Você está na página 1de 5

VIDA!

UMA REFLEXÃO DAS SUAS ORIGENS AO SEU FUTURO NO PLANETA


TERRA

Gabriela Larissa da Silva Costa


Curso de Biologia Universidade Federal de Uberlândia-Campus Pontal
gl.silvacosta1309@hotmail.com

Eixo 6 - Meio Ambiente: História, Teoria e Método.

Resumo:
Pensar no futuro da vida no planeta Terra de certa forma gera a necessidade de uma reflexão de
pensar como a vida começou, como e por que chegou a uma realidade, na qual a crise da
biodiversidade ameaça seu futuro. Esse tema foi escolhido como atividade avaliativa da
disciplina de gestão ambiental I, no qual o objetivo era construir um texto com base na pesquisa
científica considerando discutir o avançado grau de degradação ambiental provocado pelo
modelo de produção e consumo atual, com a finalidade de refletir sobre o futuro da vida no
planeta. Nos primórdios, a vida estava em constante equilíbrio com a natureza. Porém os seres
humanos em sua constante evolução elevaram exacerbadamente a exploração de recursos
naturais e degradação do meio ambiente, o que tem gerado grandes consequências ambientais e
desta forma, coloca a vida na Terra em perigo. Tais premissas fundamentam a necessidade de
elaboração de valores e processos adequados a fim de reverter e mitigar os impactos ambientais
causados ao longo desses anos. Entretanto, para que isso seja uma solução é imprescindível à
conscientização e incentivo das populações para promover uma compreensão sistêmicas das
causas e consequências de interferências antrópicas nos ecossistemas, a fim de preserva-los.

Palavras-chave: vida. impactos ambientais. aquecimento global. futuro da vida.

Introdução

A vida é um fenômeno complexo do comportamento do ser vivo que desafia qualquer


definição, porém determinada por composições de um padrão de organização composto por
células e seus arranjos formando organismos multicelulares ou unicelulares que possuem
capacidade de se reproduzir assim formar populações, comunidades e ecossistemas.
(MARGULIS; SAGAN, 2002; CAPRA, 2006). Cada ser vivo gera mudanças no planeta seja de
forma boa ou ruim (MARGULIS; SAGAN, 2002).
Neste sentido, se torna necessário pensar no futuro da vida no planeta Terra o que de certa
forma gera a necessidade de uma reflexão de como a vida começou, como e por que chegou a
uma realidade, a qual a mudanças de comportamentos são necessárias para que a existência da
vida no planeta não seja comprometida futuramente. Estima-se que a vida no planeta surgiu a
cerca de 3,5 bilhões de anos devido a presença de condições habitáveis por causa da presença de
água no estado líquido a qual se deu por causa da elevação da temperatura juntamente com uma
atmosfera que estimula o efeito estufa – fenômeno natural que tem como finalidade manter a
temperatura da atmosfera em equilíbrio com a superfície da Terra, o que favorece a presença da
vida (FONTELE, 2012). Com isso, a vida teve sua evolução em constante equilíbrio com a
natureza gerando mudanças e se adaptando as constantes mudanças do planeta, que por sua vez,
alterava rapidamente, o clima e todo o ecossistema pelas movimentações das placas tectônicas,
exigindo das espécies novas adaptações. E assim a biosfera foi mudando sutilmente com as idas
e vindas de cada espécie, e desse modo, a vida perpetua-se há mais de três bilhões de anos
(MARGULIS; SAGAN, 2002).
Com evolução da espécie humana, sua adaptação e domínio de técnicas por meio da
inteligência, tornou o homem superior aos processos naturais (LEAKEY, 1997). Isso deu início
ao crescimento descontrolado da população resultando no aumento da exploração dos recursos
naturais e degradação do meio ambiente (CAPRA, 2006) que gerou uma série de problemas
globais que danificam toda a biosfera prejudicando a existência da vida, inclusive a vida humana
(CAPRA, 2006). Desse modo, torna-se necessário, mudanças de atitudes a fim de mitigar os
impactos ambientais e proporcionar a continuidade da vida humana.
Esse tema foi escolhido entre os disponibilizados pela professora Dra. Kátia Gisele para
elaboração de uma dissertação como avaliação da disciplina, após a escolha do tema foi
realizado pesquisas bibliográficas para melhor conhecimento sobre o tema e assim, a escrita da
dissertação foi elaborada e adequada nesse resumo expandido para o evento Ciclo do meio
ambiente. A escolha e dissertação sobre esse tema teve como finalidade compreender mais sobre
o impacto da vida, principalmente a humana, no planeta seja ele bom ou ruim e refletir sobre as
possibilidades de futuro da vida no planeta Terra baseado na realidade das condições ambientais
mediante aos muitos impactos sofridos nesses milhares de anos desde que a vida surgiu.
Resultados e Discussões

Sabe-se que a primeira espécie humana evoluiu há cerca de sete milhões de anos.
Posteriormente, em torno de 2,5 milhões de anos surgiram à espécie Homo erectus a qual deu
origem aos Homo sapiens (LEAKEY, 1997), espécie cuja existência se perpetua até os dias
atuais, sendo a única espécie humana vivente. O surgimento da consciência inteligência e o
desenvolvimento da linguagem social propiciaram uma organização social e domínio tecnológico
– habilidades de produzir ferramentas que favoreciam a sobrevivência. (LEAKEY, 1997;
MITHEN, 2002). Segundo Lovelock (2007), a utilização do fogo, das ferramentas e da
agricultura os indivíduos se tornaram mais dependentes uns dos outros e passaram a utilizar os
recursos naturais de acordo com as suas necessidades de subsistência. O que resultou na
expansão territorial e os seres humanos se tornaram mais numerosos, o que deu origem às
sociedades (PAULO, 2010; PINSKY, 2005) as quais na busca por melhores condições de vida,
aumentou-se o consumo e resultou na criação de tecnologias para uma maior produção o que deu
início a industrialização (PAULO, 2010).
As Revoluções Industriais levaram a um explosivo crescimento populacional o que
elevou as necessidades de consumo e proporcionou à globalização das indústrias o que aumentou
a demanda sobre os recursos naturais do planeta como o fornecimento de alimentos, água,
energia (ARTAXO, 2014; FONTELE, 2012; LEAL; FARIAS; ARAUJO, 2008). Além disso, a
industrialização elevou a concentração de dióxido de carbono (CO2), metano (CH 4), óxido
nitroso (N2O), ozônio (O3) e outros gases de efeito estufa na atmosfera (ARTAXO, 2014).
Contudo, a industrialização também representou a consolidação e a mundialização do
capitalismo que resultou na urbanização a qual gerou alterações ambientais físicas e biológicas
as quais modificaram a paisagem e comprometeram ecossistemas substituindo o cenário
expressivo da cobertura vegetal pelo das construções de ruas e casas (LEAL; FARIAS;
ARAUJO, 2008; MUCELIN; BELLINI, 2008; FOLADORI, 2012). As aglomerações humanas
nas cidades se tornaram uma enorme fonte de poluição, devido ao consumo cada vez maior de
veículos automotores o que resulta na emissão ainda mais elevada de gases do efeito estufa na
atmosfera (MATTOS, 2001).
Atualmente, o equilíbrio que o efeito estufa gera na Terra tem sido rompido
gradativamente ao longo do desenvolvimento das civilizações, devido às atividades humanas que
aumentaram a concentração dos gases estufa (FONTELE, 2012), tais como emissões advindas da
indústria, dos veículos automotores e da expansão urbana. A elevada poluição do ar gera o
aumento da quantidade dos gases estufa que por consequência induz aquecimento global –
fenômeno que indica a elevação da temperatura dos oceanos e do ar perto da superfície do
Planeta, ocorrência frequente nas últimas décadas (FONTELE, 2012). Segundo Lovelock (2007)
devido ao aumento intensificado da quantidade de gases do efeito estufa a temperatura da Terra
subiu cerca de 1°C e o nível do mar subiu cerca de cinco centímetros desde o início da era
industrial. O aumento da temperatura pode ocasionar derretimento das geleiras dos polos e, por
consequência, a elevação do nível da água dos oceanos pode provocar alagamento de ilhas e
cidades litorâneas como Muitas espécies de animais poderão ser extintas e tufões e maremotos
poderão ocorrer com mais frequência (FONTELE, 2012; ARTAXO, 2014). Uma série de estudos
aponta que a disponibilidade e a qualidade dos recursos hídricos vêm sendo alterada pelos atuais
dinamismos climáticos (SANTOS; DOMICIANO; MOURA, 2010). Tais eventos resultam em
uma grande crise ambiental (FOLADORI, 2012), e crise da biodiversidade como aponta Myers,
(1987) apud PRIMACK, (2001).
Uma crise em que os ciclos naturais hidrológicos e químicos vêm sendo
perturbados pela devastação da Terra. Bilhões de toneladas de solos vão
parar em um rio, lagos e oceanos a cada ano. A diversidade genética
diminuiu, inclusive entre espécies com grandes populações. O próprio
clima do planeta pode ter sido alterado por uma combinação de poluição
atmosférica e desmatamento. [...] Além disso, muitas ameaças a
diversidade biológica são sinérgicas, ou seja, vários fatores
independentes, tais como: cortes e transporte de madeira é caça
predatória que, combinados e multiplicados, torna a situação ainda pior
[...].

O desafio para a humanidade é construir uma nova relação com a natureza de forma a
garantir o uso equitativo de seus recursos, assegurando qualidade ambiental para as atuais e
futuras gerações. (FILHO, 2011). Desse modo, é imprescindível ações dos gestores públicos e a
sociedade em geral para prevenir ou reduzir os efeitos da degradação ambiental o que envolve a
definição de limites de concentração dos poluentes na atmosfera, a limitação de emissão dos
mesmos, bem como a intervenção no processo de licenciamento, na criação de estruturas de
controle da poluição e apoios na implementação e tecnologias menos poluentes. E minimizar os
impactos das mudanças climáticas globais (LEAL; FARIAS; ARAUJO, 2008; SANTOS;
DOMICIANO; MOURA, 2010). É necessário também que haja uma mudança do padrão de
produção e consumo. Como por exemplo, se fossem utilizados os combustíveis de modo mais
eficiente e fosse adotadas medidas para conservar energia, ainda seria possível desfrutar de um
alto padrão de vida consumindo a metade da energia. Quanto menor for a quantidade de energia
consumida, menor a quantidade de poluição produzida (LEAL; FARIAS; ARAUJO, 2008). É
necessário mudar hábitos que se reverteriam em ganhos para o meio ambiente
E para que tudo isso ocorra é preciso implantar nas populações a educação e
conscientização ambiental, pois somente assim se tornará possível reverter essa crise ambiental,
caso contrário a Terra se encarregará de se tornar desfavorável à vida que a danifica impedindo a
continuação da sua existência (LOVELOCK, 2007).
Referências

ARTAXO, Paulo. Uma nova era geológica em nosso planeta: o Antropoceno? Revista Usp, São
Paulo, n. 103, p.13-24, 2014.
CAPRA, Fritjof. A Teia Da Vida: Uma Nova Compreensão Científica Dos Sistemas Vivos. São
Paulo: Editora Cultríx, 2006. 255 p. Tradução: Newton Roberval Eíchemberg.
CARRAPIÇO, Francisco J. Nascimento. A Origem Da Vida E A Sua Evolução. Uma Questão
Central No Âmbito Da Exobiologia. Anomalia, Porto, Portugal, n. 5, p.25-32, 06 maio 2001.
Disponível em: <http://ctec.ufp.pt/revista-anomalia/>. Acesso em: 6 maio 2019.
FOLADORI, Guillermo. O Capitalismo e a crise ambiental. Raízes, Curitiba, v. 1, n. 19, p.31-
36, maio 1999.
FONTELE, Simone Ferreira de Almeida. Efeito Estufa: O Futuro Da Homeostase Atmosférica
Em Risco.2012. 28 f. Monografia (Especialização) - Curso de Biologia, Universidade de
Brasília, Brasília- Df, 2012.
LEAKEY, Richard. A Origem Da Espécie Humana. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. 310 p
LEAL, Georla Cristina Souza de Gois; FARIAS, Maria Sallydelandia Sobral de; ARAUJO, Aline
de Farias. O PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO E SEUS n. 1, p.1-11, 2008.
Disponível em: <http://revista.uepb.edu.br/index.php/qualitas/article/view/128/101>. Acesso em:
4 jun. 2019.
MARGULIS, Lynn; SAGAN, Dorion. O Que É Vida? Rio de Janeiro: Zahar, 2002. 289 p
MATTOS, Laura Bedeschi Rego de. A IMPORTÂNCIA DO SETOR DE TRANSPORTES
NA EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA - O CASO DO MUNICÍPIO DO RIO
DE JANEIRO. 2001. 222 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de CiÊncias em Planejamento
EnergÉtico, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.
MUCELIN, Carlos Alberto; BELLINI, Marta. LIXO E IMPACTOS AMBIENTAIS
PERCEPTÍVEIS NO ECOSSISTEMA URBANO. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 20, n.
1, p.111-124, jun. 2008. Mensal.
OLIVEIRA FILHO, Gerson Romero de. O sistema Terra e a problemática da exploração dos
recursos naturais. Ces, Juiz de Fora, v. 25, p.83-94, 2011.
PAULO, Rodolfo Fares. O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E O CRESCIMENTO
POPULACIONAL COMO FATORES GERADORES DO IMPACTO AMBIENTAL. Veredas
do Direito, Belo Horizonte, v. 7, n. 13/14, p.173-189, 2010. Anual.
PINSKY, Jaime. As Primeiras civilizações. São Paulo- Sp: Editora Contexto, 2005. 120 p.
SANTOS, Antonio Marcos dos; DOMICIANO, Galvíncio Josiclêda; MOURA, Magna Soelma
Bezerra de. Os recursos hídricos e as mudanças climáticas: discursos, impactos e
conflitos. Geográfica Venezolana, [s.l], v. 51, n. 1, p.59-68, 2010. Semestral.
QUARANTA, Márcio. A CRIAÇÃO: COMO SALVAR A VIDA NA TERRA, Edward Osborne
Wilson. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. 192p. Gaia Scientia, São Paulo, v. 3, n. 2,
p.119-121, 2009.