Você está na página 1de 14

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA


MARIO LUZIA PEÇANHA

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO III


150 HORAS

Diamantina - MG
2018
MARIO LUZIA PEÇANHA

Trabalho apresentado ao Curso de Licenciatura em


EDUCAÇÃO FÍSICA - Universidade Norte do
Paraná para a disciplina: Estágio Curricular Obrigatório II

Professores: Colocar aqui os nomes de todos


os professores do semestre
.

Diamantina- MG
2018
SUMÁRIO

1. DADOS DA ESCOLA ................................................................................................ 1


2. ENTREVISTA COM O PROFESSOR DA ESCOLA ................................................. 2
3. ATIVIDADE 1 – RESENHA DO ARTIGO .................................................................. 4
4. ATIVIDADE 2 – ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO SEMESTRAL DE UMA DAS
SÉRIES DO ENSINO MÉDIO ....................................................................................... 6
5. DIÁRIOS DE OBSERVAÇÃO .................................................................................... 7
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................... 23
5. ANEXOS .................................................................................................................... 24
1

DADOS DA ESCOLA

Nome da escola: Estadual Governador Juscelino Kubitscheck


Endereço: Rua do Distrito Cep: 39.110-000

Cidade: São João da Chapada Estado: Minas Gerais

Telefone de contato: (38) 3534-2059

E-mail: escola.23949@educacao.mg.gov.br

CNPJ: 195.751.900/0001- 01

Responsável (Diretor (a)): Euler Fábio Machado

Séries ofertadas: Ensino Fundamental, Ensino Médio

Número de alunos:217
2
ENTREVISTA COM O PROFESSOR DA ESCOLA

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
Nome da escola: Escola Estadual Governador Juscelino Kubistchek
Endereço: Rua do Distrito,
Órgão mantenedor: Federal ( X ) Estadual ( ) Municipal ( ) Particular ( )
Horário de funcionamento: Manhã ( X ) Tarde ( x ) Noite ( )

2. ESTRUTURA FÍSICA E MATERIAL DA ESCOLA


Ambientes físicos
Salas de aula (quantas) 8
Secretaria ( 1 )
Pátio interno ( 1 )
Pátio externo ( 1 )
Quadra coberta ( ) Quadra aberta ( 1 )
Refeitório ( 1 )
Cozinha ( 1 )
Sanitário feminino ( 1 )
Sanitário masculino ( 1 )
Sanitários para professores ( 1 )
Biblioteca ( 1 )
Sala de vídeo e TV ( 1 )
Sala de leitura (1 )
Laboratórios ( 2 ) especificar: laboratório de Informática, Química
Outros (quais) ___________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________

Materiais:

Tipo e quantidade dos materiais usados nas aulas de educação física:


Bolas de Vôlei (x) quantas 3
Bolas de Futsal (x) quantas 3
Bolas de Handebol ( x ) quantas 1
Bolas de Basquete ( x ) quantas 1
Bolas de Borracha ( x ) quantas 2
Rede de Vôlei ( x ) quantas 1
Arcos / Bambolês ( x ) quantas 8
Cordas pequenas ( ) quantas 0
Cordas grandes ( x ) quantas 2
Colchonetes ( x ) quantos 5
Colchões ( ) quantos 0
Cones ( x ) quantos 4
Bastões ( ) quantos 0

Outros especificar:
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________

3. PROFISSIONAIS
Número de Diretores 1
Número de Professores de Educação Física: 1
Corpo docente – número de professores: 34
Profissionais de apoio (Nutricionista, Psicólogo. Dentista, Fonoaudiólogo, Enfermeiro; Assistente Social ou
outro): número: ________________________
4
RESENHA CRÍTICA DO ARTIGO

Artigo: CHICATI, Karen Cristina; MOTIVAÇÃO N AS AULAS DE


EDUCAÇÃO FÍSIC A NO ENSINO MÉDIO. Revista da Edu cação Física/UEM –
Maringá, v. 11, n. 1, p. 97-105, 2000.

Motivação e desmotivação dos alunos nas aulas de

Educação Física no Ensino Médio

A motivação e/ou desmotivação dos alunos nas aulas de Educação Física, no período escolar
que corresponde ao Ensino Médio, têm tornando-se um grande alvo de discussão e estudo no campo
da Educação Física Escolar, uma vez que este período corresponde às inúmeras transformações sociais
e hormonais (maturidade) decorrentes da transição da adolescência para a vida adulta.
O presente Artigo teve por objetivo diagnosticar e analisar a motivação dos alunos nas aulas
de Educação Física, no Ensino Médio da rede pública da cidade de Maringá-Paraná. Caracterizou-se
como descritivo, tendo com o população 12889 alunos de ambos os sexos, com idade entre quinze e
dezessete ano s, matriculados nas três séries deste nível de ensino. A amostragem compôs-se de 240
alunos, escolhidos aleatoriamente em quatro escolas do município. Em cada uma delas, foram
selecionados 60 alunos sendo 20 de cada série, 10 do sexo feminino e 10 do masculino. O
instrumento utilizado f oi um questionário composto por dezessete perguntas mistas.

Os resultados demonstraram que as aulas de Educação Física não estão sendo tão motivantes,
pois os alunos vêm recebendo sempre os mesmos conteúdos desde o Ensino Fundamental, sendo o
desporto o mais ministrado. A metodologia mais frequente tem sido o comando e o ensino aberto,
ape sar de a maioria dos alunos alegarem que fazem o que querem na aula. A avaliação é feita
através da presença e da aula teórico/prática. Os aluno s demonstraram possuir um forte interesse
pelas aulas, porém os que não se interessam alegaram ser a própria aula um f ator de desinteresse,
além da falta de melhores locais (adequados para as práticas) e de materiais.

Normalmente, quando o professor está ministrando suas aulas para o Ensino Médio, ele tem que
lidar com vários públicos de ado lescentes e, para que possa motivá-los precisa passar por cima de
alguns “problemas de interesse”, sendo alguns deles a falta de vontade e desinteresse do aluno em
praticar o esporte ou atividade proposta, o celular (hoje a ma ioria dos jovens está mais interessada
em usar as mídias sociais e apa relhos eletrônicos do que propriamente sair da ociosidade e praticar
um exercício físico), o perfil do aluno (muitos sofrem ou já sofreram bulling ou são introspectivos e
não foram estimulados na Educação Infantil e Ensino Fundamental à boa prática da Educação Física),
entre outros.
Observa-se atualmente que o período da adolescência vem se alongando cada vez mais e isso se
deve à diminuição da infância, razões econômicas, ideológicas e culturais, advindas puramente da
tecnologia. Por essas e outras razões, o adolescente acaba por enfrentar a s novas mudanças d e forma
mais prematura, o que pode vir a gerar um conflito de idéias, resultando em muitas dúvidas e uma
séria crise de identidade.

Neste momento de grandes descobertas pessoais, ansiedades e expectativas que é a ado lescência,
fala-se muito no amadurecimento e capacitação crítica do aluno frente às realidades sociais,
econômicas e culturais do dia -a-dia,bem como uma preparação para utilização de ferramentas
tecnológicas disponíveis atualmente, e esse é um dos principais fatores para a falta motivação ou
interesse nas aulas.

A pesquisa mostrou também que há falta de interesse dos alunos na pratica de desportos, desde as
series iniciais, e que muitas não houve o auxilio e nem incentivo necessário por parte do s
professores, pouco qualificados e que não buscavam alternativas para melhorarem suas aulas , já no
Ensino Médio.

Entretanto, a realidade estrutural das escolas, especialmente as da rede pública, que vem enfrentando
muitos problemas, como a f alta de materiais e de instalações para a prática das aulas de Educação
Física, o que torna ainda mais importante o trabalho do professor na busca de alternativas para
motivar os alunos em suas aulas. Dessa forma, o aluno se insere no contexto como “o receptor de
conteúdos e indivíduo a ser motivado”. Sendo assim, é possível presumir que o aluno do Ensino
Médio talvez sinta falta de alguns conteúdos ministrados no Ensino Fundamental e que por muitas
vezes são deixados um pouco de lado. Ou seja, o gosto pelo desporto é evidente, no entanto, de
vez em quando gostariam de outro tipo de conteúdo. E pelo que se observa através dos dados
supõe-se que isso não está acontecendo. Sendo assim, o professor deve estar consciente que terá
que buscar conteúdos diversificados e motivantes, a fim de que se consiga atender aos interesses
contidos dentro das diferentes turmas, fazendo com que essa falta motivação por parte dos alunos
não venha lhe causar dúvidas no que diz respeito à como motivá-los nas suas aulas.

No entanto, deve-se ter em mente que o problema da motivação não está centrado unicamente no
aluno, pois os outros membros da e scola também podem apresentar comportamentos que eviden
ciem a falta da motivação. Isso pode se torna r ainda mais prejudicial se partir do corpo docente,
afinal é o professor o responsável pela aprendizagem. A f alta de motivação do professor também
afeta diretamente o aluno, pois é o docente a pessoa na escola que tem o maior contato com os
discentes.

Tendo em vista que uma educação autonomia, reflexiva e crítica, além da construção do saber, é
importante que os próprios professores de Educação Física não se limitem apenas ao caráter
desportivo da Educação Física, ou seja, o jogo pelo jogo sem fundamentação e sim que tratem a
Educação Física como realmente uma área do conhecimento que possui uma especificidade: o
movimento humano consciente. E para isso é preciso que a prática seja realizada com embasamento
teórico, sem perder suas características. Se o professor possuir muita habilidade em ministrar seus
conteúdos de forma a fazer com que o aluno se interesse, a aprendizagem dos mesmos será mais fácil
prazerosa e intensa.

Contudo, é possível concluir que os alunos que hoje estão frequentando as aulas de Educação
Física do Ensino Médio possuem uma carência de conteúdos, pois eles vêm tendo, desde o Ensino
Fundamental, mais precisamente desde a 5ª série, com resquícios de 1ª à 4ª, o desporto como conteúdo
mais ministrado, e a dança e a ginástica, dentre outros conteúdos da Educação Física, f oram
deixados num plano secundário e quase nem aparecem. Acredita-se, então, que esse seja um dos
grandes motivos para que os alunos do Ensino Médio se afastem das aulas de Edu cação Física,
visto que os mesmos conteúdos, sendo ministrados em todas as aulas, podem fazer com que os
alunos, que já não possuem tanto interesse pelos mesmos, os tenham cada vez menos, e os que
se interessam, percam-no gradativamente, e que os conteúdos e os métodos precisam ser
repensados, pois correndo dessa maneira, teremos com certeza um ensino de melhor qualidade e
alunos mais motivados.

6
ATIVIDADE 2 – ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO SEMESTRAL DE UMA DAS

SÉRIES DO ENSINO MÉDIO


7
DIÁRIOS DE OBSERVAÇÃO

Aqui devem ser inseridos os Diários de Observação, Diários de coparticipação e Diários de intervenção (Planos
de aula conforme o modelo fornecido no plano de estágio anexo 4) – devem conter na sequência os 20 planos
de aula de todas as aulas que o estagiário esteve presente, sendo uma para cada hora. Caso a aula tenha sido
conjugada o plano de aula deve ser duplicado alterando somente o horário.

27
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O Estágio Curricular Obrigatório I II foi realizado nas 3 turmas do

Ensino Médio do Colégio Nelson W ortmann, Escola Particular localizada no centro

da cidade de Jaguarão/RS, no período de 23/08/2016 a 13/09/2016, em dias

intercalados para que não ultrapassassem às 20 horas/aula em campo, conforme

cadastro no Portal do Aluno UNOPAR.

Diferentemente do que foi vivenciado e realizado no Estágio

Curricular Obrigatório I, na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE

– Escola Especial José Luís Piúma, na área de Educação Física para Pessoas

Portadoras de Necessidades Especiais (Psicomotricidade e Educação Física

Adaptada) e no Estágio Curricular Obrigatório II, realizado na Escola Municipal de

Ensino Fundamental Marechal Castelo Branco, localizada na periferia da cidade de

Jaguarão/RS, notou-se uma grande diferença de realidade na prática docente

nestes três locais de Ensino, tanto no âmbito social, f ísico e econômico do ambien te

escolar, como na vontade e mo tivação dos aluno s em realizarem as atividades das

aulas de Educação Física.

Neste Estágio no Ensino Médio, pude notar uma menor motivação

por parte dos alunos, uma vez que muitos deles estão preocupados em outros

assuntos, pertinentes ou não ao âmbito escolar, principalmente na turm a do terceiro

ano, com todos f ocados na realização dos exames vestibulares de verão nas ma is

diversas instituições de ensino superior e provas finais para não f icarem em

recuperação, a vontade em fazer os exercícios solicitados era bem menor do que

nas outras dua s turmas, e a motivação também, pois alguns queriam ficar no celular

ou tomando chimarrão, ao invés de participarem das aulas.

A presença de nós, estagiários, levou-me a crer que foi um dos

motivos que fizeram com que eles quisessem participa r um pouco ma is das aulas,

para não passar essa impressão de “desmotivação” para os esportes, ainda ma is

nessa idade em que os hormônios afloram, as vontades são outras e a rebeldia

natural dos adolescentes ma is transparece, me smo sendo todos de classe média


alta da cidade, e com uma educação teoricamente mais centrada

No período de obse rvação, coparticipação e intervenção das aulas,

o profe ssor regente seguiu à risca o plano bime stral da escola, e neste bimestre,

mais precisamente nas datas da realização do estágio, coincidiu com o inicio da

apresentação e introdução do Voleibol como prática esportiva.

Todos os planos de aula foram nessa modalidade, e as duas aulas

de intervenção em cada uma das turmas me f oram solicitadas com antecedência

(mínima de um dia) para avaliação do professor regente.

Por ser uma escola particular, os aluno s possuíam mais acesso às

pesquisas pela internet e conhecimento em relação aos espo rtes, neste caso

específico, o Voleibol.

Foram apresentadas as regras básicas do esporte, sistemas de jo go,

rodízio, f undamentos da modalidade, ensino de movimentos específicos e

posicionamento em quadra para jogo.

Nas aulas de intervenção, utilizei algumas variações de rodízio e

evolução de jogo, conforme solicitado pelo professor regente.

Meu Plano Seme stral foi feito com base nos dois últimos bimestres

do plano da escola.

Assim como nos alunos do 8º e 9º anos (14 a 16 anos) do estágio

anterior, os aluno s do Ensino Médio do Colégio Nelson W ortmann, encontram-se

nessa mesma faixa e tária e já se sentem adultos demais, quando na realidade ainda

não são, porém, a realidade social dos educandos dessa escola, localizada no

centro da cidade, é de enorme influência na qualidade do ensino dos me smos e na

maturidade dos mesmos para a realização das tarefas solicitadas.

Ao término do Estágio Supervisionado III, pude compreender mais

sobre as peculiaridades dos jovens dessa faixa etá ria e classe social, a realidade de

uma escola particular na relação ensino/aprendizagem dos me smos e a experiência

pedagógica/docente com relação a compreender a vontade e mo tivação dos alun os

em realizarem as atividades das aulas de Educação Física, que foi totalmente


diferente das outras que vivenciei, até agora, nos dois Estágios Supervisionados

anteriores, que f oi de grande valia para a conclusão deste Relatório e para a futu ra

formação de Professor de Educação Física.


38
ANEXOS