Você está na página 1de 4

Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN

18.253

CALDA DE CIMENTO PARA INJEC.&O NBR 7681

Especifica& JAN11983

1 OBJETIVO

~sta Norma fixa as condi@es exigiveis para caldas e seus materiais componentes,
a ser-em empregadas no preenchimento de bainhas e dutos de armaduras de protens&

de pe$as de concrete protendido.

2 NORMAS ElOU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Na aplicaGao desta Norma 6 necessario consultar:

NBR 5732 - Cimento Portland comum - Especifica+$

NBR 5746 - Analise quimica de cimento Portland - DeterminaGao do enxofre na

forma de sulfeto - Metodo de ensaio

NBR 7682 - Calda de cimento para injqk - Detenninask do indice de Fluidez-

- Metodo de ensaio

NBR 7683 - Calda de cimento para inje+ - Determina~& dos indices de exsu -
daqao e expansk - Metodc de ensaio

NBR 7684 - Calda de cimento para injegao - Determinas& da resistencia 2 corn


-
press% - Metodo de ensaio

NBR 7685 - Calda de cimento para injecao - Determinaqao da vida Gtil - Mi.t”do

de ensaio

3 DEFlNlCAb

~ara 05 efeitos desta Norma e! adotada a definisao 3.1.

Material obtido pela mistura conveniente de cimento, agua e eventualmente, de a


-
ditivos, destinado ao preenchimento de bainhas ou dutos de armaduras de proten-

5% de pqas de concrete protendido.

Origem: ABNT 18:05.03-001/82


CB-18 - Comit& Brasileiro de Cimento. Concrete e Agregados
CE-18:05.03 - Cornis& de Estudo de Calda de Cimento para In&-%

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO
DE NORMAS TiiCNlCAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL 0

Pelavras-thaw cimento I NBR 3 NORMA ERASILEIRA REGISTRADA

CDU: 666.94 Todor os direitor rerervador 4 pAgina


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
2 NBR7681/1983

4 CONDIC6ES GERAIS

4.1 Cimento

E utilizado o ciment” Portland com~m, conforme a NBR 5732, corn as seguintes res-

tri@es:
a) tear de cloro proveniente de cloretos:

- no maxim0 igual a O,lO%;

b) tear de enxofre proveniente de sulfetos, determinado conforme NBR 5746:

- no maxim0 igual a O,ZO%.

lvota: Em cases especiais, a criteria do respons&el pela obra, podem ser empre-

gados outros tipos de cimento, desde que satisfeitas as condi@es das aI7 -

neas a) e b) de 4.1.

A agua destinada a” prepar” da LaIda deve SIT isenta de te”res prejudiciais de

substancias estranhas. Presumem-se satisfatorias as aquas que tenhar pH entre

5,8 e 8,0 e rcspeitem “5 seguintes limites maximos:

a) materia organica (expressa em oxigenio consumido)... 3 mg/l;

b) residue solid” . 5000 mg/l

c) sulfates (express0 em ions so 4 ) 300 mg/l;


d) cloretos (expresso em ions Cl-)... 500 mg/l;

e) a~ucar 5 mg/l.

I’;0 t 0 : Em ,cas”s especiais, a criteria do responsive1 pela “bra, devem ser consi-

deradas outran substancias prejudiciais.

4.3 Aditivos

4.3.1 Somente 520 utilirados aditivos ap6s a realiza$ao de ensaios que camp ro-

vem melhoria das qualidades da calda.

4.3.2 Nao sao utilirados aditivos que contenham halogenetos “u que reajam corn

materiais da calda liberando qualquer componente que deteriore “u ataque ” a~“.

5 CONDl@IES ESPECKFICAS

5.1 Fulxw &pxz/cimento

0 fator agua/cimento nao dew ser superior a 0,45, em ~massa.

5.2 Fluidez

5.2.1 A calda deve apresentar fluidez adequada, durante tempo que confira segu-

ran~a 5 operaqao de inj@o prevista.

5.2.2 0 indice de fluidez da calda de injeG:o, imediatamente antes de ser inje -

tada, nio deve exceder o valor de 18 segundos, determinado conforme NBR 7682.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
NBR 768111983 3

5.2.3 A opera$So de inje$ao deve prosseguir at6 que 0 indice de f]uider da cal-
da na saida da bainha seja, no m:nimo, igual ao indice de fluider na entrada, me
-
nos 3 segundos. 0 indice de fluidez na saida, entretanto, nunca deve ~,er iVnfe-
rior a 8 segundos.

5.3 Vi& iitiz

Nao 6 admitida calda cujo indice de fluider ultrapasse o valor de 18 segundos,


durante o perTdo de 30 minutes, ap6s a conclus~o da mistura, determinado confor
-
me NBR 7685.

5.4 Ezsu&&

A aqua exsudada deve ser no m&inn 2% do volume initial da calda, medida 3 horas
ap& a mistura, conforme NBR 7683.

5. 5 ~Pkpun~sno

5.5.1 Quando urn aditivo expansor for empregado, a expansk total livre deve ser
no m5ximo 7% do volume initial de calda, medida 3 horas ap& a mstura, conforme
NBR 7683.

5.5.2 A calda deve ser injetada em urn tempo tal quc pelo WOOS 70% da expans,$
total livre ocorra dentro da baynha.

5.6 .msistdncin ci cton:m?ss~o

A calda nao deve apresentar resistencia 2 co~~~pressao inferior a 25 MP~ ao5 28


dias de iqade, conforme NBR 7684.

6 lNSPE@aO

6. I ~bkknis

A inspe$Zo dos materiais dew ser feita corn antecedencia, de forma a assegurar
que OS mesmos atendam 2s condi@zs fixadas no capitulc 4.

6.2 ~edk?ci dos matmiais

OS tmateriais devem 5er medidos ccm precisao de 2%, sendo 0 cimento sempre medido
em rna5s.3.

6.3 CaMa

A calda deve ser inspecionada conforme a Tabela.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
4 NBR 7681119RR

TABELA - Inspe@, da olda

Ensaio
T I tern Loca I de amos t ragem

Recipiente Entrada Sa ida FreqUencia

da da da

es tocagem bainha bainha

Flui 5.2.2 Sim uma “ez em cada cabo


dez
5.2.3
I

Sim
L

+k
Vida 5.3 Sim Uma vez para mesma compos i -
titil 5% e condi@zs de mistura

5.4 Sim
T Uma

ro
vez

dia de
no inicio

trabalho,
do primei

repetin
-

-
-I do-se no maxima a cada 100
Expan 5.5 Sim sacos de c i men to consulni dos

par frente de trabalha e/au