Você está na página 1de 1

13

CONCLUSÃO

Ao iniciar o estágio existe o sentimento de que durante o curso recebemos muitas


informações, mas todas juntas e misturadas, como em um quebra-cabeça. E o mais
preocupante é quando percebemos que não recebemos todas as peças. Surgem as dúvidas:
será que possuímos os conhecimentos necessários para enfrentar o mercado de trabalho? Mas
este turbilhão de incertezas vão se tornando certezas no momento em que aplicamos todo o
conhecimento adquirido ao longo do curso. A prática e a vivência do cotidiano no local do
trabalho nos dão a confiança necessária para seguirmos na profissão.

A aplicação in loco das matérias foi o momento mais gratificante, tudo estava
guardado ali na cabeça, bastando apenas acessá-lo, como em arquivos em pastas prontos para
serem consultados, foi assim que aconteceu durante o estágio.

O orientador do estágio, pessoa de fácil trato e conhecimento empírico, foi o


facilitador na passagem da rotina da empresa e de todo o processo de trabalho do Técnico.
Demonstrou ao longo do estágio segurança e conhecimento das NR’s, necessário a todo
profissional. E o estágio serviu para mostrar a atuação do técnico, demonstrar suas
dificuldades, vivenciar toda a sua rotina para que a certeza em seguir tão nobre profissão não
vire dúvida após experimentar o trabalho do Técnico em Segurança do Trabalho.

Muitas oportunidades surgem com o estágio e a principal delas é saber como o


Técnico está inserido dentro da empresa, como ela funciona e está organizada, durante o
estágio pudemos acompanhar o RH, o engenheiro e o mestre de obra trabalhando, a CIPA
atuando, dando uma ideia do que iremos encontrar após concluir o curso.

Muito pode se dizer sobre o estágio, ele não é igual para todos e não será, experiências
e vivências podem ser únicas, o importante é como absorvemos tudo isso, o que aprendemos e
o que colocamos em prática, fruto de nosso aprendizado, a certeza que ele deixa é que
descobrimos a ponta do iceberg no que diz respeito a estarmos preparados e cabe a nós irmos
mais fundo, aprimorar e continuar aprimorando o conhecimento. A profissão Técnico em
Segurança do Trabalho é um sacerdócio e vidas dependem do quanto estamos preparados,
muitos nos chamam de anjos da guarda, mas temos que por os pés no chão e saber que somos
apenas humanos com a responsabilidade de zelar pela vida de nossos colaboradores.