Você está na página 1de 3

Ciúme é De Deus?

O Flagelo da Humanidade

Dois anos após a sua conversão, numa pequena cidade do interior o jovem foi
despertado para o ministério por causa de uma mensagem num acampamento.
Logo ele estava num dos mais renomados seminários, preparando-se
adequadamente para ser um pastor como era o seu desejo.

No seminário, sua voz a todos encantava, e ele foi chamado a participar do


ministério de música. Expansivo e amigo de todos era o companheiro ideal. No
mesmo seminário, estudava uma moça muito bonita, filha única, e tinha na família
como pastores, seus avós, tios, e alguns primos.

Dona de uma voz maravilhosa, logo foi selecionada para integrar o conjunto
musical do seminário. Contudo era muito tímida. Mas a timidez não impediu que
tanto ela como o jovem iniciassem um namoro, que logo de transformou em
noivado e ao fim do curso, casaram-se.

O casal era admirado por todos e os professores e diretores do seminário diziam


que a igreja que os tivesse seria imensamente abençoada. Após cinco anos à frente
de uma pequena igreja, os resultados apareceram, e já eram muitos os convertidos
e alcançados pelo trabalho que o casal fazia naquela cidade do interior.

A pequena igreja havia construído um belo templo, a casa pastoral, era uma igreja
missionária e alguns dos seus membros se preparavam no seminário onde havia se
formado o seu pastor. O ministério do casal era exemplo para muitos.

O que ninguém sabia, fossem os parentes, os membros da igreja, os amigos do


casal, era que a vida deles era um tormento constante e ininterrupto, por causa do
ciúme doentio da mulher.

Eles haviam sofrido em silêncio durante todos aqueles anos. E impotentes para
solucionar adequadamente o problema buscaram ajuda, que se mostrou
inadequada e insuficiente, e diante disto só lhes restou abandonar o ministério.
Nunca mais ele pregou e eles jamais tornaram a cantar juntos ou separados.

Quem conhecia a integridade do homem, sabia que as desconfianças da mulher


eram totalmente infundadas e sem nenhuma razão de ser. Os nomes foram
omitidos, para a preservação dos citados, e a situação poderia ser o inverso, com o
homem sentindo ciúmes da mulher.

Quantas histórias como esta você já viu ao longo da sua vida? Se não for a sua
história de vida. Não há aqui nenhuma pretensão de julgamento ou mesmo
empáfia. Pois isto é uma realidade constante na vida de muitos. Quantas carreiras
e vocações foram desprezadas e abandonadas por causa dos ciúmes? Quantas
vocês conhecem?

O primeiro crime da história da humanidade teve como pano de fundo o ciúme.


Quando Caim matou Abel, o fez envenenado pelo ciúme. Ao longo da história da
humanidade o ciúme tem destruído lares, rompido com amizades, acabado com
laços familiares, e invariavelmente não tem sido tratado com a devida atenção. O
ciumento duvida de tudo e de todos, exaspera-se, o ciumento tem medo de perder.

As pessoas ciumentas são como todos nós, nossos vizinhos e parentes, talvez com
uma diferença: sofrem e muito pelos seus comportamentos e atitudes.

São maridos com comportamentos bruscamente alterados em relação à esposa,


após o nascimento do primeiro filho. São esposas que não suportam ver o sucesso
de seus maridos; mães que agem com as suas filhas, como se elas fossem suas
inimigas, ou são irmãos que passam a vida se digladiando e disputando a atenção
dos seus pais a qualquer preço.

São homens e mulheres possessivos que se agridem, se destroçam e até se


matam, tudo por causa do ciúme. O ciúme oprime, constrange, avilta, maltrata,
exaspera. O ciumento tem medo de perder. A ação à sua atitude é o choro e a
autocomiseração. Por vezes o ciumento fica cego e não consegue ouvir a voz da
razão. Chora, pede perdão e torna a fazer de novo, e pior.

Alguns dizem que o ciúme é o amor possessivo. Mentira. Deslavada mentira. O


amor jamais é possessivo. I Coríntios 13:4-5. Ao procurar as razões do ciumento,
vamos encontrá-lo mergulhado desde a sua infância com ciúmes de seus carrinhos,
suas bonecas, dos seus pais, do seu cachorrinho de estimação...

E invariavelmente o ciumento tem baixa-estima, e julga-se ultrajado, desprezado e


é extremamente possessivo. Ao se relacionar no casamento, com o seu cônjuge ele
o tem como sua propriedade exclusiva e invariavelmente torna a vida em comum
um suplicio e um tormento para ambos.

É comum o cônjuge do ciumento passar a vida toda justificando o que não fez, e
somente o faz para ter ou obter um pouco de paz, e pensa que no dia seguinte
tudo vai voltar ao normal. Ledo engano. Novamente o ciúme vai eclodir tornando
tudo áspero e obscuro. Quantas vezes tantos são acusados sem nada ter feito, ou
condenados sem culpa alguma. Sofrem muito, tudo por causa dos ciúmes.

E vivem assim. Infelizes.

O ciumento precisa ser responsabilizado pelas suas atitudes. Precisa saber que o
ciúme é pecado e como tal deve ser tratado. Nada difere o ciúme da mentira.
Ambos são abomináveis.
Muitas vezes o ciúme é tratado como desvio de personalidade e o ciumento como
um coitado. Muitos terapeutas e conselheiros tratam o ciúme com lições de casa,
tarefas, deixando de lado as suas conseqüências, como se elas fossem meras
casualidades. O ciumento exige, suspeita, e diz que os seus sentimentos dolorosos
são as exigências de um amor inquieto, e o seu desejo é o de apoderar-se do outro
em todos os aspectos.

O ciumento vai sempre suspeitar do outro, vai sempre achar que o outro é infiel,
mesmo que não seja. Por conta disto vai vigiar, revistar bolsos, escutar conversas,
vasculhar agendas, rediscar o último número chamado no telefone, olhar para onde
o outro olha, vai fazer de tudo para "descobrir" uma infidelidade. Não importa.
Aliás, nada importa ao ciumento.

No convívio com o ciumento uma coisa é certa: o ciúme vai explodir, mais hora
menos hora. O ciúme não respeita nada, ele vai de mal a pior.

E nos nossos púlpitos, como o ciúme é tratado? Ele simplesmente não é tratado.
Logicamente há as exceções. E vai corroendo como um câncer que tal carcinoma
vai transformar-se numa mortal e devastadora metástase. Nada pode detê-lo. O
exemplo é forte? Pois é tudo isto e muito mais o ciúme. Mesmo porque muitos dos
nossos pastores padecem com o problema e não sabem como tratar o assunto.

Quantas vezes o ciúme leva a morte, pois o ciumento é despeitado, invejoso, e por
causa disto tem medo e receio de perder alguma coisa. E por conta disto põe tudo
a perder.

Você deve estar se perguntando o que fazer? Certamente a Bíblia tem as respostas
necessárias para tratar o problema. I João 1:9 "Se confessarmos os nossos
pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda
injustiça". Ai esta o segredo de como tratar o ciúme e conseqüentemente o
ciumento: tratar o ciúme como pecado e todo pecado deve necessariamente ser
confessado. Concordam?

Autor: Jehozadak A. Pereira


Retirado de www.estudosbiblicos.com

Minha Fonte: Solteiros Cristãos

Interesses relacionados