa seriam essas praticas para uma
geração contemporânea, sujeitos extremamentes íntimos da tecnologia e de uma
vida “acelerada” e cada vez mais distantes do conceito de educação ambiental.

A iniciação esportiva configura-se ainda como um campo privilegiado da


intervenção do psicólogo, e com o decorrer dos anos é possível interpretar o
aumento crescente de pessoas em atividades competitivas e esportivas
pedagógicas, número maior quando ressaltamos crianças. E tal prática esportiva
tem sido indicada como importante e saliente elemento na socialização e educação
de crianças e adolescentes, dentre tantas razões contrapostas encontra-se também
o divertimento, o melhoramento e a socialização com novos amigos.

E essa fusão esporte e sustentabilidade retira do esporte esse fator de


desiquilíbrio entre vencedores e perdedores, característica essa que segundo Rubio,
K. (2007) se torna importante perante a visibilidade dada ao esporte como fenômeno
capaz de promover mudanças socioculturais inicialmente inatingíveis e/ou
impensadas. Além de se repensar a forma como a Psicologia do Esporte possa
trabalhar essas perspectivas culturalmente impostas ao esportista da valorização
restrita da vitória a todo custo.

Desta forma assim como destacado por Silva, F. S. D. (2007) nosso


projeto não ficaria somente no esfera das atividades individuais, mas sim atividades
que conduzam o individuo a um sentimento de pertence a comunidade na qual vive.
O quadro é de violência e miséria, porém na medida que a sociedade é contraditória,
mesmo que as exacerbações das desigualdades gerem alternativas
desagregadoras, infelicidade humana, perda da esperança, medo, massificação,
enrijecimento dos valores, falta de reciprocidade, também geram formas de
resistência cultural, de organizações populares, associações e sindicatos, pois há
sempre movimentos contra-hegemônicos, que permitem que as singularidades e
espaços de auto gestões coletivas se produzam, no trabalho cotidiano do instituinte
que leva em consideração todo o tempo a lógica de inclusão e exclusão social.
13

Para tal é necessário conhecermos um pouco a instituição na qual


atuaremos, o Projeto Local de Envolvimento Comunitário- PLEC atende crianças e
adolescentes da comunidade do bairro Itapuã e adjacências, desenvolvendo oficinas
de convivências e de esporte, sendo composta por uma estrutura física que
compreende: uma sala de computadores onde acontecem as oficinas de inclusão
digital, uma sala de costura, duas salas de convivência, uma sala de administração,
uma cozinha/refeitório, dois banheiros e uma quadra onde são realizadas as oficinas
de esportes. O projeto existe a vinte e três anos, criado e fundado por Padre
Tarcísio, sendo o PLEC uma associação beneficente que desde sua fundação busca
o envolvimento de toda a comunidade, com a união e doação de todo seu corpo de
voluntariados.

O projeto tem por finalidade e objetivo social a prestação da assistência


social beneficente à população carente, especialmente crianças e adolescentes.
Buscam diante de ações de incentivo, a prática esportiva através de programas
gratuitos para as famílias e crianças de baixa renda, além de ajudar na melhora de
qualidade de vida, além de acompanhar o desenvolvimento de cada criança,
aproximar pais e filhos e difundir a paixão pelo esporte aos jovens atletas. É uma
associação de direito privado, sem fins lucrativos, de caráter filantrópico,
educacional, cultural e de assistência social.

Desta forma para Silva, F. S. D. (2007) a percepção que se tem do


trabalho social voltado a proteção da criança, dos idosos, das mulheres,dos negros,
dos homossexuais, dos entitulados excluídos é a de que a representação
contemporânea de sociedade seja a de exacerbação da violência e da miséria,
entretanto mesmo que essa desigualdade produza ainda mais individualidades,
reproduza teorias de dominação das massas, haverá sempre em algum momento
uma forma de resistência por parte desta minoria ideológica, e este projeto talvez
compreenda uma dessas formas, que possa consentir que as singularidades e um
ambiente de decisões do coletivo, que se possa produzir cidadãos na essência da
palavra, compreendendo a força do trabalho diário desta instituição considerando
entretanto possibilidades de exclusão ou inclusão presentes nesta proposta, a
depender da eficiência de sua aplicação.
14

Quando se fala em inclusão social é comum pensar no esporte, pois a


prática esportiva é considerada como algo muito mais importante do que apenas
uma atividade física ou fator de qualidade de vida. O esporte é capaz de unir,
grupos, culturas, raças, pensamentos, entre outros. O esporte deve ser entendido e
tratado como um fenômeno social e político, capaz de influenciar o conjunto de
transformações culturais de uma sociedade. Rico nas suas relações ativas e
dinâmicas do grupo social ele é a representação viva das manifestações de
desenvolvimento e criatividade do movimento de um povo. Produz e reproduz a
identidade cultural, contribuindo de forma decisiva nos processos de mudança
social, formação educacional e de consolidação desta identidade.
15

10. MATERIAIS E MÉTODOS


Trata-se em sua primeira etapa dos estudos de artigos sobre o assunto,
uma pesquisa bibliográfica, com uma revisão integrativa dessa literatura, em que os
resultados de pesquisas sobre o assunto são analisados e sintetizados, com o
objetivo de aprofundar o conhecimento sobre essa área em particular e a
importância da sustentabilidade junto à psicologia no contexto esportivo.

Foram considerados alguns artigos onde a análise seguiu critérios de


elegibilidade previamente determinados. Os critérios de inclusão foram manuscritos,
escritos em português, através de artigos e revista acadêmica, levantados em sites
tais como scielo, google acadêmico, e BVS, sobre a temática em questão.

Pesquisa do tipo descritiva-exploratória, com abordagem qualitativa,


desenvolvida no Projeto Local de Envolvimento Comunitário (PLEC), localizado na
cidade de Sete Lagoas Minas Gerais. O PLEC busca envolver toda a sociedade,
tendo como objetivo a prestação de assistência social beneficiando a população
carente, focando nas crianças e adolescentes da comunidade local.

Observando a carência de algumas regiões da cidade de Sete Lagoas e a


dificuldade para a prática de exercícios nesses locais, foi proposto o início do Projeto
“Mente Sã, Corpo São” na unidade PLEC do bairro Itapuã. A coordenação do PLEC
abriu espaço para execução das atividades planejadas, onde os usuários do
programa participaram junto aos estudantes de psicologia, com foco nas variantes
que permeiam as atividades esportivas.

Foram construídos circuitos para atividades físicas, confeccionados


totalmente com materiais recicláveis e a custo zero, e durante a realização do
circuito os estudantes auxiliaram e instruíram os participantes de como era o
desenvolvimento de cada etapa.

Na segunda etapa deste projeto, para uma melhor análise desse contexto
em virtude dos fatos mencionados, o trabalho propôs como metodologia o
desenvolvimento de atividades físicas através de circuito composto por materiais
reciclados, encontrados no cotidiano pelas pessoas, deixando em evidência que não
16

é necessário ter aparelhos de alto custo para se exercitar, melhorando assim a


qualidade de vida e criando hábitos saudáveis desde a infância.

A população deste estudo foi composta por doze alunos do PLEC Sete
Lagoas que compõem a equipe sub 10, eles estão no PLEC às segundas e quartas-
feiras das 16h às 17h para jogarem futsal, reforçando os valores que envolvem a
boa convivência através do esporte.

A amostra foi definida por conveniência, pois parte dos estudantes de


psicologia atuam com esses alunos no estágio supervisionado profissionalizante II, o
que facilitou a interação dos demais com essas crianças, sendo possível também,
dar continuidade às atividades com esse tipo de material durante a duração do
estágio, objetivando desenvolver a consciência ambiental.

Antes de dar início ao circuito os estudantes de psicologia se


apresentaram para os alunos do PLEC e relataram o objetivo dessa atividade, ao
final analisaram com eles de que materiais o circuito era feito e onde eram
encontrados, ponderaram se a atividade foi prazerosa, em quais locais poderia ser
desenvolvida, e o que as crianças observaram e sentiram no trabalho em equipe,
reforçaram a importância de cuidar do meio ambiente. Os alunos do PLEC se
colocaram bem, inclusive surpreendendo com seus relatos.

O circuito foi composto por seis etapas, eram duas equipes com seis
alunos cada, uma com colete amarelo e a outra com verde. A primeira atividade era
o caça-palavras feito de papelão, tampinhas de refrigerante e gominhas, com
palavras relacionadas à reciclagem, assim que o aluno terminava a tarefa tinha que
jogar o dado numerado e o número que ficasse para cima era a próxima atividade da
equipe, e após pegava uma frase na caixinha. Outra atividade foi boliche de garrafas
pet numeradas e com os símbolos da reciclagem, e os participantes tinham que
derrubar os pares. Tinha também o circuito com pneu e cones de carretel de linha, e
a criança tinha que ir e voltar sem deixa-lo cair e nem pará-lo. Em continuidade foi
oportunizado o jogo de argolas, composto por garrafas pet e as argolas feitas de
resto de mangueira usada e bicos de pet, nessa atividade as crianças tinham que
colocar três argolas em uma das garrafas. Outra etapa era composta por cesta de
17

basquete feita de armação de pet com retalho de pano, a bola era feita de várias
camadas de jornal, e a criança do lugar marcado deveria acertar à cesta por três
vezes. Tinha também o túnel para montagem do quebra-cabeça, feito de caixa de
papelão e jornais rasgados, e as peças feitas de resto de papel, em meio aos
pedaços de jornais a criança era orientada a encontrar as peças do jogo. Após cada
finalização de atividade o participante deveria jogar o dado para cima definindo a
próxima etapa e pegar uma frase.

Para encerrar o circuito, a equipe teria que juntar as frases e montar o


texto sobre sustentabilidade, finalizando a tarefa.

Observou-se o contentamento dos alunos em estarem participando, o


espirito de cooperação entre eles, cada um tentando fazer o melhor com o incentivo
dos demais, estão em desenvolvimento as habilidades de respeito mútuo e às
regras.

Os estudantes de psicologia permaneceram junto aos alunos durante


todas as etapas do circuito oriento-os e observando o posicionamento de cada um e
do grupo, momento onde se comprova os estudos teóricos sobre o assunto e a
importância do esporte na formação das pessoas.

Sendo essa pesquisa de característica qualitativa que usou o ambiente


natural como fonte de coleta de dados e tendo o pesquisador como instrumento
fundamental para essa coleta. Levando em consideração a subjetividade que
envolve o contexto onde se realiza essa ação, sendo os diversos sentimentos que
permeiam a atuação de cada um, as ações que estão repletas da história e cultura
individual, são variantes que interferem diretamente na condução do processo de
atendimento e apoio aos alunos antes e durante o processo de realização das
atividades.

Segundo Triviños (1987), a abordagem de cunho qualitativo trabalha os


dados buscando seu significado, tendo como base a percepção do fenômeno dentro
do seu contexto. O uso da descrição qualitativa procura captar não só a aparência
18

do fenômeno como também suas essências, procurando explicar sua origem,


relações e mudanças, e tentando intuir as consequências.

Quanto aos fins, utilizou-se a investigação exploratória, pois na área há


pouco conhecimento acumulado e sistematizado, e tendo a natureza de sondagem,
comporta poucas hipóteses. Segundo Mattar (1.999), cita que ela pode ainda ajudar
a estabelecer as prioridades a pesquisar. "As prioridades poderão ser estabelecidas
porque uma particular hipótese explicativa surgida durante a pesquisa exploratória
parecerá mais promissora que outras."

11. CRONOGRAMA

O tema foi escolhido através da proposta de sustentabilidade, que despertou


interesse na integração deste com a matéria de Psicologia do Esporte, que está
sendo aplicada no 8° período da turma de psicologia na Faculdade Ciências da Vida
(FCV).

A pesquisa foi desenvolvida através da prática do esporte sustentável no


PLEC, onde se encontra um público de crianças e adolescentes.

A finalidade da prática é apresentar para os envolvidos a importância da


reciclagem em nosso meio, uma vez que a adoção de posturas de consumo
sustentável, com o descarte ou reutilização correta dos resíduos gerados, favorece a
preservação do ambiente e consequentemente a vida em sociedade, desta forma
todos os materiais utilizados no circuito foram de custo zero, e outra demanda já
apresentada e vista como missão do PLEC é a utilização do esporte para retirar
crianças e adolescentes em estados vulneráveis das ruas.
19

Atividades Ago Set Out Nov Dez


2017
Pesquisa do tema

Definição do tema

Pesquisa bibliográfica

Coleta de Dados
Apresentação e discussão dos
dados
Elaboração do projeto

12. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

O grupo de indivíduos pesquisados foi composto por crianças de uma faixa


etária de 8 a 10 anos de idade, todas do sexo masculino, que residem em uma
comunidade de classe média, de diferentes graus de escolaridade, contendo
crianças analfabetas, participantes do PLEC.
Visando implementação do esporte sustentável, desenvolvemos um circuito,
contendo atividades como, caça-palavras, boliche, jogo das argolas, quebra
cabeças, corrida com pneus, e basquete. As crianças foram separadas em dois
grupos, cada um com seis participantes. O grupo que completasse o circuito em
menos tempo seria o vencedor.
O perfil do grupo apresentou que as crianças apreciavam a prática de quebrar
regras, excedendo os limites impostos. Porém eram extremamente carentes de
atenção e vínculos afetivos. Eles chegaram muito animados para participar das
atividades. Enquanto um grupo fazia o circuito, outro ficava fora da quadra com uma
das aplicadoras da atividade, as crianças gostavam tanto da atenção direcionadas a
elas que alguns chegaram a chamar a aplicadora de mãe.
Foi explicado ao grupo de crianças o que era sustentabilidade e a importância
da prática do esporte, e eles nos mostraram que sabiam o que era Psicologia e qual
era o foco de estudo. Ao final da aplicação do circuito, as crianças mostraram muito
20

interesse pelo material reciclado usado para confeccionar as atividades do circuito,


queriam repetir as atividades e perguntavam se haveriam mais atividades como
aquelas.
O grupo de aplicadores observou que foi possível a promoção da valorização
própria, bem como o empoderamento, canalizando ansiedades e estresses
adquiridos no dia a dia das crianças, melhorando assim o humor, as relações
sociais, a autoestima, a qualidade de vida e desenvolvimento humano dos mesmos.
Como esperado a implementação do circuito promoveu a conscientização e
interesse pelas práticas do esporte bem como por práticas sustentáveis,
proporcionando bem-estar físico. O projeto possibilitou melhorias em uma serie de
áreas como processos sensoriais e sensórios-motores com estímulos sensoriais
como visual, táteis e auditivo; trabalhou a memória, auxiliando com a capacidade
registro, conservação e evocação da memória; do pensamento como juízo,
raciocínio e o processo de pensar; com processos volitivos como interesses,
tendências, impulsos e desejos do indivíduo; além dos benefícios de ordem
psicossociais possibilitando a criação do vínculo afetivo entre as crianças e inclusão
social contribuindo para a formação do indivíduo como parte da sociedade.
Como futuros psicólogos, foi clara a percepção da importância da interação
entre a Psicologia com o esporte de forma sustentável principalmente em
comunidades que vivem em situação de risco social, como ferramenta de promoção
social. Foi nítida a percepção da gratidão demostrada pelas crianças durante o
tempo da aplicação do projeto. O grupo constatou os benefícios de projetos
humanizados desempenhados através de temas que precisam ser trabalhados na
sociedade, com a intenção de promover melhorias biopsicossociais e na qualidade
de vida desses indivíduos.

13. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Através da elaboração deste trabalho foi possível apresentar e analisar a


obtenção dos objetivos propostos, respondendo de forma clara e sucinta a pergunta
norteadora. Percebendo-se que o processo de inserção da psicologia junto crianças
e adolescentes do Projeto de Envolvimento Local – PLEC situado na periferia da
cidade de Sete Lagoas, mais precisamente no bairro Itapuã buscarão desenvolver
uma orientação completa que abranja todas as formas de socialização através do
21

esporte, salientado a necessidade de se promover e procurar garantir uma


convivência sadia em sociedade demonstrando a importância desses trabalhos em
grupos tornando-o um projeto de inserção social.

Carvalho (1987) “sobre a importância das experiências esportivas na infância


no sentido da busca do prazer e da adesão livre, colocando a criança como
protagonista do gesto, proporcionando a ela, e não apenas ao educador, o
significado de sua ação. Essa perspectiva favorece uma atitude ativa da criança no
processo da iniciação esportiva, desenvolvendo a sua autonomia, criatividade e
espontaneidade, além de proporcionar desde a infância o conhecimento e
apropriação do próprio corpo, das suas capacidades, da sua necessidade de
cuidado”. Enfatizou-se a importância de se proporcionar a esses indivíduos a
oportunidade de se unirem através de suas expectativas sobre o esporte, tendo
participação ativa na melhora de capacidade e qualidade de vida das crianças e
adolescentes que na maioria dos casos são esquecidos ou isolados por habitarem
em uma comunidade em situação de risco e que acabam desistindo de si mesmo
por pensarem que suas perspectivas não serão alcançadas.

Apesar da conscientização e estudos prestados é essencial a realização


constante de ações educativas que auxiliem não somente no desenvolvimento
biopsicossocial, mas também com sua inserção na comunidade, ressaltando os
valores e habilidades de cada um através das atividades realizadas contribuindo
assim com o seu desenvolvimento e com a diminuição de riscos sociais.

Espera-se também promover com a prática desse projeto a possibilidade de


ação por parte da Psicologia a compreensão e discussão dessa temática e o
aprofundamento do conhecimento neste campo, visando compreender a importância
do papel da Psicologia do Esporte no âmbito social.
22

14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSUMPÇÃO, L. O., Morais, P. P. D., & Fontoura, H. (2002). Relação entre


atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias. Revista Digital, 8(52), 1-3.
DAOLIO, J. (1996). Educação Física Escolar: em busca da pluralidade. Revista Paulista
de Educação Física, (2), 40-42.
DELUIZ, N., & Novicki, V. (2004). Trabalho, meio ambiente e desenvolvimento
sustentável: implicações para uma proposta de formação crítica. Boletim Técnico do
SENAC, 30(2), 18-29.
DUCKUR, L. C. B. (2003). Em busca da formação de indivíduos autônomos nas aulas de
educação física. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/274949
GATTO, R. A. P. Educação Física, esporte e desenvolvimento sustentável.
MARINHO, A. (2004). Atividades na natureza, lazer e educação ambiental: refletindo
sobre algumas possibilidades. Motrivivência, (22), 47-70.
MAYORGA, C. (2014). Algumas contribuições do feminismo à psicologia social
comunitária. Athenea Digital. Revista de pensamiento e investigación social, 14(1).
NEIRA, M. G. (2008). A Cultura Corporal Popular como conteúdo do currículo
multicultural da Educação Física. Pensar a prática, 11(1), 81-89.
OLIVEIRA, A. A. B. de (2008). Metodologias emergentes no ensino da educação
física. Journal of Physical Education, 8(1), 21-27.
OSBORNE, R., & BATISTA, W. A. (2009). Educação Física na década da Educação
para o Desenvolvimento Sustentável. Motriz. Revista de Educação Física. UNESP, 16(1), 28-
36.
RODRIGUES, C. (2012). A ambientalização dos currículos de educação física no ensino
superior.
RUBIO, K. (2007). Ética e compromisso social na psicologia do
esporte. Psicologia Ciência e Profissão, 27(2).
SILVA, F. S. D. (2007). Projetos sociais em discussão na psicologia do esporte. Revista
brasileira de psicologia do esporte, 1(1), 01-12.
23

TAFFAREL, C. N. Z. (1993). A Formação do Profissional da Educação: o processo de


trabalho pedagógico e o trato com o conhecimento no curso de educação física. Pro-
Posições, 7(2), 100-116.
TUBINO, M.J.G. (2001) Dimensões sociais do esporte. 2ª edição revisada. São Paulo:
Cortez.
SILVA, P. V.; COSTA Jr., A.L. Efeitos da atividade física para saúde de crianças e
adolescentes. Psicologia Argumento, Curitiba, Vol 29, n.64, p.41-50, jan/mar 2011.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Aptid%C3%A3o_f%C3%ADsica
https://opsicologoonline.com.br/saude-mental-10-beneficios-psicologicos-da-pratica-de-
exercicios-fisicos/
http://www.efdeportes.com/efd52/saude.htm
https://www.fef.unicamp.br/fef/sites/uploads/deafa/qvaf/ambiente_cap12.pdf
https://universidadedofutebol.com.br/importancia-da-psicologia-do-esporte-no-processo-de-
treinamento/
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000300007
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1870-350X2009000200004
http://gestaoesporte.com.br/novidade/relacao-entre-psicologia-e-esporte-no-brasil
https://swimchannel.blogosfera.uol.com.br/2017/02/22/o-esporte-como-ferramenta-de-
inclusao-social/?cmpid=copiaecola