Você está na página 1de 9

Índice

Introdução ......................................................................................................................... 1

Funções da administração................................................................................................. 2

1. Conceitos bases ............................................................................................................ 2

2. Principais funções da Administração ........................................................................... 3

3. Etapas básicas do planejamento ................................................................................... 4

4. Relação entre planejamento e as outras funções do administrador .............................. 5

Conclusão ......................................................................................................................... 7

Referências bibliográficas ................................................................................................ 8


Introdução

Neste presente trabalho que tem como tema principal Funções da administração, sendo
o mesmo um tema rico em conteúdos que será abordado com maior delicadeza e clareza
possível, de modo a facilitar a percepção de todos leitores. O tema apresenta alguns
pontos essências, que são: Conceitos bases, Principais funções da Administração,
Etapas básicas do planejamento, Relação entre planejamento e as outras funções do
administrador e tipos de Planos.

1
Funções da administração

O processo administrativo é uma sequência de actividades que formam um todo


integrado, ou seja, um conjunto de operações contínuas necessárias para uma acção
integrada, de modo que se repete como um ciclo, em que permite ao administrador de
forma contínua corrigir e ajustar, definindo as alterações e as mudanças que deverão ser
introduzidas no ciclo seguinte.

Segundo Chiavenato (2010), “o processo administrativo opera tanto sobre as pessoas


quanto sobre os recursos da organização, tendo como intuito alcançar os objectivos
propostos, estando presente em toda actividade do estado, no caso da administração
pública”.

O processo administrativo, no entanto, depende do conjunto de outros processos,


interligados e interdependentes.

1. Conceitos bases

Diz Fiffany (1998), Administração geral é o conjunto de actividades dirigidas à


utilização eficiente e eficaz dos recursos, no sentido de alcançar um ou mais objectivos
e metas organizacionais."

Com isso, é possível perceber que a administração é muito mais do que apenas "gerir
uma empresa", ela compreende diversos factores, como também, a capacidade de
utilização dos recursos humanos, financeiros e materiais de forma que atinja os
objectivos do negócio e da companhia como um todo. Em geral, o administrador é o
elemento fundamental para o sucesso das organizações.

Para o mesmo autor acima citado, Ele possui o papel de interagir com todas as áreas e
sectores, a fim de assegurar a máxima eficiente e eficaz através de suas três habilidades
- a técnica, humana e a conceitual.

Empresa

Para Stoner (1985), Vários são os conceitos de empresas e estes variam de autor para
autor de acordo com a percepção que cada um tem em relação aquilo que é uma
empresa.

2
Num sentido geral, Empresa é um conjunto de meios humanos, materiais ou técnicos e
financeiros devidamente organizados para a realização de uma determinada actividade
económica.

2. Principais funções da Administração

Segundo Chiavenato (2010), O papel do administrador moderno não é apenas gerenciar


uma determinada área ou sector da empresa (seja ela pública ou privada.). Esse
profissional precisa entender grande parte do funcionamento da organização,
compreendendo a funcionalidade de cada sector, assim como das operações da
companhia. Basicamente, ele deve possuir e desenvolver sua habilidade conceitual
sobre o negócio. Para a administração geral, conceitualmente falando, a função do
administrador compreende um processo de quatro etapas principais, que são:

2.1 Planejamento: é etapa referente à formulação dos objectivos e os meios para


alcançá-los. É o processo contínuo de percepção e análise em que se desenvolve as
tomadas de decisões, ou seja, consiste em definir objectivos para traçar metas,
identificando as oportunidades, interpretando as informações e analisando os recursos
disponíveis na organização. Trata-se de uma actividade exercida pela administração
geral da empresa;

2.2 Organização: é o processo de designar tarefas, alocar os recursos e coordenar


actividades. De maneira mais simples, refere-se à distribuição e adequação dos recursos
da organização. Organizar é o mesmo que preparar os processos a fim de obter os
resultados planejados. Ela pode compreender várias fases administrativas, como por
exemplo, desde a elaboração dos níveis hierárquicos até a definição das estruturas
organizacionais e seus sectores;

2.3 Direcção: conduzir as pessoas de acordo com o plano estratégico, visando a


realização dos objectivos e metas estabelecidos pela empresa. Esta é a função da tomada
de decisões, da liderança e da comunicação com os subordinados, é o processo
administrativo que conduz e coordena o pessoal na execução das tarefas anteriormente
planejadas. A direcção também se trata de uma actividade atribuída à administração
geral da empresa;

3
2.4 Controle: é a comparação do desempenho actual com o que foi planejado,
estabelecendo as correcções necessárias no decorrer do processo. O controle restringe e
regula a execução da tarefa, ou seja, verifica à execução e avalia os resultados, pelos
quais compara ambos com os padrões pré estabelecidos. É a função que corrige os
desvios, adopta o planejamento como medida-padrão e aponta as falhas e correcções
que precisam ser feitas.

Apesar de serem etapas de um processo, todas precisam ser realizadas de forma


integrada. Essa é a visão sistémica que o administrador deve ter. Prever acontecimentos
e situações que possam surgir, para reagir de forma rápida e adequada às variações que
aparecerem. Essas são actividades básicas que o administrador deve exercer no seu dia-
a-dia, sempre prezando pela manutenção da organização no seu devido eixo.

3. Etapas básicas do planejamento

Para Porter (1990), O planejamento cobre uma variedade ampla de actividades, desde as
mais complexas, ocorrendo a longo prazo e em ambientes incertos, até as mais simples,
a curto prazo e em ambientes previsíveis. As três etapas básicas do planejamento são:

 Estabelecer um objectivo ou meta;


 Identificar e avaliar as condições atuais e futuras que afectem esse objectivo;
 Desenvolver uma abordagem sistemática para atingir esse objectivo

Vários planejadores incluem etapas adicionais como parte do planejamento. Essas


etapas na realidade envolvem outras funções do administrador:

 Implementar o plano (organizar, liderar);


 Controlar a implementação do plano (controle);
 Avaliar a eficácia do plano (controle).

Assim afirma o mesmo autor acima citado, Essas três últimas etapas não são
realmente de planejamento, mas refletem o fato de o planejamento, por ser a função
fundamental, estabelece a base para o desempenho das funções seguintes. Vamos
focalizar as três etapas básicas do processo de planejar, porém devemos ter em mente
que, para ser eficaz, o planejamento precisa estar intimamente ligado às outras funções
da administração.

4
Estabelecer objectivos ou metas – a primeira etapa do planejamento se refere ao ponto
onde queremos chegar, ou seja, que resultados queremos obter ao final de determinado
período de actividades. Os objectivos ou metas podem ser estabelecidos em sectores de
desempenho como lucratividade, porção do mercado, recrutamento de pessoal, projectos
a terminar em certa data, por exemplo.

Identificar e avaliar as condições que afectam os objectivos – a segunda etapa do


planejamento reconhece as variáveis importantes que influenciam os objectivos, como o
poder de compra dos consumidores, actos dos concorrentes, etc. Como o planejamento
se relaciona com o futuro, deve-se levar em consideração certas suposições sobre
condições importantes ligadas ao factor tempo de realização do plano.

Desenvolver uma abordagem para atingir os objectivos – o aspecto final do


planejamento é a etapa que se relaciona a itens como responsabilidade para realização e
inclui respostas a várias questões: quem fará o quê, como, dentro de que programação e
quais serão os resultados disso. A importância e a complexidade do planejamento são
factores primordiais para determinar a formalidade e os detalhes dessa etapa.

4. Relação entre planejamento e as outras funções do administrador

No dizer de Araújo (2010), Em alguns aspectos, o planejamento é a mais básica e difusa


de todas as funções do administrador. Essa e todas as funções e actividades
administrativas são inter-relacionadas, interdependentes e interactivas como
relacionamos abaixo:

 A Função Organizar

Organizar é o processo de nos certificarmos que os recursos humanos, materiais e


financeiros trabalhem lado a lado. O planejamento fornece a informação e as
estimativas que permitem juntar esses recursos com maior eficácia. Por exemplo: uma
parte importante da organização é conseguir o pessoal adequado.

 A Função Liderar

A função liderar está intimamente associada a planejar. O planejamento determina a


melhor combinação de factores, forças, recursos e relações necessários para liderar e

5
motivar os empregados. A função de liderar refere-se à maneira de pôr em acção esses
elementos.

 A Função Controlar

O controle é uma consequência importante do planejamento eficaz, pois mostra aos


administradores se seus planos são realistas ou se uma administração insatisfatória foi a
causa de os planos não funcionarem como era de se esperar. Portanto, o controle é o
meio de avaliar o desempenho real em relação aos planos.

5. Quais são os tipos de Planos

Para Chiavenato (2010), O planejamento e os planos resultantes dele podem ser


classificados de várias formas. A maneira de classificar o planejamento vai determinar o
conteúdo dos planos e como o planejamento deve ser realizado.

1. Planos estratégicos – definem os objectivos e as estratégias da organização. Incluem,


além dos objectivos de toda a organização, a sua relação pretendida com o ambiente.
São os planos estratégicos que determinam os produtos e serviços que a organização
pretende oferecer, os mercados e clientes que pretende atender, assim como a
construção de uma nova fábrica ou abertura de uma nova loja. A responsabilidade pela
definição desses planos é da alta administração. Há empresas que dispõem de unidades
de trabalho especialmente dedicadas a essa tarefa, são os departamentos de novos
negócios.

2. Planos tácticos – têm como finalidade optimizar determinada área de resultado ou


função empresarial e não a empresa inteira, abrangem as actividades especializadas da
empresa (marketing, finanças, produção, recursos humanos, novos produtos). Cabe
lembrar que o desdobramento dos planos tácticos depende directamente dos
estratégicos.

3. Planos operacionais – visam alcançar os padrões de funcionamento


preestabelecidos, com controle dos detalhes. Podem ser considerados como a
formalização dos processos, principalmente por meio de documentos escritos, das
metodologias de desenvolvimento, das respectivas normas e implementação
estabelecidas pelo nível táctico. Por fim, criam condições para a adequada realização
dos trabalhos diários da empresa.
6
Conclusão

Com o trabalho, chegasse a conclusão que das funções administrativas, planejar diz
respeito a definição da missão, formular objectivos, definir os planos para alcançar os
objectivos, programar as actividades. Organizar diz respeito a divisão do trabalho,
designar as actividades, agrupar as actividades em órgãos e cargos, alocar recursos e
definir autoridade e responsabilidade. Direcção diz respeito a designação da pessoal,
coordenar os esforços, comunicar, motivar, liderar e orientar. Controlar diz respeito a
definir os padrões, monitorar o desempenho, avaliar o desempenho, acção correctiva.

7
Referências bibliográficas

ARAÚJO, Luís César G. de, e GARCIA, Adriana Amadeu. Gestão de Pessoas. Edição
compacta. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2010.

CHIAVENATO, Edalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos


nas organizações. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

TIFFANY, Paul, PETERSON, Steven. Planejamento estratégico. Rio de Janeiro:


Campus, 1998. p. 285-309.

STONER, J. et al. Administração. 5. ed. Rio de Janeiro : Prentice-Hall do Brasil, 1985.


p. 150.

PORTER, Michael E. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1990.