Você está na página 1de 6

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA

7º Lista de Exercícios.

Aluno: _______________________________________________________________

Referencia Bibliográfica: Jr., C., D., W., RETHWISCH, G., D. Ciência e Engenharia de Materiais -
Uma Introdução, 9ª edição. [Minha Biblioteca]. Retirado de:

https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788521632375/

Av. Dr. Raimundo Monteiro Rezende, 330 - Centro, Gov. Valadares - MG, 35010-173
1) Definir o que significa um aço carbono comum e citar três aplicações típicas.

O aço é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono, com percentagens
deste último variando entre 0,008 e 2,11%, aplicado em rodas e equipamentos ferroviários,
engrenagens, virabrequins e outras peças de máquinas.

2) Reconhecer a designação de quatro dígitos da AISI/SAE para os aços carbono comuns e os aços
de baixa liga e, a partir dela, determinar o teor de carbono.
São designados por quatro algarismos: os dois primeiros são o número 10 e indicam que se
trata de aço-carbono; para aços-liga os dois primeiros indicam os principais elementos de
liga ou grupos de elementos de liga no aço. Os dois últimos indicam a quantidade de
carbono do aço, em porcentagem.

3) Citar três outros tipos de aços e para cada um deles citar as diferenças na composição, suas
propriedades particulares e aplicações típicas.
Baixo carbono possui no máximo 0,30% do elemento As chapas de aço com baixo carbono
são utilizadas na indústria automobilística, perfis estruturais, produção de tubos,
construção civil, pontes e latas de folhas de flandres (material laminado estanhado) Médio
carbono possui de 0,30% a 0,60% do elemento é aplicado em rodas e equipamentos
ferroviários, engrenagens, virabrequins e outras peças de máquinas. Alto carbono – possui
de 0,60% a 1,00% do elemento. São aplicados em talhadeiras, folhas de serrote, martelos,
facas e outros.

4) Especificar as três classes de aços inoxidáveis.


Martensítico, ferrítico ou austenítico

5) Citar duas diferenças entre os ferros fundidos e os aços.

Os ferros fundidos têm mais de 2,11% pC

6) Citar os cinco tipos principais de ferro fundido e para cada tipo (a) desenhar e identificar um
diagrama esquemático de sua microestrutura e (b) observar suas características mecânicas gerais.

Ferro Fundido Cinzento: elevada usinabilidade, devida à presença de grafita livre em


sua microestrutura; Alta fluidez na fundição
Ferro Fundido Branco: Este tipo de ferro fundido não possui grafita livre em sua microestrutura.
Neste caso o carbono encontra-se combinado com o ferro, resultando em elevada dureza e elevada
resistência a abrasão. Praticamente não pode ser usinado.
Ferro Fundido Nodular: Ductilidade superior, maior resistência à tração e resistência ao
escoamento, boa usinabilidade
Ferro Fundido Maleável: : alta resistência mecânica, baixa ductilidade e resiliência, boa
resistência à compressão, fluidez no estado liquido
Ferro Fundido Austemperado: alta tenacidade e resistência mecânica à tração duas vezes superior
ao nodular, e ductilidade igual aos nodulares, fácil usinabilidade.

7) Citar as características que distinguem as ligas forjadas e as ligas fundidas.

A liga é aquecida e prensada nas cavidades de uma matriz, estando ainda sólida, sob a ação de
martelos e prensas de forjamento. Assim sendo, o fluxo do material é controlado e não ocorrem
descontinuidades das fibras internas, por isso a liga forjada é dúctil e tenaz

Av. Dr. Raimundo Monteiro Rezende, 330 - Centro, Gov. Valadares - MG, 35010-173
A liga é aquecida até tornar-se líquida, sendo então vazada no interior de um molde para
solidificar. Desta forma, poderá apresentar uma série de descontinuidades internas (vazios), tais
como bolhas de ar não expelidas dos moldes, por isso a liga forjada é frágil

8) Citar sete tipos diferentes de ligas não ferrosas e, para cada, citar as características físicas e
mecânicas que as distinguem. Além disso, listar pelo menos três aplicações típicas.

Latão Mais forte, mais duro e mais resistente que o cobre puro Excelente acabamento
Altamente resistente à corrosão. Ornamentação, jóias, instrumentos musicais de sopro, terminais
elétricos
Bronze Resistências estrutural Não corrosão atmosférica Facilidade de fundição Ótimo de
acabamento (excelente polimento e uso de diversas cores). Armas, ferramentas, maquinaria,
moedas.
Ligas de cobre-berílio podem ser fundidas, deformadas a quente ou deformadas a frio.

As ligas de cobre-berílio possuem uma excelente combinação de propriedades:


limites de resistência à tração tão altos quanto 1400 MPa, excelentes propriedades elétricas de
resistência à corrosão, resistência à abrasão quando lubrificadas da maneira apropriada.
Aplicações: trem de pouso de aeronaves a jato, molas e instrumentos cirúrgicos e dentários.

Cuproníquel
. Estas ligas exibem elevada resistência à corrosão, à fadiga e à erosão. contêm, no máximo, 30%
de níquel
São utilizados em condensadores, destiladores, evaporadores e em permutadores de calor para
navios e centrais térmicas.
Alumínio Aplicações de ligas de alumínio: peças estruturais de aeronaves, latas de bebidas,
carcaças de ônibus e peças automotivas (blocos do motor, pistões e tubos de distribuição). Possui
uma estrutura cristalina. São relativamente moles, dúcteis e facilmente submetidos à deformação
plástica a frio.
Magnésio Na temperatura ambiente, o magnésio e as suas ligas são difíceis de serem
deformados; de fato, apenas uma pequena intensidade de deformação plástica a frio pode ser
imposta sem um recozimento. Consequentemente, a maior parte da fabricação se dá por
fundição ou por deformação a quente a temperaturas entre 200 e 350°C. O pó de magnésio
finamente dividido entra em ignição facilmente quando aquecido ao ar; consequentemente, deve-
se tomar muito cuidado ao se manusear esse material nesse estado. O magnésio, tal como o
alumínio, possui uma temperatura de fusão relativamente baixa (651°C). As ligas de magnésio
são relativamente quimicamente instáveis e especialmente suscetíveis à corrosão em ambientes
marinhos. Em atmosfera normal, sua resistência à corrosão é razoavelmente boa. indústrias de
aeronaves e mísseis, dispositivos portáteis de mão (por exemplo, motosserras, ferramentas
mecânicas, tesouras), em automóveis (por exemplo, volantes e colunas, estruturas de assentos,
caixas de transmissão), e em equipamentos de áudio-vídeo-computação-comunicação (por
exemplo, computadores portáteis, câmaras de vídeo, aparelhos de televisão, telefones celulares).

Titânio

Av. Dr. Raimundo Monteiro Rezende, 330 - Centro, Gov. Valadares - MG, 35010-173
O metal puro tem densidade relativamente baixa (4,5 g/cm3), elevado ponto de fusão 1668°C, e
um alto módulo de elasticidade de 107 GPa. Elevada biocompatibilidadeAs ligas de titânio são
extremamente resistentes com limites de resistência à tração à temperatura ambiente até 1400
MPa, dúcteis e facilmente forjadas e usinadas. Alta reatividade química com outros materiais a
temperaturas elevadas, o que encarece sua fabricação. A resistência à corrosão das ligas de
titânio nas temperaturas normais é incomumente alta; elas são virtualmente imunes ao ar, a
ambientes marinhos e a uma variedade de ambientes industriais. Aeronáutica e aeroespacial
Motores a jato (estrut. e compon.) Pás e discos de turbinas Carros de competição

9) (a) Citar e descrever quatro operações de conformação que são usadas para dar forma às ligas
metálicas.

Forjamento: conformação por esforços compressivos tendendo a fazer o material assumir o


contorno da ferramenta conformadora, chamada matriz ou estampo.

Laminação: conjunto de processos em que se faz o material passar através da abertura entre
cilindros que giram, modificando-lhe (em geral reduzindo) a seção transversal; os produtos
podem ser placas, chapas, barras de diferentes seções, trilhos, perfis diversos, anéis e tubos.

Trefilação: redução da seção transversal de uma barra, fio ou tubo, “puxando-se” a peça
através de uma ferramenta (fieira ou trefila) com forma de canal convergente.

Extrusão: processo em que a peça é “empurrada” contra a matriz conformadora, com


redução da sua seção transversal. A parte ainda não extrudada fica contida num recipiente
ou cilindro (container); o produto pode ser uma barra, perfil ou tubo.

(b) Citar as características mecânicas gerais dos materiais sujeitos a essas operações de
conformação.
Itens forjadps têm estruturas de grãos excepcionais e a melhor combinação de
propriedades mecânicas

10) Enunciar os objetivos e descrever os procedimentos para os seguintes tratamentos térmicos:


recozimento intermediário, recozimento para o alívio de tensões, normalização, recozimento
pleno e recozimento subcrítico.

Recozimento Intermediário: é aplicado em metais que foram submetidos à deformação plástica a


frio, ou seja, em metais que apresentam encruamento.Geralmente é utilizado em procedimentos
de fabricação que exigem extensa deformação plástica em etapas sucessivas, tal como ocorre na
trefilação ou no forjamento;As temperaturas de manutenção utilizadas estão acima da
temperatura de recristalização do metal;
Alívio de Tensão: é aplicado em peças para reduzir os efeitos das tensões residuais em peças, que
se originam a partir de:1)deformações plásticas geradas na usinagem ou lixamento;2)resfriamento
não uniforme em peças soldadas ou fundidas;3)diferença nas densidades de fases transformadas
durante tratamentos térmicos.

Av. Dr. Raimundo Monteiro Rezende, 330 - Centro, Gov. Valadares - MG, 35010-173
Recozimento Pleno:É aplicado geralmente em aços-baixo e médio carbono que serão submetidos
à usinagem ou a uma extensa deformação plástica na conformação.AUSTENITIZAÇÃO: 15 a 40
oC acima das linhas A3 ou A1 / tempo suficiente para a transformação / Resfriamento lento (no
próprio forno desligado)
Recozimento subcrítico (esferoidização): A usinabilidade e a conformabilidade de aços com médio
e alto teor de carbono, que possuem perlita grossa, podem ser melhoradas através do T. T. de
esferoidização.A microestrutura resultante é a cementita globulizadaAquecimento até
temperatura imediatamente inferior à eutetóide (A1) ± 700 oC na região α + Fe3CAços perlíticos
 t = 15 a 25 h, coalescência da cementita lamelar para formar a cementita globulizada

Normalização:Aços deformados plasticamente por laminaçãoAços fundidosapresentam


microestrutura heterogênea de grãos de perlita ou ferrita/perlita(grãos irregulares e grandes)A
normalização é um T. T. de recozimento utilizado para refinar os grãos e produzir uma
distribuição de tamanhos de grão mais uniforme ( ↑ tenacidade)AUSTENITIZAÇÃO: 55 a 85 oC
acima das linhas A3 e Acm / tempo suficiente para a transformação/Resfriamento ao AR.

11) Definir temperabilidade.


É definida como a propriedade que determina a profundidade e a distribuição da dureza
obtida por têmpera.

12) Descrever o ensaio Jominy da extremidade temperada.

A amostra depois de austenitizada é colocada em um dispositivo de fixação e faz-se incidir


rapidamente um jato de água em uma das extremidades da amostra. Depois de resfriar, se faz a
usinagem das duas superfícies lisas em lados opostos do corpo de prova e se efetuam medições de
dureza Rockwell C ao longo dessas duas superfícies, até 6,3cm desde a extremidade temperada.

13) Traçar um esboço esquemático de uma curva de temperabilidade típica (identificar os eixos
vertical e horizontal) e, então, explicar sucintamente a forma da curva.
14) (a) No mesmo gráfico, esboçar esquematicamente as curvas de temperabilidade para duas ligas
diferentes, uma das quais é mais temperável que a outra.
15) Explicar a diferença na forma dessas duas curvas.

16) Para a têmpera de uma amostra de aço, explicar sucintamente por que o tipo do meio de têmpera
e o grau de agitação do meio influenciam a taxa de resfriamento da amostra.
O meio de têmpera resfria a taxas diferentes dependendo das propriedades térmicas do
líquido, o grau de agitação homogeneíza a temperatura do meio, podendo acelerar ou frear
a taxa de resfriamento.

17) Gerar um perfil de dureza para uma amostra de aço cilíndrica que tenha sido austenitizada e em
seguida temperada, sendo dada a curva de temperabilidade para a liga específica, assim como as
informações a respeito da taxa de têmpera em função do diâmetro da barra em várias posições
radiais para o meio de têmpera usado.

18) Explicar sucintamente por que os aços inoxidáveis ferríticos e austeníticos não podem ser
tratados termicamente.
Ferríticos e aços inoxidáveis austeníticos não são tratáveis termicamente uma vez "tratável
termicamente" é tomado para significar que martensita podem ser feitas para formar com
relativa facilidade sobre têmpera austenita a partir de uma temperatura elevada. Para os
aços inoxidáveis ferríticos, austenita não se formam pós aquecimento, e, portanto, a
transformação austenita – a - martensita não é possível. Para os aços inoxidáveis

Av. Dr. Raimundo Monteiro Rezende, 330 - Centro, Gov. Valadares - MG, 35010-173
austeníticos, o campo de fase austenita estende – se a temperaturas tão baixas que a
transformação martensítica não ocorre

19) Citar os três fatores que influenciam o grau segundo o qual a martensita é formada ao longo da
seção transversal de uma amostra de aço. Para cada um deles, dizer como a extensão da formação
da martensita pode ser aumentada.
A adição de elementos de liga aumenta a formação de martensita
Área de superfície grande permite uma homogeinidade maior no resfriamento, fazendo
com que a formação da martensita seja maior
A adaptação do meio de resfriamento ajuda para que a profundidade da tempera seja
maior

Av. Dr. Raimundo Monteiro Rezende, 330 - Centro, Gov. Valadares - MG, 35010-173