Você está na página 1de 7

08/03/2019 O único ingrediente essencial para a masculinidade bíblica

O único ingrediente essencial para a


masculinidade bíblica
1 DE FEVEREIRO DE 2016 | Thabiti Anyabwile

V I DA C R I S TÃ

Curtis entrou no meu escritório, passando pelo meu assistente administrativo,


deixando em seu rastro papéis esvoaçando de sua mesa. “Eu não aguento mais
isso! Terminei!"

Continuei olhando os papéis na minha mesa enquanto ele andava de um lado


para o outro na minha frente. Terminando o parágrafo que eu estava lendo,
olhei para Curtis e disse: “Olá, Curtis. É bom te ver."

“Eu não aguento mais isso! Ele está me enlouquecendo! Com o peito pesado,
ainda andando de um lado para o outro, Curtis parecia estar conversando
consigo mesmo mais do que eu.

Eu finalmente dei a volta na mesa e perguntei a Curtis para sentar no futon


marrom em frente a mim. Ele andou mais um minuto, em seguida, forçou seu
corpo para o sofá. “Agora,” eu disse suavemente, “me diga o que está
acontecendo”.

Aprendi muito sobre Curtis naquele dia - sobre seu relacionamento acrimonioso
com o pai, sobre seu desejo de uma nova vida, sobre suas ambições como
artista e sobre o funcionamento de sua vida interior. Neste ponto de sua vida de
19 (https://www.esv.org/de%2019/) anos, Curtis não tinha aquele ingrediente
essencial para a masculinidade bíblica: o autocontrole.

Por que o autocontrole é o ingrediente essencial

https://www.thegospelcoalition.org/article/the-one-ingredient-essential-to-biblical-manhood/ 1/7
08/03/2019 O único ingrediente essencial para a masculinidade bíblica

O autocontrole (ou sua ausência) está na raiz de tantas outras coisas que
reconhecemos como problemas nos pensamentos, sentimentos e decisões dos
homens. Por exemplo, a incapacidade de dizer não antes da intoxicação indica
uma vida interior sem governo ( Ef 5:18 (https://www.esv.org/Eph.%205%3A18/)
). O vestuário imodesto origina-se da falta de autocontrole ( 1 Timóteo 2: 9
(https://www.esv.org/1%20Tim.%202%3A9/) ; também se aplica aos homens!).
O mesmo acontece com a imoralidade sexual ( 1 Coríntios 7: 9
(https://www.esv.org/1%20Cor.%207%3A9/) ). Quando a pornografia devasta a
vida interior de um homem, é em parte porque ele ainda não aprendeu a
dominar e dominar seus desejos. “Um homem sem autodomínio é como uma
cidade invadida e abandonada sem muros” ( Provérbios 25:28
(https://www.esv.org/Prov.%2025%3A28/) ).

Talvez seja por isso que o autocontrole surge em muitos lugares onde a Bíblia
nos dá vislumbres da vida dos homens. Considere os exemplos do livro de Tito.
Paulo escreve para Tito, em parte, porque ele quer ver as coisas em ordem nas
igrejas em Creta. Isso significa a nomeação de anciãos em todas as cidades,
anciãos que, entre outras coisas, são autocontrolados ( Tito 1: 8
(https://www.esv.org/Titus%201%3A8/) ). Essa qualidade contrasta com o fato
de ser “arrogante ou mal-humorado ou bêbado ou violento ou ganancioso” (1:
7) - todas as coisas que descrevem homens cujas vidas interiores são
destruídas pelo pecado.

Se os anciãos da igreja devem possuir essa qualidade, eles devem fazê-lo para
modelar o mesmo para os membros da igreja. Tito deve “ensinar o que está de
acordo com a sã doutrina” aos vários grupos demográficos da igreja ( Tito 2: 1
(https://www.esv.org/Titus%202%3A1/) ). Assim, “os homens mais velhos
devem ser sóbrios, dignos, autocontrolados, firmes na fé, no amor e na firmeza”
(2: 2). Embora várias virtudes estejam listadas para homens mais velhos,
quando Paulo menciona o que os homens mais jovens devem aprender, ele lista
apenas uma coisa: “Da mesma forma, exorta os mais jovens a serem
autocontrolados” (2: 6). Os rapazes eventualmente precisam crescer para
incorporar muito mais coisas, mas no fundo precisam primeiro aprender a
dominar seus pensamentos, sentimentos, palavras e ações. Eles devem
aproveitar seus corações se esperarem florescer em homens mais velhos com
gravidade.

Como tal maestria acontece


Tito 2:11 (https://www.esv.org/Titus%202%3A11/) –14 ensina que a mesma graça
que nos salva também resulta no autocontrole tão essencial à nossa vida
interior:

Porque a graça de Deus apareceu, trazendo a salvação para todas as


pessoas, treinando-nos a renunciar à impiedade e às paixões mundanas, e
a viver de maneira autocontrolada, justa e piedosa na época presente,
esperando nossa bendita esperança, a aparição da glória de nosso grande
Deus e Salvador Jesus Cristo, que se entregou por nós para nos redimir
de toda iniqüidade e para purificar para si um povo para sua própria
possessão que é zeloso de boas obras.

Entre o primeiro aparecimento e a segunda vinda de nosso Senhor Jesus Cristo,


estamos sendo treinados pela graça. Especificamente, em sua benignidade
imerecida, Deus nos treina a “renunciar à impiedade e às paixões mundanas”,
https://www.thegospelcoalition.org/article/the-one-ingredient-essential-to-biblical-manhood/ 2/7
08/03/2019 O único ingrediente essencial para a masculinidade bíblica

que são a antítese do autocontrole e, em vez disso, “viver vidas


autocontroladas, retas e piedosas” (2:12). O autocontrole segue livremente da
graça salvadora e da fé em Cristo Jesus ( Atos 24:24 -
(https://www.esv.org/Acts%2024%3A24/) 25). Parte do que recebemos quando
recebemos a Cristo no evangelho é a gentil poda e moldagem de nossos
corações para que vivamos de maneira agradável a Deus “na presente era” das
trevas e do mal ( Tito 2:12 (https://www.esv.org/Titus%202%3A12/) ).

Se somos de Cristo, aprenderemos o autocontrole porque o nosso Pai


graciosamente nos ensinará. Nunca devemos pensar que nossa vida interior
está além do alcance de Deus, ou que o autodomínio envolve apenas o eu. Não,
Deus chega ao centro mais profundo de nossas vidas, transformando-nos no
interior de desejos mundanos furiosos que nos levam a uma esperança maior -
a aparição de Cristo - que nos acalma e nos ordena. Temos uma ajuda
onipotente para aprender o autocontrole.

Paulo nos lembra da presença de Deus em nossa santificação e vida interior


com estas famosas palavras de Gálatas 5 (https://www.esv.org/Galatians%205/)
:

Agora as obras da carne são evidentes: imoralidade sexual, impureza,


sensualidade, idolatria, feitiçaria, inimizade, contenda, inveja, ataques de
raiva, rivalidades, dissensões, divisões, inveja, embriaguez, orgias e coisas
como essas. Eu te aviso, como te avisei antes, que aqueles que fazem tais
coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é amor,
alegria, paz, paciência, bondade, bondade, fidelidade, mansidão,
autocontrole; Contra tais coisas não há lei. E aqueles que pertencem a
Cristo Jesus crucificaram a carne com suas paixões e desejos. (vv. 19-24)

Mais uma vez, a Escritura faz um contraste gráfico entre a vida interior
desenfreada que resulta em todos os tipos de pecados desordenados e
rebeldes (5: 19-21) e a vida que Deus produz em seu povo. O Espírito de Deus,
que vive naqueles que confiam em Cristo, produz certos frutos internos e
externos, incluindo o autocontrole (5: 22-23).

De fato, o ordenamento da vida interior do homem cristão e a produção de


autocontrole devem necessariamente resultar da pertença a Cristo. Gálatas 5:24
(https://www.esv.org/Galatians%205%3A24/) nos diz que “aqueles que
pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne com suas paixões e desejos”.
Quando Cristo nos chama a si mesmo em fé salvadora, apropriando-se de nós
como Senhor para que “pertença a Cristo Jesus, “Nós executamos
simultaneamente uma crucificação. Em nossa conversão - observe o verbo do
passado, “crucificamos” - executamos nossa natureza pecaminosa ou
pecaminosa. Confiando na graça de Deus, mortificamos as paixões, desejos,
vontades e interesses que mantêm cativos nossos pensamentos, sentimentos e
vontades, e a graça e o espírito de Deus começam a treinar e produzir em nós o
autocontrole necessário para amadurecer a masculinidade. .

Como homens, podemos combater os sintomas de uma vida interior


inquietante - raiva, luxúria, insegurança, ansiedade e afins. Tais lutas são
necessárias. Ou podemos travar uma guerra contra o bunker de onde vêm esses
inimigos: falta de autocontrole.

https://www.thegospelcoalition.org/article/the-one-ingredient-essential-to-biblical-manhood/ 3/7
08/03/2019 O único ingrediente essencial para a masculinidade bíblica

Nesta batalha no bunker, temos certas promessas do nosso capitão. “Todo


atleta exerce autocontrole em todas as coisas. Eles fazem isto para receber uma
coroa perecível, mas nós somos um imperecível ”( 1Co 9:25
(https://www.esv.org/1%20Cor.%209%3A25/) ). De fato, “Deus nos deu um
espírito, não de medo, mas de poder, amor e autocontrole” ( 2Tm 1: 7
(https://www.esv.org/2%20Tim.%201%3A7/) ).

Nota dos editores : Este é um excerto da Bíblia Devocional dos Homens da ESV
(https://www.amazon.com/Mens-Devotional-Bible-Bibles-
Crossway/dp/1433548410/?tag=thegospcoal-20) (Crossway, 2015).

Thabiti Anyabwile (MS, Universidade Estadual da Carolina do Norte) é


pastor da Igreja do Rio Anacostia, no sudeste de Washington, DC, e
membro do Conselho da The Gospel Coalition. Ele é o autor de vários
livros, incluindo O que é um membro saudável da igreja? ,
Encontrando Anciões e Diáconos Fiéis , Revivendo a Igreja Negra e
outros . Ele e sua esposa, Kristie, têm três filhos.

TAG
FRUTO DO ESPÍRITO • MASCULINIDADE E FEMINILIDADE • HOMENS •

NATUREZA DO PECADO • SANTIFICAÇÃO E CRESCIMENTO

3 Things Your Bible Doesn’t Say


About Money
JANUARY 31, 2016 | Graham Beynon

CHRISTIAN LIVING

https://www.thegospelcoalition.org/article/the-one-ingredient-essential-to-biblical-manhood/ 4/7
08/03/2019 O único ingrediente essencial para a masculinidade bíblica

When it comes to money, God has a lot to say.

So it’s time to set the record straight on three things the Bible does not say
about money—despite what we may have heard. Here are three wrong views.

1. God Guarantees Prosperity

The prosperity gospel comes in a variety of forms, but the bottom line is God
blesses our obedience by making us materially better off. The message says
to honor God with your money and you will know this blessing. Of course, the
flip side is that if you’re not doing well financially, it must mean you’re
disbelieving or disobeying God.

The great mistake of the prosperity gospel is ignoring that this promise of
financial blessing comes under the old covenant. The new covenant doesn’t
work the same way. In fact, Jesus says his followers are blessed when they’re
poor, hungry, weeping, hated, excluded, insulted, and rejected (Luke 6:20
(https://www.esv.org/Luke%206%3A20/)–22).

Financial blessing simply isn’t promised to Christians. Yet a general principle


does remain: God will bless our obedience. Jesus promised:

No one who has left home or brothers or sisters or mother or father or


children or fields for me and the gospel will fail to receive a hundred times
as much in this present age: homes, brothers, sisters, mothers, children and
fields—along with persecutions—and in the age to come eternal life. (Mark
10:29 (https://www.esv.org/Mark%2010%3A29/)–30)

A Christian will never give to God and finally get the rough end of the bargain.
God blesses our giving. But how? What’s the nature of the blessing?

Jesus cannot mean that if we give up our home we’ll own a hundred more. He
means God will give us blessing in a hundred homes being open to us, and in
knowing new family in the church.
https://www.thegospelcoalition.org/article/the-one-ingredient-essential-to-biblical-manhood/ 5/7
08/03/2019 O único ingrediente essencial para a masculinidade bíblica

Notice also he adds that we will receive “persecutions.” Jesus is not saying our
lives will be marked by blessing with luxury, but by blessing with hardship.
There is no sacrifice you can make for Jesus you will regret.

The prosperity gospel is an ugly thing. But there’s a beautiful flip side. God does
honor our giving. Sacrifice a vacation for the sake of giving to your church and
you may find greater richness in unity and love in your church. Give generously
to someone in need and you may find people giving you gifts. I use the word
“may” since I don’t know what sort of blessing God will give, but I know he will
bless you—if not in this life, then in the next. We can never outgive God.

2. God Must Approve of My Approach


I can easily think my particular approach is the one God likes. For example, I
tend to buy clothes on sale rather than at full price, and I can easily look down
on those who don’t. But of course there are things I do spend money on, like
drinking decent coffee or going out for a beer, that others might consider an
unnecessary luxury.

So here’s the problem. We can all fall into thinking God likes what we happen to
do, and then look down on other ways of doing it. But we must not equate our
personal financial decisions with godliness and use them as a yardstick by
which to judge. While we may be able to see what others are spending, we can
rarely know why. What we need is a good deal of self-awareness and honesty,
respect for other approaches, and the ability to discuss financial decisions with
straightforwardness and love. It’s worth asking ourselves questions like:

What do I consider good use of money? Why?


What in my background or personality shapes my use of money?
Whom do I look down on for their use of money? Why?
Where am I proud or self-righteous concerning finances?

What’s the positive side of the coin? Simply that it’s possible God does like my
approach because I’ve tried to be an honest and generous and self-aware
steward. Of course, this should mean I acknowledge that God can like other
people’s approach as much as I prefer mine.

3. God Prefers Financial Independence


Does the Lord approve of the hardworking man or woman who pays his or
her own way through life?

We should begin by saying yes. God approves of hard work, and people should
earn their own living (2 Thess. 3:10
(https://www.esv.org/2%20Thess.%203%3A10/)). You can probably tell there’s a
“but” coming. Yes, God approves of us working and earning, but not without
the right attitude. In many cultures, paying your own way is assumed or
admired. The person who starts his own business and finds success is revered.
He’s “self-made.”

It’s not the success that’s the problem; it’s the view of how the world works. All
we have comes from God in the first place: our time, our energy, our gifts, the
natural resources we work with, the power we use—everything. There is no such
thing, therefore, as financial independence. Whether we recognize it or not, we
https://www.thegospelcoalition.org/article/the-one-ingredient-essential-to-biblical-manhood/ 6/7
08/03/2019 O único ingrediente essencial para a masculinidade bíblica

always depend on God. As David prayed, “Everything comes from you, and we
have given you only what comes from your hand” (1 Chron. 29:14
(https://www.esv.org/1%20Chron.%2029%3A14/)).

Everything we have is from God’s hand, not merely earned by ours. Anything
we possess is from him, and anything we give him we’re only giving back. We’re
never self-made.

So, yes, God does like us to work and earn, and not depend on others if
possible. But we must never start to feel we don’t depend on God.

Finding True Joy


Wrong thinking always leads to wrong living. It’s as true with money as with
anything else.

But wonderfully, the opposite is true, too: right thinking leads to right living.
And when we get our thinking about money right—when we grasp what
God does say about money—we can find true joy.

Editors’ note: A version of this article appeared


(http://www.premierchristianity.com/Past-Issues/2016/January-2016/6-things-
the-Bible-doesn-t-say-about-money) in Premier Christianity.

Graham Beynon is minister of Grace Church Cambridge, UK, and on staff of


Oakhill Theological College. He is the author of Money Counts: How to Handle
Money in Your Heart and with Your Hands.

TAGS
BIBLICAL THEOLOGY • GIVING • MONEY • SANCTIFICATION AND GROWTH

https://www.thegospelcoalition.org/article/the-one-ingredient-essential-to-biblical-manhood/ 7/7