Você está na página 1de 31

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

1º CICLO

4º ANO DE ESCOLARIDADE

MATEMÁTICA
DOMÍNIOS/ OBJETIVOS DESCRITORES/ NÍVEIS DE
SUBDOMÍNIOS PERFIS DE DESEMPENHO DESEMPENHO
Contar Reconhecer, sem falhas, que se poderia prosseguir a 5
Números e contagem indefinidamente introduzindo regras de
Operações construção análogas às utilizadas para a contagem
até um milhão.
Reconhecer com facilidade que se poderia prosseguir 4
a contagem indefinidamente introduzindo regras de
construção análogas às utilizadas para a contagem
até um milhão.
Reconhecer que se poderia prosseguir a 3
contagem indefinidamente introduzindo regras de
Números naturais construção análogas às utilizadas para a
contagem até um milhão.

Reconhecer com falhas muito significativas que se 2


poderia prosseguir a contagem indefinidamente
introduzindo regras de construção análogas às
utilizadas para a contagem até um milhão.

Não reconhecer que se poderia prosseguir a 1


contagem indefinidamente introduzindo regras de
construção análogas às utilizadas para a contagem
até um milhão.

Saber, sem apresentar falhas, que o termo «bilião» e 5


termos idênticos noutras línguas têm significados
distintos em
diferentes países, designando um milhão de milhões
em Portugal e noutros países europeus e um
milhar de milhões no Brasil (bilhão) e nos EUA
(billion), por exemplo.
Saber muitas vezes que o termo «bilião» e termos 4
idênticos noutras línguas têm significados distintos
em diferentes países, designando um milhão de
milhões em Portugal e noutros países europeus e um
milhar de milhões no Brasil (bilhão) e nos EUA
(billion), por exemplo.
Saber que o termo «bilião» e termos idênticos 3
noutras línguas têm significados distintos em
diferentes países, designando um milhão de
milhões em Portugal e noutros países europeus e
um
milhar de milhões no Brasil (bilhão) e nos EUA
(billion), por exemplo.
Saber com falhas muito significativas que o termo 2
«bilião» e termos idênticos noutras línguas têm
significados distintos em diferentes países,
designando um milhão de milhões em Portugal e
noutros países europeus e um milhar de milhões no
Brasil (bilhão) e nos EUA (billion), por exemplo.
Não saber que o termo «bilião» e termos idênticos 1
noutras línguas têm significados distintos em
diferentes países, designando um milhão de milhões
em Portugal e noutros países europeus e um milhar
de milhões no Brasil (bilhão) e nos EUA (billion), por
exemplo.
Efetuar Efetuar, sem apresentar falhas, divisões inteiras com 5
divisões dividendos de três algarismos e divisores de dois
inteiras algarismos, nos casos em que o dividendo é menor
que 10 vezes o divisor, começando por construir uma
tabuada do divisor constituída pelos produtos com os
números de 1 a 9 a e apresentar o resultado com a
disposição usual do algoritmo.
Efetuar, com bastante facilidade divisões inteiras com 4
dividendos de três algarismos e divisores de dois
algarismos, nos casos em que o dividendo é menor
que 10 vezes o divisor, começando por construir uma
tabuada do divisor constituída pelos produtos com os
números de 1 a 9 a e apresentar o resultado com a
disposição usual do algoritmo.

Efetuar divisões inteiras com dividendos de três 3


algarismos e divisores de dois algarismos, nos
casos em que o dividendo é menor que 10 vezes
o divisor, começando por construir uma tabuada
do divisor constituída pelos produtos com os
números de 1 a 9 a e apresentar o resultado com
a disposição usual do algoritmo.

Efetuar com falhas muito significativas divisões 2


inteiras com dividendos de três algarismos e divisores
de dois algarismos, nos casos em que o dividendo é
menor que 10 vezes o divisor, começando por
construir uma tabuada do divisor constituída pelos
produtos com os números de 1 a 9 a e apresentar o
resultado com a disposição usual do algoritmo.
Não efetuar divisões inteiras com dividendos de três 1
algarismos e divisores de dois algarismos, nos casos
em que o dividendo é menor que 10 vezes o divisor,
começando por construir uma tabuada do divisor
constituída pelos produtos com os números de 1 a 9
a e apresentar o resultado com a disposição usual do
algoritmo.

Efetuar, sem apresentar falhas, divisões inteiras com 5


dividendos de três algarismos e divisores de dois
algarismos, nos casos em que o dividendo é menor
que 10 vezes o divisor, utilizando o algoritmo, ou
seja, determinando os algarismos do resto sem
calcular previamente o produto do quociente pelo
divisor.
Efetuar, com muita correção, divisões inteiras com 4
dividendos de três algarismos e divisores de dois
algarismos, nos casos em que o dividendo é menor
que 10 vezes o divisor, utilizando o algoritmo, ou
seja, determinando os algarismos do resto sem
calcular previamente o produto do quociente pelo
divisor.
2. Efetuar divisões inteiras com dividendos de 3
três algarismos e divisores de dois algarismos,
nos casos em que o dividendo é menor que 10
vezes o divisor, utilizando o algoritmo, ou seja,
determinando os algarismos do resto sem
calcular previamente o produto do quociente pelo
divisor.
Efetuar, com falhas muito significativas, divisões 2
inteiras com dividendos de três
algarismos e divisores de dois algarismos, nos casos
em que o dividendo é menor que 10 vezes o divisor,
utilizando o algoritmo, ou seja, determinando os
algarismos do resto sem calcular previamente o
produto do quociente pelo divisor.
Não efetuar divisões inteiras com dividendos de três 1
algarismos e divisores de dois algarismos, nos casos
em que o dividendo é menor que 10 vezes o divisor,
utilizando o algoritmo, ou seja, determinando os
algarismos do resto sem calcular previamente o
produto do quociente pelo divisor.

Efetuar, sem falhas, divisões inteiras com dividendos 5


de dois algarismos e divisores de um algarismo, nos
casos em que o número de dezenas do dividendo é
superior ou igual ao divisor, utilizando o algoritmo.
Efetuar, com muita correção, divisões inteiras com 4
dividendos de dois algarismos e divisores de um
algarismo, nos casos em que o número de dezenas
Números do dividendo é superior ou igual ao divisor, utilizando
racionais não o algoritmo.
negativos Efetuar divisões inteiras com dividendos de dois 3
algarismos e divisores de um algarismo, nos
casos em que o número de dezenas do dividendo
é superior ou igual ao divisor, utilizando o
algoritmo.
Efetuar com falhas muito significativas divisões 2
inteiras com dividendos de dois algarismos e
divisores de um algarismo, nos casos em que o
número de dezenas do dividendo é superior ou igual
ao divisor, utilizando o algoritmo.
Não efetuar divisões inteiras com dividendos de dois 1
algarismos e divisores de um algarismo, nos casos
em que o número de dezenas do dividendo é superior
ou igual ao divisor, utilizando o algoritmo.
Efetuar, sem apresentar falhas, divisões inteiras 5
utilizando o algoritmo.
Efetuar com muita correção divisões inteiras 4
utilizando o algoritmo.

Efetuar divisões inteiras utilizando o algoritmo. 3


Efetuar com falhas muito significativas divisões 2
inteiras utilizando o algoritmo.
Não efetuar divisões inteiras utilizando o algoritmo. 1
Identificar, sem falhas, os divisores de um número 5
natural até 100.
Identificar os divisores de um número natural até 100, 4
com facilidade.
Identificar os divisores de um número natural até 3
100.
Identificar com falhas muito significativas os divisores 2
de um número natural até 100.
Não identificar os divisores de um número natural até 1
100.
Resolver Resolver, sem apresentar falhas, problemas de 5
problemas vários passos envolvendo as quatro operações.
Resolver muitas vezes problemas de vários passos 4
envolvendo as quatro operações.
Resolver problemas de vários passos 3
envolvendo as quatro operações.
Resolver com falhas muito significativas, problemas 2
de vários passos envolvendo as quatro operações.
Não resolver problemas de vários passos 1
envolvendo as quatro operações.
Reconhecer, sem apresentar falhas, que 5
Simplificar multiplicando o numerador e o denominador de uma
frações dada fração pelo mesmo número natural se obtém
uma fração equivalente.
Reconhecer, muitas vezes, que multiplicando o 4
numerador e o denominador de uma dada fração pelo
mesmo número natural se obtém uma fração
equivalente.
Reconhecer que multiplicando o numerador e o 3
denominador de uma dada fração pelo mesmo
número natural se obtém uma fração equivalente.
Reconhecer com falhas muito significativas que 2
multiplicando o numerador e o denominador de uma
dada fração pelo mesmo número natural se obtém
uma fração equivalente.
Não reconhecer que multiplicando o numerador e o 1
denominador de uma dada fração pelo mesmo
número natural se obtém uma fração equivalente.
Simplificar, sem falhas, frações nos casos em que o 5
numerador e o denominador pertençam
simultaneamente à tabuada do 2 ou do 5 ou sejam
ambos múltiplos de 10.
Simplificar, muitas vezes, frações nos casos em que 4
o numerador e o denominador pertençam
simultaneamente à tabuada do 2 ou do 5 ou sejam
ambos múltiplos de 10.
Simplificar frações nos casos em que o 3
numerador e o denominador pertençam
simultaneamente à tabuada do 2 ou do 5 ou sejam
ambos múltiplos de 10.
Simplificar, com falhas muito significativas, frações 2
nos casos em que o numerador e o denominador
pertençam simultaneamente à tabuada do 2 ou do 5
ou sejam ambos múltiplos de 10.
Não simplificar frações nos casos em que o 1
numerador e o denominador pertençam
simultaneamente à tabuada do 2 ou do 5 ou sejam
ambos múltiplos de 10.
Multiplicar e Estender, sem falhas, dos naturais a todos os 5
dividir racionais não negativos a identificação do produto de
números um número q por um número natural n como a soma
racionais não de parcelas iguais a q , se n > 1 , como o próprio q se
negativos n=1 e representá-lo por n X q e q X n.
Estender, muitas vezes, dos naturais a todos os 4
racionais não negativos a identificação do produto de
um número q por um número natural n como a soma
de parcelas iguais a q , se n > 1 , como o próprio q se
n=1 e representá-lo por n X q e q X n.
Estender dos naturais a todos os racionais não 3
negativos a identificação do produto de um
número q por um número natural n como a soma
de parcelas iguais a q , se
n > 1 , como o próprio q se n =1 e representá-lo
por n X q e q X n.
Estender, com falhas muito significativas, dos 2
naturais a todos os racionais não negativos a
identificação do produto de um número q por um
número natural n como a soma de parcelas iguais a q
, se n > 1 , como o próprio q se n=1 e representá-lo
por n X q e
q X n.
Não estender dos naturais a todos os racionais não 1
negativos a identificação do produto de um número q
por um número natural n como a soma de parcelas
iguais a q , se n > 1 , como o próprio q se n=1 e
representá-lo por n X q e
q X n.
5
Reconhecer, sem falhas que n x = e que, em

particular b x =a sendo n, a e b números naturais.


4
Reconhecer muitas vezes que n x = e que,

em particular b x =a sendo n, a e b números


naturais.
3
Reconhecer que n x = e que, em particular

b x =a sendo n, a e b números naturais.


Reconhecer, com falhas muito significativas, que n x 2

= e que, em particular b x =a sendo n, a e


b números naturais.
1
Não reconhecer que n x = e que, em

particular b x =a sendo n, a e b números naturais.


Sem apresentar falhas, estender dos naturais a todos 5
os racionais não negativos a identificação do
quociente de um número por outro como o número
cujo produto pelo divisor é igual ao dividendo e
utilizar o símbolo «:» na representação desse
resultado.
Estender muitas vezes dos naturais a todos os 4
racionais não negativos a identificação do quociente
de um número por outro como o número cujo produto
pelo divisor é igual ao dividendo e utilizar o símbolo
«:» na representação desse resultado.
Estender dos naturais a todos os racionais não 3
negativos a identificação do quociente de um
número por outro como o número cujo produto
pelo divisor é igual ao dividendo e utilizar o
símbolo «:» na representação desse resultado.
Estender, com falhas muito significativas, dos 2
naturais a todos os racionais não negativos a
identificação do quociente de um número por outro
como o número cujo produto pelo divisor é igual ao
dividendo e utilizar o símbolo «:» na representação
desse resultado.
Não estender dos naturais a todos os racionais não 1
negativos a identificação do quociente de um número
por outro como o número cujo produto pelo divisor é
igual ao dividendo e utilizar o símbolo «:» na
representação desse resultado.
5
Reconhecer, sem falhas, que a:b = = a x
(sendo a e b números naturais).
4
Reconhecer muitas vezes, que a:b = = a x
(sendo a e b números naturais).
3
Reconhecer que a:b = = a x (sendo a e b
números naturais).
Reconhecer, com falhas muito significativas, que a:b 2

= =ax (sendo a e b números naturais).


1
Não reconhecer que a:b = =ax (sendo a e b
números naturais).
5
Reconhecer, sem falhas, que :n= (sendo
n, a e b números naturais).
4
Reconhecer, com bastante correção, que : n =

(sendo n, a e b números naturais).


3
Reconhecer que : n = (sendo n, a e b
números naturais).
2
Reconhecer, com falhas muito significativas, que :

n= (sendo n, a e b números naturais).


1
Não reconhecer que : n = (sendo n, a e b
números naturais).
Sem falhas, estender dos naturais a todos os 5
racionais não negativos a identificação do produto de

um número q por (sendo n um número natural)


como o quociente de q por n , representá-lo por q x

e x q e reconhecer que o quociente de um

número racional não negativo por é igual ao


produto desse número por n.
Estender, com muita correção, dos naturais a todos 4
os racionais não negativos a identificação do produto

de um número q por (sendo n um número


natural) como o quociente de q por n , representá-lo

por q x e x q e reconhecer que o quociente de

um número racional não negativo por é igual ao


produto desse número por n.
Estender dos naturais a todos os racionais não 3
negativos a identificação do produto de um

número q por (sendo n um número natural)


como o quociente de q por n , representá-lo por q

x e x q e reconhecer que o quociente de

um número racional não negativo por é igual


ao produto desse número por n.
Estender, com falhas muito significativas, dos 2
naturais a todos os racionais não negativos a

identificação do produto de um número q por


(sendo n um número natural) como o quociente de q

por n , representá-lo por q x e x q e


reconhecer que o quociente de um número racional

não negativo por é igual ao produto desse número


por n.
Não estender dos naturais a todos os racionais não 1
negativos a identificação do produto de um número q

por (sendo n um número natural) como o

quociente de q por n , representá-lo por q x e


x q e reconhecer que o quociente de um número

racional não negativo por é igual ao produto desse


número por n.
Distinguir o quociente resultante de uma divisão 5
inteira do quociente racional de dois números
naturais.
Distinguir o quociente resultante de uma divisão 4
inteira do quociente racional de dois números
naturais.
Distinguir o quociente resultante de uma divisão 3
inteira do quociente racional de dois números
naturais.
Distinguir, com falhas muito significativas, o quociente 2
resultante de uma divisão inteira
do quociente racional de dois números naturais.
Não distinguir o quociente resultante de uma divisão 1
inteira
do quociente racional de dois números naturais.

Representar Reconhecer sem falhas que o resultado da 5


números multiplicação ou divisão de uma dízima por 10,100
racionais por ,1000 , etc. pode ser obtido deslocando a vírgula
dízimas uma, duas, três, etc. casas decimais respetivamente
para a direita ou esquerda.
Reconhecer, muitas vezes, que o resultado da 4
multiplicação ou divisão de uma dízima por 10,100
,1000 , etc. pode ser obtido deslocando a vírgula
uma, duas, três, etc. casas decimais respetivamente
para a direita ou esquerda.
Reconhecer que o resultado da multiplicação ou 3
divisão de uma dízima por 10,100 ,1000 , etc. pode
ser obtido deslocando a vírgula uma, duas, três,
etc. casas decimais respetivamente para a direita
ou esquerda.
Reconhecer, com falhas muito significativas, que o 2
resultado da multiplicação ou divisão de uma dízima
por 10,100 ,1000 , etc. pode ser obtido deslocando a
vírgula uma, duas, três, etc. casas decimais
respetivamente para a direita ou esquerda.
Não reconhecer que o resultado da multiplicação ou 1
divisão de uma dízima por 10,100 ,1000 , etc. pode
ser obtido deslocando a vírgula uma, duas, três, etc.
casas decimais respetivamente para a direita ou
esquerda.
Reconhecer, sem falhas, que o resultado da 5
multiplicação ou divisão de uma dízima por 0,1 ,0.01
,0,001 , etc. pode ser obtido deslocando a vírgula
uma, duas, três, etc. casas decimais respetivamente
para a esquerda ou direita.
Reconhecer muitas vezes que o resultado da 4
multiplicação ou divisão de uma dízima por 0,1 ,0.01
,0,001 , etc. pode ser obtido deslocando a vírgula
uma, duas, três, etc. casas decimais respetivamente
para a esquerda ou direita.
Reconhecer que o resultado da multiplicação ou 3
divisão de uma dízima por 0,1 ,0.01 ,0,001 , etc.
pode ser obtido deslocando a vírgula uma, duas,
três, etc. casas decimais respetivamente para a
esquerda ou direita.
Reconhecer, com falhas muito significativas, que o 2
resultado da multiplicação ou divisão de uma dízima
por 0,1 0,01 , 0,001 , etc. pode ser obtido deslocando
a vírgula uma, duas, três, etc. casas decimais
respetivamente para a esquerda ou direita.
Não reconhecer que o resultado da multiplicação ou 1
divisão de uma dízima por 0,1 0,01 , 0,001 , etc. pode
ser obtido deslocando a vírgula uma, duas, três, etc.
casas decimais respetivamente para a esquerda ou
direita.
Determinar, sem apresentar falhas, uma fração 5
decimal equivalente a uma dada fração de
denominador 2, 4, 5, 20, 25, ou 50, multiplicando o
numerador e o denominador pelo mesmo número
natural e representá-la na forma de dízima.
Determinar com bastante correção uma fração 4
decimal equivalente a uma dada fração de
denominador 2, 4, 5, 20, 25, ou 50, multiplicando o
numerador e o denominador pelo mesmo número
natural e representá-la na forma de dízima.
Determinar uma fração decimal equivalente a uma 3
dada fração de denominador 2, 4, 5, 20, 25, ou 50,
multiplicando o numerador e o denominador pelo
mesmo número natural e representá-la na forma
de dízima.
Determinar, com falhas muito significativas, uma 2
fração decimal equivalente a uma dada fração de
denominador 2, 4, 5, 20, 25, ou 50, multiplicando o
numerador e o denominador pelo mesmo número
natural e representá-la na forma de dízima.
Não determinar uma fração decimal equivalente a 1
uma dada fração de denominador 2, 4, 5, 20, 25, ou
50, multiplicando o numerador e o denominador pelo
mesmo número natural e representá-la na forma de
dízima.
Representar, sem falhas, por dízimas números 5
racionais dados por frações equivalentes a frações
decimais com denominador até 1000 , recorrendo ao
algoritmo da divisão inteira e posicionando
corretamente a vírgula decimal no resultado.
Representar, com bastante correção, por dízimas 4
números racionais dados por frações equivalentes a
frações decimais com denominador até 1000 ,
recorrendo ao algoritmo da divisão inteira e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
resultado.
Representar por dízimas números racionais 3
dados por frações equivalentes a frações
decimais com denominador até 1000 , recorrendo
ao algoritmo da divisão inteira e posicionando
corretamente a vírgula decimal no resultado.
Representar, com falhas muito significativas, por 2
dízimas números racionais dados por frações
equivalentes a frações decimais com denominador
até 1000 , recorrendo ao algoritmo da divisão inteira e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
resultado.
Não representar por dízimas números racionais 1
dados por frações equivalentes a frações decimais
com denominador até 1000 , recorrendo ao algoritmo
da divisão inteira e posicionando corretamente a
vírgula decimal no resultado.
Calcular, sem apresentar falhas, aproximações, na 5
forma de dízima, de números racionais representados
por frações,
recorrendo ao algoritmo da divisão inteira e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
resultado, e utilizar adequadamente as expressões
«aproximação à décima», «aproximação à
centésima» e «aproximação à milésima».
Calcular muitas vezes, aproximações, na forma de 4
dízima, de números racionais representados por
frações,
recorrendo ao algoritmo da divisão inteira e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
resultado, e utilizar adequadamente as expressões
«aproximação à décima», «aproximação à
centésima» e «aproximação à milésima».
Calcular aproximações, na forma de dízima, de 3
números racionais representados por frações,
recorrendo ao algoritmo da divisão inteira e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
resultado, e utilizar adequadamente as
expressões «aproximação à décima»,
«aproximação à centésima» e «aproximação à
milésima».
Calcular, com falhas muito significativas, 2
aproximações, na forma de dízima, de números
racionais representados por frações, recorrendo ao
algoritmo da divisão inteira e posicionando
corretamente a vírgula decimal no resultado, e utilizar
adequadamente as expressões «aproximação à
décima», «aproximação à centésima» e
«aproximação à milésima».
Não calcular aproximações, na forma de dízima, de 1
números racionais representados por frações,
recorrendo ao algoritmo da divisão inteira e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
resultado, e utilizar adequadamente as expressões
«aproximação à décima», «aproximação à
centésima» e «aproximação à milésima».
Multiplicar, sem falhas, números representados por 5
dízimas finitas utilizando o algoritmo
Multiplicar com muita correção números 4
representados por dízimas finitas utilizando o
algoritmo
Multiplicar números representados por dízimas 3
finitas utilizando o algoritmo.

Multiplicar, com falhas muito significativas, números 2


representados por dízimas finitas utilizando o
algoritmo
Não multiplicar números representados por dízimas 1
finitas utilizando o algoritmo
Dividir, sem falhas, números representados por 5
dízimas finitas utilizando o algoritmo da divisão e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
quociente e no resto.
Dividir, muitas vezes, números representados por 4
dízimas finitas utilizando o algoritmo da divisão e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
quociente e no resto.
Dividir números representados por dízimas 3
finitas utilizando o algoritmo da divisão e
posicionando corretamente a vírgula decimal no
quociente e no resto.
Dividir, com falhas muito significativas, números 2
representados por dízimas finitas utilizando o
algoritmo da divisão e posicionando corretamente a
vírgula decimal no quociente e no resto.
Não dividir números representados por dízimas finitas 1
utilizando o algoritmo da divisão e posicionando
corretamente a vírgula decimal no quociente e no
resto.
Geometria e Situar-se e Associar, sem falhas o termo «ângulo» a um par de 5
Medida GM4 situar objetos direções relativas a um mesmo observador, utilizar o
no espaço termo
Localização e «vértice do ângulo» para identificar a posição do
orientação no ponto de onde é feita a observação e utilizar
espaço corretamente a expressão «ângulo formado por duas
direções» e outras equivalentes.
Associar, com muita correção, o termo «ângulo» a 4
um par de direções relativas a um mesmo
observador, utilizar o termo
«vértice do ângulo» para identificar a posição do
ponto de onde é feita a observação e utilizar
corretamente a expressão «ângulo formado por duas
direções» e outras equivalentes.
Associar o termo «ângulo» a um par de direções 3
relativas a um mesmo observador, utilizar o termo
«vértice do ângulo» para identificar a posição do
ponto de onde é feita a observação e utilizar
corretamente a expressão «ângulo formado por
duas direções» e outras equivalentes.
Associar, com falhas muito significativas, o termo 2
«ângulo» a um par de direções relativas a um mesmo
observador, utilizar o termo
«vértice do ângulo» para identificar a posição do
ponto de onde é feita a observação e utilizar
corretamente a expressão «ângulo formado por duas
direções» e outras equivalentes.
Não associar o termo «ângulo» a um par de direções 1
relativas a um mesmo observador, utilizar o termo
«vértice do ângulo» para identificar a posição do
ponto de onde é feita a observação e utilizar
corretamente a expressão «ângulo formado por duas
direções» e outras equivalentes.
Identificar, sem falhas, ângulos em diferentes objetos 5
e desenhos.
Identificar ângulos em diferentes objetos e desenhos, 4
com muita correção.
Identificar ângulos em diferentes objetos e 3
desenhos.
Identificar, com falhas muito significativas, ângulos 2
em diferentes objetos e desenhos.
Não identificar ângulos em diferentes objetos e 1
desenhos.
5
Identificar, sem falhas, «ângulos com a mesma
amplitude» utilizando deslocamentos de objetos
rígidos com três pontos fixados.
Identificar muitas vezes, «ângulos com a mesma 4
amplitude» utilizando deslocamentos de objetos
rígidos com três pontos fixados.
Identificar «ângulos com a mesma amplitude» 3
utilizando deslocamentos de objetos rígidos com
três pontos fixados.
Identificar, com falhas muito significativas, «ângulos 2
com a mesma amplitude» utilizando deslocamentos
de objetos rígidos com três pontos fixados.
Não identificar «ângulos com a mesma amplitude» 1
utilizando deslocamentos de objetos rígidos com três
pontos fixados.
Reconhecer sem falhas como ângulos os pares de 5
direções associados respetivamente à meia volta e
ao quarto
de volta.
Figuras
geométricas Reconhecer com bastante correção como ângulos os 4
pares de direções associados respetivamente à meia
volta e ao quarto
de volta.
Reconhecer como ângulos os pares de direções 3
associados respetivamente à meia volta e ao
quarto
de volta.
Reconhecer, com falhas muito significativas, como 2
ângulos os pares de direções associados
respetivamente à meia volta e ao quarto
de volta.

Não reconhecer como ângulos os pares de direções 1


associados respetivamente à meia volta e ao quarto
de volta.

Identificar, sem falhas, as semirretas ȮA situadas 5


Identificar e entre duas semirretas ȮA e ȮB não colineares
comparar como as de origem O que intersetam o segmento de
ângulos reta [AB ].
Identificar muitas vezes as semirretas ȮA situadas 4
entre duas semirretas ȮA e ȮB não colineares
como as de origem O que intersetam o segmento de
reta [AB ].
Identificar as semirretas ȮA situadas entre duas 3
semirretas ȮA e ȮB não colineares como as de
origem O que intersetam o segmento de reta [AB
].

Identificar, com falhas muito significativas, as 2


semirretas ȮA situadas entre duas semirretas ȮA e
ȮB não colineares como as de origem O que
intersetam o segmento de reta [AB ].
Não identificar as semirretas ȮA situadas entre duas 1
semirretas ȮA e ȮB não colineares como as de
origem O que intersetam o segmento de reta [AB ].

Identificar, sem falhas, um ângulo convexo AOB de 5


vértice O (A O, e B pontos não colineares) como o
conjunto de pontos pertencentes às semirretas
situadas entre ȮA e ȮB .

Identificar, com muita correção, um ângulo convexo 4


AOB de vértice O (A O, e B pontos não colineares)
como o conjunto de pontos pertencentes às
semirretas situadas entre ȮA e ȮB .

Identificar um ângulo convexo AOB de vértice O 3


(A O, e B pontos não colineares) como o conjunto
de pontos pertencentes às semirretas situadas
entre ȮA e ȮB .
Identificar, com falhas muito significativas, um ângulo 2
convexo AOB de vértice O (A O, e B pontos não
colineares) como o conjunto de pontos pertencentes
às semirretas situadas entre ȮA e ȮB .
Não identificar um ângulo convexo AOB de vértice O
(A O, e B pontos não colineares) como o conjunto de 1
pontos pertencentes às semirretas situadas entre ȮA
e ȮB .
Identificar, sem falhas, dois ângulos convexos AOB e 5
COD como verticalmente opostos quando as
semirretas ȮA e ȮB são respetivamente opostas a
ȮC e ȮD ou a ȮD e ȮC.
Identificar com bastante correção dois ângulos 4
convexos AOB e COD como verticalmente opostos
quando as semirretas ȮA e ȮB são respetivamente
opostas a ȮC e ȮD ou a ȮD e ȮC.
Identificar dois ângulos convexos AOB e COD 3
como verticalmente opostos quando as
semirretas ȮA e ȮB são respetivamente opostas
a ȮC e ȮD ou a ȮD e ȮC.

Identificar, com falhas muito significativas, dois 2


ângulos convexos AOB e COD como verticalmente
opostos quando as semirretas ȮA e ȮB são
respetivamente opostas a ȮC e ȮD ou a ȮD e ȮC.
Não identificar dois ângulos convexos AOB e COD 1
como verticalmente opostos quando as semirretas
ȮA e ȮB são respetivamente opostas a ȮC e ȮD
ou a ȮD e ȮC.
Identificar, sem falhas, um semiplano como cada uma 5
das partes em que fica dividido um plano por uma
reta
nele fixada.
Identificar, com bastante correção, um semiplano 4
como cada uma das partes em que fica dividido um
plano por uma reta nele fixada.
Identificar um semiplano como cada uma das 3
partes em que fica dividido um plano por uma reta
nele fixada.
Identificar, com falhas muito significativas, um 2
semiplano como cada uma das partes em que fica
dividido um plano por uma reta nele fixada.
Não identificar um semiplano como cada uma das 1
partes em que fica dividido um plano por uma reta
nele fixada.
Identificar, sem falhas, um ângulo côncavo AOB de 5
vértice O (A, O e B pontos não colineares) como o
conjunto complementar, no plano, do respetivo
ângulo
convexo unido com as semirretas ȮA e ȮB .
Identificar, muita correção um ângulo côncavo AOB 4
de vértice O (A, O e B pontos não colineares) como o
conjunto complementar, no plano, do respetivo
ângulo
convexo unido com as semirretas ȮA e ȮB .
Identificar um ângulo côncavo AOB de vértice O 3
(A, O e B pontos não colineares) como o conjunto
complementar, no plano, do respetivo ângulo
convexo unido com as semirretas ȮA e ȮB .

Identificar , com falhas muito significativas, um ângulo 2


côncavo AOB de vértice O (A, O e B pontos não
colineares) como o conjunto complementar, no plano,
do respetivo ângulo
convexo unido com as semirretas ȮA e ȮB .
Não identificar um ângulo côncavo AOB de vértice O 1
(A, O e B pontos não colineares) como o conjunto
complementar, no plano, do respetivo ângulo
convexo unido com as semirretas ȮA e ȮB .
Identificar, sem falhas, dados três pontos A,O e B não 5
colineares, «ângulo AOB» como uma designação do
ângulo convexo AOB , salvo indicação em contrário.
Identificar, com bastante correção, dados três pontos 4
A,O e B não colineares, «ângulo AOB» como uma
designação do ângulo convexo AOB , salvo indicação
em contrário.
Identificar, dados três pontos A,O e B não 3
colineares, «ângulo AOB» como uma designação
do ângulo convexo AOB , salvo indicação em
contrário.
Não identificar, dados três pontos A,O e B não 1
colineares, «ângulo AOB» como uma designação do
ângulo convexo AOB , salvo indicação em contrário.
Designar, sem falhas, uma semirreta ȮA que passa 5
por um ponto B por «ângulo AOB de vértice » e referi-
la como «ângulo nulo».
Designar, com bastante correção, uma semirreta ȮA 4
que passa por um ponto B por «ângulo AOB de
vértice » e referi-la como «ângulo nulo».
Designar uma semirreta ȮA que passa por um 3
ponto B por «ângulo AOB de vértice » e referi-la
como «ângulo nulo».
Designar, com falhas muito significativas, uma 2
semirreta ȮA que passa por um ponto B por «ângulo
AOB de vértice » e referi-la como «ângulo nulo».
Não designar uma semirreta ȮA que passa por um 1
ponto B por «ângulo AOB de vértice » e referi-la
como «ângulo nulo».

Associar, sem falhas, um ângulo raso a um 5


semiplano e a um par de semirretas opostas que o
delimitam e designar por vértice deste ângulo a
origem comum das semirretas.
Associar, com bastante correção, um ângulo raso a 4
um semiplano e a um par de semirretas opostas que
o delimitam e designar por vértice deste ângulo a
origem comum das semirretas.
Associar um ângulo raso a um semiplano e a um 3
par de semirretas opostas que o delimitam e
designar por vértice deste ângulo a origem
comum das semirretas.
Associar, com falhas muito significativas, um ângulo 2
raso a um semiplano e a um par de semirretas
opostas que o delimitam e designar por vértice deste
ângulo a origem comum das semirretas.
Não associar um ângulo raso a um semiplano e a um 1
par de semirretas opostas que o delimitam e designar
por vértice deste ângulo a origem comum das
semirretas.
Associar, sem falhas, um ângulo giro a um plano e a 5
uma semirreta nele fixada e designar por vértice
deste ângulo a origem da semirreta.
Associar, com bastante correção, um ângulo giro a 4
um plano e a uma semirreta nele fixada e designar
por vértice deste ângulo a origem da semirreta.
Associar um ângulo giro a um plano e a uma 3
semirreta nele fixada e designar por vértice deste
ângulo a origem da semirreta.
Associar, com falhas muito significativas, um ângulo 2
giro a um plano e a uma semirreta nele fixada e
designar por vértice deste ângulo a origem da
semirreta.
Não associar um ângulo giro a um plano e a uma 1
semirreta nele fixada e designar por vértice deste
ângulo a origem da semirreta.
Utilizar corretamente e sem falhas o termo «lado de 5
um ângulo».
Utilizar, com bastante correção, o termo «lado de um 4
ângulo».
Utilizar corretamente o termo «lado de um 3
ângulo».
Utilizar, com falhas muito significativas, o termo «lado 2
de um ângulo».
Não utilizar o termo «lado de um ângulo». 1
Reconhecer, sem falhas, dois ângulos, ambos 5
convexos ou ambos côncavos, como tendo a mesma
amplitude marcando pontos equidistantes dos
vértices nos lados correspondentes de cada um dos
ângulos e verificando que são iguais os segmentos
de reta determinados por cada par de pontos assim
fixado em cada ângulo, e saber que ângulos com a
mesma amplitude são geometricamente iguais.
Reconhecer, muitas vezes, dois ângulos, ambos 4
convexos ou ambos côncavos, como tendo a mesma
amplitude marcando pontos equidistantes dos
vértices nos lados correspondentes de cada um dos
ângulos e verificando que são iguais os segmentos
de reta determinados por cada par de pontos assim
fixado em cada ângulo, e saber que ângulos com a
mesma amplitude são geometricamente iguais.
Reconhecer dois ângulos, ambos convexos ou 3
ambos côncavos, como tendo a mesma amplitude
marcando pontos equidistantes dos vértices nos
lados correspondentes de cada um dos ângulos e
verificando que são iguais os segmentos de reta
determinados por cada par de pontos assim
fixado em cada ângulo, e saber que ângulos com
a mesma amplitude são geometricamente iguais.

Reconhecer, com falhas muito significativas, dois 2


ângulos, ambos convexos ou ambos côncavos, como
tendo a mesma amplitude marcando pontos
equidistantes dos vértices nos lados correspondentes
de cada um dos ângulos e verificando que são iguais
os segmentos de reta determinados por cada par de
pontos assim fixado em cada ângulo, e saber que
ângulos com a mesma amplitude são
geometricamente iguais.
Não reconhecer dois ângulos, ambos convexos ou 1
ambos côncavos, como tendo a mesma amplitude
marcando pontos equidistantes dos vértices nos
lados correspondentes de cada um dos ângulos e
verificando que são iguais os segmentos de reta
determinados por cada par de pontos assim fixado
em cada ângulo, e saber que ângulos com a mesma
amplitude são geometricamente iguais.
5
Identificar, sem falhas, dois ângulos situados no
mesmo plano como «adjacentes» quando partilham
um lado e nenhum dos ângulos está contido no outro.
Identificar, muitas vezes, dois ângulos situados no 4
mesmo plano como «adjacentes» quando partilham
um lado e nenhum dos ângulos está contido no outro.
Identificar dois ângulos situados no mesmo plano 3
como «adjacentes» quando partilham um lado e
nenhum dos ângulos está contido no outro.

Identificar, com falhas muito significativas, dois 2


ângulos situados no mesmo plano como
«adjacentes» quando partilham um lado e nenhum
dos ângulos está contido no outro.

Não identificar dois ângulos situados no mesmo plano 1


como «adjacentes» quando partilham um lado e
nenhum dos ângulos está contido no outro.

Identificar, sem apresentar falhas, um ângulo como 5


tendo maior amplitude do que outro quando for
geometricamente igual à união deste com um ângulo
adjacente.

Identificar, muitas vezes, um ângulo como tendo 4


maior amplitude do que outro quando for
geometricamente igual à união deste com um ângulo
adjacente.

Identificar um ângulo como tendo maior 3


amplitude do que outro quando for
geometricamente igual à união deste com um
ângulo adjacente.

Identificar , com falhas muito significativas, um ângulo 2


como tendo maior amplitude do que outro quando for
geometricamente igual à união deste com um ângulo
adjacente.
Não identificar um ângulo como tendo maior 1
amplitude do que outro quando for geometricamente
igual à união deste com um ângulo adjacente.

Identificar, sem falhas, um ângulo como «reto» se, 5


unido com um adjacente de mesma amplitude, formar
um semiplano.
Identificar, muitas vezes, um ângulo como «reto» se, 4
unido com um adjacente de mesma amplitude, formar
um semiplano.
Identificar um ângulo como «reto» se, unido com 3
um adjacente de mesma amplitude, formar um
semiplano.

Identificar, com falhas muito significativas, um ângulo 2


como «reto» se, unido com um adjacente de mesma
amplitude, formar um semiplano.
Não identificar um ângulo como «reto» se, unido 1
com um adjacente de mesma amplitude, formar um
semiplano.
Identificar, sem falhas, um ângulo como «agudo» se 5
tiver amplitude menor do que a de um ângulo reto.
Identificar, muitas vezes, um ângulo como «agudo» 4
se tiver amplitude menor do que a de um ângulo reto.
Identificar um ângulo como «agudo» se tiver 3
amplitude menor do que a de um ângulo reto.

Identificar, com falhas muito significativas, um ângulo 2


como «agudo» se tiver amplitude menor do que a de
um ângulo reto.
Não identificar um ângulo como «agudo» se tiver 1
amplitude menor do que a de um ângulo reto.
Identificar, sem falhas, um ângulo convexo como 5
«obtuso» se tiver amplitude maior do que a de um
ângulo reto.
Identificar, com bastante correção, um ângulo 4
convexo como «obtuso» se tiver amplitude maior do
que a de um ângulo reto.
Identificar um ângulo convexo como «obtuso» se 3
tiver amplitude maior do que a de um ângulo reto.

Identificar, com falhas muito significativas, um ângulo 2


convexo como «obtuso» se tiver amplitude maior do
que a de um ângulo reto.
Não identificar um ângulo convexo como «obtuso» se 1
tiver amplitude maior do que a de um ângulo reto.

Reconhecer, sem falhas, ângulos retos, agudos, 5


obtusos, convexos e côncavos em desenhos e
objetos e saber representá-los.
Reconhecer, com bastante correção, ângulos retos, 4
agudos, obtusos, convexos e côncavos em desenhos
e objetos e saber representá-los.
Reconhecer ângulos retos, agudos, obtusos, 3
convexos e côncavos em desenhos e objetos e
saber representá-los.
Reconhecer, com falhas muito significativas, ângulos 2
retos, agudos, obtusos, convexos e côncavos em
desenhos e objetos e saber representá-los.
Não reconhecer ângulos retos, agudos, obtusos, 1
convexos e côncavos em desenhos e objetos e saber
representá-los.
Reconhecer Reconhecer sem falhas que duas retas são 5
propriedades perpendiculares quando formam um ângulo reto e
geométricas saber que nesta situação os restantes três ângulos
formados são igualmente retos.
Reconhecer com bastante correção que duas retas 4
são perpendiculares quando formam um ângulo reto
e saber que nesta situação os restantes três ângulos
formados são igualmente retos.
Reconhecer que duas retas são perpendiculares 3
quando formam um ângulo reto e saber que nesta
situação os restantes três ângulos formados são
igualmente retos.
Não reconhecer que duas retas são perpendiculares 1
quando formam um ângulo reto e saber que nesta
situação os restantes três ângulos formados são
igualmente retos.
Designar, sem falhas, por «retas paralelas» retas em 5
determinado plano que não se intersetam e como
«retas concorrentes» duas retas que se intersetam
exatamente num ponto.
Designar, com bastante correção, por «retas 4
paralelas» retas em determinado plano que não se
intersetam e como «retas concorrentes» duas retas
que se intersetam exatamente num ponto.
Designar por «retas paralelas» retas em 3
determinado plano que não se intersetam e como
«retas
concorrentes» duas retas que se intersetam
exatamente num ponto.
Designar, com falhas muito significativas, por «retas 2
paralelas» retas em determinado plano que não se
intersetam e como «retas concorrentes» duas retas
que se intersetam exatamente num ponto.
Não designar, por «retas paralelas» retas em 1
determinado plano que não se intersetam e como
«retas concorrentes» duas retas que se intersetam
exatamente num ponto.
Saber sem falhas, que retas com dois pontos em 5
comum são coincidentes.
Saber, com bastante correção, que retas com dois 4
pontos em comum são coincidentes.
Saber que retas com dois pontos em comum são 3
coincidentes.
Saber, com falhas muito significativas, que retas com 2
dois pontos em comum são coincidentes.
Não saber que retas com dois pontos em comum são 1
coincidentes.
Efetuar sem falhas, representações de retas 5
paralelas e concorrentes, e identificar retas não
paralelas que não se intersetam.
Efetuar, com bastante correção, representações de 4
retas paralelas e concorrentes, e identificar retas não
paralelas que não se intersetam.
Efetuar representações de retas paralelas e 3
concorrentes, e identificar retas não paralelas que
não se intersetam.
Efetuar, com falhas muito significativas, 2
representações de retas paralelas e concorrentes, e
identificar retas não paralelas que não se intersetam.
Não efetuar representações de retas paralelas e 1
concorrentes, e identificar retas não paralelas que
não se intersetam.
Identificar, sem falhas, os retângulos como os 5
quadriláteros cujos ângulos são retos.
Identificar, com bastante correção, os retângulos 4
como os quadriláteros cujos ângulos são retos.
Identificar os retângulos como os quadriláteros 3
cujos ângulos são retos.
Identificar, com falhas muito significativas, os 2
retângulos como os quadriláteros cujos ângulos são
retos.
Não identificar os retângulos como os quadriláteros 1
cujos ângulos são retos.
Designar, sem falhas, por «polígono regular» um 5
polígono de lados e ângulos iguais.
Designar, com bastante correção, por «polígono 4
regular» um polígono de lados e ângulos iguais.
Designar por «polígono regular» um polígono de 3
lados e ângulos iguais.
Designar, com falhas muito significativas, por 2
«polígono regular» um polígono de lados e ângulos
iguais.
Não designar por «polígono regular» um polígono de 1
lados e ângulos iguais.
Saber, sem falhas, que dois polígonos são 5
geometricamente iguais quando tiverem os lados
e os ângulos correspondentes geometricamente
iguais.
Saber com bastante correção, que dois polígonos são 4
geometricamente iguais quando tiverem os lados
e os ângulos correspondentes geometricamente
iguais.
Saber que dois polígonos são geometricamente 3
iguais quando tiverem os lados e os ângulos
correspondentes geometricamente iguais.
Saber, com falhas muito significativas, que dois 2
polígonos são geometricamente iguais quando
tiverem os lados e os ângulos correspondentes
geometricamente iguais.
Não saber que dois polígonos são geometricamente 1
iguais quando tiverem os lados e os ângulos
correspondentes geometricamente iguais.
Identificar, sem falhas os paralelepípedos retângulos 5
como os poliedros de seis faces retangulares e
designar por «dimensões» os comprimentos de três
Medida arestas concorrentes num vértice.
Identificar, com bastante correção os paralelepípedos 4
retângulos como os poliedros de seis faces
retangulares e designar por «dimensões» os
comprimentos de três arestas concorrentes num
vértice.
Identificar os paralelepípedos retângulos como os 3
poliedros de seis faces retangulares e designar
por «dimensões» os comprimentos de três
arestas concorrentes num vértice.
Identificar, com falhas muito significativas, os 2
paralelepípedos retângulos como os poliedros de seis
faces retangulares e designar por «dimensões» os
comprimentos de três arestas concorrentes num
vértice.
Não identificar os paralelepípedos retângulos como 1
os poliedros de seis faces retangulares e designar
por «dimensões» os comprimentos de três arestas
concorrentes num vértice.
Designar, sem falhas, por «planos paralelos» dois 5
planos que não se intersetam.
Designar, com bastante correção, por «planos 4
paralelos» dois planos que não se intersetam.
Designar por «planos paralelos» dois planos que 3
não se intersetam.
Designar, com falhas muito significativas, por «planos 2
paralelos» dois planos que não se intersetam.
Não designar por «planos paralelos» dois planos que 1
não se intersetam.
Identificar, sem falhas, prismas triangulares retos 5
como poliedros com cinco faces, das quais duas são
triangulares e as restantes três retangulares, sabendo
que as faces triangulares são paralelas.
Identificar, com bastante correção, prismas 4
triangulares retos como poliedros com cinco faces,
das quais duas são triangulares e as restantes três
retangulares, sabendo que as faces triangulares são
paralelas.
Identificar prismas triangulares retos como 3
poliedros com cinco faces, das quais duas são
triangulares e as restantes três retangulares,
sabendo que as faces triangulares são paralelas.
Identificar, com falhas muito significativas, prismas 2
triangulares retos como poliedros com cinco faces,
das quais duas são triangulares e as restantes três
retangulares, sabendo que as faces triangulares são
paralelas.
Não identificar prismas triangulares retos como 1
poliedros com cinco faces, das quais duas são
triangulares e as restantes três retangulares, sabendo
que as faces triangulares são paralelas.
Decompor sem falhas, o cubo e o paralelepípedo 5
retângulo em dois prismas triangulares retos.
Decompor, com bastante correção, o cubo e o 4
paralelepípedo retângulo em dois prismas
triangulares retos.
Decompor o cubo e o paralelepípedo retângulo 3
em dois prismas triangulares retos.
Decompor, com falhas muito significativas, o cubo e o 2
paralelepípedo retângulo em dois prismas
triangulares retos.
Não decompor o cubo e o paralelepípedo retângulo 1
em dois prismas triangulares retos.
Identificar, sem falhas prismas retos como poliedros 5
com duas faces geometricamente iguais situadas
respetivamente em dois planos paralelos e as
restantes retangulares e reconhecer os cubos e os
demais paralelepípedos retângulos como prismas
retos.
Identificar, com bastante correção, prismas retos 4
como poliedros com duas faces geometricamente
iguais situadas respetivamente em dois planos
paralelos e as restantes retangulares e reconhecer os
cubos e os demais paralelepípedos retângulos como
prismas retos.
Identificar prismas retos como poliedros com 3
duas faces geometricamente iguais situadas
respetivamente em dois planos paralelos e as
restantes retangulares e reconhecer os cubos e
os demais paralelepípedos retângulos como
prismas retos.
Identificar, com falhas muito significativas, prismas 2
retos como poliedros com duas faces
geometricamente iguais situadas respetivamente em
dois planos paralelos e as restantes retangulares e
reconhecer os cubos e os demais paralelepípedos
retângulos como prismas retos.
Não identificar prismas retos como poliedros com 1
duas faces geometricamente iguais situadas
respetivamente em dois planos paralelos e as
restantes retangulares e reconhecer os cubos e os
demais paralelepípedos retângulos como prismas
retos.
Relacionar, sem falhas, cubos, paralelepípedos 5
retângulos e prismas retos com as respetivas
planificações.
Relacionar, com bastante correção, cubos, 4
paralelepípedos retângulos e prismas retos com as
respetivas planificações.
Relacionar cubos, paralelepípedos retângulos e 3
prismas retos com as respetivas planificações.
Não relacionar cubos, paralelepípedos retângulos e 1
prismas retos com as respetivas planificações.
Reconhecer, sem falhas, pavimentações do plano por 5
triângulos, retângulos e hexágonos, identificar as que
utilizam apenas polígonos regulares e reconhecer
que o plano pode ser pavimentado de outros modos.
Reconhecer, com bastante correção, pavimentações 4
do plano por triângulos, retângulos e hexágonos,
identificar as que utilizam apenas polígonos regulares
e reconhecer que o plano pode ser pavimentado de
outros modos.
Reconhecer pavimentações do plano por 3
triângulos, retângulos e hexágonos, identificar as
que utilizam apenas polígonos regulares e
reconhecer que o plano pode ser pavimentado de
outros modos.
Reconhecer, com falhas muito significativas, 2
pavimentações do plano por triângulos, retângulos e
hexágonos, identificar as que utilizam apenas
polígonos regulares e reconhecer que o plano pode
ser pavimentado de outros modos.
Não reconhecer pavimentações do plano por 1
triângulos, retângulos e hexágonos, identificar as que
utilizam apenas polígonos regulares e reconhecer
que o plano pode ser pavimentado de outros modos.

Construir, sem falhas, pavimentações triangulares a 5


partir de pavimentações hexagonais (e vice-versa) e
pavimentações triangulares a partir de
pavimentações retangulares.
Construir, com bastante correção pavimentações 4
triangulares a partir de pavimentações hexagonais (e
vice-versa) e pavimentações triangulares a partir de
pavimentações retangulares.
Construir pavimentações triangulares a partir de 3
pavimentações hexagonais (e vice-versa) e
pavimentações triangulares a partir de
pavimentações retangulares.
Construir, com falhas muito significativas, 2
pavimentações triangulares a partir de
pavimentações hexagonais (e vice-versa) e
pavimentações triangulares a partir de
pavimentações retangulares.

Não construir pavimentações triangulares a partir de 1


pavimentações hexagonais (e vice-versa) e
pavimentações triangulares a partir de
pavimentações retangulares.

Reconhecer sem falhas que a área de um quadrado 5


Medir com um decímetro de lado (decímetro quadrado) é
comprimentos igual à
e áreas centésima parte do metro quadrado e relacionar as
diferentes unidades de área do sistema métrico.
Reconhecer com bastante correção , que a área de 4
um quadrado com um decímetro de lado (decímetro
quadrado) é igual à centésima parte do metro
quadrado e relacionar as diferentes unidades de área
do sistema métrico.
Reconhecer que a área de um quadrado com um 3
decímetro de lado (decímetro quadrado) é igual à
centésima parte do metro quadrado e relacionar
as diferentes unidades de área do sistema
métrico.
Reconhecer, com falhas muito significativas, que a 2
área de um quadrado com um decímetro de lado
(decímetro quadrado) é igual à centésima parte do
metro quadrado e relacionar as diferentes unidades
de área do sistema métrico.
Não reconhecer que a área de um quadrado com um 1
decímetro de lado (decímetro quadrado) é igual à
centésima parte do metro quadrado e relacionar as
diferentes unidades de área do sistema métrico.

Reconhecer, sem falhas, as correspondências entre 5


as unidades de medida de área do sistema métrico e
as unidades de medida agrárias.
Reconhecer, com bastante correção, as 4
correspondências entre as unidades de medida de
área do sistema métrico e as unidades de medida
agrárias.
Reconhecer as correspondências entre as 3
unidades de medida de área do sistema métrico e
as unidades de medida agrárias.
Reconhecer, com falhas muito significativas, as 2
correspondências entre as unidades de medida de
área do sistema métrico e as unidades de medida
agrárias.
Não reconhecer as correspondências entre as 1
unidades de medida de área do sistema métrico e as
unidades de medida agrárias.
Medir, sem falhas, áreas utilizando as unidades do 5
sistema métrico e efetuar conversões
Medir, com bastante correção, áreas utilizando as 4
unidades do sistema métrico e efetuar conversões
Medir áreas utilizando as unidades do sistema 3
métrico e efetuar conversões
Medir, com falhas muito significativas, áreas 2
utilizando as unidades do sistema métrico e efetuar
conversões
Não medir áreas utilizando as unidades do sistema 1
métrico e efetuar conversões
Calcular, sem falhas, numa dada unidade do sistema 5
métrico a área de um retângulo cuja medida dos
lados possa ser expressa, numa subunidade, por
números naturais.
Calcular, com bastante correção, numa dada unidade 4
do sistema métrico a área de um retângulo cuja
medida dos lados possa ser expressa, numa
subunidade, por números naturais.
Calcular numa dada unidade do sistema métrico a 3
área de um retângulo cuja medida dos lados
possa ser expressa, numa subunidade, por
números naturais.
Calcular, com falhas muito significativas, numa dada 2
unidade do sistema métrico a área de um retângulo
cuja medida dos lados possa ser expressa, numa
subunidade, por números naturais.
Não calcular numa dada unidade do sistema métrico 1
a área de um retângulo cuja medida dos lados possa
ser expressa, numa subunidade, por números
naturais.
Medir Fixar, sem falhas, uma unidade de comprimento e 5
volumes e identificar o volume de um cubo de lado um como
capacidades «uma unidade cúbica».
Fixar com bastante correção, uma unidade de 4
comprimento e identificar o volume de um cubo de
lado um como «uma unidade cúbica».
Fixar uma unidade de comprimento e identificar o 3
volume de um cubo de lado um como «uma
unidade cúbica».
Fixar, com alhas muito significativas, uma unidade de 2
comprimento e identificar o volume de um cubo de
lado um como «uma unidade cúbica».
Não fixar uma unidade de comprimento e identificar o 1
volume de um cubo de lado um como «uma unidade
cúbica».
Medir, sem falhas, o volume de figuras 5
decomponíveis em unidades cúbicas.
Medir, com bastante correção, o volume de figuras 4
decomponíveis em unidades cúbicas.
Medir o volume de figuras decomponíveis em 3
unidades cúbicas.
Medir, com falhas muito significativas, o volume de 2
figuras decomponíveis em unidades cúbicas.
Não, medir o volume de figuras decomponíveis em 1
unidades cúbicas.
Reconhecer, sem falhas, fixada uma unidade de 5
comprimento, que a medida, em unidades cúbicas,
do volume de um paralelepípedo retângulo de arestas
de medida inteira é dada pelo produto das medidas
das três dimensões.
Reconhecer, com bastante correção, fixada uma 4
unidade de comprimento, que a medida, em unidades
cúbicas, do volume de um paralelepípedo retângulo
de arestas de medida inteira é dada pelo produto das
medidas das três dimensões.
Reconhecer, fixada uma unidade de comprimento, 3
que a medida, em unidades cúbicas, do volume
de um paralelepípedo retângulo de arestas de
medida inteira é dada pelo produto das medidas
das três dimensões.
Reconhecer, com falhas muito significativas, fixada 2
uma unidade de comprimento, que a medida, em
unidades cúbicas, do volume de um paralelepípedo
retângulo de arestas de medida inteira é dada pelo
produto das medidas das três dimensões.
Não reconhecer, fixada uma unidade de 1
comprimento, que a medida, em unidades cúbicas,
do volume de um paralelepípedo retângulo de arestas
de medida inteira é dada pelo produto das medidas
das três dimensões.
Reconhecer, sem falhas, o metro cúbico como o 5
volume de um cubo com um metro de aresta.
Reconhecer muitas vezes o metro cúbico como o 4
volume de um cubo com um metro de aresta.
Reconhecer o metro cúbico como o volume de 3
um cubo com um metro de aresta.
Reconhecer, com falhas muito significativas, o metro 2
cúbico como o volume de um cubo com um metro de
aresta.
Não reconhecer o metro cúbico como o volume de 1
um cubo com um metro de aresta.
Reconhecer, sem falhas, que o volume de um cubo 5
com um decímetro de aresta (decímetro cúbico) é
igual à milésima parte do metro cúbico e relacionar as
diferentes unidades de medida de volume do sistema
métrico.
Reconhecer, muitas vezes, que o volume de um cubo 4
com um decímetro de aresta (decímetro cúbico) é
igual à milésima parte do metro cúbico e relacionar as
diferentes unidades de medida de volume do sistema
métrico.
Reconhecer que o volume de um cubo com um 3
decímetro de aresta (decímetro cúbico) é igual à
milésima parte do metro cúbico e relacionar as
diferentes unidades de medida de volume do
sistema métrico.
Reconhecer, com falhas muito significativas, que o 2
volume de um cubo com um decímetro de aresta
(decímetro cúbico) é igual à
milésima parte do metro cúbico e relacionar as
diferentes unidades de medida de volume do sistema
métrico.
Não reconhecer que o volume de um cubo com um 1
decímetro de aresta (decímetro cúbico) é igual à
milésima parte do metro cúbico e relacionar as
diferentes unidades de medida de volume do sistema
métrico.
Reconhecer, sem falhas, a correspondência entre o 5
decímetro cúbico e o litro e relacionar as unidades de
medida de capacidade com as unidades de medida
de volume.
Reconhecer, muitas vezes, a correspondência entre o 4
decímetro cúbico e o litro e relacionar as unidades de
medida de capacidade com as unidades de medida
de volume.
Reconhecer a correspondência entre o decímetro 3
cúbico e o litro e relacionar as unidades de
medida de capacidade com as unidades de
medida de volume.
Reconhecer, com falhas muito significativas, a 2
correspondência entre o decímetro cúbico e o litro e
relacionar as unidades de medida de capacidade com
as unidades de medida de volume.
Não reconhecer a correspondência entre o decímetro 1
cúbico e o litro e relacionar as unidades de medida de
capacidade com as unidades de medida de volume.
Resolver Resolver, sem falhas, problemas de vários passos 5
problemas relacionando medidas de diferentes grandezas.
Resolver com bastante correção problemas de vários 4
passos relacionando medidas de diferentes
grandezas.
Resolver problemas de vários passos 3
relacionando medidas de diferentes grandezas.
Resolver, com falhas muito significativas, problemas 2
de vários passos relacionando medidas de diferentes
grandezas.
Não resolver problemas de vários passos 1
relacionando medidas de diferentes grandezas.
Organização e Utilizar Identificar sem falhas a «frequência relativa» de uma 5
Tratamento de frequências categoria/classe de determinado conjunto de dados
Dados OTD4 relativas e como o quociente entre a frequência absoluta dessa
percentagens categoria/classe e o número total de dados.
Tratamento de Identificar com muita correção a «frequência relativa» 4
dados de uma categoria/classe de determinado conjunto de
dados como o quociente entre a frequência absoluta
dessa categoria/classe e o número total de dados.
Identificar a «frequência relativa» de uma 3
categoria/classe de determinado conjunto de
dados como o quociente entre a frequência
absoluta dessa categoria/classe e o número total
de dados.
Identificar, com falhas muito significativas, a 2
«frequência relativa» de uma categoria/classe de
determinado conjunto de dados
como o quociente entre a frequência absoluta dessa
categoria/classe e o número total de dados.
Não identificar a «frequência relativa» de uma 1
categoria/classe de determinado conjunto de dados
como o quociente entre a frequência absoluta dessa
categoria/classe e o número total de dados.
Exprimir sem falhas qualquer fração própria em 5
percentagem arredondada às décimas.
Exprimir com bastante correção qualquer fração 4
própria em percentagem arredondada às décimas.
Exprimir qualquer fração própria em percentagem 3
arredondada às décimas.
Exprimir, com falhas muito significativas, qualquer 2
fração própria em percentagem arredondada às
décimas.
Não exprimir qualquer fração própria em 1
percentagem arredondada às décimas.
Resolver Resolver sem falhas problemas envolvendo o cálculo 5
problemas e a comparação de frequências relativas.

Resolver com muita correção problemas envolvendo 4


o cálculo e a comparação de frequências relativas.

Resolver problemas envolvendo o cálculo e a 3


comparação de frequências relativas.
Resolver, com falhas muito significativas, problemas 2
envolvendo o cálculo e a comparação de frequências
relativas.

Não resolver problemas envolvendo o cálculo e a 1


comparação de frequências relativas.