Você está na página 1de 4

O brutalismo libertário não é algo que

agrada a todos, até porque de fato ele não é feito


pra agradar, na verdade o bratulismo libertário
não é feito, ele é o que é. Irei dar uma breve
introdução aos leigos que não estão por dentro
do que é o brutalismo libertário, o termo decorre
do estilo arquitetônico brutalista, onde as
estruturas e vigas da construção são rústicas e
com o concreto a mostra, sem adornos,
maquiagens, nuances, apenas o beton-brut
(concreto). Esse termo foi usado pra descrever os
libertários que desprezam a romantização do
libertarianismo e prezam pelo purismo da
essência libertária. Um dos grandes males do
século sem dúvidas a romantização de idéias,
colocar a liberdade, igualdade e justiça em um
pedestal como princípio e não como produto,
quando coloca-se uma imagem bonita como
princípio, qualquer coisa pode ser usada como
seu produto, foi assim que os socialistas
ganharam o mundo, desenhando o socialismo
como um produto perfeito para a igualdade,
justiça e liberdade, a grande maioria dos
socialistas não conhecem o núcleo verdadeiro do
socialismo, inclusive não é de agradável aos
intelectuais socialistas mostrarem o verdadeiro
núcleo do socialismo, que é a espoliação de
propriedade privada, controle coercitivo por
parte do estado, privação das liberdades civis e
econômicas. Na sociedade em que vivemos onde
o romantismo domina o mundo, o core do
libertarisnimo na qual é a propriedade privada,
não agrada as pessoas em primeiro contato, há
um lado “feio” há um lado “desagradável” na qual
precisa ser tocada e sentido por todos os
libertários, o direito de discriminar determinados
grupos, a livre expressão, o “politicamente
incorreto”, enxergar o estado e a democracia
como realmente são, e o principal, o respeito a
propriedade privada, esse contato com o core do
libertarianimo pode incomodar no primeiro
contato porém é libertador, entender isso é de
suma importância para o amadurecimento
intelectual não só dos libertários como de
qualquer pessoa. Os humanitários em
contrapartida querem esconder esse núcleo do
libertarianismo, querem maquia-lo, com
argumentos de que não irá convencer pessoas ao
libertarianismo, que irá chocar, ou até mesmo
que é errado. É comum ouvir desses libertários
misturando liberalismo com
libertarianismo/anarcocapitalismo de que a
“liberdade vem com tudo” “lacres libertários”
“libertários contra a homofobia” acompanhadas
com foto do cantor Liniker, “Combate a
intolerância”e etc. Ora, se ficarmos mostrando o
libertarianismo com maquiagem de tolerância,
liberdade, livre associação e até mesmo
(pasmem) democracia, ao longo prazo a
tendência é se distanciar cada vez mais do núcleo
libertário e acabar tirando como produto a social
democracia, socialismo, relativizações e
distorções filosóficas como defender que
libertários votem ou participem da política,
gradualismo e absurdos como “sonegar e
contrabandear é errado” porque “devemos fazer
as coisas da maneira correta”, o humanitarismo
libertário é um prato cheio para o estatismo, veja
com seus próprios olhos o que está acontecendo
com o Libertarian Party dos estados unidos. Que
fique bem claro, nós libertários brutalistas não
somos a favor de descriminação, racismo, ofensas
deliberada, nós simplesmente não colocamos a
liberdade, tolerância ou qualquer termo como
princípio, na qual é a propriedade privada e
sempre deve ser a propriedade privada, qualquer
coisa que queira extrair do principio da
propriedade tem que ser produto dela, a
“liberdade” e afins tem que vir depois da
propriedade.