Você está na página 1de 16

CRISTIANE DE SOUZA

FELIPE BUENO DE CAMARGO


MÁRCIO TORRES VIANA
MARILIA CARRIEL
MONIQUE MICHELLE DA SILVA
SUELLEN ANDRADE DA SILVA
THAMIRIS FERREIRA ARAÚJO

RESPONSABILIDADE SOCIAL E COMBATE AO


ALCOOL NAS EMPRESAS
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO
SÃO PAULO
2011
CRISTIANE DE SOUZA
FELIPE BUENO DE CAMARGO
MÁRCIO TORRES VIANA
MARILIA CARRIEL
MONIQUE MICHELLE DA SILVA
SUELLEN ANDRADE DA SILVA
THAMIRIS FERREIRA ARAÚJO

RESPONSABILIDADE SOCIAL E COMBATE AO


ALCOOL NAS EMPRESAS

Trabalho realizado para a disciplina de Leitura


e Produção Textual, sob a orientação da Profª
Ms. Maria Christina da S. F. Cervera da
Universidade Nove de Julho.

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO


SÃO PAULO
2011

Agradecemos primeiramente ao Ser


Supremo, pela vida e pela maravilhosa
oportunidade de empreender nesse
caminho evolutivo, por propiciar tantas
oportunidades de estudos rumo ao
conhecimento e especialmente a todas as
pessoas que contribuíram para a
elaboração deste trabalho.

Dedicamos primeiramente a todos os


colaboradores que fazem parte deste
grupo, que com muito esforço e
determinação se empenharam de corpo e
alma a este projeto.
Aos nossos familiares, amigos e afins que
permaneceram conosco, sempre nos
incentivando a seguir em frente por este
caminho e nunca desistir de nossos
ideais.
Mas principalmente a nossa Profª Ms.
Maria Christina que desempenhou um
papel essencial para a elaboração deste
trabalho acadêmico.

“Determinação, coragem e autoconfiança são


fatores decisivos para o sucesso.
Se estamos possuídos por uma inabalável
determinação conseguiremos superá-los.
Independentemente das circunstancias,
devemos ser sempre humildes, recatados e
despidos de orgulho.”

Dalai Lama

CAPÍTULO I
O ALCOOLISMO

● O que é o alcoolismo?
● O que leva uma pessoa a desenvolver o alcoolismo?
● Quando uma pessoa entende que é alcóolatra?
● Quais os tratamentos existentes?

CAPÍTULO II

RESPONSABILIDADE SOCIAL/ COMBATE AO ALCOOL NAS EMPRESAS

● Quais os prejuízos que o álcool causa às empresas e seus


colaboradores?
● Qual o interesse da empresa no tratamento desses colaboradores?
● Quais os projetos oferecidos por empresas no auxílio aos dependentes?
● Qual o papel do administrador na identificação e resolução do
problema?
RESUMO

Este trabalho de pesquisa tem por objetivo descrever a importância da


Responsabilidade Social das empresas frente ao alcoolismo. A justificativa para
a escolha do tema se deu pelas consequências causadas pelo álcool no
ambiente de trabalho, como queda de produtividade, acidentes de trabalho e a
necessidade das empresas em evitar desligamento de bons colaboradores. A
metodologia empregada para este trabalho foi pesquisa bibliográfica.
Palavras-chave: ​Responsabilidade social, Alcoolismo, Tratamentos.

ABSTRACT

This research aims to describe the importance of corporate social responsibility


front of alcoholism. The rationale for the choice of theme was made for the
consequences caused by alcohol in the workplace, such as decreased
productivity, accidents at work and the need for companies to avoid
disconnection of good employees. The methodology for this study was to
literature.
KEYWORDS: Social Responsibility, Alcoholism, Treatment

INTRODUÇÃO
O QUE É O ALCOOLISMO?

Embora o álcool seja uma droga lícita, pode trazer sérios danos à vida
de uma pessoa. O indivíduo começa só experimentando, passa a beber aos
fins de semana, pouco a pouco aumenta a frequência e quantidade de
ingestão, quando menos espera já não tem a opção de beber ou não. Sente
um grande mal estar, que só apresenta melhora pela repetição do uso, a partir
daí é que o happy hour deixa de ser diversão e torna-se doença.

Existem três graus de dependência:

1º O Bebedor Social

O bebedor social não apresenta indicações de dependência e nenhum


tipo de problemas associados ao álcool. Ele bebe quando, onde e quanto quer.

2º O Bebedor Problema

É aquele cujo padrão de ingestão já lhe trás algum tipo de complicação


na saúde (como dores de cabeça e estômago),na família e no trabalho (como
estresse, mal humor e irritabilidade). Porém não apresenta dependência.

3º O Alcoólatra

É quando já não se escolhe lugar, hora ou quantidade, a pessoa bebe


no horário de trabalho, em casa, no bar... em qualquer lugar. O alcoólatra é
visivelmente dependente, passa grande parte do tempo embriagado, deixando
a desejar seu desempenho profissional, causando atritos em sua vida social e
colocando sua saúde em risco.

O alcoolismo é uma doença incurável e progressiva, que trás danos


muitas vezes irreparáveis na saúde física e psíquica, causando prejuízos na
vida social e profissional. O uso excessivo e prolongado do álcool causa
intoxicação, a vítima não consegue abster-se, e se consegue há uma enorme
dificuldade e aumento dos sintomas como mal estar e ​tremedeira.

O corpo de um alcoólatra funciona de forma diferente de um corpo sem


o vício. Essa diferença faz com que o alcoólatra sinta nos efeitos do álcool um
prazer maior do que normalmente se sente. Em algumas pessoal o consumo
excessivo de bebidas causa obesidade por conter grande quantidade de
calorias, em outras provoca perda de peso, por causar falta de apetite e
dificuldade de digestão.

No Brasil, o aumento de alcoólatras tem tornando-se um dos mais sérios


problemas médico-assistenciais. 50% dos pacientes internados em hospitais
psiquiátricos são alcoólatras.
O QUE LEVA UMA PESSOA DE DESENVOLVER O ALCOOLISMO?

Existem vários fatores que levam uma pessoa a ingerir bebidas alcoólicas
pela primeira vez. Por exemplo:

● Influência de amigos

Quando o adolescente não quer ser excluído do grupo e acaba bebendo


por que todo mundo bebe.

● Curiosidade

A pessoa consome bebida alcoólica para saber como é, qual a


sensação.

● Cultura

Em algumas sociedades, as pessoas começam a beber ainda na fase


infantil.

● Incentivo dos Pais

Alguns pais são acostumados a beber em casa ou festas familiares e


oferecem para as crianças experimentarem. 40% dos adolescentes e
16% dos adultos que procuram tratamento e para se livrar do vício
ingeriram bebidas alcoólicas antes dos 11 anos

● Fatores Sociais

Anúncios em TV, rádio, jornal, revistas etc. mostram as bebidas


alcoólicas como uma coisa boa e influenciam as pessoas.

Existe uma predisposição genética para desenvolvimento do alcoolismo.


Uma pessoa que tem pais alcoólatras têm tendência a tornar-se usuário, pois o
cérebro fica dependente com maior facilidade.
QUANDO A PESSOA ENTENDE QUE É ALCOÓLATRA?

Podemos definir a síndrome de dependência do álcool, baseada em sete


sintomas:

● Empobrecimento do repertório:

É a tendência que os dependentes tem a estereotiparem seu padrão de


ingestão. As bebidas que mais gostam, a frequência que ingerem, o
lugar, as companhias etc.

● Relevância da bebida:

Quando o indivíduo passa a se organizar para conseguir consumir


álcool. Programa suas tarefas, suas obrigações em função da existência
de bebidas alcoólicas incluídas em sua rotina.

● Aumento de tolerância ao álcool

A pessoa passa a ficar embriagada com quantidades que costumava


tolerar bem.

● Sintomas repetitivos de abstinência

Tremores, náuseas, perturbação de humor, sudorese.

● Esquiva dos sintomas de abstinência:

Constitui o mecanismo adaptativo ao aparecimento da síndrome de


abstinência, envolvendo os comportamentos desenvolvidos para
afastá-la.

● Compulsão para beber

Quando a pessoa já não sente vontade de beber, mas bebe por ter
necessidade do álcool em seu corpo.

● Reinstalação após a abstinência

Quando mesmo após anos de abstinência, o indivíduo volta a beber.

O vício se desenvolve sem que o dependente perceba, no inicio bebe


por prazer e passado um certo período, esta busca se intensifica pelo fato de
que não alcança mais o prazer de antes. Desta forma a pessoa não consegue
mais parar, pois toda vez que esse prazer não for alcançado, surgem os
sintomas da abstinência e para evita-los a pessoa mantem-se embriagada.

Geralmente, as pessoas não conseguem enxergar a distancia entre a


diversão e a doença, o bebedor social e o alcoólatra. Quando percebem a
necessidade permanente do álcool em seu corpo, a doença já esta bem
desenvolvida e a dificuldade de controla-la é muito grande.

QUAIS OS TRATAMENTOS EXISTENTES?

Como em todo caso de intoxicação química, o alcoolismo não tem cura, o que
existem são tratamentos que auxiliam no combate à dependência.

Podemos citar 2 tratamentos principais existentes:

● Tratamentos Sociais: baseiam-se em grupos de autoajuda, terapias


conjugal e familiar, onde homens e mulheres que enfrentam o mesmo
problema, se reúnem e compartilham suas experiências, com o
propósito de se ajudarem. O apoio da família e amigos é de extrema
importância na recuperação do indivíduo.

● Tratamentos Médicos: os procedimentos médicos mais adotados são: a


tentativa de desintoxicação dos pacientes, onde os mesmos ficam sob
supervisão por um determinado período. Não é possível estipular um
prazo correto, pois cada paciente reagirá de forma diferenciada. Devido
os altíssimos índices de recaída, constatamos que o alcoolismo não é
uma doença que pode ser tratada de forma convencional, sendo
necessário acompanhamento psicológico com profissionais
especializados em recuperação de dependentes químicos.

QUAIS OS PREJUIZOS QUE O ALCOOL CAUSA ÀS EMPRESAS


E SEUS COLABORADORES

Um colaborador alcoolizado encadeia vários problemas em uma empresa,


como por exemplo, diversos atestados e atrasos, possíveis acidentes de
trabalho e queda significativa na produção, causadas pela falta de
concentração do profissional.

As empresas por sua vez não absorvem sozinhos esses prejuízos, sendo
repassada aos próprios colaboradores, em forma de redução salarial,
diminuição de oportunidade de promoção, podendo chegar até mesmo a
perda do emprego. Uma vez que o funcionário alcoólatra é simplesmente
punido pela empresa e não orientado de forma adequada, ao invés de uma
solução é oferecido a ele um novo motivo para embriagar-se. Toda essa
situação cria um ciclo vicioso onde a empresa e colaborador são
prejudicados.

QUAL O INTERESSE DA EMPRESA NO TRATAMENTO DESSES


COLABORADORES?

Durante muitos anos as empresas buscaram apenas grandes números de


produtividade e lucros, deixando em segundo plano o departamento de
recursos humanos.

Atualmente, as empresas tem se preocupado muito mais com as questões de


responsabilidade social e percebendo a necessidade de criar projetos visando
o melhor tratamento de seus colaboradores.

Os empresários perceberam que o valor investido em programas de prevenção


e reabilitação trazem um retorno sete vezes maior, tendo em vista que a
produtividade aumenta, há uma notável queda nos problemas de absenteísmo
e na procura pelo departamento medico, economiza-se muito com
treinamentos de possíveis novos funcionários, isso sem falar no
incomensurável benefício de preservação da imagem da empresa.