Você está na página 1de 14

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO COMO FATOR

MODIFICAVÉL DA SAÚDE FÍSICA POPULACIONAL


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................... 6
2 OBJETIVOS .......................................................................................................................... 8
3 REVISÃO DA LITERATURA ............................................................................................ 8
3.1 O Aumento de Atividades Físicas em Academias................................................................ 9
3.2 Sedentarismo como um resultado do processo de automatização ...................................... 11
4 METODOLOGIA ......................................................................................................................... 12
5 RESULTADOS .............................................................................................................................. 12
6 DISCUSSÃO................................................................................................................................... 14
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................................... 15

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ..................................................................................... 16


6

1 INTRODUÇÃO

A tecnologia começou se desenvolver em meados do século XVIII, ocorrida


inicialmente na Grã-Bretanha, com a implementação de máquinas que conseguiam produzir
mais que o trabalho manual. Essas primeiras máquinas eram de fiação e tecelagem, os
maquinários trabalhavam através da força hidráulica e com o decorrer do tempo sendo
transformada em máquina movida à vapor.
Logo após o desenvolvimento da máquina a vapor, a tecnologia começou se desenvolver
de forma crescente, surgindo também sistemas de transporte e de comunicação. Com esses
avanços a distância entre as pessoas, entre os países e entre os mercados diminuíram. Chegando
enfim na globalização, tal tema que Zygmunt Bauman (1999) apresenta de forma indireta em
seu livro, um debate da maneira que a época atual em que vivemos se tornou líquida, ou seja,
fluída, de forma em que o indivíduo deixa de se preocupar com os pilares anteriores da
sociedade passada, tal período que o autor acreditar se sólido.
Conforme Bauman (1999), os referenciais como: a religião, a família, a nacionalidade,
a ideologia política e a classe, foram trocadas pela população moderna pelo simples prazer de
consumir de forma crescente. O autor demonstra que o indivíduo procura o consumo como uma
forma de se encaixar no meio social, que frequentemente fica mais seletivo com pré-conceitos
formados em seleção econômica e socialmente.
Posteriormente, ao entrarmos no âmbito da saúde física que também dependeu do
avanço histórico tecnológico, pois através deste desenvolvimento foi implementado as
academias para a prática de exercício físico do indivíduo, porém a ideia de atividade física vem
antes das academias se estabelecerem. Conforme Fabiana Lazzari (2009), a atividade física será
qualquer movimento que os músculos esqueléticos produzem, causando assim um gasto
energético.
Diante disto, entendemos que o homem primitivo já possuía em sua realidade ação das
atividades físicas, pois neste período os indivíduos precisavam buscar alimentos
frequentemente, sendo assim o movimento corporal era vital na vida dos mesmos, no período
posterior, os exercícios físicos surgem na forma de lutas, natação, remo, hipismo e arquearia.
Ademais, em um grande período de tempo os exercícios físicos deixaram de ser preocupação
da sociedade, de forma que só retornou a preocupação com mesmo somente no Renascimento,
época em que as pessoas estavam sentindo um desejo por conhecimentos mais modernos na
7

ciência, com isso, vários humanistas apresentavam a restauração e o reinicio da atividade física,
para uma sociedade que encaminhava para o sedentarismo.
Conforme Informes (2002, apud Silva 2012), o sedentarismo é um desenvolvimento
histórico influenciado pela a mudança de hábitos cotidianos, pois as pessoas estão se dedicando
menos para se movimentar de forma regular. É demonstrado como um dos maiores problemas
de saúde pública mundial, pois acarreta várias doenças crônicas prejudiciais, algumas chegam
ao ponto de serem incorrigíveis.
Segundo Hallal (2007), o sedentarismo terá como definição diferentes perspectiva.
Entretanto, os estudos chegam no consenso sobre o tempo que a população atual pratica
exercícios físico, como conclusão o autor demonstra que um ser humano adulto pratica
atividades físicas inferior a 150 minutos/semana (minutos semanais mínimos para uma vida
saudável). Entretanto, o número de pessoas conectadas na internet chega a passar os 63% com
a faixa etária acima de 10 anos.
8

2 OBJETIVOS

O presente trabalho possui como intuito demonstrar a maneira que a tecnologia está
implementada em nosso cotidiano e a forma que tem influenciado na vida populacional, de
modo que ocasione em duas vertentes: o aumento na prática de exercício físico e o aumento do
sedentarismo por conta das máquinas automáticas.
9

3 REVISÃO DA LITERATURA

3.1 O Aumento de Atividades Físicas em Academias

Segundo Kohn e Moraes (2007), o período atual sofre com a 4° Revolução Industrial
trazendo assim novas tecnologias no setor da informática instigando um mercado cada vez mais
competitivo e especializado, tal processo influenciado pela globalização. Nos dias atuais
percebemos que é possível ter acesso a uma vasta rede de informações em tempo real e trocar
e cruzar dados a qualquer momento. Portanto o uso do computador, faz com que os serviços de
busca sejam mais agilizados e facilitados, abrindo portas para novas ocupações especializadas
no ramo da informática (programadores, web designers, administradores de rede) e das
comunicações (marketeiros e jornalistas virtuais).

Diante das considerações acima, entendemos assim que o período atual, as pessoas estão
conectadas diariamente em redes sociais, diante de tanta diversidade, os aparelhos tecnológicos
instiga o indivíduo a ficar concentrado frequentemente na internet. Por sua vez, as redes sociais
serão espaços em que as pessoas procuraram como um refúgio da realidade, sendo assim, o
indivíduo receberá diversas informações irreais de um cotidiano aprazível do próximo.

Além disso, Kohn (2017) aponta também que a configuração, nesta sociedade atual a
riqueza dos países é medida pelo acesso à tecnologia e sua capacidade de desenvolvimento na
área. A informação e as práticas relacionadas a ela se tornaram o principal setor da economia.
Estes três principais fatores levam hoje à instauração de um simbolismo da tecnologia como
bem maior, a ser perseguido e incorporado em novas práticas sociais.

A partir desta configuração, se torna relevante investigar alguns conceitos importantes


que envolvem o processo de reconfiguração social, baseado nas novas tecnologias e nas práticas
que desencadearam termos que permeiam e que alavancam os novos feitios sociais e que partem
do pressuposto de interdependência entre diferentes sistemas. Diante disso, a estética foi
colocada como evidência, se transformando em um fator necessário para um padrão perfeito do
indivíduo nas redes sociais.

Conforme Pedroso (2009), essa reconfiguração trouxe consigo o desenvolvimento do


termo "Fitness", surgindo como uma expressão que significa “boa forma física”, ganhando a
ideia de "mexa-se", porém não trazendo a ideia de competição, mas sim o conceito de aumento
da qualidade e longevidade da vida do cidadão comum.
10

Nesta época as grandes academias têm se preocupado em oferecer um espaço amplo,


com as diversas novidades em atividade física, visando uma excelente base na estrutura física,
visual etc. Por isso, os estabelecimentos começam a sentir a necessidade de se enquadrar neste
padrão de busca por academias diária.

No Brasil acompanhando o movimento mundial houve o surgimento e crescimento das


academias de ginástica, surgido nos anos 70 e 80, em torno da prática regular de exercícios
físicos para a melhoria e manutenção de uma vida saudável. Como decorrência desses fatos, a
demanda por esse tipo de serviço cresceu extraordinariamente e as academias começaram a
proliferar por todos os cantos do país (PEDROSO, 2009).

Entretanto, nos Estados Unidos, o número de academias é um número mais crescente,


pois no país há uma porcentagem de Academias de Ginásticas que são filiadas a hospitais, estas
nomeadas de "medical fitness centers" eram menos de 100 nos anos 80 e subiram o seu número
para quase 700 em 2003 (NADEL, 2003).

Stout (1995) debate que muitos hospitais apresentam interesse na promoção da saúde e
bem-estar da comunidade, sendo assim, começaram construir academias como forma de
oferecer os serviços por ela prestados na ajuda da aquisição de um estilo de vida mais saudável
pela comunidade.

Segundo Murer (2007), o desenvolvimento da ginástica aeróbica e da musculação, já


foram as grandes sensações das academias brasileiras. Em meados da década de 80, as bicicletas
ergométricas e as esteiras mecânicas eram as novidades, produtos que as pessoas mais
procuravam nas academiais. Ademais, no começo dos anos 90, houve uma abertura no mercado
externo, influenciando modernização das academias com equipamentos modernos, com novas
aulas e tendências, ou acabariam perdendo clientes. Com isso, as grandes academias dos estados
do Rio de Janeiro e São Paulo, se viram pressionados a procurar uma perspectiva de grandes
negócios, sendo assim, começaram investir pesado em equipamentos e tendências que
buscaram principalmente os E.U.A e Europa.

Portanto, as academias sentem a necessidade de diversificar em seus aparelhos, trazendo


mais tecnologias inovadoras que instigue os seus clientes a permanecerem no estabelecimento,
além disso, através dos novos produtos, novos clientes seriam atraídos para a empresa, tal
resultado influenciado também pelas redes sociais atuais. Pois conforme Alves a facilidade na
11

comunicação faz com que os empresários consigam destacar suas empresas perante o meio
social, portanto, quanto mais atrativa for o serviço na internet, mais procura terá no mercado,
causando o um constante crescimento.

3.2 Sedentarismo como um resultado do processo de automatização

Segundo Pessoa (2014), as pessoas no século atual deixaram de praticar atividades


físicas, deixando até mesmo de praticar esporte populares, como por exemplo o futebol. Com
isso, os profissionais da saúde começaram a se preocupar com a inclinação para o sedentarismo
que as pessoas estavam sujeitas diariamente no cotidiano. O autor aponta que os equipamentos
eletrônicos como: computador, DVD, vídeo game e principalmente a internet, tem persuadido
as pessoas a se manterem inativas diante das atividades físicas, ficando assim, reféns do meio
tecnológico.

Conforme Azevedo (2000, apud Pessoa, 2014), as pessoas estão passando a vida
sentadas em frente de computadores ou deitadas em frente da televisão com vários controles
remotos que facilite mais e mais a vida. Além disso, a necessidade pelas comidas processadas
será um dos fatores de maior preocupação, pois a falta de exercício faz com que esses alimentos
se acumulem no corpo. Logo, Bielemann (2015) ressalta que os alimentos industrializados
contribuem para uma determinada porcentagem das calorias presentes no corpo humano.
Louzada (2015) coloca que esses alimentos possuem maior teor de açúcar livre e menor teor de
fibra, portanto, essas substâncias apesar de serem naturais no momento em que são extraídas,
se tornaram diferentes após passarem por diversos processos, isso ocorre para ficar mais atrativo
ao olhos do mercado consumidor, transformando-os em comidas sem riqueza nutricional.

Alves e Lopes (2015) acreditam que a proliferação de Tablets e Smartphones, causou


uma dependência no indivíduo de sempre se manter “conectados” nas redes sociais, as
novidades constantes no lançamento de app´s, faz com que a vida seja facilitada e entretida.
Diante disto, Barros Neto (1997, apud Maciel, 2017) colocam que essa facilitação fez o ser
humano adotar uma redução de prática de exercícios físicos no cotidiano, se mantendo
improdutivo, exercendo sempre o menor esforço e reduzindo o consumo de energia. Ademais
disso, o sedentarismo foi apontado como um dos fatores de doenças cardiovasculares como
hipertensão, diabetes, obesidade, doenças respiratórias e problemas cardíacos.

Conforme apresentado acima, podemos compreender que o sedentarismo não era


recorrente nos antepassados, pois a necessidade de novas descobertas e de sobreviver fazia o
12

indivíduo se movimentar constantemente. Mas isso foi alterado a partir do momento que foi
surgindo novas descobertas facilitadoras para a vida, como o controle de energia elétrica,
hidráulica e mecânica, surgido nas metrópoles nos períodos de industrialização.

4 METODOLOGIA
Esta pesquisa utilizou como metodologia a revisão de literatura, realizando uma análise
de bibliografias, artigos e livros. Para obtenção de resultados utilizou a base de dados Google
Acadêmico, Scielo e Portal Regional da BVS. Utilizou as palavras chaves: sedentarismo,
desenvolvimento tecnológico, academias e atividades físicas que chegaram a artigos diversos
em português sobre saúde e bem-estar, entre os anos de 1999 a 2019. O levantamento
bibliográfico seguiu as etapas: identificação do material (busca nas bases bibliográficas),
seleção e definição das publicações a serem analisadas. Os artigos analisados passaram por dois
processos, pré-seleção por leitura dinâmica de resumos, seguida de leitura completa dos artigos
selecionados, sendo posteriormente descrito os resultados encontrados.

5 RESULTADOS

Os resultados serão apresentados através de gráficos, fazendo o presente leitor ter uma
noção visual da análise comparativa das duas vertentes do artigo, procurando evidenciar o
percentual do número de pessoas que estão frequentando as academias e o número de indivíduos
que deixam de praticar qualquer tipo de exercício físico por decorrência da facilitação
tecnológica.

Conforme a revista FitSeven (2014), na maioria dos continentes conseguimos obter


resultado do número de academias implementadas e de inscritos participantes, ao total será
entorno de 131,7 milhões de pessoas que frequentam as academias, sendo 1,8% da população
mundial.
13

6%
6%

6%
30%
6%

7%

7%
24%
8%

EUA BRASIL MÉXICO ALEMANHA COREIA DO SUL


ARGENTINA CANADÁ ITÁLIA GRÃ-BRETANHA ESPANHA

Gráfico 1. Elaborado pelo Autor: Maiores Mercados de Academias no Mundo (Dados de 2014).

Conforme estudos realizados pela Organização Mundial da Saúde (2018), a população


entre 2001 e 2016 não progrediu no sentido das atividades físicas, cerca de 1,4 bilhão de pessoas
no mundo não praticam nenhum exercício físico regularmente, sendo 25% da população
mundial em grupo de alto risco.

Gráfico 2. Elaborado pelo Autor: Países com maiores porcentagens de sedentarismo (Dados de 2018).
14

6 DISCUSSÕES

Pessoa (2014) aponta que uma determinada parte da população não pratica atividades
física, além disso, sempre estão “ligados” na televisão, um adulto passa pelo menos três horas
em frente à Televisão durante cinco dias da semana ou mais.

Segundo Mattoso (2010), o século XXI é o momento em que a tecnologia está


avançando diariamente, com isso, pessoas começam adquirir diversas doenças psicológicas e
físicas. Conforme o autor, somos influenciados involuntariamente para o sedentarismo, pois as
atividades acabam ficando cada dia mais simples de se fazer.

Entretanto, Furtado (2009) acredita que com essa onda desenvolvimento tecnológico
conceitos novos surgiram para instigar o ser humano a começar novas práticas de exercícios,
com a implementação da tecnologia móvel a saúde física foi colocada em foco, alertando assim,
os ricos da falta de exercícios físicos regulares.

No ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) 2018, foi apontada a visão generalizada
que algumas pessoas possuí diante do sedentarismo, tal que, o sedentarismo não é influenciado
apenas pela tecnologia, mas também por fatores socioeconômicos do indivíduo, aonde o tempo
se torna um motivo relevante para se dispor das atividades físicas, portanto, se a pessoa tem
uma carga horária de trabalho longa, logo o indivíduo procurará mecanismo que facilite o
cotidiano.
15

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esta pesquisa analisou aspectos relacionados ao sedentarismo e as atividades físicas,


após os impactos tecnológicos no mundo, através destas duas vertentes conclui-se que o
sedentarismo se tornou mais crescente conforme o passar dos anos, fazendo com que as práticas
de atividades físicas fossem facilitadas por diversas novas tecnologia. Além disso, percebemos
também que a tecnologia tem encaminhado cada vez mais para a automatização.

Portanto, os indivíduos deixarão de praticar tarefas básicas se tornando mais sedentários,


para que o sedentarismo não se torne um fator para transformações de doenças futuras o
indivíduo deve procurar locais que ofereça suporte tecnológico para uma pratica de exercícios
saudável e segura, tal como as academias, local que apresenta para seus alunos diversos recursos
e que procuram inovar para assim a pessoa permanecer frequentando o espaço, gerando um
bom retorno para os investidores.

A pesquisa correspondeu os objetivos de comparações visados desde o ponto inicial do


artigo, trazendo satisfação teórica, apresentando assim noção do contexto atual, além disso,
procurou-se mantém uma linguagem clara que ofereça maior compreensão para o leitor.
16

8 REFERÊNCIAS

ACAD BRASIL. Disponível em: <https://www.acadbrasil.com.br/mercado.html/>

ALVES, André Garcia. O impacto das Tecnologias Móveis na Sociedade. Seminário


Empresarial e Jornada de TI. 2015.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Livro, p.259. 1999.

BENTO, Alexandre Rodizio. Importância da Tecnologia no Acompanhamento das Atividades


dos Alunos de Academia. Congresso via Internet (online). 2013.

CIM, Thyago Corrêa Viana. Rotatividade e aderência de alunos em academias. Monografia


da UFPR. 2007.

COLUNAS TORTAS. Disponível em: <https://colunastortas.com.br/modernidade-liquida/>.


2013.

CORREIO BRAZILIENSE. Disponível em:


<https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-
saude/2018/09/05/interna_ciencia_saude,704041/sedentarismo-avanca-no-planeta-25-da-
populacao-no-grupo-de-risco.shtml>. 2018.

EFDEPORTES. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd76/acad.htm>. 2004.

FITSEVEN. Disponível em: <https://fitseven.com.br/vida/motivacao/mercado-mundial-do-


fitnessr>. 2014.

FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o trabalho científico: Elaboração e


Formatação. Explicação das Normas da ABNT. – 14.ed – Porto Alegre: s.n.2008.

FURTADO, Roberto Pereira. Do Fitness ao Wellnes: Os três estágios de desenvolvimento das


academias de ginástica. Mestrado em Educação pela UFG, 2009.

GOMES, Helton Simões. G1. Disponível em:


<https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/brasil-tem-116-milhoes-de-pessoas-
conectadas-a-internet-diz-ibge.ghtml>. 2019.

IBGE. Práticas de esporte e atividade física : 2015, Coordenação de Trabalho e Rendimento. -


Rio de Janeiro: IBGE, 80p. 2017.

INEP. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/>.2018

HALLAL, Pedro Curi. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil:


revisão sistemática. Rev. Saúde Pública v.41 n.3 São Paulo jun. 2007.

KOHN. K; MORAES. C. H. O impacto das novas tecnologias na sociedade: conceitos e


características da sociedade da informação e da Sociedade Digital. Congresso Brasileiro de
Ciências da Comunicação. 2007.
17

MURER, Evandro. Academias de Ginástica e Musculação. Pesquisa de Mestrado. 2007.

LOUZADA, Maria Laura da Costa. Alimentos ultraprocessados e Perfil nutricional da dieta


no Brasil. Programa de Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública. 2015.

MACIEL, Marise Viana. Plano de Ação para a Redução do Sedentarismo entre os


Funcionários da Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte. Trabalho de
Conclusão de Curso UFMG. 2017.

MARTINS, Gislaine Alves. Ginástica de Academia: Um Percurso Histórico. Seminário de


Pesquisa e TCC da FUG. 2013.
PESSOA, Gerson Mendes. A tecnologia como causa do sedentarismo e a relação da biologia:
Reflexão docente. Monografia na FAMEP. 2014.

MATOS, Juliana Alves Viana. Modo de Vida e a Prática de Atividade Física em Academia a
Céu Aberto. Pós-Graduação em Enfermagem da UFMG. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Disponível em:


<https://www.who.int/eportuguese/onlinelibraries/pt/>.

PEDRO, Aline Barbosa dos Anjos. A influência Motivacional da Música em Praticantes de


Ginástica Localizada em Juiz de Fora. TCC em Educação Física. 2009.

SEBRAE. Relatório de Inteligência. Inteligência Setorial. 2017.

SILVA, Ana Flávia Andalécio. Sedentarismo: Proposta de um programa de intervenção para


profissionais da educação do município de varjão de Minas. TCC Especialização em
Atenção Básica em Saúde da Família. 2009.

UFSM. Primeira e Segunda Revolução Industrial. 2009.

VILARTA. R; GUTIERREZ. G. L; CARVALHO. T. H. P. F; GONÇALVES. A. Qualidade


de vida e novas tecnologias. CAMPINAS: IPES EDITORIAL, 2007. 222 PÁGINAS.