Você está na página 1de 2

Análise de conforto térmico humano da cidade de Manaus – AM

Nathália Helena Teixeira Costa1; Bárbara Elisabeth Teixeira Costa2

O Conforto Térmico Humano (CTH) pode ser analisado sob dois pontos de vista:
pessoal ou ambiental. Do ponto de vista pessoal, define-se como sendo uma condição
mental que expresse satisfação com o ambiente térmico. Do ponto de vista físico,
confortável é o ambiente cujas condições permitam a manutenção da temperatura
interna sem a necessidade de serem acionados os mecanismos termorreguladores. A
espécie humana é homeotérmica, isso quer dizer que o organismo mantém a sua
temperatura interna constante, aproximadamente 37°C, e está constantemente trocando
calor com o meio ao qual está inserido. Esta transferência de calor é feita de quatro
formas diferentes: radiação, condução, evaporação e convecção. O CTH e sua resposta
fisiológica ao estresse térmico dependem da produção de calor metabólico pelo
indivíduo, dos fatores ambientais e do tipo de vestimenta do mesmo. Este resumo trata
de uma análise do CTH para a cidade de Manaus – AM, localizada no centro da maior
floresta tropical do mundo, a floresta Amazônica. O período analisado é correspondente
aos meses de Dezembro à Março, do ano de 1995 à 2015. Foram utilizados dois índices
de conforto térmico (biometeorológicos), a fim de expressar a sensação térmica sentida
pela população, o índice de calor e o índice de temperatura efetiva com vento - que leva
em consideração também a velocidade do vento. Os dados foram obtidos do Instituto
Nacional de Meteorologia e as variáveis consideradas foram temperatura do ar, umidade
relativa do ar e velocidade do vento. Foram considerados os horários de 08:00 e 14:00
horas, a fim de obter as temperaturas mínimas e máximas para cada dia. Diante das
análises feitas e os resultados obtidos, concluiu-se que durante todo o verão há um
visível desconforto por calor e consequentemente riscos à saúde, tanto nos períodos da
manhã quanto nos períodos da tarde. Entretanto, as tardes de verão apresentam estes
riscos à saúde quase que em sua totalidade e com grande possibilidade de níveis de
insolação e stress por calor preocupantes à população, em especial à grupos de
indivíduos propensos a problemas cardiovasculares, tornando-os mais suscetíveis à um
Acidente Vascular Cerebral.

Palavras-chave: Sensação térmica, Calor, Amazônia.

1
Discente do curso de graduação em Meteorologia da Universidade Federal de Pelotas, Campus Capão
do Leão, S/N- CEP: 96160-000, Capão do Leão, RS. E-mail: nathaliahtcosta@gmail.com
2
Professora da Universidade Federal do Amazonas - UFAM, Faculdade de Ciências Agrárias – FCA,
Departamento de Engenharia Agrícola e Solos – DEAS, Avenida General Rodrigo Octávio, 6200 –
Campus Universitário Arthur Virgílio Filho – Coroado I, Setor Sul, CEP 69.077-000, Manaus – AM. E-
mail: betcosta@gmail.com

- 437 -
( ) GT 1 - Agricultura sustentável e soberania alimentar. ( ) GT 8 - Governança para sociedades pacíficas e inclusivas.
( ) GT 2 - Educação inclusiva, diversidade e igualdade social. ( X ) GT 9 - Mudanças globais e uso sustentável das florestas.
( ) GT 3 - Geodiversidade e mineração. ( ) GT 10 - Economia solidária e consumo consciente.
( ) GT 4 - Povos indígenas e desenvolvimento sustentável. ( ) GT 11 - Jovens Pesquisadores.
( ) GT 5 - Água e energia sustentável. ( ) GT 12 - Defesa e Forças Armadas na Amazônia.
( X ) GT 6 - Cidades e assentamentos humanos resilientes. ( ) GT 13 - Comunicação, Cultura e Desenvolvimento
( ) GT 7 - Estado, Sociedade e conflitos socioambientais. Sustentável.

[ ] Apresentação oral [ X ] Pôster

- 438 -