Você está na página 1de 314

The Atlantean

Conspiracy
By
Eric Dubay
© 2013 All Rights Reserved
ISBN: 978-1-304-63439-9
The Atlantean Conspiracy
By Eric Dubay
A Conspiração da Atlântida
De Eric Dubay
ericdubay@hotmail.com
www.myspace.com/sheeplerevolt

Linhagens Presidenciais

Você sabia que todos os 43 presidentes dos Estados Unidos levaram


linhagens reais europeias para os seus gabinetes? Sabia que 34 deles
foram descendentes genéticos da mesma pessoa, Carlos Magno, o
bárbaro rei dos Francos que viveu no oitavo século? Sabia também
que 19 desses presidentes americanos foram descendentes diretos do
Rei Eduardo III da Inglaterra? De fato, o candidato à presidência
que tem uma maior quantidade de genes reais tem vencido a cada
eleição americana.

“Essa informação procede da obra Burkes's Peerage (Pareado de


Burke) que é a Bíblia da genealogia aristocrática, com base em
Londres, Inglaterra. Toda eleição presidencial na América, desde e
incluindo a de George Washington em 1789 até a de Bill Clinton,
foi vencida por um candidato com a maioria dos genes reais
britânicos ou franceses. Dos 42 presidentes até Clinton, 33 têm
parentesco com duas pessoas: Alfredo, o Grande, rei da Inglaterra,
bem como com Carlos Magno, o mais famoso monarca da França. E
assim vai indo: 19 deles são parentes do Príncipe Charles. O mesmo ocorre com a família de
banqueiros na América. George Bush e Barbara Bush pertencem à mesma linhagem – A linhagem
de Pierce, que mudou o seu nome para Percy, quando cruzou o Atlântico. Percy é uma das famílias
aristocráticas da Grã- Bretanha nos dias atuais. Eles se envolveram na Grande Revolta da Pólvora
que planejava explodir o Parlamento na época de Guy Fawes” - Pesquisador e autor David Icke em
Alice In Wonderland and the World Trade Center Disaster. (Alice no País das Maravilhas e o
Desastre do World Trade Center)

Se a América declarou a sua independência das monarquias europeias


em 1776, como pode cada presidente descender de monarcas europeus?
Se os presidentes são eleitos de forma democrática como eles nos
informam, quais são as chances de que sempre houvessem membros da
realeza britânica ou francesa nos governando?

“As Américas sempre foram governadas e sempre pertenceram às


mesmas famílias da Grã-Bretanha e da Europa que a história clássica
declara como estando entre esses derrotados durante as guerras
chamadas de ‘independência’.” - Michael Tsarion, na obra
Astrotheology and Sideral Mythology. (Astroteologia e Mitologia
Sideral)

“Se esta é de fato a Terra da Liberdade e se, como se afirma, qualquer um pode tornar-se presidente,
esperar-se-ia razoavelmente que os 43 presidentes de George Washington a George W. Bush
refletissem a tal diversidade genética. Pode rir à vontade. Os presidentes dos Estados Unidos são
uma dinastia real como qualquer uma dinastia europeia, da qual a sua linhagem procedeu.” - David
Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do Circuito Temporal)
Pesquisadores como David Icke, Michael Tsarion e Fritz Springmeier, bem como fundações do
tipo a New England Historical Genealogy Society, (Sociedade de Genealogia Histórica da Nova
Inglaterra) o Pareado de Burke, o site do Piso Romano, bem como outras fontes de genealogia
confiáveis, têm registrado essas linhagens presidenciais. De fato, quando se divide em partes cada
vez maiores a essa árvore genealógica familiar, o pesquisador dedicado vai concluir que todos os 43
presidentes têm o mesmo laço sanguíneo, possuindo a mesma ancestralidade, a linha merovingiana
e/ou a linhagem de Windsor-Bush

“Se você fizer uma pesquisa bem profunda, concluirá que TODOS os presidentes são da mesma
linhagem… Um porta-voz do Burkes Peerage, (Pareado de Burke) a Bíblia da genealogia real e
aristocrática, sediada em Londres, disse que cada eleição presidencial desde e incluindo a de George
Washington em 1789 foi vencida pelo candidato com a maior quantidade de genes real. Podemos
perceber agora como e por que. Os presidentes dos Estados Unidos não são escolhidos por voto, e
sim pelo sangue!” - David Icke, em The Windsor-Bush Bloodline (A Linhagem de Windsor-Bush)

Admite-se que pode haver, às


vezes parentesco normal entre
primos distantes de décimo e
décimo quinto grau; mas em um
país com centenas de milhões de
pessoas a serem escolhidas, isso
não pode ser uma obra do acaso ou
uma coincidência. Gary Boyd
Roberts, um genealogista da New
England Historic Genealogical
Society (Sociedade de Genealogia
Histórica da Nova Inglaterra)
rastreou minuciosamente essas
conexões em seu livro Ancestors
of American Presidents.
(Ancestrais dos Presidentes Norte-
Americanos) O próprio George W.
Bush está ligado diretamente a 16
ex-presidentes norte-americanos,
incluindo George Washington, Millard Fillmore, Franklin Pierce, Abraham Lincoln, Ulysses Grant,
Rutherford B. Hayes, James Garfield, Grover Cleveland, Teddy Roosevelt, William H. Taft, Calvin
Coolidge, Herbert Hoover, Franklin D. Roosevelt, Richard Nixon, e Gerald Ford.

Bush possui estreita ligação com o Rei da Albânia e tem


parentesco com cada membro da família real britânica e com
a Casa de Windsor. Ele possui conexões com 20 duques
britânicos, com o primo em décimo terceiro grau da Rainha
Mãe britânica e de sua filha, a Rainha Elizabete. Ele é primo
em décimo terceiro grau do ex-príncipe Charles, sendo
descendente direto do Rei Henry III, de Charles II, e de
Edward I, da Inglaterra. Através da Casa de Windsor e do Rei
Henry III, a família Bush e a família Clinton têm ambas
parentesco genético.

“De acordo com o Burke's Peerage (Pareado de Burke) e até


de acordo com a genealogia oficial, Bill Clinton está ligado
geneticamente à Casa de Windsor, à atual família real britânica, à inteira monarquia escocesa, ao
Rei Henry III da Inglaterra bem como Robert I, da França.” - David Icke em Alice In Wonderland
and the World Trade Center Disaster. (Alice no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade
Center)

No ano de 2004, George W. Bush concorreu como “republicano” contra o “democrata” John Forbes
Kerry – seu primo em décimo sexto grau. Esses primos, ligados às mesmas monarquias britânicas e
francesas, são também irmãos de sociedade secreta da famigerada fraternidade Skull and Bones.
(Crânio e Ossos) John Kerry é descendente do Rei Henry II da Inglaterra e de Richard Coração de
Leão, que liderou a terceira cruzada cristã no ano de 1189. Ele possui também ligações com as
realezas da Albânia, da Suécia, da Noruega, da Dinamarca, da Rússia, da Pérsia, e da França, mas
mesmo assim não em suficiente quantidade de genes reais para superar George Bush.
Anteriormente, em 2000 constatamos a mesma história – George W. Bush concorreu “pau a pau”
com Al Gore, outro suposto democrata e primo da família Bush.

“Al Gore é descendente de Edward I, dos


imperadores romanos Luis I e II, bem como de
Carlos II, sendo também descendente direto de
Carlos Magno, o que faz dele um primo distante de
Richard Nixon e de George W. Bush. Sendo assim,
os principais candidatos ‘democratas’ contra Bush
em 2000 e 2004 eram, na verdade, seus primos!” -
Michael Tsarion, em Where History Ends DVD
(Onde Vai Dar a História, em DVD)

“Nunca a história dos Estados Unidos teve dois


candidatos à presidência tão bem-dotados com
alianças reais. Sempre tem havido um importante
‘fator real’ naqueles que aspiram à Casa Branca, como por exemplo os presidentes George
Washington, Thomas Jefferson, Theodore Roosevelt, Franklin Roosevelt e Ronald Reagan, entre
outros, todos ostentando ligações consanguíneas azuis. Al Gore… um descendente de Edward I, é
também primo do ex-presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, que resignou à Casa Branca
em 1974 devido a sua participação no escândalo conhecido como ‘o Watergate’. Entretanto, Al Gore
possui ligação direta com o Santo Império Romano. Ele é descendente dos Imperadores Romanos
Louis II, Charles II, e Louis I, sendo, portanto um descendente direto de Carlos Magno, o imperador
do oitavo século. O problema é que as ligações de Gore a Carlos Magno também fazem dele um
primo de George W. Bush.” - Harold Brooks-Baker, Diretor de Publicações do Burke's Peerage na
revista NEXUS, p.7, vol. 8, edição de Janeiro-Fevereiro.

Por se colocar membros consanguíneos nos dois lados de uma falsa dicotomia política
americana, os monarcas antigos têm garantido seu direito ao trono sob pretexto de elei-
ções democráticas. Se voltarmos a 1996,
perceberemos a mesma tática na vitória do
“democrata” Bill Clinton sobre o “republicano”
Bob Dole, seu primo.

“Mesmo Bill Clinton e Bob Cole, que se ‘opunham’


um ao outro na eleição de 1996, são primos
distantes. Eles podem seguir seus ancestrais até o
Rei da Inglaterra, Henry III, que reinou de 1227 a
1273 e aos presidentes norte-americanos William
Henry e Benjamin Harrison … Clinton possui
muito mais sangue real é possui descendência
direta com a mesma linhagem da Casa de Windsor, com toda monarquia escocesa e com o Rei
Robert I da França. Dai a razão de ele ter sido o escolhido pela Fraternidade.” - David Icke, em The
Biggest Secret (O Maior Segredo, pp. 191-192.)

A linhagem Windsor-Bush passa pelos presidentes americanos, volta a realeza britânica ou europeia
e não para por aí. Ela continua a regredir até os romanos europeus, de todas os meios até os reis
babilônicos e faraós egípcios, próximos ao início da história registrada.

Desde Maria Antonieta e o Rei Louis XVI, a linhagem francesa continua a voltar através de Louis
XV-I, Charles XI-I, Henry IV-I, Philip V-I, Robert II bem como muitos outros monarcas franceses.
Passa pela família de Medici, especificamente a Rainha Catherine de Medice da França, que deu
apoio às expedições de Colombo ao “Novo Mundo”, com a linhagem da Rainha Isabella de Castela,
o Rei Ferdinando da Espanha e a casa de Lourraine. Foram também a Rainha Isabella e o Rei
Ferdinando que deram início à inquisição espanhola que durou 350 anos e que ordenou o
assassinato de milhões que se recusaram a se converter ao Cristianismo. E por meio da Casa de
Lorraine, o Duque de Bouillon tornou-se o primeiro rei cruzado de Jerusalém.

“O ‘pai George’ e sua esposa Barbara [Bush] são ambos descendentes de Godfroi de Bouillon, que
no ano de 1099 conduziu os nobres europeus à efetiva cruzada para capturar Jerusalém da fé
islâmica e fazer a mudança do palácio real para o Monte do Templo … Godfroi de Bouillon foi o
primeiro rei de Jerusalém e o Duque de Bouillon, uma maior abrangência para a linhagem illuminati
… Por conseguinte, quando George W. Bush, um descendente dos Bouiloon por intermédio de seu
pai e de sua mãe, falou a respeito de uma ‘cruzada’ contra o terrorismo ‘islâmico’.. não se tratava de
equívoco linguístico… como havia sido anunciado.” - David Icke em Alice In Wonderland and the
World Trade Center Disaster. (Alice no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center)

A linhagem britânica remonta dos Príncipe William e Harry,


através do Príncipe Charles e da Princesa Diana, até a Rainha
Elizabeth II, os Reis George VI e V, o Rei Edward VII, a
rainha Victoria, o Rei Edward III, II, I e os Reis George III,
II e I. Daí ela passa pelo Rei James I, (ou Jaime) que foi o
mandatário e financiador da que é atualmente a versão mais
lida da Bíblia. Antes de James veio Mary Stuart, os Reis
Henry III, II e I, Rei John (que assinou a ‘Carta Magna’) e
voltando às dinastias Plantageneta e Habsurgo, sob o Império
Romano. Outras ramificações conduziram a linhagem para a
Escócia, a Áustria, a Alemanha, a Espanha, a Suécia e até
para o México:

“Esta mesma linhagem inclui também as principais famílias


escocesas, como os Lordes de Galloway e os Comuns;
Marie-Louise da Áustria, que se casou com Napoleão
Bonaparte; o Kaiser Wilhem II, o rei da Alemanha por ocasião da Primeira Guerra Mundial e
Maximilian, o imperador habsburgo do México, que morreu em 1867. Isso prossegue
sucessivamente em um país após outro. Essas linhagens estabelecem uma conexão interna de cada
família real que ainda resta na Europa, incluindo a do rei Juan Carlos da Espanha e as linhagens de
reis holandeses, suecos, e dinamarqueses.” - David Icke em The Windsor-Bush Bloodline. (A
Linhagem Windsor-Bush)

Antes dos Hasburgos, da Casa de Lourraine e de Carlos Magno, foram os merovingianos (meroveus
ou merovius) que originalmente levaram a linhagem à França e ao noroeste europeu. De volta à
Roma do 4º século, a linhagem passou pelo Imperador Constantino, o primeiro imperador a
professar a fé cristã, que instalou a transição do Império Romano para um Estado Cristão e presidiu
o Primeiro Concílio de Niceia. Ele foi antecedido pela família Piso, de origem romana sobre a qual
falaremos mais tarde. Antes desses, veio Herodes o grande, famoso personagem bíblico e Ptolomeu
XIV, filho de Julio Cezar, o mais famoso imperador romano. Cezar de fato uniu a linhagem por
meio de Cleópatra, a mais bem conhecida rainha egípcia. Um pouco mais longe essa mesma
linhagem leva-nos a Alexandre o Grande:

“Um elo comum nessa linhagem é Filipe II da Macedônia, (382-336


AC) que se casou com Olímpia tendo gerado a Alexandre o Grande,
(356-323 AC) um opressor que saqueou determinadas regiões
estratégicas na Grécia, na Pérsia, na Síria, na Fenícia, Egito, em
Babilônia, as antigas regiões sumerianas, em direção da Índia, antes de
morrer em Babilônia aos 33 anos. Durante seu reinado no Egito ele
fundou a cidade de Alexandria, um dos maiores centros de
conhecimento esotérico do mundo antigo. Alexandre foi instruído pelo
filósofo grego Aristóteles, que por sua vez havia sido ensinado por
Platão e por Sócrates. A linhagem e o conhecimento oculto avançado
sempre andaram juntos.” - David Icke, em The Windsor-Bush
Bloodline. ( A Linhagem Windsor-Bush)

De volta, a linhagem passa por Alexandre, passa por Nabucodonosor IV e por outros reis de
babilônia, fatalmente pelos antigos reis africanos e pelos faraós do Egito – Ramsés II e I,
Tuthmosis IV, III, II e I, Amenhotep III, II e I e muito mais. Por milênios esses reis, rainhas, faraós e
imperadores se cruzaram de modo obsessivo para preservarem e espalharem as suas linhagens. Eles
têm governado sobre nós desde o princípio da história registrada, afirmando terem o direito divino
ao trono dado por Deus ou pelos deuses.

“Esse ‘direito divino’ é simplesmente o direito de reinar por


meio de DNA. Temos um chefe de estado na Grã-Bretanha nos
dias atuais que está lá apenas por causa de seu DNA e enquanto
o parasitismo hierárquico da real família britânica seja
estruturado de acordo coma ligação do DNA de uma pessoa
com o rei ou a rainha … o que é a regra real por DNA, senão
um ultraje racial e um elitismo genético? O direito ‘divino’ de
reinar nada tem a ver com o ‘Divino’ e tudo a ver com a
verdadeira origem dessas linhagens. Eles alegam ser
descendentes dos ‘deuses’do mundo antigo e ‘quem’ ou ‘o que’
foram e são esses ‘deuses’, explicarei em detalhes mais tarde. A
família ‘real’ tem se procriado sem cessar uns com os outros
desde tempos idos, uma vez que buscam se guardar da contaminação genética que pode,
aparentemente diluir-se devido à corrupção fora dela mesma. Quão interessante é que as famílias
dos illuminati e a elite no poder fazem a mesma coisa até os dias de hoje. Por quê? Eles têm a
mesma linhagem. A linhagem real ‘Divina’ das antigas Suméria e Babilônia, (atual Iraque) Egito, o
Vale do Indo e onde quer que sejam espalhados dentro da Europa, vindo a ser as famílias reais e
aristocráticas que reinam esse continente e a maior parte do mundo por meio do Império Britânico,
bem como os da França, Bélgica, Países Baixos, Alemanha e assim por diante. A medida que as
pessoas passam a desafiar e a rejeitar à ditadura aberta do domínio real, a linhagem inicia uma ação
‘clandestina’ passando a operar entre a população em todas as áreas que controlam à sociedade
moderna … Você encontrará uma história similar em todas as partes do mundo. Credo Mutwa, o
historiador oficial da Nação Zulu, me falou a respeito de como muitos lideres negros africanos que
foram colocados no poder após os mestres coloniais terem dado a ‘independência’ ao continente,
vinham de uma linhagem de reis e rainhas africanos que alegavam ser descendentes dos mesmos
‘deuses’ das suas contrapartes brancas.” - David Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos
do Circuito Temporal)

A Nova Ordem Mundial

“Pode-se rastrear os Illuminati, voltando milhares de anos à Suméria, Babilônia, Egito e ainda mais,
adentrando aquilo que costumamos chamar de pré-história. No decorrer dos séculos eles têm
trabalhado com constância para centralizar o poder global bem como completar a sua ‘Grande Obra’
global ditatorial. Atrás da aparente aleatoriedade dos eventos mundiais, as conexões secretas dos
illuminati tem sido o conhecimento privado que o resto das pessoas nunca ouviram falar. A rede é
controlada por antigos cruzamentos de linhagens e suas ramificações, encabeçada hoje por cerca de
treze 'famílias de elite', que são estruturados em uma hierarquia de DNA. Estes incluem os
Rothschilds, os Rockefellers, a Casa de Lorena, os Habsburgos e a dinastia Thurn und Taxis, de
Bergamo.” - David Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do Circuito Temporal)

A agenda de linhagem, a ‘Grande Obra’' deles, que não é nada menos que a dominação mundial,
tem sido chamada esotericamente como ‘A Nova Ordem Mundial’ por alguns políticos e autores
maçons. A Velha Ordem Mundial foi representada por monarquias e países com exércitos
permanentes independentes, metais e moedas correntes. A Nova Ordem Mundial será caracterizada
por um único Governo Mundial, com fronteiras abertas, um exército mundial, um tribunal mundial
e por uma moeda corrente mundial única baseada no crédito não numerário via microchip.

“A Nova Ordem Mundial não é uma ‘conspiração’ no


sentido estrito do termo – é uma agenda. A agenda é
orquestrada por uma elite poderosa que presume ter o
direito divino de reivindicar o total controle de sua vida.
Mas quem são ‘eles’? Quem faz parte da ‘elite poderosa’?
A ONU, os EUA, a Comissão para Relações Exteriores, o
Grupo dos Bilderberg, a Comissão Trilateral, os
Rockefellers, os Rothschilds, o Instituto Real para Assuntos
Internacionais, o Clube de Roma. A lista vai longe e foram
escritos muitos livros abordando a história desses grupos e
como são ligados uns com os outros … A agenda é uma
consolidação e centralização mundial do poder nas mãos de
um abrangente Governo Mundial. Esse sistema evoluirá a
partir da União Européia, (já existente) da União
Americana, (derivada da NAFTA, sigla em inglês para North American Free Trade Agreement – em
português: Tratado Norte-Americano de Livre Comércio)
e a União Asiática. Quando virem à existência esses três
modelos, eles levantar-se-ão juntos para criar o Governo
Mundial Único.” - Paul Joseph Watson, em Order Out of
Chaos, (A Ordem do Caos) pp. 8-9.

“Gostaria de enfatizar que eu estou expondo uma Agenda,


e não uma conspiração em si. A conspiração é resultado
da manipulação de pessoas e de eventos para se certificar
que a Agenda seja introduzida. Essas conspirações
assumem três formas principais: conspirar para remover
pessoas e organizações que são uma ameaça para a
Agenda; (o assassinato de Diana, a Princesa de Gales)
conspirar para colocar pessoas em posições de poder que
façam a Agenda acontecer; (George Bush, Henry Kissinger, Tony Blair e etc.) e conspirar para criar
eventos que farão com que a opinião pública demande que a Agenda seja introduzida por meio de
problema-reação-solução. (guerras, bombas terroristas, colapsos econômicos) Desse modo, todos
aqueles eventos e manipulações aparentemente sem conexões tornam-se aspectos da mesma
conspiração para introduzir a mesma Agenda.” - David Icke, em The Biggest Secret, ( O Maior
Segredo) p. 13.

Quando confrontados com uma conspiração dessa magnitude, muitos dizem que são impossíveis
porque alguém iria “abrir o bico”. Se houvesse uma vasta conspiração global para um governo
mundial, alguém apareceria e diria algo. O fato é que congressistas, senadores, membros de
sociedades secretas e os próprios iluministas têm declarado publicamente, bem como escrito livros
inteiros sobre o que eles estão fazendo! Quando perguntado sobre como o povo americano
responderia às inconsistências do assassinato de JFK, ( John F. Kennedy) ou do relatório da
Comissão Warren, o diretor da CIA, Allen Dulles disse simplesmente: “o povo americano não lê”.
Os conspiradores sabem que o público em geral não lê e que os livros não são escritos para atrair a
leitura popular.

“O registro passado do homem está repleto de relatos sobre assassinatos, reuniões secretas, tramas
palaciais e traições de guerra. Mas, a despeito de tais registros claros, uma alarmante quantidades
de pessoas têm iniciado zombarias ante a possibilidade de conspiração em ação hoje. Eles rejeitam
a tal ideia meramente como uma Visão Conspiratória.” - G. Edward Griffin, Comentarista Político.

“O indivíduo é prejudicado por vir a estar face


a face com uma conspiração tão monstruosa
que ele não pode acreditar que essa exista.”
- J. Edgar Hoover, diretor do FBI.

“Cinquenta homens dirigiram a América e esse


é um número alto.” - Joseph P. Kennedy,
Embaixador norte-americano.

Há uma cabala semi-secreta de globalistas


direcionada a um único governo mundial sob
as Nações Unidas, um mundo bélico através da expansão da NATO, (North Atlantic Treaty
Organization [em português, OTAN {Organização do Tratado do Atlântico Norte}]) Bancos
Mundiais com moedas eletrônicas e uma população “micro-chipada”. Os conspiradores são um
grupo de banqueiros, homens de negócios, políticos, proprietários e personalidades da mídia,
famílias illuminati e a nata das sociedades secretas. Eles
efetivam o seu poder através dos veículos da maçonaria, do
Grupo Bilderberg, dos Bohemian Grove, Skull and Bones,
(Crânio e Ossos, em português) o Conselho para Relações
Exteriores, A Comissão Trilateral e o Comitê dos 300, para
se mencionar apenas alguns. Sua agenda para a governança
mundial tem sido conhecida por elites de sociedade secreta e
famílias illuminati por séculos como “A Grande Obra”,
embora hoje em dia esta é politicamente conhecida como “A
Nova Ordem Mundial”.

“A estrutura dos illuminati pode ser simbolizada tanto por


uma teia como por uma pirâmide na qual os poucos no topo
mandam nos muitos na parte inferior. A estrutura piramidal
das sociedades secretas é refletida no governo, nos
banqueiros, nos negócios e em toda organização ou instituição ... Apenas a minoria no topo das
pirâmides conhece a verdadeira agenda e o que a organização está tentando realizar. Quanto mais
se desce na pirâmide, tanto mais pessoas estão trabalhando para a organização sem, no entanto ter
conhecimento a respeito dessa verdadeira agenda. Estão apenas cientes do trabalho individual que
eles fazem todo dia. Eles não sabem como sua contribuição (aparentemente inocente e de forma
isolada) se conecta com a de outros empregados em outras áreas da companhia, do governo ou de
outra qualquer. Eles são ‘compartimentados’ e as pessoas que sabem como tudo se encaixa são
apenas as que estão situadas no topo, as famílias pertencentes à linhagem e seus lacaios. As
pirâmides menores, de modo semelhante a uma filial local de um banco, se encaixam dentro de
pirâmides cada vez maiores, até finalmente obter-se a pirâmide que engloba todos os bancos. O
mesmo ocorre com as corporações transnacionais, partidos políticos, sociedades secretas, impérios
midiáticos e com os militares. Se você subir o máximo nessa estrutura, todas as corporações
transnacionais, (como o cartel do petróleo, por exemplo) os principais partidos políticos, as
sociedades secretas, os impérios midiáticos e os militares, (por exemplo, por meio da NATO, North
Atlantic Treaty Organization [em português, OTAN {Organização do Tratado do Atlântico Norte}])
são controlados pelas mesmas famílias que figuram nos locais mais altos das maiores pirâmides.
Por fim há uma pirâmide global que inclui todas as outras … No final disso você encontrará a nata
da elite illuminati, a mais pura de sua linhagem. Desse modo, eles conseguem coordenar através de
áreas da sociedade aparentemente não conectadas, até ‘opostas’, a políticas idênticas. Todos os
caminhos levam eventualmente até eles.” - David Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos
do Circuito Temporal)

A Nova Ordem Mundial está quase completa, ao passo


que as Nações Unidas cada vez mais assumem a
liderança do governo mundial; o tribunal mundial já
existe nos Países Baixos; a OTAN está posicionada para
expandir-se num exército mundial; o Banco Mundial e o
FMI (Fundo Monetário Internacional) são bancos
centralizados; as moedas da União Europeia e o Amero,
que está por vir, consolidam a moeda mundial. A União
Europeia centraliza a Europa, a União Norte-Americana
(SPP) está a caminho, assim como também a União
Asiática. (APEC) O resultado final, bem como a missão
declarada é a governança mundial abaixo das Nações
Unidas com características comunistas. Eles pretendem ter um rei ou um presidente todo-poderoso,
com um exército mundial à sua disposição. Eles querem um sistema de governança global de cima
para baixo que dite a lei mundial a partir de um corpo centralizado, totalmente independente de
todas as nações, política, econômica e militarmente.

“O sistema de conquista mundial da Nova Ordem Mundial


sempre teve visibilidade, mas é tão ordinário e massivo que tem
permanecido escondido de nossas vistas. Uma das respostas
precondicionadas mais comum que eu ouvi da maioria dos
indivíduos precondicionados é que não pode haver uma
sociedade secreta de pessoas trabalhando em prol de um governo
mundial. Os que negam proclamam, ‘é tão grande … seria fácil
de descobrir … não poderiam manter escondido …’ Uma pessoa
comum julga o mundo de acordo com a sua bússola moral.
Devido ao fato de que a maioria dos indivíduos não são cruéis,
sociopatas sem autodomínio, eles não conseguem sequer
começar a sondar na escuridão os golfos escuros que são as
almas dos servos da elite global. A Nova Ordem Mundial é a
síntese dos sobreviventes de impérios, as famílias de supernegociantes, de reis bárbaros, de famílias
de banqueiros estabelecidos na idade média e de famílias reais europeias. Ao longo do tempo eles
aprenderam que se conseguiram esconder a verdadeira magnitude do seu poder, instalando
governos fantoches provenientes das culturas as quais eles dominam, as pessoas aceitarão formas
maiores de tirania. No final do século vinte, à medida que a formação de um verdadeiro governo
mundial entrava em seus estágios finais, os globalistas começaram a fazer o que era improvável a
apenas alguns anos antes. Eles começaram a admitir que havia de fato um movimento em direção a
uma Nova Ordem Mundial completa, com um tribunal mundial, imposto mundial e um exército
mundial para impor suas leis déspotas. Apenas alguns anos atrás, o homem mediano nas ruas
recusava-se a admitir a possibilidade de um governo mundial. Agora os mesmos indivíduos acenam,
dizendo: ‘Sim, há de fato um governo mundial – e nós necessitamos dele para nos proteger do
terrorismo!’ Os planos dos globalistas estão tão amplamente avançados que eles mesmos devem
admitir que o governo mundial é uma realidade. Seus propagandistas estão saudando a Nova Ordem
Mundial como o único sistema que nos manterá salvos e seguros. Na realidade, é o próprio governo
mundial que está realizando atos terroristas.” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 –
Descida na Tirania)

Durante décadas os políticos, a mídia corporativa, bem como as escolas públicas têm sido
promotoras dessa Agenda Mundial Unificada como sendo um inevitável e vantajoso passo para a
humanidade. Dizem tratar-se de um governo mundial, um exército mundial e uma moeda mundial
pondo fim a todas as guerras e à pobreza. Isto simplesmente não é verdade. Tem-se travado mais
guerras nesses últimos sessenta anos desde a fundação das Noções Unidas em 1945, do que no resto
da história registrada antes da ONU – cerca de 140 guerras. Isso significa que as Nações Unidas têm
falhado nessa única razão de sua existência – por fim a todas as guerras.

“A nova ordem mundial mudou quando irrompeu


essa tempestade da guerra. A velha ordem
internacional faleceu de repente, inesperada e
completamente como que se tivesse sido dizimada
por uma inundação gigantesca, por uma enorme
tempestade, ou por uma erupção vulcânica. A
velha ordem mundial morreu com o pôr do sol
daquele dia e uma nova ordem mundial está
nascendo enquanto eu falo, com dores de parto tão
terríveis que parece quase inacreditável que a vida
poderia vir de tal sofrimento e tão esmagadora
tristeza.” - Nicholas Murray Butler, em uma carta
enviada para a Liga União de Filadélfia, em
Novembro de 1925.

Após a Primeira Guerra Mundial, o tratado de Versalhes criou a Liga das Nações que era promovida
de maneira sobrenatural como um veículo para a paz mundial, mas de modo sobrenatural a
primeira tentativa por parte dos globalistas na busca de um governo mundial. A Liga das Nações
falhou tanto em unir os governos, quanto em promover a paz mundial. O Tratado de Versalhes
também falhou e foi denunciado por impor impossíveis pagamentos de indenização ao povo alemão
- pagamentos esses que geraram dificuldades econômicas que levaram ao crescimento do Partido
Nacional e de Hitler. Na época, o presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson falou sobre o
Tratado: “Se eu fosse um alemão, acho que nunca o assinaria.”
“Nós escrevemos um documento que garante a guerra em vinte anos … quando você coloca
condições para um povo [alemão] que não podem ser possíveis de se manter, você o força ou a
violar o acordo ou à guerra. Ou modificamos esse acordo, fazendo-o suportável para o povo alemão
ou conforme o surgimento da nova geração, eles farão uma nova tentativa.” - David Lloyd George,
Primeiro-Ministro Britânico.

“Ao fim da guerra em 1919, as reuniões do


Tratado de Versalhes foram assistidas por homens
ligados aos Rothschild, como Paul e Max
Warburg, John Foster Dulles, (do Banco Kuhn-
Loeb) Colonel House, Thomas Lamont (do
Morgans) e Allen Dulles. (do Kuhn-Loeb) Os
termos rígidos do Tratado de Versalhes
praticamente prepararam o palco para a Segunda
Guerra Mundial. Certo delegado declarou: ‘Isso
não é paz; trata-se apenas de uma trégua para
vinte anos.’ Efetivamente em 1939, deu-se início
à Segunda Guerra Mundial. Um outro produto
das reuniões de Versalhes, a Carta da Elite em
prol da Liga das Nações – foi a primeira tentativa
illuminati para a criação de uma instituição
global. A Liga das Nações falhou. Isso
evidenciou a necessidade de se criar um grupo de
reflexão/organismo de interesse especial que promoveria a Nova Ordem Mundial.
Consequentemente, a criação das instituições para relações estrangeiras, a CRF, a RIIA e etc.” -
Fritz Springmeier em Bloodness of Illuminatti. (A Linhagem Illuminatti)

Por ocasião da mesma época do Tratado de Versalhes, os superiores na pirâmide conspiracional


reuniram-se secretamente no Hotel Majestic, em Paris. Dessas reuniões foram criados o Conselho
Americano para Relações Exteriores (CRF) e o Instituto Real Britânico de Relações Exteriores,
(RIIA) tendo como fundadores Cecil Rhodes, os Rockefellers e os Rothschilds, entre outros. A
missão declarada do CRF é minar a soberania nacional da América, tendo por meta a um único
governo mundial. Isso será explicado em detalhes mais tarde.

“A conferência de paz foi composta. Ela tomará as mais importantes


decisões da história e abaixo dessas decisões repousa a estabilidade
da nova ordem mundial e a futura paz mundial.” - M.C. Alexander,
Secretario Executivo da American Association for International
Conciliation, (Associação Americana para a Conciliação
Internacional) em uma carta escrita ao periódico Internacional
Conciliation (Conciliação Internacional) em 1919.

“A Liga se reuniu em Paris em 1919, mas muitas nações


reconheceram-na como uma ameaça à sua soberania e se recusaram a
participar. Frustrada pelo bloqueio do Congresso dos Estados Unidos
à Liga das Nações, a Inteligência Britânica, com a ajuda da família
Rockefeller estabeleceu o Conselho para Relações Estrangeiras na
cidade de Nova Iorque em 1921. O Conselho recrutou os melhores e
mais inteligentes do cotidiano da América para apoiar o desenvolvimento do Império Anglo-
Americano. A missão declarada do CRF é abolir a todas as nações estados em favor de um governo
mundial administrado por uma elite minoritária.” - Alex Jones em Endgame DVD. (Fim de Jogo,
em DVD)
Tendo formado a Liga das Nações, o Conselho para Relações Estrangeiras e o Real Instituto para
Relações Internacionais, os globalistas haviam iniciado com sucesso a transição de um velho mundo
para um novo mundo de interdependência internacional.

“Se há aqueles que pensam que estamos saltando imediatamente para uma nova ordem … estão
fadados à decepção. Se já estamos nos aproximando daquele tempo, será após paciente e persistente
esforço de longa duração. A atual situação internacional de desconfiança e de medo pode ser
corrigida apenas por uma fórmula de situação igualitária, aplicada de forma contínua, para todas as
etapas de contato internacional, até que as teias de aranhas da velha ordem sejam varridas para fora
das mentes das pessoas de toda a terra.” - Dr. Augustus O. Thomas, Presidente da World Federation
of Education Associations, (Federação Mundial das Associações de Educação) conforme citado no
livro Internacional Understanding: Agencies Educating for a New World, (Entendimento
Internacional: Agências Educadoras para um Novo Mundo) de 1931.

H.G. Wells, o famoso autor de Time Machine, (A


Máquina do Tempo) War of the Worlds (Guerra dos
Mundos) e The Invisible Man (O Homem Invisível) era
secretamente um membro da Inteligência Britânica, do
Comitê dos 300, um maçom e um fabiano. (membro da
Sociedade Fabiana) Ele estava muito familiarizado com a
agenda de um Mundo Unido dos globalistas e escreveu
muitos livros que faziam referência a este, com títulos
como: The Open Conspiracy, (A Conspiração Aberta) The
Shape of Things to Come, (A Definição das Coisas que
Estão por Vir) World Brain, (Cérebro Mundial) A Modern
Utopia, (Uma Utopia Moderna) e The New World Order.
(A Nova Ordem Mundial)

“O mundo político da … conspiração aberta deve


enfraquecer, apagar, incorporar e substituir aos governos
existentes … A conspiração aberta é a herdeira natural dos
entusiasmos socialista e comunista. Esta pode ter a Moscou sob seu controle antes de ter o controle
de Nova Iorque … o caráter da conspiração aberta será agora revelado com clareza … será uma
nova religião … A conspiração aberta vai primeiro aparecer, creio eu, como uma organização
consciente, composta de homens inteligentes e, em alguns casos, ricos, como um movimento dotado
de alvos distintos, social e politicamente, ignorando abertamente à maioria dos aparatos de controle
políticos em existência, ou usando a esses apenas de forma parcial, de maneira aplicativa incidental,
um mero movimento de pessoas em determinada direção, que vão descobrir com uma certa surpresa
o objetivo comum em direção da qual estão indo. De todos os modos, eles influenciarão e
controlarão ostensivamente ao governo.” - H.G.Wells em The Open Conspiracy: Blue Prints for a
World Revolution, 1928. (A Conspiração Aberta: Planos para uma Revolução
Mundial) de 1928.

Ao escrever livros do tipo The Open Conspiracy (A Conspiração Aberta) e


explicando de modo franco os seus planos para uma ditadura científica – os
conspiradores escondem-se em campo aberto. Ao lermos a respeito de nossa
liberdade sempre invadida, nós a aceitamos como inevitável. Dá-se a isso o
nome de “programação preditiva” e continua sendo usada atualmente em
livros, revistas, filmes e outras formas de comunicação em massa. As ideias
são propagadas dentro da mente do público como sendo hipóteses ou ficção
científica. Isso torna insensível e precondiciona a população a aceitar a
gradativa implementação dessas supostas ditaduras de ciência fictícia. A medida que a tecnocracia
global arrasta tudo ao nosso redor, estamos a todo momento sendo programados inconscientemente
a aceitar a tal futuro.

“Fabianos tais como H.G. Wells , que escreveu tão eloquentemente sobre a Nova Ordem Mundial
com livros tais como The New World Order, (A Nova Ordem Mundial) A Modern Utopia, (Uma
Utopia Moderna) The Open Conspiracy: Blue Prints For A World Revolution (A Conspiração
Aberta: Planos para uma Revolução Mundial) eram lobos vestidos em peles de ovelhas. H.G. Wells
fez da Nova Ordem mundial algo que soava ser vantajoso para todos, uma espécie de Utopia. Isso é
o que ela não se tornará.” - Fritz Springmeier, Bloodlines of the Illuminati (Linhagem Illuminati)

No ano de 1933, H.G. Wells publicou The Shape of Things to


Come, (A Definição das Coisas que Estão por Vir) que era
supostamente uma obra de ficção científica sobre um estado
mundial governado por uma ditadura benevolente. Entretanto,
esse livro predisse detalhadamente que a Segunda Guerra
Mundial começaria por volta de 1940 em razão de uma disputa
entre Alemanha e Polônia. Esta passou a predizer que a agenda
para um governo mundial faria sucesso nessa terceira tentativa
por volta de 1980 logo após alguns eventos que ocorreriam no
Iraque. Apesar de 1980 ter sido um pouco cedo de mais, a
profecia de Wells certamente parece dar frutos agora em 2008.

“Embora o governo mundial tivesse vindo sem dúvida a alguns


anos e apesar de que este havia sido infinitamente temido e
objeto de falatórios contra, não encontrou oposição em nenhum
lugar.” - H.G. Wells em The Shape of Things to Come. (A
Definição das Coisas que Estão por Vir)

A Sociedade Fabiana, a qual H.G. Wells pertencia foi também um instrumento para garantir a Nova
Ordem Mundial. Sua declarada missão é promover a causa socialista por meios graduais,
reformistas e não revolucionários. Seu símbolo é um lobo vestindo um terno de ovelhas – um lobo
em pele de cordeiro. Aqui está uma amostragem do pensamento Fabiano:

“Manipular milhões de mentes, vendo-as responder de maneira gradual a um estímulo invisível,


para guiar as suas aspirações sem o seu conhecimento – tudo isso tanto em potência máxima ou
mínima, acaba sendo um jogo interminável de xadrez, de contínuo e extraordinário prazer.” -
Sidney Webb, fundador da Sociedade Fabiana.

“Por detrás da divisão da humanidade erguem-se esses Iluminados cujo direito e o privilegio é
cuidar da evolução humana e guiar os destinos do homem … Eles fazem isso através da
implantação das ideias nas mentes dos pensadores mundiais, a fim de que essas ideias ao mesmo
tempo recebam reconhecimento e tornem-se eventualmente fatores de controle na vida humana.
Eles treinam os membros do Novo Grupo de Servidores Mundiais na tarefa de transformar essas
ideias em ideais. Essas, por sua vez passam a ser os objetivos almejados dos pensadores e, assim
são ensinadas pela poderosa classe média, sendo trabalhadas mundialmente na forma de governos
ou religião, formando assim a base da Nova Ordem Mundial.” - Alice Bailey, ocultista, Fabiana e
líder da Sociedade Lucis Trust.
No ano de 1933, o maçom possuidor do grau 33 e presidente do
FDR (Sistema de Reserva Federal - em inglês, Federal Reserve
System) inseriu o Grande Selo no verso da nota de um dolar, que
inclui ainda a frase em latim “Novus Ordo Seclorum” que,
traduzindo é “A Nova Ordem Secular” ou “A Nova Ordem
Mundial”. Esse termo foi usado a seguir pelo membro da sociedade
secreta Thule, Adolf Hitler quando ele afirmou: “o Nacional-
Socialismo (Nazismo) vai usar sua própria revolução para o
estabelecimento de uma Nova Ordem Mundial.” Pouco tempo
depois em 1939, H.G. Wells escreveu o seu livro intitulado The
New World Order, no qual ele defende um Único Governo Mundial
centralizado.

“Quando a luta rumo a uma democracia social parece fugir definitivamente ao controle,
pode haver ainda enormes impedimentos e desapontamentos antes de esta se tornar um sistema
mundial efetivo e altruísta. Inúmeras pessoas – vão odiar a nova ordem mundial – e vão morrer
protestando contra ela. Quando tentamos avaliar a sua promessa, temos que levar em conta o
sofrimento de uma geração ou por assim dizer, de descontentes, muitos deles galantes e de olhares
graciosos.” - H. G. Wells, The New World Order, ( A Nova Ordem Mundial) de 1939.

No ano de 1940 o Carnegie Endowment for


International Peace (Fundo Carnegie para a
Paz Internacional) publicou a obra The New
World Order (A Nova Ordem Mundial) que
incluía ideias sobre uma Federação
Internacional com planos especiais para uma
ordem mundial a ser implementada após a
guerra. Em 28 de junho de 1945, seis semanas
após o término atômico da segunda guerra
mundial, o trigésimo terceiro presidente e
maçom de trigésimo terceiro grau, Harry
Truman endossou o governo mundial dizendo:
“Vai ser tão fácil para as nações progredirem
em uma república Mundial como é para nós o
progresso em uma república norte-americana.”
Em 24 de Outubro de 1945, a Carta das Nações Unidas tornou-se efetiva e o novo organismo
governamental mundial foi estabelecido.

“Mais uma vez a elite alegou que apenas uma governança mundial poderia salvar a humanidade da
destruição certa e dessa vez a elite mundial teria sucesso na criação de seu corpo mundial. Em abril
de 1945 … as Nações Unidas foram fundadas pelos vitoriosos da Segunda Guerra Mundial. O
complexo das Nações Unidas foi construído na Cidade de Nova Iorque em um terreno doado por
John D. Rockefeller. Logo a seguir, a elite estabeleceu as Nações Unidas como a sua base nos
Estados Unidos; o Conselho Mundial recém-formado rapidamente começou a trabalhar na próxima
fase de seu plano: a formação gradual de superestados continentais. O primeiro passo em seu plano
trilateral foi a criação da União Europeia. A unificação da Europa havia sido tentada inúmeras vezes
e era extremamente impopular. Ao passo que Napoleão e Hitler haviam falhado em realizar seus
alvos usando a força, os globalistas foram bem-sucedidos usando de discrição.” - Alex Jones no
DVD Endgame. (Fim de Jogo)
“A Segunda Guerra Mundial facilitou a aceitação americana de uma instituição global de
manutenção da paz – A Organização das Nações Unidas. Depois de os EUA terem rejeitado a
primeira tentativa de criar tal instituição, com o nome de Liga das Nações, os Illuminati decidiram
criar um braço dos Rothschild, financiando grupos de debates que poderiam ajudar a influenciar a
sociedade ocidental a acolher o globalismo.”- Fritz Springmeier, Bloodlines of the Illuminati
(Linhagem Illuminati)

No ano de 1948, George Orwell escreveu o livro 1984, (mesmo título em português) outro romance
de quase-ficção sobre sociedades Big Brother de rede vigilante de controle, por vir. Orwell disse:
“Se você quer uma imagem do futuro, imagine uma bota carimbada em um rosto humano para
sempre”. Em 07 de fevereiro de 1950 o consultor financeiro do FDR, o Sistema de Reserva Federal,
(em inglês, Federal Reserve System, mais conhecido como Federal Reserve e, informalmente, como
The Fed ‘é o sistema de bancos centrais dos Estados Unidos’ - Wikipédia) o banqueiro
internacional James Paul Warburg afirmou perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado
dos Estados Unidos que “teremos um governo mundial, gostando ou não. A única questão é saber se
Governo Mundial será alcançado mediante conquista ou consentimento”. Dois dias mais tarde, a
Subcomissão de Relações Exteriores do Senado introduziu a resolução simultânea 66, afirmando
que a Carta das Nações Unidas “deve ser alterada para proporcionar uma verdadeira constituição de
um governo mundial.” Em 1952, o globalista e membro do Comitê dos 300 Estados, Bertrand
Russell escreveu o livro The Impact of Science on Society. (O Impacto da Ciência na Sociedade)
Assim como Wells, Russell escreveu extensivamente sobre o governo mundial e as ditaduras
científicas do futuro:

“Deve-se admitir que há uma dificuldade psicológica a respeito de um governo único. A fonte
principal de coesão social antigamente, repito, havia sido a guerra: as paixões que inspiravam um
sentimento de união eram o ódio e o temor. Isso depende da existência de um inimigo real ou em
potencial. Parece que um governo mundial poderia apenas ser mantido pelo uso da força e não pela
lealdade espontânea que atualmente inspira uma nação à guerra.” - Bertrand Russell, The Impact of
Science on Society, (O Impacto da Ciência na Sociedade) p. 36.

“É possível hoje em dia um governo ser muito mais opressor que qualquer
governo teria sido antes quando não havia técnica científica. A propaganda
torna a persuasão mais fácil para o governo; prédios púbicos literais e o
papel dificultam mais a vida da propaganda; a efetividade dos armamentos
modernos impossibilita levantes populares. Nenhuma revolução pode ser
bem-sucedida em um país moderno sem o suporte de, pelo menos, uma
parte considerável das forças armadas. Mas pode-se conseguir a lealdade
das forças armadas por se dar a ela um padrão mais elevado de vida do que
a do trabalhador comum. Assim os próprios malefícios do sistema
contribuem para dar estabilidade. Separado da pressão externa, não ha
razão alguma para que tal sistema não dure por um longo tempo.”- Bertrand
Russell, The Impact of Science on Society, (O Impacto da Ciência na
Sociedade) p. 61.

“Uma sociedade científica mundial não pode ser estável sem que haja um
governo mundial… sem que haja um governo mundial que dê suporte a um controle da natalidade
universal, havendo de tempos em tempos grandes guerras, nas quais a penalidade gerada pela
derrota seja a morte por inanição … A menos que, em algum momento, uma potência ou um
conjunto de potências emerjam vitoriosos e passem a estabelecer um único governo mundial com
forças armadas monopolizadas, é evidente que o nível de civilização deve declinar até que a guerra
científica impossibilite isso – até que a ciência acabe totalmente”. - Bertrand Russell, The Impact
of Science on Society, (O Impacto da Ciência na Sociedade, página 117.
Pouco tempo depois do livro de Russel, o co-membro da Comissão dos
300, Aldous Huxley escreveu Brave New World (Admirável Mundo
Novo) a respeito de uma futura ditadura científica farmacológica na qual
os cidadãos drogados são descritos como sendo “depressivos sorridentes
amantes da servidão”. O avô de Aldous Huxley, T.H. Huxley foi outro
membro da Comissão dos 300 conhecido como Darwin's Bulldog
(Buldogue de Darwin) devido ao fato de ser um defensor ferrenho da
evolução e do cienticismo. H.G. Wells conhecia aos dois Huxleys e
considerava T.H. como seu mentor. No ano de 1959, Aldous Huxley deu
uma de suas últimas conferências públicas chamada The Final
Revolution (A Revolução Final) na UC Medical School, (Escola de
Medicina da Universidade de Cincinnati) onde ele declarou: “Haverá na
próxima geração ou mais um método farmacológico que fará com que
as pessoas amem a escravidão e que produzirá ditaduras sem lágrimas, por assim dizer. Criará uma
espécie de campo de concentração destituído de dor para sociedades inteiras, ao passo que as
pessoas terão de fato as suas liberdades arrancadas delas, mas que gostarão disso, uma vez que
estarão tão distraídos de qualquer vontade de se rebelar – devido à propaganda, lavagem cerebral
comum, ou à lavagem cerebral causada por métodos farmacológicos; e isso aparenta ser a revolução
final.”

“Os antigos ditadores caíram porque eles nunca poderiam suprir seus súditos com suficiente pão,
suficientes espetáculos circenses, suficientes milagres e mistérios. Abaixo de uma ditadura
científica, a educação irá realmente funcionar … a maioria dos homens e das mulheres crescerá para
amar à sua escravidão e sequer sonhará com uma revolução. Não parece haver razão alguma para
que uma ditadura totalmente científica possa ser derrubada.” - Aldous Huxley em Brave New
World Revisited (Admiravel Mundo Novo – Revisado)

Em sua obra de 1962, The Future of Federalism (O Futuro do


Federalismo) o governador da linhagem, da cidade de Nova Iorque e
membro do CFR (Conselho de Relações Exteriores) Nelson
Rockefeller, promoveu a Nova Ordem Mundial: “A Nação Estado
está se tornando cada vez menos competente para executar suas
atribuições políticas internacionais… Essa é uma das razões
forçando-nos em direção à construção de uma nova ordem mundial
… Mais cedo, talvez, do que se possa perceber … evoluir-se-ão as
bases para uma estrutura federal de um mundo livre”. Anos depois
em 26 de Julho de 1968 em campanha presidencial, Nelson
Rockefeller disse à Associated Press que “como presidente,
trabalharia pela criação de uma nova ordem mundial.”

O presidente pertencente à linhagem, bem como membro do CFR,


(Conselho de Relações Exteriores) Richard Nixon foi citado na
edição de Outubro de 1967 da Foreign Affairs (Assuntos Exteriores)
como tendo dito: “A crescente coerência na maneira de pensar da Região Asiática pode ser refletida
na disposição de considerar problemas e lealdades em termos regionais e em evoluir as abordagens
regionais em direção ao desenvolvimento de necessidades e para a evolução de uma nova ordem
mundial.”

Em 1969, o primeiro congressista negro de Nova Iorque, Adam Claytom Powell Jr., fez uma
denúncia no Programa David Frost Show a respeito de um governo secreto. Ele disse durante o
programa que provavelmente seria morto por trazer a público tudo e na verdade morreu de forma
muito suspeita pouco tempo depois.

Zbigneiw Brzezinski é um ex-conselheiro norte-americano de segurança nacional, co-fundador do


Comitê Trilateral, membro do CFR, (Conselho de Relações Exteriores) do Clube de Roma e da
Comissão dos 300. Ele é descendente da Nobreza Negra da Polônia (Velha Ordem Mundial) e um
associado a Henry Kissinger. No seu livro de 1970 intitulado The Technetronic Era, (A Era
Tecnotrônica) Brzezinski previu a vindoura rede globalista de controle ditatorial: “Em breve será
possível impor quase que absoluto controle sobre todos os cidadãos e manter arquivos atualizados,
contendo cada detalhe pessoal sobre saúde e bem-estar pessoal de cada cidadão, além dos dados
mais comuns. Estes arquivos estarão sujeitos a recuperação instantânea pelas autoridades. O poder
gravitará nas mãos daqueles que possuirão o controle da informação. Nossas atuais instituições
serão suplantadas por instituições de gestão pré-crises, cuja tarefa será identificar antecipadamente a
prováveis crises sociais e a desenvolver programas para lidar com elas. Isso vai impulsionar as
tendências através das décadas seguintes, em direção a uma Era Tecnotrônica, uma ditadura
deixando ainda menos espaço para procedimentos políticos como nós os conhecemos. Finalmente,
olhando à frente para o fim do século, a possibilidade de um controle bioquímico da mente e a
manipulação genética humana, inclusive com seres que parecerão agir iguais a homens de verdade,
poderá originar alguns questionamentos complexos.”

“Brzezinski é o autor de um livro que deveria ser lido por todo


americano que tenha interesse no futuro de seu país. Intitulado The
Technotronic Era, (A Era Tecnotrônica) foi encomendado pelo
Clube de Roma. O livro é uma declaração aberta da maneira e dos
métodos a serem usados para controlar os Estados Unidos no futuro
… Brzezinski, falando perante o Comitê dos 300, disse que os
Estados Unidos estavam se movendo ‘na direção de uma era
diferente de qualquer das suas antecessoras; estamos nos movendo
na direção de uma era tecnotrônica que poderia facilmente se
tornar uma ditadura’ … Brzezinski chegou a dizer que a nossa
sociedade ‘está agora em uma revolução da informação cujo foco
esta diretamente voltado para a diversão, aos espetáculos para o
público (exaustiva cobertura por parte da televisão de eventos
esportivos) que fornecem um opiáceo para uma massa cada vez mais destituída de propósito.’ Foi
Brzezinski um outro vidente e profeta? Podia ele ver o futuro? A resposta é NÃO; o que ele
escreveu em seu livro foi simplesmente copiado do modelo do Comitê dos 300 dado ao Clube de
Roma para execução.” - John Coleman em Conspirators Hierarchy: The Story of the Committee of
300. (Uma Hierarquia de Conspiradores: A História do Comitê dos 300)

No número de Abril de 1974 da revista do Conselho para Relações


Exteriores, (CFR) Foreign Affairs, (Relações Exteriores) o seu membro,
Richard N. Gardner escreveu: “A Nova Ordem Mundial terá de ser
construída de baixo para cima, e não ao contrário. Irá se parecer a uma
grande ‘confusão crescente e movimentada’, usando a famosa descrição
da realidade, feita por William James, mas uma manobra em torno da
soberania nacional, corroendo-a peça por peça e que vai realizar muito
mais do que o antigo ataque frontal tradicional.”

Em outubro de 1975 durante um discurso perante a Assembleia Geral das


Nações Unidas, Henry Kissinger disse: “A história do meu país, Sr.
Presidente, nos mostra que é possível formar a união ao passo que se
aprecia a diversidade, que uma ação em conjunto é possível apesar da
variedade de raças, interesses e crenças que vemos nesta câmara. O progresso e a paz, bem como a
justiça são possíveis. Sendo assim, digamos a todas as pessoas e governos: Vamos formar juntos
uma nova ordem mundial.”

Mais tarde em 24 de Outubro de 1975 o Conselho de Assuntos Mundiais da Filadélfia publicou a


“Declaração da Independência”, assinada por 125 membros da Câmara e do Senado, que reza:
“Quando no curso da história a ameaça de extinção confronta a humanidade, torna-se necessário
por parte do povo dos Estados Unidos o ato de declararem a sua independência, em parceria com os
povos de todas as nações e abraçar esses princípios, bem como construir essas instituições, o que
permitirá a humanidade a sobrevivência, bem como a civilização florescer … Dois séculos atrás
nossos antepassados fizeram emergir uma nova nação; agora devemos nos juntar uns com os
outros para trazer uma nova ordem mundial.”

No mesmo ano, 1975, Richard A. Falk escreveu um livro intitulado de On the Criation of a New
World Order. (Sobre a Criação de uma Ordem Mundial Justa) Em uma das partes do livro intitulado
Toward the New World Order: Modest Methods and Drastic Vision, (Em Direção da Nova Ordem
Mundial: Metodologias Modestas e Visões Drásticas) Falk escreveu: “A Ordem que existe agora
está caindo aos pedaços a uma taxa muito rápida e a principal incerteza é se a humanidade
conseguirá exercer um papel positivo na formação de uma Nova Ordem Mundial ou se está
condenada a aguardar o colapso em uma postura passiva. Nós acreditamos que uma nova ordem
mundial nascerá o mais tardar no início do próximo século e que a morte agonizante da velha, junto
com as fortes dores de parto da nova, proporcionarão uma fase de
provações para espécie humana.”

Um outro congressista delator foi Larry P. Macdonald, que


morreu a bordo de um avião, supostamente abatido por
soviéticos. No ano de 1976 ele disse: “O plano dos Rockefellers e
de seus aliados consiste na criação de um único governo mundial
que combine capitalismo com comunismo sobre o mesmo teto,
tudo sendo controlado por eles … Estou me referindo a uma
conspiração? Sim, estou. Estou convencido que esse é o plano, de
escopo internacional, planejado pelas gerações antigas e
incrivelmente mal na intenção.”

“Existe um governo sombrio, dotado de sua própria força aérea,


de exército próprio, com seu próprio mecanismo de angariar
receitas, bem como a capacidade de exercer as suas próprias
ideias de interesse nacional, livre de qualquer verificação e
balanço e livre da própria lei.” - Senador Daniel K. Inouye em
1977.

“Só se torna possível o progresso adicional por intermédio da busca por um consenso universal na
direção de uma nova ordem mundial.” - Mikhail Gorbachev, em discurso nas Nações Unidas –
Dezembro de 1988.

“Nós podemos ver através das sombras atuais da guerra no Oriente Médio uma nova ordem
mundial na qual os fortes trabalharão em conjunto para deter e parar a agressão.” - Richard
Gephard, no The Wall Street Journal, Setembro de 1990.

“A crise no Golfo Pérsico oferece uma rara oportunidade para a condução em direção de histórico
período de cooperação. Livre desses tempos atribulados; uma Nova Ordem Mundial pode emergir.”
- Presidente George Bush, discursando perante o Congresso em 11 de Setembro de 1990.
“Se não seguirmos os ditames de nossa bússola moral
interna e levantar-nos a favor da vida humana, aí sua
ilegalidade vai ameaçar a paz e a democracia da
emergente Nova Ordem Mundial a qual vemos hoje,
esta visão a muito sonhada por qual temos
trabalhado em prol por tanto tempo.” - Presidente
George Bush, em Janeiro de 1991.

“Mas ficou claro com o passar do tempo que a ideia


nutrida pelo senhor Bush a respeito da Nova Ordem
Mundial foi baseada em uma convergência de alvos e
interesses entre os Estados Unidos e a União
Soviética, tão forte e permanente que ambos
trabalhariam como um time durante o Conselho de Segurança da ONU.” - A.M. Rosenthal, New
York Times de Janeiro de 1991.

“Eu poderia apoiar um candidato à presidência que se comprometa a tomar as seguintes medidas:
… Quando do fim da guerra no Golfo Pérsico, pressionar por uma solução abrangente no Oriente
Médio e por uma ‘nova ordem mundial’ que não seja baseada na ‘Pax Americana’, mas na paz
através da lei com uma ONU mais forte e com um tribunal mundial.” - George McGovern, New
York Times, edição de Fevereiro de 1991.

“O que está em jogo é mais do que um pequeno país. É uma imensa ideia, uma Nova Ordem
Mundial, onde inúmeras nações estão reunidas por uma causa comum para alcançar aspirações
universais para a humanidade – paz e segurança, liberdade e estado de direito. Livres desses tempos
turbulentos, o nosso quinto alvo, uma nova ordem mundial poderá surgir. Atualmente podemos ver
o surgimento de um novo mundo, um mundo no qual temos a verdadeira perspectiva de uma nova
ordem mundial.” - Presidente George Bush, em seu Discurso sobre o Estado da União em 11 de
Setembro de 1991.

“George Bush cercou-se de pessoas que


acreditam em um governo único. Eles
acreditam que o sistema soviético e o sistema
norte-americano estão em convergência. O
meio para alcançar este objetivo são as
Nações Unidas, cuja maioria dos membros é
socialista, ateísta, bem como
antiamericanos.” - Embaixador dos E.U.A,
David Funderburk em 1991.

“No próximo século, as nações tornar-se-ão obsoletas; todos os estados vão reconhecer uma única
autoridade global. A soberania nacional não seria, a final das contas uma ideia tão grande.” - Strobe
Talbot, Secretário de Estado Adjunto do Presidente Clinton, na Revista Time de 20 de Julho de
1992.

“São os princípios sagrados aclamados na carta das Nações Unidas que o povo americano passarão
a jurar fidelidade.” - George Bush em 1992.

“O ato final da Rodada Uruguai, marcando a conclusão da mais ambiciosa rodada de negociação do
século, vai dar à luz – em Marrocos – à Organização Mundial do Comércio, o terceiro pilar da Nova
Ordem Mundial, com as Nações Unidas e o Fundo Monetário Internacional.” - parte do anúncio de
página inteira do governo de Marrocos no New York Times, de abril de 1994.
"[A Nova Ordem Mundial] não conseguirá surgir sem a participação dos Estados Unidos da
América, uma vez que nós somos o componente singular mais significativo. Sim, haverá uma Nova
Ordem Mundial e ela vai forçar os Estados Unidos a mudar as suas percepções." - Henry Kissinger
por ocasião da Conferência de Imprensa do Conselho para Assuntos Mundiais, no Hotel Regent
Beverly Wilshire, em 19 de Abril de 1994.

“Nós estamos no limiar de uma transformação global. Tudo o que precisamos é de uma grande crise
para que as nações aceitem a Nova Ordem Mundial.” - David Rockefeller no jantar de
Embaixadores da ONU, em 23 de setembro de 1994.

“Não vamos conseguir uma nova ordem mundial sem que paguemos por isso seja com sangue,
seja com palavras, seja com dinheiro.” - Arthur Schlesiger Jr., na edição de Julho/Agosto da revista
Foreign Affairs.

“Para alcançarmos o Governo Mundial Único faz-se necessário remover das mentes dos homens o
seu individualismo, sua lealdade à tradições familiares e sua identificação nacional.” - Brock
Crisholm, quando era o diretor da Organização Mundial de Saúde, OMS (WHO, em inglês, sigla
para World Health Organization) pertencente à ONU.

No ano de 1998, Zbigniew Brzezinki escreveu um outro livro intitulado The Grand Chessboard, (O
Grande Tabuleiro) no qual ele comparou o controle do mundo por parte da elite a um jogo de xadrez
e “predisse” de maneira precisa os ataques terroristas por parte do Afeganistão e a ascensão do
estado policial americano: “Voltando décadas atrás para o tempo de Jimmy Carter e de Zbigniew
Brzezinki e o Conselheiro de Segurança Nacional, os senhores da Nova Ordem Mundial haviam
reproduzido e criado essas organizações terroristas, fundando-as, bem como treinando-as para
atacarem à América. Zbigniew Brzezinki, cofundador do Comitê Trilateral, em companhia de David
Rockefeller e outros luminares do sistema global, realmente jactou-se em seu livro de 1998,
intitulado de The Grand Chessboard, (O Grande Tabuleiro de Xadrez) sobre como a América seria
atacada por terroristas afegãos. Uma guerra em prol de um governo global iria se instalar na Ásia
Central, o qual seria usada como uma razão para a implantação de Cartões de identificação e de um
estado policial global aqui nos Estados Unidos. De acordo com o livro de Brzezinski, tudo que está
acontecendo agora foi planejado a décadas atrás. O livro de Brzezinski prossegue explanando como
a América deve sobreviver por seguir as regras básicas do império e como inimigos externos são
necessários para mobilizar a população atrás da hegemonia do império.” - Alex Jones na obra 911
Decent into Tyranny: (911 – Descida na Tirania)

Apenas três dias após os ataques do 11 de Setembro sobre o Pentágono e o World Trade Center,
Gary Hart disse no canal de televisão C-Span: “Há uma chance para que o presidente dos Estados
Unidos use este desastre para defender uma frase usada pelo seu pai … e esta é uma Nova Ordem
Mundial.”

No seu livro escrito em 2002, intitulado em inglês de Memoirs, (em português de Memórias) David
Rockefeller admitiu conspirar junto com outros globalistas em prol de uma ordem mundial única:
“Alguns até acreditam que nós (i.é., a família Rockefeller) façamos parte de uma cabala secreta
trabalhando contra os melhores interesses dos Estados Unidos, descrevendo eu e a minha família
como sendo ‘Internacionalistas’, que conspiram com outras ao redor do mundo para construir uma
sociedade global mais integrada política e economicamente – um só mundo, se você quiser. Se isso
for uma a acusação, então sou culpado, e eu estou orgulhoso disso.”
O Papa João Paulo II declarou por ocasião da Homilia do Dia Internacional da Paz no dia 1º de
Janeiro de 2004 que: “as pessoas estão se tornando cada vez mais conscientes da necessidade de
uma nova ordem internacional.”

Diante do sucesso do filme de Al Gore, “An


Inconvenient Truth”, (Uma Verdade
Inconveniente) que de fato deveria se chamar
“Convenient Half-Truth”, (Meia Verdade
Conveniente) bem como de um painel realizado
pela ON, a respeito da pobre ciência do IPCC,
(Intergovernmental Panel on Climate Change –
em português, Painel Intergovernamental sobre
Mudanças Climáticas) realizado em 2007, o
primeiro-ministro britânico Gordon Brown
disse: “Uma Nova Ordem Mundial e necessária
para lidarmos com a crise causada pelas
mudanças climáticas.” Em um livro de Al Gore,
chamado de Earth in Balance, (Terra em
Equilíbrio) ele predisse um Global Marshall
Plan (Plano Marshall Global) que estava por vir
para ajudar a terra e as pessoas: “Nós estamos
próximos de uma época na qual a humanidade inteira vai vislumbrar a uma agenda global que será
em realidade o Plano Marshall Global para enfrentar as causas da pobreza e do sofrimento humano
e que enfrentará também a destruição ambiental de toda a terra.”

A Sociedade de Vigilancia Big Brother

Existem cerca de 30 milhões de câmeras de televisão em


circuíto fechado na América do Norte gravando 24 horas por
dia e sete dias na semana, captando imagens do cidadão
mediano em filme cerca de 200 vezes ao dia. Cada norte-
americano tem um número de seguro social contendo nove
dígitos designados a ele desde que nasce. Precisamos de
licenças para dirigir, para nos casarmos, para termos animais, de
passaportes do governo para viajarmos, cartões de crédito
corporativos para reservarmos bilhetes, fazer reservas em
hotéis, e para fazer compras on line. Nossas linhas telefônicas
são grampeadas e nossos e-mails são compilados e salvos.
Agências de inteligência e corporações compartilham e mantêm
bancos de dados enormes cheios de informações sobre todos os
cidadãos. Os interesses do governo, das corporações e da mídia se fundiram em uma união coesa,
divulgando a versão “oficial” da realidade através de todos os jornais e canais de televisão.

“Certo desenho animado, com o personagem Buzz Lightyear


recentemente apresentou um episódio onde uma entrega havia
sido feita para a casa do super-herói, por um carteiro futurista.
Nesse desenho animado, o carteiro usava não somente escaneador
de retina como também um DNA para conferir a identidade do
destinatário. Se mostrássemos a você todas as provas em desenhos
animados para criança e na mídia a respeito do escaneador facial,
escaneamento por biometria, cartões de identificação nacionais e
o estado policial mundial, esse livro poderia muito bem conter umas quinhentas páginas.” - Alex
Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 - Descida na Tirania)

Eles já estão treinando os nossos filhos para serem prisioneiros. Os alunos já estão cercados por
câmeras de monitoramento, detetores de metal, e por rondas de segurança da polícia. Novos alunos
estão sendo forçados a mostrar suas identidades ou a se submeter à biometria para a fim de que
possam receber lanches e muitas escolas estão proibindo o uso de mochilas. Nesse contexto vemos
o aumento de relatos sobre seguranças policiais assediando e agredindo a alunos inocentes. Em
setembro de 2007 uma garota de 16 anos teve seu braço quebrado e foi presa após ter se recusado a
limpar o chão devido a um pedaço de bolo que havia caído. Dois outros alunos que registraram o
incidente com seus celulares foram por isso abordados, sendo que um deles foi até mesmo preso,
passando uma semana na prisão por ousar continuar gravando à cena. Logo a seguir a mãe de um
dos alunos foi acusada de agressão ao abordar o chefe da polícia pedindo para que esse encontrasse
sua filha após vinte minutos de espera. A mãe, que era professora de outro distrito teve seu
pagamento retido por duas semanas. O vigilante policial ficou duas semanas sem receber o seu
pagamento.

“‘O Distrito Federal de Washington já implementou um cartão – que é


mantido pela CIA e pela Agência Nacional de Segurança – para todas as
crianças. Ele contém todos os tipos de informações biométricas –
escaneamento facial, impressões digitais e o nome da criança’.
(Washington Post, 15 de Agosto de 2001, no artigo: ‘Planos do Distrito
Federal para Cartões de Identificação para Alunos’) ‘Se a criança quiser
comer o seu lanche na escola, ela terá de fazer a biometria para poder
obter o alimento. Sem biometria, sem comida’. (ABC News de 24 de
Janeiro de 2002, no artigo: ‘Pagamentos em Impressões Digitais pelo
Alimento Escolar’) Tudo isso prepara a criança para a sociedade sem
dinheiro de papel e a ingressa no sistema. Pense nisso. Biometria nas escolas do governo para se
obter comida. Você esperaria ler sobre algo parecido com isso apenas em ‘Admirável Mundo Novo’
de Aldous Huxley ou em ‘1984’, de George Orwell, mas isto está acontecendo de verdade … e isto
é apenas o começo. E não é somente as crianças que estão sendo condicionadas. Adultos em todo o
país são escaneados biometricamente ao irem ao banco. E não apenas no banco – mas para obter
também os seus almoços nas lanchonetes Kroger e HEB, do Texas à Nova York.” - Alex Jones, em
911 Decent into Tyranny. (911 – Descida na Tirania)

“Os Federais (de Polícia ao FBI) agora expandiram sua grade de controle de rastreamento, ao
aprovarem uma lei segundo a qual todos os novos telefones celulares, a partir de outubro de 2001,
devem ser rastreáveis por satélite para que eles saibam exatamente onde você está … para sua
segurança. (www.bn.com, 16 de Setembro de 1999, artigo: ‘Federais Aprovam Telefonia Celular
por Rastreamento’; cnetnews.com, de 10 de Novembro de 2000, no artigo: ‘planos para
Rastreamento de Telefonia sem Fio Levantam Polêmicas Sobre Privacidade’) O que aconteceu com
a quarta Emenda? Agora virou ‘OnStar’. O governo federal está em negociações com os estados
para fazer com que todos possuam um sistema de rastreamento do tipo ‘OnStar’ em seus carros para
que possam ser rastreados, bem como para propósitos tributários. Empresas Privadas estão correndo
à frente para implementarem esse sistema do tipo ‘Big Brother’. Companhias que alugam carros
estão impondo multas de 450 dólares para aqueles que ultrapassam o limite de velocidade (ZDNet
News de 19 de Junho de 2001, no artigo: ‘Carro Espião Empurra o Limite da Privacidade’) e isso se
você tiver conseguido passar na verificação biométrica para conseguir alugar o carro. (Wired
News’de 21 de Novembro de 2001, no artigo: ‘Sem Biometria, Nada de Carro Alugado’)” - Alex
Jones, em 911 Decent into Tyranny. (911 – Descida na Tirania)
Atualmente a sociedade de vigilância está ficando cada
vez mais entrometida e tecnológica. Câmeras em sinais
de trânsito estão flagrando infratores e enviando as
multas sem envolvimento humano algum. As
tecnologias de biometria, escaneamento de retina e de
leitura da impressão digital estão se tornando a regra
em parques de diversão, em escolas, bancos e
supermercados. Por último, mas não menos importante,
chips de identificação por rádio frequência estão sendo
implantados em animais, crianças, prisioneiros e em
pacientes com mal de Alzheimer. Novas leis estão
sendo criadas para que se exija esses microchips em licenças, em passaportes e em produtos
corporativos. A Nova Ordem Mundial tem como objetivo derradeiro microchipar a cada bebê que
nasce, bem como a transferência de moeda global para um sistema baseado em crédito isento de
pagamento, gerenciado via microchips. Todavia, eles implementam diligentemente a sua agenda;
eles andam com o “totalitarismo de pontas de dedos”, citando David Icke, para que não notemos de
modo consciente a erosão gradual de nossos direitos e privacidade.

“Eu acredito que há mais exemplos de redução da liberdade do povo por intromissão gradual e
silenciosa daqueles no poder do que por usurpações violentas e súbitas.” - James Madison,
Presidente dos Estados Unidos.

“As pessoas que atualmente estão no controle de tudo o que está acontecendo em nosso mundo
possuem microchips de identificação. Esses são inseridos dentro do corpo humano com uma agulha
hipodérmica, tão pequena como as agulhas hipodérmicas usadas para injetar insulina (que medem
às vezes 29 gauge [0,33 mm]) e para aqueles que não estão familiarizados com terminologias
médicas, isso é tão minúsculo que poderia ser injetado com uma agulha sem sequer ser sentido.
Você deve entender que a tecnologia é tão sofisticada que eles conseguiram criar um computador
completo e um gerador de energia baixa do tamanho de uma célula humana e injetaram a estes no
corpo humano, em lugares como o lado superior da mão, testa, ombro e o seu lugar favorito, que é
atrás da orelha direita … Eu acredito que esses ‘chips’ fazem parte da marca da fera que é descrita
na bíblia no livro de Revelação (Apocalipse) 13:15-17. Entre esses ‘microchips’ existe um que se
sobressai na quantidade de dados e que inclui itens tais como os seguintes: 1. Nome e fotografia; 2.
número do seguro social; 3. Impressão digital; 4. Descrição física; 5. Endereço; 6. Histórico
familiar; 7. Profissão e renda; 8. Informações tributárias; 9. Registro criminal” - Alex Cristopher, na
obra Pandora's Box - The Ultimate Unseen Hand Behind the New World Order, (Caixa de Pandora
– A Suprema mão Invisível por Detraz da Nova Ordem Mundial) página 430.

“O objetivo final é ferrar com todo mundo, é controlar a inteira


sociedade, ter os banqueiros e as pessoas da elite controlando o
mundo.” - Nick Rockfeller, conforme citado em entrevista a Aaron
Russo em 2005.

Pouco depois do 11 de Setembro uma família inteira cujos membros


haviam sido “chipados” foi ao Good Morning America. (Bom Dia
América) Eles foram entrevistados junto com Diane Sawyer do CRF
e disseram que estavam com medo dos terroristas e que se sentiram
mais seguros com os dispositivos de identificação implantados.
Atualmente, o governo está forçando uma legislação para a implantação de chips em animais, em
crianças, em prisioneiros e em pacientes de Alzheimer. Andy Rooney até promoveu a ideia em um
editorial do 60 minutes: (60 minutos)
“No entanto, algo terá que mudar. Eles têm que descobrir uma maneira
melhor para identificar os bandidos, ou o resto de nós vão ter que ficar
em casa vendo o mundo passar na televisão. Mas precisamos de algum
sistema que identifique em base permanente às pessoas sãs. A maioria
de nós nunca vai explodir nada. E tem de haver algo melhor do que
uma dessas identificações fotográficas – Talvez possa ser uma
tatuagem em algum lugar. Os sauditas usam um dispositivo de origem
americana para escanear os olhos dos viajantes. Eu não me importaria
em ter algo implantado permanentemente em meu braço que me
identificasse. Se não fizermos algo, as pessoas vão parar de voar. Se
elas pararem de voar, e eu não for aos jogos dos Giants, isso significa
que os bastardos ganharam” - Andy Rooney

Campos de Concentração do FEMA

“A verdade da questão é que coloca-se esses dispositivos em ‘standby’ (espera) e os planos oficiais
de emergência estão lá para que se possa, em nome da neutralização do terrorismo, apreender,
chamar os militares e prender americanos, bem como mantê-los em campos de detenção.” - Henry
Gonzalez, representante dos EUA, em 29 de Agosto de 1994.

“Atualmente a Nova Ordem Mundial trouxe centenas de


milhares de tropas estrangeiras para os Estados Unidos;
eles trouxeram milhares, ou até centenas de milhares de
guilhotinas para execuções; eles construíram uma rede de
não utilizados campos de concentração através dos E.U.;
eles construíram crematórios próximos a esses campos de
concentração e cada vez mais americanos parecem
acreditar nas mentiras do Presidente Clinton e de outras
pessoas.” - Fritz Springmeier em Bloodlines of the
Illuminati. (Linhagem Illuminati)

A partir da administração Regan, o REX-84 E.U., o programa Preso Civil Trabalhista foi elaborado,
implementado e expandido de muitos modos. Os militares e a polícia tem sido cada vez mais
treinandos juntos. Os militares têm executado operações fortemente armados no subúrbio, como por
exemplo a Urban Warrior. (Guerreiro Urbano) Mais de oitocentos centros de detenção (campos de
concentração) do FEMA (sigla em inglês para Federal Emergency Management Agency – em
português: Agência Federal de Gerenciamento de Emergências) já foram construídos em todos os
Estados Unidos e a subsidiária de engenharia da Halliburton está construindo rapidamente mais.
Estes campos são perfeitos, contendo escâneres biométricos, arame farpado virado para dentro,
redes de gás e fornos, helipontos, torres de vigia e câmeras de
segurança. Os poucos jornalistas que filmaram e informaram
sobre estes foram observados por helicópteros negros e foram
até mesmo abordados e interrogados secretamente por
militares

“O programa Preso Civil Trabalhista foi conduzido


secretamente em bases militares dos Estados Unidos da
América de 1989 a 1996. Este programa pesadelo foi
recentemente desclassificado. Se o programa Preso Civil
Trabalhista fosse tão maravilhoso, por que o Exército o
manteve em segredo por cerca de sete anos? Há milhares de páginas de documentos no site do
Exército detalhando a respeito do escopo massivo deste programa, grande parte do qual é ainda
secreto. Muitos dos documentos são contraditórios. Por exemplo, na mesma página que ele diz que
o Exército não pode alojar e usar presos trabalhistas civis, no parágrafo seguinte ele diz que eles
têm alojado e usado presos trabalhistas civis… Durante anos, nós avisamos às pessoas a respeito
do FEMA. (Federal Emergency Management Agency [sigla em inglês para Agência Federal de
Gerenciamento de Emergências]) Os documentos federais têm circulado à décadas e dizem respeito
à concretização desses planos, o que incluem também campos de concentração. As pessoas
costumavam rir de nós quando dizíamos isso em Dezembro de 1999. Aí Seattle surgiu no cenário. O
governo colocou provocadores anarquistas em abrigos protegidos do FEMA, mas colocou
quinhentos manifestantes pacíficos em campos do FEMA na periferia da cidade. O FEMA usou o
velho brigue naval de Sand Point para prender centenas de cidadãos norte-americanos.” - Alex
Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

“O FEMA pode forçar a população a viver e trabalhar aonde quer


que eles mandem. Pessoas podem ser retiradas de seus lares e terem
as suas propriedades apreendidas, o que inclui fazendas e negócios.
Seus filhos podem ser tomados deles e o FEMA tem a autoridade de
se apossar de todos os meios de comunicação, alimento e recursos
energéticos, cuidados médicos, finanças, educação, bem-estar e
transporte, incluindo seus veículos pessoais. O Agente Geral do
Correio pode ordenar que todo os homens, mulheres e crianças se
registrem. É também o FEMA que controla a rede de campos de
concentração, ou ‘centros de detenção’, nos Estados Unidos, os quais
estão em vigor e à espera dos dissidentes e ‘arruaceiros’, quando a
conquista fascista illuminati se concretizar. Sim, campos de
concentração na América.”- David Icke em Alice In Wonderland and
the World Trade Center Disaster. (Alice no País das Maravilhas e o
desastre do World Trade center)

Nas últimas décadas, a militarização da polícia tornou-se uma realidade perceptível a medida que
soldados e cadetes da polícia cada vez mais passaram a treinar juntos. Unidades paramilitares,
desconhecidas a quarenta anos atrás, são agora a norma em cerca de noventa por cento de todas as
forças policiais e a frequência com a qual são usadas disparou dois mil por cento na última década.

“Estou no norte da Califórnia, em Oakland, para onde fuzileiros navais têm vindo para a Operação
Guerra Urbana, que deve ser considerada como Operação de Dessensibilização da População. Eles
contratam centenas de atores para implorar e gritar, ‘nós somos americanos. Por favor, não nos
coloquem em campos. Não tomem as nossas armas.’ Os alto-falantes fazem denúncias de como as
mulheres e as crianças são conduzidas algemadas para o centro de interrogatório do acampamento:
‘Atenção, atenção, atenção: devido ao grande número de pessoas que chegam, vocês
experimentarão um pequeno atraso. Por favor, mantenham a calma e cooperem para que nós
possamos fazer o manejamento de vocês no acampamento mais rápido.’ … No meu filme, Estado
Policial 2000, temos imagens de fuzileiros navais
com o apoio da polícia local ordenando a um
homem com uma câmera para parar de filmar e
desligar a sua câmera. Há duas questões aqui: 1.
O que é que eles têm a esconder? 2. Por que os
Fuzileiros Navais são colocados em atividades
que obrigam a aplicação de leis que violam a
primeira emenda?” - Alex Jones, em 911 Decent
into Tyranny (911 - Descida na Tirania)
“Por todo o país, equipes da SWAT estão dando retoques finais em nossas novas escolas no estilo de
prisões, bem como ao condicionarem as nossas crianças com ‘falsos terroristas ou ataques a tiros
em escolas.’ As assim chamadas de equipes de exercícios antiterrorismo nas escolas são, na
verdade, simples exercícios de condicionamento que fazem parte do programa FEMA, uma
instituição federal que visa condicionar as crianças a supor que seja completamente normal ter a seu
dispor homens caracterizados como executores gritando com elas, tomando conta de suas escolas
sem garantia nenhuma, mandando nelas, com suas mãos sobre as cabeças, em ônibus onde elas são
levadas para locais não revelados … Homens vestidos em uniformes pretos bradando e gritando,
bem como dirigindo-se a elas com palavrões (que não repetiremos aqui) à medida que estas
suplicam, choram e imploram. Eles são então carregados em ônibus e colocados em prisões como
se fossem criminosos, sendo tratados como lixo. Uma geração inteira esta aprendendo a ser escrava,
aprendendo a se rebaixar e a implorar, a pôr as suas mãos atrás de suas cabeças quando aparecem os
‘fantasmas do anel’, os ‘senhores das trevas’. Ademais, muitas dessas crianças morrem nas mãos
das equipes da SWAT. As equipes da SWAT são notoriamente violentas por impulso e com
frequência atiram até em seus próprios oficiais. Tome como exemplo o caso do Fort Wort, no Texas,
onde o ‘policial do ano’ foi baleado na cabeça por seu próprio colega de equipe da SWAT em uma
escola. Em Detroit, eles atiraram no rosto de um menino em um dos assim chamados exercícios” -
Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

A Rede da Sociedade Secreta

“Abaixo da maré larga da história humana fluem as


subcorrentes furtivas das sociedades secretas, que
frequentemente determinam nas profundezas as mudanças
que ocorrerão sobre a superfície.” - A. E. Waite em
Hermetic Order of the Golden Dawn (Ordem Hermética da
Auror Dourada)

O maior mecanismo usado pelas linhagens para


implementar a agenda do Novo Mundo é a rede global da
sociedade secreta. Políticos, banqueiros, empresários e
personalidades da mídia – os maiores nomes da história,
bem como dos assuntos mundiais constituem uma espécie
de matrix (matriz) da sociedade secreta. Essa rede hierárquica estruturada no estilo de uma pirâmide
está recrutando membros e colocando a esses em posições influentes do poder. A fim de manipular
os eventos globais, bem como decisões políticas de bastidores, muitos servidores das sociedades
secretas que ocupam cargos e posições na política, bem como personalidades da mídia e outros
“subservientes” objetivam contribuir na Grande Obra.

“Percebe-se que se uma pessoa é promovida em qualquer posto em Washington nos dias atuais, isso
ocorre devido ao fato de ela ter sido tirada e escolhida a dedo para uma das 'Ivy League Schol'-
(Escola do tipo Liga ‘Ivy’) que são as escolas do governo tais como Harvard, Yale, Kennedy – A
pessoa demonstrou ter uma atitude para um bom espécime de Liga Ivy’ e, assim, ela é destacada,
por assim dizer, e ela alcança o sucesso. Ela recebe um certo papel no governo em algum lugar e,
assim, seu sucesso é monitorado e controlado e ela vai onde os captadores e os catadores
minuciosos podem colocá-la.” - Programa de rádio conhecido nos Estados Unidos como The Rush
Limbaugh Show – O Show do Rush Limbaugh, - Wikipedia (também chamado de The Rush
Limbaugh Program – Programa do Rush Limbaugh) que foi ao ar em 7 de Fevereiro de 1995.
São feitas ofertas aos líderes mundiais as quais estes não
podem recusar, sendo assim subornados, chantageados, ou,
caso contrário, não são recrutados, nem empossados. Então,
muitas vezes sob juramentos de sangue aos quais devem
permanecer leais, esses iniciados da Fraternidade seguem
ordens ao longo de seus mandatos. Dessa maneira, os
candidatos aos cargos mudam constantemente dando a ilusão
de descontinuidade da liderança quando, de fato, cada líder
sucessivo “coincidentemente” pertence às mesmas sociedades
secretas. Alguns dos mais influentes incluem os maçons, os
Illuminati, Bohemian Grove, Crânio e Ossos, CFR, RIIA,
Grupo Bilderberg e a Comissão Trilateral.

“Uma maioria inquietante dos representantes da Câmara e do


Senado detém membros de organizações de elite que juram
publicamente destruir a América em favor de um sistema
globalista de ordem mundial. Esta tendência passa pelo
atualmente popular Conselho Central de Relações Exteriores,
pela Comissão Trilateral indo até ao internacionalista, quase secreto, Grupo Bilderberg. No final do
espectro, vemos até influências ocultas como as do Crânio e Ossos, junto com os maçons. A
justificativa para um governo mundialmente zeloso é o caos. O terrorismo é o principal método para
fomentar esse caos.” - Paul Joseph Watson, Order Out of Chaos,
(Ordem Fora do Caos) página 125.

“A conspiração para criar um estado centralizado global fascista é


orquestrada no mundo dos cinco sentidos por uma rede secreta
conhecida coletivamente como os Illuminati ou ‘iluminados’. Eles
manipulam através de sociedades secretas e agrupamentos como os
Maçons, os Cavaleiros de Malta, os Templários e os Jesuítas. Estes
e outros alimentam recrutas cuidadosamente escolhidos para os
Illuminati e eles são instalados em posições de poder em todo o
mundo, infestando todas as cores, raças, credos e países. Não é que
todo mundo nas sociedades secretas esteja ciente da trama; a
esmagadora maioria não. Os Illuminati operam como um câncer
para se infiltrar e controlar secretamente a outras organizações. A
maioria dos maçons nunca
atinge mais que os três níveis
de graus, os chamados graus azuis e eles não percebem o
objetivo para qual a sua organização está sendo usada.” - David
Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do Circuito
Temporal)

Basta olhar para os recentes presidentes dos EUA: George W.


Bush, (maçom e Skull and Bones [Crânio e Ossos]) Bill Clinton
(maçom, CFR, Bilderberg e Trilateral), George H.W. Bush
(maçom, Comitê de 300, Crânio e Ossos, CFR e Trilateral),
Ronald Reagan, (maçom e Cavaleiros de Malta), Jimmy Carter
(maçom, CFR e Trilateral), Gerald Ford (maçom e CFR) e por
aí vai, a maioria de cada presidente americano tendo pertencido
a uma ou a muitas sociedades secretas. Quase todos os
patriarcas que fundaram a América eram maçons; o senado tem
mantido uma maioria maçônica desde a sua criação, e sua
influência só tem se tornado mais penetrante desde então. Negar a influência que as sociedades
secretas têm nos assuntos mundiais é ingênuo, mas a mídia dominante parece cúmplice em sua
exclusão de qualquer cobertura que os envolva. Como será mostrado no capítulo sobre a
manipulação da mídia, este apagão da mídia convencional também é mantido através de membros
de sociedades secretas. Os cinco maiores provedores de mídia que controlam 90% da mídia da
América são controlados pela sociedade (ou linhagem) secreta. Por exemplo, as seguintes são
apenas algumas das centenas de empresas de propriedade, ou gerenciadas por CFR, Trilateral ou
Bilderberg: ABC, CBS, NBC, PBS, CNN, AP, Reuters, New York Times, Washington Post,
Washington Times, LA Times, Wall Street Journal, Newsweek, Business Week, National Review,
Time, Life, Look, Fortune, Reader's Digest, US News & World Report, Atlantic Monthly, McCall's,
World Review e Scientific American.

Não são apenas os CEOs de mídia e os conselhos de administração geralmente membros da


sociedade secreta, assim como os apresentadores e as âncoras de notícias! Aqui está uma amostra de
alguns âncoras e personalidades da mídia convencional encontrados em listas da sociedade secreta:
Peter Jennings, Dan Rather, Tom Brokaw, Ted Koppel, Barbara Walters, Diane Sawyer, William F.
Buckley Jr., Joseph Harsch, Bill Meyers, C.C. Collinwood, David Brinkley, John Chancellor,
Marvin Kalb, Daniel Schorr, Joseph Kraft, James Reston, Max Frankel, David Halberstram,
Harrison Salisbury, Sol Linowitz, George Will, Robert McNeil, David Gergen, e Mortimer
Zuckerman.

“Não pode haver nenhum argumento a respeito da realidade das sociedades secretas hoje. A
existência de grupos como a Comissão Trilateral, o Conselho de Relações Exteriores e os
Bilderbergers está bem documentada. A única questão é a extensão de seu controle e manipulação
dos principais eventos mundiais. Da mesma forma, não há dúvida de que os membros dessas
sociedades exercem controle excessivo sobre muitas das maiores corporações e bancos do mundo.
Essas corporações, por sua vez, controlam minerais essenciais, energia, transporte, produtos
farmacêuticos, agricultura, telecomunicações e entretenimento – ou seja, os fundamentos da vida
moderna. Eles também fornecem um núcleo interno de classificação de funcionários do governo
em uma base de revesamento. Esses funcionários muitas vezes implementam as próprias políticas
concebidas e desejadas pelas sociedades. Essas sociedades dominam consideravelmente as eleições
e as políticas nacionais, mas parecem estranhamente imunes a qualquer investigação, seja pelo
governo ou pelos meios de comunicação de massa. Desde a sua criação em 1913, nunca houve uma
auditoria externa e objetiva do Sistema da Reserva Federal, apesar das chamadas periódicas para
tal.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo Secreto) pp. 109-10.

Após a eleição de Bush, ele imediatamente colocou 5 "irmãos" Skull e Bones (Crânio e Ossos) em
sua administração. Clinton e Nixon possuíam mais de 100 membros do CFR em suas
administrações. A equipe de transição de 59 homens de Ronald Regan possuia sozinha 28 membros
do CFR, 10 dos Bilderbergers e 10 Trilaterals. (Trilaterais) Membros da sociedade secreta
prevalecem em todos os níveis de governo e não apenas na América, mas em todo o mundo. Por
exemplo, Saddam Hussein, Yasser Arafat, Mikhail Gorbachov, George Bush e Tony Blair são (ou
foram) todos maçons com o grau 33. Marx, Engel, Lenin, Stalin, Trotsky e Mao-Tse Tung eram
maçons de alto nível da Loja Grand Orient . Winston Churchill pertencia ao Comitê de 300 e era um
maçom. Cecil Rhodes fundou a Mesa Redonda, foi do comitê dos 300 e um maçom. Henry
Kissinger é um maçm, cavaleiro de Malta, pertence ao comitê dos 300 e é um Bilderberger. Dick
Cheney é CFR e pertence à Comissão Trilateral. David Rockefeller fundou o Bilderberg e a
Comissão Trilateral, e também pertence ao CFR, ao Comitê dos 300, sendo também um maçom.
Estes são os maiores e mais poderosos nomes da política, todos se reunindo em segredo, livres de
atas e sem cobertura por parte da mídia. Nossos funcionários públicos tomam decisões de política
privada por trás de portas fechadas. Esta foi a regra, não a exceção, por mais tempo do que a
maioria das pessoas percebe.
Durante o século dezenove, o primeiro-ministro britânico
Benjamin Disraeli foi completamente franco sobre a
influência de sociedades secretas na política: “O mundo é
governado por personagens muito diferentes do que é
imaginado por aqueles que não estão nos bastidores.” -
Benjamin Disraeli, em 1844.

“Há na Itália um poder que raramente mencionamos nesta


Casa … quero dizer, as sociedades secretas … É inútil negar,
porque é impossível esconder, que uma grande parte da
Europa – toda a Itália e a França e uma grande parte da
Alemanha, para não falar de outros países – é coberta por
uma rede dessas sociedades secretas, assim como a superfície da terra está agora coberta de
ferrovias.” - Benjamin Disraeli, na britânica Câmara dos Comuns, 14 de julho de 1856.

“O governo deste país não só tem de lidar com governos, reis e ministros, mas também com
sociedades secretas, elementos que devem ser levados em conta, os quais, no último momento
podem reduzir nossos planos a nada, que têm em toda parte seus agentes inescrupulosos, que
incitam assassinatos e podem, se necessário, causar um massacre.” - Benjamin Disraeli, em
Aylesbury, 10 de setembro de 1876.

O sindicato bancário privado da Reserva Federal foi criado


sob a presidência de Woodrow Wilson. As seguintes citações
mostram suas suspeitas e arrependimentos a respeito dessa
sociedade secreta das elites bancárias: “Desde que entrei
para a política, em especial os pontos de vista dos homens
me foram confiados de maneira particular. Alguns dos
maiores homens nos Estados Unidos, no campo do comércio
e da manufatura, têm medo de alguma coisa. Eles sabem que
há um poder em algum lugar tão organizado, tão sutil, tão
atento, tão interligado, tão completo, tão penetrante, que é
melhor não alardear quando falam de modo crítico a seu
respeito.” - Woodrow Wilson em 1913.

“Eu sou um homem muito infeliz. Sem querer, eu arruinei o meu país. Uma grande nação industrial
é controlada por seu sistema de crédito. Nosso sistema de crédito está concentrado. O crescimento
da nação, portanto, bem como todas as nossas atividades
estão nas mãos de alguns homens. Chegamos a ser um dos
governos mais maldosos, um dos mais completamente
controlados e dominados no mundo civilizado. Já não é um
governo de livre opinião, não é mais um governo conduzido
por convicção e pelo voto da maioria, mas um governo
conduzido pela opinião e coação de um pequeno grupo de
homens dominantes.” - Woodrow Wilson, no ano de 1916.

O primeiro-ministro britânico Winston Churchill era um


membro do comitê dos 300 e maçom com grau 33. Em 1920,
ele falou com conhecimento de causa sobre a conspiração global quando ele disse: “Desde os dias
de Spartacus-Weishaupt até os de Karl Marx, bem como os de Trotsky, Bela Kun, Rosa
Luxemburgo e Emma Goldman, esta conspiração mundial para a derrubada da civilização e para a
reconstituição da sociedade com base no desenvolvimento contido, de malevolência invejosa e de
igualdade impossível, tem crescido constantemente. Ela desempenhou um papel definitivamente
reconhecível na tragédia da Revolução Francesa. Ela tem sido a fonte principal de todo movimento
subversivo durante o século XIX e agora, finalmente, esta banda de personalidades extraordinárias
do submundo das grandes cidades da Europa e agora, por fim, este grupo de extraordinárias
personalidades do submundo da América agarraram o povo russo pelo cabelo de suas cabeças e
tornaram-se praticamente os mestres incontestáveis desse enorme império.”

“A verdadeira ameaça da nossa República é o governo


invisível que, como um polvo gigante, esparrama suas pernas
viscosas sobre nossas cidades, estados e nações. Na cabeça
está um pequeno grupo de casas bancárias. Este pequeno
círculo governa nosso governo para suas próprias finalidades
egoístas. Funciona sob a cobertura de uma tela auto-criada,
apreende nossos executivos, órgãos legislativos, escolas,
tribunais, jornais, bem como todas as agências criadas para a
proteção pública.” - John Hylan, Prefeito de Nova Iorque, no
ano de 1922.

“A verdade é que um elemento financeiro nos grandes centros


possui o governo desde os dias de Andrew Jackson.” -
Franklin D. Roosevelt, presidente dos Estados Unidos, no ano
de 1933.

“Os verdadeiros governantes em Washington são invisíveis e exercem poder nos bastidores.” - Felix
Frankfurter, que foi membro do Supremo Tribunal Justiça dos Estados Unidos, “por 23 anos”,
(Wikipedia) no ano de 1952.

“Hoje, o caminho para a ditadura total nos Estados Unidos pode ser estabelecido por meios
estritamente legais, invisíveis e inéditos para o Congresso, para o Presidente ou para o povo ...
Exteriormente temos um governo constitucional. Nós operamos dentro de nosso governo e sistema
político a outro órgão que representa outra forma de governo, uma elite burocrática que acredita que
nossa Constituição está ultrapassada e tem certeza de que é o lado vencedor. Todos os
acontecimentos estranhos nos acordos de política externa podem ser atribuídos a este grupo que vai
nos convencer a satisfazer seu prazer. Este grupo de ação política tem suas próprias organizações
locais de apoio político, seus próprios grupos de pressão, seus próprios interesses, sua posição
dentro de nosso governo e seu próprio aparato de propaganda.” - Senador William Jenner, no ano de
1954.

O presidente, pertencente à “linhagem”, John F. Kennedy, estava bem ciente do controle da


América por parte das sociedades secretas. Suas muitas decisões rebeldes contra a elite global, sua
não participação na Grande Obra, levariam ao seu assassinato. Ele, no entanto, tentou alertar ao
americano mediano de nossa situação. “A própria palavra ‘segredo’ é repugnante em uma sociedade
livre e aberta, e somos enquanto povo, inerentemente e historicamente, aversos a sociedades
secretas, juramentos secretos e procedimentos secretos … O fato de nos opormos em todo o mundo
a uma conspiração monolítica e implacável que se baseia principalmente em meios secretos para
expandir sua esfera de influência. Isso depende da infiltração em vez da invasão, da subversão em
vez das eleições, da intimidação em vez da livre escolha. É um sistema que tem recrutado vastos
recursos humanos e materiais para a construção de uma máquina bem unida, altamente eficiente que
combina operações militares, diplomáticas, de inteligência, econômicas, científicas e políticas. Seus
preparativos são ocultos, não publicados; seus erros são enterrados, não são colocados nas primeiras
páginas; seus dissidentes são silenciados, não são honrados; nenhuma despesa é questionada,
nenhum segredo é revelado … Estou pedindo sua ajuda na tremenda tarefa de informar e alertar ao
povo americano.”

“O alto cargo de presidente tem sido usado para fomentar um


plano para destruir a liberdade dos americanos, e antes de
deixar o cargo, devo informar o cidadão de sua situação.” -
John F. Kennedy, discursando na Universidade de Colúmbia,
em 1º de novembro de 1963.

Os Maçons

“Embora a irmandade da Maçonaria pareça ser relativamente


nova, é na realidade a mais antiga rede contínua do planeta,
datada de muitos milhares de anos, começando quando as
pedras foram vestidas pela primeira vez. A maçonaria hoje tem
uma reputação geralmente sinistra, porque as pessoas suspeitam que essa fraternidade poderosa tem
sido manipuladora e exploradora. No entanto, o maçom mediano nunca foi sabedor e, portanto, é
apenas um membro de um clube social. No entanto, os superiores têm realmente colocado a sua
mão nas criaturas neste planeta em grande escala por um longo tempo … Os maçons estão lá,
perpetuamente escondidos nos bastidores, deixando pistas para sua existência como uma
fraternidade, algumas das quais são evidentes mesmo que não sejam visíveis. Por exemplo, o
Ninrode da Bíblia, o rei que construiu a torre de Babel, é considerado o primeiro maçom.” -
Acharya S., (Dorothy Milne Murdock) na obra The Christ Conspiracy, (A Conspiração de Cristo)
pp. 238-9.

A maçonaria é uma ordem fraterna secreta


que existiu durante centenas, talvez
milhares, de anos e agora está operando na
maioria dos países. A maçonaria se promove
como um clube filantrópico para os homens
de moral e eles perpetuam esta imagem
entre os membros dos três primeiros “Graus
Azuis”. 97% de todos os maçons se
enquadram nesta categoria e são
frequentemente cidadãos honrados, pilares
da comunidade que são verdadeiramente
caridosos e benevolentes. No entanto, os
graus mais elevados, o círculo interno da Maçonaria Mundial, usam a influência global da
sociedade para avançar seu controle.

“O tecido conectivo em curso entre as sociedades secretas modernas e antigas tem sido a
Maçonaria, que existia como uma força formidável muito antes de certas lojas se tornarem
‘iluminadas’. Durante o final da Idade Média, quando qualquer oposição à Santa Igreja Universal
Romana (católica) era ameaçada nos bastidores obscuros, entre os únicos grupos organizados
capazes de se mover livremente por toda a Europa estavam as guildas de pedreiros, que mantinham
salões de reuniões ou ‘pousadas’ em cada grande cidade. Os pedreiros, que remontaram seu próprio
conhecimento secreto de arquitetura e construção de volta ao Egito e além, eram essenciais na
construção das igrejas e catedrais da Europa. Eles eram os descendentes diretos de primeiras guildas
de pedreiros que existiam tanto no Egito e na Grécia e que utilizaram técnicas esotéricas de
construção em seus ofícios. Essas técnicas haviam sido transmitidas através das escolas misteriosas
e sectárias e algumas continuam a desconcertar a construtores modernos.” - Jim Marrs, em Rule by
Secrecy. (O Governo Secreto) 242-3.
A maçonaria evoluiu ao longo dos últimos mil anos a partir dos
templários, e antes até, possuem suas raízes no antigo Egito, na
religião mítica do Egito e suas escolas esotéricas. Alguns acreditam
que os maçons originais foram os construtores das pirâmides ou
que eles guardaram os segredos daqueles primeiros pedreiros
mestres. A Maçonaria não é, no entanto, apenas uma guilda de
construtores e trabalhadores de pedra. Desde o primeiro grau, os
iniciados fazem juramentos de sangue, realizam rituais ocultos, e
começam a aprender sobre inúmeros assuntos arcanos cada vez
mais profundos à medida que eles progridem em graus. Alguns dos
temas estudados ou praticados incluem: astrologia, percepção,
magia, tarô, kabbalah, árvore de vida, geometria sagrada,
adivinhação, arte de espreitar, teosofia, numerologia, simbologia,
alquimia, hermetismo, sistema de chacra, auras ou corpos de
energia, projeção astral ou OBEs, (out-of-body experience, i.é.,
experiência extra-corporal) kundalini yoga, geomancia, história e filosofia maçônicas ou ocultas,
metafísica, epistemologia, apertos de mão e gestos secretos.

Os maçons galgam degraus através de um processo


de rituais e iniciações. Eles leem livros como The
Prince, (O Príncipe) de Maquiavel e Morals and
Dogma, (Morais e Dogma) de Albert Pike, daí em
seguida, escrevem ensaios detalhando se eles
concordam filosoficamente com pessoas como Pike,
Hegel, Maquiavel e outros. Esses ensaios são então
enviados para a Sede da Maçonaria Internacional e
revisados por maçons de alto nível. Se o iniciado
concorda que os poucos devem controlar os muitos, e
que a regra da sociedade secreta é virtuosa e assim
por diante, então ele é felicitado e promovido através de graus mais elevados. Se o iniciado
discordar que os poucos devem controlar os muitos, e detém uma posição genuinamente moral,
então ele é felicitado e promovido dentro de seu ramo existente, jamais sendo promovido aos graus
azuis. Todos os maçons negarão a isso, contudo, porque a maioria dos Maçons da Loja Azul
realmente não sabe, e os Maçons de alto escalão fazem juramentos secretos

“Os Graus Azuis são apenas o átrio exterior ou o pórtico do Templo. Partes dos símbolos são
exibidas lá para o iniciado, mas ele é intencionalmente enganado por falsas interpretações. Não se
pretende que ele os compreenda, mas pretende-se que ele imagine que os entende. Sua verdadeira
implicação está reservada aos Adeptos, os Príncipes da Maçonaria.” - Albert Pike, (Soberano
Grande Comandante do Conselho Supremo do 33º grau e Sumo Pontífice da Maçonaria Universal)
em Morals and Dogma [Moral e Dogma]

“A maçonaria é uma fraternidade dentro de uma fraternidade – uma organização externa que
esconde uma fraternidade interior dos eleitos. É necessário estabelecer a existência dessas duas em
separado, mas interdependentes, uma visível e outra invisível. A sociedade visível é uma esplêndida
camaradagem de homens ‘livres e aceitos’ encarregados de se dedicarem a preocupações éticas,
educacionais, fraternas, patrióticas e humanitárias. A sociedade invisível é uma fraternidade secreta
e mais augusta cujos membros estão dedicados ao serviço de um misterioso ‘Arcanum arcandrum’.
(um segredo sagrado) Aqueles irmãos que tentaram escrever a história de seu ofício não incluíram
em suas disquisições (i.é., um discurso ou tratado formal) a história dessa sociedade interna
verdadeiramente secreta que é para o corpo maçônico o que o coração é para o corpo humano. Em
cada geração poucos são aceitos no santuário interno da obra … os grandes iniciados filósofos da
Maçonaria são … os mestres daquela doutrina secreta que forma o fundamento invisível de toda
grande instituição teológica e racional.” - Mestre do grau 33 Manly P. Hall, na obra Lectures on
Ancient Philosophy. (Palestras sobre Filosofia Antiga)

O processo de um maçom do grau 1 até o grau 33


pode levar 10, 20, 30 ou mais anos, mas não é baseado
no tempo. A forma como inicia aos graus de ascensão
se dá através de convite feito por membros de um grau
mais elevado. Esta é a natureza de todas as sociedades
secretas; a única maneira de se chegar à frente é por se
harmonizar com os à sua frente. É através desta
estrutura de pirâmide de puxa-sacos que os poucos na
linhagem de elite têm controlado do lado de cima aos
muitos na parte inferior. Daí por diante, nomeando
senhores, cavaleiros e vassalos de vários graus ao longo do caminho para cumprir às suas ordens, a
realeza essencialmente controla todas as facetas desta Irmandade mundial.

“O irmão iniciado percebe que seus assim chamados


símbolos e rituais são meramente cegos, fabricados pelo
sábio para perpetuar ideias incompreensíveis para o
indivíduo médio. Ele também percebe que poucos
maçons de hoje conhecem ou apreciam o significado
místico escondido dentro desses rituais.” - Manly P. Hall,
Mestre de grau 33, em The Lost Keys of Freemasonry.
(As Chaves Perdidas da Maçonaria)

“O convite ímpar para o trigésimo terceiro grau … este é


o mais alto grau conhecido publicamente. A grande
maioria dos membros considera a sua afiliação com a
Maçonaria como pouco diferente de aderir ao Lion's
Club, (Clube do Leão) aos Optimists, (Otimistas) ou à
câmara de comércio. E do seu ponto de vista, isso é verdade. Mesmo a literatura maçônica deixa
claro que apenas aqueles iniciados que progridem além do status de trigésimo terceiro grau são
educados nos verdadeiros objetivos e segredos do grupo. Esta hierarquia é facilmente admitida
pelos autores maçônicos. ‘Sempre existiu uma doutrina externa, elementar, popular, que serviu para
a instrução das massas, a saber, os que não estão suficientemente preparados para um ensino mais
profundo’, escreveu o maçom Walter Leslie Wilmshurst. ‘Houve uma doutrina interior, avançada,
um conhecimento mais secreto, que foi reservado para mentes mais maduras e em que apenas
candidatos proficientes e devidamente preparados, os quais voluntariamente procuraram participar
nela, foram iniciados.’” - Jim Marr, em Rule by Secrecy. (O Governo Secreto) pp. 247-8.

O grau formal mais alto conhecido da Maçonaria é o 33º grau. Este título foi alcançado por muitos
líderes mundiais e nomes importantes na história moderna. Os seguintes presidentes dos EUA são
ou eram conhecidos como maçons, muitos deles portadores do 33º grau: Washington, Jefferson,
Madison, Monroe, Jackson, Polk, Buchanan, Johnson, Garfield, McKinley, Roosevelt, Taft,
Harding, Roosevelt, Truman, Ford, Carter, Reagan, Clinton, bem como ambos os Bush (pai e filho)
e Obama.
Todas as seguintes pessoas são ou foram também maçons, a
maioria deles grau 33: Buzz Aldrin, John Glenn, Yasser Arafat,
Tony Blair, John Wilkes Booth, James Cameron, Winston
Churchill, Walt Disney, Bob Dole, Frederick Engel, Newt
Gingrich, Mikhail Gorbachev, Al Gore, Billy Graham, Richard
Holbrooke, J. Edgar Hoover, Colonel Mandell House, Saddam
Hussein, Burl Ives, Jesse James, Jesse Jackson, Henry Kissinger,
Vladimir Lenin, Robert McNamara, Karl Marx, Lord Alfred
Milner, Benjamin Netanyahu, Albert Pike, Prince Philip, Colin
Powell, Cecil Rhodes, James Rothschild, Charles Taze Russell,
Joseph Stalin, Strom Thurmond, Leon Trotsky, Paul Warburg,
H.G. Wells e milhares de outros mais.

“Quando examinamos o registro histórico dos assassinos em


massa e dos revolucionários mais desprezíveis do mundo,
descobrimos que quase todos eles eram membros da Maçonaria e
de outras sociedades secretas dos Illuminati: Robespierre era um maçom; Weishaupt era um
Maçom; Napoleão era um maçom; Lenin era um Maçom; Stalin era um maçom; Mussolini era um
maçom; Truman e Roosevelt eram maçons; Ariel Sharon é um maçom; Bill Clinton é um maçom;
Fidel Castro era um maçom” - Texe Marrs, na obra Codex Magica, ( Magica em Códice) pp. 43-4.

Dezenas de celebridades foram ou são maçons, como,


por exemplo: Duke Ellington, Count Basie, Nat ‘King’
Cole, Rudyard Kipling, Harry Houdini, o papa
Alexandre, Goethe, Sir Arthur Conan Doyle, Sir Walter
Scott, Jonathan Swift, Voltaire, Mark Twain, Oscar
Wilde, W.C. Fields, Clark Gable, Arthur C. Clarke,
Frank Holliday, Humphrey Bogart, Peter Sellers, Red
Skelton, Bob Hope, Abbott da dupla Abbott e Costello,
John Wayne, Richard Pryor, Roy Rogers, Will Rogers,
Don Rickles, os Ringling Brothers. (Todos os sete
irmãos e seu pai eram maçons) Paul Giamatti, Michael
Richards, Sean Connery, George Clooney, Will Smith,
Jay-Z e, literalmente, centenas dos nomes mais famosos das indústrias de música ou de cinema são
maçons. Uma vez que suas listas de membros não são anunciadas ou prontamente disponíveis para
todos verem, decifrar a extensão da adesão de celebridades é muitas vezes uma questão de rastrear
as suas carreiras, interpretar símbolos de leitura e sinais de mão.

Cecil B. DeMille, diretor do primeiro filme de Hollywood e gênio criativo por trás da Paramount
Pictures, foi um maçom. Jack Warner da Warner Bros. Studios e Darryl Zanuck, co-fundador da
20th Century Productions, e Louis B. Mayer, dos estúdios de cinema MGM são ou eram todos
maçons. Rowland Macy das Lojas Macys foi um maçom. Dave Thomas de Wendy e o Coronel
Harland Sanders da rede de restaurantes KFC, o “Rei Gillette” da empresa Gillette Razor e J.C.
Penney são ou eram Maçons. Sir Thomas Lipton da empresa de chás Lipton Iced Tea, Frederick
Maytag da empresa Maytag, Walter Chrysler da empresa automotiva Chrysler e William Dow da
Dow Chemical, (Químicas Dow) são todos maçons. Samuel Ervin Jr., que chefiou o comitê
Watergate, Dan Beard, o fundador dos Boy Scouts, Jean Henri Dunant, fundador da Cruz Vermelha,
e Frederic Bartholdi, o autor da Estátua da Liberdade foram todos maçons. O nome maçom Ford
cruza o espectro de política, negócios e mídia. Gerald Ford foi o trigésimo oitavo presidente dos
Estados Unidos, Henry Ford foi inventor e era o CEO da primeira empresa a fabricar um carro
movido a gás, e Glenn Ford foi um ator famoso. Os Maçons inventaram o carro movido a gás, a
metralhadora, a guilhotina, a vacina e a Bomba Atômica, entre outras coisas.

“O monopólio maçônico das posições governamentais


continuou pelo menos nos primeiros cem anos da história
dos Estados Unidos … De acordo com um censo realizado
em 1924, mesmo naquele ano, o Senado era composto por
sessenta por cento de membros pertencentes à maçonaria.”
- Mark Pinkham, na obra The Return of the Serpents of
Wisdom, (O Retorno das Serpentes de Sabedoria) p. 291

A maioria dos pais fundadores dos EUA, dos membros do


Senado e os presidentes foram maçons, mas eram aqueles
que normalmente não tinham nada de bom a dizer sobre a
organização.

“Eu sinceramente e conscientemente acredito que a Ordem da Maçonaria, se não é o maior, é um


dos maiores males morais e políticos abaixo dos quais a União está trabalhando agora … uma
conspiração dos poucos contra os direitos iguais dos muitos … A maçonaria deveria ser abolida
para sempre. É errada – essencialmente errada – uma semente do mal, que nunca pode produzir
qualquer bem.” - Presidente dos Estados Unidos, Quincy Adams, em sua Letters on Freemasonry,
(Cartas Sobre a Maçonaria) de 1833.

“A fraternidade maçônica pisoteia nossos direitos, derrota a


administração da justiça e desafia todos os governos que não
pode controlar.” - Presidente norte-americano, Millard
Fillmore.

“Todos os partidos políticos secretos ligados ao juramento são


perigosos para qualquer nação, não importa quão puros ou
patrióticos sejam os motivos e princípios que os unam.” -
Presidente dos Estados Unidos, Ulysses S. Grant.

“A instituição da Maçonaria deve ser abandonada por ser ela


capaz de fazer muito mal, e incapaz de produzir qualquer bem que possa ser afetado por meios
seguros e abertos.” - John Marshall, juiz-presidente da Suprema Corte dos Estados Unidos.

“A Maçonaria era um estado dentro de um estado e um dia os Maçons derrubariam o governo


democrático dos Estados Unidos e coroariam um de seus ‘grandes reis’ como governante desta
nação.” - Rev. John G. Stevens, na obra An Inquiry into the Nature and Tendency of Speculative
Masonry. (Uma Investigação sobre a Natureza e Tendência da Maçonaria Especulativa)

Apesar dos esforços de múltiplos movimentos antimaçônicos ao longo da história, a organização


ainda sobrevive hoje e continua a aumentar a sua esfera de influência.

“As alegações de tramas maçônicas – difíceis de serem encontradas nas publicações principais e
ainda mais difíceis de provar – não são restritas à história [antiga], vagamente lembrada. Uma
história largamente não relatada durante a presidência de Ronald Reagan indicou claramente que
pelo menos uma loja maçônica conspirava para derrubar o governo da Itália. Este escândalo
também envolveu um grupo pouco conhecido ligado aos maçons chamados Knights of Malta,
(Cavaleiros de Malta) grupo esse que foi herdeiro das ordens militares dos velhos templários. John
J. Raskob, um dos treze fundadores da Ordem Americana dos Cavaleiros de Malta, esteve
envolvido no golpe fracassado contra o Presidente Roosevelt no início dos anos 1930, frustrado
apenas depois que o general de marinha Smedley Butler fez uma denúncia contra o esquema. Os
modernos cavaleiros americanos incluíam os diretores da CIA John McCone e William Casey.
Casey, junto com o primeiro-secretário de estado de Reagan, Alexander Haig, possuía ligações com
um co-cavaleiro chamado Licio Gelli, que durante a década de 1980 transformou uma pequena loja
maçônica italiana no que foi chamado de ‘conspiração fascista mundial’ com a ajuda da Máfia, do
Banco do Vaticano e da CIA.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo Secreto) p. 256.

A história tradicional insiste que a Guerra Revolucionária foi travada


devido a imposição injusta da monarquia britânica da América. Embora
isso seja verdade em um nível, também é verdade que os líderes da
Revolução Americana, os signatários da Constituição e da Declaração
de Independência eram todos descendentes de linhagens aristocráticas
britânicas e a maioria deles maçons.

“Não só eram maçons muitos dos fundadores do Estado norte-


americano, como também eles receberam ajuda de um órgão secreto e
grandioso existente na Europa que os ajudou a estabelecer este país
para um propósito peculiar e específico conhecido apenas por poucos
iniciados.” - Manly P. Hall, mestre de 33 ° grau, em The Secret
Teachings of All Ages (Os Ensinamentos Secretos de Todas as Eras) -
XC e XCI.

“A própria luta pela independência parece ter sido dirigida pela


irmandade maçônica e, segundo alguns historiadores, até tinha sido
iniciada por eles.” - David Ovason, em The Secret Architecture of
Our Nation’s Capital, (Arquitetura Secreta do Capital de Nossa
Nação) p. 75.

“A Maçonaria foi a força motriz por trás dos ideais e princípios …


da Revolução Americana. O que é menos conhecido é o fato de que
havia uma conexão muito próxima entre as lojas maçônicas
francesas e americanas naquela época … Naqueles dias a Maçonaria
na América era regulada pela United Grand Lodge, (Grandiosa Loja
Unida) na Inglaterra, a qual nomeou ‘Grandes Mestres Provinciais’
em várias regiões do continente norte-americano.” - Graham
Hancock e Robert Bauval, na obra Talisman. (O Talismã)

Antes da Guerra Revolucionária, o “Novo Mundo” das Américas não tinha unidade e identidade
autônoma. Por quase 300 anos, não havia nenhum governo militar, constitucional ou federal. Então
no período de apenas dois anos, ao estalar de um dedo histórico, a América passou a ter fuzileiros
navais continentais, o congresso continental, e as cláusulas da confederação. Com a Declaração de
Independência, os colonialistas britânicos (ou “americanos”) separaram-se oficialmente dos
nacionalistas britânicos. O general George Washington, maçom e membro da linhagem, tornou-se
primeiro presidente dos atuais Estados Unidos da América e a monarquia real declarada da América
passou a ser encoberta. As regras e segredos verdadeiros da realeza não haviam mudado, apenas a
percepção de governança mudou enquanto o mesmo DNA permaneceu no cargo. De camponeses
bem conscientes de sua situação, sabendo que os monarcas ou imperadores os oprimiam, nós nos
tornamos camponeses que realmente acreditavam que haviam nascido num sistema livre e aberto.
“A maçonaria, a mais antiga e poderosa sociedade secreta da história
do mundo, plantou raízes firmes nos Estados Unidos do início da era
e até desempenhou um papel significativo na Revolução Americana.
Ela desempenhou um papel ainda maior na Revolução Francesa
subsequente, que inicialmente foi recebida com grande alegria e
aprovação nos Estados Unidos. O número de lojas maçônicas cresceu
e o número de sócios aumentou. Por volta de 1826 estimava-se que
os maçons nos Estados Unidos chegavam a quase cinquenta mil e
que estes eram em sua maioria, homens educados e profissionais.
Mas naquele ano, um maçom não acompanhou aos outros. Tornou-se
conhecido que um certo capitão, William Morgan de Batavia, Nova
York, planejava publicar um livro revelando os símbolos secretos,
apertos de mão, juramentos e propósitos dos maçons. Morgan, um
membro da ‘ordem’ já por trinta anos, escreveu: ‘a perdição de
nossas instituições civis pode ser encontrada na Maçonaria, já
poderosa e cada vez mais cotidiana. Devo a meu país uma exposição
sobre os seus perigos.’ Antes que o livro pudesse ser impresso, Morgan e seu editor foram
sequestrados na Batávia. Revoltados, seus amigos e vizinhos perseguiram os sequestradores e
conseguiram resgatar o editor, mas Morgan não foi tão afortunado. Ele nunca mais foi visto. Anos
depois, um maçom chamado Henry L. Valance confidenciou ao seu médico sobre como ele,
[Morgan] havia sido encontrado, deitado, já quase morto e que ele e dois outros maçons tinham
deixado Morgan no rio Niágara. Valance disse que durante aquela noite ele foi tomado por uma
consciência culpada - ‘a marca de Caim’- e que procurou a absolvição por seu pecado.” - Jim
Marrs, em Rule by Secrecy, (O Governo Secreto) pp. 217-8.

Se você levar a sério ao filme de aventura maçom de


Hollywood, National Treasure, (em português, A Lenda
do Tesouro Perdido) então 6 dos fundadores da América
eram maçons. Ao acessar vários sites maçônicos,
perceberá que eles tendem a admitir que de 9 a 13 eram
maçons. Mas a verdade é que a maioria dos “pais
fundadores” da América eram maçons de alto escalão.

“Dos 56 signatários da Declaração Americana de


Independência, pelo menos 50 eram conhecidos como
maçons e apenas um conhecido por não ser”. - David
Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do
Circuito Temporal)

“O Conselho Supremo do 33º Grau do Rito Escocês da Maçonaria tem dito ao aluno que 13 dos 39
signatários originais da Constituição eram maçons … Também é interessante notar que os
signatários foram 39, exatamente três vezes o número maçônico 13.” - Ralph Epperson, na obra The
New World Order, (A Nova Ordem Mundial) p. 146.

O número 13 é um número importante para os maçons. Existem 13 graus no ritual “Iorque” da


Maçonaria, sendo que existiram apenas 13 colônias originais, (incluindo a de Nova "Iorque") Nova
Iorque é conhecido como o “Empire State” (Estado do Império) e sua cidade (de nome idêntico)
possui o “Empire State Building”, (traduzindo fica: Edifício Estado do Império) mas qual é esse
Império? Quem é o Imperador? Talvez os maçons do ritual “Iorque” pudessem nos dizer? Treze
maçons assinaram a Constituição com 26 (13x2) não-maçons perfazendo o total de 39. (13x3) Por
coincidência os membros do círculo íntimo dos Bilderberg e dos Rockefeller são 39 e 39 são os
andares do edifício das Nações Unidas que pertence aos Rockefeller. Tudo isto se tornará mais
significativo no capítulo “Numerologia Oculta”.

Você sabia que a Estátua da Liberdade foi dada à América pelos


maçons franceses? Há apenas uma outra estátua como ela na França
em uma ilha no Seine. A personagem propagada como sendo Lady
Liberty, (Senhora Liberdade) supostamente derivada da deusa romana
Libertus, é simplesmente um pseudônimo patriótico para o público. A
Senhora Liberdade foi conhecida ao longo da história como Isis do
Egito, Semiramis ou Ishtar de Babilônia, Athena da Grécia, Astarte da
Síria, Cibele de Roma, Astorete de Israel (sob influência dos
Cananeus) e Diana de Éfeso. Ela é a Deusa mãe pagã da Irmandade,
quase sempre retratada vestida de roupão, usando uma coroa de
espinhos, e carregando a tocha da iluminação. Ela é simbólica tanto
da Lua como da “estrela cão”, Sírio, uma vez que a palavra inglesa
para deus é simplesmente cão de trás para frente. Os “dias de cão” do
verão foram inventados devido a Sírio e acreditava-se que esse foi um
tempo ruím. J. Brady em “Clavis Calendarium” afirma que os dias
de cão eram conhecidos como um tempo “quando os mares ferveram,
o vinho ficou azedo, os cachorros ficaram loucos, e todas as criaturas
tornaram-se lânguidas, e que causou no homem febres altas, histeria e frenesi.” Este tempo quente
foi associado com a cabeça quente. É por isso que o indivíduo está “Sírio” quando esta sério. Esta é
também a origem oculta do todo americano “hot dog”. (cachorro quente) O dia 4 de julho, o Dia da
Independência dos Estados Unidos, ocorre justamente por ocasião dos “dias do cão”, Sírio, uma
data importante para os cavaleiros pré-maçônicos, Templários

“Foi a data da derrota maciça dos Templários por exércitos


muçulmanos, na Terra Santa nos Cornos de Hattin em 4 de julho de
1187, que foi seguida pela perda de Jerusalém para a cristandade.
Portanto, não poderia haver uma data mais evocativa ‘templar’ ou
‘salomônica’ do que 4 de julho - isto é, evocativa da aspiração de se
construir o Templo de Salomão em Jerusalém. O leitor também
estará ciente, é claro, de que 4 de julho é o Dia da Independência
nos Estados Unidos, comemorando a assinatura da Declaração de
Independência e convertendo a data para sempre em um poderoso
talismã que define ‘Independência’ e ‘Liberdade’ para o Novo
Mundo e, agora em geral, para uma nova ordem mundial.” -
Graham Hancock and Robert Buaval, na obra Talisman, (Talismã) p.
470.

O símbolo para o dólar dos EUA é $, às vezes com uma ou duas


linhas verticais. Os “S” e “I” não têm nada a ver com “dólares” e tudo a ver com “ISIS”. A deusa
egípcia da Lua e Sírio era “ISIS” e este é o nome mais comum para ela usado pela Irmandade. O
sinal de dólar é realmente um talismã oculto a esta deusa Illuminati. É por isso que a Estátua da
Liberdade ou Ísis e seus dólares são ambos da mesma cor verde. As antigas raízes da palavra Lua
eram “mon” e “min”, razão pela qual temos “dinheiro” feito na cor mint. (verde de menta ou
hortelã) A própria ideia de dinheiro e de moedas simbólicas vem de antigas sociedades secretas.

“A prata estava ligada à lua e, portanto, às deusas da lua, a mais famosa das quais foi e é ISIS.
Assim seu nome se transformou no símbolo do dinheiro. Encontramos isso hoje no motivo
inteligente camuflado - $ - que não é nada mais do que o nome oculto para o nome de I-S-I-S, mas
que se funde a ele de maneira engenhosa.” - Michael Tsarion, em Astrotheology and Sidereal
Mythology. (Astroteologia e Mitologia Sideral)

Durante a década de 1790 o maçom francês Pierre


L'Enfant fez o projeto bem como o plano arquitetônico de
Washington D.C. de modo a incluir muitos talismãs
ocultos. Se você avistar o Distrito Federal de Washington
de lá de cima, você mui provavelmente ficará chocado ao
encontrar coisas como uma cruz de ferro (usado por
Hitler), a Estrela de Davi, um pentagrama de cabeça para
baixo (satânico) que aponta para a casa branca e mesmo
uma pirâmide com uma coruja enorme que senta-se sobre
o edifício do Capitólio. O hieróglifo egípcio para a Deusa
Illuminati Ísis ou Sírio é composto de uma estrela, um
oval, e um obelisco todos desenhados juntos. Em
Washington D.C. simplesmente aparecem juntos o
monumento em forma de obelisco de Washington, o
escritório oval, e um pentagrama codificado nas ruas ou na arquitetura.

“O hieróglifo egípcio para a estrela Sírio consiste em


três formas: uma estrela de cinco pontas, um oval e
um obelisco. Surpreendentemente, isso é exatamente
o que encontramos na pedra em Washington DC.
Toda a cidade é dedicada ‘astromanticamente’ à
estrela Sírio e suas deidades ocultistas. Ao que
parece, a astrologia é boa o suficiente para os
plutocratas no poder. Pena que quando as pessoas
comuns procuram usar as artes de adivinhação para
sua própria capacitação física e espiritual, elas são
consideradas esquisitas e adoradoras do diabo.” -
David Ovason, na obra Secret Architecture of Our
Nation’s Capitol. (A Arquitetura Secreta do Capitólio
da Nossa Nação)

“Milionários não usam astrologia, bilionários sim.” - J. P. Morgan

Em Washington DC temos o “Monumento” fálico de


frente para o escritório “Oval” feminino, além do
pentágono e dos pentagramas de L'Enfant. Em Paris
encontramos o Cleopatra's Needle, (A Agulha de
Cleópatra) outro obelisco em frente à Catedral de Notre
Dame. ( “Virgem Maria”) O Vaticano possui um outro
obelisco masculino rodeado por uma estrutura de
construção feminina circular. Em Londres, Nova York e
em muitos outros lugares você encontrará o mesmo. A
Irmandade colocou sua arquitetura sexual em pontos
geomânticos chave por toda a Terra.

“O obelisco e a cúpula são sinais comuns nos monumentos e edifícios da Irmandade. O obelisco é
um antigo símbolo fálico da energia masculina e da energia solar e a cúpula representa a fêmea ou a
energia lunar. Muitas vezes eles são colocados juntos ou próximos uns dos outros. Este é o
simbolismo do Escritório Oval (O ventre, fêmea) na Casa Branca que olha para fora na direção do
Monumento de Washington, o vasto obelisco de pedra. (fálico, macho) Estes símbolos atraem e
geram a energia que representam: são uma forma de pensamento físico. O obelisco também
simboliza o pênis do deus egípcio Sol, ou Osíris. Segundo a lenda, depois de Osíris ter sido cortado
em pedaços por seu rival, Set, a rainha Ísis encontrou todas as peças, exceto seu 'willy'. (pênis) Um
obelisco a respeito do qual afirmou-se ter vindo de Alexandria no Egito fica no Central Park, Nova
Iorque, e seu gêmeo foi erguido no século 19, durante o reinado da Rainha Vitória, nas antigas
terras dos templários ao lado do rio Tâmisa, não muito longe das Casas do Parlamento. É conhecido
como Agulha de Cleópatra e originalmente estava em Om, (Heliópolis – também chamada Áven;
Bete-Semes) a Cidade Egípcia do Sol, de pelo menos 1500 AC, antes de ser movida para Alexandria
… Uma esfinge foi colocada em ambos os lados em seu local de Londres. Outro obelisco egípcio
que foi construído em Luxor há 3.200 anos está agora na Place de Concorde em Paris, a menos de
um minuto de carro do local do acidente da princesa Diana. Do outro lado do local do acidente está
a Torre Eiffel, outro gigantesco obelisco disfarçado. O monumento de Washington em Washington
DC é um obelisco colossal. A cúpula (de uma palavra grega que significa Lugar dos Deuses) atrai e
absorve energia, assim como a pirâmide.” - David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior Segredo)
pp. 354.

Eles também mantém os segredos de antigas linhas legais e continuam


construindo ao longo delas. Por exemplo, as cidades de Boston, Nova
York, Filadélfia, Baltimore e Washington D.C. estão todas em uma
diagonal perfeita que continua até Teohitican e por todo o caminho até
Stonehenge, Troy e Baalbak. Londres em direção a Giza e Paris em
direção a Dendera são linhas paralelas quase equidistantes também. Este
conhecimento geomântico foi compreendido e mantido escondido por
antigos construtores ou maçons e permanece assim até os dias de hoje.

“Alguém já se perguntou por que um memorial de guerra


quase sempre tem que ser um obelisco? E por que você
acha que o monumento de Washington no centro de
Washington DC é um obelisco gigante? Porque os
obeliscos, como todos esses símbolos e formas
geométricas, geram a energia que representam. Lembro-
me de ter subido alguns degraus de pedra dentro de um
grande obelisco perto de Hebden Bridge, na Inglaterra, e
de ter sentido uma enorme energia sexual masculina ao
meu redor. Eu me perguntava o que estava acontecendo
na Terra até eu me lembrar onde eu estava …
praticamente dentro de um pênis masculino. O que um
símbolo é construído para representar é a energia que
gerará, porque os símbolos são uma manifestação física
dos pensamentos que os criam. Esses caras não colocam
seus símbolos em todos os lugares apenas por diversão.
Eles fazem isso porque ajuda a ressoar o campo de
energia para a frequência vibracional que eles querem.
Por sua vez, isso afeta os pensamentos e sentimentos das
pessoas.” - David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior
Segredo) p. 136.

“A verdade extraordinária é que a própria existência do


Monumento de Washington está intimamente ligada com
a estrela egípcia, Sírio, ‘o Sihor’, que os antigos
representavam em seus sagrados hieróglifos como um obelisco, bem como uma estrela. Como é
possível que esta estrela mais importante do mundo antigo se encontre, por assim dizer, ressuscitada
na arquitetura dos Estados Unidos? … No decorrer daquele dia, quando a pedra angular do
Monumento de Washington foi posta, o Sol teria passado sobre Sírio … Os cálculos mostram
claramente que no dia em que a Declaração de Independência foi acordada na Filadélfia, o Sol
estava sobre Sírio. O maçom que primeiro assinou a Declaração de Independência teria tido
consciência do significado particular de 4 de julho como um evento cósmico. O dia foi o segundo
dos assim chamados dias do cachorro … que começam em 3 de julho. Os dias do cachorro são
chamados dessa forma porque se referem ao nascimento da estrela Sírio.” - David Ovason, na obra
Secret Architecture of Our Nation’s Capitol. (Arquitetura Secreta do Capital de Nossa Nação)

Os maçons são muito familiarizados com astrologia,


astronomia e astroteologia. Eles alinham todas as
comemorações importantes, dedicações, declarações,
pioneirismos, inaugurações e outros eventos para
coincidirem com os fenômenos astrológicos.

“Nos anos que se seguiram à Revolução, as


fraternidades maçônicas realizavam cerimoniais para
novos empreendimentos como pontes, barragens,
universidades, edifícios governamentais, armazéns,
memoriais e até mesmo igrejas. Tais edifícios estavam
alinhados com as estrelas, e com os seres espirituais que governavam as estrelas … Embora um
levantamento dos gráficos da fundação usados na fase adiantada do edifício de Washington, D.C.
revela a importância da astrologia e, de fato, confirma sem sombra de dúvida que a astrologia
desempenhou um papel importante nos ritos maçônicos adiantados, o fundamento da astrologia
raramente era discutido abertamente, mesmo nos documentos maçônicos. O conhecimento das
estrelas – na medida em que estas foram compreendidas nos círculos maçônicos – foi preservado
como segredos reservados em especial para aqueles com conhecimento especializado de tais
coisas.” - David Ovason, em Secret Architecture of our Nation’s Capital, (A Arquitetura Secreta do
Capital de Nossa Nação) p.124.

Em 7 de agosto de 1880, precisamente às 10:59 da


manhã, a pedra angular do obelisco do monumento de
Washington foi afixada justamente quando o Sol passou
sobre Sírio. No dia em que a pedra fundamental da Casa
Branca foi posta, por volta do meio-dia, a Lua entrou no
mesmo grau (23) de Virgem assim como o Nodo da
Cabeça do Dragão. Na manhã de 18 de setembro de
1793, o Sol também estava passando por este grau de
Virgem quando o edifício do Capitólio foi fundado.
Quando a Biblioteca do Congresso foi fundada, o Sol e
Saturno estavam com suas conjunções em Virgem. E
quando a pedra angular da maçônica “Casa do Templo”
do Rito Escocês foi erigida em 18 de outubro de 1911, a
Lua e Vênus estavam em conjunção com Virgem.

“As chances da correspondência ser mera coincidência são tão remotas que devemos assumir que
quem estava dirigindo o planejamento de Washington, D.C., não só tinha um conhecimento
considerável de astrologia, como também tinha um interesse voltado à ênfase do papel do signo de
Virgem … De vez em quando veremos que o conhecimento das estrelas desempenhou um papel
importante em cada uma das fases criativas na construção da cidade.” - David Ovason, em Secret
Architecture of our Nation’s Capital, (A Arquitetura Secreta do Capital da Nação) pp. 65-6.
A Casa Branca, Edifício do Capitólio e Monumento de Washington formam o “Triângulo Federal”,
que espelha no chão, Arcturus, Spica e Regulus, localizados no céu - três estrelas que agrupam à
constelação de Virgem. Em Washington D.C. há 22 zodíacos completos colocados secretamente na
arquitetura, a maioria deles destacando Virgem. Esta é a maior concentração de arte zodiacal ou
simbologia no mundo, em comparação com apenas quatro em Londres, por exemplo.

“Nas noites de 10 a 15 de agosto, quando o Sol


se põe sobre a Avenida Pensilvânia, a
Constelação de Virgem aparece no céu acima da
Casa Branca e do Triângulo Federal. Nesse
mesmo momento, o sol poente aparece
precisamente acima do ápice de uma pirâmide
de pedra na torre velha da agência dos correios,
que é simplesmente grande o suficiente para
obstruir o disco solar. De acordo com o maçom
do século 19, Ross Parsons, ‘A Assunção da
Virgem Maria é fixada em 15 de agosto, uma
vez que naquela época o Sol está tão inteiramente na constelação de Virgem que as estrelas que a
compõe se tornam invisíveis à brilhante efusão de seus raios.’” - David Ovason, em Secret
Architecture of our Nation’s Capital. (A Arquitetura Secreta do Capital da Nação)

“O homem sempre sentiu a necessidade de dominar e


em nenhum momento o desejo foi mais predominante
do que nesta era moderna. Se não fosse assim, por
que tanta necessidade de sociedades secretas? Se
somos governados por um sistema aberto dirigido por
funcionários democraticamente eleitos, por que a
necessidade de uma ordem maçônica secreta em cada
vila, município e cidade nos Estados Unidos? Como é
que a maçonaria pode operar tão abertamente e
mesmo assim manter seus segredos tão bem
escondidos?” - John Coleman, em Conspirators
Hierarchy. (Hierarquia dos Conspiradores)

Existem muitos ditos secretos, apertos de mão e


gestos usados por maçons para reconhecer uns aos outros em público, bem como para comunicar
informações específicas. Por exemplo, há muitos mudras (gestos) comumente usados por maçons
posando para retratos ou fotos. Um gesto
comum é conhecido como “a Mão Oculta”,
pelo qual a mão direita é colocada parcial
ou totalmente dentro de uma camisa ou
jaqueta. Reis maçônicos, presidentes,
primeiros-ministros e personalidades da
mídia foram fotografados em poses com a
“Mão Oculta”. Outro gesto comum é “a
Garra”, mão direita no peito dobrando
todos as articulações dos dedos em uma
garra.

“Em seu julgamento por conspiração para


cometer homicídio, o rebelde satanista
Charles Manson foi observado fazendo uma variedade de sinais de mão maçônicos, incluindo o
sinal maçônico de angústia. O mesmo sinal, conforme relatado, foi feito pelo fundador Mórmon
Joseph Smith quando ele estava morrendo, deitado ao chão de uma prisão em Illinois sob uma
variedade de acusações criminais. Proferindo mentiras, sangrando e em desespero, a voz rouca de
Smith podia ser ouvida bradando o queixoso lamentar maçônico, pedindo para que maçons
ajudassem a um irmão em apuros, ‘Não há ajuda para o filho da viúva?’” - Texe Marrs, na obra
Codex Magica, (Magica em Códice) p. 44.

Talvez o sinal de mão mais comumente


exibido seja o sinal satânico dos chifres
do diabo, feito dobrando os dedos do
meio e o anelar e estendendo apenas o
dedo indicador e o dedo mindinho. O
polegar pode ser posto para fora ou
preso; ambos são e foram usados por
satanistas durante séculos. Recentemente
este, bem com muitos outros sinais de
mão maçônicos foram vazados para a
cultura popular, tendo sido dados
diferentes significados exotéricos para o
público enganado. Por exemplo, o sinal
dos chifres do diabo com o polegar para fora é usado frequentemente para dizer “eu te amo.”

“O sinal muitas vezes é confundido com o sinal feito


pelos surdos para a frase, ‘eu te amo’. Enquanto de
início isso pareça uma semelhança peculiar, nós
manifestamos uma emoção tal como: ‘ahh, agora
entendí!’, quando descobrimos que a pessoa que
inventou, ou criou o sistema de sinais de mão para
surdos, Helen Keller, era ela mesma ocultista e
teosofista. Teria Keller projetado propositadamente o
sinal de ‘eu te amo’ dos surdos para ser uma imitação
tão notável do clássico sinal de Satanás? Será que
Keller estava dizendo, basicamente, ‘Eu te amo,
Diabo’?” - Texe Marrs, na obra Codex Magica,
(Magica em Códice) p. 120.

Se você ouve música Heavy Metal, os Devil Horns são chamados


de “Metal Horns” e todo o público faz o mudra. Até mesmo a
Alumni University do Texas do presidente Bush alude ao sinal de
mão “UT Horns” e os alunos os exibem em manifestações e
eventos esportivos. Mas, UT ou Metal Horns não conseguem
explicar as grandes quantidades de figuras mundiais de política ou
mídia que foram fotografadas fazendo este gesto satânico:
(Observe também os olhares travessos em seus rostos) A maioria
de todos os membros da família Bush, ambos os “Georges”,
Laura, Barbara, e as filhas também, Bill Clinton, Ronald Reagan,
Dan Quayle, Jon Edwards, o príncipe William, o primeiro-ministro
italiano Silvio Berlusconi, o presidente iraniano Ahmadinajad, o
ex- Primeiro-ministro de Israel Yasser Arafat e muitos outros
foram todos fotografados fazendo este sinal. Michael Jackson,
Prince, Penn e Teller, também a cantora “Cristã” Amy Grant e os
televangelistas Kenneth Copeland, Jesse Duplantis, Rodney Brown e Benny Hinn foram todos
fotografados fazendo o sinal dos chifres do diabo. O logotipo do Conselho de Relações Exteriores é
um homem nu atrás de um cavalo-branco fazendo o sinal dos chifres do diabo. Poderia qualquer um
destes ser apenas coincidência? Certo. Mas poderiam ser todos?

Desde o primeiro grau, o iniciado faz juramentos de sangue para nunca divulgar os segredos da
maçonaria sob pena de morte. Eles juram nunca trair seus irmãos ou a organização, nunca falar com
a polícia sobre crimes dentro da Fraternidade e nunca julgar qualquer companheiro maçom como
culpado ao estar servindo como um jurado.

“Ao ser iniciado na ordem, ou seja, no Primeiro


Grau de uma loja azul, promete-se da seguinte
maneira: ‘comprometo-me a nenhuma pena menor
do que ter minha garganta cortada
transversalmente, ter minha língua arrancada pelas
raízes e ter o meu corpo enterrado nas ásperas
areias do mar na marca da maré baixa, onde a maré
flutua e flui duas vezes em 24 horas.’ As
penalidades em graus mais altos cresceram
progressivamente das maneiras mais horríveis.” -
Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo
Secreto) p. 218.

“Os maçons de segundo grau recitam o seguinte juramento


hediondo: ‘… me obrigando a uma pena não menor do que
ter meu peito aberto e ter o meu coração arrancado e
colocado no pináculo mais alto do templo lá para ser
devorado pelos abutres do ar, se eu alguma vez violar
conscientemente a obrigação de companheiro de culto.’ O
juramento de terceiro grau proclama: ‘… me obrigando a
uma pena não menor do que ter o meu corpo cortado em
dois, as minhas entranhas retiradas dele e queimadas em
cinzas, tendo as cinzas espalhadas pelos quatro ventos do céu, o qual não mais poderia ter tido a
lembrança de tão vil e perverso um miserável como eu seria se acaso eu, conscientemente, violasse
esta obrigação de meu Mestre Maçom.’ Isso não é tudo. No 4º grau, o aspirante a Mestre do Rito de
Iorque, o candidato executa um ritual que simboliza ter sua ‘orelha arrancada fora’ se revelar os
segredos da ordem. E para o 5º grau, o que já é Mestre, o candidato infeliz concorda com o
seguinte: … ‘me obrigando a uma pena não menor do que (Além de todas as minhas penalidades
anteriores) ter minha língua dividida da ponta até a raiz, para que depois eu não possa pronunciar
palavra alguma.’ ” - Texe Marrs, na obra Codex Magica, (Magica em Códice) pp. 285-6.

Que tipo de segredos eles estão mantendo que os iniciados


precisam de lembretes horríveis à cada grau de nunca
divulgar o que eles sabem? Não só os maçons fazem os
juramentos precedentes de nunca expor ou encarcerar a
irmandade ou aos irmãos, como também de modo geral,
todos os maçons (incluindo presidentes, primeiros-ministros
e outros políticos) também juram obedecer todas as ordens
dadas por um maçom de grau superior.

“As palavras capitalizadas, ou seja, quando tomadas em


conjunto, rezam: ‘Eu prometo que vou obedecer a todas as
convocações que me forem dadas das mãos de um irmão Mestre Maçom.’ Isso significa que o
Presidente dos Estados Unidos teve que receber as ordens as quais Albert Pike teria o mandado
cumprir! A importância dessa suposição surpreendente se tornará mais óbvia ao passo que
evidências adicionais do que justamente Pike acreditou forem apresentadas em capítulos adicionais
deste estudo. Há uma hierarquia nos Estados Unidos! E os presidentes que são maçons recebem
ordens de outros maçons!”- Ralph Epperson, na obra The New World Order, (A Nova Ordem
Mundial) p.172.

Albert Pike foi o Soberano Grande Comandante do Conselho


Supremo do 33º grau e Sumo Pontífice da Maçonaria Universal.
Ele criou o 33º grau do Rito Escocês, foi o cofundador da KKK,
(Ku Klux Klan) e permanece sendo uma figura venerada na
Maçonaria global. Quando Pike faleceu no ano de 1891, seu
funeral foi realizado no Templo Maçom de Washington D. C. à
meia-noite e tendo o seu túmulo ornamentado inteiramente em
preto. Tratava-se de um homem que usava uma pulseira através
da qual alegava manter uma comunicação constante com Lúcifer.
Em 15 de agosto de 1871, Albert Pike escreveu uma carta a
Giuseppe Mazzini descrevendo três guerras mundiais que seriam
necessárias para gerar o governo mundial. As duas primeiras
aconteceram exatamente como Pike havia planejado décadas
antes e a terceira estranhamente se assemelha à atual situação
política mundial.

“Deve haver a Primeira Guerra Mundial para permitir que os Illuminati derrubem o poder dos
czares na Rússia e façam desse país uma fortaleza do comunismo ateu. As divergências causadas
pelos agentes dos Illuminati entre os impérios britânico e germânico serão utilizadas para fomentar
esta guerra. No final da guerra, o comunismo será construído e usado para destruir aos outros
Governos e para enfraquecer as religiões.

“A Segunda Guerra Mundial deve ser fomentada aproveitando as


diferenças entre os fascistas e os sionistas políticos. Esta guerra
deve ser feita para que o nazismo seja destruído e que o sionismo
político seja forte o suficiente para instituir um Estado soberano de
Israel na Palestina. Durante a Segunda Guerra Mundial, o
comunismo internacional deve tornar-se forte o suficiente para
equilibrar a cristandade, que seria então restringida e controlada
até o momento em que precisaríamos dela para o cataclismo social
final.

“A Terceira Guerra Mundial deve ser fomentada aproveitando as


diferenças causadas pelos agentes dos Illuminati entre os sionistas
políticos e os líderes do Mundo Islâmico. A guerra deve ser conduzida de tal maneira que o Islã (o
Mundo Árabe Muçulmano) e o sionismo político (o Estado de Israel) se destruirão mutuamente.
Enquanto isso, as outras nações, divididas uma vez mais nessa questão, serão obrigadas a lutar até o
ponto de completa exaustão física, moral, espiritual e econômica … Vamos atiçar os niilistas e os
ateus e provocaremos um formidável cataclismo social que, em todo o seu horror, mostrará
claramente às nações o efeito do ateísmo absoluto, a origem da selvageria e do mais sangrento
turbilhão. Então, em toda parte, os cidadãos, obrigados a defender-se contra a minoria mundial dos
revolucionários, exterminarão aqueles destruidores da civilização e a multidão, desiludida com o
cristianismo, cujos espíritos deístas, a partir daquele momento, não teriam compasso ou direção,
ansiosos por um ideal, mas sem saber onde fazer a sua adoração, receberá a verdadeira luz através
da manifestação universal da doutrina pura de Lúcifer, enfim impulsionada pela opinião pública.
Essa manifestação resultará do movimento reacionário geral que seguirá a destruição do
cristianismo e do ateísmo, conquistados e exterminados ao mesmo tempo.” - Albert Pike em uma
carta a Giuseppe Mazzini, excerto de William Carr na obra intitulada Pawns in the Game. (Peões no
Jogo)

Os Illuminati

“Os Illuminati são uma continuação das


Religiões Misteriosas de Babilônia e Egito. E as
linhagens dos Illuminati remontam ao povos que
viveram na Babilônia e no Egito.” - Fritz
Springmeier, na obra Bloodlines of the
Illuminati. (Linhagem Illuminati)

Assim como os Maçons, os “Illuminati”, seus


conceitos e conhecimentos esotéricos remontam
a milhares de anos às Escolas de Mistérios ou à
Religião Egípcia. No entanto, esta ordem foi
primeiramente identificada publicamente em 1776, no mesmo ano em que a América assinou a
Declaração de Independência. No dia 1º de maio de 1776, "Mayday", (1º de Maio) Adam
Weishaupt, professor de Direito na Universidade de Ingolstadt, formou oficialmente os Illuminati
bávaros.

“As linhagens e a rede de sociedade secreta Illuminati através da qual


eles fazem suas manipulações, tem sido a força por trás de muitos dos
grandes impérios da história. Antigamente, Suméria e Babilônia (agora o
Iraque) eram as sedes dos ‘Illuminati’ na terra, e o Egito também era
extremamente importante para eles. Foram os relatos, os textos e os
artefatos da Suméria e de Babilônia que foram queimados ou saqueados
dos museus iraquianos na esteira da invasão anglo-americana. Depois de
Babilônia, a rede de linhagens Illuminati mudou sua sede para Roma e
foi durante esse tempo que tivemos o Império Romano e a criação da
Igreja Romana ou cristianismo institucionalizado. A estrutura da Igreja
Católica Romana, controlada pela sociedade secreta jesuíta permanece
no centro das operações dos Illuminati. A sede ‘operacional’ mudou-se para o norte da Europa após
a queda do Império Romano e por um certo período baseou-se em Amsterdã, na Holanda. Foi
quando os holandeses começaram a construir o seu império através da Companhia Holandesa das
Índias Orientais, ao passo que haviam colonizado a África do Sul. Em 1688, William de Orange, um
membro da linhagem illuminati, invadiu a Inglaterra a partir dos Países Baixos e tomou o trono
como William III em 1689. William governou junto com a rainha Mary e então sozinho após a
morte dela no ano de 1691. Naquele ano William assinou a carta que criou o Banco da Inglaterra, e
o sistema bancário global passou a surgir. A dívida bancária e industrial sempre foi um dos
principais veículos usados pelas linhagens para controlar a humanidade. A partir deste momento, as
linhagens e sua rede de sociedades secretas Illuminati transferiram seu centro de operação para
Londres e o que se seguiu, é claro, foi o ‘grande’ e vasto Império Britânico. Este não era o Império
dos ‘britânicos’ na verdade, mas o império das linhagens dos Illuminati com base na Grã-Bretanha.
Esta expansão do império britânico e de outros impérios europeus em todas as partes do mundo
exportou as linhagens para todos os continentes, incluindo, o mais importante hoje, a América do
Norte.” - David Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do Circuito Temporal)
A organização Illuminati de Adam Weishaupt foi projetada tanto para ser uma organização tão
elusiva, tão secreta, como para esconder sua filiação dentro de outras sociedades secretas.
Weishaupt escreveu em seu diário que a Maçonaria era de fato a organização mais apta para a
infiltração por parte dos Illuminati:

“A grande força da nossa Ordem reside no seu esconderijo; e


que ela nunca apareça em nenhum lugar em seu próprio nome,
mas sempre acobertada por outro nome, e por outra ocupação.
Não há nada mais apropriado para isso do que os três graus
mais baixos de Maçonaria Livre; o público está acostumado a
ele, espera pouco dele e, portanto, pouco se presta atenção a
ele. Com isto, a forma de uma sociedade erudita ou literária é a
mais adequada para o nosso propósito e mesmo que não
existisse a Maçonaria Livre, essa cobertura ainda assim teria
sido empregada; ela pode ser muito mais do que uma tampa,
pode ser um motor poderoso em nossas mãos. Ao estabelecer
sociedades de leitura e bibliotecas de subscrição e conduzi-las
sob nossa direção e as abastecer com nossa mão-de-obra,
podemos moldar à opinião pública da maneira como quisermos. De modo similar, devemos tentar
exercer influência nas academias militares (isto pode ser de grande importância) nas editoras, nas
livrarias, nos comitês e, em suma, em todos os escritórios que tenham qualquer efeito, quer na
formação, quer na gestão ou mesmo no controle da mente humana: a pintura e a gravura são de
suma importância para nós.” - Palavras de Adam Weishaupt, fundador dos Illuminati bávaros, no
ano de 1776. - Origem: Livro intitulado Proofs of a Conspiracy, (Provas de uma Conspiração) de
John Robinson.

O próprio Weishaupt mostrou pouco respeito pela Irmandade da


Maçonaria e ridicularizou sua estrutura em seus diários. Ele sabia,
assim como as linhas de sangue superiores na pirâmide da sociedade
secreta global sabem, que toda a estrutura hierárquica de atingir a
“níveis” formais mostra ser um processo desnecessário. Se o objetivo é
aprender assuntos ocultos e tornar-se “Iluminado”, não há necessidade
de níveis, não há necessidade de se revelar lentamente segredos, não há
necessidade de rituais, recompensas e regalias.

“De todos os meios que eu conheço para liderar os homens, o mais


eficaz é um mistério escondido. O desejo da mente é irresistível; e caso
um homem tenha concluído em sua cabeça que há algo misterioso em
alguma coisa, é impossível trazer a ele para o nosso lado, por mais
argumento ou experiência que tenhamos. E então, podemos mudar as noções simplesmente
mudando uma palavra. O que é mais desprezível do que o fanatismo? No entanto chame-o de
‘entusiasmo’; daí, adicione a pequena palavra ‘nobre’, e você poderá conduzi-lo para onde quiser …
Por seu bem, e para rebitar ainda mais rápido aos seus próprios grilhões, eles se envolvem no mais
corrupto de todos os empregos – e para quê? – para aprender algo mais de uma ordem, na qual cada
grau elimina a doutrina de um grau anterior. Teria machucado o jovem Illuminatus ao revelar a ele
tudo de uma vez? Não faria isso disparar sua mente – ao ele observar com o mesmo olhar o grande
elemento, bem como a aptidão necessária para alcançá-lo? Não poderiam as características
engrandecidas do mais elevado se distinguir de maneira mais elevada em talentos, virtude e
felicidade (caso contrário, a Ordem não serve para nada) aquecendo o seu coração e enchendo-lhe
de emulação, visto que nessas características veria que o que lhe é tão fortemente pregado é algo
alcançável? Não, não – é tudo um truque; ele deve ser mantido como uma criança, brincado com
chocalhos, estrelas e fitas – e toda a satisfação que ele obtém é, como o que ocorre com os maçons,
a diversão de ver os outros correrem para atingir aos mesmos alvos.” - Adam Weishaupt, conforme
citado no livro de John Robinson, Proofs of a Conspiracy, (Provas de uma Conspiração) pp. 129-
30.

John Robinson era um Maçom que havia sido convidado a se juntar aos Illuminati no Final do
século XVIII. Depois de investigar a ordem, Robinson recusou o convite e em vez disso, publicou
um livro no qual revelou a suas conclusões, intitulado Proofs of a Conspiracy Against all the
Religions and Governments of Europe, Carried on in the Secret Meetings of Free Masons,
Illuminati and Reading Societies: (Provas de uma Conspiração Contra Todas as Religiões e
Governos da Europa, Realizada nas Reuniões Secretas dos Maçons Livres, dos Illuminati e das
Sociedades de Leitura)

“Em suma, descobri que o disfarce de uma


Loja Maçom havia sido empregado em todos
os países para ventilar e propagar sentimentos
nos meios religiosos e nos meios políticos que
não poderiam ter circulado em público sem
expor o autor a um grande perigo. Descobri
que essa impunidade havia gradualmente
encorajado os homens de princípios
licenciosos a tornarem-se mais ousados e a
ensinar doutrinas subversivas a respeito de
todas as nossas noções de moralidade – no que
se refere a toda a nossa confiança no governo
moral do universo – de todas as nossas
esperanças de melhoria num vindouro sistema
de coisas – e a respeito de toda a satisfação e
contentamento com a nossa vida atual, enquanto vivermos num estado de subordinação civil. Tenho
sido capaz de rastrear essas tentativas, feitas, através de um período de cinquenta anos … Tenho
observado essas doutrinas sendo gradualmente difundidas e misturadas com todos os diferentes
sistemas da maçonaria livre; até que, finalmente, UMA ASSOCIAÇÃO TENHA SIDO FORMADA
com o propósito expresso de REMOVER A TODOS OS ESTABELECIMENTOS RELIGIOSOS E
DOMINAR A TODOS OS GOVERNOS EXISTENTES NA EUROPA. E eu vi que os líderes mais
ativos da Revolução Francesa eram membros desta Associação e conduziram seus primeiros
movimentos de acordo com seus princípios e por meio de suas instruções e auxílio, anteriormente
solicitados e obtidos: e, finalmente, vi que esta Associação ainda existe e que ainda funciona em
segredo … a Associação de que tenho falado, é a Ordem dos ILLUMINATI … abolida em 1786
pelo Eleitorado da Baviera, mas revivida imediatamente depois, sob um outro nome e em uma
forma diferente, por toda a Alemanha. Foi novamente detectada e aparentemente desfeita; mas a
esta altura tinha criado uma raiz tão profunda que ainda subsiste sem ser detectada e se espalhou por
todos os países da Europa.” - John Robinson, no livro Proofs of a
Conspiracy Against all the Religions and Governments of Europe,
Carried on in the Secret Meetings of Free Masons, Illuminati and
Reading Societies, (Provas de Conspiração Contra Todas as
Religiões e Governos da Europa, Realizada nas Reuniões Secretas
dos Maçons Livres, dos Illuminati e das Sociedades de Leitura)
pp. 6-9.

“Não era minha intenção duvidar que as doutrinas dos Illuminati


não se espalharam nos Estados Unidos, pelo contrário, ninguém
está mais plenamente confiante a respeito desse fato do que eu.” -
George Washington, em 1782
Como Robinson aludiu, os Illuminati foram abolidos em 1786, mas foram então revividos
imediatamente sob nomes diferentes. Tornou-se cada vez mais óbvio para os “mocinhos” da
maçonaria europeia que medidas ainda mais drásticas teriam de ser tomadas contra os Illuminati.
Em 1794, o duque de Brunswick, o Grão-Mestre da Maçonaria Alemã, escreveu uma carta a seus
irmãos recomendando a dissolução de toda a organização, devido ao fato de que tinha sido alvo de
infiltrações, sendo então manipulada por mãos invisíveis.

“Estou convencido de que nós, como uma Ordem, vivemos sob o


poder de um Sistema de Coisas oculto muito maligno,
profundamente versado na ciência, oculto e caso contrário, embora
não infalível, sendo seus métodos a magia negra, ou seja, o poder do
eletromagnetismo, do hipnotismo e da poderosa sugestão. Estamos
convencidos de que o Sistema está sendo controlado por membros da
Ordem do Sol, segundo a natureza dos Illuminati, senão pela própria
Ordem. Vemos nosso edifício … desmoronando e cobrindo o chão
com ruínas, vemos a destruição que nossas mãos já não controlam …
Surgiu uma grande seita que, tomando por seu lema o bem e a
felicidade do homem, trabalhou na escuridão da conspiração para
fazer da felicidade da humanidade uma presa para si mesma. Esta
seita é conhecida de todos, seus irmãos são conhecidos não menos
do que seu nome. São eles que minaram os alicerces da Ordem até
que por fim a derrotaram; é por eles que toda a humanidade foi
envenenada e desorientada por várias gerações … Começaram por
forjar o ódio à religião … Seus mestres não tinham nada menos do que os tronos da terra e os
governos das nações seriam dirigidos por seus clubes noturnos … O mau uso da nossa ordem …
produziu todos os problemas políticos e morais com os quais o mundo está cheio hoje … devemos
desde este momento dissolver toda a Ordem” - Duque de Brunswick, Grão-Mestre da Maçonaria
Alemã, em 1794.

Os Illuminati, apenas 18 anos após sua formação oficial, eram tão poderosos e influentes que sua
infiltração na Maçonaria fez com que o Duque de Brunswick tentasse “dissolver toda a ordem”.
Nem a Maçonaria nem os Illuminati foram dissolvidos, mas seu poder e influência só aumentaram
nos séculos seguintes.

“Ademais, em 1812, o presidente da Universidade de Harvard,


Joseph Willard, se aposentou para ministrar em Vermont. Ele
aproveitou a ocasião de sua aposentadoria em 4 de julho de 1812,
para expressar sua preocupação com as consequências da guerra
que se aproximava: ‘Existem provas suficientes de que várias
sociedades dos Illuminati foram estabelecidas nesta terra. Eles
estão, sem dúvida, se esforçando para secretamente minar todas as
nossas antigas instituições, em âmbito civil e sagrado. Estas
sociedades estão claramente ligadas às do mesmo sistema que
existem na Europa … Vivemos em um período alarmante. Os
inimigos de toda a ordem estão se empenhando por nossa ruína. Se
a infidelidade geralmente prevalecer, nossa independência cairá, é
claro. Nosso governo republicano será aniquilado.’” - Ralph
Epperson, em The New World Order, (A Nova Ordem Mundial) pp.
115-6.
“A arte do iluminismo consiste em aliciar modelos, bem como adeptos e estimular os sonhos de
visionários honestos ou os esquemas de fanáticos; lisonjeando a vaidade de egoístas ambiciosos;
trabalhando em cérebros desequilibrados ou brincando com paixões tais como a ganância e o poder
para fazer com que homens de objetivos totalmente divergentes sirvam ao propósito secreto da
seita. Pessoas com dinheiro sempre foram bem-vindas, mas sempre foram mantidos alheias aos
segredos verdadeiros. O objetivo é ganhar poder e riquezas. Enfraquecer aos governo secular ou
religioso e atingir aos mestres do mundo.” - Nesta Webster - “Uma polêmica historiadora, ocultista
e autora inglesa.” (wikipedia)

O Comitê dos 300

“Trezentos homens, todos os quais se conhecem, dirigem o destino


econômico da Europa e escolhem seus sucessores entre si”. - Walter
Rathenau, (1909) fundador da General Electric.

O Comitê dos 300 desenvolveu-se a partir do Conselho dos 300 da


Companhia Britânica das Índias Orientais, que foi fundado em 1727
pela família real britânica. Durante décadas, a Índia Leste Britânica e
as Companhias Holandesas das Índias Orientais acumularam fortunas
com o seu comércio de ópio com a China e agora através do Comitê
dos 300 continuam a travar falsas guerras de drogas em todo o mundo
nos dias atuais.

“Não há necessidade de usar ‘eles’ ou ‘o inimigo’, exceto como


taquigrafia. Nós sabemos quem são ‘eles’, e quem é ‘o inimigo’ O Comitê dos 300 com a sua
‘aristocracia’ caracterizada por um Establishment Liberal Oriental, seus bancos, companhias de
seguros, corporações gigantes, fundações, redes de comunicação, presidido por uma hierarquia de
conspiradores – este é ‘o inimigo’.” - John Coleman, na obra Conspirators Hierarchy (A Hierarquia
dos Conspiradores)

O Dr. John Coleman era um agente de inteligência britânico do MI6


(Inteligência Militar-6, pertencente ao Serviço de Inteligência Secreta,
[SIS]) que publicou 12 livros expondo a Nova Ordem Mundial,
focalizando especificamente o Comitê dos 300. Ele atualmente publica
a revista World in Review. Em seu livro Conspirators’ Hierarchy: The
Story of the Committee of 300, (A Hierarquia de Conspiradores: A
História do Comitê dos 300) o Dr. Coleman explica os métodos e
mecanismos usados pela elite para controlar bem como realizar
engenharia social nas populações.

“O Comitê de 300 é a última sociedade secreta composta por uma


classe dirigente intocável, que inclui a Rainha da Inglaterra, a Rainha
dos Países Baixos, a Rainha da Dinamarca e as famílias reais da
Europa. Esses aristocratas concluiriam, com a morte da rainha Vitória,
a matriarca dos guelfos negros venezianos que, para ganhar controle
mundial, seria necessário que seus membros aristocráticos ‘passassem
a negociar’ com os não-aristocráticos mas extremamente poderosos líderes de negócios corporativos
em escala global e assim as portas para o poder final se abrissem para as pessoas que a Rainha da
Inglaterra gosta de chamar de ‘os plebeus’.” - John Coleman, na obra Conspirators’ Hierarchy: The
Story of the Committee of 300, (A Hierarquia de Conspiradores: A História do Comitê dos 300)
Alguns membros notáveis do comitê dos 300 incluem: (e incluíram) A Família Real britânica, a
Família Real holandesa, A Casa de Habsburgo, a Casa de Orange, o Duque de Alba, o Príncipe
Philip, Duque de Edimburgo, o Lord Carrington, o Lord Halifax, o Lord Alfred Milner, John Jacob
e Waldorf da linhagem Astor Illuminati, Winston Churchill, Cecil Rhodes, a Rainha Elizabeth II, a
Rainha Juliana, a Rainha Beatrix, a Rainha Magreta, o Rei Haakon da Noruega, o Coronel Mandel
House, Aldous Huxley, John Forbes, Averill Harriman, William e McGeorge Bundy, George Bush e
Prescott Bush, Henry Kissinger, JP Morgan, Maurice Strong, David Rockefeller, David e Evelyn
Rothschild, Paul, Max e Felix Warburg, Ormsby e Al Gore, Bertrand Russell, Sir Earnest e Harry da
linhagem Illuminati de Oppenheimer, Warren Buffet, Giuseppe Mazzini, Sir William Hesse, George
Schultz, HG Wells e Ted Turner.

“No Comitê dos 300, que tem uma história de 150 anos, temos alguns dos mais brilhantes intelectos
reunidos para formar uma ‘nova’ sociedade completamente totalitária, controlada de forma
absoluta, só que ela não é nova, uma vez que extraiu a maioria de suas ideias dos Clubes de Cultus
Diabolicus. Ele se esforça em direção a um Governo Mundial, fartamente descrito por um de seus
antigos membros, H. G. Wells, em seu trabalho encomendado pelo Comitê, que Wells
corajosamente chamou: ‘A Conspiração Aberta: Planos para uma Revolução Mundial’.” - John
Coleman, na obra Conspirators’ Hierarchy: The Story of the Committee of 300, (A Hierarquia de
Conspiradores: A História do Comitê dos 300)

Autores como H.G. Wells e Aldous Huxley não estavam especulando


ou avisando sobre as futuras sociedades sobre as quais eles
escreveram. Na verdade, muitas vezes foram comissionados para
escrever tais livros cheios de “programação preditiva” e baseados nos
planos reais do Comitê. As pessoas leem algo como A Brave New
World (Adimirável Mundo Novo) e criam uma fenda imaginária de
ficção científica entre sua realidade atual e o que parece ser um futuro
possível. Enquanto isso, a realeza, o Comitê de 300, os
impulsionadores de elite e os promotores implementam de maneira
gradativa medidas para aquelas sociedades de ficção científica
extremamente controladas. Aurelio Peccei, fundador do Clube de
Roma e membro do Comitê dos 300, em seu livro The Chasm Ahead,
(O Abismo à Frente) escreve sobre os planos do Comitê dos 300 de
“domar” o homem comum a quem ele se refere como “O Inimigo”.

“Por que eu deveria me preocupar com a quantidade dos que morrem? Mesmo a Bíblia Cristã diz
sobre Deus: ‘que é o homem mortal para que te lembres dele?’. Para mim, o homem não é nada
além do que um cérebro em uma extremidade e uma fábrica de merda no outro.” - Aurellio Peccei,
fundador e primeiro presidente do Clube de Roma.

“No caso de John F. Kennedy, o assassinato foi realizado com grande publicidade e com a maior
brutalidade para servir como um aviso aos líderes mundiais para não saírem da linha. O Papa João
Paulo I foi silenciosamente assassinado porque estava se aproximando do Comitê dos 300 através
dos maçons na hierarquia vaticana. Seu sucessor, o Papa João Paulo II, foi publicamente humilhado
como um sinal de advertência para cessar e desistir – o que por sinal, ele fez. Conforme veremos,
alguns líderes do Vaticano estão atualmente sentados no Comitê de 300.” - John Coleman, na obra
Conspirators’ Hierarchy: The Story of the Committee of 300, (A Hierarquia de Conspiradores: A
História do Comitê dos 300)

Skull and Bones (Crânio e Ossos)


A sociedade secreta Skull and Bones (Crâneo e Ossos) foi oficialmente fundada na Universidade de
Yale em 1832, mas encontra suas raízes na maçonaria alemã e empresta a sua simbologia da Pirates
ou Brotherhood of Death. (Piratas ou Irmandade da Morte) De modo semelhante aos maçons, os
Bonesmen (Homens de ossos, ou seja, os membros dessa “fraternidade”) escolhem seus próprios
iniciados e a única maneira de entrar na Irmandade é ser “indicado” por um membro atual. Apenas
15 membros são aceitos todos os anos, o que é absolutamente incrível, considerando o número de
importantes figuras históricas que simplesmente vieram a ser homens Skull and Bones.

Por exemplo, os presidentes dos EUA William H. Taft, George Herbert Walker Bush e George
Walker Bush eram (ou são) todos os três membros da Skull and Bones. Os seguintes senadores dos
EUA: Prescott Bush, John Kerry, David Boren, Jonathan Bingham, John Chaffe, John Sherman
Cooper, James Buckley, Chauncey Depew, Frank Bosworth Brandegee, Robert A. Taft, William
Maxwell Evarts e John Heinz foram ou são todos homens Skull and Bones. Os governadores
Averill Harriman, William Bissell, William Henry Gleason, Simeon Eben Baldwin e David Boren
foram ou são Bonesmen e também eram membros dessa fraternidade os congressistas Frank
Bosworth Brandegee, Howard M. Baldrige e Jonathan Brewster Bingham. Os juízes da Suprema
Corte Morrison Waite, Potter Stewart, William Taft, Simeon Eben Baldwin e Edward Baldwin
Whitney eram todos irmãos dos Bones. Também Pierre Jay, o primeiro presidente do New York
Federal Reserve, e George L. Harrison, presidente do NY Federal Reserve, foram ambos Bonesmen.

“As investigações revelaram que o objetivo


principal do Skull and Bones é obter o maior
número possível de membros em posições
estratégicas de poder. Robbins afirmou que o
presidente Bush ‘indicou’ a cinco
‘Homensossos’ para comporem à sua
administração. Um deles é William Donaldson,
o atual Encarregado de Segurança e Câmbio
(Turma de 1953). Donaldson não responderá a
nenhuma pergunta sobre os Bones.” - Fritz
Springmeier em Bloodlines of the Illuminati.
(Linhagem Illuminati)

Praticamente quase todo “Bonesman” se mostrou incrivelmente bem-


sucedido em sua profissão escolhida. William Maxwell Evarts, classe de
1837, tornou-se secretário de Estado dos EUA, procurador-geral e senador.
Russell Davenport, classe de 1923, foi editor da revista Fortune e criou a
lista “Fortune 500”. Amory Howe Bradford, classe de 1934, casou-se com
Carol Warburg Rothschild e foi Gerente-geral do New York Times.
Richard Gow, classe de 1955, foi presidente da empresa Zapata Oil
Company de George Bush. Winston Lord, classe de 1959, foi presidente
do CFR, Embaixador da China e secretário de Estado adjunto de Clinton.
O Fundador da National Review e apresentador da série de TV Firing
Line, William F. Buckley é um Bonesman e assim também o era Henry Luce, o fundador das
revistas TIME, Life, Fortune, House & Home e Sports Illustrated. Percy Rockefeller foi um
proeminente empresário, fundador e vice-presidente da Owenoke Corporation e ocupou cargos de
diretoria em mais de uma dúzia de grandes corporações. Alphonso Taft foi Procurador-geral dos
EUA, Secretário de Guerra e Embaixador na Rússia e na Áustria. Seu filho William Taft foi
presidente dos EUA e presidente da Suprema Corte.
“Eu acho que o Skull and Bones teve um pouco mais de sucesso do que a
Máfia no sentido de que os líderes das cinco famílias estão todos cumprindo
100 anos de cadeia e os líderes das famílias Skull e Bones estão em
mandatos de quatro e oito anos na Casa Branca” - Ron Rosenbaum, em
entrevista à CBS.

Muitos Bonesmen foram diplomados pela CIA e há projetos da


“Comunidade de inteligência” esperando por eles também. F. Trubee
Davison, Howard Weaver, William Sloane Coffin Jr., V. Van Dine, James
Buckley, Bill Buckley, Hugh Cunningham, Hugh Wilson, Reuben Holden,
Charles R. Walker, Robert D. Francês, Archibald MacLiesh, Dino Pionzio,
William e McGeorge Bundy, Richard Moore e George Bush são todos Bonesmen com empregos na
agência de inteligência dos EUA.

“Yale tem influenciado a Agência Central de Inteligência mais do que qualquer outra Universidade,
dando à CIA a atmosfera de uma reunião de classe.” - Gaddis Smith, Professor de História de Yale.

O edifício Skull and Bones no campus de Yale é chamado


de The Tomb. (A Tumba) As imagens e a decoração
dentro da “Tumba” são de morte e escuridão, criptas,
túmulos, crânios, ossos, sangue, facas, espadas, armaduras
e etc. Dentro da “Tumba”, os irmãos Skull and Bones
realizam anualmente suas iniciações infames, estranhas e
sexualmente promíscuas. Sons de gritos estridentes são
muitas vezes ouvidos do lado de fora e muitos dizem que
a “Tumba” irradia negatividade as quais eles sentem
fisicamente. Em abril de 2001, a ABC News e o New
York Observer filmaram Bonesmen (Homens ossos) encenando rituais simulados de degola de
garganta. A cerca do ritual sobre o qual existem mais rumores, diz-se que cada novo iniciado deve
se deitar nu, com os olhos vendados em um caixão e se masturbar, enquanto os outros irmãos ficam
em um círculo assistindo.

Um Bonesman particularmente notável foi o avô do Sr. George


Bush, o banqueiro e empresário, George Herbert Walker, que
era diretor de WA Harriman & Co., Harriman Quinze,
American International Corporation, Georgian Manganese
Corporation, Barnsdall Corporation, Commerce Corporation,
Union Banking Corporation, GH Walker & Co., estrada de ferro
do Pacífico de Missouri, Nova Orleães, Texas, e das Estradas de
Ferro de México. Ele também era um entusiasta do golfe e
presidente da USGA United States Golf Association. A bienal
Walker Cup (Copa Walker) tem esse nome em homenagem a
ele. Ele teve três filhos todos os quais se graduaram em Yale e
se tornaram igualmente Skull e Bonesmen: George Herbert
Walker Jr., cofundador dos Mets de Nova York, Dr. John M. Walker que tornou-se CEO e Louis
Walker um agente da CIA. Sua filha, Dorothy se casou com o Bonesman Prescott Bush (pai de
George pai), que se tornaria senador dos EUA, membro da diretoria da CBS e vice-presidente da
Harriman & Co. Os colegas de classe de Bush em Yale e ao mesmo tembo irmãos de Bonesmen,
E. Roland Harriman e Knight Woolley também se uniriam à empresa. Essa logo se expandiu para se
transformar na Brown Brothers Harriman & Co., que se tornou a principal ligação de Wall Street
com as empresas alemãs que causaram e mantiveram a Segunda Guerra Mundial. A Brown Brothers
Harriman & Co. comprou e enviou milhões de dólares em ouro, aço, combustível, carvão e títulos
do tesouro para a Alemanha nazista com o objetivo de desenvolver a máquina de guerra de Hitler.
Outros Bonesmen que mantiveram sob controle o Union Banking Corporation e Guaranty Trust
também ajudaram a financiar o Terceiro Reich. Só em 20 de outubro de 1942 eles foram finalmente
forçados a parar e seus bens foram apreendidos devido à Trading with the Enemy Act. (Lei de
Negociação com o Inimigo)

“A conexão ‘Bush-Nazi’ foi ressaltada mais recentemente por John Loftus, o presidente do Museu
do Holocausto da Flórida, que observou que Prescott Bush obteve uma parte de sua fortuna pessoal
em virtude de sua ligação com um banco controlado pelos nazistas. Loftus, ex-promotor da Unidade
de Crimes de Guerra nazistas do Departamento de Justiça, confirmou que Prescott Bush era um dos
principais executivos da ‘Union Banking Corporation’ em Manhattan nos finais dos anos 1930 e
1940 e que os principais industriais nazistas possuíam secretamente o banco na época. Ele disse que
estavam enviando dinheiro para a UBC através de um segundo banco na Holanda, mesmo depois
que os Estados Unidos declararam guerra à Alemanha … Ele disse que havia um arquivo com
muitos documentos ligando o banco e Prescott Bush ao recursos financeiros dos nazistas. ‘Eis o
lugar de onde veio a fortuna da família Bush: veio do Terceiro Reich’, disse Loftus em um discurso
durante o Festival de Leitura de Sarasota.” - David Icke em Alice In Wonderland and the World
Trade Center Disaster, (Alice no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center)

Henry Stimson, pertencente à turma de 1888 dos Skull and Bones foi
o secretário de guerra do presidente Taft, (1911-13), o secretário de
estado de Herbert Hoover, (1929-1933) e era então o secretário de
guerra de Harry Truman. (1940-45) Isso significa que durante a
Segunda Guerra Mundial os membros da Skull and Bones estavam na
Casa Branca e financiando Hitler ao mesmo tempo. O Maçom
detentor do grau 33 e Presidente Harry Truman e o membro dos Skull
and Bones, bem como Secretário de Guerra, Henry Stimson, ambos dirigiram os Estados Unidos
enquanto uma dúzia de outros Bonesmen financiaram ao membro da sociedade secreta Thule, Adolf
Hitler através do Union Bank, Guaranty Trust e do Brown
Bros Harriman Company.

“Durante a década de 1920, W. Averill Harriman, Prescott


Bush, Fritz Thyssen e Friedrich Flick criaram várias
autorizações para ajudar a financiar Hitler e produzir as armas
as quais Hitler precisaria para lutar na Segunda Grande Guerra.
Uma dessas empresas era a ‘German Steel Trust’. Esta empresa
produziu 35% dos explosivos alemães nazistas, 50,8% do ferro-
gusa da Alemanha, 38,5% do aço galvanizado da Alemanha
nazista, 36% da chapa grossa alemã, 22,1% do fio alemão e
muitos outros itens essenciais para Hitler. Se não fosse o dinheiro de Harriman e Bush ajudando
Thyssen, que era a principal fonte financeira de Hitler, esse governante alemão nunca teria sido
capaz de ser um dos que contribuíram para o início da Segunda Grande Guerra.” - Fritz
Springmeier, no livro Bloodlines of the Illuminati. (Linhagens dos Illuminati)

O irmão de E. Roland Harriman, Averill Harriman (Skull and Bones, classe de 1915) foi Secretário
de Comércio, Governador de Nova Iorque e diretor da Guaranty Trust enquanto financiava Hitler
durante a Segunda Guerra Mundial e também enquanto financiava aos Maçons Lenin e Trotsky,
desencadeando assim à Revolução Russa. Pouco depois de ser acusado de crimes de guerra, foi
nomeado embaixador dos EUA na União Soviética. Os Harriman eram sempre conhecidos como
democratas duros, mas amigos muito próximos da família “republicana” Bush; Prescott Bush
chegou a chamar a Averill Harriman de seu mentor.
A esposa de Averill Harriman, Pamela, foi mais tarde nomeada embaixadora dos EUA na França
por Bill Clinton, depois que ela o ajudou a financiar a sua campanha presidencial. Durante toda a
vida amorosa de Pamela ela ficou muito próxima da Irmandade. Ela foi casada tanto com o membro
dos Skull and Bones, como com o financista nazista Averill Harriman e Randolph Churchill, filho
do membro Comitê dos 300 da Grã-Bretanha, o primeiro-ministro maçônico de grau 33, Winston
Churchill. Ela também teve casos com os agentes Illuminati Giovanni Agnelli e Barão de
Rothschild, membros da linhagem.

“Este foi o cenário em que George Herbert Walker Bush chegou a


este mundo no dia 12 de junho de 1924. Ele foi preparado desde o
nascimento para servir os Illuminati em uma longa lista de papéis,
incluindo o de Embaixador dos EUA nas Nações Unidas, o de
Presidente do Partido Republicano na época das audiências do
julgamento do escândalo do Watergate, de Diretor da CIA e de Vice-
Presidente e Presidente dos Estados Unidos. Esse nome, Herbert
Walker vem de seu avô, George Herbert Walker, (Skull and Bones
Society) outro homem fortemente envolvido com Prescott Bush na
manipulação da Revolução Russa, na expansão do movimento
eugenista e no financiamento de Hitler.” - David Icke em Alice In
Wonderland and the World Trade Center Disaster, (Alice no País das
Maravilhas e o Desastre do World Trade Center)

A Segunda Guerra Mundial não foi a primeira ou


última vez que os membros do Skull and Bones se
colocaram em ambos os lados da dicotomia política.
Por exemplo, The Nation Magazine e New
Republic foram financiados “às escuras” por
Willard Straight, usando Payne Whitney (Skull and
Bones), enquanto The National Review foi
publicado “às claras” por William F. Buckley, outro
bonesman. Em 2004, o republicano George W.
Bush concorreu pescoço a pescoço contra o
“democrata” John Kerry, seu irmão da fraternidade Skull and Bones e seu primo em 16° grau.

“Tanto o presidente Bush como John Kerry apareceram na televisão


nacional com o político Tim Russert do ‘Meet the Press’. Ambos se
recusaram a responder a qualquer pergunta sobre sua vida inteira na
Fraternidade ‘Skull and Bones’.” - Dan Thompson, na obra The Order
of Skull and Bones, (A Ordem do Crânio e Ossos) Origem: Idaho
Observer 2004.

Seu método de manipulação usa o sistema bipartidário como um


mecanismo de controle; por ter membros sobre a esquerda e direita
política, eles criam as fronteiras, dividem as questões e controlam o
campo de jogo. Faça as contas. Quais são as probabilidades de que os
dois principais candidatos para a presidência de uma nação de mais de
300 milhões de pessoas sejam primos e membros da mesma organização
considerada por muitos como sendo a mais poderosa sociedade secreta
dos Estados Unidos? Nas entrevistas do MSNBC, quando questionados sobre as implicações de sua
participação nos Skull and Bones, Bush e Kerry riram e mudaram de assunto, recusando-se a
responder.
“Há que se olhar para toda a Família Bush neste contexto – como se toda a família tivesse uma
corporação chamada 'Fraudes-R-Us'. Cada membro da família, George pai, George filho, Neil, Jeb,
Prescott, Wally e etc, têm sua própria especialidade de fraude. A especialidade de George filho era a
fraude de seguro e de segurança. A especialidade de Jeb era a fraude de petróleo e gás. A
especialidade da Neil era a fraude imobiliária. A especialidade de Prescott era a fraude bancária. A
especialidade de Wally era a fraude de títulos. E a especialidade do pai George? Tudo o acima.” - Al
Martin, Tenente Comandante da Inteligência Naval Norte Americana, na obra: The Conspirators:
Secrets of an Iran-Contra Insider. (Os Conspiradores: Segredos de um Informante no Escándalo Irã-
Contra)

Prescott Bush, Jonathan Bush, George Herbert Walker,


George Herbert Walker Bush e George Walker Bush,
todos esses membros da família Bush são dos Skull
and Bones. Quando George W. Bush entrou no cargo,
ele trouxe cinco bonesmen para o seu governo.

Os principais “jogadores” do Skull and Bones


financiaram ambos os lados das Guerras Mundiais e
da Revolução Russa. Eles controlaram o paradigma
político “esquerda/direita” e ajudaram a preparar o
caminho para uma Nova Ordem Mundial. Em 1992,
George H.W. Bush disse a repórter da Casa Branca, Sarah McClendon: “Se as pessoas descobrissem
o que nós [os Bush] fizemos, seríamos perseguidos pelas ruas e linchados.”

Bohemian Grove

Quando o maçom francês Pierre L'Enfant projetou o


layout de Washington D.C. ele colocou símbolos
ocultos em todos os lugares. O mais impressionante
deles se relaciona diretamente com a sociedade
Bohemian Grove. Quando observados de uma vista
aérea, o edifício do congresso dos E.U.A., as estradas
circunvizinhas, as árvores, e as estruturas claramente
dão forma à imagem de uma coruja que senta-se sobre
uma pirâmide.

“As estradas dentro dos terrenos do edifício do congresso


formam o símbolo muito claro de uma coruja! Têm-se
também a clara percepção de que a coruja está sentada em
uma pirâmide. A pirâmide e todos observando a coruja. A
palavra coletiva para corujas é um parlamento (bando) de
corujas, o que é incrivelmente apropriado. O mesmo símbolo
da coruja pode ser encontrado escondido na nota de dólar se
você souber onde olhar, tendo uma lupa muito poderosa. Eu
também entendo que um novo projeto para os pedestres em
volta da Coluna Nelson em Trafalgar Square, Londres, se
parece com uma coruja ao ser observado do alto.”- David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior
Segredo) p. 357.
A mesma coruja aparece no logotipo do National Press Club, no edifício
do Congresso e no canto superior direito de cada nota de dólar dos EUA.
O que essa coruja simboliza e por que ela está escondida em nossa
arquitetura e moeda?

“Existe um campo de jogos sexuais para líderes americanos e políticos


estrangeiros, mafiosos, banqueiros, empresários, artistas de ponta, etc, que
são iniciados da Fraternidade Babilônica. É também chamada de ‘Bohemian Grove’, que dista a
pouco mais de 120 quilômetros ao norte de San Francisco na Califórnia, perto da aldeia do Monte
Rio, ao lado do Rio Russo no Condado de Sonoma. Eu me dirigi ao local em 1997 a fim de dar uma
olhada e quando eu disse à recepcionista do hotel para onde eu estava indo, ela me avisou para ser
muito cuidadoso porque algumas pessoas que foram investigar a área nunca mais foram vistas.” -
David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior Segredo) p. 327.

Bohemian Grove é um retiro de floresta para a elite com 2.700


hectares. A cada mês de julho desde 1873, centenas (agora milhares)
de políticos, banqueiros, empresários e personalidades da mídia se
reúnem no bosque para duas semanas de eventos que vão desde o
esperado, a saber, reuniões, discursos e palestras, ao muito inesperado,
ou seja, orgias em massa de pessoas bêbadas e rituais simulados de
sacrifício humano em frente a uma enorme estátua medindo pouco
mais de doze metros de um deus coruja babilônico! Essa loucura foi
muitas vezes desmentida como sendo boatos de opositores, isso até
que o autor e cineasta Alex Jones entrou de penetra no bosque em
2000 e filmou imagens claras do ritual de “Cremação de Cuidado” em seu filme Dark Secrets:
Inside Bohemian Grove. (Segredos Obscuros: Por Dentro do Bohemian Grove)

“Neste ponto, eu tenho que divagar, retornar e dizer que à medida que
caminhávamos para o Grove nós realmente viemos a estar a cerca de dez
metros da coruja de pedra de pouco mais de doze metros, sentada na
direção do lado norte do lago pequeno. Estávamos a apenas sete metros
do altar negro que fica na base da coruja. Então, já neste ponto, tínhamos
provado que o boato é verdade: sim, há uma coruja de pedra gigante –
sim, há um altar … Então, eu estava lá testemunhando algo muito
parecido com a visão do pintor medieval Hieronymus Bosch em sua
descrição em ‘Visions of Hell’: (Visões do Inferno) Cruzes de metal em chamas, sacerdotes em
vestes vermelhas e pretas, com o sumo sacerdote em uma túnica de prata com uma capa vermelha,
um corpo em chamas gritando de dor, uma coruja de pedra gigante, ao passo que líderes mundiais,
dos banqueiros, da mídia e o chefe da academia, todos esses estavam engajados nessas atividades.
Foi de uma insanidade total.” - Alex Jones, em Occult Activities at Bohemian Grove. (Atividades
em Bohemian Grove)

Além de realizarem cerimônias ocultistas e promiscuidades


sexuais, os membros e os seus convidados também realizam
regularmente discursos políticos. Eles ainda se vangloriam de
que o Projeto da ilha de Manhattan foi concebido no Bohemian
Grove. Edward Teller, o “pai” da bomba de hidrogênio, e
Glenn Seaborg, que acrescentou aprimoramentos ao plutônio,
eram ambos grovers. Outros participantes passados ou
modernos incluem: George Bush pai e filho, Bill Clinton,
Ronald Reagan, Richard Nixon, Jimmy Carter, Gerald Ford,
Dwight Eisenhower, Lyndon Johnson, Herbert Hoover, Robert e Joseph Kennedy, David, Laurence
e Nelson Rockefeller, Dick Cheney, Al Gore, Dan Quayle, Colin Powell, Henry Kissinger, Donald
Rumsfeld, David Gergen, George Shultz, William Casey, William F. Buckley, Robert Novak, Ray
Kroc, Príncipe Bandar Bin Abdul Aziz, Mikhail Gorbachev, James Woolsey, Earl Warren, Walter
Cronkite, William Randolph Hearst, Andrew Knight, Burt Bacharach, Bing Crosby e Bob Hope só
para arranhar a superfície.

“Agora, eu tenho que lhe perguntar o que fazem ali os ex-


presidentes dos Estados Unidos, como Jimmy Carter, Richard
Nixon, Gerald Ford, Ronald Reagan e George Bush? Todos esses
ex-presidentes pelo menos os que ainda estão vivos, estão lá
posicionados - de pé ali e em uníssono, todos alinhados, em
uniformes, parecendo membros da Ku Klux Klan, em frente a uma
grande fogueira, adorando uma coruja.” - Jordan Maxwell, na obra
Matrix of Power. (Matrix de Poder)

As últimas duas semanas de julho correspondem à 13ª lua


sagrada e ao Ano Novo pagão. Esses membros da sociedade
secreta sabem que o calendário gregoriano é uma farsa (a qual
será discutida em detalhes mais tarde) e, com efeito, eles não festejem o ano novo no dia 1º de
janeiro. (um dia sem sentido de um Ano Novo completamente arbitrário) Todos eles se reúnem no
Bohemian Grove para comemorar o 25 de julho, como o “Dia Fora do Tempo” e o 26 de julho
como o Ano Novo Lunar.

“Nas últimas duas semanas de julho, de cada ano,


uma reunião secreta é realizada em nosso país no
norte da Califórnia, pelas pessoas mais poderosas do
mundo. Estes são banqueiros, políticos, industriais,
luminares do entretenimento, um grande conjunto de
figuras mundiais poderosas. Este grupo está
diretamente ligado às elites governantes europeias e
é comumente conhecido como a Sociedade Boêmia.
Nosso agora famoso Conselho de Relações
Exteriores, o governo por trás do governo
americano, está representado no ‘Bohemian Grove’,
em parceria com membros do Grupo Bilderberger da Europa. Uma reunião é realizada, uma vez por
ano lá, para decidir em escala mundial uma agenda manipuladora sobre o seu futuro. Um excelente
exemplo de que a verdadeira democracia é conduzida na escuridão. Obviamente, aqui, o seu voto
não conta. A coruja foi escolhida como um símbolo apropriado para essa laia, uma vez que ela
também, se sente em casa no escuro. Atribui-se ao boêmio a seguinte definição no dicionário: ‘uma
comunidade de pessoas que adotam maneiras e costumes, notavelmente diferentes do que é
esperado, ou aprovado pela maioria na sociedade e que negligenciam padrões convencionais de
comportamento.’ Não é de admirar que eles não queiram nenhuma contribuição da nossa parte.” -
Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

O Federal Reserve (Reserva Federal)

“Qualquer um que procura provar a existência de conspirações na América


não precisa olhar para além da origem do nosso atual banco central. Eis
aqui uma conspiração bem documentada envolvendo os próprios nomes
ligados às modernas sociedades secretas.” - Jim Marrs, em Rule by
Secrecy. (O Governo Secreto)
"Alguém está nos usando. O negócio bancário foi criado no ano de 1099. Há um
formulário de imposto de renda que é o 1099. Quem decidiu isso? Use a lógica." -
Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

Quando um país centraliza o sistema bancário, ele concentra uma enorme


quantidade de riqueza em uma única instituição, trabalha principalmente
para tornar os ricos mais ricos e torna possível ao governo o controle dos
interesses estrangeiros. Considerado como o mentor de Bill Clinton, o Dr.
Carroll Quigley, escreveu: “Os poderes do capitalismo financeiro tinham
outro objetivo de longo alcance, nada menos do que criar um sistema
mundial de controle financeiro em mãos privadas capaz de dominar o
sistema político de cada país e a economia do mundo como um todo. Este
sistema deveria ser controlado de forma feudalista pelos bancos centrais
do mundo agindo em conjunto, por intermédio de acordos secretos,
advindos de reuniões e conferências frequentes. O ápice do sistema foi o Bank for International
Settlement, (Banco de Compensações Internacionais) em Basileia, Suíça; um banco privado detido
e controlado pelos bancos centrais mundiais, que eram eles próprios corporações privadas. O
crescimento do capitalismo financeiro tornou possível uma centralização do controle econômico
mundial e o uso desse poder em benefício direto dos financiadores e para o prejuízo indireto de
todos os outros grupos econômicos.”

Com instituições como o FMI e o Banco Mundial, em


companhia de novas moedas da União como o Euro da UE
(União Européia) e o novo “Amero”, consolidando e
centralizando os negócios bancários e a moeda mundial, a
quantidade de influência global que esses banqueiros
internacionais têm na economia e na política mundiais é
extraordinária. Seu método de controle é exatamente como
um empréstimo feito por um agiota ou pela máfia. Em
primeiro lugar, para se qualificarem para empréstimos, as
nações desesperadas são obrigadas a investir em minas,
ferrovias, florestas, energia ou empresas de água. Então,
para pagar os empréstimos, as nações são forçadas a fazer
coisas como ignorar as leis ambientais, reduzir os salários gastos com a educação ou com os
sistemas de saúde e privatizar ou vender seus recursos para corporações tortuosas como a Enron e a
Exxon. Sempre que esses países pobres não conseguem pagar os empréstimos, os “generosos”
banqueiros internacionais simplesmente concedem novos empréstimos com juros mais altos para
pagar os antigos, aumentando o endividamento da nação. Conforme declarou certa vez Amschel
Mayor James Rothschild: “Deixe-me emitir e controlar o dinheiro de uma nação e não me
importarei com quem escreve as leis.” Mais recentemente, Richard McKenna, ex-presidente do
Midlands Bank of England, disse: “Aqueles que criam e emitem o dinheiro e o crédito dirigem as
políticas do governo e mantêm nas suas mãos o destino do povo”.

“É um fato bem conhecido que os banqueiros internacionais têm financiado nações para lutarem
umas contra as outras. Onde você acha que os países conseguem seu dinheiro para comprar tanques,
armas, uniformes, etc., para armar sua nação para a guerra? Eles emprestam de banqueiros
internacionais. Os banqueiros internacionais têm financiado a ambos os lados de países em guerra
uns com os outros. Eles não se importam com quem ganha, porque enquanto as nações estão
emprestando enormes quantias em dinheiro para matar uns aos outros, os banqueiros internacionais
fazem enormes quantias em dinheiro dos juros cobrados por nação. Eles também possuem o poder
de controlar o resultado da guerra simplesmente cortando o fluxo de dinheiro que emprestam.
Assim, sob a ameaça de guerra, os banqueiros internacionais têm buscado usar de seu poder para
ganhar ou aumentar o controle sobre os governos. Mantendo uma nação endividada, eles estão em
posição de exigir sua representatividade nos assuntos governamentais da nação. Outro objetivo que
eles já alcançaram foi o de controlar todos os sistemas monetários do mundo.” – Alex Christopher,
em Pandora’s Box – The Ultimate Unseen Hand Behind the New World Order, (A Caixa de Pandora
– A Última Mão Invisível Atrás da Nova Ordem Mundial) p.146.

“Eu sinceramente acredito que os estabelecimentos bancários são mais


perigosos do que os exércitos permanentes … Se o povo americano
continuar permitindo que os bancos privados controlem a emissão de
sua moeda, usando primeiramente a inflação, e a seguir a deflação, os
bancos e as corporações que crescem ao redor deles privarão o povo de
todos os bens até que seus filhos acordem desabrigados no continente
conquistado por seus pais.” - Thomas Jefferson.

Apesar das advertências de Jefferson, em 1791 Alexander Hamilton, o


Secretário do Tesouro, forçou a confecção de uma carta por parte do
Congresso com o fim de criar o Primeiro Banco dos Estados Unidos, que permaneceu em existência
por 20 anos até o ano de 1811, quando o presidente James Madison, bem como o vice-presidente
George Clinton se recusaram a assinar ou renovar a carta. Madison disse: “A história registra que
os cambistas usaram todas as formas de abuso, intriga, engano e meios violentos para manter seu
controle sobre os governos, controlando o dinheiro e sua emissão”. Curiosamente, apenas 5 anos
mais tarde, ainda sob a presidência de Madison, em 1816 ele assinou a carta para um segundo banco
nacional. Tal ação hipócrita levantou a suspeita de suborno ou chantagem por meio de uma
operação feita nos bastidores.

No ano de 1828, dirigindo-se aos banqueiros centrais, Andrew


Jackson disse em um discurso: “Vocês são um covil de víboras e
de ladrões. Eu pretendo os expulsar e por meio do Deus Eterno, eu
vou derrotá-los … Se tão somente as pessoas compreendessem a
injustiça dos sistemas monetário e bancário, haveria uma
revolução pela manhã.” Nos próximos 8 anos como presidente
dos Estados Unidos, Jackson trabalhou para abolir a carta federal
do Segundo Banco dos Estados Unidos. Em 1835 foi vítima de um
atentado que por pouco não tirou à sua vida. O assassino
contratado, Richard Lawrence, apontou duas pistolas para Jackson, puxou os dois gatilhos, e
milagrosamente ambos falharam. Jackson imediatamente passou a bater em Lawrence com sua
bengala. Lawrence mais tarde diria à polícia que ele queria matar Jackson porque “o dinheiro seria
de muito mais valor” para ele e que ele “não poderia se levantar até que o presidente caísse”. Ele
disse que o governo americano lhe devia uma grande soma em dinheiro, mas Andrew Jackson
estava impedindo-o de recebê-lo. Isto ilustra definitivamente as lutas de Andrew Jackson contra o
Banco Central, que contribuíram para a óbvia motivação a tal atentado à sua vida. Em 1836 Jackson
conseguiu abolir o segundo banco nacional, afirmando, “O esforço ousado que o banco atual havia
feito para controlar o governo é apenas um presságio do destino que está reservado ao povo
americano se eles deixarem-se levar por uma perpetuação desta instituição ou pelo estabelecimento
de outra como ela.” Felizmente não fomos iludidos na perpetuação desse segundo banco nacional,
mas, infelizmente, fomos enganados no estabelecimento de outro muito pior do que ele.
Do ano de 1837 até o ano de 1863 houve um período de
liberdade para os bancos na América, durante o qual
existiam apenas bancos estatais, ao passo que os valores da
prata e do ouro permaneceram muito estáveis. Em 1863, os
interesses dos Rothschild haviam sido bem-sucedidos em
forçar uma oposição através do congresso e por intermédio
de seu secretário confidencial de Tesouraria, Salmon P.
Chase. Ele propôs através da National Banking Act, (A Lei
do Banco Nacional) mais uma vez a criação de um banco
central com o suporte do governo federal, com a capacidade
de imprimir e emitir papel-moeda. Na época, o presidente
Abraham Lincoln lutou contra os banqueiros centrais, dizendo: “O poder do dinheiro assola a nação
em tempo de paz e conspira contra ela em tempos de adversidade. É mais despótico do que a
monarquia, mais insolente do que a autocracia, mais egoísta do que a burocracia. Percebo que no
futuro imediato aproxima-se uma crise que me enerva e me faz tremer pela segurança de nosso país.
As corporações foram entronizadas, uma era de corrupção se seguirá e o poder monetário do país se
esforçará para prolongar seu reinado, trabalhando em cima dos preconceitos do povo, até que a
riqueza seja concentrada em poucas mãos e a república seja destruída.” Ele foi baleado e morto
pouco depois em 22 de maio de 1864.

De 1864 a 1913, a Lei Bancária Nacional e a Guerra Civil quase forçaram a


maioria dos bancos americanos a nacionalizarem-se. O esforço para criar o
terceiro banco central dos EUA começou em 1873, quando o cartel
internacional de bancos pertencentes à linhagem engendrou o primeiro de
três pânicos financeiros que eles usaram para assustar o público, fazendo-os
aceitar o Federal Reserve. (Reserva Federal)

“Um estudo dos pânicos de 1873, 1893 e 1907 indica que esses pânicos
foram o resultado das operações dos banqueiros internacionais em Londres.
No ano de 1908, a opinião pública estava exigindo que o Congresso
promulgasse a legislação que impediria a recorrência de pânicos de
dinheiro artificialmente induzidos.” - Eustace Mullins, em Secrets of the
Federal Reserve. (Segredos do Reserva Federal)

Em 1881 o presidente Garfield foi assassinado menos de quatro


meses depois de tomar posse. Ele era outro presidente de
tendência antibancos, que tomou medidas e falou contra eles. Ele
foi “supostamente” baleado e morto pouco depois de declarar:
“Quem controla o volume de dinheiro em qualquer país é mestre
absoluto de toda a indústria e comércio … E quando se descobre
que todo o sistema é controlável de uma maneira muito fácil, de
uma forma ou de outra, por alguns homens poderosos no topo,
não haverá a obrigação de se fornecer informações sobre como
os períodos de inflação e depressão se originam.” O próximo assassinato presidencial aconteceu 20
anos depois, quando um suposto “anarquista” atirou em William McKinley duas vezes “a queima
roupa”. Novamente, McKinley era um forte defensor do padrão ouro e ajudou a aprovar ao Gold
Standard Act (Lei do Padrão Ouro) de 1900, a menos de um ano antes de sua morte.

No dia 22 de novembro de 1910, sete dos homens mais ricos do mundo reuniram-se no retiro
pessoal de J.P. Morgan, na ilha de Jekyll, na costa da Geórgia. Os sete homens eram Frank A.
Vanderlip, Abraham Piatt Andrew, Henry P. Davidson, Charles D. Norton, Benjamin Strong, Paul
Moritz Warburg e Nelson W. Aldrich. Por detrás destes homens estavam os interesses bancários ou
de investimentos dos Rockefeller, Rothschilds, Schiffs, Morgans e Warburgs. Os 7 conspiradores da
Jekyll Island se reuniram por 7 dias e planejaram uma série de reformas bancárias radicais
necessárias para criar o Federal Reserve.

Quando os meios de comunicação ficaram sabendo das reuniões


em Jekyll Island, todos os banqueiros alegaram que estiveram fora
caçando patos. Mais tarde na vida, no entanto, o conspirador e
presidente do NY National City Bank, Frank A. Vanderlip admitiu
o contrário ao escrever: “Houve uma ocasião perto do fim de 1910,
quando eu fui tão secreto, de fato, tão furtivo quanto qualquer
conspirador … Não me parece exagerado falar de nossa expedição
secreta à Ilha Jekyll por ocasião de um verdadeiro processo de
criação do que eventualmente se tornou o ‘Federal Reserve
System’.” (Sistema de Reserva Federal) Woodrow Wilson havia
dito sobre as crises financeiras anteriores: “Todo esse problema
poderia ser evitado se nomeássemos um comitê de seis ou sete
homens de espírito público como J. P. Morgan para lidar com os
assuntos de nosso país.” E foi exatamente isso que aconteceu.

“Assim, o povo americano, que havia sofrido durante a


Revolução Americana, a Guerra de 1812, as batalhas entre
Andrew Jackson e o Segundo Banco dos Estados Unidos, a
Guerra Civil, os pânicos anteriores de 1873 e 1893, e agora o
Pânico de 1907, foi finalmente condicionado a aceitar a solução
oferecida por aqueles que causaram todos esses eventos: os
banqueiros internacionais. Essa solução era um banco central.” -
Ralph Epperson. (A. Ralph Epperson é um escritor americano de
teorias da conspiração. Ele é conhecido por suas opiniões
antimaçonaria – Wikipedia)

“Esses homens concluíram que não haveria um banco central nos Estados Unidos, mas vários e eles
concordaram que ninguém deveria pronunciar as palavras ‘central’ ou ‘banco’. O mais importante,
eles decidiram que essa criação deveria supostamente ser uma agência oficial do governo dos
EUA.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo Secreto) p. 73.

Eles o chamaram de the Federal Reserve, (a Reserva Federal) mas não é nem federal, nem uma
reserva. É tão “federal” quanto a Federal Express, e tão “reserva” quanto as reservas indígenas
americanas. É uma rede de bancos, (eram cinco originalmente, agora são doze) dirigidos na filial de
Nova York, todos eles de propriedade privada, porém, uma rede feita para se parecer com uma
agência governamental. Os acionistas originais da Reserva Federal eram os Rockefellers, os
Rothschilds, os Warburgs, os Russells, os Morgans, os Peabodys e os Reynolds – todas essas
famílias pertencendo aos Illuminati.

“O Federal Reserve Bank de Nova York era controlado por cinco bancos que detinham 53% de suas
ações. Estes cinco bancos eram controlados pela Nathan M. Rothschild & Sons, de Londres. O
Controle sobre o Fed (nome informal do ‘Federal Reserve’ - Reserva Federal) norte-americano é
basicamente o controle sobre o dinheiro mundial. Esse fato sozinho mostra o quão imenso é o poder
dos Rothschild. Se for feito uma verificação de quem é nomeado para dirigir o Fed, bem como para
o administrar, as ligações do Sistema de Reserva ‘Federal’ com os Rothschilds ficam bem mais
evidentes. Outra iniciativa privada que usa o nome ‘Federal’, o qual os Rothschilds também dirigem
é o Federal Express. Qualquer outra pessoa pode ser processada judicialmente para fazer seus
negócios parecerem como fossem do governo, mas não os Rothschilds. É conveniente para eles
apropriarem-se do título de ‘Federal’, uma vez que através do MI6 (serviço de inteligência secreta
Britânico) e através da CIA eles orientam ao governo dos EUA. Senadores são comprados e pagos
pelo seu sistema, de acordo com descobertas dos investigadores do BCCI.” - Fritz Springmeier em
Bloodlines of the Illuminati. (Linhagem Illuminati)

Em 1913, em um esforço para pacificar os dissidentes, os pré


conspiradores elaboraram uma falsa oposição ao seu esquema de banco
central. O presidente da Casa dos Bancos e da moeda, Carter Glass
escreveu a respeito do que foi defendido como uma solução alternativa,
o Federal Reserve Act. (Lei da Reserva Federal)

“Vanderlip e Aldrich, os planejadores da Ilha de Jekyll falaram


venenosamente contra o projeto de lei de Glass, mesmo com seções
inteiras tendo sido idênticas às do Plano Aldrich. Foi claramente um
esforço para obter apoio público ao projeto de lei de Glass, por parte da
aparente oposição aos banqueiros … Era necessária a oposição de Wall
Street. William McAdoo, genro de Wilson, que foi nomeado secretário
do Tesouro, revelou mais tarde: ‘Os banqueiros lutaram contra o …
Federal Reserve Act (Ato da Reserva Federal) com a energia incansável de homens que combatem a
um incêndio florestal. Eles disseram que era populista, socialista, mal elaborado, destrutivo, infantil,
mal concebido e inviável’. No entanto, McAdoo disse em entrevistas com esses banqueiros:
‘Percebi gradualmente, através de toda a névoa e fumaça da controvérsia, que o mundo bancário
não era realmente tão oposto ao projeto como ele fingia ser …’ Wilson assinou o Ato da Reserva
Federal em 23 de dezembro de 1913, apenas dois dias antes do Natal com alguns congressistas já
em casa para os feriados e com a atenção do cidadão comum claramente noutro local.” - Jim Marrs,
em Rule by Secrecy. (O Governo Secreto) pp. 73-5.

Em 1913, o congressista Lindbergh advertiu que o Sistema de


Reserva Federal “estabelece a coligação financeira mais
gigantesca da Terra. Quando o presidente assinar esse ato, o
governo invisível pelo poder monetário será legitimado. A nova
lei criará inflação sempre que os depositários desejarem inflação.
A partir de agora, as depressões serão criadas cientificamente.”

Depois que os banqueiros terminaram de lucrar com a guerra


mundial, eles decidiram causar uma depressão econômica nos
EUA para que eles pudessem comprar o mercado, expandir o
governo e controlar o povo americano. A criação de altas
repentinas, falências, recessões e depressões torna-se
completamente científica quando você decide a quantidade de
dinheiro a ser impressa e que circulará. Como o economista
vencedor do Prêmio Nobel, Milton Freidman disse: “O Federal Reserve definitivamente causou a
Grande depressão ao comprar a quantidade de moeda em circulação por um terço do seu valor
dentre 1929 e 1933.”

“Pensar que o Colapso de 1929 foi um acidente ou o resultado da estupidez desafia toda a lógica.
Os banqueiros internacionais que promoviam as políticas inflacionárias e empurraram a propaganda
que impulsionou o mercado de ações representavam muitas gerações de conhecimentos acumulados
para terem errado tanto durante a Grande Depressão … Foi o jogo da inflação e da falência, usando
a crise econômica para consolidar o poder político lá em cima, onde ele pode ser mais facilmente
controlado. A principal causa do colapso econômico foi a inflação no crédito criada de modo
deliberado pela Reserva Federal. Em seis anos, havia inflacionado a oferta monetária em 62%,
induzindo especulações de mercado e investimentos imprudentes por parte dos americanos de meia-
idade que estavam sendo criados para serem tosquiados. Quando havia chegado a época da tosquia,
as ovelhas olharam de maneira realística para as suas economias e entraram em pânico. O otimismo
deu lugar ao desespero econômico; o desespero gerou uma vontade de aceitar uma grande expansão
dos controles governamentais sobre a economia.” - Gary Allen, na obra The Rockefeller File. (O
Arquivo Rockefeller)

Durante a depressão o congressista Louis T. McFadden foi


uma voz muito franca contra o Federal Reserve. Quanto à
Grande Depressão, ele disse: “[Ela]não foi acidental. Foi
uma ocorrência cuidadosamente planejada … Os banqueiros
internacionais procuraram provocar uma condição de
desespero aqui para que eles pudessem emergir como nossos
governantes.” No ano de 1932 ele disse: “Temos neste país
uma das instituições mais corruptas que o mundo já
conheceu. Refiro-me ao ‘Federal Reserve Board’ e ao
‘Federal Reserve Banks’. (Reserva Federal) O ‘Federal
Reserve Board’ tem enganado o povo dos Estados Unidos quanto ao dinheiro suficiente para pagar
a dívida nacional em três vezes. Esta instituição perversa empobreceu e arruinou o povo dos
Estados Unidos, entrou em falência e praticamente faliu ao nosso governo. Esta instituição tem feito
isso através dos defeitos da lei sob a qual opera, através da má administração da lei pelo ‘Federal
Reserve Board’, e através das práticas corruptas dos abutres endinheirados que a controlam”. Ao
insistir com seu ativismo de oposição, McFadden, recebeu uma série de ameaças de morte e, em
seguida, morreu de intoxicação alimentar pouco tempo depois, sob circunstâncias suspeitas.

“A verdade é que um elemento financeiro nos grandes


centros possui o governo desde os dias de Andrew
Jackson” - Presidente Franklin D. Roosevelt, no ano
de 1933.

“Uma vez que a inflação ou a deflação tem sido


comprovadas, os economistas do governo apontam
com orgulho os supostos perpetradores: o público.
Eles nunca direcionam sua atenção para o verdadeiro
culpado na América: o Sistema de Reserva Federal de
propriedade privada. Este estabelecimento financeiro
privado tem controle completo sobre a quantidade de
dinheiro em circulação. Portanto, eles têm a capacidade de criar inflação ou deflação sempre que
escolherem fazê-lo.” - Ralph Epperson, em The New World Order, (A Nova Ordem Mundial) p.
243.

Desde a Grande depressão, os banqueiros da Reserva Federal continuaram a manipular o mercado


para seu próprio ganho, fazendo isso assim através de periódicas quedas no mercado das ações
planejadas, após o que eles compram tudo o que podem. De 1936 a 1937 os preços das ações
despencaram 50%, em 1948 caíram 16%, em 1953 foram 13%, de 1956 a 1957 caíram 13% e
posteriormente, em 57 abaixaram outros 19%. Continuou dessa maneira ao longo de todos os anos
até os dias de hoje.
Em 1963, o presidente Kennedy aprovou a Ordem Executiva 11110
que despojou o Federal Reserve de seu poder de emprestar dinheiro ao
governo dos Estados Unidos. Também pediu a impressão de US $ 450
bilhões em moeda livre da dívida dos EUA e deu ao Departamento do
Tesouro a autoridade para emitir certificados de prata contra as
reservas de prata do tesouro. Seis meses depois dessas ações JFK foi
morto. Assim que seu sucessor, Lyndon Johnson assumiu o cargo, a
primeira coisa que ele fez foi suspender a impressão dos certificados
de prata de JFK, e tirando-os da circulação.

“É dinheiro tirado do nada. Este é o segredo de tudo


isso ser tão ruim. A propriedade é exercida por
membros de todos os bancos. E isso é algo que o
congresso criou. O primeiro banco central ou nacional
foi criado por Alexander Hamilton e Jefferson se livrou
dele, o segundo que foi elaborado foi extinto por
Andrew Jackson e eu estou apenas ansioso para ser o
presidente a se livrar do terceiro banco nacional.”-
Congressista Dr. Ron Paul, em discurso da campanha
presidencial em New Hampshire, em 6 de janeiro de
2008.

“Você se lembra do seriado de televisão chamado Missão Impossível?


Se você já viu uma reprise, e assistiu a abertura muito de perto deve
ter percebido acima na tela a insígnia FMI, supostamente
representando a ‘Força Missão Impossível’. A força da missão
impossível, o FMI, o Fundo Monetário Internacional. O que eles
estavam sempre fazendo na série? Eles estavam sempre enganando
líderes em posições de autoridade, assassinando a alguém, ajudando as
pessoas a escapar, ou fazendo algum outro acordo sujo, tudo numa
guerra pelo poder. Poder de quem? Claro, eles estavam sempre
trabalhando para algum governo, mas os agentes supostamente não
sabiam ao certo para quem eles estavam trabalhando. Eles apenas
faziam o seu trabalho, sem saber quem realmente os havia contratado.
O ‘FMI’ apenas os enviava para fora como a missão que eles deviam
executar, a qualquer custo. E se alguém conseguisse descobrir quem
estava realmente puxando as cordas, então os agentes eram
informados: ‘vamos rejeitar qualquer conexão com vocês.’ Bem, esse é o FMI. (Fundo Monetário
Internacional) É o Fundo Monetário Internacional que é o poder por trás do Sistema de Reserva
Federal, que está estuprando nosso país e destruindo nossa economia. E esses caras estão fazendo
isso bem na nossa frente, dizendo o que eles estão fazendo, mas nós simplesmente não percebemos,
mesmo depois de soletrarem para nós na televisão. Eles estão fazendo até mesmo comédias sobre
isso, como Get Smart. (no Brasil, O Agente 86) De um lado você tem Caos e do outro lado você
tem Controle. E quando você assistir ao seriado com perspicácia, ignorando a tolice, será fácil
perceber que a mesma operação é executada em ambos os lados. Criando o ‘caos’ e, em seguida,
correndo para o ‘controle’, a fim de realizar uma missão. (ou agenda) É assim que sempre foi feito.
FIQUE ESPERTO! Eles estão lhe dizendo algo.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power.
(Matrix de Poder)
Round Table (Mesa Redonda)

A mesa redonda é uma sociedade secreta que iniciou


as suas atividades por volta do início do século 20,
pelo maçom e agente dos Rothschild, senhor Alfred
Milner, conforme comissionado por Cecil Rhodes.
Quando o estadista e empresário Cecil Rhodes
morreu em 1902, ele era um dos homens mais ricos
do mundo. Em seu testamento, Rhodes dedicou toda
a sua fortuna à criação dos grupos da Mesa
Redonda, cujo objetivo seria, em última análise,
formar um governo mundial, ou como ele disse no
testamento, “Em destino e durante o
estabelecimento, a promoção e o desenvolvimento
de uma Sociedade Secreta, o verdadeiro alvo e
verdadeiro elemento deve ser a extensão do domínio britânico em todo o mundo.” O forte desejo de
Cecil Rhodes visando a um governo mundial foi sintetizado em sua declaração, “eu anexaria os
planetas se eu pudesse.”

“Em meados de 1890, Rhodes possuía uma renda pessoal de, pelo menos, um milhão de libras
esterlinas por ano, que ele gastava tão livremente para fins misteriosos que ele geralmente ficava
com saldo negativo em sua conta … O compromisso de Cecil Rhodes com uma conspiração para
estabelecer o Governo Mundial foi registrado em uma série de testamentos descritos por Frank
Aydelotte em seu livro ‘American Rhodes Scholarships’. (Bolsas de Estudo do Rhodes Americano)”
- Carroll Quigley, no livro Tragedy and Hope. (Tragédia e Esperança)

Frank Aydelotte escreveu em seu livro ‘American Rhodes Scholarships’:


(Bolsas de Estudo do Rhodes Americano) “Em 1888 Rhodes fez seu terceiro
testamento … deixando tudo para Lord Rothschild, (seu financiador em
empresas de mineração) com uma carta de acompanhamento que incluía ‘o
assunto escrito discutido entre nós’ … O modelo para esta proposta sociedade
secreta era a Sociedade de Jesus, (os jesuítas) embora ele mencionasse
também os maçons … A ‘sociedade secreta’ foi organizada com base no
padrão conspiratório de círculos dentro de círculos. O professor Quigley nos
informa que a parte central da ‘sociedade secreta’ foi estabelecida em março
de 1891, usando o dinheiro de Rodes. A organização foi dirigida por Lord Alfred Milner dos
Rothschild - A Mesa Redonda trabalhou nos bastidores dos mais altos níveis do governo britânico,
influenciando a política externa, o envolvimento e a conduta da Inglaterra da Primeira Guerra
Mundial.”

Bill Clinton foi especializado em Rhodes e um estudante do pesquisador da Mesa Redonda,


Professor Quigley na Universidade de Georgetown. Em seu discurso de aceitação presidencial, ele
agradeceu ao Dr. Quigley e chamou-o de seu mentor. Carroll Quigley não foi apenas um
pesquisador de longa data da Mesa Redonda, mas foi encarado por alguns anos como seu
historiador oficial. Ele escreveu sobre isso em seu livro de 1966, Tragedy and Hope. (Tragédia e
Esperança)

“As Bolsas Rhodes [que Clinton recebeu] … são conhecidas de todos. O que não é tão amplamente
conhecido é que Rhodes em cinco testamentos anteriores deixou sua fortuna para que fosse usada
na formação de uma sociedade secreta, que deveria se dedicar à preservação e expansão do Império
Britânico. E o que não parece ser conhecido de ninguém é que esta sociedade secreta … ainda
existe até hoje … Existe e tem existido por uma geração, uma rede internacional anglófila que
opera, até certo ponto, da maneira como a direita radical acredita que os comunistas agem. De fato,
esta rede, que podemos identificar como os Grupos da Mesa Redonda, não tem aversão a colaborar
com os comunistas, ou qualquer outro grupo e frequentemente colabora. Conheço as operações
desta rede, porque a estudei por vinte anos e fui autorizado durante dois anos, no início da década
de 1960, a examinar seus documentos e registros secretos. Não tenho nenhuma aversão a ela ou à
maioria de seus objetivos e tenho, durante boa parte da minha vida, estado próximo a ela e a muitos
de seus instrumentos. Tenho-me oposto, no passado e recentemente, no que diz respeito a algumas
das suas políticas … mas, em geral, a minha principal diferença de opinião é que ela deseja
permanecer desconhecida e creio que o seu papel na história é suficientemente significativo para ser
conhecido.” - Dr. Carroll Quigley, Tragedy and Hope. (Tragédia e Esperança)

“Uma das sociedades secretas mais importantes dentro da rede


Illuminati é chamada de Mesa Redonda. É baseada na Grã-
Bretanha com filiais em todo o mundo e é a Mesa Redonda que
orquestrou a rede do Grupo Bilderberg, Conselho de Relações
Exteriores, Comissão Trilateral e do Real Instituto de Assuntos
Internacionais.” - David Icke, na obra Tales from the Time
Loop. (Contos do Circuito Temporal)

Assim como as antigas Escolas de Mistérios, os Templários, Maçons, Illuminati e outras sociedades
secretas, os grupos da Mesa Redonda foram conduzidos em uma estrutura de pirâmide com dotados
de maior conhecimento de causa no topo e cada pessoa abaixo da linha trabalhando em uma base
sem conhecimento de causa. Ou como Rhodes abordou em seu testamento, uma sucessão de
círculos internos e externos.

“As Mesas Redondas começaram como uma coleção de grupos semi secretos formados nas próprias
fileiras dos illuminati e da maçonaria com círculos ‘internos'’e ‘externos’ e uma hierarquia de
pirâmide. O círculo interno era chamado de Círculo de Iniciados (ou o Eleito), enquanto o círculo
externo era chamado Associação de Ajudantes. Dois membros do Círculo de Iniciados de Rhodes
foram os financistas britânicos Lord Victor Rothschild e Lord Milner.” - Jim Marrs, em Rule by
Secrecy. (O Governo Secreto) p. 89.

“Essas organizações, como a Mesa Redonda, são formadas por círculos


internos e externos. O círculo interno conhece a Agenda e trabalha em
tempo integral para alcançá-la. O próximo círculo conhece muito da
Agenda e trabalha nesse sentido em sua esfera particular de influência. O
próximo círculo está praticamente no escuro sobre a Agenda real, mas é
manipulado para tomar as decisões ‘certas’ em sua área de operação sem
saber a verdadeira razão para elas.” - David Icke, em The Biggest Secret,
(O Maior Segredo) p. 229.

O RIIA e CFR

Os primeiros dois grupos criados pela Mesa Redonda foram o British Royal Institute for
International Affairs, RIIA (Real Instituto Britânico para Assuntos Internacionais) em 1920 e o
American Council on Foreign Relations, CFR (Conselho Americano de Relações Exteriores) em
1921. Na verdade, os planos originais para ambos foram elaborados durante a Conferência da Paz
de Paris de 1919. Embora tenham recebido nomes diferentes para mascarar sua autonomia, o RIIA e
o CFR são apenas sub-ramos da Mesa Redonda, de Rhodes-Milner.
“Ao término da guerra de 1914 [Primeira Guerra Mundial], tornou-se claro que a organização deste
sistema [a Mesa Redonda] havia sido extremamente ampliada. Esta organização de fachada,
chamada Instituto Real de Assuntos Internacionais, tinha como núcleo em cada área o recém-
surgido Grupo Mesa Redonda. Em Nova Iorque era conhecido como o Conselho de Relações
Exteriores e era uma espécie de fachada para J. P. Morgan e Companhia.” - Dr. Carroll Quigley, em
Tragedy and Hope. (Tragédia e Esperança)

“Mais tarde, o plano foi alterado para criar uma


ostensiva autonomia porque, ‘parecia pouco sensato
criar um único instituto com filiais.’ Tinha de se fazer
parecer que o C.F.R. na América, e o R.I.I.A. na Grã-
Bretanha, eram órgãos realmente independentes, para
que o público americano não percebesse que C.F.R. era
de fato uma subsidiária do Grupo da Mesa Redonda e
assim reagisse com uma fúria patriótica. Este é o grupo
que desenhou as Nações Unidas – o primeiro grande
passo de sucesso na caminhada para um Superestado
Mundial. Pelo menos quarenta e sete membros do
C.F.R. estavam entre os delegados americanos por ocasião da fundação das Nações Unidas em San
Francisco no ano de 1945 … Atualmente, o C.F.R. Continua ativo no trabalho em direção ao seu
objetivo final de um governo em todo o mundo – um governo que os iniciados e seus aliados
controlarão. O objetivo do C.F.R. é simplesmente abolir os Estados Unidos com suas garantias
constitucionais de liberdade. E nem sequer tentam escondê-lo. O Study No. 7, (Estudo No. 7)
publicado pelo C.F.R. em 25 de novembro de 1959, defende abertamente a construção de uma nova
ordem internacional [que] deve responder às aspirações mundiais de paz, [e] de mudanças social e
econômica … Uma ordem internacional [palavra código para o governo mundial] … incluindo os
Estados que se autointitulam como ‘Socialistas’ [comunistas].” - Gary Allen, na obra None Dare
Call it Conspiracy (Que Ninquém Ouse Chamar Isso de Conspiração)

O CFR é um grupo privado nunca associado ao


governo dos EUA, mas feito para ser observado
dessa forma. Assim como o termo “Federal
Reserve”, (“Reserva Federal”) bem como o termo
“Council on Foreign Relations”, (“Conselho de
Relações Exteriores”) soam ambos oficiais para o
ouvido desavisado e eles até mesmo imprimam uma
revista chamada “Foreign Affairs” (“Relações
Exteriores”) para ajudar a tornar aceitável a
organização aos olhos do público. Mas a verdade é
que o CFR não é um conselho pertencente ao
governo dos Estados Unidos e é, de fato, uma
sociedade secreta disfarçada de organização oficial.
Se eles o chamassem de “Republicrats for World
Government” (“Republicratas à Favor de Um
Governo Mundial”) ou “Demopublican Global
Governance Group”, (“Grupo Demopublicano de Governaça Global”) então o rebanho poderia
notar. Mesmo que o chamassem de “the American Royal Institute for International Affairs”, (“o
Real Instituto Americano para Assuntos Internacionais”) os sheeple* (povo gado) poderia levantar
uma sobrancelha. Esta é a mesma razão de os nossos líderes americanos serem chamados de
presidentes e não primeiros-ministros, mesmo que eles sejam todos membros de uma realeza.
_________
“Sheeple: O termo Sheeple, é derivado do inglês ‘Sheep’(ovelha) + ‘People’ (Pessoas), [sendo] um
termo pejorativo o qual atribui o comportamento de um rebanho de ovelhas de seguirem umas as
outras ao fato de que as pessoas acreditam no que é dito sem uma pesquisa prévia sobre o assunto; o
conceito de uma pessoa simplesmente seguir ordens de uma pessoa que parece confiável ou uma
autoridade; o termo ‘sheeple’ é constantemente utilizado nos cenários políticos e religiosos. No
Brasil costuma-se usar a expressão análoga povo-gado.”. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
_________

O Almirante Chester Ward, foi juiz-advogado geral da Marinha e membro do CFR por dezesseis
anos. Ele disse que o propósito do CFR era “promover o desarmamento e a submersão da soberania
e da independência nacional norte americana para dentro de um poderoso governo mundial”. Em
seu livro Kissinger on the Couch, (Kissinger no Divã ) Ward escreveu: “[O] … desejo de entregar a
soberania e a independência dos Estados Unidos está presente na vasta maioria dos membros e
particularmente na liderança de várias camarilhas divergentes que compõem o que é realmente uma
organização policêntrica.”

“O círculo mais poderoso nestes grupos (CFR) tem um objetivo em comum: eles querem promover
a rendição da soberania e da independência nacional dos Estados Unidos. Eles querem acabar com
as fronteiras nacionais e as lealdades raciais e étnicas supostamente para aumentar os negócios e
garantir a paz mundial. O que eles buscam levaria inevitavelmente à ditadura e à perda de
liberdades do povo.” - Harper's Magazine, (Revista Harper) edição de julho de 1958.

“O Conselho de Relações Exteriores é ‘o establishment’. Não só tem influência e poder em


posições-chave de tomada de decisão nos mais altos níveis do governo para aplicar pressão de cima,
mas também anuncia e usa indivíduos e grupos para trazer a pressão vinda de baixo, para justificar
as decisões de alto nível para converter os EUA de uma República Constitucional soberana em um
Estado servil membro de uma ditadura mundial.” - Congressista John Rarick, em 1971.

Os membros do CFR são formados por presidentes,


Secretários de Estado, Secretários de Defesa,
Embaixadores, Senadores, Congressistas, Juízes,
presidentes e dirigentes do Fed, (Reserva Federal)
presidentes de bancos, líderes militares,
proprietários ou personalidades de mídia,
advogados de lobistas, executivos corporativos,
executivos de grupos de reflexão e presidentes de
universidades.

A lista de membros CFR inclui os mais influentes americanos do século. Basta olhar para os nomes
familiares que têm pertencido ao CFR: George Bush, Bill Clinton, Hilary Clinton, Jimmy Carter,
Gerald Ford, Richard Nixon, John F. Kennedy, Dwight Eisenhower, Herbert Hoover, Robert
Kennedy, Al Gore, Condoleezza Rice, Jesse Jackson, Colin Powell, Strobe Talbot, John Dulles,
Michael Dukakis, Fred Thompson, John McCain, Barack Obama, Mitt Romney, Rudy Giuliani,
John Edwards, Michael Bloomberg, John Kerry, Thomas Kean, Henry Kissinger, Zbigniew
Brzezinski, Jonathan Bush, Angelina Jolie, Dan Rather, Diane Sawyer , Barbara Walters, Consuelo
Mack, Warren Beatty, William Buckley Jr., Newt Gingrich, Alan Greenspan, Paul Wolfowitz,
Averill e Pamela Harriman, David, Nelson e Jay Rockefeller, William e McGeorge Bundy, Brent
Scowcroft, George Shultz e Paul Warburg.

Eis aqui uma pequena amostra dos membros corporativos do CFR: ABC News, American
Express, Bank of America, Boeing, Chevron, Citigroup, Coca-Cola, De Beers, Exxon-Mobil,
FedEx, Ford, GE, Google, Halliburton, Heinz, IBM, Lockheed Martin, MasterCard, Merck, Merrill
Lynch, Motorola, NASDAQ, News Corp, Nike, PepsiCo, Pfizer, Shell Oil, Sony, Time Warner,
Toyota, Verizon e Visa.

“Embora a lista de membros do CFR seja um verdadeiro ‘quem é quem’ nos grandes negócios e na
mídia, provavelmente apenas uma pessoa em cada mil está familiarizada com a própria organização
e ainda menos esta ciente de seus propósitos reais. Durante seus primeiros cinquenta anos de
existência, o CFR quase nunca foi mencionado por nenhum dos magnatas dos meios de
comunicação de massa. E quando você perceber que a adesão ao CFR inclui os principais
executivos do New York Times, do Washington Post, do Los Angeles Times, da cadeia de jornais
Knight, da NBC, da CBS, do Time, da Life, da Fortune, da Business Week, da US News & World
Report e de muitos outros, pode assegurar-se de que esse anonimato não é acidental; é deliberado …
Eles controlam ou possuem grandes jornais, revistas, redes de rádio e televisão e controlam as
empresas mais poderosas no negócio de publicação de livros.” - Gary Allen, na obra The
Rockefeller File. (O Arquivo Rockefeller)

Quase todo presidente dos Estados


Unidos desde a sua criação tem sido
membro do CFR. Mesmo os
presidentes não-CFR tiveram
administrações cheias de membros.
Por exemplo Ronald Reagan não era
um membro do CFR, mas o seu vice-
presidente, George Bush o era e assim
eram os 28 membros apenas de sua
equipe da transição. George W. Bush
também não é membro do CFR, mas
seu pai e seu tio são, seu vice-
presidente, Dick Cheney é e sua
administração estava cheia deles. Na
reunião de fundação das Nações Unidas havia 74 membros do CFR. O governo Clinton tinha mais
de 100 membros do CFR. O governo de Nixon tinha mais de 115 membros do CFR, todos em
posições-chave do Executivo, a maioria dos quais continuou durante os anos Ford e alguns dos
quais ainda estão no poder hoje.

O Conselho de Relações Exteriores (como o Crânio e Ossos) sempre promove candidatos de ambos
os partidos democrata e republicano, garantindo assim uma vitória para a Nova Ordem Mundial.
Em 1952 e 1956 o “republicano”, membro do CFR, Dwight Eisenhower concorreu com Adlai
Stevenson, membro do CFR, “democrata”. Em 1960 foi o membro do CFR, o “republicano”
Richard Nixon contra o membro do CFR, o “democrata” John F. Kennedy. Em 1964 nenhum
candidato era do CFR, mas Barry Goldwater era um maçom, e a administração de Lyndon Johnson
estava repleta de membros de CFR. Em 1968 foi o membro do partido “republicano”, Richard
Nixon que enfrentou o “democrata”, membro do CFR, Hubert Humphrey. Em 1972 foi Nixon
novamente contra o “democrata” membro do CFR, George McGovern. Em 1976, o “republicano”
membro do CFR, Gerald Ford perdeu para o membro do CFR, o “democrata” Jimmy Carter. Em
1980 foi “republicano” maçom, Ronald Reagan versus o “democrata” membro do CFR, Jimmy
Carter e o “Independente” e membro do CFR, John Anderson. Em 1984 foi Reagan novamente
contra o membro do CFR e “democrata”, Walter Mondale. Em 1988 o membro do CFR, o
“republicano” George Bush concorreu com o membro do CFR, o “democrata” Michael Dukakis.
Em 1992 foi Bush novamente concorrendo com o membro do CFR, o “democrata” Bill Clinton. Em
1996 Clinton foi desafiado pelo membro do CFR, o “republicano” Bob Dole. Em 2000 o membro
do CFR, o “democrata” Al Gore perdeu para o membro do Crânio e Ossos, o “republicano” George
W. Bush (com o companheiro de legenda, Dick Cheney, membro do CFR). Em 2004, Bush foi
desafiado pelo irmão bonesman, bem como membro de CFR, o “democrata” John Kerry. O CFR
possui o mercado de monopólio em relação a ambos, presidentes e candidatos presidenciais. Na
eleição presidencial de 2008, o CFR apoiou os "democratas" Hilary Clinton, Barack Obama, John
Edwards e os “republicanos” Rudy Giuliani, John McCain, Mitt Romney e Fred Thompson. Agora,
em 2012 ambos os pilotos da primeira fileira Mitt Romney e Barack Obama são ambos CFR.

“O principal problema da vida política americana … foi como fazer os dois partidos do Congresso
serem mais nacionais e internacionais. O argumento de que as duas partes devem representar ideias
e políticas opostas, talvez uma da direita e outra da esquerda, é uma ideia tola aceitável apenas para
pensadores doutrinários e acadêmicos. Em vez disso, as duas partes devem ser quase idênticas, de
modo que o povo americano pode ‘rejeitar aos patifes’ em qualquer eleição sem que isso leve a
mudanças profundas ou extensas na política.” - Dr. Carroll Quigley, Tragedy and Hope. (Tragédia e
Esperança)

“Os membros do conselho [Sobre Relações Exteriores] são pessoas que exercem muito mais do
que uma influência média em sua comunidade. Eles usaram o prestígio que sua riqueza, sua posição
social e sua educação lhes deram para liderar seu país em direção à falência e ao desastre militar.
Eles devem olhar para as suas mãos. Há sangue nelas – o sangue seco da última guerra e o sangue
fresco da atual. [a Guerra da Coréia]” - editorial do Chicago Tribune, de 9 de dezembro de 1950.

Quase todos os diretores da CIA foram membros do


CFR, incluindo Allen Dulles, Richard Helms,
William Colby, George Bush, William Webster,
James Woolsey, John Deutsch e William Casey.
Muitos senadores dos EUA também foram membros,
incluindo David Boren, William Bradley, John Chafee, William Cohen, Christopher Dodd, Bob
Graham, Joseph Lieberman, George Mitchell, Claiborne Pell, Larry Pressler, Charles Robb, John D.
Rockefeller e William Roth Jr. Entre os representantes do congresso dos EUA, tivemos Howard
Berman, Thomas Foley, Sam Gejdenson, Richard Gephardt, Newt Gingrich, Amory Houghton Jr.,
Nancy Lee Johnson, John Lewis, Robert Matsui, Dave Mccurdy, Eleanor Homes Norton, Thomas
El Petri e Carlos Romero-Barceló, Patrícia Schroeder, Peter Smith, Olympia Snow, John Spratt e
Louis Stokes. Quanto aos secretários de defesa: Neil McElroy, Robert Gates, Robert McNamara,
Melvin Laird, Eliot Richardson, Donald Rumsfeld, Harold Brown, Casper Weinberger, Frank
Carlucci e Dick Cheney. Os embaixadores dos EUA na Austrália, Grã-Bretanha, Chile, República
Checa, França, Índia, Itália, Japão, Coréia, México, Nigéria, Filipinas, Polônia, Romênia, Rússia,
Espanha, África do Sul e Síria. Esta é apenas uma amostra das posições de alto nível do governo
detidas por centenas, senão por milhares de membros do CFR.

“Se o CFR tivesse milhões de membros como, digamos, a Igreja Presbiteriana, esta lista não
significaria muito, mas o CFR tem apenas 3.200 membros.” - Robert Anton Wilson

“Conforme declarou publicamente Richard Gardner, o funcionário do Departamento de Estado por


tempo parcial, bem como professor de Direito e Organização Internacional da Columbia University,
o plano equivale a isto: Em vez de tentar tornar a ONU imediatamente uma ditadura mundial, o
‘Establishment’ identificará diferentes problemas em diferentes países, propondo uma ‘solução ‘,
que só pode ser alcançada por algum tipo de agência internacional, para que cada país em questão
seja forçado a renunciar em prol de outro segmento de sua independência nacional. Gardner
considera que esta abordagem fragmentada é o caminho prático para o fim da nação.” - Gary Allen,
na obra The Rockefeller File. (O Arquivo Rockefeller)

CIA – A Agência Central de Inteligência


“Eu nunca teria concordado com a formulação da Agência Central de Inteligência em quarenta e
sete, se eu soubesse que ela se tornaria a Gestapo americana.” - Presidente norte-americano, Harry
S. Truman, 1961.

A CIA, a NSA, o FBI e todas as outras agências secretoras de inteligência e de


coleta de inteligência de três letras imitam e são modeladas segundo as
sociedades secretas. Elas recolhem e filtram as informações
compartimentalizando a organização em uma estrutura hierárquica tipo
pirâmide, mantendo todos, menos a elite, numa situação de desconhecimento. A
CIA nasceu do braço da inteligência da Segunda Guerra Mundial, o OSS,
(Office of Strategic Services – Gabinete de Serviços Estratégicos) e foi
financiada permanentemente pelas Fundações Rockefeller e Carnegie, que nos
anos de 1945 a 1948, doaram sozinhas US $34 milhões. Quase todas as pessoas
imprescindíveis para a criação da CIA já eram membros do CFR, incluindo os
irmãos Rockefellers e Dulles.

Em 1945, quando a CIA ainda era o OSS, eles deram início à Operation
Paperclip, (Operação Clipe) que trouxe mais de 700 cientistas nazistas
com o objetivo direto de formar a CIA, a NSA e outras organizações
governamentais de alto nível. Como era ilegal até mesmo permitir que
esses nazistas entrassem nos Estados Unidos e muito menos em
agências governamentais extremamente secretas, a CIA convenceu o
Vaticano a emitir passaportes americanos para esses 700 cientistas
nazistas sob o pretexto de que era para mantê-los fora das mãos dos
russos.

“Depois que a Segunda Guerra Mundial terminou em 1945,


as equipes russas e americanas de inteligência vitoriosas
começaram uma caça ao tesouro em toda a Alemanha
ocupada visando os saques militar e científico. Eles estavam
procurando coisas como novos projetos de foguetes e
aeronaves, medicamentos e equipamentos eletrônicos. Mas
eles também estavam caçando os mais preciosos ‘despojos’
de todos: os cientistas cujo trabalho quase venceu a guerra
pela Alemanha. Os engenheiros e oficiais de inteligência da
máquina de guerra nazista. Após a descoberta de discos voadores, (foo-fighters) armas de feixe de
partículas e de laser em bases militares alemãs, o Departamento de Guerra decidiu que a NASA e a
CIA deveriam controlar esta tecnologia e os engenheiros nazistas que haviam trabalhado nessa
tecnologia. Havia apenas um problema: era ilegal. A lei dos Estados Unidos proibia explicitamente
que os funcionários nazistas imigrassem para a América – e até três quartos dos cientistas em
questão tinham sido nazistas engajados.” - Operation Paperclip Casefile: New World Order and
Nazi Germany (Dossiê da Operação Clipe: A Nova Ordem Mundial e a Alemanha Nazista.
(http: //www.conspiracyarchive.com/NWO/project_paperclip.htm)

Centenas de nazistas, especialistas em controle mental e médicos que realizaram horríveis


experimentos com prisioneiros, instantaneamente tiveram suas atrozes histórias alemãs apagadas e
foram promovidas em cargos americanos de alto nível. Kurt Blome, por exemplo, era um cientista
nazista de alto nível que experimentava vacinas contra pragas em prisioneiros de campos de
concentração. Ele foi contratado pela Chemical Corps, do Exército dos EUA para trabalhar em
projetos de guerra química. O major-general Walter Schreiber foi médico-chefe durante as
experiências de prisioneiros de campos de concentração nazistas em que eles submeteram a esses a
fome e, de outras formas, os torturaram. Ele foi contratado pela Escola de Medicina da Força Aérea
no Texas. Werner Von Braun foi diretor técnico do Nazi Peenemunde Rocket Research Center,
(Centro Nazista de Pesquisa de Foguete de Peenemunde) onde os alemães desenvolveram o foguete
V2. Ele foi contratado pelo Exército dos EUA para desenvolver mísseis guiados e, em seguida, foi o
primeiro diretor da NASA!

“A Inteligência Militar ‘limpou’ os arquivos


de referências nazistas. Em 1955, mais de
760 cientistas alemães tinham obtido a
cidadania nos Estados Unidos e tinham
posições proeminentes na comunidade
científica americana. Muitos haviam sido
membros de longa data do partido nazista e
da Gestapo, haviam conduzido
experimentos em seres humanos em
campos de concentração, haviam usado trabalho escravo e haviam cometido outros crimes de
guerra. Em uma exposição de 1985 no Boletim dos Cientistas Atômicos, Linda Hunt escreveu que
havia examinado mais de 130 relatórios sobre assuntos do Projeto Clip – e todos ‘haviam sido
alterados para eliminar a classificação de ameaça à segurança.’Um bom exemplo de como esses
dossiês foram mudados é o caso de Werner von Braun. Um relatório de 18 de setembro de 1947
sobre o cientista de foguetes alemão declarou: ‘O sujeito é considerado uma potencial ameaça à
segurança pelo Governador Militar’. No mês de fevereiro seguinte, uma nova avaliação de
segurança de Von Braun disse: ‘Nenhuma informação depreciativa está disponível sobre o assunto
… É a opinião do Governador Militar que ele não pode constituir uma ameaça de segurança para os
Estados Unidos.’” - Operation Paperclip Casefile: New World Order and Nazi Germany (Dossiê da
Operação Clipe : A Nova Ordem Mundial e a Alemanha Nazista. (http:
//www.conspiracyarchive.com/NWO/project_paperclip.htm)

Pouco depois da Operação Clipe, surgiu a Operação Mockingbird, (Operação


Sabiá) durante a qual a CIA treinou jornalistas e criou meios de comunicação
para divulgar sua propaganda. Um dos papéis principais do Projeto
Mockingbird foi interpretado por Philip Graham, que se tornaria editor do
The Washington Post. Documentos desclassificados admitem que mais de 25
organizações e 400 jornalistas se tornaram ativos da CIA, os quais incluem,
atuais grandes nomes como ABC, NBC, CBS, AP, Reuters, Time, Newsweek
e muito mais.

Em 1953 o golpe iraniano classificado como Operação AJAX foi o primeiro derrubamento bem-
sucedido da CIA de um governo estrangeiro. Em 1951, o parlamento iraniano e o primeiro-ministro,
Dr. Mohammed Mosaddeq, votaram a favor da nacionalização da indústria petrolífera, o que
perturbou os barões do petróleo ocidentais, como os Rockefeller. Em 4 de abril de 1953, o diretor da
CIA, Allen Dulles, transferiu US$ 1 milhão para o general iraniano Fazlollah Zahedi para ser usado
“da maneira que bem esse entendesse para causar a queda de Mosaddeq”. Primeiramente os líderes
do golpe plantaram propaganda anti-Mosaddeq em toda a imprensa iraniana, realizaram
manifestações e subornaram a funcionários. Em seguida, eles começaram a cometer ataques
terroristas para culpar Mosaddeq na esperança de voltar a opinião pública contra o seu herói. Eles
metralharam civis, bombardearam mesquitas e depois distribuíram panfletos que diziam ‘com
Mosaddeq, com o comunismo, com Deus’. O golpe de Zahedi ocorreu entre os dias 15 e 19 de
agosto, após o qual a CIA enviou mais US $5 milhões para ajudar seu novo governo a consolidar o
poder. Logo a América controlou metade da produção de petróleo do Irã e os comerciantes de armas
norte-americanos avançaram para lucrar quase US $ 20 bilhões com o Irã nos próximos 20 anos.
“Em 1953 a Agência Central de Inteligência trabalhando em conjunto com o MI6 derrubou o líder
democraticamente eleito do Irã Dr. Mohammed Mosaddeq. Mosaddeq tinha sido educado no oeste,
era pro-América, e tinha dirigido forças comunistas fora do norte de seu país pouco depois de ser
eleito em 1951. Mosaddeq então nacionalizou os campos de petróleo e negou à British Petroleum
um monopólio. O próprio departamento de história da CIA no cia.gov detalha como os agentes de
inteligência norte-americanos e britânicos realizaram ataques terroristas e depois culparam a
Mosaddeq … As provocações incluíram propaganda, manifestações, suborno, agentes de influência
e operações de bandeira falsa. Eles bombardearam a casa de um líder religioso proeminente e
culparam a Moseddeq. Eles atacaram mesquitas, com multidões portando metralhadoras e depois
distribuíram milhares de folhetos alegando que Moseddeq tinha feito isso … O Dr. Mohammed
Moseddeq, encarcerado durante toda a sua vida, saiu-se melhor do que qualquer dos seus ministros
que foram executados poucos dias depois do golpe de Estado bem-sucedido por crimes que o MI6 e
a CIA tinham cometido.” - Alex Jones, no DVD Terrorstorm. (Tempestade de Terror)

Em 1954 a CIA realizou seu segundo golpe de Estado derrubando uma democracia estrangeira;
desta vez foi a Guatemala, cujo líder popular Jacobo Arbenz Guzmán, nacionalizou 1,5 milhão de
hectares de terra para os camponeses. Antes disso, apenas 2,2% dos proprietários de terras da
Guatemala possuíam 70% da terra, incluindo a United Fruit Co., cujos membros do conselho de
administração eram amigos dos irmãos Dulles e queriam manter a Guatemala como república de
bananas. Assim, mais uma vez, a CIA enviou propagandistas e mercenários, formou grupos de
milícias, bombardeou a capital e instalou seu ditador fantoche Castillo Armas, que deu à United
Fruit Co. e aos outros 2,2% de proprietários de terra tudo de volta. Os ditadores militares
governaram a Guatemala durante os 30 anos seguintes matando mais de 100 mil cidadãos. Os
médicos legistas guatemaltecos foram informados de que não podiam ser informados do como
estavam os corpos. A CIA chamou ao golpe de Operation Success. (Operação Sucesso)

“A CIA derrubou democracias em funcionamento em mais de vinte


países.” - John Stockwell, ex-funcionário da CIA.

Eles sempre seguem a mesma estratégia. Primeiro, os interesses


globalistas são ameaçados por um líder estrangeiro popular ou
democraticamente eleito; líderes que ajudam suas populações a
nacionalizar as indústrias de propriedade estrangeira, proteger os
trabalhadores, que fazem redistribuição de rendas e de propriedades e
outras ações assim amadas pela maioria de classe média-baixa e odiada
pela minoria super-rica. Em seguida, a CIA identifica e coopera com
grupos de milícias de oposição dentro do país, prometendo-lhes o poder
político e empresarial para um livre comércio com os Estados Unidos.
Em seguida, são contratados, treinados e financiados para derrubar a
atual administração através de propaganda, eleições fraudulentas,
chantagem, infiltração ou a ruptura de partidos de oposição, intimidação, tortura, sabotagem
econômica, esquadrões da morte e assassinatos. Eventualmente, o grupo de milícias apoiado pela
CIA desencadeia um golpe e instala seu simpatizante ditador corporativo e os ex-líderes são
propagados como radicais ou comunistas e o resto do mundo é ensinado a dar de ombros e ver o
imperialismo americano como um policiamento mundial necessário. A CIA agora desenvolveu toda
essa balbúrdia à partir de uma ciência meticulosa que eles ensinam na infame “Escola das
Américas”. Eles também publicam livros como The Freedom Fighter's Manual (O Manual do
Lutador da Liberdade) e The Human Resource Exploitation Training Manual, (O Manual de
Treinamento de Explotação de Recursos Humanos) ensinando métodos de tortura, chantagem,
interrogação, propaganda e sabotagem a oficiais militares estrangeiros.
A partir de 1954 a CIA conduziu operações para tentar derrubar o governo comunista norte-
vietnamita, ao passo que apoiava o regime de Ngo Dinh Diem no Vietnam do sul. De 1957 a 1973,
a CIA conduziu o que foi chamado de “A Guerra Secreta” no Laos, durante a qual realizaram quase
um golpe por ano em um esforço para derrubar a essa democracia. Depois de várias tentativas mal
sucedidas, os EUA começaram a uma campanha de bombardeio, detonando mais explosivos e
plantando mais minas terrestres no Laos durante a Guerra Secreta do que durante toda a Segunda
Guerra Mundial. Incalculáveis milhares morreram e um quarto do povo laociano tornou-se
refugiado, muitas vezes vivendo em cavernas. Até a presente data, laocianos são mortos ou
mutilados quase que diariamente em virtude de minas terrestres não detonadas. Em 1959, os EUA
ajudaram a empossar “Papa Doc” Duvalier, o ditador haitiano cujas facções mataram mais de
100.000 pessoas. Em 1961 a Operação Mosaia da CIA tentou e não conseguiu derrubar a Fidel
Castro. Também em 1961 a CIA assassinou o líder da República Dominicana, Rafael Trujillo,
assassinou o democraticamente eleito Patrice Lumumba, do Zaire, e realizou um golpe contra o
presidente do Equador, José Velasco, após o qual o presidente dos EUA, JFK, demitiu o diretor da
CIA, Allen Dulles. Em 1963 a CIA estava de volta à República Dominicana e ao Equador,
realizando golpes militares, derrubando assim a Juan Bosch e o presidente Arosemana. Em 1964,
outro golpe financiado pela CIA derrubou a João Goulart, presidente brasileiro eleito
democraticamente, substituindo-o pelo ditador General Castelo Branco, treinada pela polícia secreta
da CIA, além de manter esquadrões da morte devastadores. Em 1965, a CIA realizou golpes na
Indonésia e no Zaire e instalou ditadores militares opressivos; o general Suharto, na Indonésia,
continuaria a matar quase um milhão de seus compatriotas. Em 1967, um golpe apoiado pela CIA
derrubou o governo da Grécia. Em 1968 eles ajudaram a capturar Che Guevara na Bolívia. Em 1970
eles derrubaram o príncipe popular, Sahounek do Camboja, uma ação que fortaleceu muito o
partido de oposição Khmer Vermelho, que passou a assassinar milhões. Em 1971, eles apoiaram um
golpe na Bolívia e instalaram o ditador Hugo Banzer, que seguiu torturando e matando a mais de
2.000 de seus opositores políticos. Em 1973, assassinaram o presidente democraticamente eleito,
Salvador Allende, e o substituíram pelo general Augusto Pinochet, que assassinou milhares de civis.
E assim por diante; The Association for Responsible Dissent (Associação para a Dissidência
Responsável) publicou um relatório estimando que em 1987, 6 milhões de pessoas em todo o
mundo haviam morrido em resultado de operações secretas da CIA. Desde então, têm havido mais
incontáveis milhões.

“Em todo o mundo, em qualquer dia, é provável que um


homem, uma mulher ou uma criança sejam desabrigados,
torturados, morram ou desapareçam, nas mãos de governos
ou de grupos políticos armados. Na maioria das vezes, os
Estados Unidos compartilham a culpa.” - Relatório anual
da Amnesty International (Anistia Internacional) sobre a
ajuda militar americana e os direitos humanos, de 1996.

De 1979 até 1989 a Operação Ciclone, da CIA, financiada


em conjunto com o MI6, britânico deixou fortemente
armados e treinados a mais de 100.000 Afghani
Mujahideen (“guerreiros santos”) durante a guerra
soviética no Afeganistão. Com a ajuda do ISI paquistanês, (Inter-Services Intelligence – o principal
serviço de inteligência do Paquistão) bilhões de dólares foram doados para criar este exército
islâmico. Selig Harrison, do Centro Internacional de Estudos Woodrow Wilson, afirmou: “A CIA
cometeu um erro histórico ao encorajar grupos islâmicos de todo o mundo a vir para o Afeganistão.
Os EUA forneceram US $3 bilhões para a construção destes grupos islâmicos e aceitaram a
exigência do Paquistão de decidirem como esse dinheiro deveria ser gasto … Hoje, esse dinheiro e
essas armas têm ajudado a consolidar o Talibã … o qual está agora vivendo do terrorismo.”
Talvez como afirmou Harrison, a CIA tenha “[cometido] um erro histórico” ao criar esses
jihadistas, ou talvez eles soubessem exatamente o que estavam fazendo. Documentos recentemente
desclassificados da DIA (Agência de Inteligência de Defesa) provam que o governo dos EUA estava
há muito tempo consciente do patrocínio e da criação do ISI, bem como do Talibã e da Al-Qaeda.

“Os Estados Unidos têm sido parte integrante do apoio ao Talibã o tempo todo e ainda assim
acrescento … obtêm-se um governo militar no Paquistão agora que continua armando o Talibã até
os dentes … Gostaria de salientar que o auxílio [dos EUA] sempre foi para as áreas talibãs … e
quando pessoas de fora tentam fornecer ajuda a áreas não controladas pelos talibãs, elas são
frustradas pelo nosso próprio Departamento de Estado … O Paquistão iniciou um grande esforço de
reabastecimento, que acabou por ver a derrota e que causou a derrota de quase todas as forças anti-
Talibãs no Afeganistão.” - Representante do Congresso Dana Rohrabacher, perante a Comissão de
Relações Internacionais da Câmara sobre Terrorismo Global e Sul da Ásia, em 2000.

O secretário britânico de Relações Exteriores, Robin Cook,


afirmou na Câmara dos Comuns que a Al-Qaeda não é um
grupo terrorista, mas uma base de dados de Mujahadden e
traficantes de armas usados pela CIA para enterrar armas,
dinheiro e guerrilheiros. A palavra Al-Qaeda conforme
traduzida literalmente é “o banco de dados”. Não só a CIA
criou o Talibã e a Al-Qaeda, como também continuou a
financiá-los até os ataques do 11 de setembro, culpando-os por
eles. Por exemplo, quatro meses antes do 11 de setembro, em
maio de 2001, Colin Powell deu mais US $43 milhões em ajuda
ao Talibã.

“Nem mesmo a mídia corporativa norte-americana poderia


encobrir a esses fatos e assim explicou isso afastando a
alegação de que os funcionários americanos haviam procurado
cooperação do Paquistão uma vez que esse país era o
patrocinador original do Talibã, a linha dura da liderança
islâmica do Afeganistão, acusada por Washington de abrigar
Bin Laden. Então, o chamado ‘elo perdido’ veio à tona quando
foi revelado que o chefe do ISI era o principal financiador dos
sequestradores do 11 de Setembro … O Paquistão e o ISI são
os causadores da explosão do terror global. O aparato de
inteligência militar do Paquistão, que literalmente criou e
patrocinou o Talibã e a Al-Qaeda, é sustentado e financiado
diretamente pela CIA. Esses fatos nem sequer entram nas pautas, nem na mídia nem no governo.
Portanto, quando os chefes neoconservadores da nova ordem mundial nos dizem que estão fazendo
tudo o que está ao seu alcance para desmantelar a rede terrorista global, o que estamos ouvindo é
exatamente o oposto da verdade. Eles a montaram, a patrocinaram e continuam a financiá-la. Como
qualquer bom criminoso deve ter, eles têm um intermediário para fornecer negação plausível, e
neste caso esse intermediário é o ISI, com o auxílio da ditadura militar do Paquistão.” - Steve
Watson, em “U.S. Intel Officer: Al-Qaeda Leadership Allowed to Operate Freely”, (Inteligência
Oficial dos Estados Unidos: Liderança da Al Qaeda Permitida a Operar Livremente)
http://www.infowars.net/articles/july2007/160707ISI.htm

O major Pierre-Henri Bunel, um agente da inteligência militar francesa, que foi enquadrado e
condenado indubitavelmente por ousar levantar a voz em dezembro de 2001, disse: “A verdade é
que não há nenhum exército islâmico ou grupo terrorista chamado Al-Qaeda. E qualquer oficial de
inteligência informado sabe disso. Mas há uma campanha de propaganda para fazer o público
acreditar na presença de uma entidade identificada representando o diabo apenas para conduzir o
telespectador a aceitar uma liderança internacional unificada para uma guerra contra o terrorismo. O
país por trás dessa propaganda são os EUA e os lobistas da guerra contra o terrorismo dos EUA só
estão interessados em ganhar dinheiro.” - http://www.thetruthseeker.co.uk/article.asp?ID=3836

Em um artigo da revista Newsweek do finail dos anos 80, a franca oponente do presidente Bush e
recentemente assassinada primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto, disse a George Bush pai:
“você está criando um Frankenstein”, referindo-se ao crescente movimento islâmico. No ano de
2007 ela também acenou afirmando que Osama Bin Laden já estava morto, tendo sido assassinado
por Omar Sheikh. Ela foi assassinada um mês depois da entrevista, apenas duas semanas antes das
eleições gerais paquistanesas de 2008.

O Grupo Bilderberg

O Grupo Bilderberg é uma conferência anual de elites tão


secreta que permaneceu sem nome até ser cunhado de “O
Grupo Bilderberg”, devido ao local no qual aconteceu a sua
primeira reunião. Eles se reuniram pela primeira vez em 1954
no hotel Bilderberg, na Holanda, sob a direção do ex-príncipe
nazista Bernardo Leopoldo e de David Rockefeller. Há um
núcleo de 39 permanentes, junto com uns 130 da elite política,
do sistema bancário, dos negócios, bem como da media
convidados todos os anos.

“Definitivamente, não poderiam os altos funcionários da Organização Mundial do Comércio, do


Federal Reserve, instituições financeiras como a Rockefeller, (e o próprio Rockefeller em pessoa)
os modelos de Governo Mundial da União Européia e da ONU, bem como os conglomerados de
petróleo corporativos pertencerem ao mesmo grupo ao qual pertencem os principais políticos e os
meios de comunicação? Bem é exatamente isso que ocorre. Todos eles pertencem ao Grupo
Bilderberg.” - Paul Joseph Watson, Order Out of Chaos, (Ordem Fora do Caos) p.10.

“Em 1954, a elite do planeta se reuniu em segredo no


Bilderberg Hotel, na Holanda. O grupo Bilderberg mais
tarde admitiria que sua missão era a formação da União
Europeia. Uma vez que a União Europeia tivesse sido
criada, sob a forma de acordos comerciais, uma União
Norte-Americana e uma União Asiática seriam formadas.
Os três superestados interligados formam o núcleo do
governo global, enquanto as Nações Unidas serviriam
como um órgão regulador e de execução mundial com
poderes sobre as sub-regiões do terceiro mundo. O grupo
Bilderberg é constituído pelos gestores de todos os grupos
da Mesa Redonda que dirigem países individuais.
Compare a estrutura de poder da elite mundial como uma pirâmide gigante com apenas ‘a nata da
nata’ bem no ponto mais elevado do seu pico. O grupo tem sido tão secreto que até meados da
década de 1980, a mídia corporativa controlada negou sua existência. No final da década de 1990, a
cobertura consistiu apenas em raras menções de uma só linha, mas com a ascensão dos meios
alternativos, a sua repressão de informações começou a cair.” - Alex Jones em Endgame DVD. (Fim
de Jogo, em DVD)
Na hierarquia Illuminati, o Grupo Bilderberg está acima e controla o CFR, RIIA e a Comissão
Trilateral. É composto por reis, rainhas, príncipes e princesas, presidentes e primeiros-ministros de
todo o mundo, chefes do FMI, do Banco Mundial, do Federal Reserve, (Reserva Federal) dos
senadores dos EUA membros do CFR, comissários da UE, (União Européia) dos Rockefeller, dos
Rothschilds, âncoras de noticiários de tevê, diretores executivos de empresas e muito mais. Os
últimos seis chefes da Otan pertencem ao Grupo Bilderberg. Em 1991 Bill Clinton foi convidado e
no ano seguinte tornou-se o seu presidente. Hillary também foi a uma conferência Bilderberg.
Outros notáveis participantes são Margaret Thatcher, Tony Blair, Gordon Brown, Dan Quayle, Alan
Greenspan, Gerald Ford, Henry Kissinger, Richard Pearle, Donald Rumsfeld, Colin Powell, William
Perry, o Príncipe Charles, o Príncipe Philip, o Rei Juan Carlos e a Rainha Sophia da Espanha, a
Rainha Beatriz e o Príncipe Bernhard da Holanda, Peter Jennings, Rupert Murdoch, William F.
Buckley Jr., Nelson, Jay e David Rockefeller, Jacob, Guy, Evelyn, Emma e Lynn Forester
Rothschild, Sigmund e Eric Warburg.

“Os Bilderbergers se reúnem uma ou duas vezes por ano. Os


participantes incluem importantes figuras políticas e financeiras dos
Estados Unidos e da Europa Ocidental. O príncipe Bernhard não faz
nenhum esforço para esconder o fato de que o objetivo final dos
Bilderbergers é um governo mundial. Entretanto, enquanto a ‘nova
ordem mundial’ está sendo construída, os Bilderbergers coordenam os
esforços das elites do poder europeias e americanas. A contraparte do
príncipe Bernhard entre os American Bilderbergers (‘Bilderbergers’ americanos) é David
Rockefeller, presidente da diretoria da C.F.R., cuja base econômica são o gigante Chase Manhattan
Bank e a empresa Standard Oil. Entre os outros Bilderbergers do mundo das finanças ultra-altas
estão o Barão Edmund de Rothschild da Casa de Rothschild, C. Douglas Dillon (CFR) da Dillon
Read & Co., Robert McNamara do Banco Mundial, Sir Eric Roll da SG Warburg & Co., Ltd.,
Pierce Paul Schweitzer do Fundo Monetário Internacional e George Ball (CFR) do Lehman
Brothers … Cada um dos chamados membros passados e presentes do Comitê Diretor Bilderberger
é ou foi membro do Conselho de Relações Exteriores.” - Gary Allen, na obra None Dare Call it
Conspiracy (Que Ninquém Ouse Chamar Isso de Conspiração)

Caso você nunca tenha ouvido falar de Bilderberg, isso é


compreensível uma vez que os chefes de CNN, Fox News,
Newsweek, Time, The Washington Post, The Wallstreet
Journal e muitos outros meios de comunicação são
frequentadores regulares. Manifestantes e jornalistas são
mantidos lá fora pela polícia privada, ninguém é permitido em
qualquer lugar próximo à cobertura e nada das atas das
reuniões é divulgado ao público.

“Recentemente, o grupo Bilderberg (sim, ele mesmo) tornou


público na Reuters que ele realmente prepara nossos
presidentes e nossos primeiros-ministros; que seus membros
são de fato banqueiros internacionais; sim, as famílias reais estão envolvidas; sim, o grupo
Bilderberg dirige os bancos centrais; e, sim, os elitistas nos veem como a propriedade de um
superestado global. (Reuters, 23 de maio de 2001, Secretive Bilderberg group to Meet in Sweden -
Grupo Secreto dos Bilderberg se Reúne na Suécia) Um membro dos Bilderberg, o Príncipe Philip,
em sua própria publicação, ‘If I Were an Animal’, (Se eu Fosse um Animal) vangloria-se sobre
como ele mataria oitenta por cento da população; como seu grande sonho é voltar como um vírus” -
Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)
“Naturalmente, os pintores de paisagem simplesmente removem os Bilderbergers para fora da
existência e focalizam a atenção do público em algo como as condições nas prisões ou garrafas de
Coca-Cola espalhadas pelas estradas. Uma vez que os Bilderbergers são um grupo de esquerda, eles
são autorizados a prosseguir em paz e tranquilidade, fazendo planos para 1984. O fato de haver
uma influência pesada dos Rockefeller (Chase Manhattan Bank e CFR) nos meios de comunicação
também pode estar ligado ao fato de que, embora todos tenham ouvido falar, digamos, da John
Birch Society, (e quase sempre de forma depreciativa por parte da mídia corporativa do leste
europeu) praticamente ninguém ouviu falar dos Bilderbergers.” - Gary Allen, na obra None Dare
Call it Conspiracy (Que Ninquém Ouse Chamar Isso de Conspiração)

O Pesquisador e Autor Daniel Estulin acompanhou o Grupo Bilderberg por


mais de 15 anos e publicou recentemente uma exposição altamente
recomendada chamada de “A Verdadeira História do Grupo Bilderberg”. O
jornalista Jim Tucker vem acompanhando Bilderberg há mais de 30 anos e
participou de mais de 20 reuniões. No Documentário a respeito do Grupo
Bilderberg feito por Alex Jones, “Endgame”, Jim Tucker menciona sua
incredulidade original de que tal grupo poderia existir sem seu
conhecimento.

“Eu ouvi pela primeira vez sobre Bilderberg em 1975 e eu disse que não acreditava nisso. Não seria
possível. Quem diabos é Bilderberg? Passei vinte anos felizes com jornais metropolitanos, todos
cochichando no meu ouvido. Isso não poderia acontecer sem que eu soubesse! … Os jornais
ignoram totalmente, e nada é dito; um apagão total nos Estados Unidos. Desde então, eu nunca
parei de perseguir os Bilderberg e toda a organização internacional de gangsteres liderada pelos
Rockefeller e os Rothschilds, pois eles manipulam o mundo para seus próprios interesses egoístas.”
- Jim Tucker, conforme citado no DVD Endgame. (Fim de Jogo)

Então, por que o apagão por parte da mídia? Por que os lugares de encontro
secretos, com janelas pintadas, polícia particular e seguranças cobrindo os
perímetros?

“A razão pela qual eles [os Bilderbergers] querem segredo é porque eles estão
fazendo o mal. O mal é feito na escuridão. As boas obras são feitas à luz do sol.” -
Jim Tucker, conforme citado no DVD Endgame. (Fim de Jogo)

“Se o Grupo Bilderberg não é de modo algum uma conspiração, ele é conduzido de
tal maneira que fornece uma imitação incrivelmente boa de uma.” - C. Gordon Tether do Financial
Times de Londres, em 1975 (um ano depois, após os argumentos da censura, Tether foi demitido
pelo editor do Financial Times e membro da Comissão Trilateral, Max Henry Fisher)

“Se o CFR, a Comissão Trilateral e os Bilderbergers são simplesmente pessoas inocentes bem-
intencionadas trabalhando para trazer um mundo pacífico e próspero, como eles alegam, então por
que todo o sigilo? Por que tantas organizações de fachada, algumas das quais são a antítese das
outras? Por que eles indubitavelmente desconfiam da atenção pública? O que leva à pergunta mais
importante: Se eles querem criar um governo mundial centralizado, o que impediria que algum
tirano tipo Hitler tomasse o controle?” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy, (O Governo Secreto) p.
111.

Trilateral Commission (Comitê Trilateral)

A Comissão Trilateral foi fundada por David Rockefeller e Zbigniew Brzezinski em julho de 1973 e
é composta por aproximadamente 325 membros pertencentes à nata dos negócios, dos bancos e de
políticos. A Comissão Trilateral é divulgada como sendo uma cooperação econômica entre a
América, Europa e Japão, mas na realidade é mais uma sociedade ou organização secreta –
especializada na criação da interdependência econômica trilateral necessária para trazer o sistema
de moeda e governança mundiais da Nova Ordem Mundial. Eles estão criando uma poderosa
estrutura de poder para que os bancos e as corporações multinacionais assumam o controle global,
dominando as populações, os governos e as economias do mundo.

“A Comissão Trilateral é uma organização internacional fundada por David


Rockefeller, que também desempenhou um papel na fundação do Conselho
de Relações Exteriores, Inc., sendo ele o seu presidente. A Comissão (ou
Comitê) Trilateral é a tentativa dos llluminati de unir os mercados comuns
da Europa Ocidental, do Japão, do Canadá e dos Estados Unidos em uma
confederação econômica e política. O que eles não poderiam fazer através
do lado político dos Illuminati (Council on Foreign Relations, Inc. -
Conselho de Relações Exteriores, Inc.) eles estão tentando agora através da
abordagem econômica.” - Alex Christopher, em Pandora’s Box – The
Ultimate Unseen Hand Behind the New World Order. (A Caixa de Pandora
– A Última Mão Invisível por Detrás da Nova Ordem Mundial)

“A Comissão Trilateral foi fundada pela persistente manobra de David Rockefeller e Zbigniew
Brzezinski. Rockefeller, que na época era o presidente do ultrapoderoso Chase Manhattan Bank,
diretor de muitas grandes corporações multinacionais e fundos de doação, tem sido uma figura
central no misterioso Conselho de Relações Exteriores. Brzezinski, prognosticador brilhante do
idealismo de um mundo unido, foi professor na Universidade de Columbia e autor de vários livros
que serviram como ‘diretrizes de políticas’ para o CFR. Brzezinski serviu como diretor executivo da
Comissão (Trilateral) desde o seu início em 1973 até o final de 1976, quando foi nomeado pelo
presidente Carter como assistente do presidente para assuntos de segurança nacional.” - Antony C.
Sutton e Patrick M. Wood, em Trilateral Over Washington. (Um Trilateral sobre Washington)

Alguns membros notáveis da Comissão Trilateral


incluem George Bush, Dick e Lynne Cheney, Bill
Clinton, Al Gore, Jimmy Carter, Walter Mondale,
David Rockefeller, Zbigniew Brzezinski, Henry
Kissinger, David Gergen, Richard Holbrooke,
Madeleine Albright, Robert McNamara, Paul Volcker,
Alan Greenspan e Paul Wolfowitz. Os Senadores dos
Estados Unidos Diane Feinstein, Robert Taft Jr.,
Charles Robb, William Cohen e John Glenn, bem
como congressistas, embaixadores, secretários do Tesouro, do Estado e muitas outras figuras
políticas são trilaterais. Há também muitas instituições bancárias representadas em reuniões
trilaterais, incluindo o Banco Central Europeu, o Banco Mundial, o FMI, o Federal Reserve, o
Chase-Morgan, o Citibank, o Bank of America, o Bank One, o Bank of Tokyo e o Bank of Japan.
Também estão representados muitos interesses de corporações multinacionais, incluindo a Fuji
Xerox, a Goldman Sachs, a AIG, a Exxon-Mobil, a Shell, a Chevron, a Texaco, a Sony, a Samsung,
a Comcast, a Time Warner, a Carlyle Group, a Levi-Strauss, GE, GM, Ford, Chrysler, Toyota,
Mitsubishi, Johnson and Johnson, IBM, Boeing e Citigroup.

“Muitos dos membros originários da Comissão Trilateral estão agora em posições de poder, onde
são capazes de implementar recomendações políticas da Comissão, recomendações que eles
mesmos prepararam em nome da Comissão. É por esta razão que a Comissão adquiriu a reputação
de ser o Governo Sombrio do Ocidente … Os tentáculos da Comissão Trilateral chegaram tão longe
nas esferas política e econômica que esta foi descrita por alguns como uma cabala de homens
poderosos que buscam controlar o mundo, criando uma comunidade supernacional dominada pelas
corporações multinacionais.” - Pesquisadora Laurie K. Strand em Who's in charge – Six Possible
Contenders, (Quem Está no Comando – Seis Possíveis Candidatos) Almanaque do Povo,
comentário 3.

“A mais recente cabala internacional de David Rockefeller [a


Comissão Trilateral] … pretende ser o veículo para a consolidação
multinacional dos interesses comerciais e bancários, tomando o
controle do governo político dos Estados Unidos … A Comissão
Trilateral representa um esforço hábil e coordenado para
conquistar o controle e consolidar os quatro polos de poder –
políticos, monetários, intelectuais e eclesiásticos – tudo isso deve
ser feito no interesse de criar uma comunidade mundial mais
pacífica e mais produtiva. O que os Trilateralistas realmente
pretendem é a criação de um poder econômico mundial superior
aos governos políticos dos Estados-nação envolvidos; acreditam
que o abundante materialismo que se propõem criar irá superar as
diferenças existentes. Como gerentes e criadores do sistema,
governarão o futuro.” - Senador Barry Goldwater, “Sem desculpas” 1979

Durante o nascimento da Comissão Trilateral vigorava o governo Carter


nos Estados Unidos, que estava cheio de membros: o presidente Jimmy
Carter e o vice-presidente Walter Mondale tornaram-se trilaterais. Os
secretários de Estado, de Defesa e de Tesouraria de Carter, Vance,
Brown e Blumenthal todos se tornaram membros. O Assessor de
Segurança Nacional de Carter, Zbigniew Brzezinski, foi o co-fundador
da Comissão. Além disso, Carter colocou 26 outros membros em altos
cargos administrativos. Brzezinski escreveu a respeito da Comissão em
seu livro Power and Principle, (Poder e Princípio) dizendo: “Ao
contrário do mito, a Comissão Trilateral não é uma conspiração
destinada a dominar o mundo, mas se esforça genuinamente para
envolver americanos, europeus ocidentais e japoneses em um esforço
comum para formarem um mundo mais cooperativo.” No mesmo livro,
ele escreveu: “Todos os principais criadores de política externa do
governo Carter já haviam atuado na Comissão Trilateral.”

O presidente seguinte, Ronald Reagan, não era um membro da Trilateral, mas seu vice-presidente
George W. Bush era, bem como muitos homens em sua administração. Depois do governo Reagan
tivemos oito anos de administração do trilateralista Bush, depois oito anos de governo do
trilateralista Clinton, ambos tendo apontado dezenas de outros membros para posições de alto
nível. Atualmente Bush filho não é membro, mas seu pai é, seu vice-presidente Cheney é, e ele
nomeou membros para seu gabinete. (época da primeira edição deste livro)

“Estamos gratos ao The Washington Post, ao New York Times, à Time Magazine e a outras grandes
publicações cujos diretores participaram de nossas reuniões e respeitaram suas promessas de
discrição por quase quarenta anos. Seria impossível para nós o desenvolvimento de nosso plano
para o mundo se tivéssemos estado sujeitos às luzes brilhantes da publicidade durante esses anos.
Mas, o trabalho está agora muito mais sofisticado bem como mais preparado para marchar em
direção a um governo mundial. A soberania supranacional de uma elite intelectual e de banqueiros
mundiais certamente é preferível à autodeterminação nacional praticada nos séculos passados.” -
David Rockefeller, Reunião da Comissão Trilateral de 1991.
“Os interesses por trás da administração Bush, como o CFR, a Comissão Trilateral – fundada por
Brzezinski para David Rockefeller – e o Grupo Bilderberger, prepararam-se e deslocam-se agora
para a implementação da ditadura mundial aberta dentro dos próximos cinco anos. Eles não estão
lutando contra terroristas. Eles estão lutando contra os cidadãos… Nos anos de 1983 e 1984, eu
havia avisado sobre uma tomada de poder dos governos mundiais orquestrada por essas pessoas.
Havia um plano óbvio para subverter as verdadeiras democracias e os líderes selecionados não eram
escolhidos com base no caráter, mas em sua lealdade a um sistema econômico dirigido pelas elites e
dedicado a preservar o seu poder. Tudo o que temos agora são pseudo-democracias.” - Dr. Johannes
B. Koeppl, Ph.D., bem como ex-funcionário do Ministério da Defesa alemão e conselheiro do ex-
secretário-geral da OTAN, Manfred Werner, numa entrevista à FTW.

Os sionistas

O sionismo é uma ideologia política judaica que


promove zelosamente a existência de Israel como sua
pátria religiosa. Uma vez que a declaração de Balfour
em 1917 endereçada ao Barão de Rothschild, havia
sido ratificada, sionistas judaicos passaram a praticar
um genocídio perpétuo contra os palestinos nativos
não-judeus (na sua maioria muçulmanos) tendo um
êxito quase que perfeito. Hoje em dia, Israel acumulou
uma influência financeira e política incrível e muitos
têm razoavelmente indicado que a América moderna e
a Grã-Bretanha agem como meros seguranças de
Israel e de sua política.

“Os judeus governam este mundo por procuração. Eles fazem os


outros lutarem e morrerem por eles. Eles agora ganharam o controle
dos países mais poderosos ... essa pequena comunidade se
transformou em uma potência mundial.” - Primeiro-ministro da
Malásia, Dr. Mahathir Mohamed.

"Há apenas um poder que realmente conta: o poder da pressão


política. Nós, judeus, somos o povo mais poderoso do mundo,
porque temos esse poder e sabemos como aplicá-lo" - Ze‘ev
Jabotinsky no Jewish Daily Bulletin, (Boletim Diário Judaico) de 27
de Julho de 1925.

Os maiores bancos, incluindo a Reserva Federal, que escravizam o


mundo com moedas baseadas na dívida, são todos dirigidos por judeus sionistas: Rothschild de
Londres e Berlim, Lazard Brothers de Paris, Israel Moses Seaf da Itália, Kuhn, Loeb & New York,
Warburg & Co. da Alemanha, Lehman Brothers de Nova York, Goldman Sachs de Nova York,
Rockefeller Brothers de Nova York e muitos mais. O maior e mais influente lobby dos Estados
Unidos não é outro senão o AIPAC, o American Israel Public Affairs Committee, sendo que a
maioria no Congresso tem sido comprada pelos interesses israelenses.

A ex-congressista americana Cynthia McKinney expôs e culpou o lobby pró-israelense americano,


incluindo AIPAC, ADL, AJC e ZOA por arruinar sua carreira política. Em 2009, ela disse durante
uma entrevista que “mais de 99% do Congresso trabalha para interesses sionistas pró-sionistas.”
Devido à sua postura pró-palestina, McKinney foi expulsa do Congresso em razão da influência dos
lobbies judeus que financiam e apoiam aos seus adversários políticos.
Outro ex-congressista norte-americano, Jim Trafficant,
também foi marcado e encarcerado por falsas acusações
de corrupção quando se opôs abertamente aos israelenses.
Depois de cumprir sete anos de prisão, ele apareceu em
uma entrevista à televisão dizendo: “Israel tem um
poderoso poder sobre o governo americano. Eles
controlam os membros da Câmara e do Senado. Eles nos
envolvem em guerras nas quais temos pouco ou nenhum
interesse. Nossos jovens estão voltando em sacos para cadáveres. Nossa nação está à beira da
falência por causa dessas guerras. E se você abrir a boca, você é alvo. Quando não o batem na
votação, eles o batem com a prisão ... Eles estão controlando grande parte
da nossa política externa. Estão influenciando muito de nossa política
interna. Wolfowitz na qualidade de subsecretário de defesa manipulou o
presidente Bush filho de volta ao Iraque. Eles definitivamente forçaram
para tentar ganhar Bush antes que ele partisse fosse ao Irã. Estamos
conduzindo a política expansionista de Israel e todo mundo tem medo de
dizê-lo. Eles controlam grande parte da mídia, controlam grande parte do
comércio do país e controlam poderosamente tanto à Câmara dos
Deputados, quanto ao Senado.”

“Eu nunca vi um presidente - não me importa quem


seja - lutar contra eles. (os israelenses) Ele
simplesmente devaneia. Eles sempre obtêm o que
eles querem. Os israelenses sabem o que está
acontecendo o tempo todo. Eu cheguei ao ponto de
não estar escrevendo escrevendo nada. Se o povo
americano entendesse a influência que essas
pessoas têm em nosso governo, eles iriam fazer um
levante armado. Nossos cidadãos certamente não
têm ideia do que se passa.” - Ex-Presidente do
Estado-Maior Conjunto dos EUA, Almirante Thomas Moorer.

Desde que os imigrantes judeus Sam Goldwyn, Louis Mayer, Cecil DeMille, Jack e Harry Warner
criaram Hollywood, a mídia americana e mundial foi completamente dominada por essa pequena
minoria zelote. Os judeus William Paley, David Sarnoff e Leonard Goldenson, respectivamente,
criaram as três maiores redes de TV da América, CBS, NBC e ABC. Hoje em dia nada mudou uma
vez que judeus como Murray Rothstein (pseudónimo Sumner Redstone) são donos da Viacom, da
CBS, da MTV, da LOGO, da Blockbuster, da Paramount e
da Dreamworks Studios. Edgar Bronfman, pai e filho,
juntos são proprietários da Universal Studios, da Seagram
Co., da NBC, da CNN, da Turner Broadcasting, da AOL,
da Time Magazine e da Warner / Chappell Music. Judeus
como Donald Graham possuem o Washington Post e a
Newsweek; Mortimer Zuckerman é dono do New York
Daily e do US News & World Report e Michel Eisner é
dono de Disney e ABC. Rupert Murdoch nascido como
judeu possui a Fox, a TV Guide, a 20th Century Fox
Studio, o Wall Street Journal, o New York Post e o London
Times. Dennis Dammerman possui a General Electric,
Peter Chernin é CEO da NewsCorp de Murdoch, Jeff
Zucker é CEO da NBC e assim de modo contínuo, o controle judaico de mídia de massa é
desenfreado e flagrante. O jornalista judeu Joel Stein escreveu um artigo intitulado “Quão judaica é
Hollywood?”, no qual gabava-se do controle de Hollywood por parte dos judeus, bem como dos
meios de comunicação, da política e das finanças. “Os judeus dirigem totalmente Hollywood. Como
um judeu orgulhoso, eu quero que a América conheça a nossa realização. Sim, nós controlamos
Hollywood ... Eu não me importo se os americanos pensam que estamos manobrando a mídia de
notícias, Hollywood, Wall Street ou o governo. Só me importo que possamos continuar a fazer
isso.”

“Uma cabala judaica assumiu o governo nos Estados Unidos e formou uma
aliança profana com cristãos fundamentalistas” - deputado britânico Tom
Dalyell.

O judaísmo não só antecede , como também é a base tanto do cristianismo


como do islamismo. Jesus Cristo, o salvador dos cristãos, segundo a último
profeta dos muçulmanos, nasceu e morreu um judeu. O Corão nivela o Deus
judeu Jeová à categoria de Deus e aceita toda a história de Cristo. Apenas
0,2% da população mundial é judaica, mas o judaísmo é a base para o cristianismo, a religião maior
e mais acreditada do mundo, com 33% da população mundial a professando, sendo também a base
para o Islã, a segunda maior religião. Trata-se da religião mais confiável tendo 23% do mundo a
professa-la. Os seguidores do mito judaico-cristão-muçulmano, portanto, estão basicamente sob
uma forma de controle mental judaico. O papado, a realeza mundial e o judaísmo sionista
reivindicam seu “direito divino de governar” dado por seu Deus judaico do Antigo Testamento. Os
mais famosos televangelistas e autores cristãos estão constantemente defendendo a Israel e
estimulando zelosamente os cristãos a apoiarem a terra santa judaica. Inácio Loyola, o fundador dos
jesuítas era judeu; Adam Weishaupt o fundador dos Illuminati era judeu e Karl Marx o fundador do
comunismo, o maior veículo de democídio na história moderna era judeu. Até o Papa e todos os
seus cardeais do Vaticano usam seus pequenos chapéus judeus. (yarmulkes)

No mundo existem cerca de 2 bilhões de cristãos, 1,5 bilhão de


muçulmanos, 1,5 bilhão de budistas, 1 bilhão de hindus e
apenas 15 milhões de judeus. Considerando essas estatísticas, é
absolutamente conspiração e não coincidência que um grupo
tão concentrado de pessoas desfrutem de forma maioritária a
dominar a mídia mundial, as finanças, a política e o sistema
bancário.

O judaísmo é uma religião que gosta de se disfarçar como uma


raça. Eles fazem isso afirmando que os filhos de mães judaicas
são judeus ao longo da vida, independentemente da crença,
dando-lhes assim a cidadania dual-israelense. Mas o judaísmo é
um conjunto de crenças que podem ser seguidas por pessoas de qualquer nacionalidade, sendo que
membros de qualquer etnia podem ser judeus e, portanto, não podendo ser chamado de raça.
Chamar o judaísmo de uma raça é como associar os asiáticos com a
raça budista. Os “ismos” são crenças, não etnias. A crença no
judaísmo ou qualquer outra religião não tem nada a ver com raça,
aparência ou genética. Você não pode olhar para uma pessoa indiana
e dizer "eles parecem hindus", nem você pode olhar para um chinês e
dizer "eles parecem budistas". A maioria das pessoas que acreditam
no Hinduísmo ou Budismo parecem semelhantes por causa de seus
antecedentes e da geografia, mas a sua aparência não determina de
modo algum o seu sistema de crenças: sua caricatura, seus cabelos
escuros e grande nariz, não torna os judeus diferentes.
“O povo judeu como um todo se tornará seu próprio Messias, alcançará o domínio do mundo pela
dissolução de outras raças, pela abolição das fronteiras, pela aniquilação da monarquia e pelo
estabelecimento de uma república mundial em que os judeus exercerão em toda a parte o privilégio
da cidadania. Nesta Nova Ordem Mundial os filhos de Israel fornecerão todos os líderes sem
encontrar oposição. Os governos dos diferentes povos que formam a república mundial cairão sem
dificuldade nas mãos dos judeus. Isso viabilizará aos governantes judeus condições para abolirem a
propriedade privada e para fazerem por toda a parte uso dos recursos do Estado. Portanto, será
cumprida a promessa do Talmude, em que se diz que quando o tempo messiânico chegar, os judeus
terão toda a propriedade da Mundo inteiro em suas mãos.” - Baruch Levy, 1879

“A Revolução Bolchevique na Rússia foi arquitetada pelos judeus devido à insatisfação judaica.
Nosso Plano é ter uma Nova Ordem Mundial. O que funcionou tão maravilhosamente na Rússia,
vai se tornar realidade no mundo inteiro.” - The American Hebrew Magazine, (A Revista Hebraica
americana ) em 1920.

Os “Os Protocolos dos Sábios de Sião” foram primeiramente


expostos e publicados após a revolução bolchevique judaica e
genocida na Rússia. Rapidamente rotulados de embuste pela
imprensa judaica e posteriormente denunciados e suprimidos, os
Protocolos provam que existe um plano estratégico sionista para
dominar o mundo, composto de vários documentos autenticados
guardados por muito tempo em segredo. Leia por si mesmo como
de maneira profética este documento secular antigo detalha o
esquema de jogo já implementado pela ordem mundial judaico sionista:

“Devemos: 1) Seduzir e desmoralizar a juventude com falsas doutrinas. 2) Destruir a vida familiar.
3) Dominar a humanidade alimentando aos seus instintos e vícios mais baixos. 4) Rebaixar e
vulgarizar a arte, bem como introduzir imundície na literatura. 5) Destruir o respeito pelas religiões;
minar a reputação do clero através de histórias escandalosas e fazer reviver a chamada ‘Crítica
Superior’ para que a antiga fé fundamental seja rompida e as discussões e controvérsias se tornem
permanentes nas igrejas. 6) Introduzir o desejo constante pela luxúria, pela moda absurda e deixar
de lado as ideias simplórias de modo que a regra de se apreciar prazeres puros e simples fique em
desuso. 7) Desviar a atenção das pessoas por meio diversões públicas, esportes, jogos, concursos de
prêmios, etc., para que não haja tempo para raciocínios. 8) Confundir e desconcertar as mentes do
povo por meio de teorias falsas e destruir os nervos, bem como a saúde, introduzindo
continuamente novos venenos. 9) Instigar o ódio de classes e a guerra de classes entre as diferentes
classes de pessoas. 10) Desprover a antiga aristocracia, que ainda sustenta uma excessiva tradição
ligada a esforços extremos e substituí-la pelos ‘Cavaleiros do Bezerro de Ouro’. 11) Envenenar as
relações entre os empregados e os empregadores através de greves e bloqueios, de modo a arruinar
a possibilidade de cooperação produtiva. 12) Desmoralizar por todos os meios as classes mais altas
da sociedade e por meio de propaganda adversa reforçar o ódio do povo a essas classes. 13) Usar a
indústria para arruinar a agricultura e, em seguida, por sua vez, destruir a indústria pela especulação
selvagem. 14) Espalhar todas as possíveis teorias utópicas de modo a levar o povo a um labirinto de
ideias impossíveis. 15) Aumentar a média salarial, o qual, no entanto, não trará qualquer vantagem
para os trabalhadores uma vez que, ao mesmo tempo, produziremos um aumento no preço das
primeiras necessidades da vida. 16) Causar fricção diplomática e mal-entendidos entre os Estados, o
que aumentará a suspeita e o ódio internacionais, aumentando assim os armamentos. 17) Introduzir
em todos os estados o sufrágio geral para que o destino das nações dependa de pessoas ignorantes.
18) Derrubar todas as monarquias e substituí-las por repúblicas; na medida do possível, preencher
importantes cargos estaduais com pessoas que estão envolvidas em algum caso ilícito e que, por
medo de serem expostas, permanecem nossos servos obedientes. 19) Alterar gradualmente a todas
as constituições para preparar o solo para o despotismo absoluto e para o bolchevismo. 20)
Estabelecer enormes monopólios, dos quais até mesmo as grandes fortunas dos gentios dependerão
de tal forma que serão engolidas exatamente quando a crise industrial começar. 21) Destruir toda a
estabilidade financeira; aumentar as depressões econômicas até o ponto de trazer uma falência
mundial geral; neutralizar o progresso industrial; Tornar os títulos, ações e papel-moeda sem valor;
acumular todo o ouro do mundo nas mãos de um certo número de pessoas, retirando assim de
circulação um tremendo capital; em um dado momento fechar todas as bolsas, retirar todos os
créditos e causar pânico geral. 22) Preparar a batalha mortal das nações; desgastar a humanidade
através do sofrimento, do medo e da escassez de alimentos – a fome gera escravos!” - “The
Protocols of the Meetings of the Learned Elders of Zion”. (“Os Protocolos dos Sábios de Sião”)

“A única afirmação que quero fazer sobre os


Protocolos é que eles se encaixam com o que está
acontecendo; eles têm dezesseis anos e se
adaptaram à situação mundial até agora.” - Henry
Ford, 1921

"Pessoalmente, estou mais do que nunca inclinado


a acreditar que os Protocolos dos Sábios de Sião
são genuínos, sem eles não vejo como se poderia
explicar as coisas que estão acontecendo hoje.
Mais do que nunca, acho que os judeus são a base de todos os nossos problemas. " - Nesta Webster,
1934

"Quem nunca leu os Protocolos, não sabe nada a respeito da questão judaica." - Henry Hamilton
Beamish, 1937

Nos últimos dois milênios, populações inteiras de judeus foram expulsas de mais de 100 países por
comportamento criminoso! Esta é uma estatística surpreendente. Nenhum outro grupo de pessoas na
história do mundo chegou sequer perto do número de expulsões judaicas. Aqui está uma versão
abreviada apenas para lhe dar uma ideia de como a longo prazo e em todo o mundo observou-se de
fato problemas com relação aos judeus (Localidade e ano): Cartago, 250; Alexandria, 415; França,
554; Visigodo – Espanha, 612; Império Visigodo, 642; Itália, 855; Sens, (França) 876; Mainz,
(Alemanha ) 1012; França, 1182; Alemanha, 1182; Alta Baviera, 1276; Inglaterra, 1290; França,
1306; França, 1322; Suíça, 1348; Hielbronn, (Alemanha) 1349; Saxónia, 1349; Hungria, 1349;
Hungria, 1360; Bélgica, 1370; Eslováquia, 1380; Estrasburgo, 1388; França, 1394; Lyon, 1420;
Áustria, 1421 Friburgo, (Suiça) 1424; Zurique, (Suiça)1424; Colónia, (Alemanha) 1424; Sabóia,
(França) 1432; Mainz, 1438; Augsburg, (Alemanha) 1439; Países Baixos, 1442; Países Baixos
1444; Baviera, (Alemanha) 1446; França, 1453; Breslau, (Polônia ) 1453; Würzburg,
(Alemanha)1454, Mainz, 1462; Mainz, 1483; Varsóvia, 1484; Vincenza, (Itália) 1485; Espanha,
1492; Itália, 1492; Lituânia, 1495; Nápoles, (Itália) 1496; Portugal 1496; Nuremberg, (Alemanha)
1498; Navarra, (Espanha) 1498; Brandenberg, (Alemanha) 1510; Prússia, (antigo reino alemão)
1510; Estrasburgo, (França) 1514; Génova, (Itália) 1515; Regensburg, (Alemanha) 1519; Nápoles,
(Itália) 1533; Nápoles, (Itália) 1541; Praga, (República Checa) 1542 ; Genoa, (Itália) 1550;
Baviera, (Alemanha ) 1551; Pesaro, (Itália) 1555; Praga, (República Checa) 1557; Áustria, 1559;
Praga, 1561; Wurzburg 1567; Estados papais, 1569; Brandemburgo, (Alemanha) 1571; Países
Baixos, 1582; Hungria, 1582; Áustria, 1593; Cremona, Pavia e Lodi (Itália ) 1597; Frankfort,
(Alemanha) 1614; Worms, (Alemanha )1615; Kiev, (Ucrânia) 1619; Ucrânia, 1648; Polónia, 1648;
Hamburgo, (Alemanha) 1649; Malarrosiya, (Ucrânia) 1654; Lituânia, 1656; Orã, (Argélia ) 1669;
Viena, (Áustria) 1670, Sandomir, (Polônia) 1712; Rússia 1727, Wurtemburg, (Alemanha) 1738;
Malarrosiya, (Ucrânia) 1740; Praga, (República Checa)1744; Eslováquia 1744; Livonia, (atuais
Letônia e Estônia ) 1744; Moravia, (Atualmente a parte oriental da República Checa ) 1745;
Kovad, (Dinamarca ) 1753; Bordeaux, (França ) 1761; Varsóvia, (Polônia ) 1775; Alsácia, (Região
francesa ) 1789; Rússia 1804/08; Lübeck e Bremen, (Alemanha) 1815; Francónia, Suábia e Baviera,
(Alemanha ) 1815, Bremen, (Alemanha ) 1820; fronteira russa. 1843; Áreas nos EUA sob o
General Grant, 1862; Roménia 1866; Rússia, anos 1880; Moscou, (Rússia )1891; Baviera, (Estado
alemão ) 1919; áreas controladas pela Alemanha nazista 1938-45; países Árabes, 1948.

Se você é expulso de vários lugares, talvez você


possa atribuir isso à mera coincidência ou ao anti-
semitismo, mas sendo repetidamente expulso de
todo o planeta ao longo da história não é algo a ser
ignorado ou aceito de bom grado. No inglês
coloquial moderno, a palavra “judeu” pode ser
usada como um verbo que significa enganar ou
enganar alguém. As palavras “joia” e “joias” são
associadas a pedras preciosas ou a metais
relacionados a joias, e historicamente os judeus
têm lidado com bancos e metais preciosos
associados a sobrenomes comuns tal como
Goldstein, Silverstein e Goldberg. Iguais a esses, a
sua reputação os precede.

“Nossa raça é a Raça extraordinária. Nós somos deuses


divinos neste planeta. Somos tão diferentes das raças
inferiores como eles são de insetos. De fato, em comparação
com a nossa raça, outras raças são bestas e animais, gado na
melhor das hipóteses. As outras raças são consideradas como
excrementos humanos. Nosso destino é governar as raças
inferiores. Nosso reino terrestre será governado por nosso
líder com uma vara de ferro. As massas lamberão aos nossos
pés e nos servirão como nossos escravos.” - Menachem Begin
(Primeiro Ministro de Israel, 1977-1983, Prêmio Nobel da
Paz – Acredite se quiser!)

Os judeus afirmam ser “o povo escolhido de Deus”, o que é uma vergonha, porque tal complexo de
superioridade instantaneamente cria uma divisão de dois partidos entre a humanidade. Se eles são o
povo escolhido de Deus, então todo mundo não é. Eles até têm palavras depreciativas no uso
cotidiano para descrever não-judeus como Gói, Goyim, Gentios e Shiksas. Seu livro mais “Santo”,
o Talmude, de capa a capa esta repleto de tal ódio racial, superioridade egoísta e de um amplo
cinismo.

Todos os judeus nascem com dupla cidadania, portanto, não importa quais problemas legais ou
criminais possam surgir em seus países de nascimento, os judeus podem sempre escapar de volta à
sua terra genocida. Eles são até instruídos pelo Talmud, seu livro mais “Santo”, a fazerem isso. O
Moed Kattan 17a afirma: “Se um judeu é tentado a fazer o mal, ele deve
ir a uma cidade onde não seja conhecido e fazer ali o mal .” O Talmud
está cheio de tal cinismo, de tal deboche e desse racismo, os quais
encoraja abertamente. Eis algumas citações bem escolhidas do Sagrado
Talmude do Judaísmo:

“Os judeus são chamados seres humanos, mas os não-judeus não são
humanos. São animais. (Talmude: Baba mezia, 114b) O Akum (não-
judeu) é como um cão. Sim, a escritura ensina a honrar o cão mais do que o não-judeu. (Ereget
Raschi Erod. 22 30) Embora Deus tenha criado o não-judeu, mesmo assim eles são animais em
forma humana. Não é para um judeu ser servido por um animal. Portanto, ele será servido por
animais em forma humana. (Midrasch Talpioth, página 255) Uma não-judia grávida não é melhor
do que uma grávida. (Coschen hamischpat 405) As almas dos não-judeus vêm de espíritos impuros
e são chamadas de porcos. (Jalkut Rubeni gadol 12b) Embora o não judeu tenha a mesma estrutura
corporal do judeu, eles equivalem ao judeu como um macaco para um ser humano. (Schene luchoth
haberith, página 250 b) Se você comer com um gentio, é o mesmo que comer com um cão.
(Tosapoth, Jebamoth 94b) A relação sexual entre gentios é como o a relação entre animais.
(Talmude Sanhedrin 74b) É permitido extinguir o corpo e a vida de um Gentio. . (Sepher ikkarim III
c 25) É permitido pela lei matar qualquer um que negue a Torá. Os cristãos pertencem aos
negadores da Torá. (Coschen hamischpat 425) Você mesmo pode matar a um gentio herético com
as suas próprias mãos. (Talmude, Abodah Zara, 4b) Se um judeu derrama o sangue dos ímpios,
(não-judeus) essa ação corresponde a se fazer um sacrifício a Deus. (Talmude: Bammidber raba c
21 & Jalkut 772) Se um pagão (gentio) golpeia a um judeu, o gentio deve ser morto. (Sanhedrin
58b) Um judeu não precisa pagar ao gentio o salário que lhe é devido pelo trabalho. (Sanhedrin 57a)
Se um judeu encontrar um objeto perdido por um gentio (‘pagãos’), esse objeto não precisa ser
devolvido. (Baba Mezia 24a) Quando um judeu assassina um gentio, não haverá pena de morte. O
que um judeu rouba de um gentio, ele pode guardar. (Sanhedrin 57a) Os judeus podem usar
mentiras (‘subterfúgios’) para escapar de um gentio. (Baba Kamma 113a) Todas as crianças gentias
são animais. (Yebamoth 98a) As meninas gentias estão em um estado do niddah (sujeira) desde seu
nascimento. (Abodah Zarah 36b) Os gentios preferem sexo com vacas. (Abodah Zarah 22a-b) Um
homem judeu é deve fazer a seguinte oração todos os dias: Obrigado meu Deus por não me fazer
um gentio, uma mulher ou um escravo. (Menahoth 43b-44a) Um judeu pode se casar com uma
menina de três anos (especificamente, três anos ‘e um dia’ de idade). (Sanhedrin 55b) Um judeu
pode ter relações sexuais com uma criança, desde que a criança tenha menos de nove anos de idade.
(Sanhedrin 54b) Quando um homem adulto tem relações sexuais com uma menina, isso não é um
crime. - Kethuboth 11b”

O Rabi Meir Kahane em uma entrevista na TV disse ao programa “60


Minutes” da CBS que o seu “ensino de que os árabes são cães é
baseado no Talmude”. O Rabi Yaacov Perrin disse ao New York Daily
News que “Um milhão de árabes não valem uma unha de um judeu”.
E o Rabi Yitzhak Ginsburg declarou ao New York Times que, “Temos
de reconhecer que o sangue judeu e o sangue de um ‘gói’ não são a
mesma coisa”. Com esse tipo de racismo institucionalizado e
desenfreado, não é de se admirar que o povo judeu tenha sido
confrontado durante sua história com muita hostilidade e
“antissemitismo”.

A Coreia do Norte é abertamente anti-sionista e hostil a Israel. Eles não têm judeus conhecidos
dentro de suas fronteiras e até mesmo proíbem a entrada de turistas judeus. Desde o fim da Guerra
da Coreia, a Coreia do Norte só enviou suas forças ao exterior
para lutar uma vez e isso foi contra Israel. Esta é, sem dúvida, a
razão pela qual a mídia dominante controlada pelo sionismo
esteja constantemente colocando tudo a respeito do povo e do
governo da Coreia do Norte sob uma luz negativa.

Eles dizem que “o vencedor escreve história” e isso é um fato


verdadeiro; o exemplo mais flagrante nos tempos modernos
deve ser a prevalecente (falta de) compreensão a respeito de
Adolf Hitler bem como da Alemanha de antes da Segunda
Guerra Mundial. Adolf Hitler era na verdade vegetariano, amante dos animais, autor, artista,
ativista político, reformador econômico, tendo sido indicado para um Prêmio Nobel da Paz. Ele foi
o primeiro no mundo que promulgou as primeiras leis que proibiam crueldades com animais, leis
anti-poluição e anti-tabagismo. Ao contrário do retrato demoníaco que a história pintou dele, Hitler
era amado por seu povo e não queria nada senão a paz.

Depois da Primeira Guerra Mundial, em 1919, o Tratado de Versalhes da Liga


Internacional das Nações impôs tributos de reparação draconianos sobre a
Alemanha tão ridículos que o Presidente dos EUA Woodrow Wilson chegou a
afirmar: "Se eu fosse um alemão, acho que nunca o assinaria”. O primeiro-ministro
britânico David Lloyd George disse: “Nós escrevemos um documento que garante a
guerra em vinte anos … quando você coloca condições para um povo [alemão] que
não podem ser possíveis de manter, você o força ou a violar o acordo ou à guerra.”

No ano seguinte, em 1920, os banqueiros


internacionais judeus (muitos deles envolvidos na criação da
Liga das Nações e da Reserva Federal) começaram a conceder
grandes empréstimos com juros à Alemanha. Em 1923, a
Alemanha já estava em falência para os financistas judeus e não
poderia continuar a pagar as 270 mil milhões de Reichmark
(moeda alemã) de reparações de guerra. Incapazes de comprar de
volta ao seu próprio carvão dos "aliados", as fábricas começaram
a se fechar e milhares de alemães ficaram desempregados. Em
1924, como vingança ao ato da Alemanha de parar o pagamento aos bancos judaicos internacionais,
eles desvalorizaram a Papiermark (Marco de papel) tão fortemente que, em poucos meses, milhões
de famílias alemãs não podiam comprar comida ou alugar. Levava-se um carrinho de mão cheio de
Marco de papel para comprar um pedaço de pão; Milhares de alemães morreram de fome.

Stalin e os bolcheviques judeus estavam construindo


campos de concentração durante esse tempo, usando a
Polônia e outros países vizinhos como um satélite para
atacar e conquistar o solo alemão. Este era o pretexto
para a ascensão de Hitler ao poder. De 1933 a 1940,
Hitler tentou repetidamente fazer a paz com os judeus e
forças "aliadas", inclusive pedindo o desarmamento
completo de todos. Ele foi nomeado para o Prêmio Nobel
da Paz em 1939, o mesmo ano em que foi atacado em seu
próprio território depois de repetidamente pedir soluções
pacíficas. Em 1936, 99% dos eleitores alemães votaram e
98,8% votaram em Hitler.

A mídia judaica desde então pintou um quadro mal de Hitler e a Ordem


Mundial judaica tem até promulgadas leis em 18 países europeus que
proíbem a liberdade de expressão sobre as questões ligadas ao judaísmo e
ao Holocausto. Agora a maior parte do mundo ocidental tem sido
sistematicamente atingida pela propaganda, sendo forçada a um silêncio
tímido sobre o que se tornou um dos maiores tabus e um problema cujo
debate é evitado pela maioria dos teóricos de conspirações, a questão
judaica. Com a ADL, SPLC, AIPAC, B'nai B'rith e outras poderosas
organizações judaicas rotulando de “anti-semita” ao primeiro sinal de
qualquer coisa remotamente crítica, tornou-se quase impossível para nós
não judeus organizar qualquer resistência formal. Simplesmente questionar a versão oficial do
holocausto pode levar alguém à prisão em 18 países europeus!

A verdade é que Hitler nunca promulgou qualquer


política de extermínio judaico e a maioria das
pessoas que morreram nos campos morreram de
fome depois que os bombardeamentos por parte
dos aliados à Alemanha cortaram a sua oferta de
alimentos. Mas promover perpetuamente o mito de
Hitler ter matado a 6 milhões de judeus gerou
enormes riquezas de reparação para o judaísmo
mundial e alimentou a história da vítima “pobre”
para que os não judeus não ousem criticar ao seu
soberano estado genocida de Israel, para não
mencionar que o mito de Hitler ter matado a 6
milhões de judeus, é uma cobertura conveniente
para o assassinato judeu feito por Marx, Trotsky,
Lenin e Stalin de 60 milhões de não-judeus apenas
duas décadas antes. Atualmente, nos currículos e
livros didáticos das escolas públicas, Hitler e o
Holocausto são considerados sistematicamente
todos os anos “ad nauseum”, (em português, “até
provocar náusea” ) no entanto, as atrocidades tais com as cometidas durante a revolução bolche-
vique e o “Holodomor” (“Holocausto Ucraniano”) são completamente ignoradas.

A versão "oficial" do Holocausto por parte do


“establishment” sugere que durante a Segunda Guerra
Mundial seis milhões de judeus foram levados cativos e
exterminados em campos de concentração nazistas. Isso
pode muito bem ser o caso, mas, como sabemos, os
vencedores escrevem a história e, para manter o
controle, o “establishment globalista sionista” deve
defender firmemente sua versão dos eventos, mesmo
diante de esmagadoras evidências em contrário. Se de
fato seis milhões realmente morrerem, segue-se que
apresentando-se objeções a esse quadro, fazendo-se
pesquisas dos fatos e examinando as evidências em
torno do Holocausto a historia ficaria terminantemente
confirmada. Mas graças a organizações como a Anti-
Defamtion League, (Liga Antidifamação ) o Southern
Poverty Law Center, AIPAC (American Israel Public
Affairs Committee - Comitê de Assuntos Públicos
Norte-Americanos Israelenses) e outros grupos
apologistas sionistas, simplesmente questionar a versão
oficial do Holocausto tornou-se perigosa.

Em toda a Europa, a “Negação do Holocausto” (seu


termo “orwelliano” tradicional para questionar a história
“oficial”) é ILEGAL e resultou em inúmeros
aprisionamentos severos! Autores, professores e
pesquisadores como Sylvia Stolz, David Irving, Germar
Rudolf, Frederick Toben e muitos outros passaram anos
atrás das grades por simplesmente falarem sobre esse assunto tabu. Um homem chamado Ernst
Zundel, passou mais de 7 anos atrás das grades simplesmente por reeditar um pequeno e fascinante
livro chamado “Did Six Million Really Die?” (Morreram Seis Milhões Realmente?)

Então, quais são alguns dos argumentos feitos por


esses negacionistas “criminosos” do Holocausto?
Para início de conversa, de qualquer modo, várias
fontes judaicas e gentias confirmam que não
havia mais de 3 milhões de judeus na Alemanha
durante o Holocausto. Na época, toda a
população judaica da Europa era de apenas 6,5
milhões e pode se afirmar com certeza que mais
da metade deles viviam fora da Alemanha
nazista. A história “oficial” afirma que milhões de
judeus foram mortos em câmaras de gás, mas as
câmaras de Aushwitz, Dachau e Mauthausen
supostamente responsáveis por milhões de mortes
não eram dotadas das necessárias portas seladas,
armações ou chaminés altas exigias por tal
afirmação, ao passo que exames forenses dos
locais não revelaram que algum resíduo de
qualquer coisa tóxica tenha sido usado nessas localidades. Os historiadores do “establishment”
afirmam que Treblinka e Belzec são locais de túmulos onde centenas de milhares de judeus foram
enterrados, mas os cientistas mostraram usando radares potentes, bem como amostras nucleares
com 100% de certeza que não há fossas coletivas e que o solo nunca foi alterado.

“Claro, a propaganda de atrocidades não é nada de novo. Acompanhou todos os conflitos do século
XX e sem dúvida continuará a fazê-lo. Durante a Primeira Guerra Mundial, os alemães foram
realmente acusados de comerem bebês belgas, bem como de se divertirem por jogá-los ao alto e
traspassando-os com baionetas. Os britânicos também alegaram que as forças alemãs possuíam uma
"indústria de processamento de corpos", na qual eles ferviam os corpos de seus próprios mortos,
para fabricar glicerina ... Depois da guerra, no entanto, vieram as retratações; na verdade, uma
declaração pública foi feita pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros na Câmara dos Comuns,
pedindo desculpas pelos insultos à honra alemã, que foram admitidos como propaganda de guerra.
Nenhuma declaração semelhante foi feita após a Segunda Guerra Mundial. De fato, ao invés de
diminuir com o passar dos anos, a propaganda da atrocidade relativa à ocupação alemã e em
particular o tratamento dado aos judeus, não têm feito nada mais que aumentar com sua virulência e
sua criatividade a esse catálogo de horrores. Livros de bolso assustadores com capas horripilantes
continuam a ser publicados contribuem de forma ininterrupta para essa mitologia crescente dos
campos de concentração e especialmente para a história que não menos de seis milhões de judeus
foram exterminados neles. As páginas que se seguem revelarão que esta alegação é de fato a peça de
ficção mais colossal e o mais bem-sucedido dos enganos ... No que diz
respeito ao próprio povo judeu, o engano resultou em benefícios
incalculáveis. Toda raça e nacionalidade possível teve sua parcela de
sofrimento durante a Segunda Guerra Mundial, mas nenhuma delas a
desenvolveu e reverteu com tanta vantagem. A suposta extensão de
sua perseguição rapidamente despertou uma simpatia pela pátria
nacional judaica que buscavam a muito tempo; depois da guerra o
governo britânico fez pouco para impedir a emigração judaica para a
Palestina que eles haviam declarado ilegal, e não foi muito tempo
depois que os sionistas arrancaram do governo a terra da Palestina e
criaram seu refúgio contra a perseguição, o Estado de Israel ...
“Até hoje, a cifra surpreendente de seis mil milhões de libras foi paga em compensação pelo
Governo Federal da Alemanha Ocidental, principalmente ao Estado de Israel, (que nem sequer
existia durante a Segunda Guerra Mundial) bem como a indivíduos judeus Requerentes. Em termos
de chantagem política, no entanto, a alegação de que Seis Milhões de judeus morreram durante a
Segunda Guerra Mundial tem implicações de muito mais alcance para o povo da Grã-Bretanha e da
Europa do que simplesmente as vantagens que foram conseguidas para a nação judaica. E aqui se
chega ao cerne da questão: Por que a Grande Mentira? Qual é o seu propósito? Em primeiro lugar,
essa mentira tem sido usada sem escrúpulos para desencorajar qualquer forma de nacionalismo. Se
o povo da Grã-Bretanha ou qualquer outro país europeu tentar afirmar seu patriotismo e preservar
sua integridade nacional numa época em que a própria existência dos Estados-nação está ameaçada,
eles são imediatamente marcados como “neo-nazistas”. Isso porque, por definição, o nazismo era
nacionalismo, e todos sabemos o que resultou então - Seis milhões de judeus foram exterminados!
Enquanto o mito for perpetuado, os povos em toda parte permanecerão em escravidão a ele; a
necessidade de tolerância e entendimento internacional será martelada pelas Nações Unidas até que
a nacionalidade, a própria garantia da liberdade, seja abolido.”- Extraido de Did Six Million Really
Die? (Morreram Seis milhões realmente?)

Ao explorar esta questão, há uma linha ténue entre expor a


supremacia judaica e você mesmo apresentar-se como um
supremacista, entre identificar corretamente os culpados tribais
Talmúdicos e falsamente fazer a classificação costumeira dos
inocentes espirituais membros do Torá, entre expor as mentiras
do Holocausto e permanecer solidário com as vítimas de sempre.
A Nova Ordem Mundial é em grande parte uma conspiração
sionista judaica, mas não envolve a todos os judeus e não é
promovida apenas por judeus. Há uma quantidade enorme de
judeus anti-sionistas e anti-Nova Ordem Mundial, mas nos níveis
mais altos, sua religião foi absolutamente sequestrada por uma
cabala de megalomaníacos ricos e supremacistas do mal obcecados pela dominação mundial .

Operações de Bandeira Falsa e Dialética Hegeliana

False-Flags (bandeiras falsas) são operações secretas geralmente realizadas por governos ou
corporações que são feitas para parecer terem sido executadas por outra entidade. Por exemplo,
quando Israel atacou a liberdade dos EUA para culpar o Egito, ou quando o návio Maine foi
bombardeado para culpar Cuba / Espanha. Operações de bandeira falsas são usados de maneira
perturbadora, frequente e efetiva através da implementação da Dialética Hegeliana.

“O objetivo geral do pragmatismo político é manter a


população alarmada e, consequentemente, inquieta para
ser conduzida à segurança, ameaçando-a com uma série
interminável de ‘duendes’, todos eles imaginários.” - H.L.
Mencken

"Não há desculpa nesta fase do desenvolvimento


americano para uma postura de inocência política,
incluindo uma aceitação inquestionável da boa fé de
nosso governo. Afinal, tem havido uma longa história de
crenças públicas manipuladas, especialmente em questões
de guerra e (1) na explosão do USS Maine para justificar
o início da Guerra Hispano-Americana (1898), (2) com respeito ao ataque japonês a Pearl Harbor
para justificar a entrada anteriormente impopular na Segunda Guerra Mundial. (3) no incidente do
Golfo de Tonkin de 1964, usado pela Casa Branca para justificar a dramática extensão da Guerra do
Vietnã ao Vietnã do Norte e, mais recentemente, (4) retratar o Iraque como abrigando um arsenal
ameaçador de armas de destruição em massa, a fim de justificar o recurso à guerra em desafio ao
direito internacional e às Nações Unidas." - Richard Falk, Forward, em “The New Pearl Harbor”
("O Novo Pearl Harbor")

Um dos métodos usados pela elite para implementar incrementalmente sua agenda da Nova Ordem
Mundial é conhecido como “Problem-Reaction-Solution”, (“Problema-Reação-Solução”) ou
Hegelian Dialectic (Dialética Hegeliana) do filósofo alemão. (Georg Wilhelm Friedrich Hegel)

“Hegel propôs que todo desenvolvimento espiritual,


intelectual e histórico (seja negativo ou positivo)
progredisse a partir do resultado de dois ideais opostos. A
tese chocou-se com a antítese e isso produziu síntese. A
aplicação moderna da dialética é usada pela elite
dirigente para criar um pensamento coletivo de massa
que lhes permite promover sua agenda sem oposição. Em
sua forma mais simples, é a lavagem cerebral. No
passado, a dialética foi usada para fabricar a guerra.
Tanto os bolcheviques como os nazistas foram
financiados e apoiados pela elite global. Estas duas
forças foram então colocadas em rota de colisão, a fim de
fomentar o caos da Segunda Guerra Mundial. O termo amplamente utilizado entre os pesquisadores
hoje é ‘Problem-Reaction-Solution’ (‘Problema-Reação-Solução’) e a tática é usada principalmente
para oprimir populações, avançar o estado policial e promover os objetivos geopolíticos da Nova
Ordem Mundial.” - Paul Joseph Watson, na obra Order Out of Chaos, (Ordem Fora do Caos) p. 13.

Primeiro um problema é criado e projetado para suscitar uma certa reação por parte do público. Em
seguida, as pessoas exigem que algo seja feito a respeito do problema, daí aceitando de bom grado a
solução pré-planejada pela NWO; (baseada nas três primeiras letras de New World Order, ou seja,
em português NOM – Nova Ordem Mundial) uma solução que sempre envolve ações ou uma
legislação que nunca teria passado em circunstâncias normais.

“Funciona assim – o corpo manipulador secretamente cria um problema e, em seguida, direciona a


mídia para incessantemente se concentrar nele, sem que isso possa ser contestado. Lembre-se, você
só precisa controlar o topo da pirâmide – a maior parte da cobertura da mídia é um exercício de
regurgitação do que os grandes jornais e estações estão relatando. O problema poderia ser qualquer
coisa – uma guerra, um colapso financeiro, uma erupção de raptos de crianças, ou um ataque
terrorista. O poder da mídia pode criar a falsa percepção de que existe um grande problema, mesmo
que não … Depois de ter criado este problema, certifique-se de que um indivíduo, um grupo ou um
aspecto da sociedade seja detentor da culpa. Isso então reúne a população por trás da fuga
desesperada para uma solução para o problema. ‘Algo deve ser feito!’, gritam eles em uníssono. As
pessoas que anteriormente criaram o problema, voltam em seguida para oferecer a solução que as
pessoas exigem. Lembre-se – as pessoas que gritam por uma solução não sabem que o problema foi
criado antes de modo artificial. A solução para o problema é sempre uma redução adicional da
liberdade e um avanço de um ou mais aspectos da agenda da Nova Ordem Mundial – seja a
expansão geopolítica, novas leis ou a implantação de novas visões societárias do mundo.” - Paul
Joseph Watson, na obra Order Out of Chaos, (Ordem Fora do Caos) p.13.
“A dialética hegeliana do problema-reação-solução. Ataque a si mesmo, culpe seus inimigos e diga
ao público que pode protegê-los se eles abandonarem suas liberdades.” - Alex Jones, em 911
Descent into Tyranny. (911 – Descida em Tirania)

O Lusitânia e a Primeira Guerra


Mundial

“A mesma multidão que manipulou a


aprovação do imposto de renda e do
sistema de reserva federal quis a
América na guerra. J. P. Morgan, John
D. Rockefeller, ‘Coronel’ House,
Jacob Schiff, Paul Warburg e o resto
dos conspiradores da Jekyll Island
estavam todos profundamente
envolvidos em nos envolver. Muitos
desses financiadores emprestaram à
Inglaterra grandes somas em dinheiro.
De fato, a J. P. Morgan & Co. atuou
como agência financeira britânica nesse país durante a Primeira Guerra Mundial.‘Coronel’ House,
Jacob Schiff, Paul Warburg e o resto dos conspiradores da Jekyll Island estavam todos
profundamente envolvidos em nos envolver. Muitos desses financiadores emprestaram à Inglaterra
grandes somas em dinheiro. De fato, a J. P. Morgan & Co. atuou como agência financeira britânica
nesse país durante a Primeira Guerra Mundial.” - Gary Allen, na obra None Dare Call it Conspiracy
(Que Ninguém Ouse Chamar Isso de Conspiração)

A Primeira Guerra Mundial começou oficialmente em 28 de junho de 1914, quando membros da


sociedade secreta Illuminati Black Hand (Mão Negra) assassinaram o arquiduque Franz Ferdinand.
A Europa rapidamente se polarizou e guerreou por quase um ano antes de os americanos receberem
sua razão de falsa bandeira para se juntarem. No dia 1º de maio de 1915, o cruzador naval britânico
“Lusitania” estava programado para partir com destino a Liverpool, do porto de Nova Iorque
carregado com 600 toneladas de explosivos, 6 milhões de libras de munição, 1.248 bombas de
estilhaços, bem como outros materiais de guerra e por último, mas não menos importante,
passageiros americanos. A embaixada alemã em Washington estava completamente ciente dos
materiais de guerra que estavam sendo enviados para a Inglaterra no Lusitânia e tentava avisar aos
viajantes americanos. Funcionários da embaixada alemã tentaram colocar anúncios de página inteira
em 50 jornais dos EUA que diziam: “Aviso! Os viajantes que pretendem embarcar na viagem do
Atlântico são lembrados de que existe um estado de guerra entre a Alemanha e seus aliados e a Grã-
Bretanha e seus aliados … viajantes que navegam na zona de guerra em navios da Grã-Bretanha …
o fazem por sua própria conta e risco”. Devido a ações tomadas pelo Departamento de Estado norte-
americano, 49 desses 50 jornais nunca publicaram o anúncio.

“O governo alemão publicou grandes anúncios em todos os jornais de Nova Iorque, alertando os
potenciais passageiros de que o navio estava carregando
munições e dizendo-lhes para não atravessarem o Atlântico …
No entanto, o afundamento do Lusitânia foi usado por
propagandistas inteligentes para retratar os alemães como
assassinos desumanos de inocentes. A guerra submarina foi
transformada em uma causa célebre para nos empurrar para a
guerra.”- Gary Allen, na obra None Dare Call it Conspiracy
(Que Ninguém Ouse Chamar Isso de Conspiração)
Ao meio dia de 7 de maio, ao largo da costa da Irlanda, o Lusitania recebeu ordens para reduzir a
sua velocidade, e recebeu-se ordens para que o “Juno”, seu navio de escolta militar britânico, se
retirasse. O membro do Comitê dos 300, maçom grau 33, e Senhor do Almirantado, Winston
Churchill sabia que os submarinos alemães estavam na vizinhança e propositadamente mandou o
Juno bater em retirada, tornando o Lusitânia um alvo fácil.

“O comandante britânico Joseph Kenworthy, a serviço quando o navio foi afundado, mais tarde
revelou que sua escolta militar foi retirada no último minuto e seu capitão ordenou que entrasse com
velocidade reduzida em uma área onde sabia-se haver operações por parte de submarinos alemães.
Fica claro o motivo de a Alemanha ter atacado a este navio, e a Grã-Bretanha teria feito o mesmo se
as munições americanas fossem enviadas para a Alemanha. ‘Os alemães, cujo torpedo atingiu o
forro, foram os cúmplices involuntários ou vítimas de um enredo provavelmente inventado por
Winston Churchill’, concluiu o autor Simpson.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo
Secreto) p. 189.

“O Lusitânia era um estratagema. Estava repleto de munições pertencentes a Morgan, havia sido
mandado à Inglaterra como que se fosse parte componente da marinha, e apesar das advertências
dos alemães, foi enviado para uma zona de guerra naval, especificamente para ser um alvo – o
catalisador para a entrada da América na guerra … Churchill ordenou que a escolta naval do
Lusitânia voltasse para o porto, e o navio predestinado fosse deixado desprotegido, para ser
afundado. O agente dos Rothschild, Colonel House provavelmente sabia deste enredo, [sendo
que]registros apontam para uma discussão a respeito disso, entre ele e Sir Edward Grey da
Inglaterra. O historiador Colin Simpson chamou o naufrágio do Lusitânia de ‘o atentado mais
grosseiro cometido nos mares’.” - Fritz Springmeier em Bloodlines of the Illuminati. (Linhagem
Illuminati)

Colonel Mandel House, co-membro de Churchil no


Comitê dos 300, fundador do CFR, e agente
Rothschild, foi também um dos principais acessores
políticos do presidente Wilson. Wilson disse: “O Sr.
House é a minha segunda personalidade. Ele é meu
eu independente. Seus pensamentos e os meus são
um. Se eu estivesse em seu lugar, eu faria o que ele
sugeriu.” Este é um homem que também foi
chamado de Henry Kissinger de sua época. No livro
The Intimate Papers of Colonel House, (Os Papéis
Íntimos de Colonel House) há uma conversa
registrada entre Colonel House e o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Inglaterra, Sir Edward
Grey. Gray perguntou: “O que os Estados Unidos fariam se os alemães afundassem um navio com
passageiros americanos a bordo?” E House respondeu: “Creio que uma chama de indignação
varreria os Estados Unidos o que, por si só seria suficiente para nos colocar dentro da guerra”. Quis
o ‘acaso’que isso de fato acontecesse. Cerca de 1.200 foram mortos, incluindo 128 americanos.

“Este ato desencadeou uma tempestade de sentimento anti-alemão em todo os Estados Unidos,
avivado pela imprensa dominada por Rockefeller e Morgan.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O
Governo Secreto) p. 188.

Assim, a munição Illuminati de propriedade de Morgan foi transportada em um navio com


passageiros americanos. O membro do Comitê dos 300 e maçom nível 33, Winston Churchill,
ordenou a retirada da escolta militar do navio, sabendo que os submarinos alemães estavam a
caminho. Em seguida, a imprensa norte-americana dominada pelos Rockefeller e Morgan ajudou a
agitar o sentimento anti-alemão até que o povo, tendo se tornado alvo de uma quantidade suficiente
de propaganda entrou na guerra. Tanto o presidente Woodrow Wilson, como Winston Churchill, os
Morgans e os Rockefeller, sabiam do destino predefinido do Lusitânia e sabiam que a decisão de o
afundar não estava em suas mãos.

“Não há dúvida de que o Presidente Wilson foi informado sobre a natureza da carga destinada ao
Lusitânia, sobre a qual não fez nada, mas admitiu no dia em que foi informado de seu afundamento
de que sua presciência lhe havia tirado muitas horas de sono.” - Colin Simpson, na obra The
Lusitania. (O Lusitânia)

“Woodrow Wilson havia sido reeleito por uma margem bem pequena de votos e havia baseado sua
campanha no lema: ‘Ele nos manteve fora da guerra!’ … Apenas cinco meses depois, estávamos
nela. A mesma multidão que manipulou a aprovação do imposto de renda e do sistema de reserva
federal quis a América na guerra. J. P. Morgan, John D. Rockefeller, ‘Colonel’ House, Jacob Schiff,
Paul Warburg e os outros conspiradores da Island (Ilha de Jekyll) estavam todos profundamente
envolvidos.” - Gary Allen, na obra None Dare Call it Conspiracy (Que Ninguém Ouse Chamar Isso
de Conspiração)

“A Primeira Guerra Mundial foi uma bonança financeira para os banqueiros internacionais. Mas foi
uma catástrofe de tal magnitude para os Estados Unidos sobre a qual ainda poucos hoje
compreendem a sua importância. A guerra inverteu nossa política externa tradicional de não-
envolvimento e nós fomos enredados quase constantemente desde então em guerras perpétuas para
a paz perpétua. Winston Churchill certa vez observou que todas as nações estariam melhor se os
EUA tivessem se preocupado com seus próprios assuntos. Se tivéssemos feito isso, disse ele, ‘teria
sido feita a paz com a Alemanha; e não teria havido nenhum colapso na Rússia levando ao
comunismo; nenhuma divisão do governo na Itália seguida pelo fascismo; e o nazismo jamais teria
ganhado ascendência na Alemanha.’” - Revista Social Justice, [Justiça Social] edição de 3 de julho
de 1939, página 4, conforme citada por Gary Allen, na obra None Dare Call it Conspiracy. (Que
Ninguém Ouse Chamar Isso de Conspiração)

Pearl Harbor e Segunda Guerra Mundial

Embora não seja mencionado nos livros escolares dos Estados


Unidos, os documentos e as gravações foram tornados públicos e
liberados por meio de atos de Liberdade de Informação e provam
que a entrada da América na Segunda Guerra Mundial foi outro
evento calculado e não o resultado de um ataque japonês
surpresa.

“Uma pesquisa Gallup de 1940 mostrou que 83% do público foi


contra a intervenção. Um bom pretexto era necessário para obter o apoio de um público
intransigente.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy, (O Governo Secreto) p. 174

O trigésimo segundo presidente dos Estados Unidos, Franklin Delano Roosevelt era um maçom de
nível 33, era membro do Comitê dos 300, era neto de um contrabandista de ópio, e sobrinho de
Frederic Delano, um verdadeiro boardman do Federal Reserve. (Reserva Federal) FDR (Franklin
Delano Roosevelt) deteve a esse cargo por 12 anos, (1933-1945) tendo escolhido o membro dos
Skull e Bone, (Crânio e Ossos) Henry Stimson como Secretário de Guerra para os 5 anos seguintes.
Henry Stimson foi também Secretário de Guerra do seu irmão bonesman, o Presidente Taft, de
1911-1913, durante o desenrolar da Primeira Guerra Mundial. Com a ajuda do companheiro maçom
e membro do C300, (Comitê dos 300) o primeiro-ministro britânico Winston Churchill, essas três
elites da sociedade secreta ajudariam a nos levar à Segunda Guerra Mundial.
“Roosevelt, um membro da linhagem Illuminati totalmente controlado pelo Conselho de Relações
Exteriores, começou a provocar o Japão de maneira agressiva com uma série de medidas, incluindo
a segmentação de suprimentos de petróleo japoneses … de acordo com uma investigação do
Congresso que ocorreu em 1945, as mensagens que apontavam para uma decisão de ir à guerra com
os Estados Unidos e Grã-Bretanha, embora não com a Rússia, foram interceptadas e decodificadas
em 03 de dezembro 1941 – quatro dias antes de Pearl Harbor. Essas mensagens foram
posteriormente ‘apagadas’ dos arquivos da Marinha. Outras mensagens decifradas deram a
Roosevelt aviso prévio do ataque, mas o público não foi informado sobre isso e nem o foram a
respeito do alvo pre estabelecido, o Havaí … Ao todo, Roosevelt tinha informações de oito fontes
diferentes indicando um provável ataque. O historiador Robert Sustinense revelou os resultados de
17 anos de pesquisa sobre a conspiração de Pearl Harbor em seu livro, 'Day of Deceit: The Truth
About FDR and Pearl Harbor’. (Dia do Engano: A Verdade Sobre FDR e Pearl Harbor) Sua
pesquisa incluiu mais de um milhão de documentos obtidos sob a Lei de Liberdade de Informação,
que mostram que o conhecimento dos planos japoneses foi escondido de comandantes no Havaí –
os mesmos homens que mais tarde foram usados quais bodes expiatórios para o que aconteceu.” -
David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade Center Disaster. (Alice no País das
Maravilhas e o Desastre do World Trade Center) pp. 161-2.

Um aviso muito adiantado veio a cerca de um ano completo antes do ataque, em 27 de janeiro de
1941, quando Joseph Grew, embaixador dos Estados Unidos em Tóquio, escreveu uma carta a
Roosevelt especificando detalhadamente que em caso de guerra, Pearl Harbor seria o primeiro alvo
do Japão. Meses mais tarde, em 22 de julho de 1941, um relatório do Almirante Richmond Turner
dizia: “Acredita-se geralmente que fechar o fornecimento de petróleo americano levará prontamente
à invasão das Índias holandesas orientais … parece certo que uma ação militar por parte do japão
nas ilhas filipinas nos envolveria imediatamente numa guerra no Pacífico.” Foi exatamente isso que
ocorreu.

“Meses antes do ataque, eles sabiam que os japoneses estavam se preparando para um assalto total
no Pacífico. O History Channel e muitos registros históricos relataram que doze dias antes do
ataque, Roosevelt sabia a data real do irrompimento. O governo tinha na sua posse o comunicado do
almirante Yamamoto, que dizia: ‘Na manhã de 7 de dezembro, atacaremos a frota do Pacífico em
Pearl Harbor e daremos um golpe mortal.’” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 –
Descida na Tirania)

Duas semanas antes do ataque de Pearl Harbor, em 25 de novembro de 1941, depois de uma
conversa com o secretário de Guerra Henry Stimson, Roosevelt escreveu em seu diário: “A questão
era como deveríamos manobrá-los no sentido de disparem o primeiro tiro sem haver ademais perigo
algum para nós mesmos. Era desejável certificar-se de que os japoneses fossem os únicos a fazer
isso para que não houvesse dúvidas na mente a respeito de quem eram os agressores.”

No dia 26 de novembro, um dia após essa declaração escrita de seu diário, Roosevelt recebeu um
telefonema muito suspeito de Winston Churchill. Uma grande frota japonesa, incluindo seis porta-
aviões, havia desaparecido recentemente e Churchill disse a Roosevelt na gravação: “Posso garantir
que o alvo deles é (eliminar) a frota no Havaí, em Pearl Harbor”. Roosevelt passa a perguntar: “A
implicação óbvia é que os ‘japas’ vão repetir em nós o caso Port Arthur no caso de Pearl Harbor,
você não acha?” Churchill diz que sim, e Roosevelt acrescenta: “Eu terei que considerar todo o
problema … Um ataque japonês contra nós, que resultaria em uma guerra entre nós - e certamente
você também – certamente cumpriria dois dos requisitos mais importantes de nossa política.” As
exigências específicas e a exata política a qual Roosevelt se referia são ambas desconhecidas, mas
faz isso lembra de modo retrospectivo a carta de 1871 de Albert Pike, maçom nível 33, dirigida a
Mazzini a respeito de se fomentar a três guerras mundiais. Foi também o membro do Comitê dos
300 de Churchill bem como maçom, H.G. Wells quem “previu” em seu livro de 1933, The Shape of
Things to Come (A Forma das Coisas Por Vir) que uma segunda guerra mundial começaria por
volta de 1940, originária de uma disputa entre Alemanha e Polônia. Profetizavam Albert Pike, H.G.
Wells e outros maçons suas visões do futuro, ou estavam conscientemente trabalhando ativamente
para um objetivo planejado há muito?

“Tão difícil pode ser para os americanos criados com filmes e publicações de propaganda em tempo
de guerra, dedicados apenas à tecnologia de guerra e batalhas, acreditar que a Segunda Guerra
Mundial tenha sido em grande parte o resultado de lutas internas entre sociedades ocultas secretas
compostas de empresários ricos que eventualmente levaram a tensões internacionais que
provocaram a guerra aberta. Como em outros conflitos, a manipulação e a influência dessas
sociedades são encontradas nas origens e finanças da guerra, não nos campos de batalha. Existe
agora grande quantidade de evidências indicando que a Segunda Guerra Mundial foi provocada por
agentes e membros das sociedades secretas ligadas aos Illuminati e a Maçonaria na Alemanha e na
Grã-Bretanha.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy, (O Governo Secreto) p. 146.

No dia seguinte ao telefonema de Roosevelt a Churchill, em 27 de novembro de 1941, as notícias da


aproximação provável da frota japonesa em Pearl Harbor chegaram ao Chefe de Estado-Maior
George C. Marshall, do CFR. No mesmo dia, ele enviou uma mensagem aos comandantes
havaianos, dizendo: “Ação hostil possível a qualquer momento. Uma vez que as hostilidades não
podem, repetindo não podem, ser evitadas, os Estados Unidos desejam que o Japão cometa o
primeiro ato aberto. Esta política não deve, repito não deve, ser interpretada como restringindo-os a
um curso de ação que possa comprometer a sua defesa.”

“O título de primeira página do jornal Honolulu Advertiser de


30 de novembro de 1941 dizia: ‘O Japão pode atacar no fim de
semana’. Ainda assim, os militares foram instruídos a ir para o
nível mais baixo de prontidão, os navios no porto foram
alinhados em filas apertadas, e os aviões nos campos de
aviação foram colocados em círculos, ponta do nariz virada
para ponta do nariz.” - Alex Jones, em 911 Decent into
Tyranny (911 – Descida na Tirania)

Durante a semana anterior ao ataque, os EUA interceptaram uma mensagem de “Código Roxo”
enviada à embaixada japonesa em Washington, ordenando-lhes que destruíssem todos os
documentos classificados e se preparassem para evacuar o país. Em 4 de dezembro, a inteligência
australiana informou a Roosevelt que a frota japonesa desaparecida estava realmente se movendo
em direção a Pearl Harbor. No mesmo dia, Roosevelt ordenou especificamente que a frota do
Pacífico mudasse para uma formação compacta ou exposta de modo a formar fileiras despojadas. O
almirante James Richardson de Pearl Harbor, objetou repetidamente a tal estratégia suicida e foi
realmente substituído por se recusar posicionar a frota conforme o ordenado. Não só a frota de Pearl
Harbor estava intencionalmente alinhada de ponta de nariz para ponta de nariz, para a conveniência
do bombardeio atapetado do Japão, como todos os novos navios e aeronaves dos EUA foram
afastados, deixando apenas os navios mais antigos para serem sacrificados.

“De acordo com o autor John Toland, as advertências separadas a respeito de um ataque pendente
em Pearl Harbor, embora variando em questão de horas específicas, vieram do embaixador dos
EUA no Japão Joseph Crew, do diretor do FBI J. Edgar Hoover, do senador Guy Gillette, do
congressista Martin Dies, do brigadeiro general Elliot Thorpe em Java e do coronel F. G.
Weijerman, o adido militar holandês em Washington. Mais tarde, o oficial naval holandês, o capitão
Johan Ranneft, disse que fontes da Inteligência dos EUA lhe disseram, em 6 de dezembro, que as
companhias japonesas estavam a apenas quatrocentas milhas a noroeste do Havaí. Durante as
investigações após o ataque, Marshall e o secretário da Marinha, Frank Knox, testemunharam que
não conseguiam se lembrar de onde se encontravam na noite de 6 de dezembro. Mais tarde, foi
revelado que ambos estavam na Casa Branca com Roosevelt.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy, (O
Governo Secreto) p. 176.

Quatro anos mais tarde, outro maçom do nível 33, Harry Truman, ainda sob a direção do membro
do Bones, o Secretário de Guerra Henry Stimson, deixou cair duas bombas atômicas no Japão,
terminando a Segunda Guerra Mundial. Na verdade, o Japão estava agitando sua bandeira branca e
já se rendia aos termos e às condições dos EUA antes que as bombas fossem lançadas em
Hiroshima e Nagasaki, mas para dar um exemplo para o Japão e mostrar ao mundo o armamento e a
dominação militar norte-americana, Truman não honrou a rendição até que as bombas foram
derrubadas.

“Este é o pano de fundo para Harry S. Truman, o homem público maçom,


que havia se recusado a aceitar os termos de rendição do Japão, ordenar a
devastação atômica e então aceitar a rendição nos mesmos termos que ele
havia recusado antes. As bombas caíram porque, como uma fase terminou
… A outra fase foi iniciada imediatamente – a Guerra Fria – e é muito
mais fácil gerar o medo necessário disso, uma vez que as pessoas tenham
presenciado por si mesmos o que acontece quando um desses dispositivos
explode. Depois da guerra, o mundo estava mental, emocional, espiritual e
fisicamente devastado. Isso permitiu que os bancos fizessem grandes
fortunas emprestando dinheiro aos governos para reconstruir as sociedades
destruídas por uma guerra que os mesmos bancos haviam financiado. Isso
aumentou enormemente a dívida das nações para com os bancos privados
e o controle sobre esses países aumentou em proporção. O desespero pela
paz tornou o mundo aberto à principal razão pela qual a Fraternidade criara a guerra – a formação
das Nações Unidas. Problema-reação-solução. A Carta das Nações Unidas, órgão mundial que a
Fraternidade ansiava tanto, foi redigida por um comitê do Conselho de Relações Exteriores.” -
David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior Segredo) p. 234.

“A nata dos historiadores agora admite, por exemplo, que o presidente Franklin D. Roosevelt e seus
corruptos maçônicos associados sabiam antecipadamente do ataque japonês a Pearl Harbor que
catapultou os Estados Unidos para a guerra. Os Illuminati queriam a guerra mundial e os aviadores,
soldados e marinheiros americanos que morreram em 7 de dezembro de 1941 foram considerados
necessários para precipitar a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial. O governo dos Estados
Unidos também tinha conhecimento prévio tanto do bombardeio de 1993 do Edifício Federal
Murrah na cidade de Oklahoma, quanto dos atentados de 11 de setembro contra o World Trade
Center e o Pentágono. A perda maciça de vidas não era um obstáculo no que diz respeito à elite. Sua
agenda de sangue frio é calculada para gerar caos e destruição em um processo interminável e
alquímico de trazer ‘Ordo ab Chao’. (Ordem Vinda do Caos) Para a elite, o assassinato é um
negócio como um outro qualquer.” - Texe Marrs, na obra Codex Magica, (Magica em Códice) p. 33.

Operação Northwoods

“Foi oficialmente revelado através de documentos governamentais


desclassificados que os militares e o governo dos Estados Unidos
planejaram secretamente perpetrar atos de terror contra civis inocentes, a
fim de justificar um envolvimento em um conflito que, na época,
beneficiaria a agenda geopolítica mais ampla do governo … De acordo
com a ABC News, no início dos anos 60, os principais líderes militares dos Estados Unidos
elaboraram planos para matar pessoas inocentes e cometer atos de terrorismo em cidades dos EUA
para gerar apoio público para uma guerra contra Cuba. Longos documentos ocultos, descobertos em
2001 pelo ex-repórter investigador da ABC News, James Bamford, com o nome de código
OPERATION NORTHWOODS, (OPERAÇÃO NORTHWOODS) colocaram uma perspectiva
assustadora por trás dos acontecimentos de 11 de setembro. Os documentos da equipe do estado
Maior (JCS) propõem o lançamento de uma guerra secreta e violenta de terrorismo contra seu
próprio país, a fim de condicionar o povo dos EUA a apoiar uma guerra contra Cuba. Esses planos
apavorantes exigiam a morte de civis inocentes norte-americanos e que refugiados cubanos fossem
vítimas de explosões, a perpetração de atos violentos e contínuos de terrorismo em grandes cidades
americanas, a exposição de inocentes a bombardeios e a destruição de aviões. Poderiam assim
lançar a culpa sobre Fidel Castro e sobre Cuba, incitando assim o ódio a ele e ao comunismo e
instigando o apoio público que o JCS(*) precisava como desculpa para lançar a guerra pré-
planejada.” - Paul Joseph Watson, no livro Order Out of Chaos, (Ordem Fora do Caos) pp.23-4.
________________
* Líderes do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos. (Departamento de Defesa dos Estados
Unidos)
________________

“O plano, que tinha a aprovação por escrito do Presidente e de cada


membro do Estado-Maior Conjunto, pedia que pessoas inocentes
fossem baleadas nas ruas americanas; para barcos que levavam
refugiados fugindo de Cuba fossem afundados em alto-mar; para que
fosse iniciada uma onda de terrorismo violento em Washington DC,
Miami, e em outros lugares. As pessoas seriam enquadradas por
atentados que não cometeram; aviões seriam sequestrados. Usando
provas falsas, tudo isso seria atribuído a Castro, dando assim a
Lemnitzer e a sua cabala a desculpa, bem como o apoio público e
internacional, necessários para iniciar assim a sua guerra.” - James
Bramford, na obra Body of Secrets, (Corpo de Segredos) pp. 163-4.

Os documentos da Operação Northwoods, desclassificados


recentemente, mas mantidos como altamente secretos durante 40 anos,
esboçavam uma conspiração do governo dos EUA para matar centenas, provavelmente milhares de
cidadãos americanos por ganho político. Em 1962, o Chefe do Estado-Maior Geral do Presidente
JFK, General L. L. Lemnitzer, planejou o plano de Northwoods para iniciar uma guerra com Cuba.
Nem o povo americano, nem tampouco Castro, queriam uma guerra, então uma série de operações
de bandeira falsa foram projetadas para causar uma “onda útil de indignação” e levar as pessoas a
apoiar uma guerra. Os métodos a serem empregados eram muitos e variados, desde rumores iniciais
usando rádio clandestino, até afundar e incendiar navios norte-americanos, vestir-se como cubanos
para atacar bases americanas, explodir munições e aviões, iniciar incêndios ou tumultos e por
último, mas não menos importante, o sequestro e a derrubada de um avião comercial de passageiros.
O documento diz que as listas de “Casualty” (supostas casualidades) nos jornais norte-americanos
causariam uma onda de indignação." Eles até planejaram “conduzir funerais para as vítimas
simuladas” para ganhar mais apoio público se não houvesse suficientes vítimas reais. Tudo isso já
havia sido aprovado e assinado por todos os Chefe de Gabinete Conjunto e pelo Secretário de
Defesa quando o Presidente John F. Kennedy o recebeu. Felizmente para todos nós, JFK se recusou
a assinar o documento Northwoods e o plano nunca foi realizado, mas a sua própria existência
prova que o governo certamente não é sempre amigável, nem visa os nossos melhores interesses.

“Não vale as boas pessoas afirmarem que seus líderes não poderiam estar por trás dos horrores do
11/9, quando existem documentos que indicam que o Pentágono planejou em detalhes algo muito
semelhante há 40 anos. Mas, esperem aí... A Operação Northwoods também planejou o sequestro de
aeronaves civis. Os documentos dizem que era possível criar um incidente que convenceria as
pessoas de que um avião cubano havia derrubado um avião civil fretado em um voo dos Estados
Unidos para a Jamaica, a Guatemala, a Venezuela ou o Panamá.” - David Icke em Alice In
Wonderland and the World Trade Center Disaster, (Alice no País das Maravilhas e o Desastre do
World Trade Center) p. 165.

No documento de Northwoods, há
uma referência real ao pretexto de
bandeira falsa do encouraçado
Maine para Guerra Hispano-
Americana. “Lembre-se que o
incidente de Maine poderia ser
organizado de várias formas:
Poderíamos explodir um navio em
Guantánamo e culpar Cuba [ou]
poderíamos explodir um avião
não tripulado em qualquer lugar nas águas cubanas.” Assim, Northwoods que ordenou o
afundamento de nossos próprios navios, (como o USS Maine) ordenou o sequestro e a derrubada de
nossos próprios aviões comerciais, (como no 9/11) e o bombardeio a nós mesmos. (como WTC '93,
Oklahoma, Madrid, 7/7 e tantos outros)

“Neste plano, eles planejaram sobre como Washington, D.C. poderia ser bombardeado e, como, em
seguida poderiam culpar Cuba; ou como eles poderiam vestir soldados do Exército dos EUA como
cubanos, e então mandá-los atacar a fuzileiros navais na Baía de Guantánamo. Em outra parte do
plano, assim como os US Maine havia sido afundado como um pretexto para a entrada na Guerra
Hispano-Americana, foi sugerido que a Marinha poderia explodir um de seus próprios navios. O
documento inteiro é um testamento insano para a eficácia do uso a sangue-frio de problema, reação,
solução. O presidente Kennedy sempre foi um servo da elite, mas ficou tão chocado com o
documento da Operação Northwoods que assinou a Ordem Executiva 11110 pouco antes de sua
morte anunciando que aboliria o Sistema da Reserva Federal. Ele também começou a puxar os
soldados americanos para fora do Vietnã, e assinou uma ordem para abolir a CIA. Por ter tomado
estas medidas decisivas em nome da nossa República Constitucional, Kennedy foi assassinado. Ele
decidira ser um líder do povo e defender seus interesses. A Nova Ordem Mundial não poderia
permitir que isso acontecesse.” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 - Descida na
Tirania) p. 18.

O Golfo de Tonkin e a Guerra do Vietnã

“No verão de 1964, o presidente Lyndon Baines Johnson precisava de um


pretexto para comprometer o povo americano com a guerra secreta já em
expansão no Sudeste Asiático. Em novembro de 2001, a biblioteca e o museu
LBJ (Museu Lyndon Baines Johnson ) publicaram fitas de conversas
telefônicas entre o presidente e o secretário de Defesa, Robert McNamara, nas
quais discutiram abertamente sobre planos para usarem o incidente do Golfo
de Tonkin como pretexto para expandir a guerra.” - Alex Jones, em
Terrorstorm, (Tempestade de Terror) 12 minutos.

Em 2 de agosto de 1964, o destróier USS Maddox (contratorpedeiro da


Marinha dos Estados Unidos) estava supostamente numa missão de
reconhecimento no Golfo de Tonkin quando foi atingido por tiros disparados pelas forças
vietnamitas do Norte em canhoneiras de Swatow. (de fabricação chinesa, por isso a referência
velada à cidade chinesa de Shantou) O Maddox, no entanto, não estava em uma missão de
reconhecimento; fazia parte de uma operação conjunta de inteligência secreta da CIA-Sul-
Vietnamita chamada “Operação Plano 34A”.

“Longe de ser um ‘ataque não provocado’ como o presidente Lyndon Johnson havia declarado, o
ataque era uma retaliação esperada como resultado das agressivas manobras da CIA-sul-vietnamita.
O próprio Johnson reconheceu a Operação 34A em gravações de fita da Casa Branca recentemente
publicadas, ‘Têm havido algumas operações secretas naquela área (Golfo de Tonkin) que estamos
conduzindo – explodindo algumas pontes e coisas do tipo, estradas e assim por diante. Então eu
imagino que o Vietnã do Norte gostaria de acabar com isso.’” - Paul Joseph Watson, Order Out of
Chaos, (Ordem Fora do Caos) p. 27.

Mais uma vez, as pessoas foram manipuladas para acreditar em um motivo de bandeira falsa para
entrar na Guerra do Vietnã. Desta vez foi informado ao público que um navio amigável ficou à
mercê do ataque espontâneo por parte do inimigo, quando na
verdade o nosso navio foi o agressor.

“No final de 2005, a Agência Nacional de Segurança


desclassificou a sua própria história oficial do Golfo de
Tonkin e admitiu que os oficiais da agência de inteligência
haviam deliberadamente distorcido a inteligência, alegando
que os barcos de patrulha vietnamitas haviam atacado os
destroyers norte-americanos em 4 de agosto de 1964, quando
na realidade eles não haviam feito nada, sendo que os
mesmos haviam sido disparados pelas forças dos EUA.” -
Alex Jones, em Terrorstorm, (Tempestade de Terror) 12
minutos.

Em 4 de agosto de 1964, os Destroyers dos EUA receberam sinais de radar e de rádio que foram
mal interpretados como sendo um outro ataque inimigo da marinha vietnamita do Norte. Seguiu-se
supostamente, um tiroteio de duas horas, mas na realidade não havia navios inimigos lá fora. Uma
hora depois do incidente, o capitão John J. Herrick, do USS Maddox, enviou um cabograma
admitindo, no final das contas que o ataque talvez não tenha sido um ataque.

“A Revisão de ação faz muitos contatos relatados e


torpedos disparados parecerem duvidosos. Estranhos
efeitos meteorológicos em radar e falha na prontidão dos
operadores de radar podem ter sido responsáveis por
muitos relatórios. Não houve nenhuma observação
visual real por parte do Maddox. Sugira uma avaliação
completa antes de qualquer outra ação ser tomada.” -
Captain John J. Herrick, 4 de agosto de 1964.

“Eu tinha o melhor assento em casa para assistir a esse


evento e nossos destroyers estavam apenas atirando em
alvos fantasmas – não havia barcos torpedeiros lá. Não
havia nada além de água negra e do poder de fogo americano.” - Aviador James Stockdale, em um
livro seu de 1984.

Sem qualquer justificativa, na noite de 4 de agosto, Johnson afirmou: “O ataque inicial ao destroyer
Maddox, em 2 de agosto, foi repetido hoje por uma série de navios hostis”. Na verdade, não foi
feito nenhum disparo contra navios dos EUA e provavelmente não havia barcos vietnamitas
presentes, mas Johnson informou: “Acreditamos que, pelo menos, dois dos barcos atacantes foram
afundados”. Mais tarde, no entanto, em 1965, referindo-se ao incidente de Tonkin, Johnson foi
citado como tendo admitido: “Pelo que sei, nossa Marinha estava atirando em baleias lá fora”.

“A Guerra do Vietnã matou um milhão de vietnamitas


e 58 mil americanos. Foi iniciada após dois incidentes
em agosto de 1964, o primeiro dos quais foi
provocado e o segundo que nunca aconteceu. À
medida que esquivou-se jeitosamente dos fatos, então
o presidente Lyndon Baines Johnson pôde prosseguir
com a resolução do problema do golfo de Tonkin,
denunciando aqueles que levantaram vozes de
desconfiança como sendo anti-americanos, e
recebendo uma autorização para a guerra.” - Paul
Joseph Watson, Order Out of Chaos, (Ordem Fora do
Caos) p. 26.

Bombardeio à cidade de Oklahoma

Em 19 de abril de 1995, o atentado a bomba ao Edifício Federal Alfred P. Murrah, na cidade de


Oklahoma, resultou em 168 mortes e mais de 800 feridos. Embora a evidência esmagadora contesta
suas reivindicações, o governo e os meios de comunicação convencionais rapidamente concordaram
que o bombardeio foi perpetrado por um terrorista chamado Timothy McVeigh. Alegadamente,
McVeigh agiu sozinho e estacionou um único caminhão-bomba de marca Ryder em frente do
edifício Murrah naquela manhã e no entanto, 20 testemunhas relataram ter visto dois homens.

“20 testemunhas viram dois homens no caminhão Ryder, cada qual tendo descrito o segundo
homem como sendo do Oriente Médio e disseram que, com certeza, não era Terry Nichols. (o bode
expiatório ‘fulano’ que dois agentes tentaram culpar) Todas as 20 pessoas preencheram a relatórios
de investigação, FD-302, mas nenhuma delas ‘deu as caras’. Assim como no 11 de setembro,
com as 80 câmeras de monitoramento do Pentágono e os bombardeios de Londres pela tevê, as 12
fitas da câmera no edifício Murrah foram apreendidas e rejeitadas, tudo por razões de ‘segurança
nacional’.” - David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade Center Disaster, (Alice no
País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center) p. 156.

Os relatórios das 20 testemunhas foram ignorados e


as fitas das câmeras de segurança foram rejeitadas.
Quando forçados pelos investigadores para encontrar
um segundo remendo, os oficiais vieram na hora “h”
com Terry Nichols, o qual reivindicaram ser o
cúmplice de McVeigh, mesmo que todas as
testemunhas oculares concordaram que o segundo
homem no caminhão era do oriente médio, e com
certeza não era Terry Nichols.

“McVeigh foi preso de uma maneira tão conveniente,


devido a uma infração de trânsito imediatamente
após o bombardeio pela mesma razão que Lee
Harvey Oswald foi preso em um cinema
imediatamente após o assassinato de Kennedy e
Osama bin Laden foi nomeado como o culpado após o 11 de setembro. São os remendos exigidos
pelo problema-reação-solução para esconder os orquestradores reais. Assim como o 11 de setembro
foi uma versão maciça do que aconteceu em Oklahoma, Oklahoma foi uma repetição do assassinato
de Kennedy. Lee Harvey Oswald era um agente dos EUA que foi colocado no lugar certo no
momento certo, sem ter sido explicado exatamente por que ele estava lá. Ele percebeu isso depois
que Kennedy havia sido baleado e correu. Quando ele foi preso ele disse que ele era um remendo,
um fantoche e teria dito isso ao tribunal. Foi por isso que ele foi colocado para desfilar em público o
que permitiu que outro agente do governo, Jack Ruby, atirasse nele e acabasse com as provas. Da
mesma forma, muito provavelmente, McVeigh era um funcionário do governo que estacionou o
caminhão Ryder sem saber a história completa.” - David Icke em Alice In Wonderland and the
World Trade Center Disaster, (Alice no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center) p.
155.

Na manhã de 19 de abril, logo após o bombardeio, em transmissões ao vivo, CBS, CNN e NBC
todos relataram que haviam três bombas adicionais dentro do edifício! Uma das bombas explodiu e
outras duas foram encontradas e desativadas. A filial da NBC da Oklahoma City, a KFOR, em seu
feed (formato de dados) ao vivo informou imediatamente: “A primeira bomba que estava no
Edifício Federal detonou. Fêz o dano que podemos observar lá a direita. O segundo explosivo foi
encontrado e desativado. O terceiro explosivo que foi encontrado – percebo que eles estão
trabalhando agora nele, enquanto eu falo, – tanto o segundo explosivo quanto o terceiro explosivo –
tente se puder imaginar isso – eram maiores do que o primeiro. Então tente imaginar duas ou três
vezes acontecendo o que já vimos lá. É simplesmente incrível pensar que havia tanta artilharia
pesada que de alguma forma foi transferida para o Edifício Federal da Cidade de Oklahoma.”

Uma vez que Timothy McVeigh foi preso, todos os relatórios das bombas adicionais dentro do
edifício cessaram. Os principais meios de comunicação rapidamente interceptaram a linha do
governo, e os Estados Unidos tiveram a certeza de que o (s) autor (es) McVeigh e Nichols agiram
sozinhos usando apenas um caminhão-bomba. Isso, entretanto, tem sido refutado repetidamente.

“Das centenas de pessoas que entrevistamos, não conseguimos encontrar uma única pessoa que
dissesse ter ouvido apenas uma explosão … Os próprios relatórios sismográficos da Universidade
de Oklahoma, bem como os relatórios do US Geological Survey - (Pesquisa Geológica dos Estados
Unidos) duas instituições científicas diferentes – mostram explosões múltiplas. Mas para que
houvesse múltiplas explosões, Timothy McVeigh teria que ter comparsas . . . e isso não se encaixava
com a história federal. Em especial, que a realidade mostrou que tratava-se de um grupo que tinha
acesso a um edifício federal por longos, prolongados períodos de tempo, tal como o BATF e o
FBI.” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

Até mesmo o estudo de 1997 conduzido pela US Air Force (Força Aérea dos Estados Unidos) a
respeito dos efeitos do explosivo do bombardeio de Oklahoma City constatou a impossibilidade de
ter sido o resultado de uma única bomba. O general Benton K. Partin concluiu que, “É impossível
atribuir o dano que ocorreu em 19 de abril de 1995 a um único caminhão-bomba contendo 4.800
libras (pouco mais de 2.170 quilogramas) … de fato, o máximo dano previsto dos painéis de
assoalho do edifício federal de Murrah é igual a aproximadamente 1% da área de chão total do
edifício … Deve-se concluir que os danos no edifício federal de Murrah não são o resultado da
própria bomba que estava no caminhão, mas sim devido a outros fatores, tais como as cargas
colocadas localmente no próprio edifício.”

No relatório, o general Partin também menciona como uma única bomba não pode explicar a falha
de muitas colunas na parte de trás do edifício, em comparação com a ausência de falhas nas colunas
da frente, onde o caminhão estava estacionado. Partin concluiu que foram de fato usadas cargas de
demolições moldadas dentro do edifício. O estudo de efeitos de explosão mostrou que o dano
máximo possível de uma única caminhão-bomba afetaria apenas 1% da área de piso. Dê uma
olhada em qualquer foto do edifício Murrah após as explosões. Atribuir a quantidade de dano real
que foi causada a apenas a este [caminhão] é ridículo.
“Glenn e Kathy Wilburn, que perderam duas crianças pequenas no bombardeio, trabalharam
constante e apaixonadamente durante anos para descobrir a verdade sobre o que aconteceu. Eles
conduziram e documentaram mais de 300 horas de entrevistas, e convenceram as pessoas que
haviam ficado em silêncio por medo das consequências a falarem. Eles provaram com toda a
certeza que um esquadrão de bombas fortemente armado estava no centro de Oklahoma perto do
Edifício Murrah naquela manhã antes das bombas explodirem … Alguns pais viram essas pessoas
em seus uniformes de esquadrão de bombas ao passo que traziam seus filhos para a creche que
ficava no Edifício Murrah, crianças essas que nunca iriam ver vivas novamente. Eventualmente,
depois de meses de negação pelo FBI e outras agências do governo, o departamento do xerife teve
que admitir que o esquadrão de bombas havia estado lá.” - David Icke em Alice In Wonderland and
the World Trade Center Disaster, (Alice no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade
Center) pp. 153-4.

Depois de meses de meticulosa investigação independente,


Glenn e Kathy Wilburn conseguiram fazer com que o
departamento do xerife realmente admitisse o que eles já sabiam
com base em várias testemunhas oculares coerentes: um
esquadrão de bombas do governo estava no prédio federal
Murrah naquela mesma manhã! Transcrições de rádio
transmissões de emergência daquela manhã também provaram
que muitos policiais e bombeiros testemunharam a presença do
BATF (Esquadrão de bombas) no local. O advogado Daniel J.
Adomitis, de Oklahoma ao ser entrevistado disse: “Havia este
caminhão bastante grande com um reboque por trás dele. Tinha
um escudo no lado da porta abaixo do qual estava escrito
‘eliminação de bombas’ ou ‘esquadrão de bombas’. E eu
realmente achei isso interessante. Você sabe, eu nunca tinha visto
algo assim em pessoa.”

“Você percebe o que acabou de ler? O governo tinha várias câmeras de vigilância … As câmeras
também mostram os agentes BATF escondendo-se do lado direito abaixo da rua, preparando-se para
engajarem-se na operação e declararem-se os heróis, os salvadores … De A a Z, há impressões
digitais federais em todo o caso do bombardeio de Oklahoma City e o governo está fazendo tudo o
que pode para suprimir a verdade. Bill Clinton é o servo da Nova Ordem Mundial, cujo índice de
aprovação explodiu após o ataque. Seu cão de ataque, a Carniceira de Waco, Janet Reno ficou muito
feliz por colocar toda a culpa nos cristãos, nos conservadores e nos proprietários de armas. Era sua
desculpa para expandir o controle federal sobre a polícia local e fundir os militares com a polícia
em novos programas gigantes de treinamento antiterrorismo.” - Alex Jones, em 911 Decent into
Tyranny (911 – Descida na Tirania)

Outra “coincidência” estranha é que apenas dois anos antes, em 1993,


Martin Keating, irmão do governador de Oklahoma, Frank Keating,
escreveu um romance chamado The Final Jihad. (A Jihad Final) Em seu
livro, um homem chamado Tom McVeigh bombardeia um edifício
federal na cidade de Oklahoma! Linda Cavanaugh, da afiliada da NBC
em Oklahoma, a KFOR, até mesmo relatou sobre essa estranheza: “Os
canais de notícias tem tirado lições de um outro projeto estranho.
Aparentemente, antes do bombardeio, o irmão do governador Frank
Keating, Martin, estava trabalhando em um romance sobre um atentado
terrorista em Oklahoma City. Mais estranho ainda, um dos personagens do romance ter o nome
Thomas McVeigh.” Ademais, em adição ao mistério, Martin Keating dedicou seu livro aos
“Cavaleiros do Círculo Secreto”. Será que ele estava se referindo aos Cavaleiros das Sociedades
Secretas da Mesa Redonda de Milner-Rhodes?

“O governo dos EUA contratou a mesma empresa para levar os restos do bombardeio de Oklahoma
City e os do World Trade Center - a empresa está ironicamente registrada como ‘Demolições
Controladas’.” - David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade Center Disaster, (Alice
no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center) p. 152.

“O manuseio dos entulhos do World Trade Center quase se assemelha ao do edifício Alfred P.
Murrah, em Oklahoma City. Depois que testemunhas relataram terem ouvido várias explosões e de
os noticiários originais detalharem a recuperação dos segundo e terceiro artefatos explosivos, o
governo declarou que havia apenas uma bomba e que o resto do edifício foi demolido
profissionalmente pela Controlled Demolitions Inc., a mesma empresa que foi a primeira a entrar
em cena para a remoção dos escombros do WTC. (World Trade Center) Os restos do edifício federal
foram então transportados para um aterro privado e permanecem sendo guardados 24 horas por dia
pela segurança privada de Wackenhut. Nada a esconder lá, hein? A equipe da FEMA (sigla em
inglês para a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências) que investigou o por que de as
torres terem entrado em colapso foi liderada pelo Dr. W. Gene Corley, o mesmo indivíduo que o
governo chamou para abafar a investigação a respeito do incêndio na cidade de Waco e do
bombardeio de Oklahoma City.” - Paul Joseph Watson, Order Out of Chaos, (Ordem Fora do Caos)
pp. 100-1.

O 11 de Setembro

A história oficial do que aconteceu em 11 de setembro, apoiada


tanto pela administração Bush como pela “investigação” da
Comissão Kean, é a seguinte: Em 11 de setembro de 2001, 19
terroristas da Al-Qaeda, sob a direção de Osama bin Laden,
sequestraram 4 aviões comerciais, conduziram dois em
direção das torres do World Trade Center, um para o
Pentágono e derrubaram o último em Shankesville, na
Pensilvânia, depois de um motim de passageiros a bordo. As
torres gêmeas do Trade Center (Centro de negócios)
queimaram por 56 e 103 minutos, respectivamente, antes de
desmoronarem simetricamente em velocidade de quase queda
livre sobre as suas próprias bases. Outro prédio que não foi
atingido por um avião, o prédio de 47 andares do World Trade Center 7, também desmoronou à
velocidade de queda livre várias horas depois, supostamente devido a incêndios internos e danos
estruturais resultantes da queda de detritos. Enquanto de maneira superficial, essa explicação para
os eventos do 11 de setembro possa parecer plausível, ela não resiste ao escrutínio crítico.

Para começar, se a história oficial for verdadeira, os edifícios 1, 2 e 7 do World Trade Center
fizeram história no dia 9/11 por serem os primeiros e únicos edifícios emoldurados de aço a
desabarem depois de um incêndio ou de um acidente de avião. Edifícios emoldurados têm
incendiado por até 28 horas, tendo a seus interiores inteiros estripados, mas mesmo assim não
entrando em colapso. O Empire State foi atingido por um B-25 e nunca desabou. Centenas de
arquitetos e engenheiros no site www.ae911truth.org, bem como o designer e arquiteto do WTC,
(World Trade Center) Minoura Yamasaki, todos se expressaram em perfeita conformidade que os
edifícios do World Trade Center foram construídos especificamente para suportar uma colisão de
avião dessa magnitude. Havia até mesmo uma informação numa placa no topo assegurando aos
visitantes justamente isso. E uma vez que os edifícios permaneceram resistentes por um bom tempo
após o impacto, pode-se dizer seguramente que os colapsos não foram causados pelos acidentes
aéreos.

A história oficial afirma que os incêndios provenientes de querosene em chamas enfraqueceram as


vigas de aço dos edifícios até que estes cederam e desmoronaram. No passado, em todo o mundo
edifícios de aço queimaram incontrolavelmente por mais de 20 horas, dizimando completamente a
cada andar sem desmoronarem. Nem uma única vez na história houve um único desabamento
devido ao fogo, até 11 de setembro de 2001, quando os edifícios 1, 2 e 7 do World Trade Center,
supostamente desmoronaram todos. O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST) relata
que as temperaturas de incêndios causados por querosene de avião não excedem a 1800 graus
Fahrenheit (pouco mais de 980 graus célsius) e o aço não começa a derreter antes de 2800 graus
Fahrenheit. (pouco mais de 1530 graus célsius) Isso significa que eles teriam de acreditar que os
incêndios causados pelos materiais combustíveis dos aviões (querosene) queimando a 1000 graus
(F) abaixo do ponto de fusão do aço, por apenas 56 e 103 minutos, em apenas 8 e 5 andares,
respectivamente, foi o suficiente para derrubar as torres gêmeas. Mesmo dando-lhes o benefício da
dúvida, supondo que os incêndios causados pelos materiais combustíveis dos aviões de alguma
forma enfraqueceram as vigas de aço o suficiente para derrubar os edifícios como, é possível que
eles tenham desmoronado à velocidade da “gravidade”? A história oficial é que a falha estrutural
induzida pelo incêndio causou o colapso de andar em andar e o desmoronamento, um em cima do
outro, como se fossem camadas de panquecas. Esta “teoria da panqueca”, entretanto, está
seriamente em desacordo com a teoria gravitacional de
Newton.

“Para um andar cair, centenas de juntas tiveram que se


romper quase que simultaneamente sobre 236 colunas
exteriores e 47 colunas de núcleo… Para um edifício de
1.300 pés, (pouco mais de 396 metros) dez segundos
significa uma velocidade de quase queda livre. Mas se
cada andar produziu apenas um pouco de resistência, de
modo que o rompimento de cada um levou meio segundo,
o colapso de todos os andares – 80 ou 95 deles – deveria
ter durado de 40 a 47 segundos. Podemos realmente
acreditar que as partes superiores dos edifícios não
encontraram virtualmente nenhuma resistência provindas
das partes mais baixas? O problema seria ainda pior no
caso da Torre Norte, pelo menos se Hufschmid tiver razão
em dizer que esta caiu em oito segundos. Qual seria
exatamente a velocidade de queda livre? ‘e que maneira’, pergunta ele, ‘os detritos poderiam
esmagar 100 pisos de aço e concreto enquanto caiam tão rápido quanto os objetos caem através do
ar?’” - David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade Center Disaster, (Alice no País das
Maravilhas e o Desastre do World Trade Center) p. 152.

Noticiários de tevê, bombeiros, trabalhadores do andar


térreo e outras testemunhas relataram que metais derretidos
haviam fluido para fora das janelas antes do colapso e que
uma enorme quantidade de materiais coletados na área do
porão permaneceram em forma fundida por mais de 5
semanas. Para o fogo gerar aço fundido, ele deve estar
inquestionavelmente a mais de 2800 graus Fahrenheit,
(pouco mais de 1530 graus Celsius) e combustíveis de
aviões queimam a 1000 graus mais frio do que isso. Steven
Jones, professor de física da BYU, (Brigham Young
University – Universidade de Brigham Young) aponta que a combustão térmica é um processo
usado em demolições controladas que produz metal fundido em altas temperaturas. Em seu artigo,
“Por que, de fato, os Edifícios WTC Desabaram”, Jones escreveu que “foi observado de forma
repetida, bem como relatado formalmente a existência de metal derretido nas pilhas de escombros
das Torres WTC e do WTC 7, metal que parecia aço fundido ou ferro, talvez … Eu sustento que
estas observações são consistentes com o uso de cargas de corte de alta temperatura, tais como
thermite, HDX ou RDX ou alguma combinação delas, rotineiramente usadas para derreter, cortar ou
demolir o aço.”

A ideia de que cargas explosivas foram colocadas dentro do edifício é apoiada por literalmente
centenas de testemunhas oculares, gravações sísmicas, filmagens e Isaac Newton. Bombeiros e
dezenas de testemunhas relataram às redes de tevê CNN, ABC, NBC e CBS sobre bombas terem
sido disparadas naquele dia, mas uma vez que Osama bin Laden foi culpado, isso nunca, jamais foi
abordado pelos principais meios de comunicação ou pela Comissão Kean. Teresa Veliz, por
exemplo, estava trabalhando no 47º andar da Torre Norte quando essa foi atingida pelo voo 11. Ela
foi citada como tendo dito que “haviam explosões pra tudo quanto é lugar. Eu estava convencida de
que havia bombas plantadas em todo o lugar e que alguém estava sentado em um painel de controle
empurrando botões detonadores. Houve outra explosão e outra; eu não sabia para onde correr.” Ao
vivo no canal ABC no momento em que uma das torres veio abaixo, Peter Jennings comentou,
“Qualquer um que já assistiu um edifício que está sendo demolido de propósito sabe que se isso for
o caso deve-se ir até o alicerce abaixo do edifício e derrubá-lo.” Depois que o edifício 7 veio
abaixo, Dan Rather ao vivo no canal CBS News disse: “Pela terceira vez hoje, vem à lembrança as
imagens mostradas na televisão antes, no momento que um edifício foi deliberadamente destruído
por dinamites posicionadas estrategicamente para derrubá-lo.” Um dos bombeiros da segunda torre,
Louie Cacchioli, disse a People Weekly: “eu estava levando bombeiros no elevador até o 24º andar
para que estes conseguissem evacuar os trabalhadores. Na última viagem, uma bomba explodiu.
Achávamos que haviam bombas no prédio.” William Rodriguez, zelador do primeiro subsolo do
World Trade Center, testemunhou que bombas explodiram no porão vários segundos antes que os
aviões chegassem aos edifícios! Seu testemunho foi ignorado pelo relatório da Comissão do 11 de
setembro.

Também os dados sismográficos de um observatório


próximo registraram dois picos de 2,1 e 2,3 na escala Richter
no instante em que os colapsos começaram. Isso também
indica o uso de cargas explosivas, porque se as torres
simplesmente se “enpanquecaram” para baixo, os picos
sismográficos teriam ocorrido quando os detritos maciços
atingissem ao chão, e não no início do colapso. No total, o
número de pessoas que afirmam terem visto, ouvido,
detectado ou suspeitado de bombas nos edifícios é
surpreendente. Acrescente a isso a evidência visual da
filmagem do colapso, em que os especialistas em
demolições chamaram atenção a “petardos” característicos
de implosões controladas. “Petardos” são as cargas que se disparam prematuramente abaixo da
linha da detonação enquanto os edifícios estão vindo a baixo. Se você colocar as cenas do colapso
das torres gêmeas em câmera lenta você vai notar dezenas de “petardos” estourando antes do tempo.

Outro grande item de evidência massiva omitido de toda menção pela Comissão Kean, foi o terceiro
edifício que desmoronou em 11 de setembro – O WTC 7. (O edifício 7 do World trade Center) Este
edifício de 47 andares abrigava escritórios da CIA, DOD, IRS e do Serviço Secreto, bem como o
bunker (abrigo) de emergência do então prefeito Rudy Giuliani e uma grande base de dados da
SEC, (Securities and Exchange Commission – sigla em inglês para Comissão de Segurança e
Câmbio) com mais de 3.000 arquivos de investigações de Wall Street, pendentes.Às 17h20, o
edifício 7, de forma isolada desabou simetricamente em não mais do que seis segundos. Este
edifício não foi atingido por um avião, sofreu apenas danos estruturais menores, e tinha focos
isolados de incêndio em alguns andares. Além disso, os especialistas em demolições identificaram a
“dobra” característica no edifício 7 pouco antes de ser derrubada. Trata-se da torção onde o edifício
começa a dobrar para dentro depois que as vigas de apoio central são fundidas. No procedimento
padrão para implosões, puxam a infraestrutura do meio primeiro e deixam os pisos dobrarem-se um
no outro, em vez de deslocarem perigosamente os detritos para fora.

Somado a isso, em setembro de 2002,


o proprietário do complexo do WTC,
Larry Silverstein, admitiu
acidentalmente em uma entrevista:
“Lembro-me de ter recebido uma
chamada do comandante do
departamento de bombeiros, dizendo
que eles não tinham certeza de que
puderiam conter o incêndio. Eu disse: ‘Tivemos uma perda terrível de vidas, talvez a coisa mais
inteligente a fazer é a sua remoção.’ E eles tomaram a decisão de remover e assistimos ao colapso
do edifício.” Desde que deixou isso escapar na entrevista Silverstein tentou explicar sua declaração
dizendo que ele queria dizer “remover os bombeiros para fora”, e não “remover o prédio para
baixo”. Mas o fato em questão é que ele disse “remoção” um termo comum em demolições, não
“remover” (eles) referindo-se aos bombeiros. Mais tarde, no mesmo documentário, antes da
demolição controlada do edifício WTC 6, um funcionário de limpeza diz mesmo, “estamos nos
preparando para remover o prédio seis”. É um jargão típico usado quando o intento é o de implodir
um edifício.

Em outra reviravolta interessante, a BBC News


britânica realmente noticiou o colapso do edifício 7 às
16:57 – 23 minutos antes de acontecer! A medida que a
jornalista narra o desmoronamento do edifício 7, o
mesmo pode ser visto ainda em pé acima do seu ombro
esquerdo. A CNN também pasou um relatório
semelhante uma hora antes do desmoronamento WTC 7,
dizendo “estamos recebendo informações agora que um
dos outros edifícios; O edifício 7 … ou entrou em
colapso ou está desmoronando.” Alguém mais quer
saber sobre a fonte de informações da CNN e da BBC?

A poucos quilômetros de distância em Arlington,


Virgínia, a história oficial afirma que o voo 77 da
American Airlines foi sequestrado e caiu na lateral do
Pentágono às 9:38 da manhã. Nos minutos que
precederam, o avião supostamente executou uma curva
bancada altamente profissional de 330 graus descendo
7.000 pés (pouco mais de 2130 metros) em 3 minutos a
mais de 500 mph. (pouco mais de 800 Km/h) Muitos
pilotos são mostrados em gravações afirmando que isso é absolutamente impossível; inclusive Russ
Wittenburg, piloto comercial e da Força Aérea disse ao Wing TV Show, que “o [Voo 77] não
poderia ter voado na velocidade que eles disseram que voou sem entrar em uma elevada perda de
velocidade. O avião não vai tão rápido quando você começar a puxar as manobras de acelerações
elevadas. Aquele avião teria caído do céu.” Assumindo que um sequestrador realmente conseguiu
esta manobra impossível, ao fazê-la, ele desviou estupidamente o avião de seções importantes que
abrigam o Estado-Maior e o escritório de Donald Rumsfeld, (o então Secretário de Defesa dos
Estados Unidos) para uma parte do Pentágono, recentemente renovada e sem importância.

À medida que as equipes de notícias


chegavam ao local, as primeiras imagens do
Pentágono não mostravam marcas no
gramado, nem corpos, nem sangue, nem
fragmentos significativos – apenas um
pequeno buraco de 20 pés (pouco mais de 6
metros) na parede proveniente de uma
combustão lenta. Depois que passaram a ser
ouvidos relatos de explosões secundárias e do
desabamento do teto, o buraco se alargou
marginalmente, mas, mesmo assim, permaneceu muito pequeno para explicar um Boeing 757 de
155 pés (pouco mais de 47,24 metros) de comprimento, 44 pés (pouco mais de 13,41 metros) de
altura, 124 pés (pouco mais de 37,79 metros) de largura e 100 toneladas. Pequenos restos de avião
foram encontrados dentro e no gramado, mas a maioria era pequena o suficiente para ser carregada
com as mãos. Não havia motores de titânio, nenhum trem de pouso indestrutível, nenhuma peça da
asa maior, fuselagem ou seções da cauda em qualquer lugar para ser encontrado. Também não havia
corpos nem sangue em qualquer lugar, mas especialistas supostamente forenses foram capazes de
identificar positivamente 184 dos 187 passageiros através do trabalho de DNA. 80 câmeras de
vigilância estavam observando o ponto de impacto no Pentágono, incluindo câmeras de segurança
no hotel e posto de gasolina, mas funcionários disseram que os agentes do FBI chegaram em poucos
minutos para confiscar as suas fitas. Todas as 80 fitas foram retidas do olhar público por “razões de
segurança nacional”, exceto 5 imagens que liberaram, que mostram a explosão, mas nenhum avião.

A história oficial diz que o 4º


avião, o vôo 93, caiu em
Shanksville, Pensilvânia,
depois de um motim de
passageiros a bordo.
Testemunhas em Shanksville
estimaram que o buraco tinha
cerca de 20 pés (pouco mais de
6 metros) de comprimento por
15 pés de largura. (pouco mais de 4,5 metros) Eles disseram na FOX News que realmente não havia
fumaça, nem fogo, nem destroços de avião, nem motores de titânio, trem de pouso indestrutível,
partes do corpo e da asa e da cauda e, novamente, sem sangue ou corpos. Wally Miller, o legista do
condado de Somerset na cena [do sinistro] disse, “parecia que alguém simplesmente deixou cair um
monte de metal do céu … como quando alguém pega um caminhão de sucata, cava uma vala de 10
pés e joga todo esse lixo nela … Eu parei com o meu trabalho de legista depois de cerca de 20
minutos porque não havia corpos lá.” Esta foi a segunda vez na história
que um avião comercial cheio de passageiros caiu e foi obliterado do
nada, e todos os destroços e corpos desapareceram. A primeira vez foi
mais cedo naquela manhã no Pentágono.

A desculpa oficial do governo para permitir que os ataques ocorressem


era a ignorância. A assessora de Segurança Nacional, Condoleezza
Rice, disse: “Eu não acho que alguém poderia ter previsto que essas
pessoas tomariam um avião e o jogariam no World Trade Center”. O
presidente Bush disse que sua primeira reação ao ver que um avião havia atingido a torre foi “esse
é um péssimo piloto”. Bush estava ocupado com uma sessão de fotos na escola primária naquela
manhã; mesmo quando seu conselheiro lhe falou do segundo avião batendo nas torres, ele se sentou
lendo My Pet Goat (Minha Cabra de Estimação) por mais 8 minutos.

“O presidente teria dito ao diretor da escola: ‘um avião comercial


atingiu o World Trade Center e nós vamos em frente …
prosseguindo com as leituras.’ Os críticos acham isso incrível. Se os
sequestros tivessem sido ocorrências imprevistas, conforme havia
sido indicado, com um dos aviões sequestrados tendo já completado
sua missão terrorista, o país estava sofrendo o pior ataque terrorista
de sua história. E, no entanto, o seu Comandante Supremo, em vez
de ter certeza de que suas forças armadas estavam preparadas para
derrubar todos os aviões sequestrados, adere a sua programação
planejada. Neste flagrante oportuno, mostrado acima, o presidente
da atenção a alunos de segundo grau ao passo que lê um livro sobre
uma cabra de estimação. Depois que Bush estava na sala de aula por
alguns minutos, o seu chefe de gabinete, Andrew Card, entrou e
sussurrou no seu ouvido, informando-o sobre o segundo ataque. Mas
o presidente, depois de uma breve pausa, fez com que as crianças prosseguissem com a
demonstração de leitura.” - David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade Center
Disaster. (Alice no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center)

É possível que Bush, Rice, Rumsfeld e amigos tenham realmente ignorado aos ataques do 11 de
Setembro? Dê uma olhada neste cronograma de eventos que antecederam o 11 de setembro e decida
por si mesmo.

Para começar, a maioria das pessoas não sabe que as famílias de


Bush e de Bin Laden possuem laços de amizade e de
companheirismo há muito tempo. Em 1976, o irmão mais velho
de Osama, Salim bin Laden, investiu US $50.000 na Arbusto
Energy Company, de George. W. Bush que estava apenas no seu
início. Eles se conheceram por meio de um colega de CIA e
amigo da família Bush, Jim Bath, que lidou com todos os
investimentos americanos da família bin Laden. No final dos
anos 1970, Bush e Bin Laden já possuíam companhias
petrolíferas e aeroportos juntos. Larry Klayman, presidente da
Judicial Watch, entre outros, confirmou que a família Bush também passa férias com a família de
Bin Laden e geralmente fica em sua casa quando estão na Arábia Saudita.

“Quantos sabem que a família Bush e a família Bin Laden têm tido extrema ligação? Ou que o ex-
chefe da empresa da família, Salem bin Laden, irmão de Osama, investiu na primeira empresa
petrolífera do presidente Bush? Ou que um investidor em uma futura empresa de Bush tenha sido
Khalid bin Mahfouz, um associado de Bin Laden, que foi denominado pelo Departamento de
Estado dos EUA durante o governo Clinton como um financiador da rede terrorista da Al-Qaeda?
Ou que a Al-Qaeda foi financiada pela CIA durante a ocupação soviética do Afeganistão? Ou que os
sistemas de túnel da ‘al-Qaeda’ no Afeganistão foram construídos pela Bin Laden Construction com
o dinheiro da CIA, canalizado através da inteligência militar do Paquistão, o ISI, que é a filial da
CIA no Paquistão?” - David Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do CircuitoTemporal)
Desde o final da década de 1980, Bush e Bin Laden também trabalharam
juntos no Carlyle Group, a maior empresa do tipo “ativo privado” de
Washington DC, que atua nas indústrias aeroespacial e de defesa,
automotiva, de consumidor e varejo, bem como de energia e força, saúde,
imóveis, tecnologia, telecomunicações e Mídia, assim como de
transporte. Em 1998 e 2000, George Bush pai viajou para a Arábia
Saudita como representante do Grupo Carlyle e se encontrou com a
família Bin Laden. Então, na manhã de 11 de setembro, enquanto os
aviões se dirigiam para as torres, George Bush pai realmente se sentou no
hotel Ritz-Carlton de Washington em uma reunião do grupo Carlyle com
o irmão de Osama, Shafig bin Laden! O jornal The London Observer
informou sobre esse ocorrido em sua edição de 22 de junho de 2002, ao escrever: “No dia 11 de
setembro, enquanto os aviões da Al-Qaeda caíram contra o World Trade Center e o Pentágono, o
Grupo Carlyle organizou uma conferência em um hotel em Washington. Entre os convidados de
honra havia um valioso investidor: Shafig bin Laden, irmão de Osama.” O Wall Street Journal
solicitou mais tarde a Bush pai para que esse renunciasse ao grupo Carlyle. Ele nunca o fez, mas por
medo de má publicidade, a família bin Laden vendeu seus investimentos para a empresa em outubro
de 2001. Eles foram à TV nacional chamando Osama de ovelha negra da família, efetivamente
rejeitando e lavando as suas mãos da responsabilidade por ele. Atualmente a Bin Laden
Construction (Bin Laden Construção) ainda constrói a maioria das bases militares dos Estados
Unidos no Oriente Médio, Norte da África e Ásia Central, incluindo as bases no Iraque.

“O Carlyle Group possui também ligações muito estreitas


com a família bin Laden, dos quais foram clientes e
investidores. Bush pai foi um consultor pago do Grupo Bin
Laden. Relatórios no Wall Street Journal dizem que esses
investimentos da Carlyle estão dando lucros para a família
Bin Laden de cerca de 40% ao ano em dinheiro desde 1995.”
- David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade
Center Disaster. (Alice no País das Maravilhas e o Desastre
do World Trade Center) p. 83.

“O grupo Carlyle é o contratante mor da área de defesa no planeta e os proprietários majoritários


são a família de Bush e a família de bin Laden. Ambas as famílias estão lucrando centenas de
bilhões de dólares fora da política externa da América e os lucros da Carlyle continuam a aumentar
desde o 11 de setembro.” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

Osama bin Laden foi o 17º de 52 filhos do barão da construção Mohammed bin Laden. Em 1979, a
CIA pagou a Osama para recrutar e treinar combatentes da Al-Qaeda. Quando Bush se tornou
diretor da CIA na década de 1980, eles recrutaram Osama, a Al-Qaeda e os talibãs no Afeganistão
para administrar o seu comércio de ópio. Tudo mudou, no
entanto, em 04 de dezembro de 1997, quando os barões do
petróleo americano ofereceram uma parte do Oleoduto do
Afeganistão para o Taliban que recusou a aceitar depois de ter
exigido uma quota muito grande. Uma manchete da BBC
daquele dia dizia: “Representantes do Talibã estão no Texas em
visita à sede da Unicol”. O oleoduto proposto deveria ser
construído pela Halliburton, cujo CEO na época era nada menos
que Dick Cheney. Pouco depois, a mídia começou a rotular os
talibãs como terroristas.
Em 1999 o NORAD (North American Aerospace Defense Command – Comando de Defesa
Aeroespacial da América do Norte) realizou exercícios em que aviões sequestrados foram usados
como armas para colidirem contra alvos, um dos quais sendo o World Trade Center. Num artigo do
USA Today de 18 de março de 2004, lemos: “Nos dois anos antes dos ataques de 11 de setembro, o
Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte realizou exercícios simulando o que a Casa
Branca diz que era inimaginável na época: aviões sequestrados usados como armas para colidirem
contra alvos e causar mortes em massa. Um dos alvos imaginados era o World Trade Center.”

Em setembro de 2000, a obra Rebuilding America’s Defenses (Reconstruindo as Defesas da


América) foi publicado por Dick Cheney, Donald Rumsfeld, Paul Wolfowitz, Jeb Bush e outros à
partir do Project for a New American Century (Projeto para o Novo Século Americano). Nela foram
mencionados os seus planos para o Oriente Médio de cujo “processo de transformação, mesmo que
traga mudanças revolucionárias, provavelmente será longo, sem nenhum evento catastrófico e
catalisador - como, por exemplo, um novo Pearl Harbor.”

Realizado em 24 de outubro de 2000, o MASCAL (Projeto de acidente de massa do Pentágono) foi


um exercício de treinamento do Pentágono que simulou um Boeing 757 caindo no edifício. Em
1989, Charles Burlingame, ex-piloto de F-4 da Marinha que trabalhou no Pentágono durante 17
anos, também participou de uma versão anterior do MASCAL que realizava simulações de colisões
de aviões com o Pentágono. Burlingame aposentou-se da marinha e passou a trabalhar na empresa
American Airlines. Doze anos depois, no dia 11 de setembro, não foi outro senão o voo 77 da
Boeing 757 de Charles Burlingame que supostamente foi sequestrado e caiu no Pentágono.

Em janeiro de 2001, o subdiretor do FBI, John O'Neill, tornou público que o governo Bush (e
Clinton) havia ordenado ao FBI que recuasse nas investigações a respeito de Bin Laden e da Al-
Qaeda.

“A próxima peça de evidência que você está


prestes a ler é a prova mais concreta de todas.
O presidente George W. Bush assinou a ordem
secreta de segurança nacional No. W199-eye,
avisando aos agentes do FBI, bem como aos
oficiais de inteligência defensiva que se eles
tentassem deter a Al-Qaeda eles seriam presos
sob implicações de segurança nacional …
Este segredo, devido ao vazamento do
documento apareceu em muitas publicações,
incluindo a BBC News Online, a Agência
France-Press, e o London Guardian. Foram
arquivadas as ações de agentes do FBI que se
sentiram ultrajados pelo fato de não terem sido autorizados a deter a Al-Qaeda. O sindicato global
do crime para o qual George W. Bush e sua família
trabalham obteve um imenso lucro com os ataques de 11
de setembro: um cartão de identificação nacional, uma
rede de controle nacional e uma sociedade sem numerário.
Isso já é de domínio público. George W. Bush assinou os
documentos ameaçando a inteligência defensiva e os
agentes do FBI com prisão se eles detivessem a Al-Qaeda.
Esta é a mais absoluta traição, sim, a coisa mais traiçoeira
que ele poderia ter feito.” - Alex Jones, em 911 Decent
into Tyranny (911 – Descida na Tirania)
O diretor do FBI, John O’Neill, ficou tão furioso que pediu demissão depois que a administração
Bush bloqueou sua investigação sobre Osama bin Laden. Ele foi então “generosamente” agraciado
com um cargo no setor privado, trabalhando como chefe de segurança da Kroll. Marvin Bush era
diretor da Securacom ou Kroll que forneceu segurança eletrônica para o World Trade Center, para a
United Airlines e para o aeroporto de Dulles – todos os três estiveram envolvidos nos ataques de 11
de setembro. O cargo de chefe da segurança oferecido ao Sr. O’Neill era para o World Trade Center.
Sua primeira semana de trabalho foi na semana de 11 de setembro de 2001.

“O programa ‘American Morning (Manhã Americana) com Paula Zahn’ da CNN relatou que o
diretor adjunto John O'Neill do FBI renunciou porque achou que a administração do governo dos
Estados Unidos havia obstruído o FBI em suas tentativas de deter a Al-Qaeda. (manchete desse
programa da CNN, de 8 de janeiro de 2002, com o tema ‘Livro Novo Explosivo Publicado Na
França Alega que os EUA Estavam em Negociações para Fazer um Acordo com o Talibã’) O
programa passou a informar que Bush assinou a ordem W199-eye, para restringir a investigação.
Novamente, isso é alta traição, sendo um fato absolutamente comprovado. George W. Bush assinou
este documento relatado publicamente. A BBC tem uma cópia dele. O conjunto de provas é
conclusivo. George W. Bush é um parceiro íntimo de Bin Laden e um traidor da América … Já
falamos sobre o diretor adjunto do FBI, John O’Neill ter renunciado porque George Bush assinou a
ordem proibindo-o de deter a Al-Qaeda. Por que ele não foi a público agora? O Sr. O’Neill está
morto. Seu novo cargo era o de chefe de segurança do complexo do World Trade Center e ele
morreu no colapso de 11 de setembro, em seu primeiro dia de trabalho.” - Alex Jones, em 911
Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

Antes em 1996 e 1998, os sudaneses tentaram duas vezes prender Bin Laden, mas Clinton também
ordenou sua libertação. Isso foi relatado no Los Angeles Times, no London Times, no diario
WorldNet, e no Village Voice e em outras fontes tradicionais.

“A verdade é que a Agência Central de Inteligência, controlada por Wall Street, prepararam Bin
Laden e sua família nos últimos cinquenta anos para realizar projetos perigosos no Oriente Médio,
na Ásia Central e no Norte da África. Antes em 1996, de acordo com o Times of India, a CIA
trabalhou em conjunto com o Paquistão para criar o Talibã. (Times of India, 7 de março de 2001: ‘A
CIA Trabalhou em Conjunto com Pak para Criar Taliban’) Então, em 1998, quando os afegãos se
ofereceram para prender Bin Laden, a CIA respondeu dizendo publicamente para que não fizessem
isso. Eles precisavam deste bicho-papão para uma ação de maior vulto. (Washington Post, 29 de
outubro de 2001: ‘Diplomatas reúnem-se com Taliban para Falar a Respeito de Bin Laden – Alguns
Contentes que os EUA Perderam a Chance’ Com tudo isso, a família de Bin Laden estava sendo
recompensada com grandes negócios de empresas por satélite, fusões de companhias de petróleo e
alguns dos maiores projetos de construção do mundo.” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny
(911 - Descida na Tirania)

Em maio de 2001, o governo Bush deu US $43 milhões em ajuda aos


talibãs. Em junho a inteligência alemã, o BND advertiu a CIA que “os
terroristas do Oriente Médio estão planejando sequestrar as companhias
aéreas comerciais para usar como armas para atacar a América”. Em julho,
George J. Tenet, diretor da CIA advertiu a Condoleezza Rice, Conselheira
de Segurança Nacional, sobre o iminente ataque da Al-Qaeda, mas “não
conseguiu convencê-la a agir”. Em 4 de julho de 2001, Osama bin Laden,
desejado desde 1999, estava em diálise em um hospital americano em
Dubai, onde foi visitado pelo chefe local da CIA.

“Pouco depois de 11 de setembro, apresentaram-se testemunhas


documentando oficialmente o fato que Bin Laden se reuniu com o Chefe
de seção da CIA durante dez dias em Dubai, no hospital americano. A inteligência francesa estava
tão chateada com o que eles haviam descoberto que eles publicaram propositadamente reportagens
antes de 11 de setembro advertindo especificamente que Bin Laden estava planejando sequestrar
aviões e levá-los para edifícios altos no centro de Manhattan, bem como para o Pentágono. (‘This Is
London’, 31 de outubro de 2001: ‘Agente da CIA se Encontrou com Bin Laden em Julho’,
Ananova, 31 de outubro de 2001, ‘Bin Laden se Encontrou com um Agente da CIA Antes de
Ataques Terroristas’, Le Figaro, 31 de outubro de 2001, ‘A CIA teria se reunido com bin Laden em
Julho’)” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 - Descida na Tirania)

Em 24 de julho, o proprietário do World Trade Center, Larry Silverstein, adquiriu uma apólice de
seguro de US $ 3,5 bilhões para todo o complexo que especificamente tratava de atos de terrorismo.
Em 6 de agosto, o próprio memorando de resumo diário do presidente Bush intitulava-se “Bin
Laden Determinado a Atacar nos Estados Unidos”. Também em agosto o FBI prendeu um militante
muçulmano ligado a bin Laden em Boston. A inteligência francesa confirmou a conexão e o FBI
descobriu que ele estava tendo aulas de voo e que possuía aeronaves Boeing e manuais de
treinamento de voo. Mais tarde, em agosto, o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou que os
serviços secretos russos alertassem o governo dos Estados Unidos sobre os ataques iminentes a
aeroportos e edifícios governamentais. Putin declarou mais tarde: “Eu ordenei a minha inteligência
para avisar o presidente Bush nos termos mais fortes de que 25 terroristas estavam se preparando
para atacar os EUA, incluindo importantes edifícios governamentais como o Pentágono”. O chefe
da inteligência russa disse ao próprio Putin, “nós claramente os advertimos [os EUA] em várias
ocasiões”. A agência de inteligência israelense MOSSAD também se reuniu com a CIA em agosto
tendo em vista os ataques previstos para o 11 de Setembro.

“O presidente egípcio Hosni Mubarak declarou que deu aos Estados Unidos avisos específicos de
que algo grande aconteceria em Nova Iorque 12 dias antes do 11 de setembro. Em uma entrevista
em dezembro de 2001, ele afirmou: ‘Esperávamos que algo acontecesse e informamos isso aos
americanos. Nós contamos a eles.’ Outros avisos dados pela Rússia, por Israel, pela Alemanha e
pela França foram ignorados. Em 14 de setembro de 2001, o serviço de notícias Ananova informou
que a polícia alemã confirmou que um deportado iraniano havia ligado para as agências de polícia
dos EUA, incluindo o Serviço Secreto, sobre o ataque iminente ao World Trade Center. Um mês
antes dos ataques, a inteligência de Israel alertou a inteligência dos EUA sobre os planos da Al-
Qaeda de atacar alvos altamente visíveis como o Pentágono, o World Trade Center, a Casa Branca e
a sede da CIA. A doutora Tatyana Koryagina, uma das principais economistas russas do círculo
íntimo de Vladimir Putin, em entrevista ao Pravda em 12 de julho de 2001, afirmou que a América
era um iceberg financeiro gigante e que um grupo privado de US $ 300 trilhões que trabalhava para
o governo mundial lançaria um ataque sobre o sistema financeiro dos EUA. Durante esta entrevista,
ela também afirmou que o ataque viria nos próximos meses.” - Alex Jones, em 911 Decent into
Tyranny. (911 – Descida na Tirania)

“Um ouvinte anônimo de uma estação de rádio


das Ilhas Cayman escreveu uma carta duas
semanas antes do ataque, que foi repassada a
um oficial do governo das Cayman. A carta
dizia que os agentes de Osama bin Laden
haviam entrado nos Estados Unidos e estavam
prestes a realizar um ataque por meio de uma
companhia aérea ou de companhias aéreas.” -
Paul Joseph Watson, Order Out of Chaos,
(Ordem Fora do Caos) pp. 80-1.
Apenas uma semana antes do 11 de setembro, os ocupantes do WTC, a Zim Israeli Shipping
Company, encerraram seu contrato de locação, fizeram as malas e se mudaram para fora depois de
pagarem uma multa de US $ 50 mil por quebra de contrato. Em seguida, em 6 de setembro, houve
uma quantidade quatro vezes maior que o normal de put-options (apostas para baixas) com relação
às ações da United Airlines. No dia seguinte, mais de 5 vezes o volume habitual desse tipo de
aposta foi feito em relação às ações da Boeing. E no dia 10 de setembro, a American Airlines teve
quase 11 vezes mais que a média diária dessas apostas. Nenhuma outra companhia aérea mostrou
tais anomalias. O Diretor Executivo da CIA
"Buzzy" Krongard foi envolvido junto com
algumas outras empresas de investimento
relacionadas à CIA como sendo aquele que
colocou as opções de venda da UA, (United
Airlines) mas, até agora, não foram feitas mais
investigações.

“A Newsweek informou duas vezes que altos


funcionários do Pentágono receberam um aviso
do ataque iminente em 10 de setembro e
cancelaram seus voos para o dia seguinte. Isso
confirma que esses funcionários sabiam tanto
sobre as localizações do ataque iminente quanto
sobre o método de usar jatos como bombas.” -
Paul Joseph Watson, Order Out of Chaos, (Ordem Fora do Caos) p. 87.

Não só um grupo de altos funcionários do Pentágono cancelou seus voos de 11 de setembro, como
também o prefeito Willie Brown, o autor Salmon Rushdie e o procurador-geral John Ashcroft
disseram que foram especificamente avisados para não voarem. Nenhum deles vai divulgar as
fontes, mas Brown disse que foi avisado por uma agência federal não especificada, Rushdie foi
temporariamente proibido pela FAA (Federal Aviation Administration - Administração Federal de
Aviação) e Ashcroft citou uma avaliação de ameaça do FBI, dizendo que ele havia sido aconselhado
a viajar apenas por jato particular durante o restante de seu mandato.

Durante uma entrevista à CBS com Dan Rather, Tom Kennedy, um porta-voz da Equipe Nacional
de Pesquisa e Resgate Urbano da FEMA, deixou escapar que eles foram enviados para Nova York
em 10 de setembro! Tom Kennedy disse a Dan Rather: “Nós somos atualmente uma das primeiras
equipes que foram desdobradas para apoiar a cidade de Nova York neste desastre. Chegamos na
noite de segunda-feira e fomos direto para a ação na terça-feira de manhã.”

“A Agência Nacional de Segurança interceptou duas mensagens em 10 de setembro indicando que


um evento significativo deveria ocorrer no dia
seguinte. As mensagens eram em árabe e
diziam: ‘amanhã é a hora zero’ e ‘a partida
começa amanhã’. A maioria das comunicações
aconteceu entre Khalid Shaikh, um dos
principais planejadores do 11 de setembro, e
Mohammed Atta, o sequestrador principal. As
interceptações da NSA também detectaram
vários telefonemas de Abu Zubaida, chefe de
operações de Bin Laden, para os Estados
Unidos. Mais de trinta mensagens foram
recebidas pela NSA de maio a setembro,
indicando um ataque iminente.” - Paul Joseph Watson, Order Out of Chaos, (Ordem Fora do Caos)
p. 87.

Inacreditavelmente, com todas essas advertências, relacionamentos, operações secretas e exemplos


de conhecimento antecipado, a administração Bush alegou (e continuou fazendo isso) completa
ignorância a respeito dos ataques de 11 de setembro. Naquela mesma manhã, mais uma vez o
NORAD e a FAA estavam executando exercícios suspeitos. A Operação Vigilant Guardian e a
Northern Vigilance deslocaram aviões de combate entre Nova Iorque e Washigton DC a centenas
de quilômetros de distância, onde eles normalmente realizavam exercícios de treinamento
envolvendo aviões sequestrados! O deputado britânico e ministro do gabinete de Blair, Michael
Meacher, disse ao London Guardian: “Suspeitamos que primeiro sequestro ocorreu por volta das
8:20 da manhã, e o último avião sequestrado caiu na Pensilvânia às 10:06 da manhã. Nem um único
avião de caça foi mexido para qualquer investigação por parte da base da Força Aérea dos EUA de
Andrews, a apenas 10 milhas (pouco mais de 16 quilômetros) de Washington DC, até depois que o
terceiro avião atingiu o Pentágono às 9:38 da manhã. Por que não?” A FAA e o NORAD
simplesmente pararam naquela manhã. Em um outo dia qualquer, quando os aviões se desviam da
rota, ações imediatas são tomadas dentro de 10 minutos para se iniciar ligações de comunicação.
Esse é o procedimento padrão e já tinha sido efetuado 67 vezes apenas em 2001. Por que o 11 de
setembro foi diferente?

Ao apresentar provas à Comissão do Congresso sobre o 11 de Setembro, o secretário de


Transportes, Norman Mineta, afirmou que Dick Cheney sabia a respeito do avião que se dirigia ao
Pentágono, “Um jovem entrou e disse ao vice-presidente, ‘o avião está a 50 milhas de distância’, e
depois, ‘o avião está a 30 milhas de distância’. E quando chegou a ‘o avião está a 10 milhas de
distância’, o jovem também perguntou ao vice-presidente, ‘as ordens ainda permanecem?’ E o vice-
presidente virou-se e olhando para os lados, disse: ‘É claro que as ordens ainda permanecem. Ouviu
alguma coisa em contrário?’ Bem, na época eu não sabia o que tudo isso significava.” O
depoimento de Norman Mineta foi ignorado pelo relatório da Comissão Kean.

O ex-especialista em contra-terrorismo da Casa Branca, Richard Clarke, disse à Vanity Fair que nos
dias seguintes ao 11 de setembro, quando todos os voos comerciais foram cancelados, a
administração Bush permitiu que, pelo menos, quatro voos privados com cerca de 140 sauditas,
incluindo mais de 20 membros da família bin Laden escapassem dos EUA sem serem entrevistados
ou interrogados pelo FBI. Não muito tempo depois, soube-se que muitos dos supostos
sequestradores estavam e ainda estão vivos.

“Como é agora bem conhecido, pelo menos oito dos


‘sequestradores suicidas’ do 11 de setembro morreram
antes do evento ou ainda estão vivos. Isso não é algum tipo
de teoria da conspiração da Internet; Isso foi relatado nos
meios de comunicação tradicionais através do mundo.
Além disso, quatro dos cinco chamados sequestradores do
Voo 11 ainda estão vivos e não poderiam ter estado no
avião que atingiu a torre norte. Além do fato de que de
acordo com seus instrutores de escola de voo eles mal
poderiam voar um Cessna, (bimotor) que dirá um Boeing
767.” - Paul Joseph Watson, na obra Order Out of Chaos,
(Ordem Fora do Caos) p. 98.

Foi confirmado que 7 dos supostos sequestradores ainda estão vivos e vivendo bem. Outro já havia
morrido em 2000. A administração Bush e o relatório Kean não têm nada a dizer sobre este assunto.
Além disso, em 15 de setembro de 2001, foi publicado na Newsweek que 5 dos “supostos
sequestradores podem ter tido treinamento em bases dos EUA”. Pouco depois, a revista Pensacola
News Journal confirmou que três dos sequestradores foram treinados no NAS de Pensacola (Base
Aeronaval de Pensacola) em 1999. Nos meses seguintes, descobriu-se que a CIA havia
acompanhado 2 dos sequestradores por 4 anos e realmente ajudou todos os 19 a obterem vistos.

“Veio à tona em maio de 2002 que a Agência Central de


Inteligência tinha oficiais e ativos acompanhando dois dos
sequestradores. A Newsweek publicou a manchete, ‘os
sequestradores que nós deixamos escapar’, relatando o fato de que
a CIA seguiu estes dois homens na Malasia onde tiveram uma
reunião com líderes seniores da Al-Qaeda em 2000. A CIA voou
para fora de Los Angeles seguindo de perto aos idiotas úteis
Nawaf Alhazmi da Al-Qaeda do Paquistão e Khalid Almihdhar.
Ambos participaram do que o FBI chamou de uma cúpula da Al-
Qaeda. O povo americano ficou chocado ao saber que a CIA vinha
seguindo os sequestradores há quatro anos. Mesmo após sua
reunião em 2000 com a liderança da Al-Qaeda, Alhazmi e
Almihdhar foram autorizados a retornar aos Estados Unidos e a se
matricularem em escolas de voo. Relatórios divulgados na BBC e
no Washington Times confirmaram que a CIA pressionou às
embaixadas dos EUA no exterior e o INS a emitir vistos para todos os 19 sequestradores.” - Alex
Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

O governo alega que a mala de Mohammad Atta, o sequestrador principal, não foi acidentalmente
embarcada no voo naquele dia. Dentro da mala, os pesquisadores dizem que encontraram o
Alcorão, um vídeo sobre como pilotar aviões comerciais e um indicador de consumo de
combustível. Na noite anterior, ele também acidentalmente deixou um Alcorão em um clube de
strip-tease da Flórida. Então outro Alcorão e manuais de voo em árabe foram encontrados em seu
carro alugado. Por que ele não pegou um táxi? Se ele era um tal extremista islâmico, prestes a tirar
sua vida por sua religião, por que ele estava em um clube de strip? E por que ele trouxe seu Alcorão
para dentro? Também veio a tona que Mohammad Atta havia recebido uma transferência de
100.000 da CIA, através do ISI.

“Uma das maiores armas para indicar que o ataque


terrorista foi um trabalho interno é a conexão direta
da CIA com os sequestradores por intermédio do
diretor-geral do ISI do Paquistão, Mahmoud Ahmad.
O general Mahmoud Ahmad ordenou a Ahmad Umar
Sheikh que enviasse 100 mil dólares ao sequestrador
principal do 11 de setembro, Mohammad Atta. Em
11 de setembro, Ahmad foi convidado do ex-membro
clandestino da CIA e membro do CFR, o republicano
Porter Goss, bem como do membro do Skull and
Bones e do CFR, Bob Graham. Desde o dia 4 de
setembro, ele havia se reunido com altos executivos
da CIA, do Pentágono e da Casa Branca, incluindo
Colin Powell, Richard Armitage, Joseph Biden e
George Tenet.” - Paul Joseph Watson, Order Out of
Chaos, (Ordem Fora do Caos) p. 93.
Em uma declaração emitida para a Al Jazeera poucos dias após os ataques de 11 de setembro,
Osama bin Laden disse: “O governo dos EUA sempre me culpou por estar atrás de cada [ataque].
Gostaria de garantir ao mundo que não planejei os recentes ataques, que parecem ter sido
planejados por pessoas motivadas por razões pessoais.” Semanas depois, boletins de notícias
japoneses, chineses e indianos confirmaram a morte de Osama; mas depois em 14 de dezembro de
2001, o governo dos EUA apareceu em cena com The Bin Laden Confession Tapes, (As fitas da
confissão de Bin Laden) estrelado por alguém que nos contaram que era Osama bin Laden, mas não
se parecia e nem agia como tal. Sua barba havia mudado de cor, sua pele escurecido e seu rosto
engordado. Ele foi realmente visto assinando um
papel com a mão direita, mesmo sendo Osama bin
Laden um canhoto. Ele reivindicou a
responsabilidade pelos ataques do 11 de setembro e
disse que o fez porque “odeia a nossa liberdade”. Esse
falso Osama ainda está vivo e bem escondido nas
cavernas das mentes das “ovelhas” em todo o mundo.

“Agora o presidente Bush está tentando restringir as


sondagens do Capitol Hill. Esse havia chamado a
Dick Cheney para seis comissões em separado do
Congresso e ele passou a ameaçá-los, dizendo-lhes
para não investigar o 11 de setembro. (Washington
Post, 30 de janeiro de 2002, ‘Bush Procura Restringir
Provas do Hill Sobre o 11 de Setembro’)” - Alex
Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida
na Tirania)

Levou 9 dias até que fosse ordenada uma investigação para o ataque a Pearl Harbor.
Levou 7 dias até que fosse ordenada uma investigação para o assassinato de Kennedy.
Demorou 7 dias até que fosse ordenada uma investigação para o desastre da Challenger.
Demorou 6 dias até que fosse ordenada uma investigação para o naufrágio do Titanic.
Demorou 411 dias até que fosse ordenada uma investigação para os ataques de 11/09.

US $ 75 milhões foram alocados para a investigação do desastre da Challenger de 1986.


US $ 50 milhões foram alocados para a investigação de desastre em Columbia em 2004.
US $ 40 milhões foram alocados para a investigação Clinton-Lewinsky.
Apenas US $ 14 milhões foram alocados para a Comissão do 11 de setembro.

É este o tipo de esforço demonstrado por um governo em apoio a uma investigação completa desses
ataques? Uma vez que o governo finalmente concordou com uma “investigação”, Bush
originalmente nomeou ao criminoso de guerra Henry
Kissinger entre todas as pessoas para liderar a comissão! Isso
por si só deveria ter sido uma bandeira vermelha quanto a
quão “investigativa” seria a caligrafia da comissão. Kissinger
rapidamente renunciou devido à pressão da opinião pública e
o membro do CFR Thomas Kean tomou o seu lugar.

Em junho de 2002, o tenente-coronel Steve Butler, decano da


Escola de Língua de Defesa, em Monterey, Califórnia,
alegando que ele foi forçado a treinar o sequestrador principal
Mohammad Atta, escreveu uma carta ao editor do Monterey
Herald. Ele também escreveu sobre o conhecimento prévio de
Bush e sobre motivo para o ataque, afirmando: “Claro que Bush sabia dos ataques iminentes contra
a América e não fez nada para advertir o povo americano porque precisava desta guerra contra o
terrorismo. Seu pai tinha Saddam e precisava de Osama”. Ele disse que os eventos do 11 de
setembro foram projetados para levar o povo americano a um frenesi que, por sua vez, permitiria ao
governo Bush promover seus objetivos políticos. Depois de fazer essa declaração ele foi suspenso
de suas funções e foram feitas propostas para uma corte marcial nos termos do artigo 88.

“Por que os globalizadores no controle de nossa comunidade de inteligência orquestrariam tal


terror? Logo após os ataques, o índice de aprovação de Bush passou de quarenta e cinco por cento
para noventa e mais por cento. A Lei Patriota dos EUA, que efetivamente eviscerou a Declaração de
Direitos e a Constituição, foi aprovada, ampliando radicalmente o alcance do já colossal complexo
estado policial. A sua sociedade sem numerário, a cidade compacta, a rede de controle está
emergindo em ritmo acelerado, enquanto os americanos fazem passeatas por ‘segurança’.” - Alex
Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

“Na verdade, quase parece haver uma exigência ou admissão no diálogo público para anunciar que
se rejeita as teorias da conspiração. Qual é a lógica por trás desse pensamento? Não pode ser que
literalmente rejeitemos a própria ideia de que as conspirações ocorrem. Todos nós aceitamos teorias
de conspiração de todos os tipos. Aceitamos uma teoria da conspiração sempre que acreditamos que
duas ou mais pessoas conspiraram em segredo para alcançar algum objetivo, como roubar um
banco, defraudar clientes ou fixar preços ... É falso sugerir que aqueles que alegam que os ataques
ocorreram por causa da cumplicidade oficial são ‘teóricos da conspiração’, enquanto aqueles que
aceitam a história oficial não são. As pessoas diferem sobre esta questão meramente em termos de
qual teoria de conspiração eles sustentam ser verdade, ou, pelo menos, mais provável. Segundo o
relato oficial, os ataques do 11 de setembro ocorreram por causa de uma conspiração entre
muçulmanos, sendo Osama bin Laden o principal conspirador. Os revisionistas rejeitam essa teoria,
pelo menos como um relato suficiente do que aconteceu, sustentando que os ataques não podem ser
explicados satisfatoriamente sem postular a conspiração de funcionários do governo dos EUA, pelo
menos em permitir que os ataques tivessem êxito. A escolha, portanto, é simplesmente entre
(alguma versão) da teoria da conspiração recebida e (alguma versão) da teoria da conspiração
revisionista.” - David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade Center Disaster. (Alice no
País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center)

Eles estão além do escopo deste livro, mas basta dizer que as versões “oficiais” de muitos eventos
recentes estão longe da realidade. Ruby Ridge, os bombardeios do Centro de Comércio de 1993, o
massacre de Waco, os atentados a bomba em Madri, os bombardeamentos subterrâneos de Londres
e a maioria dos outros atentados “terroristas” recentes não ocorreram como os principais meios de
comunicação querem que você pense.

Manipulação da mídia

Como poderia uma conspiração em grande escala para controlar a raça


humana ocorrer sem a mídia oficial jamais perceber?

“A propriedade corporativa misturada com membros de sociedades secretas,


muitos dos quais empregados nos meios de comunicação, pode explicar por
que as reuniões Bilderberg, Trilateral e CFR não são relatadas pela mídia ‘cão
de guarda’ dos Estados Unidos. Na verdade, as listas de membros dessas
sociedades são lidas semelhantemente a um quem é quem dos meios de
comunicação de massa.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo Secreto) p. 107.
Os membros passados e presentes das sociedades secretas globalistas Bilderberg, CFR e Comissão
Trilateral encabeçaram os seguintes gigantes da mídia: ABC, CBS, NBC, PBS, CNN, AP, Reuters,
New York Times, New York Post, Washington Post, Washington Times, LA Times, Wall Street
Journal, Newsweek, Business Week, National Review, Time, Life, Look, Fortune, o Reader's
Digest, o US News & World Report, o Atlantic Monthly, o McCall, o World Review, o Scientific
American - até mesmo o Sesame Street, em português Vila Sesamo.
(CTVW)

Muitos jornais e editores de mídia menores também são propriedade da


CFR, por exemplo: Gazette de Arkansas, Des Moines Register, Des
Moines Tribune, Guy Gannett Co.,Houston Post, Minneapolis Star,
Minneapolis Tribune, Denver Post, e Louisville Courier. As editoras de
livros pertencentes ao CFR incluem Macmillan, Random House, Simon & Schuster, McGraw-Hill,
Harper Brothers, Little Brown & Co., Viking Press, IBM Publishing e Printing, Xerox Corp., Yale
University Press, Harper & Row - muitos dos quais se especializam em livros didáticos para
crianças.

“Além disso, os que controlam os conselhos de administração das corporações


que possuem a mídia são membros da sociedade secreta. Alguns dos bem
conhecidos repórteres, âncoras e colunistas que são membros do CFR e / ou da
Comissão Trilateral incluem: Dan Rather, Bill Meyers, CC Collinwood, Diane
Sawyer, David Brinkley, Ted Koppel, Barbara Walters, John Chancellor, Marvin
Kalb, Daniel Schorr, Joseph Kraft, James Reston, Max Frankel, David Halberstram, Harrison
Salisbury, A. Ochs Sulzberger, Sol Linowitz, Nicholas Katzenbach, George Will, Tom Brokaw,
Robert McNeil, David Gergen, Mortimer Zuckerman, Georgie Ann Geyer, Ben J. Wattenberg e
muitos outros. Não é de admirar que tantos pesquisadores percebam a uma conspiração de silêncio
entre esses colegas de mídia.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo Secreto) p. 107.

Os Rothschilds são donos da Associated Press e da Reuters, as duas maiores agências de notícias
do mundo. A Reuters é “a maior agência internacional de notícias multimídia”, e a AP se orgulha de
ser “a espinha dorsal do sistema de informação mundial que serve a milhares de jornais diários,
rádio, televisão e clientes online com cobertura em todas as mídias e notícias em todos os formatos.
É a maior e mais antiga agência de notícias do mundo, servindo como uma fonte de notícias, fotos,
gráficos, áudio e vídeo.”

O controle sobre a internet, as editoras, as gravadoras e as principais


empresas de tevê por cabos pertence à GE, à Time Warner, à Viacom, à
Disney e à Newscorp. Estas são de propriedade direta ou indireta dos
Rockefeller, Rothschilds, Morgans e Oppenheimers, todos esses pertencentes às linhagens dos
Illuminati, sendo que seus conselhos de administração se parecem mais com listas do CFR.

“Olhe para Ted Turner, membro do Conselho de Relações Exteriores


que supostamente assumiu o sistema por meio do seu Cable News
Network. (CNN) Ele a vendeu para a Time Warner, sendo essa uma
das maiores operações feitas pela ‘fraternidade’ no planeta, e a CNN libera a versão oficial hora
após hora, dia após dia … As três redes de televisão dos Estados Unidos, CBS, ABC e NBC são
controladas por membros da rede Mesa Redonda, assim como o Washington Post, o Los Angeles
Times, o New York Times, o Wall Street Journal e uma longa, realmente longa lista de
outros. O mesmo vale para país após país.” - David Icke, em The Biggest Secret, (O
Maior Segredo) p. 272.
“Em vez de três redes de televisão concorrentes chamadas NBC, CBS e ABC, o que realmente
temos é a Rockefeller Broadcasting Company, o Rockefeller Broadcasting System e o Rockefeller
Broadcasting Consortium.” - Gary Allen, em The Rockefeller File. (O Arquivo Rockefeller)

Observe também que a CBS, por exemplo, tem mais de 255 emissoras de rádio
e 200 emissoras afiliadas de tevê em todo o país e a ABC tem mais de 150
emissoras de tevê. A Time Inc. (propriedade de Skull and Bones & CFR) é
proprietária de jornais, revistas, cinemas, editores de livros e mais de trinta
estações de TV. Esses gigantes corporativos possuem todos os nomes principais
na mídia e a maioria dos nomes menores também. À medida que o tempo passa, essas grandes
corporações continuam mesclando, monopolizando e comprando toda a concorrência, de modo que
agora apenas 5 megacorporações, todas controladas pela Irmandade, possuem 90% da mídia.

“Nós sabemos que em um futuro não muito distante, uma meia dúzia de
corporações vão controlar a mídia. Nós demos esse passo (fusão) para
garantir que fôssemos um deles.” - Um porta-voz de AOL e Time Warner.

O maior gigante da mídia dos EUA é a AOL Time Warner. Aqui estão as
participações desta empresa a partir de Dezembro de 2002:

⦁ TV por cabo e satélite: HBO, Cinemax, Time Warner Sports, CNN, Time Warner Cable,
Road Runner, Time Warner Communications, New York City Cable Group, New York 1, Time
Warner Home Theater, Time Warner:Security, Court-TV e Comedy Central. (propriedade
compartilhada com a Viacom).
⦁ Empresas de Televisão e de Filmes: Warner Brothers, WB studios, WB Television,
HannaBarbera Cartoons, Telepictures Production, Witt-Thomas Productions, Castle Rock
Entertainment, Warner Home Video, WB Domestic Pay-TV, WB Domestic TV Distribution, WB
International TV Distribution, The Warner Channel e salas internacionais de cinema WB em 12
países.
⦁ Editoras: Time-Life International Books, Time-Life Education, Time-Life Music, Time Life
Audio Books, Book-of-the-Month Club, Paperback Book Club, History Book Club, Money Book
Club, Home Style Books, Crafter's Choice, One Spirit, Little Brown, Bullfinch Press, Back Bay
Books, Warner Books, Warner Vision, The Mysterious Press, Warner Aspect; Warner Treasures,
Oxmoor House, Leisure Arts, Sunset Books e TW Kids.
⦁ Revistas: Time, Time Asia, Time Atlantic, Time Canada, Time Latin America, Time South
Pacific, Time Money, Time For Kids, Fortune, Life, Sports Illustrated, Women/Sport, International,
For Kids, Inside Stuff, Money, Your Company, Your Future, People, Who Weekly (Australia),
People en Espanol, Teen People, Entertainment Weekly, EW Metro, The Ticket, In Style, Southern
Living, Progressive Farmer; South~Accents, Cooking Light, Travel Leisure, Food & Wine,
Departures, Sky Guide, Vertigo, Paradox, Milestone, Mad Magazine, Parenting, Baby Talk, Baby
on the Way, This Old House, Sunset, Sunset Garden Guide, Health, Hippocrates, Costal Living,
Weight Watchers, Real Simple, President, (Japão) e Dancyu, (Japão) mais outras 80 revistas na Grã-
Bretanha.
⦁ Gravadoras: Atlantic Group, Atlantic Classics, Atlantic Jazz, Atlantic Nashville, Atlantic
Theater, Big Beat, Background, Breaking, Curb, Igloo, Lava, MesajBlueMoon, Modern, Rhino
Records, Elektra, East West, Asylum, Elektra Sire, Warner Brothers Records, Warner Nashville,
Warner Alliance, Warner Resound, Warner Sunset, Reprise, Reprise Nashville, American
Recordings, Giant, Maverick, Revolution, Qwest, Warner Music International, WEA Telegram, East
West ZTT, Coalition, CGO East West, China, Continental, ORO Fast West; Erato, Fazer, Rnlandia,
MCM, Nonesuch, Teldec.
E por último mas não o menos importante: A AOL, o maior provedor de Internet corporativo e
provedor de serviços Internet (ISP) dos Estados Unidos
0
“A AOL Time Warner é seguida em tamanho por Disney, Viacom, Vivendi
Universal e Rupert Murdoch News Corporation. Esta rede domina a
televisão, o cinema e a literatura. Em 1997, os filmes produzidos pelas
quatro maiores empresas cinematográficas, Disney, Warner Brothers,
Paramount (Viacom) e Universal, (Seagram) representaram dois terços do
total de receitas de bilheteria do ano. Em 2003, apenas 20% dos jornais
americanos, mesmo os locais, não eram de propriedade das corporações de
mídia e o mesmo pode ser encontrado em todo o mundo.” - David Icke, na
obra Tales from the Time Loop. (Contos do Circuito Temporal)

A News Corp de Rupert Murdoch domina os mercados


de mídia americano, britânico, asiático e do Oriente
Médio. Ele possui 175 jornais, incluindo The Times de
Londres e New York Post, 100 canais de TV a cabo,
incluindo a Fox e 19 canais esportivos, 9 satélites e 40
redes de TV regulares, 40 editoras e um estúdio de
cinema. Seu império de mídia se estende por 5
continentes, atingindo uma audiência de tevê de 280
milhões na América e 300 milhões na Ásia. Suas
revistas chegam a 28 milhões. Se juntarmos a isso
também todas as outlets, o império de mídia de Murdoch atinge 4,7 bilhões de pessoas; Isso
significa três quartos da população mundial. - Rupert Murdoch: Outfoxed Documentary. (Rupert
Murdoch: Documentário Franqueado)

“Rupert Murdoch é o homem mais perigoso do mundo.” - Ted Turner

“Os meios de comunicação de massa são parte da mesma estrutura de poder que destrona o planeta
e inflige abusos de direitos humanos em grande escala” - David Cromwell.

John Swinton, ex-editor do The New York Times chocou uma plateia de jornalistas durante seu
discurso em um banquete quando ele disse: “Não existe tal coisa na América como uma imprensa
independente. Você e eu, ambos sabemos disso… O negócio do jornalista é destruir a verdade; para
pura e simplesmente mentir, perverter, para vilipendiar, cair aos pés de Mamom (o dinheiro) e
vender seu ‘condado’ e sua raça para ter o seu pão diário. Você sabe disso e eu sei disso e que tolice
é essa, ou seja, brindar uma imprensa independente? Somos as ferramentas e os vassalos para os
homens ricos nos bastidores. Nós somos os ‘marionetes’, eles puxam as cordas e nós dançamos.
Nossos talentos, nossas possibilidades e nossas vidas são de propriedade de outros homens. Somos
prostitutas intelectuais.”

“É fato que a maioria dos editores e jornalistas das equipes da Life,


Look, Time, Newsweek, etc., bem como a maioria dos editores,
repórteres e comentaristas da NBC, CBS e ABC tiram as suas notícias e
pautas editoriais do New York Times. Tecnicamente, é um grande
jornal; mas relata uma boa parte da notícia em conformidade com suas
políticas editoriais. O falecido Arthur Hays Sulzberger, presidente do
conselho do New York Times, era um membro do CFR, e hoje há pelo
menos 11 pessoas em cargos altos no Times que são membros do CFR.
Sulzberger, genro de Orville E. Dryfoos (CFR) sucedeu-o como editor.
O editor atual, Arthur Ochs ‘Punch’ Sulzberger também é do CFR.
Outros membros do CFR no Times são: Harding Bancroft, Vice-Presidente Executivo. James
Reston, vice-presidente e colunista; A. M. Rosenthal, editor gerente; Seymour Topping, editor-
assistente; Max Frankel, editor de domingo; Harrison Salisbury, editor associado; C. L. Sulzberger,
colunista; E David Halberstam, colunista.” - Gary Allen, em The Rockefeller File. (O Arquivo
Rockefeller)

“Em segundo lugar com segundos de diferença para o New York Times na
corrida pelo prestígio esta o Washington Post. Cada senador e deputado,
independentemente do seu partido ou persuasão política, tem o colocado em sua
mesa todas as manhãs. Como o Times, o Post é lido pelas pessoas que contam
em se tratando de pôr o país para funcionar. A proprietária e editora do The Post,
Katharine Graham é do CFR, assim como são os outros editores principais e a
equipe diretiva. Durante anos o Post foi referido como sendo ‘the Uptown Daily
Worker’, ou seja, ‘o trabalhador diário da parte alta da cidade’. O único momento em que o Post se
opôs ao grande governo – foi quando ele havia sido usado para investigar o Comunismo. Quando
isso aconteceu, os membros do Post começam freneticamente a agitar a Constituição e a tagarelar
sobre a ‘liberdade de expressão’- algo que eles suprimem regularmente quando o assunto envolve
oposição ao fascismo-socialismo ou aos Rockefeller.” - Gary Allen, em The Rockefeller File. (O
Arquivo Rockefeller)

A proprietária e editora do Washington Post de 1963 a 2001, Katharine Graham foi membro do
CFR, Comissão Trilateral e Grupo Bilderberg! Em 1988, em um discurso na sede da CIA, ela
declarou sem rodeios sua visão distorcida da democracia quando disse: “Vivemos em um mundo
sujo e perigoso. Há algumas coisas que o público em geral não precisa saber e não deve. Eu acredito
que a democracia floresce quando o governo pode tomar medidas legítimas para manter seus
segredos e quando a imprensa pode decidir se quer imprimir o que sabe”. Mais uma vez mostrando
a mesma filosofia de elite do classismo e da relatividade moral. Eles justificam sua corrupção e
mentira, alegando superioridade mental sobre as massas. Ted Turner, durante uma entrevista
chamou a maioria da humanidade de “comedores inúteis”.

“Eu acho que estamos destruindo as mentes da América e isso tem sido uma das minhas ambições
ao longo da vida.” - John Kricfalusi, criador do Ren e Stimpy Show.

“Os Estados Unidos têm algumas das pessoas mais idiotas do mundo. Quero que saiba que nós
sabemos disso.” - Ted Turner, CEO da AOL / Time Warner.

“Nosso trabalho é dar às pessoas não o que elas querem, mas o que decidimos que elas deveriam
ter.” - Richard Salant, ex-presidente da CBS News

David Rockefeller disse tudo isso na reunião da sua Comissão Trilateral de 1991: “Somos gratos ao
The Washington Post, ao New York Times, à Time Magazine e a outras
grandes publicações cujos diretores compareceram a nossas reuniões e
respeitaram suas promessas de discrição por quase quarenta anos. Seria
impossível para nós o desenvolvimento de nosso plano para a Mundo se
tivéssemos estado sujeitos às luzes brilhantes da publicidade durante
aqueles anos. Mas, o trabalho está agora muito mais sofisticado e
preparado para marchar em direção a um governo mundial. A soberania
supranacional de uma elite intelectual e de banqueiros mundiais
certamente é preferível à autodeterminação nacional praticada nos séculos passados.”
“Eu realmente olho com condolências ao grande corpo de meus concidadãos que, lendo os jornais,
vivem e morrem na convicção que eles souberam alguma
coisa do que aconteceu em seus tempos.” - Thomas Jefferson

Thomas Jefferson sabia, como qualquer historiador, que o


que é divulgado na forma de “notícias e atualidades”
raramente permanece inalterado quando escrito e lembrado
como a história de amanhã. Os jornais apresentam a posição
do “establishment” oficial dos acontecimentos diários, mas
isso muitas vezes não é a verdade, ‘toda a verdade e nada
mas que a verdade’.

O escritor de discurso do presidente Dwight Eisenhower,


Wilson Bryan Key, escreveu um livro chamado The Age of
Manipulation sobre sua experiência escrevendo discursos
presidenciais: “Durante trinta e seis horas sem dormir, três
escritores apareceram com rascunho após rascunho,
revisados por um secretário de imprensa adjunto da Casa
Branca que ofereceu comentários concisos, do tipo: ‘muito específico!’ ‘Facilidade em referências
factuais!’E ‘leve isso de volta e aprimore!’ ‘Melhore isso’, descobrimos eventualmente, significava
evitar todas as declarações claras e factuais sobre qualquer coisa mais clara que o dia ... O discurso
foi discutido à exaustão para obter as reações esperadas da audiência, reforços da opinião e da
atitude, e significados implicados … Alguém levaria a sério a essa a retórica vazia? O discurso foi
lido de modo fluente, mas certamente não disse ‘nadica de nada’. Era precisamente isso que se
pretendia dizer. Durante as entrevistas do público após o discurso, a maioria expressou sua
satisfação com as palavras do grande homem. ‘Dá-lhe Ike!’- ‘já tem meu voto!’ - ‘Gosto da
maneira como ele pensa! Grande discurso!’”

Artigos de jornais também são muito curtos, muitas vezes não dispõem de tempo suficiente para
resolver as complexidades envolvidas em cada questão. Este problema é ainda mais exacerbado
com “notícias” de televisão, onde a maior parte da cobertura é composta por 30 segundos de sound-
bytes*. Além disso, esses artigos e sound-bytes são muitas vezes provenientes de discursos e porta-
vozes no Spin Room. # Eles realmente chamam de sala de spin, onde os repórteres “conseguem o
giro.” Eles saltam com teia de aranha e omitem os registros. Como alguém consegue associar isso
com notícia?
______
*“Um sound-bytes (lit.: mordida de som) é um pequeno clipe de fala ou música extraída de um
pedaço mais longo de áudio, muitas vezes usado para promover ou exemplificar a peça de
comprimento total. No contexto do jornalismo, uma mordida sonora é caracterizada por uma frase
ou sentença curta que capta a essência do que o orador estava tentando dizer e é usada para resumir
informações e atrair o leitor ou o espectador.”- wikipedia.

# “Uma sala de ‘spin’, também conhecida como ‘spin room’ ou ‘spin alley’, é uma área em que os
repórteres podem falar com os participantes do debate e / ou seus representantes após um debate. O
nome refere-se ao fato de que os participantes vão tentar ‘girar’ ou influenciar a percepção do
debate entre os repórteres reunidos. O benefício para os repórteres é que eles conseguem
rapidamente entrevistas em pessoa com os debatedores ou seus representantes, com áudio, vídeo e
fotos. Para um debate presidencial dos Estados Unidos, o número de repórteres na sala de spin pode
chegar aos milhares.” - wikipedia.
______
“A notícia é uma farsa. Como é o caso das instituições financeiras, que estão concentradas nas mãos
de poucos, há muito tempo a mídia foi comprada e paga ... O que você lê e o que você vê todos os
dias é manipulado na maior parte. Você está sendo enganado a cada dia.” - Cristopher Mark, na obra
Grand Deception: The Theft of America and the World, (Grande Decepção: O Roubo da América e
do Mundo) pp.16-17.

Os principais meios de comunicação são abertos, no entanto com muita


frequência mentem por omissão, na supressão da dissidência ou na
dissidência negativa, muitas vezes com editorialização unilateral. Eles
mentem, dando uma cobertura desigual e incompleta. A maioria dos
artigos de notícias informa com precisão o evento, mas devido ao
espaço limitado não pode relatar a história de cada situação. Isto cria
uma “gentalha” quase-informada que é constantemente enganada com
eventos de cada dia; pessoas que se sentem informadas, mas
permanecem confusas e incapazes de juntar as peças da manipulação
conspiratória que controla as suas mentes diariamente.

Outro método de manipulação é a antiga dialética hegeliana – controlar e criar


tanto a tese adequada quanto a antítese para obter o resultado de síntese
desejado. Na esfera corporativa há a Coca-Cola e a Pepsi-Cola , o McDonalds e
o Burger King, etc. criando as falsas dicotomias, as ilusões de escolha. Na esfera
política, as linhagens e sociedades secretas põem membros de ambos os lados
para controlar o espectro. Na mídia não é diferente. Ambas as partes têm usado
por muito tempo os meios de comunicação para construir a percepção de
posições opostas sobre questões-chave, enquanto isso construindo consenso
sobre outras questões não debatidas que são fundamentais para a mudança
social. Isto é verificado no registro oficial do congresso para 1917, quando o congressista
Callawayx relatou o seguinte:

“Em março de 1915, os interesses do JP Morgan, do aço, da construção naval


e do pó, e suas organizações subsidiárias, reuniram 12 homens do mundo dos
jornais e contrataram-nos para selecionar os jornais mais influentes dos
Estados Unidos e suficiente quantidade deles para controlar, em geral, a
política diária da imprensa … Eles descobriram que era apenas necessário
comprar o controle de 25 dos maiores jornais. Chegou-se a um acordo; a
política dos jornais havia sido comprada, sendo remunerada por mês;
forneceu-se um editor para cada jornal para supervisionar e editar
adequadamente as informações relativas às questões de organizações,
militarismo, políticas financeiras e outras coisas de natureza nacional e
internacional consideradas vitais para os interesses dos compradores.” - Oscar Callawayx,
Congresista dos EUA em 1917.

“J. P. Morgan e seus associados financiaram o Partido Republicano, o Partido Democrata, grupos
conservadores, organizações liberais, grupos comunistas e organizações anticomunistas.” - Dr.
Stanley Monteith, na obra Brotherhood of Darkness. (Irmandade das Trevas)

“O argumento de que os dois partidos devem representar ideais e políticas opostas, um talvez da
direita e o outro da esquerda, é uma ideia tola aceitável apenas para os pensadores doutrinários e
acadêmicos. Em vez disso, as duas partes devem ser quase idênticas, de modo que o povo
americano possa ‘escolher os patifes’ em qualquer eleição sem que isso leve a mudanças profundas
ou extremas na política.” - Carroll Quigley, na obra Tragedy and Hope. (Tragédia e Esperança)
Ao criar falsas dicotomias e manter uma ilusão de opostos, é fácil
arrebanhar o pensamento humano, para amortecer uma intuição ou
pensamento lateral. Por exemplo, eles dizem que a extrema esquerda é o
comunismo, e a extrema direita é o fascismo, ambos significando o
controle por parte do governo ditatorial. Então através destas falsas tese e
antítese eles promovem a síntese: a democracia socialista, um aparente
meio termo, que na realidade é apenas mais um sistema de controle
governamental ditatorial. Dá pra encontrar a alguma anarquia em tal
escala? Onde está uma república constitucional, como se supõe que os
Estados Unidos sejam, nessa escala? Não há lugar para ideias não
estabelecidas cujo establishment cria falsas dicotomias que o público têm a percepção de serem
opostos polares. Eles suprimem a dissidência por omissão e promovem ambos os lados da moeda
que possuem.

“Todos os dias em emissoras de televisão de todo o mundo, jornalistas e correspondentes dão aos
telespectadores a versão oficial do evento que estão relatando. ‘As fontes da Casa Branca dizem
isso …, o Primeiro-Ministro diz que …, o FBI diz aquilo …’ Em todo o meu tempo no jornalismo,
não consigo me lembrar de uma única conversa em uma redação que não refletisse a versão oficial
da vida e do mundo. A maioria dos jornalistas não está manipulando, eles são simples e
incrivelmente desinformados e muitas vezes incrivelmente arrogantes. Eles acreditam que se
alguma coisa de magnitude estivesse acontecendo eles saberiam a respeito disso, porque eles são
‘jornalistas’. Na verdade, eles são os últimos a saber.”- David Icke, em The Biggest Secret, (O
Maior Segredo) p. 271.

“Embora os meios de comunicação, obviamente, não


podem ditar como devemos pensar, eles certamente
definem a agenda sobre o que pensaremos. Quem tem
tempo para histórias tediosas de conspirações do governo
e manipulações financeiras quando os jornais e as ondas
de rádio estão cheios de crimes, acidentes e celebridades?
Quem se preocupa em notar quando um ‘noticiário’ de
rede de TV no horário nobre não contém nada além de
notas esportivas?” - Jim Marrs, na obra Alien Agenda,
(Agenda Alien) capítulo 12.

O Sobrinho de Sigmund Freud, conhecido como o


Goebbels ocidental, o mestre da moderna propaganda
americana, Edward Bernays tinha 104 anos quando
morreu em 1995. Em sua época, Edward Bernays trabalhou nos bastidores com muitas corporações
e com o governo para fazer anúncios e propagandas para o público americano com diferentes
padrões de pensamento coletivo. Entre outros, foi assessor principal de William Paley, o fundador
da CBS. Ele escreveu em seu livro de 1928, Propaganda: (Propaganda)

“A manipulação consciente e inteligente de hábitos organizados e opiniões das massas é um


elemento importante em uma sociedade democrática. Aqueles que manipulam este mecanismo
invisível da sociedade constituem um governo invisível que é o verdadeiro poder dominante no
nosso país … Somos governados, nossa mente é moldada, nossos gostos formados, nossas ideias
sugeridas em grande parte por homens de quem nunca ouvimos falar … estamos dominados por um
número relativamente pequeno de pessoas que entendem os processos mentais e os padrões sociais
das massas. São eles que puxam os fios que controlam a mente pública e que aproveitam as forças
sociais e inventam novas maneiras de unir e de guiar o mundo … Permanece um fato em quase
todos os atos de nossas vidas diárias, seja na esfera da política ou do negócio, na nossa conduta
social ou no nosso pensamento ético, a saber, somos dominados por este número relativamente
pequeno de pessoas … À medida que a civilização tornou-se mais complexa e à medida que a
necessidade de um governo invisível tem sido cada vez mais demonstrada, os meios técnicos
através dos quais a opinião pode ser regimentada foram inventados e desenvolvidos.”

“Eu sei o segredo de fazer o americano médio acreditar


em qualquer coisa que eu quero que ele acredite. Deixe-
me controlar a televisão. Os americanos são conectados
aos seus aparelhos de televisão. Nos últimos 30 anos,
eles passaram a ver seus aparelhos de televisão e as
imagens na tela como se fossem realidades. Você coloca
algo na televisão e se torna realidade. Se o mundo fora
da televisão contradiz as imagens, as pessoas começam a
mudar o mundo para torná-lo mais igual às imagens e
aos sons de sua televisão. Porque sua influência é tão
grande, tão penetrante, tornou-se parte de nossas vidas.
Você perde o senso do que está sendo feito com você,
mas sua mente está sendo formada e moldada.” - Hal
Becker, na obra Futures Group Think-Tank Veteran.
(Grupos Futuros de Laboratórios de Ideias Veteranos)

“Esses sujeitos, de ontem para hoje eles percorreram a


um longo caminho e tendo compreendido
completamente a sua psique, eles tiveram gerações,
séculos para estudá-lo. Seu tipo de feitiçaria envolve
diferentes tipos de técnicas, mas o efeito ainda é o
mesmo: Tele-Hipnose, Metacontrastes, Hemisync,
(ondas cerebrais em diversas gamas) Synaesthesia,
(sinestesia) incorporação, novos nomes, novos termos
para uma prática muito antiga e bem conhecida para
você entrar em um tipo de pensamento coletivo, em subserviência, para levá-lo a encarnar divisões
de ideias antagônicas de que não há fim na nossa sociedade, para formar suas lealdades por você,
para implantar associações que sua mente não poderia normalmente associar, para fornecer
escapismo e escapismo desenfreado, bem como a projeção da fantasia na realidade, produzir falsos
personagens, para que você não seja você e viva dentro desses
personagens através da pessoa na tela e da excessiva erotização,
em especial da fêmea.” - Michael Tsarion, na obra The
Subversive Use of Sacred Symbolism in the Media, (O Uso
Subversivo do Simbolismo Sagrado nos Meios de
Comunicação) na Palestra sobre Conspiração – 2003.

A palavra “mídia” vem da Media, um lugar antigo no Oriente


Médio, perto da Líbia. Os medos foram um povo antigo, dotados
de um culto envolto nas mesmas atividades praticadas hoje pela
mídia moderna:

“Na Media os feiticeiros e astrólogos não eram, necessariamente


pessoas negativas, mas uma tribo, um culto muito sectário do
mundo antigo que se especializou no uso de talismãs, amuletos, mantras e feitiçaria. E os reis do
mundo sabiam que se a batalha não tivesse funcionado, ou se os meios legais para se livrar de um
inimigo não tivessem dado certo, ou se você não quisesse que soubessem que você estava se
livrando de seu inimigo, simplesmente chamavam os medos. E você trazia o representante da Media
em sua corte e ele cuidaria do problema porque ele colocaria o feitiço em seu inimigo, o hex,
porque eles sabiam como fazê-lo. E é aí que surgiram os termos Mediterrâneo, mediação,
medicação, os médicos. Estude isso sozinho e todo um assunto interessante se abrirá, porque ainda
temos os feiticeiros e o vodu e a doutora bruxa, nós já temos justamente agora o que chamamos de
tecnica do shamanismo, ou seja, os feiticeiros do Silicone, isto é, os doutores bruxos da Ivory
Tower e eles estão muito ocupados com o que estão fazendo na Madison Avenue (Avenida
Madison) e atrás dos outros grandes gigantes corporativos que estão felizes em nos dizer o que
pensar.” - Michael Tsarion, na obra The Subversive Use of Sacred Symbolism in the Media, (O
Uso Subversivo do Simbolismo Sagrado nos Meios de Comunicação) na Palestra sobre Conspiração
– 2003.

Esses feiticeiros da Media e outros magos idosos muitas vezes


carregavam varinhas mágicas, bem como bastões de madeira para
lançar seus feitiços. Estes eram sempre feitos de apenas um certo tipo
de madeira: azevinho. Hollywood.

“Merlim e os velhos mágicos da Inglaterra celta sempre usavam suas


varinhas mágicas e essas varinhas mágicas eram sempre feitas de
azevinho. E é por isso que hoje ainda temos Hollywood, trabalhando
sua ‘magia’ em nós – nos mostrando nos filmes como ver as coisas, o que devemos pensar, ou
simplesmente nos oferecendo uma diversão de grande sucesso de bilheteria.” - Jordan Maxwell, na
obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

“Então nós até percebemos que aqueles magos dos negócios cinematográficos estão colocando seus
‘feitiços’ sobre nós. Os criadores do cinema sabem tudo sobre libido, sexualidade, desejos e
impulsos dos seres humanos aos quais estão tentando pacificar e controlar. O fato de que os
‘programas’ são chamados dessa forma é fascinante em si mesmo. Programa é o que se coloca em
um computador. Eles veem a mente humana como um computador e têm introduzido os seus
programas todos os dias durante décadas.” - Michael Tsarion, em Astrotheology and Sidereal
Mythology. (Astroteologia e Mitologia Sideral)

Campos Forçados de Doutrinação do Governo

“Estão em andamento planos para substituir a comunidade, a família e


a igreja por propaganda, educação e meios de comunicação de massa
… o Estado se afastará da Igreja, alcançará a Escola … e as pessoas
serão apenas pequenos pedaços de massa humana.” - Edward A. Ross,
na obra Social Control, (Controle Social) escrito em 1901.

“Cada ano, a criança está passando a pertencer mais ao Estado e cada


vez menos aos pais.” -Ellwood Cubberley, na obra Conceptions of Education, (Conceitos de
Educação) de 1909.

Antes de 1852, a educação americana consistia de uma casa com salas de aula, professores
independentes e estudantes de todas as idades que a frequentavam por vontade própria. Os
currículos e o financiamento procedia diretamente das comunidades locais sem uma burocracia
federalizada que governasse cada faceta como hoje. De 1852-1918 as coisas mudaram quando o
governo começou a forçar a imposição de leis de escolaridade obrigatória em toda a América. Estas
vieram acopladas às novas “leis do trabalho de criança” em um esforço para retirar crianças para
fora das fazendas sob a tutela da sua família e colocar a estas de modo forçado em campos de
doutrinação sob a tutela do governo. Estas leis foram recebidas com oposição vigorosa em cada
momento pela população dos EU e a menos que houvesse uma agenda incrivelmente bem suportada
para certificar-se de que tais leis fossem aprovadas, não teriam sido aprovadas. Se fosse
simplesmente uma questão do que realmente queriam as pessoas em cada estado, a questão do
trabalho infantil e as questões de escolaridade obrigatória teriam sido abandonadas assim que
fossem levantadas.

“No início as leis eram opcionais … mais tarde a lei foi estendida a âmbito estadual, mas o período
obrigatório era curto (dez a doze semanas) e os limites de idade baixos, de nove a doze anos. Depois
disso, essa luta conseguiu prolongar o tempo, muitas vezes pouco a pouco … para estender os
limites de idade, para baixo para oito e sete e para cima para quatorze, quinze ou dezesseis; o
objetivo era o de tornar a lei aplicável às crianças que frequentassem escolas particulares e
paroquiais e exigir a cooperação dessas escolas para o tratamento adequado dos casos; também para
instituir a supervisão estadual da execução local; para conectar a execução do comparecimento à
escola com a legislação do trabalho infantil do Estado através de um sistema de permissões de
trabalho.” - Ellwood Cubberley, na obra, Public Education in the United States, (Educação Pública
nos Estados Unidos) de 1919 e 34.

Uma vez que a escolaridade obrigatória federalizada foi empregada em


todo o país, a frequência obrigatória dos 9 aos 12 anos de idade, de 10 a
12 semanas por ano, foi aumentada gradualmente até o ponto em que
atualmente os jovens de 4 anos entram em pré-escolas e os médicos de 26
anos ainda estão sendo doutrinados. Ironicamente os estudantes que
permanecem por mais tempo em suas respectivas instituições, de uma
maneira geral são mais respeitados em suas áreas. Assim, nossos
“especialistas” em Medicina, Ciência, Tecnologia, Filosofia, Economia,
Política etc. são geralmente aqueles que receberam a maior parte da
doutrinação do governo.

“Desde 1900 e devido mais à atividade das pessoas envolvidas com a legislação social e aqueles
interessados em melhorar o bem-estar moral das crianças do que à atividade dos próprios
educadores, houve uma revisão geral das leis de educação obrigatória de nossos Estados e a
promulgação do bem recente estatuto do bem-estar da criança … e do estatuto contra o trabalho
infantil … Essas leis trouxeram para as escolas não apenas os ausentes e os incorrigíveis, que sob
condições anteriores deixaram cedo ou foram expulsos, mas também muitas crianças … sem
aptidão para a aprendizagem literária e muitas crianças de qualidades mentais inferiores sem
perspectivas de tirarem proveito dos procedimentos da sala de aula ordinária … nossas escolas
vieram a abrigar muitas crianças que … se tornando um verdadeiro incômodo na escola, tendem a
desmoralizar o procedimento escolar.” - Ellwood Cubberley, na obra Public Education in the United
States, (Educação Pública nos Estados Unidos) 1919/34.

Na virada do século 20, Cubberley falou de como as crianças com desordem


mental, sem aptidão para a aprendizagem literária, ou de capacidades mentais
inferiores, que “se tornando um verdadeiro incômodo na escola, tendem a
desmoralizar o procedimento escolar.” Na virada do século 21, Bush
continuou empurrando a ideia de No Child Left Behind, (Nenhuma Criança
Deixada Para Trás) o oposto completo, que se expande em especial às custas
de programas dotados e talentosos, bem como promovendo a Outcome-Based
Education – (educação baseada em resultados) uma filosofia educacional
atroz agora sendo promovida – que promove o controle estatal de seus filhos.
Se você acredita no mito de uma babá estado benevolente que se empenha
com seus melhores interesses, do berço à sepultura, o programa “Nenhuma
Criança Deixada Para Trás” pode se encaixar bem em sua filosofia, mas para
indivíduos independentes, amantes da liberdade, este é o último passo para controle mental por
parte do governo.

“Em 1909, uma inspetora de fábrica fez uma pesquisa informal com 500 crianças que trabalhavam
em 20 fábricas. Ela descobriu que 412 delas preferiam trabalhar nas terríveis condições das fábricas
do que retornar à escola.” - Helen Todd, Why Children Work (Por que as Crianças Trabalham)
Mcclure’s Magazine, de abril de 1913.

“Em uma pesquisa em Milwaukee, por exemplo, perguntou-se a 8.000 jovens … se eles voltariam
para a escola para estudar em tempo integral, isso se elas fossem pagas com os mesmos salários
que ganhavam no trabalho; apenas 16 disseram que iriam.” - David Tyack, na obra Managers of
Virtue, (Gerentes de Virtude) de 1982.

O Administrador de Educação da Califórnia, Ellwood Cubberley, foi o principal voz


antiestablishment, ao falar contra a padronização e a “germanização” de nossas escolas. A voz
principal do establishment era o Comissário dos Estados Unidos Para a Educação, William Torrey
Harris. (1889-1906) Atente para as palavras de Harris em 1906, na sua obra The Philosophy of
Education: (A Filosofia da Educação) “Noventa e nove entre cem estudantes são autômatos,
cuidadosos em seguir os caminhos prescritos, cuidadosos em seguir o costume prescrito. Isso não é
um acidente, mas o resultado da educação substancial, que, cientificamente definida, é a
subordinação do indivíduo.” É esta uma “Filosofia da Educação” saudável de acordo com os
padrões de alguém? Este é o homem que deu a América salas de aula cientificamente classificadas
por idade para substituir a longa prática bem-sucedida de casas de escola de idade mista. No livro A
Filosofia da Educação, Harris escreveu sua visão da sala de aula perfeita: “O grande propósito da
escola pode ser melhor percebido em lugares sombrios, sem ar, feios … É dominar o eu físico,
transcender a beleza natural. A escola deve desenvolver o poder de se retirar do mundo externo.”

O primeiro conselho educacional federalizado foi a NEA, (National


Education Administration – Administração Nacional de Educação)
fundada em 1870, que rapidamente anunciou que os cursos de ciência
escolar em todo o país deviam ser reestruturados para ensinar a
“evolução” como fato e não como teoria. Tendo ganhado uma quantidade
justa de atração na NEA, em 1903, John. D. Rockefeller criou o GEB
(General Education Board – Conselho Geral de Educação) em um esforço
em prol deste “objetivo de controle social”. Mais tarde, em 1923, criaria
também o International Education Board, (Conselho Internacional de
Educação) que forneceria mais de US $20 milhões para promover a
educação no exterior. Os grupos Rockefeller, Carnegie e Ford
financiaram frequentemente (manobrando assim) a instrução americana
até mais que o governo.

“Lendo atentamente aos documentos do Conselho Geral de Educação, da


fundação de Rockefeller – uma doação que rivalizou-se em influenciar à
política escolar da primeira metade do vigésimo século somente com as
diversas filantropias de Andrew Carnegie – sete elementos curiosos surgem
diante dos olhos do leitor atento: 1) Existe uma clara intenção de moldar as
pessoas através da escolarização. 2) Existe uma clara intenção de eliminar a
tradição e o conhecimento. 3) O efeito líquido de uma variedade de projetos é
criar um forte sistema classista que é praticamente um sistema de castas. 4)
Existe uma clara intenção de reduzir de forma excessiva à inteligência
crítica , ao mesmo tempo que apoia à especialização interminável. 5) Existe
uma clara intenção de enfraquecer a influência dos pais. 6) Existe uma clara
intenção de derrubar os costumes aceitos. 7) Existe uma surpreendente harmonia entre os
propósitos cumulativos dos projetos GEB e os preceitos utópicos da seita religiosa esquisita,
conhecida antigamente como Perfeccionismo, uma religião secular destinada a tornar a perfeição
da natureza humana e não a salvação ou a felicidade, o propósito da existência. A agenda da
filantropia, que tinha tanto a ver com as escolas que recebemos, resulta em se tornar um
componente intensamente político.” - John Taylor Gatto, no livro The Underground History of
American Education, (A História Subterrânea da Educação Americana) p.201.

“Poder-se-ia supor, uma vez que os Rockefeller são vistos como capitalistas, que eles teriam usado
sua fortuna para promover a filosofia da liberdade individual. Mas, exatamente o oposto é verdade.
Não se consegue encontrar um único projeto na história das fundações Rockefeller que promova a
livre iniciativa … quase todos os subsídios dos Rockefeller têm sido usados direta ou indiretamente
para promover o coletivismo econômico e social, isto é, o fascismo social.” - Gary Allen, na obra
The Rockefeller File. (O Arquivo Rockefeller)

“A filantropia é o elemento essencial na produção do poder dos Rockefeller. Dá aos Rockefeller


uma reputação inestimável como benfeitores públicos que as pessoas valorizam tanto que o poder
sobre os assuntos públicos é colocado nas mãos dos Rockefeller. A filantropia gera mais poder do
que a riqueza sozinha pode proporcionar.” - Myer Kutz, em Rockefeller Power. (O Poder dos
Rockefeller)

A caridade e a filantropia dos Rockefeller influencia muitos setores da sociedade,


da educação à política e até a religião. Aqui está uma lista abreviada de
organizações financiadas pelos Rockefeller: Assembléia Americana, Associação
Americana para as Nações Unidas, American Friends Service Committee, União
Atlântica, Centro de Estudos Avançados em Ciências Comportamentais, Centro
de Diplomacia e Política Externa, Comité Cidadão para o Desenvolvimento
Internacional, Comissão de Relações Exteriores, Comissão de Desenvolvimento
Econômico, Conselho de Relações Exteriores, Federação dos Governos do
Mundo, Associação de Política Exterior, Instituto de Educação Internacional,
Instituto para a Ordem Mundial, Associação Nacional de Planejamento. Observou as tendências?
Qualquer dúvida sobre a intenção do Rockefeller em iniciar o GEB pode ser eliminada ao se notar a
própria declaração de missão de John D.:

“Em nossos sonhos, as pessoas se entregam com perfeita docilidade


às nossas mãos moldadoras. As atuais convenções educacionais
relativas à educação do intelecto bem como do caráter desaparecem
de suas mentes e, livres da tradição, nós trabalhamos nossa própria
boa vontade sobre um povo grato e responsivo. Nós não tentaremos
transformar essas pessoas, ou qualquer um de seus filhos, em
filósofos ou homens de ciência. Não temos que fazer surgir dentre
eles autores, educadores, poetas ou homens sábios. Não
procuraremos grandes artistas, pintores, músicos, nem advogados, médicos, pregadores, políticos,
estadistas – dos quais temos uma oferta ampla. A tarefa é simples. Vamos preparar as crianças e
ensinar-lhes de maneira perfeita as coisas que seus pais e mães estão fazendo de maneira
imperfeita.” - John D. Rockefeller, General Education Board - (Conselho Geral de Educação) 1906.

Este não é um homem que defende o melhor interesse dos estudantes. Pode-se ter uma boa ideia de
sua atitude a partir de declarações tal como “entregar-se com docilidade perfeita às nossas mãos
moldadoras” e quando ele fala sobre a criação de um ‘sistema perfeito’ de educação estatal melhor
do que a imperfeita educação parental. Martin Luther King Jr., por exemplo, discorda de John. D.
Rockefeller dizendo: “O grupo que é formado por mãe, pai e filho é a principal agência
educacional da humanidade”. Com quem você concorda?

Antes da Primeira Guerra Mundial, em um discurso para empresários americanos, o Presidente


Woodrow Wilson admitiu ter objetivos semelhantes aos dos Rockefeller: “Queremos que uma
classe tenha uma educação liberal. Queremos que outra classe, uma classe muito maior de
necessitados, renuncie ao privilégio de uma educação liberal e se ajustem a realizar tarefas manuais
difíceis e específicas.” Em 1931, Paul Mantoux, no prefácio para o livro de sua autoria, intitulado
International Understanding, (Entendimento Internacional) escreveu: “E a construtora deste novo
mundo deve ser a educação … Claramente, o primeiro passo no caso de cada país é treinar uma
elite para pensar, sentir e agir internacionalmente.”

Em 1932, continuando seu esforço para mudar os objetivos filosóficos


da educação americana, a NEA, (National Education Association – em
português Associação Nacional para a Educação) comandada pelos
grupos Rockefeller e Carnegie criou a EPC. (Educational Policies
Commission – em português Comissão de Políticas Educacionais)
Anos mais tarde, a EPC elaborou seu livro Education for All American
Youth, (Educação para Todos os Jovens Americanos) que delineou
programas federais de saúde, educação e bem-estar a serem
combinados sob uma burocracia gigantesca. Ele delineou programas
pré-escolares, aulas de educação sexual e a remoção do controle local
sobre questões educacionais “sem parecer fazê-lo”. Um relatório da
NEA de 1934 aconselhou: “Um modelo de ação moribundo deve ser
destruído e todos nós, incluindo os ‘donos’, devemos ser submetidos a
um grande controle social”. Então, esses “especialistas” educacionais
falam de si mesmos como sendo os “donos” e se preocupam em estarem sujeitos a “um grande grau
de controle social” que eles próprios implementam.

“A tese que me arrisco a submeter a você é a seguinte: que


durante os últimos quarenta ou cinquenta anos os responsáveis
pela educação têm progressivamente removido do currículo de
estudos a cultura ocidental que produziu o estado democrático
moderno; que as escolas e os colégios, portanto, estão enviando
para o mundo homens que não compreendem mais o princípio
criador da sociedade em
que devem viver; que os
homens ocidentais
recém-educados não possuem mais na forma e na
substância de suas próprias mentes, espíritos e ideias, as
premissas, a racionalidade, a lógica, o método, os valores
da sabedoria depositada, o gênio do desenvolvimento da
civilização ocidental; que a educação predominante está
destinada, se continuar, a destruir a civilização ocidental e
está realmente destruindo a esta. Percebo muito bem que
esta tese constitui uma acusação abrangente da educação
moderna. Mas acredito que a acusação é justificada e
vemos então uma razão à primeira vista para entrar com
esta acusação.” - Walter Lippmann, perante a Association
for the Advancement of Science, (Associação para o
Avanço da Ciência) em 29 de dezembro de 1940.
Em 1942, o Institute of Pacific Relations (Instituto de Relações do Pacífico) publicou o Post War
Worlds. (Mundos de Pós-Guerra) Nele Corbett escreveu: “O governo mundial é o objetivo final …
É preciso reconhecer que o direito das nações tem precedência sobre o direito nacional … O
processo terá de ser assistido pela supressão do material nacionalista empregado nos livros didáticos
educacionais e sua substituição por Material explicando os benefícios de uma associação mais
sábia”. Em 1946, o ex-editor do NEA Journal, Joy Elmer, publicou o artigo The Teacher and World
Government, (O Professor e o Governo Mundial) no qual dizia coisas como: “Na luta para
estabelecer um governo mundial adequado, o professor pode fazer muito para preparar os corações
e mentes das crianças para a compreensão e a cooperação globais … ao cerne de todas as agências
que darão o suporte para a vinda do governo mundial devem estar a escola, o professor e a
profissão organizada.” No ano seguinte, em 1947, a American Education Fellowship, (Fraternidade
da Educação Americana) organizada pelo lacaio do establishment, John Dewey, (autor do the
Dewey decimal system – sistema decimal de Dewey) pediu o “estabele-cimento de uma verdadeira
ordem mundial, uma ordem na qual a soberania nacional está subor-dinada à autoridade mundial”.
Em outubro de 1947, o Secretário Associado da NEA, William Carr, escreveu no NEA Journal que
os professores deveriam “ensinar sobre as várias propostas que foram feitas para o fortalecimento
das Nações Unidas e para o estabelecimento de uma cidadania mundial e de um governo mundial.”

“Era natural que os homens de negócios devessem dedicar-se a algo além de negócios; que eles
devessem procurar influenciar a promulgação e administração de leis, nacionais e internacionais, e
que eles devessem tentar controlar a educação.” - Max Otto, na obra Science and the Moral Life, (A
Ciência e a Vida Moral) de 1949.

O filósofo elitista e membro da Comissão dos 300, Bertrand


Russell, em seu livro de 1951 intitulado de The Impact of Science
on Society, (O Impacto da Ciência na Sociedade) escreveu: “A
educação deve visar a destruição do livre-arbítrio para que, depois
que os alunos sejam educados assim, eles serão incapazes durante
o resto de suas vidas de pensar ou agir de maneira diferente da
que os mestres da escola desejariam … As influências do lar são
obstrutivas; e para condicionar estudantes, os versos ajustados à
música e entoados repetidamente são muito eficazes … É para um
cientista futuro construir a essas máximas precisas e descobrir
exatamente quanto custa por cabeça para fazer com que as
crianças acreditem que a neve é preta. Quando a técnica for
aperfeiçoada, todo governo que tenha sido responsável pela
educação por mais de uma geração será capaz de controlar seus súditos com segurança, sem a
necessidade de exércitos ou policiais.”

Em 1953, Carroll Reece, congressista do Tennessee e presidente do


RNC, (Republican National Committee – Comité Nacional
Republicano) com o diretor de pesquisa Norman Dodd e o
advogado Rene Wormser, realizaram a primeira e única investigação
aprofundada nas atividades das fundações Rockefeller, Carnegie e
Ford e nos seus efeitos sobre a educação americana. Rene Wormser
escreveu que a investigação de Reece “leva a conclusão de que
havia, na verdade, algo na forma de uma conspiração real entre
certos líderes educacionais nos Estados Unidos para levar ao
socialismo através do uso de nossos sistemas escolares”.
Descobriram que a fundação de Rockefeller era a principal culpada por trás das políticas de
mudança rápida do NEA e do ensino do socialismo em escolas e universidades da América.
Wormser continuou: “Um poderoso complexo de fundações e organizações aliadas desenvolveu-se
ao longo dos anos para exercer um alto grau de controle sobre a educação. Parte desse complexo, e
em última instância responsável por ele, são os grupos Rockefeller e Carnegie.”

Durante uma reunião pessoal, o presidente Rowan Gaither, da Fundação Ford, disse ao diretor de
pesquisa do Comitê de Reece, Norman Dodd, que “todos nós, aqui, no nível de formulação de
políticas da fundação, servimos no OSS [precursor da CIA] ou na Administração Econômica
Europeia, operando sob diretrizes da Casa Branca. Operamos sob essas mesmas diretrizes … A
substância sob a qual operamos é a maneira com a qual usaremos nosso poder de concessão para
alterar a vida nos Estados Unidos, de modo que possamos nos unir confortavelmente com a União
Soviética.” Quando seu encontro se transformou de civil em ameaçador, Gaither advertiu Dodd: “Se
você continuar com a investigação como você delineou, você será morto.”

“Esta era a situação na década de 1950, quando o Comitê Reece realizou uma breve investigação.
Os grupos Rockefeller-Carnegie continuaram basicamente sem oposição nos próximos 40 anos no
controle da educação. Um dos produtores de livros educacionais é a Corporação Grolier. O senhor
Avery Rockefeller, Jr. assiste a reuniões de diretoria da Corporação Grolier. Foi membro do Comitê
Internacional do Livro da UNESCO.” - Fritz Springmeier, na obra Bloodlines of the Illuminati.
(Linhagens dos Illuminati)

Em meados dos anos sessenta, o Departamento de Educação produziu


um documento chamado Designing Education, (Projetando Educação)
que aconselhou cada estado a “abrir mão de sua identidade independente,
bem como de sua autoridade”, para “formar uma parceria com o governo
federal”. Outro documento importante na época foi Taxonomy of
Educational Objectives (Taxonomia de Objetivos Educacionais) de
Benjamin Bloom, que foi usado como “uma ferramenta para classificar
as maneiras pelas quais os indivíduos devem agir, pensar ou sentir como
resultado de alguma unidade de instrução”. Usando o condicionamento
operante de B.F. Skinner e outros novos modelos de psicologia
comportamental, a educação americana mudou o foco para a
aprendizagem emocional e baseada em resultados, a chamada
“clarificação de valores” e “treinamento de sensibilidade.” Conforme
observado pelo superintendente das escolas South St. Paul, Minnesota, o
senhor Ray I. Powell, em 1975, "É tudo lavagem cerebral!"

Em 1981, a NEA publicou o Relatório do Special Committee on


Instructional Technology, (Comitê Especial de Tecnologia Instrucional) que,
como de costume, dirigiu-se ao público e às crianças como pedaços de argila
a serem moldados de acordo com sua vontade: “Em seu próximo
envolvimento com uma tecnologia de instrução, a profissão será confrontada
novamente com o desafio da liderança - por meio do exemplo e de uma
comunicação eficaz – O desafio de convencer o público de que a educação é
muito mais do que tratar os alunos como tantos cachorros pavlovianos, para
serem condicionados e programados para a aceitação dócil de um projeto da
vida boa do tipo faça você mesmo.”

Através da aprendizagem “baseada em resultados” e de outros métodos padronizados sofisticados


de controle mental que continuam sendo refinados até hoje, nossas escolas governamentais estão
perpetuamente preparando uma nova força de trabalho para a especialização do trabalho.

“Uma vez que a Educação baseada em resultados, se concentra no ‘produto final’ de seu processo,
pode-se dizer que ela serve para restringir o funcionamento mental do aluno … O sucesso em um
ambiente baseado em resultados é restrito à execução de tarefas prescritas até o ponto de
automaticidade. As funções da memória e da criatividade não são usadas, nem são consideradas
necessárias para se ter sucesso em um programa de OBE ou qualquer programa que use o
aprendizado de domínio skinneriano ou de instrução direta. Previsibilidade é a linha de fundo para
ONE, limitando o aluno apenas às respostas que são prescritas. Quando treinado pela metodologia
OBE, o aluno não pode falhar a menos que ele use de criatividade e produza uma resposta
imprevista. Em um ambiente de OBE, ele só pode acreditar no que é aceitável. O resultado mais
previsível, com o passar do tempo, é a frustração – e, em última instância, a baixa realização e até
problemas de comportamento.” – Charlotte Iserbyt, Deliberate Dumbing Down of America, (O
Emburrecimento Deliberado da América) p. 322

“As escolas atualmente são a ocupação das crianças; as crianças se tornaram empregadas,
pensionistas do governo em uma idade precoce. Mas os empregos do governo geralmente não são
realmente empregos – isso certamente acontece no caso de ser um aluno. Não há nada ou muito
pouco a fazer na escola, mas uma coisa é exigida – que as crianças obrigatoriamente participem,
condenadas a horas de desespero, fingindo fazer um trabalho que não existe. No final do dia,
cansados, fartos, cheios de agressão, suas famílias sentem o tédio acumulado de suas vidas
comprimidas. O trabalho do governo para as crianças quebrou o espírito do nosso povo.” - John
Taylor Gatto, no livro The Underground History of American Education, (A História Subterrânea da
Educação Americana) p. 298.

Durante a administração de Reagan, a Conselheira de Política Sênior do


Departamento de Educação dos Estados Unidos foi Charlotte Iserbyt, a
diretora do conselho escolar da cidade de Camden, no Maine. Iserbyt
sempre foi uma voz apreciada de oposição à educação baseada em
resultados e à metodologia skinneriana. Recentemente, ela compilou uma
exposição gigantesca e informativa a respeito da desconcentração da
educação americana chamada The Deliberate Dumbing Down of America.
(O Emburrecimento Deliberado da América) Ela explica como “Uma
filosofia coletivista (socialista) alienígena, boa parte da qual veio da
Europa, caiu sobre as costas de nossa nação, trazendo com ela mudanças
radicais na economia, política e educação, financiada –
surpreendentemente – por várias famílias americanas ricas e suas
fundações isentas de impostos. O objetivo dessas famílias ricas e suas fundações – um sistema
global sem concorrência competitiva para o comércio e o negócio – quando despojado de
expressões floridas de preocupação pelas minorias, os menos afortunados, etc, representou a fase
inicial do que esta autora agora se refere como o emburrecimento deliberado da América. Setenta
anos depois, aparecem os planos cuidadosamente estabelecidos para mudar a América de uma
república soberana, constitucional, com uma base econômica livre
para apenas uma de muitas nações em um sistema socialista
(coletivista) internacional. (Nova Ordem Mundial) Somente uma
população abatida, sem lembrança das raízes americanas como uma
nação orgulhosa, poderia esperar sucumbir voluntariamente ao
treinamento da força de trabalho global planejado pela Carnegie
Corporation e John D. Rockefellers, I e II.” – (7)

John Taylor Gatto, autor de The Underground History of American


Education, (A História Subterrânea da Educação Americana) foi o
“Professor do Ano” da cidade de Nova Iorque pela terceira vez em
1991, quando ele deixou sua carreira de professor de 30 anos dizendo
que ele “não estava mais disposto a machucar as crianças.” Ele
escreveu: “Sinto vergonha de que muitos de nós não conseguem
imaginar uma maneira melhor de fazer as coisas do que trancar as crianças o dia todo nas celas em
vez de deixá-las crescer conhecendo suas famílias, misturando-se com o mundo, assumindo
verdadeiras obrigações, independentes, autossuficientes e livres … Não pretendo ser inflamatório,
mas é como se a educação do governo tornasse as pessoas mais burras, não mais brilhantes;
tornaram as famílias mais fracas, não mais fortes … O campo de treinamento para essas qualidades
humanas grotescas é a sala de aula. As escolas treinam os indivíduos para responderem como uma
massa. Os meninos e as meninas são massacrados ao serem aborrecidos, amedrontados, invejosos,
carentes emocionalmente e geralmente incompletos. Uma economia bem-sucedida de produção em
massa exige tal clientela. Uma pequena empresa, pequena economia agrícola como a dos Amish
requer competência individual, consideração, compaixão e participação universal; o nosso exige
uma massa controlada de pessoas niveladas, sem espírito, ansiosas, sem família, sem amigos, sem
Deus e obedientes que acreditam que a diferença entre Cheers e Seinfeld (seriados de sucesso nos
Estados Unidos) é um assunto que vale a pena discutir. Um diretor executivo da National Education
Association (Associação Nacional de Educação) anunciou que sua organização esperava ‘realizar
por meio da educação o que os ditadores na Europa procuram fazer por intermédio da compulsão e
da força.’ Não dá para ser mais claro. A Segunda Guerra Mundial levou o projeto ao subterrâneo,
mas dificilmente retardou seu ímpeto. Após a cessação das hostilidades globais, a escola tornou-se
um importante campo de batalha doméstico para a racionalização científica dos assuntos sociais
através da doutrinação compulsória.”

É muito importante, tanto para os governos como para as corporações, que


as escolas produzam, sem discursos, “povelhas” desinformadas, reprimidas
em sua criatividade e individualidade, que sejam carentes emocionalmente,
que respondam aos padrões do grupo e encontram seu único alívio no
materialismo e na publicidade. Conforme escreveu Gerald Bracey, principal
promotor de educação do governo, em seu relatório anual de 1991 a
clientes empresariais: “Devemos continuar a produzir uma classe social sem
instrução”. A Lifetime Learning Systems, (Sistemas de Aprendizagem ao
Longo da Vida) uma nova corporação que ajuda os anunciantes a se
infiltrarem em nossas escolas, disse aos seus clientes: “A escola é o
momento ideal para influenciar atitudes, construir lealdades a longo prazo,
introduzir novos produtos, testar o mercado e em especial – para gerar
vendas imediatas.” Suzanne Cornforth, consultora de relações-públicas da
empresa Paschall e Associates foi citada no New York Times em 15 de julho de 1998, como tendo
dito: “Os patrocinadores corporativos de hoje querem ver o dinheiro deles sendo usado de forma a
alinhar-se com os objetivos de negócios … Esta é uma geração jovem de patrocinadores
corporativos e eles descobriram as vantagens de construir relacionamentos de longo prazo com
instituições educacionais.”

“O segredo da educação americana é que essa não ensina o modo como as crianças aprendem e não
era para ser assim; a escola foi projetada para servir a uma economia de comando oculta e uma
ordem social deliberadamente re-estratificada. Ela [a escola]não foi feita para o benefício de
crianças e famílias quais indivíduos e instituições que definem as suas próprias necessidades. A
escola é a primeira impressão que as crianças têm da sociedade organizada; como a maioria das
primeiras impressões, é a que fica. A vida de acordo com a escola é maçante e estúpida, apenas o
consumo promete alívio: Coca-Cola, Big Macs, jeans de moda, é onde o verdadeiro significado é
encontrado, é a lição da sala de aula, entretanto fornecida indiretamente … Publicidade, relações-
públicas e formas mais fortes de propaganda quasi-religiosa são tão difundidas em nossas escolas,
mesmo em escolas ‘alternativas’, que o julgamento independente é sufocado em experiências
secundárias produzidas em massa e em iniciativas testadas pelo mercado.” - John Taylor Gatto, no
livro The Underground History of American Education, (A História Subterrânea da Educação
Americana)
Submetendo cientificamente as crianças a cadeiras estilo fabrica, testes padronizados e livros de
texto governamentais, eles trazem “ordem no caos” e contribuem para a manipulação populacional.
As escolas modernas criam uniformidade, suprimindo o ceticismo e a criatividade. Eles
superdesenvolvem o espírito competitivo ao mesmo tempo em que minam a compaixão e a
curiosidade. Eles promovem grupos, gangues, mentalidades de “grupo pequeno” e pensadores de
“pequenas imagens”. Os procedimentos de classificação e teste dificultam a compreensão do
“quadro geral” de qualquer assunto e forçam os alunos a se concentrarem em aspectos mais simples
e graduáveis. A verdadeira educação e domínio dos assuntos em questão não são encorajados ou
mesmo viáveis. Os alunos são meramente obrigados a memorizar informações triviais como nomes,
datas, lugares, eventos, etc. apenas o tempo suficiente para regurgitar para testes padronizados de
múltipla escolha. Em seguida, após o exame, a informação trivial armazenada em sua memória de
curto prazo desaparece junto com suas compreensões superficiais de cada assunto.

“Somos estudantes de palavras; permanecemos fechados em escolas e faculdades e salas de


recitação por dez ou quinze anos e finalmente saímos com um saco de vento, uma memória de
palavras e não sabemos nada.” - Ralph Waldo Emerson.

“Essa suposição errônea é a de que o objetivo da educação pública é preencher a todo tipo de jovens
com o conhecimento e despertar sua inteligência, e assim torná-los aptos a cumprir os deveres de
cidadania de uma maneira esclarecida e independente. Nada poderia estar mais longe da verdade. O
objetivo da educação pública não é disseminar o esclarecimento; é simplesmente reduzir o número
de indivíduos possível para o mesmo nível seguro, criar e treinar uma cidadania padronizada,
diminuir a dissidência e a originalidade. Esse é o seu objetivo nos Estados Unidos, quaisquer que
sejam as pretensões dos políticos, dos pedagogos e de outros tantos charlatães e este é o seu
objetivo em qualquer outro lugar.” - H.L. Mencken.

“Uma educação geral do estado é um mero artifício para moldar as pessoas para serem exatamente
umas como as outras; e a maneira que a forma os molda é o que agrada o poder predominante no
governo … estabelece um despotismo sobre a mente.” - John Stuart Mill, na obra On Liberty.
(Sobre a Liberdade)

“A Irmandade também estruturou o sistema de ‘educação’ e os meios de comunicação para bloquear


as pessoas no que chamo de prisão do cérebro esquerdo. O cérebro esquerdo é a área que lida com a
visão de mundo físico, pensamento ‘racional’ e tudo o que pode ser visto, tocado, ouvido e
cheirado. O cérebro direito é nossa intuição e nossa conexão com dimensões mais elevadas. Aqui é
onde você encontra o artista e a criatividade, inspirados pela nossa singularidade de pensamento e
expressão. O sistema educacional e seus ramos, como a mídia e a ciência, são projetados para falar
com o cérebro esquerdo e para desligar o pensamento do cérebro direito. É por isso que os gastos
com artes nas escolas estão sendo cortados em todo o mundo, ao passo que de forma rígida estão
sendo impostos os programas do cérebro esquerdo. A ‘Educação’ preenche o cérebro esquerdo com
informações, muitas das quais são falsas e imprecisas, e exige que isso seja armazenado e, em
seguida, regurgitado no papel do exame. Se você igual a um robô, fizer isso, você vai ser aprovado.
Se, no entanto, você filtrar as informações através do cérebro direito e dizer ‘Ei, isso é um monte de
merda’, você não vai passar, embora você dirá a verdade. A educação não é maravilhosa?” - David
Icke, na obra The Biggest Secret, (O Maior Segredo) pp. 481-2.

Tem sido demonstrado ao se efetuar a leitura das ondas cerebrais de um americano típico, que os
neurônios do cérebro esquerdo são constantemente mais ativos do que os neurônios do direito. E
com a constante supressão da criatividade e com a simpatia ao cérebro cerrado, criamos uma
população de estudantes que querem ser músicos, atores, artistas, pintores e poetas, mas são
forçados a trabalhar no mundo real, com contabilidade, negócios, economia, publicidade e etc.
“Qual é a diferença entre um brilhante, curioso cinco anos de idade, e um opaco, estúpido dezenove
anos de idade? Quatorze anos do sistema educacional britânico.” - Bertrand Russell

“Dá-me quatro anos para ensinar as crianças e a semente que semearei nunca será desarraigada.” -
Vladimir Lenin.

“A educação é uma arma, cujo efeito depende de quem a segura nas mãos e a quem se dirige.” -
Joseph Stalin

“As escolas não têm necessariamente muito a ver com a educação. São principalmente instituições
de controle, onde os hábitos básicos devem ser inculcados nos jovens. A educação é bem diferente e
tem pouco espaço na escola.” - Winston Churchill.

“Um sistema de ensino obrigatório, apoiado por impostos, é o modelo completo do Estado
totalitário.” - Isabel Paterson.

Todos os dias em todo o mundo, milhões de jovens dotados de mentes


brilhantes estão passando os melhores anos de suas vidas sendo
amontoados por governos como gado, respondendo a sinos, assobios e a
outros condicionamentos pavlovianos e skinnerianos. Milhões de crianças
estão trancadas neste programa de segunda a sexta-feira, durante oito
horas realizando tarefas aborrecidas e árduas contra sua vontade porque a
sociedade julgou necessário. Igual ao local de trabalho, apenas a
obediência inquestionável é recompensada e seus
únicos alívios são os lanches e a hora do recreio, que são retidos dos alunos
que como cães com água na boca aguardam até que o sino toca. Enquanto
isso, ansiosamente eles ficam sentados em fileiras rígidas, todos enfrentando
o grande patrão e o quadro-negro, focados em objetivos fantasiosos,
condicionados a ver outros estudantes como concorrentes e obstáculos.

“Por intermédio de sinos e de outras tecnologias destruidoras de


concentração, as escolas ensinam que nada vale a pena acabar porque um
poder arbitrário intervém periodicamente e aperiodicamente … O amor ao
aprendizado não pode sobreviver a este incômodo constante. Os alunos são ensinados a trabalhar
por pequenos favores e por notas simbólicas que representam de modo muito limitado o seu
verdadeiro potencial. Ao viciar as crianças com aprovação externa e recompensas sem sentido, as
escolas as torna indiferentes ao verdadeiro poder e potencial que o mergulhar na autodescoberta
revela. As escolas alienam os vencedores, bem como os perdedores … Por meio de estrelas,
cheques, sorrisos, carranca, prêmios, honras e desgraças, as escolas condicionam as crianças à
dependência emocional ao longo de toda a vida. É como treinar um cão. O ciclo de recompensa e
punição, conhecido pelos treinadores de animais da antiguidade, é o coração de uma psicologia
humana destilada no final do século XIX em Leipzig e incorporada completamente na revolução da
gestão científica do início do século XX na América. Meio século depois, em 1968, havia infectado
todos os sistemas escolares dos Estados Unidos … Cada dia, as escolas reforçam como é realmente
o poder absoluto e arbitrário ao conceder e negar o acesso às necessidades fundamentais de
banheiros, água, privacidade e movimento. Desta forma, os direitos humanos básicos, que
normalmente exigem apenas vontade individual, são transformados em privilégios que não devem
ser tomados como garantidos … [a escola] ensina o quanto é impossível resistir porque você é
sempre observado. Não há lugar para se esconder. Nem você deve querer. Seu comportamento de
fuga é realmente um sinal que você deve ser observado ainda mais de perto do que os outros. A
privacidade é um crime do pensamento. A escola cuida para que não haja tempo particular, sem
espaço particular, nenhum minuto sem ter alguém no comando, nenhuma escrivaninha livre de
pesquisa, sem hematomas não inspecionados pelo policiamento médico ou a tropa de
aconselhamento das patrulhas do pensamento.” - John Taylor Gatto, no livro The Underground
History of American Education, (A História Subterrânea da Educação Americana) pp. 245-6.

“Parece-me que muito do que chamamos educação é realmente socialização. Considere o que
fazemos aos nossos filhos. É realmente uma boa ideia enviar o seu filho de 6 anos para uma sala
repleta de crianças de 6 anos e, no ano seguinte, colocar o seu filho de 7 anos com crianças de 7
anos, e assim por diante? Um simples argumento recursivo sugere que isso os expõe a um perigo
real de todos crescerem com a mentalidade de crianças de 6 anos de idade. E, até onde eu posso
perceber, isso é exatamente o que acontece. Nossa cultura atual pode ser amplamente moldada por
essa estranha ideia de isolar o pensamento das crianças do pensamento adulto. Talvez a forma
como a nossa cultura educa melhor os seus filhos explica por que a maioria de nós saímos como
estúpidos, como de fato saem, do que explica como alguns de nós saem tão inteligentes como de
fato saem.” - Marvin Minsky

“Nunca houve na história do mundo civilizado uma leva de crianças tão pouco afetada pela
orientação de adultos e tão sintonizada com um mundo de iguais. Removemos a sabedoria dos
adultos e permitimos que eles se transformem em um mundo autoconstruído e altamente relativista
de amizade e iguais.” - William Damon, do Stanford University Center on Adolescence. (Centro
Universitário de Stanford sobre Adolescência)

“Não deixe um mundo de animais engraçados, letras de alfabeto dançantes, cores pastel e música
de doutrinação sufocar a consciência de seu menino ou menina no momento exato em que as
grandes perguntas sobre o mundo acenam. Animais engraçados foram inventados por engenheiros
sociais norte-alemães; eles sabiam algo importante sobre fantasia e
engenharia social que você deveria ensinar a si mesmo.” - John Taylor
Gatto, no livro The Underground History of American Education, (A
História Subterrânea da Educação Americana) pp. 298-9.

Será que todo esse “eduentretenimento” infantil, classificado de acordo com


a idade, serve para tornar a educação mais divertida, ou mais banal e
superficial? Independente de quão bonitos eles possam ser, a Disney, o
Barney, Sesame Street (Vila Sésamo no Brasil) e outros, de que proveito
eles são para nossos filhos? Os livros didáticos com imagens em cores brilhantes são úteis ou
perturbadores?

“É melhor que os homens não tenham educação do que sejam educados por seus governantes.” -
Thomas Hodgskin em 1823.

“Pegue aleatoriamente cem filhos instruídos pertencentes a várias gerações e cem crianças sem
instrução do povo e compare-as em qualquer coisa que quiser; na força, na agilidade, na mente, na
capacidade de adquirir conhecimento, mesmo na moralidade – e em todos os aspectos você ficará
assustado com a vasta superioridade do lado dos filhos dos sem educação.” - Count Leo Tolstoi, em
Education and Children, (Educação e Crianças) obra de 1862.

“Minha educação não só não me ensinou o que professava ensinar, mas me impediu de ser de fato
educado, de modo que me enfurece quando penso em tudo o que eu poderia ter aprendido em casa
por mim mesmo.” - George Bernard Shaw.

“Samuel Johnson anotou em seu diário várias centenas de anos atrás sobre o efeito poderoso que
Hamlet estava tendo sobre ele. Ele tinha nove anos na época. Abraham Cowley escreveu sobre seu
deleite infinito com a Rainha das Fadas de Spenser – um poema épico que considera os valores
morais alegoricamente em estrofes de nove linhas que nunca existiram antes de Spenser. (e quase
desde então) Ele falou de seu prazer em suas ‘Histórias de Cavaleiros e Gigantes e Monstros e
Casas Bravas’. Cowley tinha 12 anos na época. Não poderia ter sido uma leitura fácil em 1630 para
ninguém, e está além do alcance de muitos graduados da faculdade de elite hoje. O que aconteceu?
A resposta é que Dick e Jane aconteceram. - ‘Frank tinha um cachorro. Seu nome era Spot.’ Isso
aconteceu … Há muitas maneiras de se queimar livros sem se usar um fósforo. Você pode ordenar
que a leitura de livros infantis seja substituída pela leitura de livros sérios, como fizemos. Pode-se
simplificar a linguagem que se permita em livros escolares, a ponto de os alunos passarem a ter
aversão à leitura, porque os degrada, sendo um mingau mais fino do que seu discurso falado. Nós
também fizemos isso. Uma estratégia sutil e muito eficaz é preencher livros com imagens e gráficos
animados para que se trivialize as palavras da mesma forma que os piores jornais em tabloides
fazem – Impondo imagens e gráficos no espaço onde os leitores deveriam construir as suas próprias
imagens, substituindo de modo prévio o espaço no qual o intelecto pessoal deveria expandir. Nisto
somos os mestres do mundo.” – John Taylor Gatto, no livro The Underground History of American
Education, (A História Subterrânea da Educação Americana) p. 252.

George Washington frequentou apenas 2 anos de escolaridade formal em sua vida. Abraham
Lincoln tinha apenas 50 semanas de escolaridade e até mesmo isso foi visto como uma perda de
tempo por seus parentes. Em 1840 a taxa de alfabetização complexa nos EUA foi incrivelmente
alta, entre 93 e 100 por cento. O censo de Connecticut mostrou que apenas 1 de cada 579 pessoas
era analfabeta. Mais de um século e meio depois, em 1993, a Pesquisa Nacional de Alfabetização de
Adultos relatou que 1 em cada 5 americanos era analfabeto! A pesquisa de 1993 representou 190
milhões de adultos dos EUA com mais de 16 anos com uma média de frequência escolar de 12,4
anos. 42 milhões eram completamente analfabetos, 50 milhões apareceram num
nível do 4 º ao 5 º ano, 55-60 milhões tinham formações entre o 6 º - e o 8 º
grau, 30 milhões no 9 º e no 10 º grau e menos de 10 milhões em nível
universitário.

“Todos os homens que têm valido alguma coisa tiveram o controle quase que
total sobre a sua própria educação.” - Sir Walter Scott.

“Em 1882, os alunos do quinto ano leram esses autores em seu Appleton School
Reader: (Leitor de Escola Appleton) William Shakespeare, Henry Thoreau,
George Washington, Walter Scott, Mark Twain, Benjamin Franklin, Oliver
Wendell Holmes, John Bunyan, Daniel Webster, Thomas Jefferson, Ralph Waldo Emerson, entre
outros. Em 1995, uma professora de alunos de quinto ano em Minneapolis escreveu ao jornal local:
‘Foi-me dito que não devemos exigir às crianças que soletrem as seguintes palavras corretamente:
volta, grande, chamada, veio, pode, dia, para baixo, obtenha, bom, tenha, ele, casa, se, em, é, como,
pouco, homem, manhã, mãe, meu, noite, fora, para fora, sobre, povos, ela, alguns, logo, eles, lá,
tempo, dois, também, para cima, nós, muito, água, nós, fomos, onde, quando, vontade, etc.’” - John
Taylor Gatto, no livro The Underground History of American Education. (A História Subterrânea
da Educação Americana)

O Dr. Seuss, autor de literatura para crianças, escreveu muitos best-sellers, reconhecidamente
usando um vocabulário “científico” controlado fornecido por seu editor. Ele disse em uma
entrevista de 1981: “Eu fiz isso para uma editora de livros didáticos e eles me enviaram uma lista de
palavras. Isso ocorreu devido à revolta de Dewey nos anos vinte, em que removeram a leitura da
fonética e adotaram um tipo de reconhecimento da palavra como se a pessoa estivesse lendo a
símbolos chineses em vez de misturar sons ou letras diferentes. Acho que matar o método fônico foi
uma das maiores causas de analfabetismo no país. De qualquer forma eles tinham estudado que uma
criança saudável na idade de quatro anos só pode aprender uma certa quantidade de palavras por
semana. Então, havia neste livro duzentas e vinte e três palavras. Eu li a lista três vezes e quase
perdi a concentração. Eu disse: ‘Vou lê-lo mais uma vez e se eu puder encontrar duas palavras que
rimem, esse será o título do meu livro’. Eu encontrei ‘gato’ e ‘chapéu’ e disse, o título do meu livro
será O Gato no Chapéu.”

“Longe de falhar em sua tarefa pretendida, nosso sistema educacional está realmente sendo um
magnífico sucesso, porque seu objetivo é manter o povo americano irrefletido o suficiente para
continuar apoiando o sistema.” - Richard Mitchell, na obra The Underground Grammarian. (O
Gramático Subterrâneo)

A Conspiração da Saúde

“O câncer era praticamente desconhecido até que a vacinação contra a varíola


começou a ser introduzida … Eu vi 200 casos de câncer e nunca vi um caso em
uma pessoa não vacinada.” - W.B. Clark, New York Times, do ano de 1909.
Está além do escopo deste livro, mas faça uma pesquisa e você vai descobrir
que o câncer, que mata atualmente 1 em cada 3 americanos, é um dos maiores
golpes na história médica. Carcinógenos (substâncias que causam o câncer) são intencionalmente
colocados em sua água, em refrigerantes, em alimentos processados e em pesticidas para ser
pulverizado sobre as culturas. A “terapia” de radiação, que é usada para tratar o câncer, raramente
funciona e sempre causa uma enorme quantidade adicional de problemas de saúde para a vítima,
enquanto a drena financeiramente. O dinheiro de doação e as instituições de “caridade” que estão
supostamente tentando ajudar a lidar com a epidemia de câncer e encontrar uma cura, estão
realmente alimentando o problema e espalhando a desinformação.

“Aqueles que acreditam que Rockefeller, mesmo no campo da saúde seja falso, apontam para o
fato de que os fundos Rockefeller têm sido usados para degradar a prevenção natural de
enfermidades e doenças através de vitaminas e alimentos saudáveis enquanto promovem o uso de
drogas. As drogas são fabricadas principalmente a partir de derivados do alcatrão de carvão e, além
de estar no negócio do petróleo, a família tem, durante décadas, feito investimentos pesados nos
cuidados desproporcionais relativos à fabricação de drogas.” - Gary Allen, na obra The Rockefeller
File. (O Arquivo Rockefeller)

Uma pesquisa rápida no Google fornecerá uma gama de informações relativas à


conhecida, bem como altamente suprimida “cura para o câncer”. Todos os tipos de
câncer prosperam em ambientes ácidos e nenhum câncer pode sobreviver em
ambientes alcalinos. Assim, através de uma dieta saudável, orgânica, alcalina
(frutas, legumes, produtos lácteos, etc), junto com a redução no consumo de
alimentos ácidos (carne, ovos, nozes) bem como elevando o pH do corpo para mais
de 7, impede-se o aparecimento de cânceres e cânceres existentes não conseguem
evoluir. Não é necessário dizer que a maioria dos alimentos que revestem às
prateleiras dos supermercados contém carcinógenos conhecidos e um grande
número de outros alteradores químicos da mente e do corpo e isso desde a sua
concepção. Hoje em dia é importante escolher
cuidadosamente quais alimentos, bebidas e drogas
você vai colocar em seu corpo – há um esforço
combinado para torná-lo doente, estéril e
dependente de medicamentos a cada minuto de cada dia.

“Tudo está sendo acobertado. As toxicidades dos produtos


farmacêuticos; você não está aprendendo a verdade sobre
vacinações; você não está aprendendo a verdade sobre vários
medicamentos. Os donos de indústrias farmacêuticas, a qual eu prefiro chamar de cartel militar-
médico-petroquímico-farmacêutico, têm essencialmente o controle sobre os principais meios de
comunicação e, portanto, têm controle sobre a mente das massas e, como resultado desses poderes
que sustentam, as pessoas não recebem informações factuais sobre quais decisões conscientes elas
devem fazer; elas acolhem à propaganda e, como resultado, as escolhas que as pessoas estão
fazendo mostram ser genocidas. E eu digo genocida com uma definição estrita que significa: a
matança em massa de pessoas por razões econômicas, políticas e / ou ideológicas. E esses donos de
indústrias farmacêuticas estão ligados intimamente às pessoas que desejam controlar as
populações. Eles têm publicado literatura sobre qual é a sua intenção.” - Dr. Len Horowitz, na
conferência DNA, Pirates of the Sacred Spiral. (DNA – Piratas da Espiral Sagrada)

Há uma máfia organizada dentro da classe médica e das empresas de seguros que o controla por
meio do pânico, emburrecendo-o, arrancando todo o seu dinheiro, e matando-o aos poucos. Através
do controle da mídia e da educação, os povos do ocidente foram
ensinados que as drogas e a cirurgia são as duas únicas opções médicas
disponíveis para eles no caso de algo sair errado. No entanto, as pílulas
simplesmente mascaram os sintomas enquanto sobrecarregam o fígado e
criam mais problemas (carinhosamente conhecidos como "efeitos
colaterais"); cirurgias são perigosas, complicações são comuns, e o
sistema auto-imune do corpo sempre sofre significativamente quando é
cortado aberto e costurado; As vacinas estão cheias de mercúrio,
formaldeído e outros conservantes altamente tóxicos; A radiação causa
mutações ou mata as células e muitas vezes mata o paciente; e a
quimioterapia, também conhecida como "produtos químicos tóxicos que
fazem seu cabelo cair", não são as melhores alternativas. A parte mais
louca é quando seus métodos bárbaros não conseguem curar qualquer coisa, os médicos alopáticos
chegam com um rosto triste dizendo: “Desculpe, não há nada mais que possamos fazer”, dando
assim aos pacientes sentenças de morte.

“Nas escolas de medicina, escolas de odontologia e nas outras organizações de formação


profissional e instituições observa-se um processo de obscurecimento. É a educação baseada no
trauma da pior espécie. Estes internos permanecem durante três noites em um corredor. O que a
pessoa pode fazer dentro dessa situação altamente estressante? O que ela pode fazer é cometer uma
porção de erros, submetendo-se assim a uma virtual hipnose de controle mental. A pessoa se
formou sem ter tido instrução em nutrição, sem nenhum conhecimento de holística e cura natural e
ela, em última análise, tornou-se um escravo manipulado pelo controle mental da indústria
farmacêutica. E nessa situação, tudo o que o indivíduo pode fazer é simplesmente derramar o
conceito dominante de que a cura envolve manipulação química e intoxicação. Não há espaço
algum para o conceito da mente, do corpo e do espírito. Não há espaço algum para o conceito de
saúde educacional, mudança de hábitos, modificação do estilo de vida, bem como o de redução de
risco. O sujeito finalizou então o treinamento médico, passando a se envolver na prática médica,
tendo cerca de US $250.000 a 500.000 em contas e empréstimos pendurados sobre a cabeça, este
indivíduo não terá tempo para as pessoas. Tudo que você tem é um bloco de
receituário e uma educação baseada em toda essa manipulação.” Len Horowitz,
em Vaccine Fraud, (Fraude de Vacina) na rádio Coast to Coast AM.

A verdade trágica é que muitas das doenças que assolam ao nosso mundo foram
intencionalmente criadas e disseminadas. A maioria dos medicamentos apenas
esconde os sintomas e deteriora o sistema imunológico do paciente. Muitas
“doenças” como o ADD (sigla em inglês para Distúrbio do Deficit de Atenção) e
a dislexia são basicamente inventadas sem qualquer fundamento pelos assim
chamados peritos.
“Deixe-me dar-lhe outro exemplo de uma doença inventada: a hepatite. Está certo. Na verdade,
você tem pessoas que sofrem de toxicidade hepática. Isso é o que a hepatite realmente é. Os germes
que supostamente causam a hepatite são de fato apenas complementos insignificantes, nas
melhores das hipóteses. Existem centenas de razões pelas quais uma pessoa pode ter um fígado
sobrecarregado e tóxico. Drogas de todos os tipos, incluindo drogas medicinais, suprimentos de
água contaminada, inalação de pó de urânio e assim por diante. Na verdade, estamos agora ouvindo
sobre a hepatite induzida por urânio – uma contradição nos termos se é que alguma vez houve isso.
Se o urânio está fazendo com que o fígado falhe, então O ERRO RESIDE AÍ e a palavra hepatite
não é de todo aplicável. Se alguém bate na sua cabeça com um grande martelo e você se torna
incapacitado para o resto de sua vida, isso é Alzheimer?” - Jon Rappoport, na obra AIDS Inc.
Scandal of the Century, (Empreendimentos AIDS – O Escândalo do Século) 1-2.

“Se não colocarmos a liberdade médica na Constituição, chegará o momento em que a medicina
tornar-se-á uma ditadura secreta. Restringir a arte de curar a uma classe de homens e negar
privilégios iguais aos outros, constituirá na [Queda da] Bastilha da ciência médica. Todas essas leis
são antiamericanas e despóticas e não têm lugar em uma república. A constituição desta república
deve conceder privilégio especial para a liberdade médica bem como para a liberdade religiosa.” -
Benjamin Rush, médico pessoal de George Washington e um dos signatários da declaração de
independência.

Uma obra altamente recomendada é o livro de Kevin Trudeau, Natural Cures


They Don’t Want You to Know About.(Curas Naturais que Eles não Querem que
Você Saiba) Trudeau, um jornalista, reúne relatórios médicos, fatos bem como
gravuras, apresentando os remédios naturais baratos, bem como eficazes, usados
por herboristas nos mundos orientais e antigos. Ele mostra como as grandes
empresas farmacêuticas literalmente roubam segredos de tribos africanas,
asiáticas, sul-americanas, extraem os produtos químicos das plantas, depois
patenteiam pílulas e elevam os preços em torno de 4.000%, enquanto suprime as
compras alternativas na mesma área.

“Se as pessoas deixarem o governo decidir que alimentos elas devem comer e que medicamentos
elas devem tomar, os seus corpos logo estarão em um estado tão lamentável quanto as almas
daqueles que vivem sob a tirania.” - Thomas Jefferson

O Instituto Rockefeller para Pesquisa Médica foi estabelecido em Nova York em 1902 e em 1928
havia recebido US $ 65 milhões em fundos de doação de John D. Rockefeller. Isso representa
dezenas de milhões de dólares a mais do que o financiamento apropriado concedido pelo governo
federal para a pesquisa médica. Esta tendência de financiamento privado prevalece até hoje.

“Está a Associação Médica Americana (AMA) de Rockefeller, fazendo


de tudo para garantir que os médicos saibam a verdade sobre a saúde e
façam o máximo para garantir a segurança do paciente? DE JEITO
NENHUM! Vamos considerar esses fatos. As ervas têm estado sempre
ao nosso redor, crescendo naturalmente e elas têm sido utilizadas para a
cura durante séculos. As drogas são reproduções químicas sintéticas
vendidas pelas grandes corporações farmacêuticas a preços altamente inflacionados. Médicos
recebem menos de três horas de instrução sobre nutrição, alimento saudável e medicina preventiva
durante os seus quatro a seis anos de treinamento. Luis Pasteur, pouco antes de morrer, declarou que
ele estava possivelmente equivocado sobre sua teoria dos germes. Ele disse que os germes e os
vírus podem ser o resultado da doença em vez de serem os causadores. A forma como isso poderia
ser explicado é que o corpo se autossobrecarrega com o acúmulo tóxico e produz sintomas de
estresse, então as bactérias ou vírus necessários no trabalho de limpar as toxinas, criam uma
abundância destes no sistema e deixam um subproduto de resíduos supertóxicos pelo caminho, o
qual o corpo tem enorme dificuldade temporal para efetuar a devida expulsão. Portanto, a presença
do vírus ou alta contagem de bactérias originam-se da doença, não sendo, a causa. Dois fatores
muito importantes a termos em mente ao considerar esta possibilidade são: 1. Uma pessoa não
precisa ser exposta a outro indivíduo para desenvolver um resfriado. Pessoas que vivem em
pequenas comunidades sem exposição externa podem vir a desenvolver resfriados e outras doenças.
2. Pessoas saudáveis podem dormir com outras pessoas e trocar fluidos corporais com indivíduos
que tenham HIV, sem serem infectadas. A consideração desses fatos enfraquece ainda mais a Teoria
Germinal da Doença. Se essa informação for verdadeira, então a introdução de medicamentos
prescritos e farmacêuticos só servirá para mascarar os sintomas do problema e destruir lentamente o
sistema imunológico, uma vez que estas drogas são altamente tóxicas.” - David Icke, na obra The
Secret History of America. (A História Secreta da América)

A maior parte da conspiração médica está além do escopo deste livro, mas não deve ser deixada de
fora de sua própria pesquisa. Para sua própria informação, bem como saúde e segurança, verifique o
Google ou de outra forma pesquise sobre os seguintes temas: Chemtrails, Envenenamento por
Aspartame, Tecnologia de Controle Mental, os programas HAARP, MK-Ultra, Monarch e Montauk,
os programas de esterilização, a origem da AIDS, do EBOLA, da SARS, (sigla em inglês para a
Síndrome respiratória aguda grave) do anthrax, do autismo, Monsanto, GMO, MSG e sementes
exterminadoras.

O Fluoreto

Graças a alguma ciência pobre e a um público sem instrução, os suprimentos de água no mundo
todo estão sendo contaminados com um produto químico perigoso sob o pretexto de ajudar os
dentes. O Dr. Robert Carton, um cientista que passou 20 anos trabalhando para a EPA dos EUA
(Environmental Protection Agency – Agência de Proteção Ambiental) disse na CBC de 24 de
novembro de 1992, “A Fluoretação é o maior caso de fraude científica deste século, se não de todos
os tempos.”

“O flúor é uma toxina conhecida por causar câncer, fraturas ósseas graves e retardamento nas
crianças. As principais instituições científicas, grandes universidades e prêmios Nobel expuseram
seu perigo, mas o flúor está sendo colocado na água em todo o mundo. A quantidade de
evidências científicas de que o flúor mata é esmagadora … Um importante estudo universitário
conduzido ao longo de décadas comparou as taxas de câncer ósseo na Irlanda do Norte, onde a água
é fluoretada, com as da Irlanda Sul, onde a água não é tratada com fluoreto. As taxas de câncer
ósseo raro foram 45% maiores no Norte. A evidência de que o flúor é um lixo tóxico perigoso que a
Nova Ordem Mundial está lançando em nosso abastecimento de água é esmagadora.” - Alex Jones,
em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

Na década de 1950, o major George Jordan, da Força Aérea dos Estados Unidos testemunhou
perante as Comissões de Atividades Contra os Estados Unidos do Congresso que, durante seu posto
como oficial de ligação entre os EUA e os soviéticos, os soviéticos admitiram abertamente “usar
flúor nos suprimentos de água em seus campos de concentração, para tornar o prisioneiro estúpido,
dócil e subordinado.” Os primeiros experimentos realizados com água fluoretada foram feitos em
campos de concentração da Alemanha nazista.

“Foram a Mellon e a ALCOA que introduziram a política de colocar fluoreto em água potável para
ganhar dinheiro com um subproduto da indústria do alumínio que no momento eles estavam lutando
para eliminar. Não tem nada a ver com proteger os dentes. O Fluoreto foi realmente usado como um
veneno de rato durante 40 anos e é um supressor do intelecto.” - David Icke, em The Biggest Secret,
(O Maior Segredo) pp. 385-6.

O fluoreto é um veneno que é alistado na parte II da Lei de Venenos do Reino Unido de 1972. Na
Bélgica, Alemanha e Luxemburgo a pratica de fluoretação da água foi rejeitada por ser corretamente
classificada como [administrar] “medicação compulsiva contra a vontade do sujeito”, uma violação
dos direitos humanos fundamentais.

“Apenas 2% da Europa fluoriza a água. Em 1992, um


estudo do Departamento de Saúde de New Jersey (Cohn
PD, A Brief Report on the Association of Drinking Water
Fluoridation and the Incidence of Osteosarcoma Among
Young Males – New Jersey Dept of Health – Cohn PD,
Breve Relatório sobre a Associação de Fluoretação da Água
Potável e a Incidência do Osteosarcoma Entre os Jovens do
Sexo Masculino – Departamento de Saúde de New Jersey,
de 8 de Novembro de 1992) encontraram uma forte ligação
entre a fluoretação e o câncer ósseo (osteossarcoma) em
jovens do sexo masculino. Eles relataram que as taxas de
osteossarcoma eram três a sete vezes maiores em áreas
fluoretadas do que em áreas não fluoretadas. A água
fluoretada tem sido associada à diminuição das taxas de natalidade, pois interfere nos níveis de
testosterona masculinos. (Freni SC, Fluoride in Drinking Water & Decreased Birth Rates – Journal
of Toxicology & Environmental Health – Freni SC, Fluoreto em Água Potável e Taxas de
Natalidade Diminuídas – Periódico de Toxicologia e Saúde Ambiental – No. 42, pp. 109-121, de
1994) Estudos chineses mostram QI reduzido em crianças com excesso de exposição ao flúor
através da água potável. Outros efeitos incluem perda de memória, dor de cabeça, concentração
reduzida, depressão e confusão. - Zhao LB, Liang GH, Zhang DN, Wu XR, Efeitos de um
Fornecimento em Quantias Altas de Água Fluoretada na Intellligence das Crianças. Fluoreto 29: 4
pp. 190-192, 1996. Li XS et al, Efeito da Exposição ao Fluoreto na Inteligência em Crianças.
Estudo da Vigésima Conferência da Sociedade Internacional de Pesquisa de Fluoreto, Pequim,
Setembro de 1994” - Alex Jones, em 911 Decent into Tyranny (911 – Descida na Tirania)

“Se a fluoretação cria um risco para a saúde pública e não diminui significativamente a cárie
dentária, por que o fluoreto foi adicionado ao suprimento de água? Como é que muitas áreas ao
redor do país ainda estão adicionando flúor ao abastecimento de água? O flúor é um produto de
resíduos industriais. Os anos 20 e 30 viram o crescimento astronômico das indústrias de alumínio e
fertilizantes fosfatados. No entanto, o seu rápido crescimento deu origem a problemas de poluição
inesperados. O poluente era o flúor. A Poluição por flúor pelo ar, prejudicava os animais selvagens,
as colheitas e o gado. Inicialmente, essas indústrias compraram as áreas circundantes devastadas
pelo fluoreto. Mas quando o fluoreto começou a cobrar o seu preço na saúde humana, os processos
e a ações por parte de oficiais da saúde forçaram as companhias a instalarem dispositivos para o
controle da poluição objetivando isolar os dejetos do fluoreto. Infelizmente, isso simplesmente
deslocou o problema dos fluoretos no ar para fluoretos de água e para os produtos de resíduos
sólidos de flúor, que foram deixados para poluir rios, riachos e águas subterrâneas. Um dos meios
de se desfazer financeiramente do flúor foi vendê-lo como um veneno para ratos e como inseticida.
No entanto, uma vez que não havia quantidade suficiente de ratos e insetos em volta para
envenenar, o problema do que fazer com esse excesso de flúor ainda persistia. Além disso, uma vez
que o fluoreto não é biodegradável, o uso excessivo dele como um inseticida e rodenticida logo
geraria perigo para a saúde humana.” - Alex Christopher, em Pandora’s Box – The Ultimate Unseen
Hand Behind the New World Order. (A Caixa de Pandora – A Última Mão Invisível por Detrás da
Nova Ordem Mundial) p. 419.
O fluoreto é colocado no abastecimento de água de
muitos países, mas também é encontrado em pasta
de dentes e outros produtos dentários, em pesticidas,
(pulverizados sobre culturas alimentares) bem como
em medicamentos e em alimentos processados. É
um dos principais ingredientes do PROZAC
(antidepressivo) e do Gás Sarin. (gás paralisante)
Por décadas as escolas dos Estados Unidos deram
às crianças todos os dias pacotinhos de fluoreto e
diziam para bochecharem em suas bocas por 3
minutos no início de cada dia de aula. Assim, sob o
pretexto de proteger os dentes de nossos filhos, o
supressor do intelecto testado pelos nazistas era
gargarejado em quase de todas as manhãs antes das
aulas de doutrinação diárias. Então na parte da tarde
era a hora da cafeína e do aspartame contidos nas sodas. A Coca-Cola é chamada assim porque
originalmente continha cocaína. Ele contém tanto açúcar e aspartame que eles têm que cortar o
sabor com ácido fosfórico para que você não queira perder a mordaça. Em outras palavras, eles
propositadamente o sobrecarregam com açúcar e adoçante artificial para efeito de dopagem, não
em prol do sabor. Então “equilibram o processo” adicionando um ácido perigoso, que em grandes
quantidades causa problemas de saúde como a osteoporose.

Os produtos químicos em nossa água, bem como a soda são apenas a ponta de um iceberg, sendo
que esse iceberg é um tanto grande para este livro. Basta dizer que a maioria dos "alimentos" que
abastecem às prateleiras dos supermercados são carentes de valor nutricional e repletos de drogas
perigosas e de produtos químicos.

As Vacinas

“A funcionalidade das vacinas do mês de março de 1999 conforme divulgada na revista Parenting
forneceu toda a propaganda que se poderia esperar de uma subsidiária da Time, Inc. e Time-Warner,
Inc., a empresa-mãe, que, por sinal é membro corporativo do Conselho de Relações Exteriores.
(CFR) O presidente da Time, Richard D. Parsons, e o editor-chefe da TIME, Norman Pearlstine, são
membros de longa data do CFR. Um objetivo político elaborado pela CFR é o despovoamento
substancial em escala mundial, tendo por alvo inclusive reduzir pela metade a atual população dos
EUA. Este programa de redução populacional é financiado em grande parte pela Fundação
Rockefeller e pelo Fundo Merck, tanto financeira como administrativamente ligados à empresa
farmacêutica Merck – o principal fabricante mundial de vacinas.” - Dr. Len Horowitz, na obra
Parenting with Deadly Timely Propaganda. (A Paternidade com a Propaganda Oportunamente
Mortal)

O VAERS (Vaccine Adverse Effects Reporting System – Sistema de


Notificação de Efeitos Adversos da Vacina) da FDA recebe cerca de dez a
doze mil relatórios por ano a cerca de reações graves de vacinações, com
cerca de 1% de mortalidade. No entanto, a investigação do NVIC
(National Vaccine Information Center – Centro Nacional de Informação
sobre Vacinas) sobre o VAERS relata, com base em um estudo de Nova
York, que 97,5% das mortes relacionadas com a vacina e deficiências não
são relatados para e pela FDA. Assim, o número anual de mortes de
americanos está provavelmente mais próximo de 1000 e o de deficiências chega perto de 100.000.
Além disso, o SIDS, (Sudden Infant Death Syndrome – Síndrome de Morte Súbita Infantil)
responsável pela morte de até 10.000 bebês por ano, demonstrou-se “coincidentemente” ter ocorrido
logo após a imunização e a vacinação.

“Então temos as vacinas. Tudo, desde vírus de câncer, até fragmentos de DNA e mercúrio, tem-se
encontrado em vacinas. Todo o suprimento de vacina está contaminado. E o que o governo está
fazendo? Mandar mais e mais injeções para os nossos filhos. O Chicago Tribune relatou em 2001
que 60 cientistas de topo se reuniram em Chicago para apresentar evidência esmagadora de que os
vírus do câncer encontrados em macacos estão em muitas das vacinas. Uma pesquisa recente no
Reino Unido mostrou que mais de 80% da população se opõe à injeção obrigatória de vacinas
contra o sarampo, a caxumba e a rubéola.(mmr) Uma âncora
de notícias veio a público com o fato de que esta vacina
causou lesões cerebrais em seu filho. O autismo aumentou
em 2000 por cento e ainda está aumentando no mundo
industrializado de modo proporcional ao aumento da
demanda de vacinações.” - Alex Jones, em 911 Decent into
Tyranny (911 - Descida na Tirania)

Os efeitos adversos a longo prazo das vacinas foram


documentados e estes incluem transtornos imunológicos e
neurológicos crônicos como o ADD, (Attention Deficit Disorder – Transtorno de Déficit de
Atenção) a ADHD, (Attention deficit Hyperactivity Disorder – Transtorno de Deficit de Atenção e
Hiperatividade) a dislexia, o autismo, as alergias e o câncer.

“Um estudo alemão encontrou correlações entre as vacinações e 22 condições neurológicas,


incluindo deficit de atenção e epilepsia. O dilema é que os elementos virais nas vacinas podem
persistir e realizar mutações no corpo humano por anos, com consequências desconhecidas. Milhões
de crianças estão participando de um enorme e grosseiro experimento; e nenhum esforço sincero e
organizado está sendo feito pela comunidade médica para rastrear os efeitos colaterais negativos ou
para determinar as consequências a longo prazo … No entanto, os médicos individuais não podem
ser inteiramente culpados. Como estudantes de medicina, poucos têm razão para questionar as
informações ensinadas. (que não tocam nas informações apresentadas neste relatório) Ironicamente,
a medicina é um campo que exige conformidade; há pouca tolerância para opiniões opostas ao
‘status quo’. Os médicos não podem alertá-lo sobre o que eles próprios não sabem e com pouco
tempo para a educação logo que eles começam a praticar, eles são, em certo sentido, mantidos
cativos por um sistema que os desencoraja de adquirir informações de forma independente e a
formarem as suas próprias opiniões. Aqueles poucos
que se atrevem a questionar o ‘status quo’ são
frequentemente esquecidos, e em todo caso, eles
ainda estão legalmente obrigados a aderir aos
mandatos legais do sistema.” - Alan Philips, na obra
Dispelling Vaccination Myths. (Dissipando os Mitos
da Vacinação) -

No Medical Post (Post Médico) de dezembro de


1994, a Dra. Guylaine Lanctot, autora do best-seller,
Medical Mafia, (Máfia Médica) disse: “As
autoridades médicas continuam mentindo. A
vacinação tem sido um desastre para o sistema
imunológico. Isso realmente causa um monte de
doenças. Estamos realmente mudando nosso código
genético através da vacinação … daqui a 10 anos contados à partir de agora, saberemos que o
maior crime contra a humanidade foi a administração de vacinas.”

Após ter feito um estudo independente da literatura médica convencional sobre a vacinação, a Dra.
Viera Scheibner concluiu que “não existe evidência alguma da capacidade das vacinas de prevenir
quaisquer doenças; ao contrário, existe uma grande abundância de evidências de que elas causam
efeitos colaterais graves.”

Durante décadas, mais da metade de todas as imunizações infantis, cerca de 12 das 18 doses médias
de vacinação, continham o conservante químico Timerosal, que é feito de mercúrio, o segundo
metal mais tóxico conhecido pelo homem. (O urânio é o primeiro) Isso representa cerca de 200
microgramas de mercúrio antes dos dois anos de idade, de 30-40 vezes a quantidade de níveis
seguros em adultos. Outro conservante encontrado na maioria das vacinas é o formaldeído, (formol)
que é incrivelmente venenoso, sem níveis seguros aceitáveis para o corpo humano.

O Dr. Boyd Haley, presidente do Departamento de Química da Universidade de Kentucky, um dos


principais especialistas do país em intoxicação por mercúrio, disse: “O timerosal é um dos
compostos mais tóxicos que conheço. Eu não consigo pensar em nada que eu saiba que seja mais
letal.”

Antes dos anos 1990, uma média de apenas 1 em cada 10.000 crianças haviam sido diagnosticadas
com autismo. Atualmente, mais de 1 em cada 150 crianças nascidas nos Estados Unidos vem ao
mundo com autismo e a cada momento são aquelas crianças que foram “imunizadas” que começam
a ter convulsões ou começam a decair mentalmente logo após a vacinação. O Amish, um grupo de
cerca de 200.000 pessoas que resistem religiosamente às vacinações, nunca tiveram um caso de
autismo. Com base em estatísticas simples, eles deveriam ter mais de 100 autistas entre seus
números agora, mas isso não ocorre. Eles estão diretamente misturados com a população da
Pensilvânia cuja taxa de crianças autistas cresce rapidamente, mas os seus números permanecem
inalterados. O Timerosal e o formaldeído estão causando autismo em crianças, mal de Alzheimer
em idosos e uma vasta gama de outras novas doenças neurológicas.

“Na verdade, foram vacinas virais vivas contaminadas que


espalharam esta doença [AIDS] e provavelmente outras,
incluindo fadiga crônica, certas leucemias e possivelmente a
Síndrome da Guerra do Golfo, também, para vastas populações.
De fato, as vacinas virais vivas atuais, incluindo a vacina oral
contra a poliomielite exigida por lei, que por obrigação devem
ser dadas a nossos filhos, ainda estão repletas de contaminantes
do vírus do símio, (ou vírus do macaco) uma vez que são
desenvolvidos em células de rim de macaco, E a ‘EU Food and
Drug Administration’ (Agência de Controle de Alimentos e
Medicamentos dos EUA) faz vista grossa para tantos quanto
cem contaminantes de vírus de macaco vivo por dose de vacina
e é proibido aos profissionais de saúde e até mesmo os cientistas
da saúde, ambos falarem esta verdade uma vez que a indústria farmacêutica ditou leis proprietárias
e acordos de não divulgação.” - Dr. Len Horowitz em um discurso antes do encontro dos Cidadãos
Contra Lacunas Jurídicas, no Capitol Mall, em 1996.

A AIDS Projetada
“Eu investiguei o pedido de verbas para guerra biológica do Departamento de Defesa e constatei
que a opção de desenvolver agentes biológicos sintéticos - armas biológicas como alternativas às
armas nucleares – vieram do Dr. Henry Kissinger, que gradualmente foi colocado em sua posição de
autoridade como Assessor de Segurança Nacional sob Richard Nixon, o homem mais poderoso no
governo, por Nelson Rockefeller e por seus afiliados no Conselho de Relações Exteriores. Além
disso, rastreei o destino do dinheiro. Foi, de fato, para uma firma chamada Litton Bionetics, uma
subsidiária da contratante mega industria militar, a Litton Industries, cujo presidente, Roy Ash,
estava sendo cogitado para a vaga de suplente de Henry Kissinger para o cargo de Assessor de
Segurança Nacional. Em vez disso, Roy Ash tornou-se presidente de Richard Nixon no Conselho
Consultivo do Presidente sobre Organizações Executivas e Assistente do Presidente dos Estados
Unidos. E a Litton Industries recebeu mais de US $5 bilhões em contratos militares durante o
primeiro mandato da administração Nixon, US $10 milhões dos quais foram para o
desenvolvimento de vírus semelhantes à AIDS.” - Dr. Len Horowitz em um discurso antes do
encontro dos Cidadãos Contra Lacunas Jurídicas, no Capitol Mall, em 1996.

Durante seu discurso no Capitol Mall e em seu livro Emerging


Viruses: AIDS and Ebola, (Vírus Emergentes: AIDS e Ebola) o pós-
graduado de Harvard, Dr. Len Horowitz expôs como Henry Kissinger,
os Rockefeller, e outros minions (lacaios) da Nova Ordem Mundial
haviam financiado e criado o vírus da AIDS, o vírus do Ebola e outros
vírus como armas biológicas para se adequar à sua agenda de
despovoamento.

“Pode-se passar a entender que o Dr. Robert Gallo, o famoso biólogo


molecular da NCI, perdoado pelo presidente Clinton no ano passado
por fraude científica e má conduta, e creditado com sendo quem
descobriu o vírus da AIDS, começou a desenvolver um vírus
devastador para o sistema imunológico, com outros pesquisadores do Litton Bionetics. Pode-se
passar a entender claramente que eles pegaram o vírus de macacos cujos efeitos no ser humano
eram benignos, os recombinaram com DNA, RNA e enzimas de outros vírus de animais que
causavam leucemias, linfomas e sarcomas e, em seguida, fizeram com que saltassem para novas
espécies, daí cultivando esses novos vírus mutantes em glóbulos brancos humanos em alguns
estudos e em células de tecido fetal humano em outros estudos, para produzir vírus destruidores do
sistema imunológico, causadores de câncer, que poderiam entrar nos seres humanos e produzir
efeitos praticamente idênticos ao que o vírus da AIDS está produzindo atualmente em pessoas ao
redor do mundo … No final, a pergunta de pesquisa que eu fiz: ‘será que esses vírus, AIDS e Ebola,
evoluíram naturalmente, foram acidentalmente produzidos, ou foram intencionalmente criados e
implantados?’ Concluo, sem dúvida, que não são naturais. Deixo ao leitor e aos cidadãos
preocupados da América e do mundo, a tarefa de decidirem se foi um acidente horrível ou uma
experiência de controle populacional enganosa e traiçoeira.” - Dr. Len Horowitz em um discurso
antes do encontro dos Cidadãos Contra Lacunas Jurídicas, no Capitol Mall, em 1996.

“De repente percebi como era fácil acessar informações que eu presumia que fossem confidenciais.
Eu selecionei e, em seguida, enviei as informações para a impressora. A cópia impressa incluía
referências soviéticas, caribenhas e cubanas. O título de um dos documentos era ‘Belitskiy, sobre
como e onde o vírus da AIDS se originou’. Esse documento registrou uma transmissão da rádio
Serviço Mundial de Moscou em inglês. Outra transmissão, intitulada ‘Comentário Acusa EUA de
Desenvolver o Vírus da AIDS’, foi feita pelo Serviço Internacional de Havana. Uma terceira
comunicação, dessa vez por parte da imprensa caribenha foi etiquetado como ‘Os alemães afirmam
que o vírus da AIDS foi criado pelo Pentágono.’ Momentos depois, o bibliotecário BPL retornou
com o relatório da Comissão Rockefeller sobre a CIA. Antes de partir, perguntei como poderia
localizar os documentos que acabara de descobrir. Ele me disse que se estavam em microfilmes,
dois andares acima. Dentro de algumas horas, eu havia recuperado e lido a todos. Aparentemente,
vários pesquisadores em todo o mundo – Dr. John Seale de Londres, Dr. Manuel Servin no México
e Dr. Jacobo Segal de Berlim – alegaram o que Strecker possuía. O relatório russo até citou uma
empresa da Alemanha Ocidental chamada OTRAG por ter conduzido experimentos com vírus de
macaco verde no Zaire, que supostamente levaram ao desenvolvimento de ‘um vírus mutante que
seria um assassino do ser humano.’” - Dr. Len Horowitz, na obra Emerging Viruses: AIDS and
Ebola, (Vírus Emergentes: AIDS e Ebola) p.61.

O Dr. Robert Strecker foi um dos primeiros a publicar trabalhos de avaliação interpares sobre a
origem do vírus da AIDS. Ele descobriu que não há marcadores genéticos no vírus da AIDS típico
do primata, e que ele simplesmente não pode prosperar em macacos. Ele descobriu que a AIDS não
existia na África antes de 1975 e, no entanto, supostamente havia sido o resultado de uma mordida
de macaco ocorrida no ano de 1940. Mesmo se esse tivesse sido o caso, ele mostrou como a
epidemia resultante teria ocorrido na década de 60 e não no final dos anos 70. Além disso, se os
macacos verdes tivessem sido os responsáveis pela Aids, os pigmeus da África rural deveriam ter
muitos mais casos de AIDS do que as populações urbanas, mas o oposto é verdadeiro.

O Dr. Strecker apresentou um pedido com base na Freedom of Information Act (Lei da Liberdade
de Informação) para obter os documentos que mostram que o Departamento de Defesa dos Estados
Unidos se apropriou US $10 milhões em 1969 para estudar agentes destruidores do sistema
imunológico para serem usados em guerras germinativas. Pouco depois
disso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) começou a fazer
experiências com um vírus linfotrópico, produzido em vacas, para uso em
seres humanos. Eles descobriram, como Strecker havia descoberto, que a
AIDS que prospera em vacas e carcaças de vacas e no Vírus Bovino
Linfotrópico (BLV) é muito semelhante ao HIV.

“Uma literatura fornecida pelo The Strecker Groups instou os leitores:


‘ACORDEM POR FAVOR! Em 1969 … [o] Departamento de Defesa dos
Estados Unidos pediu e conseguiu US $10 milhões para tornar o vírus da
Aids desenvolvido em laboratórios uma arma política e étnica para ser
usada principalmente contra negros. O programa de viabilidade e os
laboratórios teriam sido concluídos por volta de 1974 a 1975; e o vírus
entre 1974 e 1979. A Organização Mundial de Saúde (OMS) começou a aplicar vacina contra a
varíola associada ao SIDA em mais de 100 milhões de africanos (redução populacional) em 1977. E
mais de 2000 jovens homossexuais masculinos brancos (cavalo de Troia) em 1978 receberam doses
da vacina contra hepatite B através dos Centers for Disease Control – CDC (Centros de Controle de
Doenças) e do New York Blood Center’. (Centro de Sangue de Nova York) Collin, em sua revisão,
acrescentou: ‘Strecker observa que seria relativamente fácil implantar tais vírus nas carcaças de
vaca usadas para produzir a vacina contra a varíola. Quando os soros da
vacina contra a varíola foram recuperados das carcaças de animais, os
vírus anfotrópicos anímicos podiam ser transportados ou sofrer uma
mutação ou ser incorporados na vacina … A epidemiologia de múltiplas
vacinas ‘contaminadas’ contra a varíola, dadas no início dos anos 1970,
forneceria exatamente o cronograma certo para uma epidemia de AIDS
tão difundida na África de hoje.’” - Dr. Len Horowitz, na obra Emerging
Viruses: AIDS and Ebola, (Vírus Emergentes: AIDS e Ebola) p. 17.

A história original propagada pelos meios de comunicação de massa era


que o vírus da AIDS foi introduzido na população humana por intermédio
dos macacos verdes africanos. Supostamente um africano foi mordido ou
teve sexo com um macaco, tendo em seguida, trazido a AIDS para a
população homossexual dos EUA. Em uma entrevista com Robert Strecker, Len Horowitz
perguntou: “Mas e a teoria dos macacos verdes – a teoria de que um macaco verde mordeu um
africano ou alguém teve relações sexuais com um macaco?” A que o Dr. Strecker respondeu: “Isso é
simplesmente um absurdo … Macacos verdes têm quase o tamanho de galinhas. Assim, a ideia de
um ser humano fazer sexo com um macaco do tamanho de uma galinha é, evidentemente, absurda.
Além disso, a teoria de que uma transmissão ocorreu através de mordedura é, evidentemente,
encarado sempre como algo muito pouco provável. Se você checar isso com o CDC e todos os
outros, eles dirão que morder não é uma maneira fácil de espalhar essas doenças, exceto no caso do
suposto macaco verde o qual de repente passou a ser a maneira como ele foi espalhado.” - p. 98.

Em 1977, a OMS lançou uma grande campanha de vacinação contra a


varíola na África, que iniciou a rápida propagação da AIDS lá. Então, em
1978, o Centro de Controle de Doenças (CDC) selecionou 2000
homossexuais, aqueles que tinham especificamente múltiplos parceiros
sexuais e deu-lhes vacinas que já vinham com hepatite B. As doses,
fabricadas pela Merck, foram administradas em Nova York, São Francisco,
Los Angeles, St. Louis, Houston e Chicago – as mesmas 6 cidades dos
EUA com as maiores taxas de incidência e mortalidade por Aids.

Continuando com a entrevista do Dr. Horowitz e do Dr. Strecker, eles


lançam alguma luz sobre o motivo por trás desse embuste. Strecker postula
que a razão para infectar intencionalmente os gays foi porque pouco seria
feito sobre isso: “Se você olhar para o mundo, qual a porcentagem dos casos de AIDS no mundo é
ligada aos heterossexuais? Mais de 90 por cento … É só neste país que você tem essa estranha,
inexplicável predominância de homossexuais … Basta pensar sobre isso. Suponha que você
coloque esse vírus entre os heterossexuais ou crianças. Que tipo de reação teria ocorrido em
comparação à resposta que ocorreu?” (pp. 109-10)

Além de tudo isso, tem sido repetidamente mostrado que: 1) O HIV nem sequer leva à AIDS, 2)
AIDS é realmente uma amalgamação forçada de 30 doenças imunes diferentes em um termo
errôneo, e 3) O fármaco “AZT” administrado a pacientes com HIV e AIDS realmente suprime ainda
mais o sistema imunológico!

“No caso da AIDS, eu mostrei que nunca foi provado que o HIV
causasse alguma coisa. Eu também mostrei que a AIDS não era algo
específico. A AIDS era, na verdade, uma variedade de estados de
imunossupressão provocada, em diferentes grupos e, em última
instância, indivíduos diferentes por um grande número de DIFERENTES
causas … Nesta pesquisa que você está prestes a ler, a qual ocorreu entre
1986 e 1988, também percebi que a AIDS era uma história de capa
perfeita para um alvo secreto de populações, desde homossexuais em
Nova Iorque, indo até os africanos em Uganda. Porque, se ela foi
rotulada como a AIDS, já uma espécie de sentença de morte hipnótica e
então foi tratada com drogas altamente tóxicas como o AZT, ao mesmo
tempo foi também, na verdade, ocultado o que realmente fazia as
pessoas adoecerem; eis O DESPOVOAMENTO À CAMINHO.” - Jon
Rappoport, na obra AIDS Inc. Scandal of the Century,
(Empreendimentos AIDS - O Escândalo do Século) capítulo 1.

Um colega de Robert Gallo, o descobridor da AIDS, o biólogo molecular Peter Duesberg, tem uma
perspectiva muito diferente de seus colegas. Na Spin Magazine de janeiro de 1988, Duesberg disse
a repórter Celia Farber que “Os cientistas que pesquisam a AIDS estão muito menos inclinados a
fazer perguntas escrupulosas sobre a etiologia (causa) da AIDS uma vez que investiram enormes
somas de dinheiro em empresas que ganham dinheiro com a hipótese de que o HIV é o vírus da
Aids. William Haseltine e Max Essex, por exemplo, que são dois dos cinco principais pesquisadores
de AIDS no país, têm milhões em ações de uma empresa que eles criaram e que venderá kits de
AIDS que testarão o HIV. Como poderiam eles ser objetivos? Gallo está prestes a ganhar muito
dinheiro com direitos de patente sobre o vírus. Toda a sua reputação depende deste vírus. Se o HIV
não é a causa da AIDS, não resta mais nada para Gallo.”

Em entrevista ao autor Jon Rappoport, Peter Duesberg continuou descrevendo a dura realidade na
pesquisa médica: “Você necessita estar no NIH (National Institutes of Health) para ver como eles
pensam. Eles estão muito, muito preocupados com a próxima etapa da pesquisa. O passo posterior a
tudo o que acabaram de descobrir. Você poderia lembrá-los de que o tipo de vírus que eles estão
estudando, o HIV, simplesmente não possui características para causar uma doença como a AIDS e
eles entenderiam a sua informação e até concordariam com você, inclusive quanto aos princípios
gerais. Mas então eles virariam as costas, voltando a trabalhar, antes de terminarem a conversa com
você … É muito difícil falar com uma pessoa que tem um contrato com uma indústria farmacêutica
no bolso. Como você sabe que ela está dizendo a verdade? Os tempos mudaram. Esta é a ciência de
alto risco, voltada às finanças.” (pp. 40-41)

“Eu continuei a encontrar produtos químicos que poderiam produzir sintomas de AIDS. Mas
também me deparei com outros fatores que poderiam causar esses sintomas. Como sendo produtos
químicos, eles não tinham nada a ver com o lendário vírus HIV. O mais importante foi a fome, a
desnutrição crônica a longo prazo. Pode ocorrer até certo ponto entre viciados, pode ocorrer em
uma escala inteiramente diferente entre povos do terceiro mundo. A desnutrição é reconhecida como
a maior fonte de imunossupressão do mundo … As definições atuais da AIDS no Terceiro Mundo
agora aceitam, em geral, três sintomas como centrais para a AIDS: Perda de peso de 10% ou mais
(desperdício), diarreia crônica e febre crônica. Estes são também sinais de desnutrição crônica. A
diarreia por trazer desidratação grave, é tradicionalmente um dos três maiores assassinos do mundo.
Isso não é novidade. A razão por que estes três sintomas estão sendo usados como indicadores de
primeira linha da AIDS envolve a falta generalizada de instalações de testes laboratoriais em países
do Terceiro Mundo. Os médicos são destinados a usar esses indicadores para fazer diagnósticos
rápidos de AIDS, no local. Em tal situação, o número de casos de AIDS disparará, e uma igualdade
oculta será estabelecida entre AIDS e fome. Mas a ‘doença’ é a fome, não a AIDS.” - Jon
Rappoport, na obra AIDS Inc. Scandal of the Century, (Empreendimentos AIDS - O Escândalo do
Século) pp. 17 - 18.

Muitos milhões de africanos foram e continuam sendo diagnosticados e recebem AZT quando
precisam de alimento. Além disso, a maior parte da fome e da pobreza na África de hoje foi
provocada e criada pelas nações ocidentais. A fome e a pobreza não são situações comuns à
existência humana, mesmo para as chamadas nações do “Terceiro Mundo”. Na verdade, quando as
organizações de caridade do primeiro mundo “ajudam” os países mais pobres com alimentos e
medicamentos, o resultado a longo prazo sempre é danoso para as populações e contribui para o
imperialismo corporativo e farmacêutico do ocidente. Mesmo doações de alimentos têm eventuais
efeitos nocivos. Agricultores e outros que são essenciais para as economias locais acham mais fácil
ficar na fila para receber a comida gratuita entregue a eles do que trabalhar a terra. Isso até que as
doações param de chegar ou são direcionadas para um local diferente; por essa altura os aldeões
estão dependentes dessas entregas regulares de alimento, as estruturas de poder locais mudam para
refletir isso e os alimentos bem como a distribuição dos mesmos são usados como uma arma pelos
agentes de poder do ocidente.

“A verdade é que a AIDS não é uma doença qualquer; é uma operação internacional, um negócio,
uma burocracia. É no Terceiro Mundo, uma maneira de substituir os medicamentos nocivos pelo
que é necessário: comida. Com a AIDS, uma tentativa está sendo feita para limitar uma variedade
de sofrimentos e conflitos políticos, bem como de fomes e abusos químicos para uma única
entidade. Desde que a entidade viral, o HIV, é sensacional e assustadora, satisfaz o desejo de não
pensar, não aprender, não descobrir o que está acontecendo em um mundo repleto de problemas.
Também é mais fácil despejar medicamentos corrosivos e pesticidas no Terceiro Mundo do que
assumir ao seu efeito tóxico crescente sobre as pessoas. É mais fácil chamar seus sintomas de AIDS.
O que acontece quando você tenta pintar um quadro de uma área que diz ter AIDS, e você encontra,
em vez disso, uma combinação de drogas, pesticidas, fome, doenças mais antigas e outros fatores
ambientais, todos capazes de causar imunossupressão, todos capazes de produzir os sintomas do
que é chamado de AIDS? O que acontece é que, se você quiser satisfazer seus colegas de medicina,
se você quiser ganhar o dinheiro com concessão de pesquisa deve negligenciar as anomalias e dizer
que tudo é AIDS. Se você não fizer isso, você admitirá que a imagem é diversa e também confusa.
Aí você encara os fatos. Aí você perde os subsídios.” - Jon Rappoport, na obra AIDS Inc. Scandal
of the Century, (Empreendimentos AIDS - O Escândalo do Século) pp. 19 - 20.

O AZT, a medicação para o HIV/AIDS, foi aprovado pela FDA em tempo recorde, recebeu tanto a
recomendação quanto o aval para tratamento em menos de cinco dias e o licenciamento
farmacêutico completo saiu em menos de seis meses. O AZT prejudica especificamente a medula
óssea, o local onde as matérias-primas para a imunização das células são fabricadas. Assim, eles
estão prescrevendo um imunossupressor para tratar problemas do sistema imunológico.
Essencialmente, se você não tiver AIDS antes de tomar AZT, você vai tê-lo pouco tempo depois.

Em sua entrevista com Jon Rappoport, Peter Duesberg disse que o AZT “é um inferno para a
medula óssea … Ele mata células normais muito, muito extensivamente … AZT é um veneno. É
citotóxico. Acho que dar isso para as pessoas com AIDS é altamente irresponsável … a droga só
vai prejudicar … E agora eles estão dando para as pessoas sem sintomas. Eles supõem que isso vai
evitar que o HIV se reproduza, mas eles não podem antes de mais nada encontrar nenhuma
evidência de que o HIV esteja reagindo.” - Jon Rappoport, na obra AIDS Inc. Scandal of the
Century, (Empreendimentos AIDS - O Escândalo do Século) pp. 42-3.

“Kary Mullis, vencedor do Prêmio Nobel de Química por sua invenção do processo de PCR que
amplifica os fragmentos de genes, veio em defesa de Duesberg. Mullis insiste que não há um artigo
na literatura que prove que o HIV causa a AIDS. Ele ridiculariza os pesquisadores que
inadvertidamente aceitam a hipótese sobre HIV, defendida por outro vencedor do Nobel, Wally
Gilbert, que ensina em Harvard, que falou em tons mais moderado sobre problemas com a
hipótese do HIV, da mesma forma que Harry Rubin, um padrinho da pesquisa viral moderna, que
ensina na UC Berkeley junto com Duesberg. Richard Strohman, um biólogo celular em Berkeley,
também formulou objeções ao modelo do HIV. Há muitas objeções óbvias, por razões científicas,
ao HIV como a causa da AIDS. O método tradicional de designar um germe como a causa de uma
doença, que faz parte dos assim chamados de Postulados de Koch, não conseguiu nada com o HIV.
Muitas pessoas diagnosticadas com AIDS não mostram o HIV presente em seus corpos. Ninguém
pode encontrar uma descrição convincente, após 17 anos, de como o HIV destrói as células imunes.
Isso e outras coisas mais. No entanto, a imprensa continua a papagaiar as orientações partidárias e
os governos de todo o mundo continuam a apoiar com bilhões de dólares a ideia de o HIV ser a
causa da AIDS.” - Jon Rappoport, na obra AIDS Inc. Scandal of the Century, (Empreendimentos
AIDS - O Escândalo do Século) p. 82.

O Mito da Carne

A ideia de que os seres humanos devem consumir carne animal e excreções como parte de uma
dieta equilibrada é um mito monstruoso há muito tempo simbolizado e propagado por nossa
pirâmide alimentar Illuminati insalubre.
Os três níveis superiores da pirâmide regular (carne, laticínios, gorduras refinadas / açúcares) não
são de modo algum necessários ou propícios à boa saúde. Não há uma única vitamina, mineral,
nutriente, phyto-nutriente, aminoácido, ácidos graxos, cadeia de proteína, omega, ou qualquer outro
ingrediente vital tão raro para a saúde, nem uma única coisa encontrada na carne ou produtos
lácteos que não possa ser encontrado, em maior abundância e até com mais efetividade, no reino
vegetal. Por exemplo, há mais omegas em algas do que em peixes, mais que o dobro de proteína no
espinafre do que em um bife, e quatro vezes mais cálcio em sementes de gergelim do que no leite.
Uma verdadeira pirâmide de alimentos saudáveis seria algo como esta da imagem acima.

A carne e os produtos lácteos são altamente ácidos, gordurosos, cheios de colesterol, obstrutores das
artérias, favorecem a coagulação linfática, a formação de muco, aconstipação, são difíceis de
digerir, sendo repletos de vermes, parasitas, bactérias, resíduos metabólicos, hormônios e produtos
químicos. Os ovos são na verdade ciclos menstruais aviários não fertilizados, também conhecidos
como períodos de frango. O leite compõe-se do pus e das excreções mamárias cheias de hormônios
de uma vaca fêmea, sendo destinado a nutrir seus filhotes. Nenhum destes pedaços de animais são
benéficos ou necessários para o consumo humano.

Não existe uma única doença cronica ou deficiência exclusiva


associada aos veganos. No entanto, doenças cardíacas, câncer,
tumores, cistos, esclerose múltipla, diabetes e muitos outros grandes
problemas de saúde foram todos curados por se mudar para uma
dieta 100% vegana. Alguns dos animais mais fortes na natureza,
como gorilas, elefantes, alces, rinocerontes, hipopótamos e girafas
são todos vegetarianos. A idéia de que você precisa comer carne de
outro animal para ser forte é uma superstição ridícula. Os monges
marciais de Shaolin, indiscutivelmente os homens mais resistentes do planeta, são vegetarianos
estritos.

Nossa anatomia humana é inegavelmente projetada para subsistir com alimentos vegetais e não com
carne animal; praticamente cada aspecto de nossos corpos prova que somos herbívoros e frugívoros
e não carnívoros e omnívoros. Para começar, os seres humanos e outros vegetarianos naturais
possuem complexos tratos intestinais quatro vezes mais longos, apropriados para a digestão lenta
de frutas e amidos, ao passo que os omnívoros bem como os carnívoros possuem intestinos quatro
vezes mais curtos para expulsar rapidamente a carne ácida, e putrefada dos animais que comem.

Os seres humanos possuem um saliva a alcalina denominada de ptyalina para pré-digerir grãos,
urina alcalina e ácido estomacal fraco, enquanto todos os omnívoro ou carnívoros possuem saliva
ácida, urina ácida e um ácido estomacal de dez a mil vezes mais forte, essencial para digerir a carne.
Todos os carnívoros naturais também secretam a enzima “uricase” necessária para metabolizar o
ácido úrico na carne, mas a uricase não é produzida por nossos corpos humanos.

Os seres humanos possuem movimentos laterais da mandíbula e nos molares planos para grãos de
moagem e vegetais, enquanto os comedores de carne natural não têm movimento lateral mandíbula
e, sim, dezenas de presas enormes para morder e rasgar. Os seres humanos possuem unhas curtas e
fracas, enquanto carnívoros e onívoros são dotados de garras longas, fortes e afiadas para cortar a
pele e a carne. Nós seres humanos devem extrair vitamina C de nossos alimentos, ao passo que
todos os carnívoros e aqueles seres que possuem corpos mais omnívoros produzem a sua própria
vitamina C. Os omnívoros naturais e bem como os carnívoros também possuem uma tolerância
microbiana muito maior do que os seres humanos. Por exemplo, a toxina botulínica, que é mortal
para os seres humanos, é, no entanto fácil e seguramente digerida por carnívoros naturais.
Os seres humanos que possuem uma dieta rica em gordura tornam-se obesos, preguiçosos e doentes,
enquanto que os comedores de carne natural permanecem em bom estado, cheios de energia e
definitivamente prosperam em sua dieta rica em gordura. A visão humana é facilmente capaz de
diferenciar várias cores tornando-se simples de distinguir com facilidade os alimentos de plantas
verdes, enquanto a visão de cor da maioria dos omnívoro e doscarnívoros é muito menos exigente.
Os seres humanos dormem apenas 6-12 horas por dia, como a maioria dos herbívoros e frugívoros,
enquanto a maioria omnívoro e carnívoros dormem 18-20 horas por dia. Os seres humanos suam
pelos poros de todo o corpo, enquanto todos os carnívoros e omnívoros liberam ao suor atravez de
suas línguas. Os seres humanos têm nascimentos únicos e duas glândulas mamárias, enquanto a
maioria dos omnívoros e carnívoros produzem verdadeiras ninhadas ao passo que possuem grandes
quantidades de glândulas mamárias.

De modo similar não há uma única vitamina, mineral, nutriente, phyto-nutriente, aminoácido,
ácidos graxos, cadeia de proteínas, omega, ou qualquer outro ingrediente vital tão importante para a
saúde do ser humano, nem uma única coisa encontrada na carne (Ou produtos lácteos) que não
possa ser encontrada, em maior abundância e de forma mais potencializada, no reino vegetal.
Simplificando, os seres humanos são biologicamente feitos para serem vegetarianos.

"Ao se usar anatomia comparativa para determinar o que o homem deveria comer, devemos olhar
para a espécie mais parecida com o homem, ou seja, os macacos antropóides - chimpanzés, gibões,
gorilas e orangotangos. De todos os animais, os órgãos digestivos do homem bem como os dentes
da maioria dois humanos se assemelha às destes macacos Em cativeiro, alguns destes animais
comerão carne se forçados a preferir morrer de fome, mas na natureza, todos comem desfrutam de
uma dieta vegetariana. Outra pista forte de que o homem é naturalmente um vegetariano é o fato de
que os vegetarianos em geral, são muito mais saudáveis do que os onívoros. A American Dietetic
Association reconheceu que os vegetarianos são menos propensos ao risco de uma série de doenças
crônicas, incluindo doenças cardíacas, alguns tipos de câncer, obesidade, hipertensão arterial, bem
como diabetes na idade adulta ... Recorrer a uma dieta saudável vai muito além de reduzir um
pouco a carne vermelha. Em um estudo recente feito com 6.500 chineses, o Dr. T. Collin Campbell
da Universidade de Cornell nos Estados unidos, descobriu que, embora os chineses em geral comem
apenas uma fração da proteína animal que os americanos, os que comem menos proteína animal, no
entanto, possuem menor risco de doença do que o chinês médio. O Dr. Campbell conclui, "nós
somos basicamente uma espécie vegetariana e devemos recorrer sempre a uma grande variedade de
alimentos vegetais ao passo que diminuímos a nossa ingestão de alimentos animais." - Glen Kime,
presidente, Sociedade Vegetariana de Washington, D.C.

Todos os onívoros e carnívoros comem sua carne crua, rasgando a pele e a epiderme, lambendo
com as suas línguas ao sangue rico em nutrientes. Um omnívoro verdadeiro como um urso tirará
um peixe da água e o engolirá inteiro, não cozido, escamas, ossos, barbatanas, cabeça e tudo.
Quando um leão mata um herbívoro para se alimentar, este o rasga no sentido da direita na área da
barriga para comer do jeito que está o estômago , o fígado, os
intestinos, e os outros órgãos que estão cheios de sangue e de
nutrientes. Não comerão a carne cozinhada. Para a maioria dos
seres humanos, o cheiro e o sabor da carne crua e sangrenta é
nojento, então para consumi-lo, eles devem primeiro limpar,
cozinhar, temperar e marinar a carne com várias ervas e especiarias
vegetarianas para torná-la saborosa.

"O último ponto que eu gostaria de apresentar sobre o fato de nós,


como seres humanos não formos destinados a comer carne é este.
Todos os animais onívoros e carnívoros comem a carne crua. Quando um leão mata um herbívoro
para o alimento, ele rasga direito na área do estômago para comer os órgãos que são preenchidos
com sangue. (nutrientes) Enquanto come o estômago, fígado, intestino, etc, o leão evita o sangue
enquanto come a carne dos animais mortos. Mesmo os ursos que são omnívoros comem salmão
cru. No entanto, nós, seres humanos temos repulsa quanto a comer carne crua ou sangrenta.
Portanto, devemos cozinhá-la e temperá-la para amortecer o sabor da carne. Se um cervo é
queimado em um incêndio florestal, um animal carnívoro não vai comer a sua carne. Mesmo os
leões de circo tem que se alimentar de carne crua para não morrerem de fome. Se os seres humanos
fossem realmente destinados a comer carne, então nós comeríamos toda a carne crua e cheia de
sangue. A idéia de comer tal carne faz revirar o estômago. Esta é a minha opinião: nós como seres
humanos somos condicionados a acreditar que a carne animal é boa para nós e que fomos
destinados a consumi-la para fins de sobrevivência e de saúde. Se fossemos verdadeiros carnívoros
ou onívoros, cozinhar nossa carne e temperá-la com sal, ketchup ou molho tabasco nos daria nojo,
e, nós, como seres humanos, recusaríamos comer nossa carne desta forma.” - Dr. Akilah El

Em fim, a pura decência moral e a ética deveriam ser razões suficientes para acabarem com esse
holocausto animal. Pode imaginar se os alienígenas viessem à Terra e tratassem os humanos da
maneira como tratamos vacas, porcos e galinhas? Se os alienígenas nos mantivessem presos em
gaiolas apertadas, nos engordassem, cortassem nossos narizes bem como as bolas fora, estuprado
nossas mulheres, acorrentado nossos filhos, em seguida, matando e comendo-nos quando
estivéssemos mais saborosos, você seria capaz de ver qualquer coisa de errado nisso? Um recado
para os comedores de carne que não tomam partido: precisa apontar a hipocrisia? Se você matar
animais inocentes e indefesos, todos os dias só porque você gosta do sabor e, em seguida, ficar
fingindo que você é “neutro”, você só está enganando a sí próprio.

“Enquanto houver matadouros, haverá campos de batalha.” - Leo Tolstoy

“Reconheça a carne pelo que ela realmente é: o cadáver de um animal torturado, carregado de
antibióticos e pesticidas.” - Ingrid Newkirk

“Um homem de minha intensidade espiritual não come cadáveres.” - George Bernard Shaw

“Um ser humano pode ser saudável sem matar os animais para se alimentar; portanto, se ele come
carne, ele participa da vida animal apenas por causa do apetite e agir assim é imoral.”- Leo Tolstoi

“A não-violência leva à ética mais elevada, que é o objetivo de


toda a evolução. Caso não deixemos de prejudicar todos os outros
seres vivos, sempre seremos selvagens” - Thomas Edison

A cura para tudo

O Dr. Robert Morse e o Dr. Doug


Graham são dois praticantes de naturopatia americanos por quase 40
anos e efetuaram curas em 100.000 pessoas de cada doença
concebível usando métodos simples de desintoxicação e uma dieta
vegana crua. Se é diabetes, candida, pedras nos rins, fibromialgia,
lúpus, doença de Lyme, fadiga cronica, autismo, MS, mal de
Parkinson, HIV / AIDS, insônia, doenças cardíacas ou câncer, não
importa a doença, eles estão confiantes de que o corpo humano tem a capacidade de regenerar
completamente e curar-se.
Se for dada a oportunidade, através do jejum, limpeza, desintoxicação e alimentos vivos crus, o
corpo humano pode e irá regenerar e reconstruir a nível celular. No entanto, a maioria das pessoas
come refeições ácidas 3 vezes ao dia, todos os dias e nunca jejuou ou ou se desintoxicou, ao menos
uma vez em suas vidas. Isto é equivalente a executar perpetuamente a uma máquina complexa por
24, por 7 dias, meses à fio, por anos e esperando que ela nunca quebre. Mas ao longo do tempo
canos ficam entupidos, acumulam-se resíduos, ocorrem desgastes nas peças e esses desgastes
cobram o seu preço, e a máquina em última análise se super aquece e falha. Só então os técnicos
podem entrar, desentupir os canos, remover o excesso de resíduos e reparar o dano causado. É
exatamente a mesma coisa que se dá com o corpo humano e com nossos reparadores (auto-
regeneração de células e de tecidos) que só pode limpar e corrigir a máquina quando esta se
encontra desligada. O jejum dá a seus órgãos internos a pausa de que necessitam para reparar os
danos do uso excessivo.

Depois de jejum e desintoxicação reconstrutora por meio de


alimentos de origem vegetal alcalina chega-se à solução. Cru é
o modo como a natureza pretende que comamos. Todos os
outros animais comem seus alimentos crus, por que a natureza
deveria fazer uma exceção para nós? Cozinhar alimentos mata
95% dos nutrientes e enzimas enquanto libera radicais livres
carcinogênicos. Em outras palavras cozinhar remove a
nutrição e a substitui por veneno. De fato é assim tão simples,
mas relutamos em acreditar. Com apenas 5% das enzimas que
sobram, não podemos absorver e assimilar o nosso alimento e
com apenas 5% dos nutrientes deixados há de qualquer forma
pouco benefício .

Ao passo você parar de cozinhar seus alimentos e começar a ingerir a uma dieta de frutas, legumes,
nozes, sementes e brotos, você ganhará vida! Seu paladar vai começar a mudar e você vai querer
apenas alimentos nutritivos crus vegetarianos, não processados, nem tampouco cozidos, ou sequer
comida sem qualidade. Suas energia e força aumentarão, suas memória e concentração melhorarão,
você precisará de menos sono, você vai embelezar sua aparência, você vai obter um equilíbrio de
peso apropriado, você vai regenerar células doentes por dentro e por fora, você vai viver mais e
encarar tudo ao seu redor de forma mais feliz e mais positiva e isso sem muito esforço.

O que os médicos alopáticos chamam de


"doenças", sugere o Dr. Morse, poderia
ser mais exatamente chamado de "crises
de cura". O modelo alopático apenas
agrupa um monte de sintomas, dá-lhes
um nome baseado na parte do corpo que
afetam, em seguida, oferece às pessoas
pílulas desnecessárias, as vacinas, a
radiação, bem como as cirurgias que, em
última análise, fazem mais mal do que
bem. Dr. Morse insiste em seu livro
“Illusion of Disease” (Ilusão de Doença)
que todos estes vários diagnósticos
médicos são termos errôneos que
complicam a questão e enfraquecem os
pacientes: “os Médicos simplesmente adaptam um nome para o respectivo sintoma que surge
quando os ácidos danificam as células do corpo (ou acionam uma resposta inflamatória) e um
sintoma é vivenciado. O que é simplesmente a localização! Onde este sintoma se encontra no corpo
se torna o nome do sintoma ... O conceito de doenças é ridículo! É promovido pelas Companhias
Farmacêuticas. O conceito de doença foi perpetrado pela comunidade médica para lançar uma
‘mística’ sobre a população em geral. Controlar o homem pelo medo, através do mistério dos
sintomas vindos do mundo exterior. Estabelecendo-se como os potenciais ‘poupadores de vida’ com
suas poções químicas bizarras de produtos farmacêuticos, quimioterapia, radiação e cirurgias
radicais. O ego, o capitalismo e o totalitarismo criaram uma modalidade que não pode curar nada e,
inversamente, magoa e mata o maior número de seres humanos sem precedentes. Eles são estatística
e factualmente a maior máquina de matar seres humanos de todos os tempos, incluindo todas as
guerras juntas!”

“A infecção por definição é simplesmente um


acumulo de esgoto no corpo, a qual coloca-se a
culpa na bactéria que está apenas tentando ajudá-lo
a destruir a este esgoto. É desse modo que o
homem atingiu ao âmago da insensatez. Devido a
esta estupidez, temos suprimido e ‘toxificado’ o
corpo com produtos farmacêuticos. Os efeitos
colaterais de drogas farmacêuticas são geralmente
muito piores do que o problema original, sendo que
o pior desses efeitos é o de romper o
funcionamento do seu fígado e a função renal! O
uso de antibióticos é outra ‘máquina de matar’,
cujo uso matou milhares e danificou milhões de
pessoas. Os antibióticos degradam de tal forma o
sistema imunológico e o sistema linfático do corpo que os enfraquece ao ponto de a genética do
homem chegar a níveis crônicos e degenerativos! O homem enfrenta atualmente problemas tão
graves em no que diz respeito à sua saúde que nenhum sistema baseado em tratamento pode até
mesmo arranhar à superfície da questão! A Comunidade Médica não sabe o que fazer. É preciso
assimilar a essa verdade, bem como compreender o modo como ocorre a regeneração celular do
seu corpo. A comunidade médica geralmente usa ácidos (exceto solução salina normal) para tratar a
um quadro de acidez do corpo. A Comunidade naturopata usa alcalinos para curar condições acidas
do corpo. Qual deles faz mais sentido para você?” - Doutor. Robert Morse, "O Grande Sistema
Linfático"

A Simbologia da Fraternidade

“Símbolos são muito importantes. Se você não pensa assim,


coloque uma suástica em seu braço, a seguir entre em uma
sinagoga e verá o tipo de reação correspondente. Símbolos
provocam e trazem respostas emocionais às pessoas. Mais
importante ainda, os símbolos têm sua própria presença espiritual.
Eles te contam coisas.” - Jordan Maxwell, na obra Ancient
Symbols and Hidden Meanings Lecture (Os Símbolos Antigos e
as Interpretações dos Significados Ocultos)

“Algumas das técnicas usadas nessa ditadura psíquica são


palavras, símbolos, cores, ritmos, luz, movimento e mudras (que
significam posicionamentos de mãos e gestos) que têm sido usados por eras como meios de
espiritualização, usados pelos cultos, infundidos com misticismo, estão sendo usados agora sobre
nós para uma agenda bastante oposta: nos arrastar para os poços de nossa própria podridão, para os
nossos próprios infernos.” - Michael Tsarion, na obra The Subversive Use of Sacred Symbolism in
the Media - Lecture at Conspiracy Con 2003. (O Uso Subversivo do Simbolismo Sagrado nos
Meios de Comunicação - Palestra Sobre a Conspiração - Con 2003)

As linhagens e a rede da sociedade secreta têm sua própria


linguagem secreta que é oculta à primeira vista. Ao contrário de
nossas linguagens alfabéticas esquerdas, como o inglês, o espanhol
ou o francês, a linguagem da Fraternidade está na parte direita do
cérebro, sendo pictográfica como os hieróglifos egípcios ou outras
linguagens escritas antigas; é composta inteiramente de símbolos.
Os significados esotéricos desses símbolos são ensinados de forma
gradativa, à medida que os iniciados da sociedade secreta galgam
as fileiras, exibindo ao mesmo tempo significados amplos,
benevolentes e geralmente falsos para os não-iniciados.

“O uso de símbolos para transmitir significado aos iniciados e


ocultá-lo dos não iniciados é tão antigo quanto a civilização. Uma
compreensão clara do modo de pensar simbólico é necessária se quisermos desvendar e
compreender o significado ‘esotérico’ (i.é., oculto ou secreto) dos símbolos dos tempos antigos e
modernos.” - Introdução de Ben Benjamin à obra Symbols, Sex and the Star. (Símbolos, Sexo e as
Estrelas)

“Os Illuminati usam o que eu chamo de simbolismo inverso. Eles colocam seus símbolos ao nosso
redor, mas apresentam-nos com o reverso de seu verdadeiro significado. Por exemplo, a pomba
simboliza a paz para a maioria das pessoas, mas para as linhagens Illuminati representa sua deusa, a
rainha Semiramis [Ísis]. A tocha iluminada significa independência e liberdade para a população,
mas para os Illuminati é o próprio símbolo de sua agenda e controle. Os nazistas inverteram o
antigo símbolo da suástica para simbolizar o negativo e os satanistas inverteram o pentagrama para
apontar para baixo pela mesma razão. Tudo é simbolismo e ritual para os Illuminati, e sempre foi.” -
David Icke em Alice In Wonderland and the World Trade Center Disaster. (Alice no País das
Maravilhas e o Desastre do World Trade Center)

A Chama dos Illuminati

Após o assassinato do Presidente Kennedy em 1963, o Rito Escocês da


Maçonaria ergueu um obelisco lá no Dealey Plaza e o cobriu com uma
representação da chama Illuminati. Em seu túmulo no Cemitério de
Arlington eles acenderam uma “chama eterna” que ainda queima até hoje.
Sobre o túnel de Pont de L'Alma, em Paris, onde a princesa Diana foi
assassinada depois de bater no 13º pilar, os Illuminati ergueram uma
enorme tocha ou chama dourada sobre um pentagrama preto. Na ilha onde
Diana se encontra enterrada foi colocada outra representação da chama Illuminati.

“A Irmandade está nos dizendo que eles mataram Kennedy e Diana, mas a
menos que você entenda sua linguagem simbólica, você não perceberá.” -
David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior Segredo) p.352.

No ponto zero do World Trade Center


pouco depois do 11 de setembro,
acenderam outra “chama eterna” para
as vítimas. Com vista para os
edifícios do World Trade Center, no porto de Nova York
está a estátua da liberdade maçônica também segurando a tocha Illuminati. A poucos quarteirões de
distância, no Rockefeller Center, os Rockefeller ergueram uma imensa estátua dourada de
Prometheus carregando a tocha acesa. Este símbolo Illuminati é encontrado na moeda de dez
centavos, no D.I.A. Seal, (Selo da D.I.A. - Defense Intelligence Agency - Agência de Inteligência
de Defesa) no selo de Indiana, é um dos símbolos dos Jogos Olímpicos, CBN, da Frente Nacional,
do Better Business Bureau e muitos outros lugares onde os dedos da irmandade têm sido colocados.

“A tocha, é claro, a tocha olímpica, é a tocha de Prometeu, o


Deus que roubou fogo para o serviço da humanidade. E,
novamente, como dissemos, em Nova Iorque, na frente do
Rockefeller Plaza, você vai ver a estátua de Prometeu,
segurando na mão uma chama, a tocha, o fogo da revolução.
Os Dez centavos, é claro, na moeda de dez centavos de
Mercúrio, encriptado na parte de trás da moeda de dez
centavos você vai encontrar a tocha de iluminação. Ainda está
lá hoje. A moeda de dez centavos americana moderna tem a
tocha da iluminação. A estátua da liberdade tem a tocha.
Naturalmente, em todas as universidades e colégios
percebemos de seus símbolos e emblemas que eles têm as
tochas, representando simbolicamente a iluminação dos
Illuminati. De fato, quando você é um graduado de uma universidade você se torna um Alumni,
termo esse que é retirado, obviamente, de Aluminati, ou seja ‘Illuminati’. Isso é para enfatizar que
você se torna iluminado quando você vai para uma universidade. A tocha também é usada no
logotipo da Amoco Oil. (empresa petroquímica norte-americana) Encontra-se em muitos, muitos
lugares.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

“Seus símbolos mais usados são a tocha acesa, o símbolo


do conhecimento e do Sol. Quando um iniciado atinge um
certo nível na pirâmide, é dito que ele se tornou
‘iluminado’, mais um simbolismo da tocha iluminada.
Uma das histórias recorrentes no mundo antigo é de uma
figura do herói que tira o fogo (conhecimento) dos
‘deuses’ e o dá para o povo - isto é, o povo escolhido …
No Rockefeller Center, em Nova Iorque, encontra-se
atualmente uma estátua de ouro de Prometeu (ouro, o
metal solar dos deuses) e ele está segurando a luz, o fogo,
de acordo com a lenda. Para os Rockefeller, isso não é
apenas uma estátua; é um símbolo de todo o golpe em que estão envolvidos.” - David Icke, em The
Biggest Secret, (O Maior Segredo) p.351.

Seguindo-se o símbolo da tocha Illuminati começa a se


desvendar um mistério maior. A deusa da Irmandade Isis
ou Semiramis mantém a tocha da iluminação na Estátua
da Liberdade, bem como na Columbia Pictures e no
logotipo da Columbia Records. O símbolo da
Universidade de Columbia é também a tocha ou chama.
O logotipo da CBS, “Columbia” Broadcasting System é
o olho que tudo vê dos Illuminati. A capital dos Estados Unidos é Washington D.C., que é
responsável pelo “Distrito de Columbia”. A América foi descoberta por um homem chamado
Colombo. A ordem Fraternal Cavaleiros de Colombo foi exposta por ter auxiliado o tráfico de
drogas na Colômbia. Columbia é o ônibus espacial da NASA que explodiu. Columbine é a escola de
ensino médio que sofreu as séries de disparos de tiros fatais. O que se passa aqui!?
“Isso remonta a um grupo de maçons que vieram a este país antes da fundação
de nossa constituição, que foram chamados de os colombianos, conhecidos
como sendo os membros a facção colombiana. Eles fundaram o que
conhecemos como Columbia University. (Universidade de Columbia) Fora
disso veio o Columbia Space Shuttle, Columbia Pictures, e Columbia
Broadcasting, CBS, com o olho que tudo vê dentro da pirâmide como seu símbolo. Na verdade,
nosso governo, nosso chamado governo, nem sequer faz parte do nosso país. É em uma área
chamada o distrito de Columbia, é um distrito separado, apartado da América. A verdade simples
por trás desse fato é que havia uma seção da geografia neste país que foi posta de lado por um grupo
muito poderoso de maçons, chamado a facção colombiana, trabalhando nos bastidores durante a
fundação deste país.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

O quarto emblema e grau mais alto nos Cavaleiros de Colombo descreve


uma pomba branca fazendo um bombardeio de mergulho. A palavra francesa
para pomba é “Colombe”. As pombas Sacrificiais, representando virgens
eram conhecidas em círculos maçônicos como “Columbe”. Muitas das
coroas e dos cetros reais britânicos estão abaixo de uma pomba branca. Esta
é a mesma realeza que nos deu o pseudônimo de “Cristóvão Colombo” como
o homem que “descobriu” a América.

“A Estátua da Liberdade é a imagem simbólica da deusa adorada pelas linhagens dos Illuminati
desde que eles estavam baseados na Babilônia. (e antes) Ela recebeu muitos nomes, incluindo o de
Rainha Semiramis, a ‘portadora do ramo’, que foi simbolizada como uma pomba … Quando as
linhagens dos Illuminati mudaram sua sede para Roma, a deusa foi adorada como Venus Columba
ou ‘Vênus a Pomba’. A palavra francesa para pomba ainda é colombe. É por isso que um homem
que assinou seu nome como ‘Colon’ é conhecido pela história oficial como ‘Columbus’. Ele estava
levando o ‘ramo’ da pomba para as Américas em 1492 e recebeu esse nome simbólico ligado à
deusa Illuminati.” - David Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do Circuito Temporal)

“Os símbolos dos três principais partidos políticos no Reino Unido que
servem a estrutura liderada pela Rainha são a tocha acesa
(conservadores), a rosa vermelha (trabalho) e a pomba! (democratas
liberais) No momento da redação desta obra, seus três líderes são Tony
Blair (Grupo Bilderberg), William Haig (Grupo Bilderberg) e Paddy
Ashdown. (Grupo Bilderberg) Apenas uma coincidência, nada para se
preocupar.” - David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior Segredo) p.
363.

A Pirâmide e o Olho que Tudo Vê

“Um outro símbolo chave da fraternidade é a


pirâmide ou a pirâmide com o topo faltando. A
planta de rua da Praça Dealey, onde Kennedy foi
morto, tem a forma de uma pirâmide com o topo
faltando … A pirâmide com o topo faltando, ou
a pirâmide com o olho que tudo vê, mais
famosa é retratada no reverso do grande selo dos
Estados Unidos e no dólar. O Olho que tudo vê é o olho de Horus, Lúcifer e de Satanás, qualquer
nome que você queira usar e também está ligado ao assim chamado ‘terceiro olho’, o redemoinho
de chacra no centro da testa através do qual nos conectamos com a nossa visão psíquica.” - David
Icke, em The Biggest Secret, (O Maior Segredo) p. 352.
A palavra pirâmide se divide em “Pyr” (“pir”)
que significa “Fire” (“fogo”) e “Mid”
(“mide”) que significa “Midle” (“meio”) - o
fogo no meio ou o fogo de dentro. Uma
interpretação simbólica da pirâmide é a posição
meditativa. Os joelhos e as nádegas do
meditador são os quatro pontos inferiores e a
cabeça é o ponto superior. O olho na pedra
angular é o chacra do terceiro olho do
meditador, ou a glândula pineal localizada no
centro geométrico do cérebro. É literalmente
um terceiro olho, equipado com quase a
estrutura completa de um olho regular, apenas
preso dentro de sua cabeça e olhando para cima.
O G maçônico representa 7, Deus, Geometria, e
o mais importante gnose, que significa “o reino de Deus dentro”. Os primeiros cristãos e pré-
cristãos eram gnósticos que se concentravam em alcançar o conhecimento espiritual pela
introspecção e estudo da faísca divina interior.

René Descartes, o pai do ceticismo filosófico moderno, e muitas


outras grandes mentes acreditavam firmemente em uma alma
imortal, imaterial. Descartes disse que a “sede da alma”, ou o lugar
onde a alma interage com o corpo físico é a glândula pineal. A
glândula pineal produz pinolina, melatonina e um forte alucinógeno
chamado DMT (dimetiltriptamina) liberado todas as noites durante
estados de sonho, bem como antes do nascimento e na hora da
morte. A palavra “segredo” vem de "secreção". Poderia essa secreção
natural ser o último segredo? Os capítulos de Numerologia e do
Cogumelo Mágico vão aprofundar isso.

O Big “Ben” de Londres, como a pedra egípcia “Ben-Ben”, tem a forma de um obelisco ou
pirâmide. Nas proximidades fica a roda-gigante, “London Eye”, (Olho de Londres) dando-nos
simbolicamente um enorme olho que tudo vê e a pirâmide do Big Ben. O olho é apoiado por uma
base em forma de uma bússola maçônica medindo 33 graus e contem “eye pods” (I-Pods?) que as
pessoas montam dentro. Igualmente, o maçônico olho que tudo vê de Londres por acaso esta de
olho fixo nas casas do parlamento.

Time Warner, CBS, Dairy Queen e muitos outros logotipos corporativos usam o olho que tudo vê.
Diversas outras empresas e organizações usam a(s) pirâmide(s) como por exemplo Sprint, Conseco,
Creative Technology, Citgo, Carsey Werner, MI5, Pyramid Life Insurance, Pyramid Sun Fest,
Camel Cigarettes, Delta, Naval Air Warfare Center, AccessHollywood.com, Columbia Records e
Pictures, Paramount Pictures, Bass & Beer Co., e o
American Business Awards. Fidelity Investments, América
Online, Illuminati Online, Nickelodeon, Kindercare, Total
Information Awareness e as notas de dólares contêm tanto
o olho como a pirâmide juntos.

O termo “Keystone Beer” refere-se ao Capstone também


chamado de Keystone (pedra angular) da Pirâmide. A Bass
& Co. Beer também usa a pirâmide. A Coors e outras
cervejas usam montanhas. A água da Evian descreve 3 montanhas como as 3 pirâmides em Giza, e
Evian é um anagrama para Naïve que traduz a inocência, a pureza, a água pura no nosso
subconsciente. Como as montanhas e as pirâmides estão associadas à ascensão espiritual, as
imagens e os nomes inconscientemente nos atraem para os produtos. O mesmo vale para qualquer
logotipo que inclui montanhas, pirâmides, cachoeiras, sol, etc; estes são poderosos disparadores do
subconsciente espiritual sendo usados para estabelecer as suas marcas em nós.

“Não só o sol é importante, mas a palavra ‘luz’ é importante em


qualquer contexto. A luz é importante filosoficamente. Ela também
é importante subliminarmente. Se é lite beer, então não deveria ser
li-t-e? Mas observe a escolha da própria ortografia. Se você está
bebendo isso, a implicação é subliminar que você está bebendo luz,
é por isso que se torna viciante, porque a sua mente inconsciente
gostaria de beber luz. E sobre o que isso nos faz lembrar?
Levantamento espiritual. Bem, eles vão te entregar isso. Se ha algo
que leva você para baixo, há algo superior a isso. Portanto beba-o, pois é cheio de luz. E qual é o
simbolismo nos anúncios? Quando os modelos estiverem bebendo, você verá imagens de luz e
halos e todo tipo de coisas para espiritualizar as coisas. As montanhas estão conectadas com a
ascensão espiritual e assim também é a luz, mas observe quem as usa e para que propósito.” -
Michael Tsarion, na obra The Subversive Use of Sacred Symbolism in the Media - Lecture at
Conspiracy Con 2003. (O Uso Subversivo do Simbolismo Sagrado nos Meios de Comunicação -
Palestra Sobre a Conspiração - Con 2003)
O Dólar

A Maçônica Nota de Dólar Talismã

Em 1933, o maçom Franklin D. Roosevelt graduado de nível 33,


adicionou o grande selo ao dólar dos Estados Unidos, transformando-
o em um talismã oculto. No mesmo ano, ele assinou uma ordem de
confisco de ouro e tirou os EUA do padrão ouro. Em uma conferência
de imprensa em 8 de Março de 1933, ele brincou: “Contanto que
ninguém me pergunte se estamos fora do padrão de ouro ... está tudo
bem, porque ninguém sabe o que o ... padrão de ouro significa
realmente.”

“Franklin Delano Roosevelt, o graduado de nível 33 e presidente da 'Black Nobility', (Nobreza


Negra) havia impresso este símbolo na nota de dólar de 1933. Era um símbolo das sociedades
secretas na Europa muito antes de alguém ter ouvido falar dos Estados Unidos e está carregado com
o simbolismo da Maçonaria e da sociedade secreta que remonta ao mundo antigo.” - David Icke,
em The Biggest Secret, (O Maior Segredo) p.353.

Observe o simbolismo e a numerologia usados na nota de dólar. O


símbolo mais óbvio é a pirâmide Illuminati com o olho que tudo
vê escondido no topo. Em frente a este, pode-se observar a águia
“all-American” (“todo-americana”, i.é., inteiramente, tipicamente
americana) com uma bandeira dos EUA virada para baixo à
frende do seu peito. Estes e muitos outros símbolos no dólar vêm
dos antigos cultos estelares, solares e lunares.

“A pirâmide destina-se ao culto estelar, como são as várias


estrelas que aparecem na nota. A águia dourada visa o culto solar.
A Águia é o símbolo da América porque significa a constelação em Escorpião chamada Áquila.
Escorpião é o sinal de poder, dinheiro e riqueza, bem como de conhecimento secreto. (As eleições
americanas são realizadas no meio de Escorpião e o aniversário da América está no decanato
Escorpião de Câncer) A cor verde também se relaciona com o Culto Solar. O número treze, que
aparece frequentemente na nota de dólar representa o culto lunar. Há treze meses no Ano Lunar. (A
América originalmente tinha treze Estados, Londres é composta por 28 bairros, sendo este o número
das ‘mansões’ lunares [‘estação’, ou ‘casa’ - em suas voltas ao redor da terra]). Treze é também um
numeral do Culto Estelar, muito usado pelos israelitas e outras tribos e nações semitas. Depois, há
as marcas de água, ou ‘letras da lua’, para os Cultos Lunares.” - Michael Tsarion, em Astrotheology
and Sidereal Mythology. (Astroteologia e Mitologia Sideral)

O símbolo de águia de duas cabeças que veio de Babilônia e sobreviveu


através do Rito Escocês da Maçonaria foi hoje adotado pela América, pelo
México, por Israel, pela Alemanha, pela França, pelo Chile, pela Itália, por
Honduras e por muitos outros países.

“A águia é um símbolo amplamente utilizado pela fraternidade’ e pode ser


encontrado nos brasões de muitos países, incluindo Egito, Líbia e Iraque.
Era um principal símbolo para os Nazistas na Alemanha e aparece nos
modelos dos púlpitos e das tribunas usados pela igreja cristã. Selos
semelhantes ao usado no Grande Selo dos Estados Unidos podem remontar a até pelo menos 4.000
AC no Egito, em Babilônia, na Assíria e na Índia.” - David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior
Segredo) p. 353.

A palavra “mon-ey” vem dos cultos lunares. As primeiras


palavras para a Lua foram “mon” e “min” resultando daí
“mon-ey”, impresso na cor “min-t”. (menta) Temos uma
“monarquia” global que controla a oferta “mon-ey” do
mundo. Temos “min-istros” de finanças, primeiros “min-
istros” e seus “min-istérios” sendo controlados por elites e
sociedades ocultistas. “Mon-ks” (“mon-ges”) executam
“mon-thly cere-mon-ies” (“cerimônias mensais”) em “mon-
asteries”. (“mon-astérios”) É interessante notar que a planta
“hortelã” é verde, o nosso “mon-ey” impresso em “min-t” é
verde, e a deusa lunar Ísis, a Estátua da Liberdade é verde.
Alguém que é ignorante é verde. Os amantes da lua são
“luna-tics”, (“lun-áticos”) que é uma palavra derivada da
língua francesa; eles são “mon-sters”. (“mon-stros”) Você pode perceber como a elite adora de
forma esotérica à lua, prosseguindo com o culto lunar, enquanto esotericamente condena e
marginaliza à mesma.

“Você verá abaixo da pirâmide mil novecentos e setenta e seis, enunciados em números romanos,
mais as palavras, Annuit Coeptis, ao esmiuçarmos, a palavra Annuit, é traduzida como ‘nossa
empresa’. Coeptis é traduzido para como ‘coroado de sucesso’, ou é ‘coroado de êxito’, portanto,
Annuit Coeptis é ‘nossa empresa, que agora é um sucesso’. Em seguida, a fim de descobrir qual a
empresa que se tornou um sucesso, leia na parte inferior da pirâmide na nota de um dólar, Novus
Ordo Seclorum, que se traduz como a ‘Nova Ordem do Mundo’ - A Nova Ordem Mundial! Agora, é
preciso lembrar que a Alemanha era o lar do conceito da Nova Ordem Mundial. Toda a motivação
de Adolph Hitler era de estabelecer uma nova ordem mundial.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of
Power. (Matrix de Poder)

A tradução da frase em latim Annuit Coeptis Novus Ordo Seclorum é “Nossa Nova Ordem Mundial
é coroada de êxito.” A outra frase em latim E Pluribus Unim significa “um de muitos”. Ordem no
caos. A dialética hegeliana. O paradigma “problema-reação-solução”, utilizado pelas elites para
conduzir os acontecimentos mundiais, opiniões e políticas. Há 13 letras em Annuit Coeptis, e 13
letras em E Pluribus Unim. O dólar codifica o número 13 repetidamente. Há 13 estrelas acima da
cabeça da águia, 13 degraus na pirâmide, no escudo há 13 barras verticais, há 13 listras horizontais
na parte superior do escudo, 13 folhas no ramo de oliveira, há 13 setas, 13 frutas, e 13 números.

“Você vai encontrar na nota de dólar, a águia, que vem do conceito antigo do Phoenix, e tem treze
estrelas acima dela. As treze estrelas são dispostas na configuração da Estrela de David, ou
hexagrama. A maioria das pessoas acha que os treze estrelas representam as treze colônias originais.
Em primeiro lugar, por que deveriam existir treze colônias? Por que não poderiam ser vinte e sete,
ou quatro, ou dez? Quando alguém entende que o número treze é um número maçom muito
importante e profundo e que muitos dos fundadores deste país eram maçons, bem como rosa-cruzes,
então você vai seguir este fio condutor para ver o que estava sendo criado. Eles sabiam o que
estavam fazendo quando dividiram o país em treze colônias. O número treze não é um número de
azar para eles. É um número de azar para você.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power.
(Matrix de Poder)

Se você desenhar uma “estrela de Davi” de seis lados ao redor da pirâmide


na parte de trás do dólar, 5 dos 6 cantos apontarão para as letras: A, S, M, O,
N, ou quando você os reordena, vai dar a palavra mason. (maçom em
português)

Sóis e Estrelas

Sinais astrológicos, sóis e estrelas são todos símbolos maçônicos


proeminentes. Temos estrelas e astros da tevê, da música, do cinema,
sistemas de classificação por estrelas de ouro, estrelas em bandeiras, Star Movies, (classificação de
filmes por quantidade de estrelas) Pentagrama em Washington DC, o Pentágono em VA, (estado da
Virgínia – EUA) coberturas em arranha-céus. Nós damos a crianças etiquetas radiantes de estrelas
do ouros com a palavra “super” nelas, nosso herói é o Superman, e os enormes megas monopólios
são chamados superstores. No rádio temos o “Devas”, (programa de rádio) que de acordo com a
história védica são nossos deuses ancestrais de outro sistema estelar. Por que Whitney Houston,
Mariah Carey, Celine Dion e outros seriam comparados a seres alienígenas excêntricos?

Por que os soldados estão adornados em estrelas de metais


preciosos, folhas de carvalho e outros amuletos ocultos e
símbolos? Aliás, por que são chamados de “soldados”? De
volta à França medieval, os guerreiros eram pagos com uma
moeda de ouro especial chamada “sol”. Seu pagamento foi
chamado de “solde”, (soldo) que é um termo ainda usado
hoje. Então os guerreiros se tornaram conhecidos como
“soldados” e seus “soldes” (“soldos”) sendo pagos em “sols”.
(sóis) O correspondente em inglês para a palavra sol é Sun,
assim chamado porque os antigos associavam sempre o ouro
com o sol e a prata com a lua. Assim, hoje temos nossos
guerreiros solares, pagos em soldos e adornados em estrelas
douradas – para não mencionar a privação forçada do sono, o
ascetismo físico, as cabeças raspadas, o pensamento grupal, a
repressão emocional forçada e as músicas e canções grupais. As lavagens cerebrais as quais os
militares são submetidos, usando-se métodos medievais antigos e a escola de mistérios para
introduzir os indivíduos em grupos coletivos e coesos.
Sunburst, Sunkist, Dole, Chrystler, Corona, MasterCard, Discover, Son Oil, Sun co., Shell, Sun
Life, Sun Life Financial, Royal & Sun Alliance, Sun Microsystems, Chicago Sun Times, Days Inn,
Lucis Trust e Tecnologias Lucient – são apenas algumas empresas que usam símbolos “sun”.
Tristar, NATO, (OTAN) Heineken, Texaco, Lockheed Martin, Macys, WalMart, Access
Hollywood.com, Star Movies, Starburst, On Star, Four Star hotéis, Four Points hotéis, Forester,
Globetrotter, Pacific Bell e muitas outras usam símbolos star. Magellan, Earthlink, Nortel Networks,
AAA, Nike, Nissan, Saturno, Avon e AIS usam símbolos de Saturno. (observe o duplo C no logo da
Nortel, CC corresponde a 33) É todo esse simbolismo do espaço exterior apenas uma coincidência
ou está sendo usado de propósito? Que efeito isso tem sobre nós?

Existem 240.000 milhas (pouco mais de 386 mil quilômetros) de fios


neurais no cérebro humano, o suficiente para se estender da Terra à
Lua. Em cada micrometro destes fios existem 250.000 unidades de
informação, mas metade destes dados é registada apenas como
pictogramas, (símbolos ) como imagens compostas, e não como
palavras. Então, por que cada empresa, cada marca, cada produto e
propaganda sem exceção têm um logotipo? Por que é tão importante
inundar a mídia com símbolos?

“Hoje nos encontramos em um mundo repleto de simbolismo, de


imagens. Nós ficamos amortecidos por serem muito penetrantes.
Temos os símbolos da religião sendo denegridos pelo mundo corporativo. Poderosos símbolos
antigos que nós associamos com a elevação espiritual estão agora sendo usados para uma agenda
diferente.” - Michael Tsarion, na obra The Subversive Use of Sacred Symbolism in the Media –
Lecture at Conspiracy Con 2003. (O Uso Subversivo do Simbolismo Sagrado nos Meios de
Comunicação – Palestra Sobre a Conspiração – Con 2003)

Por que você acha que eles chamam a esses nomes de


“marca”? Uma marca é uma maneira de aplicar
vigorosamente, permanentemente o seu logotipo no gado!
Não somos gado, não é? Vamos verificar: O que vem à
sua mente quando você pensa em um símbolo vermelho e
azul do yin e yang? Seriam os programas que assistimos
chamados de “programas”, por serem programas como os
que você usa em um computador? Estariam os programas
em “canais”, por serem canais, ou seja, meios ocultos que
recebem mensagens de consciências incorpóreas?

“O mundo é um concurso para nossas almas. As pessoas que estão


empurrando produtos, violência e sexo não estão operando em uma
base aleatória, do tipo ‘seja o que for a gente vende’. Eles têm símbolos
maçônicos em seus logotipos. Os melhores jogadores estão seguindo
um roteiro oculto projetado para nos escravizar em corpo e alma. Eles
estão construindo uma gigantesca prisão baseada em seu próprio
inferno mental. Esta é a Nova Ordem Mundial e nós somos os seus
prisioneiros.” - Henry Makow, conforme citado na obra de Texe Marrs,
Codex Magica, (Magica em Códice) p. 6. (no PDF, no original o leitor
encontrará essa citação na página 9)

“Quando os símbolos sagrados, fora das teologias antigas, são usados subversivamente, sendo então
ligados a produtos mundanos, servem para diminuir e confundir a desejo e a consciência. E é uma
profanação usá-los de maneira tão nefasta. Pois embora nenhum símbolo seja em si negativo, eles
podem ser distorcidos para servir às forças malignas. Eles fazem, de fato, parte do mais poderoso
dos armamentos em qualquer arsenal. Todos nós sabemos do poder dos símbolos. Muitos têm
morrido e ainda morrerão por eles. E de modo similar serão manipulados de modo inconsciente por
símbolos durante toda a sua vida.” - Michael Tsarion, em Astrotheology and Sidereal Mythology.
(Astroteologia e Mitologia Sideral)

Na França, o Arco do Triunfo está no centro de um círculo com 12 estradas, com raios que
disparam para fora. Ele encontra-se bem ao lado da eterna “chama” do “soldado” desconhecido.
Assim, há uma representação geomântica do Sol, da chama e dos Illuminati e sobre ele encontra-se
orgulhosamente o Arco do Triunfo. O arco representa o “Monarca”, ou seja, o arco da Lua e o
Triunfo é o sucesso de sua empresa real. Em linha reta com o Arco do Triunfo, logo abaixo
encontramos o Champs Elysees, que é outro arco menor, bem como um obelisco egípcio de 3.200
anos. (símbolo do deus do sol) Mais abaixo temos o Museu do Louvre, que desde a Presidência do
Mestre com nível 33, François Mitterrand, tem sido o lar de uma enorme pirâmide de vidro negro
sobre a qual dizem que possui 666 painéis.

“Nos níveis superiores desta rede, eles conhecem o verdadeiro


poder do Sol, do magnetismo e da mente; o efeito dos planetas
sobre o comportamento humano; como manipular o tempo, a
consciência, a energia, o clima e muito mais. Se usado de forma
malévola, esse conhecimento pode ser incrivelmente destrutivo e
manipulador e é isso que observamos ocorrer ao longo do
tempo.” - David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior
Segredo) p. 57.

A Corporação dos EstadosUnidos

A Inglaterra, o Canadá, a Austrália e muitos outros países são liderados politicamente por um Prime
Minister (ou seja, um Primeiro-Ministro) ao serviço da Rainha. Na verdade, ela é a chefe oficial de
123 países da comunidade Britânica. Os Estados Unidos, a Rússia e outros países, no entanto, têm
um “Presidente” e um “Vice-Presidente”. As corporações têm presidentes e vice-presidentes. O que
isto significa?

“Aqueles que pensam que a América controla o poleiro, fariam bem em considerar que a Rainha da
Inglaterra ainda é a cabeça oficial da comunidade Britânica (123 países) sendo a monarca oficial da
Austrália e do Canadá, em companhia de Reino Unido … Acrescente a isso o fato de que o
poderoso Bush conseguiu durante os seus
dois mandatos como presidente dos
Estados Unidos da América uma mera
condição de cavaleiro do império
britânico.” - Prash Trivedi.

Os presidentes dos EUA governam da


“Casa Branca”. Os presidentes russos
governam da “Casa Branca”. Os jesuítas,
uma grande força por detrás dos
Illuminati, também têm sua própria “Casa
Branca”. A Inglaterra é governada de uma
“Whitehall”. (“Salão branco”)
“O governo dos Estados Unidos está sendo governado pela ‘Casa Branca’, o governo da Inglaterra
está sendo governado a partir do que é chamado ‘Whitehall’ e o Whitehall, assim como a nossa
Casa Branca, significa poder, porque o salão é como o salão maçônico, o corredor da ala, o salão da
união.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

As 13 colônias originais foram realmente chamadas de companhias. Unidades militares também são
chamadas de companhias. Nós cantamos canções patrióticas como “the Star-Spangled Banner”, mas
um banner é um anúncio corporativo, não uma bandeira. Você se rende com uma bandeira branca,
sem cores. Quando você se zanga você mostra suas cores verdadeiras. Se você tivesse acabado de
ganhar a independência em uma revolução sangrenta com a Grã-Bretanha, escolheria as mesmas
três cores para sua nova bandeira dos EUA? Por que “todo coração aparenta ser verdadeiro com o
vermelho, o branco e o azul?”. Que dizer da bandeira dourada usada pelos militares, que é hasteada
em todos os tribunais, escolas e prédios governamentais? Tudo tem a ver com a British Maritime
Admiralty Law of Flags.(Lei Marítima do Almirantado de Bandeiras)

“Esta lei é conhecida também como a lei marítima (militar) britânica e é por isso que a bandeira
americana tem sempre uma franja dourada quando exibida nas cortes dos Estados Unidos. Você
encontra o mesmo em edifícios governamentais e escolas financiadas pelo governo federal. A franja
dourada é um símbolo legal que indica que o tribunal se submete à lei marítima britânica e ao
Uniform Commercial Code - (Código Comercial Uniforme) Em se tratando das leis Militar e
mercantil não comuns ou do direito constitucional, nos termos da Lei do Almirantado de Bandeiras,
a bandeira exibida dá aviso sobre a lei sob a qual o navio (neste caso, o tribunal) está
regulamentado. Qualquer pessoa que entre nesse navio (i.é., tribunal) indica ao fazer isso que se
submete à lei indicada por aquela bandeira. Os juízes se recusam a substituir a bandeira com franja
por uma sem franja quando isso é requerido pelos réus que sabem no que isso resulta, uma vez que
isso muda a lei sob a qual o tribunal está sentado. Se você aparecer em um tribunal com uma
bandeira com franjas de ouro, seus direitos constitucionais são suspensos e você passará a ser
julgado sob a lei marítima britânica.” (militar e mercante) - David Icke, na obra Tales from the Time
Loop. (Contos do Circuito Temporal)

A Lei marítima do
Almirantado Internacional,
a lei do alto-mar, começou
na Sumeria, foi
aperfeiçoada em Roma e
continua até hoje. Jordan
Maxwell explicou que a
maneira que nós
negociamos o comércio
hoje é modelada pelo
sistema milenar dos
cavaleiros maçons ou
templários. Observe como,
não importando se você
envia um produto por ar,
água ou terra – você “ship”
it. (o “embarca”) O navio
puxa a seu “berth” (“ancoradouro”) e os amarra à “doca”. O capitão tem de fornecer às autoridades
portuárias um “certificado de manifesto” declarando os produtos que ele trouxe. Através de uma
lacuna legal que a realeza criou, os cidadãos dos EUA são considerados propriedade da rainha sob a
lei marítima britânica. Uma vez que que nascemos da água de nossa mãe, de seu “canal de
nascimento”, somos, portanto, um produto marítimo, uma mercadoria “expedida”. Nossas mães
estavam entregando um produto sob a lei marítima e é por isso que nascemos em uma “sala de
parto”. (em inglês delivery room – literalmente, sala de “entrega” ou “expedição”) É por isso que o
“doc” (abreviatura em inglês para “doutor” ou significando “doca”) assina o seu certificado de
“nascimento”, o seu “certificado de manifesto”. Você é mantido na “ala” ou “guarda” (inglês
“ward”) da maternidade. Por que uma ala? Nenhuma outra área hospitalar é chamada de guarda. As
prisões têm alas e guardas.

A Corporação dos Estados Unidos surgiu logo após a guerra civil. A lei de 1871 foi aprovada pelo
Congresso criando uma forma separada de governo para Capital Federal, transformando-a
essencialmente em uma corporação. Foi decidido que os funcionários seriam chamados de
“cidadãos”. Então, quando você diz no tribunal ou no papel, que você é um cidadão dos Estados
Unidos, você não é um americano livre, mas um funcionário da US Inc. (Corporação dos Estados
Unidos) Quando você receber uma multa, um bilhete, um projeto de lei, ou um processo, você deve
assinar em todos com letras maiúsculas. Quando você morrer sua lápide maçônica por lei terá todas
as letras maiúsculas para mostrar que o empregado deles morreu. A entidade que representa o seu
nome em todos os lugares é o seu código de produto marítimo de almirantado. Os casos nos quais
existam letras minúsculas e maiúsculas, estas representam legalmente a você e ao seu corpo.

“O Código Comercial Uniforme foi aprovado pela American Bar Association, (Associação dos
Advogados Americanos) que é uma franquia, um ramo subordinado, do sistema jurídico britânico e
sua hierarquia com sede nos arredores do ‘Temple Bar de Londres’, que era a principal entrada
cerimonial da cidade de Londres. (em homenagem à sociedade secreta Illuminati ‘Knights
Templar’) Como tenho escrito há muitos anos, o poder que controla a América é baseado na Grã-
Bretanha e na Europa, porque é aí que está localizado o poder que possui a Corporação dos Estados
Unidos. A propósito, se você acha estranho que um tribunal em terra firme pudesse ser administrado
sob o Direito Marítimo, pesquise a respeito do Código dos Estados Unidos, Título 18 B 7.
Constatará que a jurisdição do ‘Almirantado’ é aplicável nos seguintes locais: (1) o alto-mar; (2)
qualquer navio americano; (3) quaisquer terras reservadas ou adquiridas para uso dos Estados
Unidos e sob a jurisdição exclusiva ou concorrente do mesmo, ou qualquer lugar comprado ou de
outra forma adquirido pelos Estados Unidos por consentimento da legislatura do estado. Em outras
palavras, a América continental. Tudo isso é baseado no direito romano porque os Illuminati têm
jogado este mesmo jogo ao longo dos séculos onde quer que tenham passado. Os principais
políticos sabem que é assim que as coisas são e como são feitas pelos administradores do governo,
juízes, advogados, bem como ‘jornalistas’ privilegiados. Aqueles que percebem o que está
acontecendo e solicitam ao tribunal para que se coloque o nome do verdadeiro credor ou dos
destinatários das multas impostas pelo ‘sistema legal’ são sempre negados na obtenção dessa
informação por parte do juiz. Os verdadeiros credores nesses casos e os destinatários finais das
multas são os banqueiros para os quais a empresa ‘país’ está falida.” - David Icke, na obra Tales
from the Time Loop. (Contos do Circuito Temporal)

Advogados ou “barristers” (defensores de causas, ou


“causídicos”) têm que recorrer ao “bar” da Bar
Association (Ordem dos Advogados) para fazer o
exame da academia assim como alcoólatras vão para o
“bar”, viciados comem barras de chocolate e os
jogadores esperam obter 3 “bars” (“barras”) na
máquina caça-níqueis. Tudo isso deriva dos “Temple
Bar” (“Barra dos Templários”) da virada do século 13
na Inglaterra. Originalmente, o Bar Templo era,
literalmente, apenas uma barra ou corrente entre dois
postes ao lado dos Tribunais do templo. Ele logo se
tornou um enorme portão de pedra e havia eventualmente oito desses portais construídos para que
as elites pudessem restringir e controlar o comércio dentro da cidade de Londres. Eles foram
derrubados durante o século 19, mas a cada pedra foi contada e mantida em armazenamento até
2004, quando simplesmente houve a reconstrução do Bar Temple, em Londres.

“A corporação Estados Unidos foi criada por trás da tela de um ‘Governo Federal’, quando, após a
‘vitória’ inventada na Guerra Americana de ‘independência’, as colônias britânicas trocaram a
ditadura explícita de Londres pela ditadura encoberta bem mais eficaz e que está em vigor desde
então. Com efeito, a Virgínia Company, a corporação liderada pela Coroa britânica que controlava
as ‘ex’-colônias, simplesmente mudou seu nome para ‘Os Estados Unidos’ e outros pseudônimos
relacionados. Estes incluem os termos US, (EU) USA, (EUA) United States of America, (Estados
Unidos da América) Washington DC, (Capital Federal de Washington) District of Columbia,
(Distrito de Colombia) Federal Government (Governo Federal) e ‘Feds’. (Federais) A Corporação
dos Estados Unidos é baseada no Distrito de Columbia e o atual presidente da corporação é um
homem chamado George W. Bush. Ele não é o presidente do povo ou país como eles são levados a
crer; trata-se justamente de uma cortina de fumaça. Isso significa que Bush lançou uma ‘guerra
contra o terrorismo’ em nome de uma corporação privada para promover os objetivos dessa
corporação. Não tinha nada a ver com a ‘América’ ou os ‘americanos’, porque estas são entidades
jurídicas muito diferentes. É a Corporação dos Estados Unidos que possui os militares dos Estados
Unidos e tudo o mais que se apresenta com o termo ‘federal’. Isso inclui o Federal Reserve, o
‘banco central’ dos Estados Unidos, que é, na realidade, um banco privado de propriedade de
acionistas controladores (i.é., os controladores da Corporação dos Estados Unidos) que nem sequer
são americanos. Este é o banco do qual a Corporação dos Estados Unidos empresta dinheiro.” -
David Icke, na obra Tales from the Time Loop. (Contos do Circuito Temporal)

“Se você notar na parte inferior da sua certidão de nascimento, diz Departamento de Comércio. Ela
é uma propriedade do Departamento de Comércio, porque você não é nada mais do que um pedaço
de material comercial. É por isso que se você está sem trabalho você não vai ao escritório de
desemprego, você vai para o Escritório de Recursos Humanos, porque você é apenas um recurso
humano.” - Jordan Maxwell, apresentação de slides de 1990 sobre símbolos escondidos.

O juiz senta-se no tribunal de frente para o banco. Bancos estão em ambos os lados de um rio. Um
banco fluvial direciona o fluxo da corrente e do mar – com respeito à moeda, temos o fluxo de
caixa. O mar é “depositado” de banco a banco rio abaixo. Somos apenas “consumidores” para quem
eles anunciam, somos apenas “recursos humanos” para serem usados como baterias, e eles são os
“engenheiros sociais”, moldando-nos quais “comedores inúteis” dentro da escravidão assalariada.

Escola, Tribunais, Igrejas e o


Culto de Saturno

“Quando você se formar no ensino


médio você sai em procissão com
um manto negro, que é preto para
honrar a Saffron, o Deus dos
hebreus, que exige que você use o
chapéu quadrado no topo de sua
cabeça. Os capelos quadrados são,
naturalmente, usados pelos maçons
(pedreiros) ao fazerem os seus
rebocos, de modo que é por isso que você usa um capelo quadrado quando você se forma, tornando-
se em última análise um Alumni. (ex-aluno) Tudo tem a ver com a Maçonaria; tudo isso tem a ver
com o controle da educação neste país.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matriz de
Poder)
Primeiro você paga a sua “mensalidade” para entrar na “universidade” onde eles removem de você
a sua intuição e dão a você um doutrinamento. Então você recebe um grau “maçônico” de mestrado
estrela enquanto está vestindo com um chapéu quadrado de almofariz maçônico e uma veste preta
de culto a Saturno para se tornar um Alumni ou Illumini. Graduação significa aumentar ou retardar
o progresso. Como diz Jordan Maxwell, “o verdadeiro significado da Graduação é o doutrinamento
gradual”. Isso é verdade. Coloque um bando de crianças de 5 anos de idade em um quarto cheio de
crianças de 5 anos de idade por um ano, daí um grupo crianças de 6 anos de idade com crianças de 6
anos de idade e assim sucessivamente durante 20 anos, até que você enfim terá doutrinado a eles e
dará a eles doutorado.

“As sílabas são Ma- para a medida e Stor- para a Estrela. ‘Medidor das estrelas’, - Nomeadamente
um astrólogo. As crianças ainda recebem hoje uma estrela pela aplicação bem-sucedida aos seus
estudos. Quando matricula-se em uma universidade, recebe-se um ‘mestrado’. Isto é puramente
sabeu. Graus são parte do ciclo do zodíaco. Foi dado um ‘grau’, para mostrar, que assim como o sol
houve uma geração, havia se ascendido a um lugar exaltado. Uma vez que dominou-se as estrelas
tornou-se então literalmente um MESTRE.” - Michael Tsarion, na obra Astrotheology and Sidereal
Mythology. (Astroteologia e Mitologia Sideral)

Juízes e padres católicos romanos por tradição também usam


ou usavam mantos negros. Os juízes têm um martelo
maçônico ou um martelo que batem para declarar a palavra da
lei. A ideia de lei vem dos dez mandamentos bíblicos escritos
em pedras e por isso é dito que você “quebra” ou seja,
“rompe” ou “infringe” a lei. Os juízes sentam-se sempre em
uma plataforma elevada de três níveis que representam os
primeiros três graus azuis da maçonaria. A mesma plataforma
tripla é encontrada no Congresso e os altares da maioria das
igrejas católicas e protestantes possuem três níveis de altura.
É também por isso que se recebe e se dá a alguém o “terceiro
grau” relacionado com o terceiro grau de Maçonaria, onde se
pede ao iniciado que ele responda corretamente uma série de
perguntas de sondagem para se tornar um mestre maçom. Há
geralmente um portão em torno dos altares das igrejas assim
como há portões com portas giratórias em cada tribunal. Os
reunidos na igreja se levantam todos para reconhecer o padre,
assim como todos se levantam quando o juiz entra. Em
seguida, o juiz proclama um “recesso”, porque ele está em
“tribunal” jogando um jogo de “ten” nis (10 mandamentos) com os advogados que jogam o jogo
dialético do protagonista e do antagonista, repicando no tribunal a vantagem um do outro. Na
audiência, as testemunhas devem colocar a mão sobre o antigo e o novo “testamento” (do inglês
“testament”) antes de darem seu “testemunho”, assim como o sermão de um sacerdote é muitas
vezes chamado de testemunho – do inglês “testimony”. (também observe “mon” de “lua”) Quando
uma testemunha jura, uma mão é colocada na bíblia enquanto a outra é levantada; na igreja, quando
os paroquianos sentem o espírito santo, muitas vezes durante o canto, eles usam uma ou ambas as
mãos para louvar ao Senhor.

“Então quando você se aprofunda mais em Saturno, você começa a entender que a cor dele é negra,
que ele era um Deus de uma das muitas tribos ou grupos semitas diferentes, e que um de seus
símbolos era um quadrado. Então você entra no almofariz preto quadrado que os estudantes da
universidade ou do ensino médio vestem quando se graduam. Ele fica quadrado em sua cabeça,
sendo geralmente preto. A mesma cor de Saturno, um dos antigos deuses hebreus. Este é o mesmo
preto usado na túnica que o juiz usa quando vai lançá-lo na prisão. Porque o preto representa
Saturno. Saturno é o antigo Deus semita. É por isso que as igrejas e os tribunais têm a mesma
aparência hoje, porque quando você entra em igrejas, senta-se do lado de fora, junto com os pobres
nas cadeiras, do lado de fora nos bancos da igreja, sem, no entanto, poder subir ao mais alto nível,
sem poder entrar pelo portão, não podendo entrar pelas pequenas portas, uma vez que apenas o
padre pode entrar lá e oficiar por você. Você fica do lado de fora com os pobres. O altar está sempre
acima em três degraus; era assim que sempre ocorria no Egito antigo. O altar sendo sempre mais
elevado para que o povo pudesse ver o representante de Deus vestido de preto. O sacerdote aparece
no altar vestido de preto, e ele está oficiando para você, ele é o mediador entre você e Deus. A
mesma coisa ocorre na sala do tribunal; você entra e você faz parte da gente pobre que se senta na
plateia e lá está a cerca, ou portão, que faz a separação. O advogado pode entrar pelo portão como
seu porta-voz, para ir falar com ‘Deus’ para conseguir o seu livramento e o advogado será o
mediador entre Deus, ou o juiz que o julga e o homem. É assim que são as coisas na nossa
sociedade atual.” - Jordan Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

O “xerife” no antigo egípcio era um legislador e seu emblema era sempre


uma estrela de seis pontas que é outro símbolo de Saturno. Os “xerifes” dos
EUA no oeste selvagem e até hoje ainda têm feito uso da estrela de seis
pontas. É interessante que o símbolo de Saturno é a estrela de seis pontas,
Saturno sendo o sexto planeta do sistema solar, Saturno (sábado) sendo o
sexto dia da semana, sendo que agora a NASA está recebendo imagens da
“formação do Hexagrama de Saturno” (ou seja, com seis lados) nos polos
de Saturno. O sexto chacra do sistema de energia humano é o terceiro olho
ou a glândula pineal. (3 vezes o número 6, ou seja, 666) Quando o seu 3º olho energético, ou chacra
se abre, você desenvolve o seu sexto sentido de intuição e espiritualidade. Do ponto de vista da
consciência, o sexto sentido, suas intuições e palpites, são mensageiros de Deus, seus anjos da
guarda. Não é interessante que os anjos possuam halos ou anéis em torno de suas cabeças e Saturno
seja o único planeta com um halo ou anel em torno dele?

“É por isso que hoje, quando você se casa, você se casa


diante de Deus. E o símbolo daquele Deus é o anel que é
colocado nos dedos do casal. O anel de Saturno. Nas
frases de casamento, também começa-se a perceber o que
isso tem a ver com Saturno. Então, quando você se casar,
você terá um anel ao casar-se e isso significa
simbolicamente que Deus está no anel, o anel de Saturno.
Você está usando o anel de Deus. E o ‘yarmulke’,
(pequeno chapéu usado pelos judeus) o anel redondo que
a pessoa usa em sua cabeça, seria em honra a seu Deus, Saturno. Mesmo na Idade Média, nos
templos, os monges católicos raspavam a cabeça na forma de um círculo
redondo e os hebreus, em vez de fazer isso, usavam o ‘yarmulke’. Mas
tudo isso tinha a ver com os anéis redondos de Saturno.” - Jordan
Maxwell, na obra Matrix of Power. (Matrix de Poder)

“O nome antigo de Saturno era, como mencionado, EL. Essa é a razão


pela qual aqueles que foram escolhidos por EL, foram chamados de
Elites. Na verdade as palavras, Eleger, Elder, (Ancião) Elevado, Elohim,
Templo, Círculo, Gospel (Evangelho) Apostle, (Apóstolo) Disciple,
(Discípulo) Evangelists, (Evangelistas) etc., todos derivam do Culto de
EL. Os anjos são mensageiros de Deus. Mas o Deus era EL, sendo esse
o motivo de termos os nomes dos Archangels (Arcanjos) com o sufixo
‘el’, Raphael, (Rafael) Michael, (Miguel) Uriel, Gabriel, etc.” - Michael Tsarion, em Astrotheology
and Sidereal Mythology. (Astroteologia e Mitologia Sideral)

“O termo plural Elohim aparece mais de 2500 vezes no Antigo Testamento, mas é falsamente
traduzido na maioria das versões. Esse fato da pluralidade explica por que, no Gênesis, os Deuses
disseram: ‘Façamos o homem à nossa imagem’. Como afirmado, Elohim refere-se de maneira
similar a ‘deuses’ e ‘deusas’, e sua forma singular, El, serviu como um prefixo ou sufixo para nomes
de deuses, pessoas e lugares, de onde Emmanu-El, Gabri-El, Beth-El, etc. Mesmo ‘Satanás’ era um
dos Elohim.” - Acharya S., (Dorothy Milne Murdock) na obra The Christ Conspiracy, (A
Conspiração de Cristo) p. 67.

Os deuses de EL-o-him são ang-EL-s, os mensageiros de deus. Quando as bruxas lançam um spe-
EL, (feitiço) elas colocam o “Hex” (feitiço, que também significa hexa ou sexto) em alguém, e
quando os chefs (cozinheiros) fritam alguma coisa, eles “Deep 6”. (“fritam bem frito”) São as “EL-
ites” que dirigem o mundo hoje. El-ite vem do tremo “Isra-El-ites” (ou, Israelitas) termo esse que se
originou do culto egípcio da Lua (Ísis), do Sol, (Ra), e de Saturno (Elohim); daí o termo “Is-Ra-
El”.

Em Meca, judeus e muçulmanos também adoram um enorme cubo ou caixa-preta chamado Kaaba.
Seu Deus YHWH é conhecido pelo “Tetragrammaton” (formado por quatro letras) que sabe-se ser o
seu Deus de quatro letras. (4 lados?) A “Kabbalah” do misticismo judaico ou Maçonaria vem de
Kabba-Allah ou “Cubo Deus”, em torno do qual as pessoas se reúnem e cerimonialmente andam em
círculos. Assim, pode-se dizer que eles estão “circundando o quadrado”. Os maçons também estão
constantemente se referindo à “circundação do quadrado” e “quadrado do círculo”. Por exemplo, é
por isso que uma partida de “box-ing” (boxe ou pugilismo) é disputada por “rounds” (“rodadas”) no
“ring”, (“anel”) mas na verdade é uma arena quadrada de 4 lados com cantos. O símbolo maçom
“G” (Geometry/God [Geometria/Deus]) dentro de um compasso e um esquadro simboliza isto
também. Assim como as pessoas circulam em torno de seu Deus cubo, Kabba, da mesma forma os
maçons usam um compasso e esquadro em torno de seu Deus ou Geometria "G".

Na tradição islâmica, a “pedra” é onde Muhammad (Maomé) ascendeu ao céu acompanhado pelo
ang-el Gabri-el. (anjo Gabriel) A cúpula da “rocha” foi construída na época de 600 DC e foi
reconquistada pelos israelitas em seis de junho de 1967 após “a guerra dos 6 dias”. As paredes
externas da Cúpula medem 60 (6x10) pés (pouco mais de 18 metros) de largura e 36 (6x6) pés
(pouco mais de 10,9 metros) de altura. Os Cavaleiros Templários alegaram que a Cúpula da Rocha
estava no local do Templo de Salomão e bem próximo desse local estabeleceram o seu “Templum
Domini”, durante o século XII.

“Saturno é uma chave importante para entender a longa herança que esta conspiração tem caso
remontemos à antiguidade. A cidade de Roma foi originalmente conhecida como Saturnia ou
Cidade de Saturno. A igreja Católica Romana retém muito do culto de Saturno em seu ritual.
Saturno também se relaciona com Lúcifer. Em vários dicionários ocultistas Saturno está associado
com o mal. Saturno era importante para a religião de Mithra, e também para os druidas.” - Fritz
Springmeier em Bloodlines of the Illuminati. (Linhagem Illuminati)

Roma era conhecida pelos “romanos” como Saturnia, não por Roma, e Saturno era um de seus
deuses. O preto é a cor de Saturno e a cor de Satanás. A bíblia sagrada cuja capa normalmente é
preta nos diz que Satanás é 666. Saturno é o sexto planeta, seu símbolo sendo uma estrela de 6
pontas, possui supostamente formações meteorológicas hexagonais e o dia de Saturno, (sábado) o
sexto dia, é o “Black Sabbath” (“Sábado Negro”) de Ozzy Osbourne.

Numerologia Oculta
“Na Maçonaria está embutido o núcleo ou o
coração secreto dos mistérios ocultos, envolvido
no número, na metáfora e no símbolo.” - Benjamin
Crème, na obra The Reappearance of the Christ
and the Masters of Wisdom, (O Reaparecimento
do Cristo e os Mestres da Sabedoria) p. 87.

“Os números são a chave para os antigos pontos de


vista da cosmogonia … espiritualmente, bem
como fisicamente … para a evolução da raça
humana atual, todos os sistemas de misticismo
religioso são baseados em números.” - Wynn
Westcott, na obra The Occult Power of Numbers,
(O Poder Oculto dos Números) p. 15.

Os números 3, 5, 7, 9, 11, 13, 33 e todos os múltiplos deles possuem significado esotérico para a
Irmandade e são usados em uma variedade de maneiras. Eles são codificados pela gematria nos
nomes de marca e criptografados em logotipos corporativos. Eles são usados, por exemplo, em
números de vereadores, signatários e documentos importantes. Datas com significado numerológico
são usadas para eles dedicarem monumentos, para encenarem eventos de falsa bandeira e
planejarem assassinatos. Sem falha, a Irmandade quase sempre numericamente ou simbolicamente
deixa sua impressão digital. Analisando esses números sagrados e suas inter-relações, as ideias e
segredos ocultos começam a aparecer.

“Os números 3, 7, 9, 11, 13, 33, 39 - ou qualquer múltiplo desses números têm significado especial
para os Illuminati. Saiba que o Grupo Bilderberg possui um núcleo de 39 membros que são
divididos em 3 grupos de 13 membros em cada grupo. Saiba que há um núcleo de 39 respostas
para serem dadas pelos 13 membros do Comitê de Política. Tome nota especial de que os 13
membros do Comitê Político prestam contas à Mesa Redonda dos Nove. Você sabe que o número
original de estados nos Estados Unidos da América era 13. A Constituição possui 7 artigos e foi
assinada por 39 membros da Convenção Constitucional.”- Robert Howard, em Destruction of the
Trade Centers: Occult Symbolism Indicates Enemies Within our own Government (Destruição dos
Centros de Comércio: Simbolismo Oculto Indica Inimigos Dentro do nosso próprio Governo)
-www.theforbiddenknowledge.com/hardtruth/destruction_of_the_trade_centers.htm

Qual é o propósito de deixar uma trilha numérica de crimes e façanhas? Trata-se de um cartão de
visita arrogante para compartilhar e dar amostras aos outros iniciados da sociedade secreta? São
números de sorte? Ou os próprios números contêm alguma qualidade mais mística? Todos os
listados acima.

“Esses códigos de números têm significados ainda mais profundos do que os mais óbvios dos dias,
meses e do zodíaco. Os números também representam frequências vibracionais. Cada frequência
ressoa para um certo número, cor e som. Algumas frequências, representadas por números, cores e
sons, são particularmente poderosas. Os símbolos também representam frequências e afetam o
subconsciente sem que a pessoa perceba que está acontecendo. Esta é outra razão pela qual certos
símbolos são vistos em sociedades secretas, em bandeiras nacionais, em logotipos
de empresas, em publicidade e assim por diante.” - David Icke, em The Biggest
Secret, (O Maior Segredo) p. 83.

Numerologia - O Número 5
Por que o posto militar mais alto é o de general 5 estrelas, que usa 5 estrelas de ouro de 5 pontas?
Por que os xerifes usam uma estrela de ouro de 6 pontas? O que esses amuletos e símbolos ocultos
têm a ver com a proteção do país?

“Em Kritias, Platão escreveu que os números 5 e 6 eram sagrados na Atlântida, onde eram
codificados na arquitetura, na arte e na vida cerimonial ‘para honrar os dias ímpares e pares’. A
escolha por parte dos Atlantes desses números reflete sua religião holística, o ‘umbigo do mundo’,
cujos adeptos se esforçaram pela síntese e pelo equilíbrio espiritual. O número 5 representa o
princípio masculino da ação consciente para fora, enquanto 6 representa a receptividade intuitiva
feminina.” - Frank Joseph, na obra The Atlantis Encyclopedia. (A Enciclopédia Atlântida) p. 206.

O significado de Atlântida se tornará mais importante mais tarde, mas por agora
basta dizer que o 5 representa o princípio masculino de ação externa. As
culturas antigas em todo o mundo compartilhavam a crença de que o Sol
representava o princípio masculino enquanto a Lua representava o feminino.
Assim, um “soldado”, ou guerreiro do Sol, usando 5 estrelas douradas de 5
pontas, certamente ressoa fortemente o princípio ou energia masculino.

Ocultistas modernos acreditam que 5 seja o Número da Morte. A maior intensificação de qualquer
número é o seu triplicado, fazendo 555 literalmente “Maior quantidade de Morte”. Poderia ser por
isso que o mais alto posto militar (generais de 5 estrelas) usa 5 estrelas de 5 pontas no uniforme?
Poderia ser por isso que o edifício do Pentágono dos Estados Unidos da América possui 5
pentágonos concêntricos, de 5 lados, com um pátio interno de exatamente 5 acres? O co-criador do
Pentágono, Jack Whiteside Parsons, era de fato um ocultista e sumo sacerdote na sociedade secreta
da OTO. (Ordo Templi Orientis – Ordem do Templo do Leste)

“Jack Parsons, cientista de foguetes americano, fundador do Laboratório de Propulsão a Jato da


Califórnia, e um sacerdote da O.T.O., foi, assim como o Mórmon Joseph Smith, um primeiro
servidor de Satanás e um rebelde contra Deus. Ele até pensou ser o anticristo profetizado. Parsons
escreveu este arrepiante parágrafo em seu diário: E assim eu fui anticristo solto no mundo; e a este
sou empenhado para que a obra da besta seja cumprida, e o caminho para a vinda de BABALON
seja aberto e eu não cessarei nem descansarei até que estas coisas se cumpram.”- Texe Marrs, na
obra Codex Magica, (Magica em Códice) p. 44.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Departamento de Guerra dos EUA


começou a construção do Pentágono e mudou seu nome para o Departamento
de Defesa. Desde então, o governo dos Estados Unidos conduziu inúmeras
guerras não declaradas e propagou-as ao público como medidas meramente
defensivas, ataques preventivos ou conflitos e obstáculos inevitáveis.

Ambos os notórios iluministas John D.


Rockefeller e Amschel Bauer Rothschild tiveram 5 filhos. O
governador de Massachusetts e o candidato presidencial de 2008, o
mormon Mitt Romney também tem 5 filhos. Novamente se 5 é a
energia masculina de ação externa, então 5 filhos ou sóis tornam-se
símbolos de maior ressonância desse princípio. Também é
interessante que muitas das bandas empresariais pré-planejadas de
garotos e garotas, as bandas criadas por corporações, não pelos
próprios músicos, como as Spice Girls, Pussy Cat Dolls, New Kids on
the Block, Backstreet Boys e N’Sync tenham todos 5 membros em suas banda e cada membro
representa ou atua vestido de uma certa maneira única - o garoto mau, o bonitão, o experiente, o
hippie, etc. A ideia parece seguir uma agenda ocultista e zodiacal, usando tipos de personalidade
para vender produtos.

“No ocultismo antigo e no moderno o ‘E’ é muito importante


porque representa a quinta essência ou a quintessência …
Representa um poder espiritual de transcendência – O número
5. Então você sempre encontrará algo em um logotipo
corporativo que por alguma razão faz uso do 'E’ . Ela será
sempre destacada de alguma forma, ou separada de alguma
forma, ou deixada cair de alguma forma.” - Michael Tsarion,
em The Subversive Use of Sacred Symbolism in the Media,
(O uso subversivo do simbolismo sagrado na mídia)
conferência no Congresso Conspiracy 2003)

Tome nota que letras “E” em logos corporativos, uma vez que
a letra “E” é a 5 ª letra do alfabeto são muitas vezes destacadas ou desenhadas de forma diferente do
que as outras letras. Intel com o “E” caído, Acer faz o“ E” superfino, Crest e Lee colocam um raio
de sol atrás do “E”. E-Force tem a pirâmide Illuminati e Microsoft Internet Explorer usa o ícone “E”
com o anel de Saturno em torno dele. Observe também a cor azul da Int-EL dentro do logotipo com
o anel de Saturno [azul]. Outras marcas que mudam suas letras “E” incluem E-Bay, E-Trade, ESPN,
Dell, Acer, Esprit, Express, EB, EA Esportes e Jogos, A & E, FedEx, Enconcept Academy e muitos
mais. Há certamente ocultistas em altos postos na Madison Avenue e na indústria de publicidade.

Os Números 12 e 13

“Na Escandinávia, o Grande Odin tinha 12 nomes - [ou seja] atributos personificados. Os cabalistas
valorizam as 12 substituições do tetragrama … Em um pacote comum de cartas de jogo há 12 cartas
‘reais’, mas no pacote de tarô há também 4 cavaleiros. Houve 12 aparições registradas de Jesus
depois de sua morte; a Maria Madalena, às mulheres galegas, a dois discípulos, a Pedro, a dez
apóstolos, a onze apóstolos, a sete apóstolos e a outros durante uma pesca, a 500 irmãos de uma
vez, a Tiago o Menor, a onze apóstolos, a Estevão por ocasião de martírio, a Paulo em sua
Conversão e ao apóstolo João.” - William W. Westcott, em sua obra Numbers: Their Occult Power
and Mystic Virtues. (Números: Seu Poder Oculto e Virtudes Místicas)

Na Bíblia havia 12 tribos de Israel, 12 irmãos de José, 12 juízes de


Israel, 12 grandes patriarcas, 12 antigos profetas de testamento, 12
reis de Israel, 12 príncipes de Israel e 12 discípulos de Jesus. Mais
adiante no capítulo sobre Astroteologia será mostrado como estes
12 se relacionam com os 12 signos do zodíaco, os 12 meses do ano,
as 12 horas do dia e as
12 horas da noite.
Também temos 12 dias
de Natal, 12 graus na
escola, 12 programas
de etapa, 12 jurados, 12
notas antes da oitava,
12 ovos em uma dúzia, 12 polegadas em um pé, [o
Projeto] Majestic-12, e 12 anos de infância antes do
“anos da adolescência” e o Barmitsfa judeu aos 13
anos.
Um tema comum em todas as tradições da escola de mistério é de 12 discípulos, cavaleiros ou
seguidores em torno de uma divindade. O número 12 é um código, entre outras coisas, para os 12
meses do ano e as casas do zodíaco através das quais simbolicamente viaja o Sol, o ‘deus’,
simbolizado como 13. Este é o ‘sagrado 12 e um’ como algumas pessoas costumam descrevê-lo e é
uma das principais razões pelas quais os números 12 e 13 continuam sendo recorrentes. Assim você
tem as 12 tribos de Israel, 12 príncipes de Ismael, 12 discípulos ou seguidores de Jesus, Buda,
Osíris e Quetzalcóatl. Há também o Rei Arthur e seus 12 Cavaleiros da Mesa Redonda, (o círculo
do zodíaco) Himmler e seus 12 cavaleiros na SS nazista, e a mulher (Isis, Semiramis) com uma
coroa de 12 estrelas no Livro do Apocalipse. Na Escandinávia e em toda a região norte, encontram-
se os mistérios de Odin, inspirados novamente pela mesma raça ariana do Oriente Próximo. Nesta
tradição, você encontra doze ‘Drottars’ que presidiam os Mistérios Odínicos. O sagrado 12
repetidas vezes. Essas histórias não são literalmente verdadeiras, são simbolismo de escola de
mistério. Isto continua hoje com estes mesmos símbolos usados pela rede da sociedade secreta da
fraternidade nas bandeiras nacionais, nos brasões, na propaganda e nos logotipos de empresa. A
criação da Fraternidade, a União Europeia, tem como símbolo um círculo de 12 estrelas. Estamos
nos referindo a números sagrados e à geometria aqui. As proporções de estátuas egípcias, grandes
ou pequenas, eram múltiplas ou submúltiplos de 12 ou 6.” - David Icke, em The Biggest Secret, (O
Maior Segredo) pp. 82-3.

Também misticamente relacionado ao 12, temos o mais


arcano 13. 13 é 12 mais 1. Há 12 Jurados e 1 Juiz. O total de
13 conta com o mestre mais 12 discípulos. 13 é o especialista
dos 12 signos do zodíaco. Há apenas 12 meses no calendário
do sol Gregoriano, mas há 13 meses no calendário lunar. O
número 13 representa a lua e a energia feminina, cuja essência
há muito foi silenciada pelos Illuminati e pela adoração
religiosa do Sol e do Filho. É por isso que 13 é propagado na cultura popular como sendo um
número que representa o azar. Ele representa o azar para você, mas não para as elites iniciadas que
compreendem suas qualidades místicas. No Antigo Testamento, o número 13 assume a conotação de
revolução e rebelião. Gênesis 14:4 diz: “Eles tinham servido a Quedorlaomer por 12 anos, mas se
rebelaram no décimo terceiro ano.”

“Daí que cada ocorrência do número treze, e também de cada múltiplo dele,
representa um sinal de que [a ocorrência] está em conexão com a rebelião,
apostasia, defecção, corrupção, desintegração, revolução ou alguma ideia
semelhante.” - E.W. Bullinger, na obra Number in Scripture, (Número nas
Escrituras) p. 205.

Alexandre, o Grande governou por 13 anos e comprou seu cavalo Bucephalas


por 13 moedas de ouro. (então ele morreu aos 33)
Durante os julgamentos das bruxas de Salem no
ano de 1692, 13 mulheres foram executadas.
Quando as colônias estavam sendo montadas, o
rito maçom de (Nova) Iorque possuía 13 graus. A bandeira americana
original tinha 13 estrelas e 13 listras para as 13 colônias originais. O
maçom Pierre L'Enfant projetou um pentagrama de 13 ruas no meio de
Washington D.C. O Templo de Compreensão Maçom da capital Federal
está localizado a 13 quarteirões ao norte da Casa Branca, diretamente
em alinhamento com o monumento do obelisco de Washington.
Em 1913 foi fundado o criminoso Federal Reserve; é composto de
12 bancos regionais dominados pelo New York Federal Reserve
Bank. (Banco de Reserva Federal de Nova York) Em 1933
começaram a imprimir cédulas com as pirâmides dos Illuminati e as
Bohemian Grove owls (corujas boêmias do bosque) nelas. Essas
cédulas também codificam o número 13 repetidamente. Há 13
estrelas acima da cabeça das águias, 13 degraus na pirâmide, 13
letras no “Annuit Coeptis”, (um dos lemas dos Estados Unidos,
significando mais ou menos “Ele aprova (ou tem aprovado) o
[nosso] empreendimento]” [wiki]) e 13 letras no “E Pluribus Uni”.
(lema “de muitos, um”) Há 13 barras verticais no escudo, 13 listras
horizontais na parte superior do escudo, 13 folhas no ramo de
oliveira, 13 frutas, e 13 números. No selo do Departamento do
Tesouro na frente, há um quadrado maçônico, igual ao compasso e
ao esquadro no selo Maçom e se você olhar com uma lupa, você
vai ver que existem 13 buracos no esquadro. Não é de admirar, portanto, que a falência esteja no
Capítulo 13 do Código de Falências.

“Desde a data de 1776, é colocado sobre a parte inferior da pirâmide [no Grande Selo dos EUA], e
uma vez que o número 13 tem sido tão importante na história dos Estados Unidos e nos símbolos do
selo, não é desarrazoado supor que os 13 degraus da pirâmide possam representar 13 períodos de
tempo de 13 anos cada um.” - Paul Foster Case, na obra The Great Seal of the United States (O
Grande Selo dos Estados Unidos)

Desde 1776 [o treze] em algarismos romanos está na base de uma pirâmide de 13 degraus na nota
de dólar; pode-se interpretar isso como 13 ciclos de 13 anos (13x13 = 169). Certos pesquisadores
demonstraram convincentemente como a cada 13 anos, de 4 de julho de 1776 a 1945 (169 anos
depois) foram dados passos importantes na “Grande Obra” da Fraternidade. Em 1776 a América e
os Illuminati foram fundados; Em 1789 os Illuminati agitaram a revolução francesa, adotaram a
constituição de ESTADOS UNIDOS, e o grande selo; Em 1802 Washington D.C. foi incorporada
aos Estados; e isso persistiu a cada 13 anos até 1945, quando as Nações Unidas da Nova Ordem
Mundial se formaram, e o 33º presidente e maçom de 33ª grau, Harry Truman, ordenou o genocídio
atômico e introduziu o mundo na “Nuclear age”. (“Era Nuclear”) Na verdade, esse ciclo de 13 anos
terminou em 4 de julho de 1945 e foi exatamente 33 dias depois, em 6 de agosto, quando o
bombardeiro B-29 Enola Gay, na Missão 13, largou a bomba atômica em Hiroshima. (e em
Nagasaki 3 dias mais tarde)

Em 1948, o Rockefeller Fund (Fundo Rockefeller) financiou um


novo edifício do governo na rua East Sixtieth, número 1313. Em
1962 a “Crise de Mísseis de Cuba” durou 13 dias, e a exatos 13
meses depois, JFK foi assassinado 22/11/63. (22+11= 33) Ele foi
baleado nos mesmos 3 lugares que Mason Hiram Abiff, que,
simbolizava a perseguição dos Templários na sexta-feira 13, do ano
de 1307, foi atingido, ou seja, na parte de trás, na garganta e na
cabeça. A espaçonave Apollo 13 decolou às 1:13 da tarde (horário
militar 13:13) e sofreu a explosão dois dias depois, em 13 de abril de
1970. Michael Jordan, a estrela mais bem-sucedida do esporte na
história jogou 13 temporadas e teve a sua camisa de número 23
aposentada em 13 de janeiro de 1999.

“Você realmente acha que tudo isso é coincidência? Quais são as hipóteses? Então, o que estamos
realmente olhando? Temos o Presidente George Bush Jr., que é primo em 13º grau da Rainha Mãe
da Grã-Bretanha, e de sua filha, Rainha Elizabeth, e é um primo em 13º grau, do uma vez removido
da herança ao trono, o Príncipe Charles. Oficialmente transformando-se no 43º presidente de uma
nação no dia 13 de dezembro, nação essa que teve originalmente 13 colônias, que comemora seu dia
da independência no dia julho 4 que é exatamente 13 dias após o solstício de verão que ocorre em
21 de junho. Neste cálculo, 22 de junho é contado como o 'primeiro dia'. Alguns consideram que
este país seja a 13 ª tribo de Israel. Bush, governa a Casa Branca, cuja pedra angular foi lançada por
um Ritual Maçônico no sábado, 13 de outubro de 1792, quando a loja Georgetown de número nove
em Maryland se reuniu para a cerimônia, em cuja rua é cercada por 13 linhas aproximadamente
retas de avenidas que o [maçom]L'Enfant havia planejado para a cidade que simbolizavam as [13]
listras da bandeira nacional. ” - Robert Howard, em George Bush Jr. and the Number 13. (George
Bush Jr. e o número13
http://web.archive.org/web/20010925165917/hardtruth.topcities.com/george_bushjr 1 3.htm

Fritz Springmeier, David Icke e outros documentaram que existem 13


linhagens principais dos Illuminati. Fritz Springmeier, em seu livro
Bloodlines of the Illuminati (Linhagens dos Illuminati) lista as 13
principais famílias Illuminati como: Astor, Bundy, Collings, Dupont,
Freeman, Kennedy, Li, Onassis, Reynolds, Rockefeller, Rothschild,
Russell e Van Duyn. Outros pesquisadores diferem sobre quais das 13
famílias estão no topo da pirâmide. Alguns dizem, por exemplo, que as
famílias Disney, Oppenheimer, Payseur, Warburg ou Windsor são as
melhores das 13, mas todos os pesquisadores concordam que sejam
famílias tais como os Rockefeller e os Rothschild.

Usando gematria, cada letra do alfabeto codifica um número de 1-26, A = 1, B = 2


e assim por diante. Uma palavra ou anagrama torna-se numerologicamente significativa quando
pode ser matematicamente manipulada em números sagrados. Por exemplo America Online é
chamado AOL, A é igual a 1, O é igual a 15 e L é igual a 12. Esses números podem facilmente gerar
e, portanto, ressoar o 13 sagrado por intermédio de meios simples. 1 mais 15, menos 1, menos 2, é
igual a 13.

CBS (Columbian Broadcasting Systems) – 3, 2, 19 = 32-19 = 13

NBC (National Broadcasting Company) – 14, 2, 3 = 1 + 4x2 + 3 =


13

CNN (National Broadcasting Company) – 3, 14, 14 = 3 + 1 + 4 + 1 +


4 = 13

TBN – 20, 2, 14 = 20-2-1-4 = 13

CIA (Central Intelligence Agency) – 3, 9, 1 = 3 + 9 + 1 = 13

DHS (Department of Homeland Security) – 4, 8, 19 = 4x8-19 = 13

FBI (Federal Bureau of Investigation) – 6, 2, 9 = 6-2 + 9 = 13

FEMA (Federal Emergency Management Agency) – 6, 5, 13, 1 = 6-5 + 13-


1 = 13

EPA (Environmental Protection Agency) – 5, 16, 1 = 5 + 1 + 6 + 1 = 13


MI6 (Military Intelligence 6) – 13, 9, F = 1 + 3 + 9 = 13F (Free Masonary?
[Maçonaria])

WHO (World Health Organization) – 23, 8, 15 = 2x3-8 + 15 = 13

NAFTA (North American Free Trade Agreement) – 14, 1, 6, 20, 1 = 1x20 + 6


+ 1-14 = 13

USA (United States of America) – 21, 19, 1 = 2x1 + 1 + 9 + 1 = 13

NATO (North Atlantic Treaty Organization) – 14, 1, 20, 15 = 14-1-20-1-5 =


Negativo 13

NSA (National Security Agency) – 14, 19, 1 = 1 + 4-19 + 1 = Negativo 13

“Eles são os que estão no governo. Eles são os que estão por trás dos esportes profissionais. O
proprietário do Pittsburgh Steelers é um cavaleiro de Malta. O proprietário dos Detroit Lions é um
Cavaleiro de Malta. Todos os principais proprietários destes clubes de futebol, em sua maior parte,
são Cavaleiros de Malta, fazendo com que as pessoas façam barulhos de fúria durante os jogos e
esportes, enquanto eles ficam ocupados criando uma tirania. Então, esse seria um dos elementos nos
Protocolos – que gerariam os ‘divertimentos’. Um outro que eles usaram foi Walt Disney, maçom
de grau 33 - dono da Disneyworld, ou Disneyland. Outro foi Milton Hershey, com o seu Hershey
Park. Eles criam todas essas diversões e jogos e passatempos para deixar as pessoas bêbadas de
prazer, enquanto eles estão ocupadas derrubando a qualquer tipo de oposição aos seus governos.” -
Robert Howard, em 13 and 33 The Freemason’s Signature. (13 e 33 – A Assinatura do Maçom)

NFL (National Football League) – 14, 6, 12 = 12+6-4-1 = 13

NBA (National Basketball Association) – 14, 2, 1 = 14-2+1 = 13

NHL (National Hockey League) – 14, 8, 12 = 1x4+8-1+2 = 13

MLB (Major League Baseball) – 13, 12, 2 = 13x1+2-2 = 13

PGA (Professional Golfers Association) – 16, 7, 1 = 1x6+7x1 = 13

NASCAR (National Association of Stock Car Auto Racing) – 14, 1, 19,


3,
1, 18 = 14+1+19-18-3x1 = 13

Esses equivalentes numerológicos podem parecer forçados ou


planejados demais para serem criados conscientemente e é possível que
alguns desses 13 s sejam mera coincidência;
mas é altamente implausível que todos eles
sejam. A Irmandade mostrou constantemente
sua obsessão por esses códigos e números. Tome
3 ou 4 letras aleatórias e veja se você pode reduzi-los numerologicamente
para 13. Os números só podem ser manipulados por um número limitado de
maneiras.

“Muitos filmes têm o número 13 no título. 13 Frightened Girls – 1963, (13


Meninas assustadas) 13 East Street -1952, (Rua do Leste, 13) 13 Floors -
1991, (13º Andar) 13 West Street - 1962, (Em português: Clamor de Vingança) 13 Fighting Men,
1960 ( 13 Lutadores) 13 Ghosts, 1960 (13 Fantasmas; foi feito um remake em 2001 com o mesmo
título) 13 Lead Soldiers (1948), 13 Men and a Gun (1938), Apollo 13, 1995. (Título em português:
Apollo 13 – Do Desastre ao Triunfo) Caso você não saiba, Hollywood é de propriedade dos
maçons. Obvio, não é? John Wayne era maçom. Quantos de nós não brincamos de ‘cowboys’ e
índios? Ninguém queria ser o índio. Os índios foram mortos, todos nós sabíamos disso. Esta foi a
maneira que Hollywood encontrou para glorificar o assassinato em massa de uma raça de pessoas. -
O mesmo ocorreu na Alemanha. As crianças brincavam de SS nazistas contra judeus. Toda criança
queria ser um nazista, nunca o judeu ou cristão. Gene Roddenberry, o criador da série Star Trek era
maçom. Até mesmo o nome Vulcano era o nome de um falso deus romano. O comunicador é uma
pirâmide. A propósito, Star Trek foi criado para nos preparar para uma falsa invasão alienígena para
inaugurar a Nova Ordem Mundial.” - Robert Howard, em 13 and 33 – The Freemason’s Signature
(13 e 33 – A Assinatura do maçom) http://www.whale.to/b/ Howard1.html.

Os números 32 e 33

No Vaticano há 32 arcadas em cada lado do pátio com um obelisco


gigante no meio. A batina do papa tem 32 botões e sua cabeça
representa o trigésimo terceiro “botão”. No símbolo da antiga União
Soviética haviam 32 raios que emanavam do sol sendo ele o trigésimo
terceiro. Em 03/03/03, o UN World Prayer Center (Centro Mundial de
Oração da ONU) pediu que todos rezassem simultaneamente às
15h30. (3:30 da tarde) O teto da sala da Assembleia Geral das Nações
Unidas tem uma grande luz circular cercada por 32 luzes menores. O edifício da ONU possui 39
(13x3) andares e está situado em terras doadas pelo maçom e Iluminista David Rockefeller. A
bandeira das Nações Unidas mostra o globo dividido em 33 seções rodeadas por ramos de oliveira.
A bandeira é igualmente azul assim como são os primeiros 3 “graus azuis” da maçonaria.

Há 13 graus no rito Iorque da maçonaria e 33 graus no rito escocês. Nosso


sistema de medição originou-se na França Maçônica na década de 1790, o que
explica por que 13 polegadas padrão é igual a exatamente 33 centímetros
métricos. O gelo congela a 32 graus Fahrenheit e muda para água em 33 graus,
correspondendo precisamente com os graus maçônicos de “iluminação”. O 33 é
o primeiro “grau” em que pode ocorrer o derretimento do gelo sólido, bem
como a sua livre circulação. A própria ideia de medir o calor por graus é
maçônica. Assim é o seu diploma (mensurado em graus) e quando conclui-se “o terceiro grau”, isso
baseia-se na cerimônia maçônica de terceiro grau em que o iniciado deve responder a muitas
sondagens, ou perguntas pessoais.

A águia, um dos símbolos principais da maçonaria de rito escocês, é


encontrada no dólar. Ela tem 32 penas na sua direita simbolizando os 32
graus formais da maçonaria de rito escocês, mas ela está olhando para a sua
esquerda que contém uma trigésima terceira pena adicional, representando o
grau 33 [maçom] ostentado por muitos líderes mundiais e figuras históricas.
O Chefe do Supreme Council of World Freemasonry, (Conselho Supremo da
Maçonaria Mundial) Albert Pike inventou o 33º grau da Maçonaria em 1832.
Foi a principal autoridade jurídica e Co-Fundador do
KKK - Ku Klux Klan (“K” sendo a décima primeira letra do alfabeto, ou seja,
11, portanto 11x3 = 33)
“Em Hebrom ele [o Rei Davi] reinou sobre Judá por sete anos e seis meses, [7+6 = 13] e em
Jerusalém reinou por 33 anos sobre todo o Israel e Judá.” - 2 Samuel 5:5.

Há referências múltiplas a 33 na Bíblia: 33 dias de purificação (Levítico 12: 4), 33 filhos e filhas de
Israel (Gênesis 46:15) e 3300 oficiais do rei Salomão. (1 Reis 5:16) O rei Davi reinou em Jerusalém
por 33 anos. (1 Reis 2:11) A estrela de Davi possui dois triângulos, significando dois números 3, ou
seja, 33. Há exatamente 33 títulos no Antigo Testamento para o anticristo e 13 no Novo Testamento.
Jesus, em especial foi batizado aos 30 anos, começou seu ministério de 3 anos, depois morreu e
ressuscitou aos 33 anos. (Lucas 3:23) Veja também 1 Crônicas 3: 4 e 1 Crônicas 29:27.

“O sol aparece no trigésimo grau, mas não fica totalmente claro até o
grau 33, assim que estiver com determinado tamanho também. É por
isso que eles disseram na Bíblia que o ministério de Cristo começou no
ano 30 e terminou no ano 33. Esta referência teria sido incontestável
para qualquer um que esteja a par dos segredos da astrologia. O número
está ligado ao princípio do deus ‘Sol’ e não do deus ‘Filho’, viajando
através do zodíaco. É por isso que as lojas maçônicas também utilizam o
número.” - Michael Tsarion, em Astrotheology and Sidereal Mythology. (Astroteologia e Mitologia
Sideral)

Na astrologia, o sol oficialmente transita em um novo signo do


zodíaco no 33º grau. (um conceito bem conhecido muito antes do
cristianismo) Para mais informações sobre as origens astrológicas do
mythos (palavra grega para mito, lenda ou estória) cristão recorra ao
capítulo intitulado “Astroteologia”. A Divina Comédia de Dante
dividida em três partes, possui 33 segmentos de cantos: 33 Cantos
sobre o Inferno, 33 Cantos sobre o Purgatório, e 33 Cantos sobre o
Paradiso. (Paraíso) O pé humano tem 33 músculos. A Indy 500
tradicionalmente começa com 3 filas de 11 (33) carros de corrida. Há
uma banda chamada 311. O logotipo do Bank of America é composto
por 3 séries de "11" formando "33". Foi relatado que, a hora da morte
da rainha-mãe foi às 3:15. (ambos os ponteiros em "3", ou seja "33")
Kenneth Lay, CEO da Enron, comprou todo o 33º andar de seu prédio
e morou no condomínio número 33. O logotipo “Windows” secretamente codifica 33 nas suas
“vidraças”. Os duplos atentados ocorridos em Bali (Indonésia) em 12 de outubro de 2002 e 1 de
outubro de 2005 ocorreram em um intervalo de quase 3 anos. (faltavam onze dias para três anos
completos)

“No dia 11/11/2004 eles ofereceram Yasswer Arafat e declararam-no


morto oficialmente às ‘3:30’ da manhã. No mesmo dia, a ONU/OMS
se reuniu para discutir a ‘gripe aviária’ pela primeira vez. ‘3 meses e
11 dias’ mais tarde em 22/02/2005 o CDC começou a assustar o povo
americano com mais propaganda de mutação da gripe aviária,
mencionando possíveis quarentenas militares forçadas para o povo
americano. Tudo verdade. Isso já aconteceu … A plataforma para
lançamento do ônibus espacial é a de número 39, situada na pista de
decolagem de número 33 na Flórida. A elite sacrificou o Columbia
STS 107 com 1 astronauta de cada um dos 7 continentes acima do
paralelo de número 33, no dia 1 de fevereiro de 2003 , no 11º
aniversário de um discurso feito por Bush pai, de manhã, em frente à
ONU pedindo a ‘Nova Ordem Mundial’. Bastardos! Repetidas vezes
… Janet Reno foi nomeada em 11 de março de 1993. 39 (13x3) dias
depois eles queimaram vivos a todos na igreja WACO. 11 de março de 1985 foi também a data da
inauguração da 'NWO' (Nova ordem Mundial) de Mikhail Gorbechev.” - Eric Rainbolt, na obra
The Cryptocracy Book (O Livro da Criptocracia) pp. 7-8.

Roosevelt e Hitler chegaram ao poder em 1933 e ambos comprometeram-se


com o estabelecimento da Nova Ordem Mundial. O Grande Selo Maçônico
com a expressão “Nova Ordem Mundial” em latim foi adicionado à nota de
dólar em 1933. Walt Disney era um maçom de grau 33 e a Disneylândia
possui um “Clube 33.” O Castelo do Reino Mágico foi projetado depois do
castelo de Neuschwanstein na Baviera onde os Illuminati foram formados.

Durante a Segunda Guerra Mundial Winston Churchill, possuidor do grau 33, fez o sinal do “V de
Vitória”, a saudação dos dois dedos que desde os anos 60 se tornou símbolo para “Paz”. Antes que
este sinal maçônico se tornasse um símbolo da vitória ou da paz, era um símbolo do grau 33. Há 3
articulações para a junta em dois dedos fazendo 33 e em seguida, mantidos separados como um V
de cerca de 33 graus. Buzz Aldrin maçom de nível 33 e Neil Armstrong Jr., filho de um maçom de
nível 33, supostamente realizaram uma cerimônia maçônica 33 minutos depois de chegarem na lua,
segurando a bandeira maçônica e tirando fotos um do outro. Em 7 de fevereiro de 2003 uma
explosão de um clube noturno na Colômbia matou 33 pessoas.

James Cameron o diretor maçom graduado com nível 33, participou na estreia
de seu filme “Titanic”, em Houston, Texas, que começou a ser exibido
exatamente às 15h33, com 2 outros (somando-se assim 3) maçons de 33º nível.
Stanley Kubrick foi assassinado exatamente 666 dias antes do início do ano de
2001, sua Odisséia no Espaço. O filme 2001: Space Odyssey (2001 - Uma
Odisseia no Espaço) foi mostrado primeiramente em 1968, 33 anos antes do
ano de 2001. O filme Rosemary's Baby (O Bebê de Rosemary) foi rodado no
edifício Dakota, onde John Lennon, que conhecia pessoalmente a Roman
Polanski, (diretor e roteirista do filme) foi morto a tiros. No filme, as elites
(contando inclusive com o aparecimento do fundador da Igreja de Satanás
Anton LeVay numa cena) exigem seu bebê para terem sucesso e fama. Um ano
depois, a mulher grávida de Polanski, Sharon Tate, foi assassinada pelos
seguidores de Charles Manson. Manson foi visto mais tarde acenando
freneticamente gestos maçônicos em seu julgamento.

“John F. Kennedy foi morto ao circular [numa praça que


fica bem próxima da coordenada] de grau 33 de latitude
no 11º mês no 22º dia do mês (2x11) quando entrou na
pirâmide. Onde o mataram, atigido por um ‘triângulo’
maçom, erigiram um obelisco egípcio com a chama
eterna da maçonaria no alto. Ronald Reagan foi baleado
no terceiro mês no trigésimo dia (3 + 30 = 33) George
Bush pai não é você um maçom graduado com nível 33,
e não teria você se beneficiado com a morte de Reagan?
Não seriam as suas políticas radicalmente diferentes das
de Reagan? Não teria se aproveitado de sua ligação com ele no gabinete? Você nunca teria sido
presidente se não fosse por Reagan.” - Masonic – Occult Numerology (Numerologia Oculta –
Maçônica) de “Duke” - http://www.whale.to/b/duke.html

“Pouco mais de dois meses depois de tomar posse, o presidente Reagan foi atingido pela bala de
um assassino, que por um quarto de polegada, teria impulsionado Bush para o Gabinete Oval sete
anos antes de seu tempo. Curiosamente, o irmão do assassino, John W. Hinckley, tinha agendado
um jantar com o filho de Bush, Neil, na noite em que Reagan foi baleado. O pai de Hinckley,
negociante de petróleo no Texas e George Bush eram amigos de longa data. Deve-se notar também
que o nome de Bush - incluindo seu pequeno sobrenome ‘Poppy’ - e seus endereço e número de
telefone foram encontrados no caderno pessoal do geólogo petrolífero George DeMohrenschildt,
último amigo conhecido de Lee Harvey Oswald.” - Jim Marrs, em Rule by Secrecy. (O Governo
Secreto) p. 32.

Jesus foi crucificado pelo governo romano e pereceu por 3 dias aos 33
anos. Alexandre, o Grande, também morreu aos 33 anos. O Papa João
Paulo I foi assassinado depois de estar no poder por apenas 33 dias.
David Koresh, líder da filial dos davidianos em Waco, Texas foi morto
pelo governo dos EUA aos 33 anos de idade perto do paralelo 33. O
suspeito do atentado a bomba na cidade de Oklahoma, Timothy McVeigh
também foi assassinado pelo governo aos 33 anos. Havia 33 vítimas no
duvidoso massacre a tiros de Virginia Tech (no Instituto Politécnico e
Universidade Estadual da Virgínia) em abril, 2007.

“Embora tenha sido significativo, o assassinato do JFK é apenas um


entre muitos assassinatos que aconteceram ao longo ou perto do paralelo 33. O número de
assassinatos de pessoas de alta posição e testemunhas-chave ao longo do paralelo 33 é
significativo.”- Day Williams, na obra Masons and Mystery at the 33rd Parallel. (Os Maçons e o
Mistério no Paralelo 33)

Muitos eventos significativos na história moderna aconteceram no


paralelo 33. Por exemplo, o maçom de nível 33 e trigésimo terceiro
presidente dos Estados Unidos da América, Harry Truman nos
colocou na Era Nuclear com o teste da Bomba A, na Experiência
Trinity no campo de testes situado no paralelo 33 em White Sands,
no Novo México. Mais tarde, ele autorizou mais dois lançamentos
de bombas perto do paralelo 33 em Hiroshima e Nagasaki.
Aproximadamente 3 anos mais tarde foi no paralelo 33 em
Roswell, Novo México que ocorreu o avistamento famoso do
OVNI e a construção da subsequente ÁREA-51. JFK foi
assassinado na Dealey Plaza em Dallas, Texas, perto do paralelo 33
em 22 de novembro de 1963. (22 + 11 = 33) A Dealey Plaza (em
português: Praça Dealey) possui a forma de uma pirâmide sem o
topo e tendo sido também o local de construção do primeiro templo maçônico em Dallas. O
atentado a bomba do Parque Olímpico em Atlanta, na Geórgia, também foi no paralelo 33.

“Na Numerologia Espiritual, o ‘33’ simboliza o mais alto nível de consciência espiritual que o ser
humano pode alcançar.” - Elizabeth van Buren, na obra The Secret
of the Illuminati (O Segredo dos Illuminati) pp. 161-2.

Três importantes 33 referem-se ao corpo humano e à espiritualidade


e é provável que a compreensão esotérica destes três '33" seja
cobiçada por maçons do 33º grau. Primeiro, há exatamente 33
voltas em uma sequência completa de DNA humano. Este fato
biológico era provavelmente conhecido pelos antigos, que, como
será mostrado mais tarde, eram muito mais avançados científica e
tecnologicamente do que são apresentados nos livros e na mídia
dominada pelos Rockefeller e Rothschild. O segundo 33
significativo é o número de vértebras na coluna vertebral humana.
No Kundalini Yoga antigo, a energia da serpente Kundalini é descrita como que subindo do chacra
base, enrolando em torno da espinha até iluminar o chacra da coroa, dotado de iluminação
espiritual. Isso pode soar como falso misticismo oriental até que este sagrado número 33 mostre
paralelos no mundo dos estudos ocultistas ocidentais. A antiga "Árvore da Vida" hebraica e
cabalística contém 33 permutações de consciência – 22 caminhos, 10 sefirotes conhecidos e
desenhados e um décimo primeiro sefirot escondido deixado sem representação na maioria das
interpretações. Assim como a serpente Kundalini serpenteia as 33 vértebras da espinha, a Árvore da
Vida é muitas vezes desenhada com uma serpente enrolando-se para cima e em volta, mostrando o
caminho a tomar em direção da Kether, a coroa. (chacra)

“Os Caminhos representam os estágios sucessivos de revelação da


realização cósmica na consciência humana. Em imagens antigas, uma
serpente é muitas vezes retratada como retorcida sobre os ramos da
Árvore. Esta é a serpente Nechushtan ‘que segura sua cauda em sua
boca’, o símbolo da sabedoria e da iniciação. Os enrolamentos desta
serpente, quando corretamente dispostos sobre a Árvore, cruzam cada
um dos Caminhos sucessivamente e parecem indicar a ordem em que
devem ser contados. Com a ajuda deste glifo, então, é uma questão
simples organizar todas as tabelas de símbolos em suas posições corretas
sobre a Árvore, assegurando-se que os símbolos sejam colocados em sua
ordem correta nas tabelas. Em certos livros modernos que se classificam
como autoridades sobre o assunto a ordem correta não é transmitida, os
escritores aparentemente sustentando que isso não deve ser revelado aos
não iniciados. Mas, como esta ordem é concedida corretamente em
certos livros mais antigos e, na verdade, na própria Bíblia e na literatura
cabalística, não me parece pertinente deliberadamente enganar os estudantes com informações
falsas.” - Dion Fortune, na obra The Mystical Qabbalah, (A Cabala Mística) pp. 25-6.

Um símbolo para o sistema límbico e para a energia kundalini, o lagarto,


também representa o movimento cíclico de energia através do universo e
do espaço / tempo contínuo: nascimento-morte-renascimento ad
infinitum. (ao infinito)” - Aurum Solis.

“Muitas pessoas consideram a Kundalini como um modismo da nova


era. Nada poderia estar mais longe da verdade. Kundalini pode ser
considerada a mais antiga ciência conhecida. Nas gerações anteriores, as
pessoas promoviam a Kundalini sob a orientação de professores e em
circunstâncias controladas, preservando o que eles aprenderam como um
conhecimento esotérico. Mas nós entramos num período de tempo em
que o esotérico [ou obscuro]se torna exotérico.[Ou seja, de
conhecimento público]”- Genevieve Lewis Paulson, na obra Kundalini
and the Chakras, (Kundalini e os Chacras) p. 7.

A serpente enrolada ao redor da árvore que fala com Eva no


Gênesis é uma referência a este processo de iluminação espiritual.
O antigo símbolo caduceu de Hermes, Mercúrio e Thoth, (Tot)
usado agora pela indústria farmacêutica ocidental, simboliza
também este processo. Duas serpentes entrelaçadas (que se
assemelham exatamente ao nosso DNA de dupla hélice de 33
sequências) escalam um bastão reto e vertical (que se parece com
as 33 vértebras de nossa coluna vertebral) e terminam no “círculo
de luz” do chacra da coroa adornado com asas. Estes são os
mesmos alfinetes de “asas” usados pelos militares, pelos policiais e pelos pilotos e que são dados às
crianças em aviões comerciais.

A origem desta simbologia remonta ao antigo mito de atlante, que antecedeu à história do Gênesis.
No centro do jardim do Atlas estava a grande Árvore da Vida, assim como no Jardim do Éden. Esta
árvore produzia incomparáveis maçãs douradas de imortalidade, reservadas apenas para os seres
mais purificados e santos. As 7 filhas do Atlas eram conhecidas como “as Hespérides” e seu
principal dever era cuidar e defender a Árvore da Vida. Para as ajudar nessa proteção havia um
amigo íntimo que ficava enrolado ao redor da árvore.

“Para ajudar as Hespérides em sua proteção, uma serpente chamada


Ladon entrelaçou-se ao redor do ramo … As Hespérides são algumas
vezes concebidas como sendo sete em número. Como tal, elas podem
corresponder aos sete principais chacras, ou centros de energia metafísica
que, coletivamente, compreendem a personalidade humana. Assim
também, a Árvore da Vida simboliza a coluna vertebral, ao longo da qual
os chacras estão dispostos. Esta interpretação sugere que a kundalini yoga
se originou na Atlântida, a partir da qual se espalhou pelo mundo. De
fato, a Árvore da Vida é um tema frequentemente encontrado em muitas
tradições europeias e asiáticas sobre a Atlântida e a Lemúria,
respectivamente.” - Frank Joseph, na obra The Atlantis Encyclopedia, (A
Enciclopédia Atlântida) p.121.

Assim, parece que o segredo do 33, o segredo mantido


pelos maçons do 33º grau se refere à consciência
espiritual, que remonta ao antigo Egito e à Atlântida. O
símbolo maçônico de um pilar sustentando a Terra, sem
dúvida, está relacionado com este mito atlante, no qual
Atlas segurava o mundo sobre seus ombros. No
dicionário, uma definição de “Atlas” é o termo
anatômico para a primeira vértebra da coluna cervical
que suporta a cabeça. Isso significa que a 33ª vértebra
de baixo para cima, (seguindo as voltas da serpente) a própria vértebra que suporta as nossas
cabeças e mentes, é, na verdade, chamada de “Atlas”. Assim, a vértebra do Atlas sustenta o mundo.
(nossas mentes) Atlas tem 7 filhas (chacras) que guardam a Árvore da Vida (coluna vertebral) e suas
maçãs douradas da imortalidade. (???) Este mistério será mais explorado no capítulo “Atlântida”.

Numerologia - 40

Quarenta graus negativos é a temperatura a que as escalas Fahrenheit e


Celsius correspondem; isto é, -40 ° F corresponde a -40 ° C. Assim
como o gelo derrete a 33 graus, assim como 13 polegadas é igual a 33
centímetros, assim como 666 dividido por 212 Fahrenheit (ponto de
ebulição da água) é igual a Pi 3,1415, a formação serendipitous (da
qual se origina o termo inglês serendipity bem como o termo português
"serendipismo") de Fahrenheit e Celsius em – 40 coincide
perfeitamente com o conhecimento numerológico maçom, misterioso
e com o conhecimento da Bíblia.

São deles as 120 variações diferentes do número 40 na Bíblia. Isaque e


Esaú tinham 40 anos quando tomaram suas esposas. Noé passou por 40 dias e 40 noites de chuvas
diluvianas. Moisés permaneceu com Deus por 40 dias e 40 noites no Monte Sinai recebendo os 10
mandamentos. Moisés conduziu Israel para fora do Egito aos 80 anos (2x40) e depois de 40 anos
comendo maná e vagando no deserto morreu aos 120 anos (3x40). Golias se submeteu a Israel por
40 dias. Vários reis e líderes israelitas governaram por 40 anos, como Davi, Salomão, Eli e Saul. Os
12 espiões exploraram a Terra Prometida por 40 dias. Jesus jejuou, orou e foi tentado por Satanás
por 40 dias no deserto. Os cristãos modernos observam a Quaresma ou jejum por 40 dias antes da
Páscoa. Após a crucificação e a ressurreição, antes de sua ascensão ao céu, Jesus passou 40 dias
com Seus discípulos.

“Adão entrou no Paraíso aos 40 anos; Eva o fez também 40 anos mais
tarde; durante o Grande Dilúvio choveu por 40 dias e 40 noites; Seth foi
levado pelos anjos aos 40 anos e não foi visto por 40 dias; Moisés tinha
40 anos quando foi para Midian e lá ficou por 40 anos; José tinha 40
anos quando Jacó chegou ao Egito; Jesus permaneceu no deserto por 40
dias. A Bíblia é a palavra de Deus? Não. Está foi escrita com base no
código esotérico das escolas de mistério. A literatura árabe também foi
compilada por e para iniciados dos mistérios e aqui você encontra os
mesmos códigos. Os Arbaindt (os quarenta) são estórias nas quais tudo
se relaciona ao número 40 e seu calendário tem 40 dias chuvosos e 40
dias de vento. Suas leis constantemente se referem ao número 40.” -
David Icke, em The Biggest Secret, (O Maior Segredo) p. 83.

Rabi Akiva, o maior expositor da Torá Oral, começou a aprender a ler


hebraico quando tinha 40 anos. Um mikvah equivale a 40 seás
(aproximadamente 200 galões) de água. 40 chicotadas era uma das punições
dadas pelo Sanhedrin. (Sinédrio) No hinduísmo, muitas orações religiosas
populares consistem em quarenta shlokas (versos) ou dohas (estrofes). Nas
culturas muçul-manas os mortos são geralmente lamentados por quarenta
dias. Ad-Dajjal (uma figura do mal na escatologia islâmica) percorreu a
Terra em quarenta dias. Jules Verne escreveu “A Volta ao mundo em 80
dias” (2x40). Khadija tinha quarenta anos quando se casou com Maomé.
Maomé começou a receber a palavra de Deus, o Alcorão, do anjo Gabriel,
quando ele tinha 40 anos de idade, e dentro de 4 anos ele converteu a um grupo de 40 seguidores.
Alguns russos acreditam que os fantasmas dos mortos permanecem no local de sua morte por
quarenta dias.

40 é um número místico que significa algum tipo de


período experimental, teste, transição e crescimento
espiritual. No entanto, na Bíblia é sempre 40 dias ou 40
anos, nunca 40 semanas. Isso reforça a ideia de que a
semana de 7 dias é uma criação cristã relativamente moderna e também aponta para esse vazio
flagrante – 120 usos dos termos 40 dias, 40 anos, mas nem uma única vez se usa o termo 40
semanas! Seria assim, porque é exatamente por 40 semanas (9 meses) que uma mulher carrega seu
bebê em desenvolvimento no útero antes do nascimento? Poderia significar as águas da inundação
da mãe, sendo que Noé seria o bebê protegido por uma arca? Por que Moisés no Egito, Mises na
Síria, Minos em Creta, Manou na Índia e todos os precedentes flutuaram em um cesto ao longo de
um rio, do qual foi dito posteriormente como sendo “parte do Mar Vermelho?” Por que, na Bíblia,
há referências a mulheres ficarem “impuras” por 40 dias após o nascimento de um menino? Maná
(traduz “Que é isto?”) foi o que Moisés comeu por 40 anos no deserto. A Bíblia poderia estar se
referindo ao maná da mamãe no ventre?

Numerologia - 666
“Ela obriga todas as pessoas, pequenas e grandes, ricas e pobres, livres e escravas, a receber uma
marca na mão direita ou na testa, para que ninguém possa comprar ou vender, exceto aquele que
tem a marca, isto é, o nome da fera (ou besta) ou o número do seu nome. Isto exige sabedoria: quem
tem discernimento calcule o número da fera, pois é o número de um homem. O seu número é 666.”
- Revelação (ou Apocalípse) 13:16-18

Um dos números místicos mais conhecidos é a


marca bíblica 666 da besta. A besta (ou fera) faz
com que todos recebam uma marca sem a qual
eles não podem comprar ou vender. Atualmente,
milhares de pessoas nos Estados Unidos e na
Grã-Bretanha incorporaram voluntariamente
microchips Veri-Chip dentro de seus corpos. Esses microchips contêm
seus registros médicos, financeiros e outros e são rastreáveis por satélite
em qualquer lugar do mundo. Neste ponto a implantação do microchip é
opcional, e podemos comprar e vender com ou sem um, mas no futuro próximo, os banqueiros
internacionais da Irmandade planejam implementar sua sociedade mundial sem dinheiro. Apenas
alguns anos atrás, as pessoas zombavam de tal ideia. Agora é comum, milhares estão sendo
microchipados, e as leis estão gradualmente sendo implementadas para o o implante obrigatório de
microchips em animais de estimação, em prisioneiros e em pacientes de Alzheimer. O implante de
microchips ou de tatuagem é na verdade o estágio final no plano da Besta. Muitas outras etapas em
direção a esta rede de controle financeiro já foram tomadas e escancararam a marca 666. Por
exemplo, o código de barras escaneável encontrado em cada produto corporativo.

"É interessante notar que a palavra grega traduzida ‘marca’ é charagma que vem da palavra grega
charax, que significa ‘uma paliçada, como uma cerca de piquete’. Quando se percebe que essa
palavra específica foi usada no primeiro século e vemos hoje o uso do código de barras relacionado
a computadores, encontramos as possibilidades tornando-se mais do que uma realidade em nossos
dias e eras." - Robert Van Kampen, na obra The Sign, (O Sinal) p. 231.

Assim, o significado da raiz grega para “marca” é uma paliçada, uma cerca de piquete, uma
sucessão de barras verticais, assim como o código de barras. Além disso, o número 666 da besta é
codificado em cada UPC.

“A interpretação das marcas do Código de Produto Universal é muito reveladora, pois os três
números ‘666’ são os principais números de trabalho para cada Código de Produto Universal. Cada
grupo de marcas do Código de Produto Universal tem nele três números não identificados. Todos os
três destes números dão 6, tornando o uso dos números ‘666’ a chave para usar este sistema de
marcação identificatório … Não há desvio algum. Cada código de produto universal tem três
marcas não identificadas cujo número é equivalente a ‘6’ codificando-o com o número de código
‘666’.” - Bob Fraley, na obra The Last Days in America, (Os Últimos Dias na América) pp. 225,
228.

Cada conjunto de linhas no código de


barras representa um número de 1-9, de
maneira que, por exemplo, uma linha fina
ao lado de uma linha grossa pode
significar 1, uma linha média ao lado de
uma grossa 2, e assim por diante. O código
para 6 é representado por duas linhas finas uma ao lado da outra. Observe que cada código de barras
tem três conjuntos de linhas finas e paralelas ligeiramente mais longas do que as outras no início, no
meio e no final. Estas linhas particulares são registradas como sendo vazias porque são divisões,
mas sendo duas linhas finas, codificam o número UPC 6 três vezes. Observe também que há sempre
13 números exibidos abaixo do código de barras.

“Qual é a marca? Bem, a marca, Brian, é o código de barras. O código de barras omnipresente que
você encontrará em cada embalagem de papel higiênico, e cada pacote
de Johnny's e cada torta poxie-pot. E todo ... código de barras é dividido
em duas partes por três marcadores e esses três marcadores são sempre
representados pelo número seis. Seis – seis – seis. Agora o que significa?
Ninguém pode comprar ou vender sem essa marca. E é agora o que eles
estão planejando fazer para erradicar toda a fraude de cartão de crédito e
para precipitar uma sociedade totalmente sem dinheiro. O que eles estão
planejando fazer; o que já testaram nas tropas americanas; eles planejam
tatuar de forma subcutânea com laser uma marca em sua mão direita ou
em sua testa.” - “Naked”, (br: Nu) filme britânico de 1993.

O código de número 666 do livro Internal Revenue Code Book


(Código de Receitas Internas) exige que todos carreguem a
marca de seguridade social. Felizmente códigos não são leis. O
número 666 da besta equivale a 3 vezes 6 que é igual a 18 ao
passo que os nossos números de rastreamento de 18 dígitos são
armazenados no supercomputador de 3 andares, o B.E.A.S.T em
Bruxelas, na Bélgica. Em 1974, o Dr. Hanrick Edelman, Analista Principal da Confederação do
Mercado Comum em Bruxelas, revelou a Besta.

“Cada pessoa no mundo recebeu um número de rastreamento de 18


dígitos, que consiste em 3 grupos de 6 números. Os primeiros 3
números atribuídos no computador BEAST a todos são 666. O
próximo é o código nacional. O código nacional dos EUA é 110. Em
seguida, os próximos 3 números são o seu código de área de telefone e, em seguida, finalmente, o
seu número de 9 dígitos de Segurança Social. O código é então 666 + Código Nação + Código
telefônico de área + número de seguridade social = o número da BESTA para um indivíduo.” -
Dwight Kinman, na obra The World’s Last Dictator, (O Último Ditador do Mundo) p. 256.

“O Cartão VISA também é interessante, para dizer o mínimo. Se você analisar as letras em VISA,
você vê três impérios mundiais anteriores representados. ‘VI’ é o número 6 nos algarismos
romanos, ‘S’ é o estigma na cultura grega cujo valor é 6 e, finalmente, o 'A' na cultura babilônica é
6 … ou seja, VISA = 666!” - Masonic – Occult Numerology (Maçonaria - Numerologia Oculta por
“Duke”) http://www.whale.to/b/duke.html

Vicarius Filii Dei (literalmente: “Vigário do Filho de Deus”) é o título oficial do papa. É um título
em latim que significa “O Representante do Filho de Deus” e usando a numerologia romana
equivale exatamente a 666. (V = 5, I = 1, C = 100, A = 0, R = 0, I = 1, U [V] = 5, S = 0) Vicarius =
112 (F = 0, I = 1, L = 50, I = 1, I = 1) Filii = 53, (D = 500, E = 0, I = 1) Dei = 501 (112 + 53 + 501 =
666)

O nome “George Bush” em gematria hebraica equivale a 666. G = 3


(guímel]), e = 5 (hê), o = 70 (aine), r = 200 (rexe), g = 3 = 70 (ayin), s
= 300 (sim), h = 8; (hete) totais 666. Surpreendentemente “George
Bush” equivale a 6 em numerologia pitagórica, caldeia e ASCI.

Na linguagem de computador numérica, os valores do American


Standard Code for Information Exchange – ASCII (Código Padrão
Americano para Intercâmbio de Informações) começam com A equivalendo a 65 e Z que equivale a
90. Isso significa que a letra W é igual a 87. Numerologicamente o número 87 deve ser decomposto
em um único dígito, então 8 + 7 = 15 e 1 + 5 = 6. Assim, na linguagem de computador da American
Standard, World Wide Web = WWW = 666. Toda vez que você digita um URL usando o teclado
QWERTY, é o seu dedo anular de Saturno ou Satanás que pressiona o 666.

Uma escultura enorme de uma aranha ostentada no Rockefeller Center em 2001 está agora na
galeria nacional de Canadá. Há outra no Tribunal Mundial em Haia, Países Baixos. O slogan de
Shakespeare, um membro dos Bohemian Grove, indica erroneamente que “as aranhas tecelãs não
vêm aqui.” Seria toda a simbologia ligada às aranhas e à rede alguma indicação da perspectiva da
elite?

O lema dos Escoteiros da América termina em “Tudo está


OK”, então eles fazem o sinal “OK” com a mão direita na
testa. Se você olhar de perto, o polegar e o indicador fazem
um círculo, e os outros três dedos projetam-se acima
perfazendo-se três números seis. Então o OK é 666 e
colocá-lo em sua testa é como em Apocalipse 13:16.

O número dois
dividido pelo número
três é igual a 0,666. 666 dividido por 212 Fahrenheit, o ponto
de ebulição da água, é igual a Pi 3,1415. A Resolução 666 da
Câmara é um ataque inconstitucional aos direitos da 2ª e da
4ª emendas sob o pseudônimo de “prevenção ao crime”. A
estrada 666 dos Estados Unidos conduz a Dulce, Novo
México onde situa-se uma enorme instalação subterrânea
militar. Pessoal, soldados e civis têm histórias incríveis para
contar sobre Dulce e as Guerras Dulce. A moeda de nome
Euro da “Eur-a-peon Union” (União europeia) possui 6
estrelas com 6 varas, em seguida, mais 6 estrelas, ou seja,
666. Oficialmente, há 660 quartos no Windsor Castle. (Castelo de Windsor) Não estariam esses
pilares morais da comunidade escondendo seis quartos?

O Better Business Bureau (Escritório para Melhores Negócios) é bbb que


se parece com 666 e seu símbolo é tocha ou chama illuminati. Na
linguagem numerológica BBB equivale a 222. As palavras “verdade” e
“sabedoria” são encontradas em exatamente 222 versículos da Bíblia
King James. (versão Rei Jaime da Bíblia) A palavra “Nazareno” é 222 na
gematria grega. A palavra de número 222 do Novo Testamento é
Alexandria. Alexandria na concordância de Strong da Bíblia King James é
a palavra de número 222. A distância em milhas, ida e volta entre
Alexandria, no Egito e a Grande Pirâmide é de 222. Em Alexandria,
Virgínia, o edifício George Washington National Masonic Memorial
possui 333 metros de altura. O aniversário de Washington foi transferido
de 11 de fevereiro para 22, que é 222. O número de membro da Loja maçônica de Alexandria, de
George Washington, era 22.

O obelisco do monumento de Washington em Washington D.C. possui 555 pés de altura para cima
da terra com outros 111 pés que fixados para baixo (555 + 111 = 666) A palavra Cristo é usada 555
vezes no Novo Testamento, a diferença de temperatura da lua é 555 graus, e a suposta área de Marte
é de 55.555.000 milhas quadradas.
A numerologia pitagórica só vai até 9 e depois começa de novo em 1 dando
2 ou 3 letras por número.

1 2 3 4 5 6 7 8 9
ABC DEFG H I
J KLMNOPQR
ST UVWX YZ

Usando numerologia pitagórica, a palavra “Fox”, da FOX News de Rupert


Murdoch realmente codifica 666. O mesmo acontece com a Exxon de
Rockefeller (eXXOn = 666), o X-Box (XbOX = 666) e filmes como Triple-
X e com a trilogia X-Men . Quando algo é XXX tais como veneno ou
pornografia isso é 666. Quando você escreve XOXOXO para abraços e
beijos, isso também significa 666666. Quando cada partida de “jogo da velha” acaba, o quadrado
de 3x3 preenchido com a letra “X” ou a letra “O” dá na verdade 666 em todas as direções.

“Os produtos sem grife são chamados de ‘Brand X’ e, claro, há


o campo de prisioneiros terroristas dos EUA, o Camp XRay em
Guantánamo, Cuba. Os jovens de hoje têm sido chamados de
Geração X e muita gente está preocupada com um planeta, ou
estrela, que dizem vir velozmente em nossa direção chamado
Planeta X que tem significado oculto … Menciona-se também o interessante uso da letra ‘X’ no raio
x da ciência; o uso da palavra abreviada de quatro letras Xmas para substituir o Natal e o fato de
que, no Black's Law Dictionary, se diz que o sinal ou marca ‘X’ às vezes é feito como um substituto
para a assinatura de um homem em documentos legais. E o uso continuado do X misterioso
prolifera. Pode-se ouvir crianças ao se divertir dizerem, ‘Cross my heart and hope to die’ (‘Eu faço
o sinal da cruz no meu coração e espero morrer’, algo equivalente à expressão ‘eu juro por Deus’)
No alfabeto grego, a letra Chi é indicativa do símbolo X, e a ela é dada a representação numérica de
600. Os numerólogos dizem que o triplo X, então, refere-se ao número 666. Líderes muçulmanos
negros, obviamente, veem X como um nome substitutivo de grande significado espiritual. Dois bem
conhecidos líderes muçulmanos negros foram chamados de Malcolm X e Louis X, nomes esses que
escolheram para si próprios. Este último, que ao nascer recebeu o nome de Louis Eugene Wolcott
em 1933 em Nova York, mudou seu nome para Louis X depois de sua conversão ao Islã pelo líder
muçulmano negro Elijah Muhammed. Hoje, ele é conhecido como Louis Farrakhan. É bem
conhecido que Farrakhan é um príncipe maçom de nível 33.” - Texe Marrs, na obra Codex Magica,
(Códice Magica) p. 205-6.

A Geração X joga seu jogo do X-Box chamado de X-Men sobre pessoas sofrendo
mutações devido à radiação chamada de XRay. Enquanto isso, o X-Files (Arquivo
X) da Fox, o Planet X de Sitchin, e o “Mr. X ” do Projeto Camelot estão nos
dizendo que os alienígenas estão chegando. O Brand-X (fora da moda) é genérico
e dispensável. Um ex-marido ou esposa foi crossed-(Xed)-out. (riscado[a] por um
“X”, eliminado[a], ultrapas-sado(a) Não houve Geração W ou Y, por que somos a
Geração X? O “X” marca o lugar. Podemos ser marcados para alguma coisa?

“O sinal, ou letra, X, tem uma longa história de uso nas religiões misteriosas antigas, no judaísmo
apóstata, bem como na maçonaria e no ocultismo. A elite Illuminati o usa até hoje para simbolizar
fenômenos-chave e marcar eventos significativos. A misteriosa letra X parece assumir uma vida
ampla e variada, com ou sem a ajuda secreta do patrocínio da elite.” - Texe Marrs, na obra Codex
Magica, (Magica em Códice) p. 205-6.
Os significados de 666 são muitos e variados. 6x6 = 36 e
quando adicionados em conjunto, cada número de 1-36 (1 + 2
+ 3 + … 36) dão 666. A criação ocorreu em 6 dias. O homem
e a serpente foram criados no dia 6. O homem trabalha
somente 6 dias, sendo que o homem tem 6 nomes na Bíblia:
Adão, Ish, Enos, Gever, Anthropos e Anar. 6 vezes 6 vezes
600 é igual a 21.600 que é o número de milhas náuticas ao
redor da Terra. Platão disse em Kritias que 6 era um número
sagrado na Atlântida e representava o poder intuitivo e
receptivo da lua feminina. O triplicado de qualquer número
na numerologia é a intensificação mais alta, de modo que 666 significa maior energia feminina ou
da lua. Se Jesus Cristo é o Sol ou Filho, 555, então seu anticristo seria a Lua ou Filha, 666. Além
disso 6 vezes 6 vezes 60 é igual a 2160, o número preciso de anos para a passagem de um sinal de
precessão zodiacal dos equinócios. Este ciclo de 25.920 anos, de 360 graus, o chamado “Grande
Ano” de Platão [ou “ano platônico”] é o longo e vacilante período que a Terra atravessa os signos
do zodíaco. As constelações movem-se 1 grau cada 72 anos, sendo assim cada sinal de 30 graus
leva 2160 anos para passar. Este conhecimento bem compreendido pelos antigos está todo contido
na Bíblia, mas foi encoberto e mantido escondido ao longo do tempo pelos sacerdotes e pelo papado
de Roma.

Numerologia -7/7/7

Os números 7, 77 e 777 são considerados números de sorte


tanto pela Irmandade como pelo público em geral. Os Triple
Lucky 7's, (triplos setes da sorte) são usados em máquinas
caça-níqueis por sua qualidade mística. O Seven Eleven, (7-
11) a loja de conveniência codifica 7 vezes 11 que é igual a
77. A cúpula do G7 (G equivale à sétima letra do alfabeto) é
numerologicamente 77. As lojas de roupa K & G também
(KG igual a 11 vezes 7 que é igual a 77). A marca American
Eagle é de aproximadamente 1977 e inclui o 77 em muitas
roupas. A Apollo 11 foi lançada no 7 º mês dando assim o
total de 77. O X-Box possui o World Soccer 7 e os Winning Eleven. O Pentágono está localizado
na longitude de 77 graus e foi supostamente atingido pelo Voo 77 em 11 de Setembro. (11/9) O voo
175 (1 mais 7 mais 5 é igual a 13) atingiu a Torre Sul no 77º andar.

“Ouçam a minha voz, esposas de Lameque; deem ouvidos à minha


declaração: matei um homem porque ele me feriu, sim, um jovem, porque
me golpeou. Se Caim deve ser vingado sete
vezes, então Lameque setenta e sete vezes.”
- Gênesis 4:23, 24.

Aqui temos a raiz bíblica deste número


sagrado. O Lameque bíblico era um descendente de Caim, pai de
Tubalcaim, antepassado de Hiram Abiff, o primeiro assassino, e um
herói maçônico importante. Lameque disse às suas mulheres: Ada e
Zilá: “Se Caim deve ser vingado sete vezes, então Lameque setenta
e sete vezes”. Isto ressoa 7, 11, e 77 porque a vingança de Lameque de
77 é 11 vezes o sete de Caim. A estrada 77 nos Estados Unidos é o local de muitos acasos
interessantes que marcam também o tema da “vingança de Lameque”. JFK foi assassinado em
Dallas perto da estrada 77. A grandiosa loja maçônica de Oklahoma em Guthrie esta situada ao
longo da EU 77. Timothy McVeigh alugou um caminhão Ryder 77 e foi levado para uma cadeia
rural ao longo da estrada 77 após sua prisão. Tanto o massacre de Waco como o atentado à bomba
da Cidade de Oklahoma foram na estrada 77. Não só isso, ambos ocorreram no mesmo dia: 19 de
abril de 1993 no caso do massacre de Waco e 19 de abril de 1995 no caso do atentado de Cidade de
Oklahoma e daí, em 19 de abril de 2004 ocorreu o atentado a bomba contra a Chicago Sears Tower.
Exatamente 444 dias após o atentado do Sears Tower, em 07/07/2005 (2 mais 5 igual a 7, o que dá
777) ocorreram os bombardeios subterrâneos de Londres. 777 mais 444 é igual a 11:11, um número
místico muito conhecido, que como 7 e 77 está associado com a vingança de Lameque. No dia 11
de julho de 2006 em Mumbai, a Índia, trens bombas supostamente “terroristas” mataram 209 (2 + 9
= 11) viajantes, usando 7 bombas em intervalos de exatamente 11 minutos (77) da primeira à
última explosão. Em 11 de julho de 07 a CIA publicou uma National Intelligence Estimate,
(Estimativa de Inteligência Nacional) prevendo outro ataque iminente da Al-Qaeda na América.

“Aleister Crowley acreditava que Pan era o Mágico de Oz, e


atribuiu a ele o número 77. O ‘Z’ dentro do círculo significa
literalmente Oz, e a letra Z em si é composta de dois números ‘7’,
um com o lado direito para cima e o outro de cabeça para baixo.
(basta olhar para o antigo logotipo Zellers)” - Jake Kotze em The
Brave New World Order (A Admirável Nova Ordem Mundial) -
www.thebravenewworldorder.com

Então Oz ressoa como 77 devido ao “Z” ser formado por dois


números “7”. Há os filmes Wizard of Oz (O Mágico de Oz) e
Return to Oz , (O Retorno à Oz) a revista Oz Magazine, o “Dr. Oz”
do programa da Oprah, e o seriado Oz da HBO. A abreviatura de
onças (unidade de medida de pesos) é Oz, embora não haja “Z” na
palavra, então “Oz” (77) alinha as prateleiras e produtos da
mercearia. A Zellers usa o Z dentro de um logotipo O e isso até
mesmo denota claramente o “77”. ON é o Deus do Sol egípcio e on também é a palavra para a luz
ligada. Dr. No (no Brasil: 007 Contra o Satânico Dr. No) foi o primeiro filme de 007 estrelado pelo
maçom Sean Connery, que também estrelou ao filme Zardoz. (assim como no filme Wi-Zard of
OZ) A empresa Boeing produziu um avião 707 e continua a linha de aviões 7x7 nos dias atuais.
Quando você dorme e “consegue alguns ‘zês’” você também está
recebendo alguns “77”. Na palavra Zoo, (Zoológico) que significa um
lugar onde os animais são enjaulados e observados, o “77” ressoa
curiosamente. Também a palavra Zodíaco codifica não apenas Oz, (77)
mas um segredo numerológico muito mais profundo. Se você alterar a
ordem de letra de Zodiac para Cadoiz, revela-se uma “coincidência”
numerológica interessante: C = 3, A = 1, D = 4, O = 15, I = 9, Z = 26.
3.1415926 – Os primeiros 8 dígitos de Pi são codificados em Zodiac.

Outra interpretação mais oculta de 77 é 7 vezes 7, que é igual a 49. Muitos


budistas acreditam, como escrito no Livro Tibetano dos Mortos, que a alma
leva 49 dias entre a morte e o renascimento no processo de reencarnação.
Amigos ou familiares devem ler o Livro dos Mortos para a pessoa que faleceu
recentemente por 49 dias. Surpreendentemente, é também no 49º dia de
concepção que um embrião sofre grandes mudanças para se tornar um feto.
Aos 49 dias, duas coisas muito importantes acontecem: (1) a glândula pineal recém-formada produz
um surto gigante de DMT (dimetiltriptamina) e (2) o sexo do bebê é decidido. Poderia ser este o
momento da reencarnação? René Descartes e muitos outros acreditavam que a glândula pineal, o
olho na pirâmide, seria a sede da alma, onde a alma imaterial interage com o corpo material.
A glândula pineal é o único órgão assimétrico em noss