Você está na página 1de 12

Fissurações Recorrentes em Estruturas Autoportantes

RecurrentCracking in Self-SupportingStructures

Clara Luiza Soares da Silva¹


Jennifer Moreira Mendes²
Átila Giugni de Souza³

RESUMO:

Devido ao grande crescimento do mercado da construção civil nos últimos anos, o sistema
construtivo de estruturas autoportantes, também conhecido como alvenaria estrutural, vêm se
desenvolvendo com elevada aceitação pelas empresas construtoras e demais setores da construção.
Este trabalho visa estudar o comportamento da estrutura autoportante, e os mecanismos que levam
ao surgimento de diversos tipos de fissuras na mesma, permitindo assim diagnosticá-las, e adotar
medidas preventivas baseadas em conhecimentos científicos.

Palavra-chave: Estruturas Autoportantes, Fissuras, Construção Civil.

ABSTRACT:Due to the great growth of the construction market in recent years, the construction
system of self-supporting structures, also known as structural masonry, has been developing with high
acceptance by construction companies and other construction sectors. This work aims to study the
behavior of the self-supporting structure and the mechanisms that lead to the appearance of several
types of fissures in the same, allowing to diagnose them, and adopt preventive measures based on
scientific knowledge.

Keywords: Self –Supporting Structures, Cracks, Construction waste.

______________________
1
Estudante do curso de Engenharia Civil. Faculdade Kennedy de Engenharia.
claraluiza.s@hotmail.com
2
Estudante do curso de. Faculdade Kennedy de Engenharia. jennifermmbh@gmail.com
3
ProfessorOrientador. Mestre em Engenharia Civil. atila.souza@copasa.com.br

1
1.INTRODUÇÃO
A execução de obras em alvenaria estrutural adota um sistema em que
as paredes da edificação desempenham a função de estrutura, absorvendo os
esforços transmitidos pela estrutura e direcionando-os a fundação, dispensando o
uso de pilares e vigas. O uso dessa técnica proporciona vários benefícios para o
desenvolvimento de projetos em alvenaria estrutural, tais como: durabilidade,
estética agradável, ótimo desempenho térmico e acústico, dentre outros.
Durante a execução de obras utilizando-se deste sistema construtivo,
algumas etapas são eliminadas em comparação a obras de concreto armado. Por
exemplo, a eliminação de vigas e pilares, diminuição de fôrmas e armaduras.
Reduzindo algumas etapas do cronograma construtivo, proporcionando um canteiro
de obra mais limpo, reduzindo o uso de madeiras e aço, além da mão de obra de
carpinteiros e armadores, diminuindo o tempo de construção, sendo estas estruturas
tão eficientes quanto às estruturas de concreto armado, em que desempenham as
mesmas funções estruturais tornando-se um método eficiente.
Entretanto o projeto de pesquisa objetiva apresentar algumas situações
recorrentes durante a execução de obras, pelo sistema construtivo de estruturas
autoportantes, nas quais as aplicações normativas brasileiras para o sistema
construtivo em estruturas autoportantes são aplicadas equivocadamente ou em
determinados casos não se aplicam. Isso implica no surgimento de fissuras nas
edificações construídas por esse sistema, o que compromete a vida útil das
edificações.
O projeto de pesquisa visa apresentar os diversos tipos de fissuras
recorrentes em estruturas autoportantes, demonstrando as formas e os processos
de formação das mesmas. Com essas observações pretendemos investigar quais
são as principais fissuras recorrentes em estruturas autoportantes visando detalhar
as causas, prevenções e soluções.
O projeto de pesquisa tem como relevância transcrever o crescimento
demasiado de edificações que se utilizam do sistema construtivo em alvenaria
estrutural no Brasil e, em consequência disso, demonstrar a ineficiência na aplicação
das técnicas pertinentes ao método nessas edificações, ocasionando fissuras
durante a vida útil das edificações.

2
Para isso serão apresentadas e caracterizadas as principais fissuras
recorrentes em estruturas autoportantes: fissurações devido à compressão,
fissurações devido à interação entre bloco e argamassa, fissuração devido à
diferença de resistência a compressão do bloco e argamassa, fissuração devido ao
recalque diferencial da estrutura como um todo.
O objetivo futuro é apresentar as variações destas manifestações
patológicas durante a vida útil das edificações, conforme diferentes bibliografias.
Apresentando o embasamento teórico obtido, é possível conhecer como as
estruturas em alvenaria estrutural trabalham, podendo assim determinar
mecanismos que venham a diminuir as fissuras e suas consequências futuras para
as estruturas em alvenaria estrutural. Dessa forma, pretende levantar métodos que
possibilitem o controle e tratamento dessas manifestações patológicas e práticas
com o intuito que as patologias não mais ocorram.

2. REFERENCIAL TÉORICO
2.1 - Conceitos e definições de Estruturas Autoportantes

Estruturas autoportantes podem ser definidas como o conjunto formado


por blocos de concreto ou cerâmica, argamassa, graute e prisma, formando em uma
estrutura coesa, com o objetivo de resistir os esforços horizontais e verticais de uma
edificação, promovendo segurança global da estrutura e conforto aos usuários da
mesma (TAUIL e MARTINS NESSE, 2010).

Figura 1 – Condomínio Spazio Luxor (Belo Horizonte), construído pela


MRV, através do método construtivo em estruturas autoportantes.

3
As edificações em estruturas autoportantes necessitam de um projeto
estrutural que integrem todos os projetos específicos, de maneira que nenhum
projeto interfira sobre os demais durante a execução da edificação,
possibilitandouma plena utilização ao passar do tempo.
As estruturas autoportantes além de resistir às cargas advindas do peso
próprio e do carregamento da estrutura (sobre carga de projeto e/ou cargas de
ocupação), a alvenaria estrutural muitas vezes são submetidas a esforços laterais,
provenientes pela ação do vento ou comumente pelo desaprumo das paredes
(ROMAN, 2007).
Este sistema construtivo se apoia em três pilares básicos: “A qualidade
dos blocos cerâmicos ou blocos de cimento, a qualidade da mão de obra e a
qualidade da argamassa”(SÁNCHEZ, 2011, p.37).

Figura 2 – Componentes da estrutura autoportante (SANCHEZ,


2011,P.37)

2.2 - Definições e causas de Fissuras em Estruturas Autoportantes

Patologia, de acordo com os dicionários, é a parte da medicina que estuda as


doenças. As edificações também podem apresentar defeitos comparáveis a
doenças: rachaduras, manchas, deslocamentos, deformações, rupturas e também
os variados tipos de fissurações conforme relatado ao longo do nosso projeto de

4
pesquisa. Por isso convencionou-se chamar de patologia das edificações ao estudo
sistemático desses defeitos (VERÇOZA, 1991,p.7).
A fissuração é uma das principais causas das patologias, uma vez que as
fissuras são tensões atuantes nas seções da alvenaria, provocadas por ações
externas ou internas. Segundo Sampaio (2010, p.23): “as fissuras podem ser
causadas por diversos fatores, tais como: baixo desempenho às solicitações de
tração, flexão e cisalhamento apresentado pelos compostos da estrutura
autoportante”. Além disso, Thomaz (1988) ressalta que o fator influente na
fissuração é a utilização de materiais com propriedades diferentes (resistência
mecânica, módulo de deformação longitudinal, módulo de elasticidade e coeficiente
de Poisson) utilizados em conjunto.
Segundo Massetto e Sabbatini (1998, p.79), discorrendo sobre as
principais patologias que incidem nas edificações, define fissura como: “o resultado
de solicitações maiores do que aquelas que o edifício ou parte dele pode suportar”.
De acordo com a NBR 9575 (2010), as fissuras podem ser classificadas de acordo
com a sua abertura. As microfissuras possuem abertura inferior a 0,05 mm, as
aberturas com até 0,5 mm são chamadas de fissuras e, as maiores de 0,5 mm e
menores de 1,0 mm são chamadas de trincas.
Para determinar a forma de apresentação das fissuras, vários fatores
devem ser levados em consideração, sendo a estrutura autoportante composta por
elementos polímeros e granulares, tem por característica física a baixa resistência a
esforços de tração. Por este motivo, a ruptura conjunta desses elementos de
alvenaria estrutural costuma ser produzida pelas superfícies normais ao conjunto de
esforços atuantes de tração, conforme é justificado na teoria e conceitos da
elasticidade (MANÃ, 1978). Portanto as paredes de alvenaria estrutural possuem um
comportamento ortotrópico, devido à execução artesanal e a qualidade de sua mão-
de-obra (DUARTE, 1990).
Vale ressaltar que as fissuras aparecerem de diversas formas, a
geometria das mesmas é uma das formas de identificar os problemas que estão
ocorrendo na estrutura autoportante. Assim, podem se apresentar na forma
horizontal, vertical, diagonal ou ainda uma combinação dessas, atravessando
unidades e juntas, ou contornando as juntas de forma escalonada. Comumente,
quando a resistência à tração dos blocos for inferior à resistência da argamassa, a

5
fissura ocorrerá em linha reta, caso contrário ocorrerá de forma escalonada. Essa
configuração pode ainda sofrer influência de outros fatores como a rigidez relativa
das juntas com relação às unidades, restrições da parede, existência de aberturas
ou outros pontos frágeis, entre outros fatores (SAMPAIO, 2010).

2.3 - Descrição das Patologias devido a fissuras

São descritas a seguir os tipos de patologias fissura, mais comuns em


estruturas autoportantes:
A. Fissuras causadas por sobrecargas: As fissuras causadas por sobrecargas
são originadas por excessos de cargas verticais de compressão nas paredes
de alvenaria, sua configuração é predominantemente vertical (DUARTE,
1998).
B. Fissuras causadas por variação de temperatura: Todas as edificações
expostas a variações de temperatura, bem como estão sujeitas à
movimentação de dilatação e contração, quando associadas às
diversasrestrições existentes a sua movimentação, resultam em tensões que
irão provocar fissuras (DUARTE, 1998 e THOMAZ, 1989).
C. Fissuras causadas por retração e expansão: São chamadas fissuras
causadas por retração as manifestações originadas pela movimentação de
elementos construtivos ou de seus constituintes por retração de produtos à
base de cimento. As fissuras causadas por expansão são originadas por
movimentações higroscópicas de expansão dos elementos construtivos, por
absorção de umidades (VIDES, 2003).
D. Fissuras causadas por recalques de fundação: As fissuras em paredes
causadas por recalque de fundação ocorrem quando existem movimentações
diferenciais nas fundações que excedem a capacidade resistente das paredes
de alvenaria. Estas movimentações podem ser originadas por falha das
estruturas de fundação ou por recalque do terreno (ORTIZ, 1981).
E. Fissuras causadas por reações químicas: As fissuras causadas por
reações químicas são horizontais e ocorrem pela expansão da junta de
argamassa provocada pela retração química indesejável de seus materiais
constituintes (THOMAZ, 1989).

6
F. Fissuras por retração de cimento: Com o uso excessivo de água no
cimento, ocorre uma retração provocando a diminuição do volume do
concreto. Como as peças estruturais são impedidas de movimentarem entre
si, acaba ocorrendo às tensões de tração no concreto, se essas tensões
forem maiores que a resistência à tração do concreto acaba surgindo fissuras.
As fissuras causadas por retração ocorrem devido a movimentações de
elementos construtivos ou de seus constituintes por retração de produtos à
base de cimento (MAGALHÃES, 2004).
G. Fissuras horizontais causadas por expansão da argamassa: As fissuras
horizontais causadas por expansão de argamassa são fissuras causadas na
estrutura autoportante por reações químicas, conforme explicado no item E. A
expansão da junta de argamassa pode ser provocada por reações
químicasentre os constituintes da própria argamassa, ou entre os compostos
do cimento e componentes da estrutura autoportante (CINCOTTO, 1988).
H. Fissuras causadas por detalhes construtivos: As fissuras causadas por
detalhes construtivos ocorrem pela má execução dos detalhes, ou seja,
quando não se levam em conta detalhes do projeto, as propriedades físicas
dos materiais, a forma correta da execução da estrutura autoportante, dentre
outros.
I. Fissuras de deficiência de amarração:Paredes de estruturas autoportantes
com ausência ou deficiência de amarração podem gerar fissuras. Essas
fissuras em questão manifestam associadas a outros fenômenos, como
retração ou recalques, variações térmicas, por exemplo. Quando a solicitação
causada por essa movimentação encontra-se o plano de fraqueza da
deficiência da amarração, gerando fissuras (BRICK INDUSTRY
ASSOCIATION, 1991).

2.4 - Determinação dos procedimentos para eliminação das patologias

Para a recuperação de patologias recorrentes em estruturas


autoportantes, geralmente haverá a necessidade da execução de vários
procedimentos, como a remoção de materiais desgastados, proteção contra agentes
corrosivos, e principalmente reforço estrutural. A escolha do método que será

7
utilizado para a reparação das patologias, será dada pelo diagnóstico e as condições
técnicas da edificação, além dos recursos econômicos e o plano executor dos
procedimentos (ARAÚJO, 2010; SILVA, 2002).
Dessa forma, as técnicas a serem empregadas dependerão,
pontualmente, do tipo de patologia a ser tratada, como no caso de fissuras oriundas
de problemas estruturais. A alvenaria estrutural pode ser reforçada utilizando a
técnica de argamassas armadas, que consiste na introdução de armaduras
chumbadas com argamassa potencializada com cimento e as armações
posicionadas perpendicularmente as fissuras (OLIVEIRA, 2001).
Ressaltamos que na estrutura autoportante as fissuras nas paredes são
as mais visíveis, sendo as recuperações das mesmas as mais realizadas nas obras.
Sendo assim, alguns procedimentos de reparos:
 Argamassa armada:
É realizada através da aplicação de argamassa forte junto a uma tela de aço na
superfície da estrutura autoportante. Porém, o resultado de sua utilização faz com
que haja aumento da resistência à compressão e as cargas transversais, além de
interferir também reduzindo o índice de esbeltes.
 Rebocos armados:
Baseia-se em colocar uma armadura de esforço inserida a parede com argamassa
convencional para revestimento. A aplicação desse tipo de procedimento geralmente
é indicada em casos onde as paredes em questão estejam bem degradadas.
 Substituição de elementos degradados:
Baseia-se na reconstrução e no desmonte de alguns dos elementos constituintes da
estrutura autoportante.
 Fechamento das juntas:
Baseia-se na remoção parcial da argamassa degradada, inserindo-se em seguida
outra com propriedades mecânicas melhores caso as exigidas por norma, além de
maior durabilidade.
 Protensão:
Baseia-se em inserir barras de aço nos furos dos blocos da estrutura autoportante
em questão, grauteadas somente na base para que quando solicitadas evitar
deformarem.

8
 Adição de vigas e colunas de aço:
Baseia-se na adição de vigas e pilares (elementos estruturais), com a finalidade de
aumentar a rigidez e também a resistência das paredes da estrutura autoportante.

Portanto o projeto de pesquisa apresentou o conhecimento aprofundado


de vários tipos de fissuras, contribuindosignificativamente para redução dessas
patologias e consequentemente redução de custos de reparos e outros, oriundos de
falhas em estruturas autoportantes, além de alguns procedimentos para reparos
dessas patologias.

3. METODOLOGIA

O projeto de pesquisa irá descrever e apresentar o estudo característico


das causas recorrentes de fissuras em estruturas autoportantes. Através de
pesquisas bibliográficas, artigos e Normas Técnicas.
Apresentando citações presentes nos livros escritos por autores como:
Professor Dr. Guilherme ArisParsekian, obra “Edifícios em Alvenaria Estrutural de
Blocos cerâmicos”; Engenheiro Ercio Thomaz, obra “Trinca em Edifícios”;
Engenheiro Roberto Falcão Bauer, artigo “Patologias em Estruturas Autoportantes,
dentre outros.
Iremos obter a orientação de profissionais em engenharia civil que
executam o método, apresentando registros de documentos, e sites que possuem
informações técnicas sobre fissuras em estruturas autoportantes, promovendo em
estudos os levantamentos de pesquisas específicos referente às incidências das
fissuras conforme a utilização contínua a cada dia deste método.

4. INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

Neste projeto de pesquisa, os diferentes tipos de fissuras apresentados foram


obtidos através do referencial teórico com objetivo de determinar suas causas nas
estruturas autoportantes.

9
Após conceituar, e determinar algumas das suas diversas causas,
apresentamos procedimentos de estabilização e eliminação dessas fissuras, no
processo de recuperação das estruturas autoportantes.

5. CONCLUSÕES

O projeto de pesquisa apresentadoteve por finalidade conceituar o método


construtivo em estruturas autoportantes no Brasil, também conhecido com alvenaria
estrutural que é um método construtivo que cada dia mais vem ganhando espaço no
setor da engenharia civil, se comparando que o Brasil é um país muito adaptado ao
método construtivo de concreto armado. Além de conceituar estruturas
autoportantes, o projeto de pesquisa demostrou também como é executado o
método construtivo em questão, além de apresentar suas vantagens em relação ao
método construtivo de concreto armado que desempenham asmesmas funções
estruturais.
As fissuras são uma das principais patologias recorrentes no método
construtivo abordado, as mesmas podem interferir na estética, na durabilidade, e
nas características estruturais da obra, visando isso objetivo maior do projeto de
pesquisa em questão foi em apresentar, conceituar e diagnosticar os principais tipos
de fissuras recorrentes em estruturas autoportantes,evidenciandotambém o
processo de formação das mesmas, além de determinar possíveis procedimentos
para eliminação destas patologias.
Concluímos então que a formação das fissuras nas estruturas autoportantes,
está ligada a situações internas e externas, ou seja, ações internas as fissuras estão
ligadas a retração dos produtos a base de cimento e as alterações químicas dos
materiais de construção. Já se tratando das ações externas, as fissuras são
causadas por movimentações térmicas, sobrecargas, recalques diferencias, etc.
Além do surgimento das mesmas por imprudências ocorridas durante execução da
obra.E que a prevenção dessas fissuras nas estruturas autoportantes, esta
diretamente relacionada com boas manutenções, com um controle eficiente em
relação à qualidade dos serviços e dos materiais, dentre outros.
Concluímos também nesse projeto de pesquisa, quea definição do tipo de
fissura na estrutura autoportante é essencial para a determinação de procedimentos

10
de recuperação da mesma, e que independentemente do procedimento utilizado, a
solução deve ser compatível com a construção, para alterar o mínimo possível das
características da estrutura em questão.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8798: Execução e


Controle de obras em alvenaria estrutural de blocos vazados, 1985.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS NBR10837: Cálculo de


alvenaria estrutural de blocos de concreto. Rio de Janeiro, 1994.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS NBR15961-1: Alvenaria


Estrutural, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS NBR15812-1: Alvenaria


Estrutural – Bloco Cerâmico, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS NBR6120: Cargas para o


Cálculo de estruturas de edificações, 1980.

BAUER, Roberto J. F. Patologias em Alvenaria Estrutural de blocos vazados de


concreto. Prisma, n. 13, p. 6, 2007.

THOMAZ, Ercio. Trincas em edifícios.Escola Politécnica da Universidade deSão


Paulo - Instituto de Pesquisas Tecnológicas – 1989.

COELHO, R.A. Patologias das alvenarias.Apostila do cursoPatologia das


Alvenarias, CREAMG- IMEC, Belo Horizonte 2008.

JUNIOR, O.G.H, Influência de recalques em edifícios de alvenaria estrutural.


Tese de doutorado apresentada a Escola de Engenharia de São Carlos-
Universidade de São Paulo, 2002.

EIDT, André L. Manifestações Patológicas Provenientes de Movimentações em


Alvenaria Estrutural de Blocos: Dispositivos de Prevenção utilizados na
Região Metropolitana de Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do
Sul. Porto Alegre. Monografia de Conclusão de Curso, 2010.

PARSEKIAN, Guilherme Aris. Parâmetros de Projeto de Alvenaria Estrutural com


Blocos de Concreto. São Carlos, 2012.

PARSEKIAN, Guilherme A. et al. Retração em alvenaria de blocos de concreto.


Prisma, v. CT4, n. 18, p. 9, março 2006.

11
RICHTER, Cristiano. Qualidade em Habitações de Baixa Renda: uma análise da
confiabilidade e da conformidade. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Porto Alegre. Dissertação de Mestrado. 2007.

TAUIL, Carlos A.; MARTINS NESE, Flávío J. Alvenaria Estrutural. São Paulo: Pini,
2010.
SAMPAIO, Mariane B. Fissuras em Edifícios Residenciais em Alvenaria
Estrutural. Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo.
São Carlos. p. 122. Dissertação de Mestrado. 2010.

COELHO, R.A. Patologias das alvenarias. Belo Horizonte, 2008 (Apostila do


cursoPatologia das Alvenarias, CREAMG- IMEC).

BAUER, Professor Roberto Jose Falcão. Apresentação UNITAU Patologia em


Alvenaria Estrutural de Blocos Vazados de Concreto. Disponível em:
www2.grupogen.com.br/LTC/erratas/9788521612490.pdf Acesso em: 24 de outubro
de 2016.

CORRÊA, Souza, Éderson. Patologias decorrentes de alvenaria estrutural. 2010.


43f. Trabalho de conclusão de curso (graduação em Engenharia Civil) –
Universidade da Amazônia, Belém, 2010. Disponível em:
http://www.unama.br/novoportal/ensino/graduacao/cursos/engenhariacivil/attachment
s/article/128/PATOLOGIAS-DECORRENTES-ALVENARIA-ESTRUTURAL.pdf
Acesso em: 24 de outubro de 2016.

SILVA J. Mendes. Seminário sobre Paredes de Alvenaria, P.B. Lourenço et al.


(eds.), 2007. 65. Patologia em paredes de alvenaria: causas e soluções.
Disponível em: www.civil.uminho.pt/alvenaria/docs/065_084.pdf Acesso em: 22 de
outubro de 2016.

THOMAZ, Ercio. Trincas em edifícios: causas, prevenção e recuperação. São


Paulo co-edição IPT/EPUSP/PINI 2001.

12