Você está na página 1de 3

O CONSTRUTO DA TUTELA AMBIENTAL

NOS 30 ANOS DA CONSTITUIÇÃO VERDE


Francisco Mauro Rodrigues Pinto1
Ana Carolina Tomicioli Cotrim2

Cidadã! Este o marco da Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada


em 1988, completa 30 anos. Declarada Cidadã pela forma com que direitos e deveres estão
distribuídos e atribuídos, tanto a grupos quanto individualmente, suscitando a ótica de uma
interpretação norteada pelo Constitucionalismo Democrático, como ideologia vencedora do
século XXI. Tal feito justifica comemorar, pois solidifica o maior período de estabilidade
institucional democrática da história do Brasil 3.
Constituição enquanto arcabouço jurídico, contempla elementos determinantes de
formas, limites e objetivos que facilitem, promovam, e permitam o convívio social alinhado à
ordem jurídica vigente, fundamentada nos anseios de um povo. No Brasil, a vertente ambiental,
se avolumou, em razão, principalmente, das pressões sobre os recursos naturais, das
preocupações com o equilíbrio ambiental e com a própria sobrevivência do planeta, fatores que
promoveram o repensar do contexto ambiental. Recepcionado pela atual Carta Verde, o
construto da tutela ao meio ambiente, requer seja pesquisado objetivando pontuar seu caminho
ao longo das Constituições brasileiras, de forma a perquirir sua evolução.
A Carta do Império, 1824, pelo viés da proteção à saúde humana traz, por marco inicial,
lei disciplinando o tema, dito implícito, da saúde ambiental. A Constituição Republicana, 1891,
institui a competência legislativa da União para legislar sobre minas e terras. A partir da
Constituição de 1934, alargam os horizontes da proteção ambiental, ao instituir competência
legislativa para a União em matéria de riquezas do subsolo, mineração, águas, floresta, caça,
pesca e a sua exploração; proteção às belezas naturais, ao patrimônio histórico, artístico e
cultural. Já, as Cartas seguintes, 1946 e 1947, basicamente, mantiveram o texto anterior. Em
1969, Governo Militar, mantidas as mesmas disposições anteriores, surpreende a introdução do
vocábulo ecológico no texto legal.

1
- Cursando do 8º período do Curso de Direito – UNITRI – Campus Uberlândia-MG. E-mail:
fmauropinto@hotmail.com
2
- Profª Orientadora – Mestre em Direito. Especialista em Direito da administração pública, Direito ambiental, Direito
urbanístico e Gestão ambiental. Docente UNITRI – Curso de Direito.
3
Luciano Bernart, presidente da ABDConst.- Academia Brasileira de Direito Constitucional, organizadora
do evento "Homenagem aos 30 anos da Constituição". – Museu Oscar Niemayer – Curitiba – PR, a realizar-
se em 05/10/2018.
Assim, perpassando por diversos regimes, cuja ideologia dominante, influencia o texto
positivado, o construto da tutela ao meio ambiente, alcança, em 1988, a Constituição Verde,
recebendo, dedicação exponencial, trazendo além da garantia a direitos de 1ª, 2ª e 3ª dimensões,
a inclusão do capítulo VI, dedicado ao meio ambiente (art. 225); competência comum aos entes
federados, como legisladores, sobre matérias ambientais; instituição da política agrícola e
fundiária; da política ambiental; ampliação das liberdades civis e dos direitos e garantias
individuais; dentre outros, consagram sua concretude e evolução permitindo eco à novas
tendências e teorias ambientais. Tal recepção gera novo paradigma, de característica
descentralizadora e que necessita de regulamentações para atingimento e eficácia de sua força
de lei, integrando, cada vez mais, o meio ambiente à Lei Maior.

Se, antes, nem citado era e, atualmente tem Direito próprio, perpassa por vários ramos
do Direito, constitui patrimônio público, que por dever do Estado, deve ser protegido e
garantido em razão de seu uso coletivo, para esta e as futuras gerações, resta consolidado o
construto da tutela ao meio ambiente. Mas, estará ela, pronta e acabada, à altura de sua
importância?

Palavras chaves: constituições; tutela ambiental; meio ambiente.

REFERÊNIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANGHER, Anne Joyce (Org.). Vade mecum acadêmico de direito Rideel. 26.ed.
São Paulo: Rideel, 2018. xi, 2056 p. ISBN 978-85-339-5040-5.
SAMPAIO, Rômulo Silveira da Rocha. Direito Ambiental: Doutrina e Casos Práticos.
Rio de Janeiro: Elsevier: FGV, 2011.
Senado Federal. 25 anos da Constituição Cidadã. Disponível em:
<http://www.senado.gov.br/noticias/especiais/constituicao25anos/historia-das-
constituicoes.htm> - Acesso em 18/09/2018
PINTO, Marcos José. Um breve histórico sobre as Constituições Brasileiras.
Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 15 mar. 2012. Disponível em:
<http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.36050&seo=1>.
Acesso em: 19/09/2018.
BRASIL. Constituição (1824). Constituição Política do Império do Brazil 1824.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao24.htm>
Acesso em 17/09/2018
BRASIL. Constituição (1824). Constituição da República dos Estados Unidos do
Brasil 1891. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao91.htm> Acesso em
17/09/2018
BRASIL. Constituição (1934). Constituição da República dos Estados Unidos do
Brasil 1934. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao34.htm> Acesso em
17/09/2018
BRASIL. Constituição (1946). Constituição da República dos Estados Unidos do
Brasil 1946. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao46.htm> Acesso em:
18/09/2018
BRASIL. Emenda Constitucional (1967). Emenda Constitucional nº 1, 1967.
Disponível em:
<https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc_anterior1988/emc01-
69.htm> Acesso em 17/09/2018
BRASIL. Constituição (1967). Constituição da República Federativa do Brasil 1967.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao67
emc69.htm> Acesso em 19/09/2018