Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI

FACULDADE DE MEDICINA
INTERNATO EM SAÚDE COMUNITÁRIA

TERMO DE REFERENCIA PARA O ITINERÁRIO TERAPEUTICO

Prof.a Me. Emille Sampaio Cordeiro

Coordenadora do Rodízio em Saúde Comunitária

O presente Termo de Referência (TR) tem por finalidade explicitar as instruções


para a elaboração do Itinerário Terapêutico (IT) pelos internos que estão no Rodízio de
Saúde Comunitário, como quesito para atribuição de nota ao final do rodízio.
O Rodízio de Saúde Comunitária é previsto no Projeto Pedagógico do Curso de
Medicina da Universidade Federal do Cariri (2001) com a seguinte ementa:
Abordagem do paciente e da comunidade para identificação dos problemas
de saúde. Visão dos problemas do ponto de vista individual e coletivo.
Assistência à saúde da criança, da gestante, do adulto e do idoso no nível
primário de atenção. Conhecimento do SUS. Familiaridade com o sistema de
referência e contrarreferência. Critérios para encaminhar os casos que
extrapolam a resolutividade do serviço. Trabalho em equipe. Visita
domiciliar. Acompanhamento de pacientes em domicilio. Aspectos éticos.
(UFCA, 2001).

Tal ementa é prevista com carga horária total de 936h, distribuídas em 06 meses
de serviços com carga-horária semanal de 36h, tendo como serviços de caráter
obrigatório um (01) mês em urgência e emergência, um (um) mês em CRUTAC e dois
(02) meses em Unidade Básica de Saúde (UBSs) urbana, com um (01) ou dois (02) meses
de eletivas, a depender se o interno conclui ou não o curso por este rodízio.
As competências e habilidades a serem desenvolvidas ao longo dos serviços
previstos no Rodízio são:
• Desenvolver comunicação em saúde, com ênfase na abordagem da Atenção
Primária à Saúde.
• Realizar trabalho em equipe de forma interdisciplinar.
• Estabelecer liderança em processos participativos.
• Ampliar a capacidade de tomar decisões.
• Ampliar a percepção sobre a situação de saúde do paciente a partir da concepção
do processo saúde doença.
• Agir de forma empática com os pacientes e equipe de trabalho;
• Ter posturas éticas diante das situações do cotidiano do trabalho em saúde.
O Rodízio de Saúde Comunitária segue expressamente as características e
normatizações previstas no Projeto Pedagógico do Curso e no Regimento Interno do
Internato e tem o método avaliativo próprio, apresentado a seguir.

Método avaliativo
Os métodos avaliativos para conhecimentos, habilidades e competências são
necessários como forma de identificarmos possíveis lacunas e proporcionar ajustes para
que os objetivos da formação médica sejam alcançados, dessa forma, o método
avaliativo tem caráter formativo e nunca punitivo.
Para o Rodízio de Saúde Comunitária a avaliação será realizada de forma
processual pelo preceptor em cada serviço que o interno esteja vinculado, por mês,
atentando para os quesitos: frequência (assiduidade, pontualidade e permanência no
serviço); trabalho ((Interesse, capacidade de tomar decisões, percepção da situação do
paciente e qualidade de tarefas realizadas) e aprendizado (Teórico, prático e evolução
dos conhecimentos durante o estágio), ficando a cargo de cada preceptor aplicar ou não
outros métodos avaliativos (como seminários, por exemplo).
Para os internos que estiverem em serviços vinculados a outras Instituições de
Ensino Superior ou Hospitais de Ensino e estes serviços tiverem seus próprios critérios
estabelecidos a composição de nota do serviço é prevalente e será considerada válida.
Além das notas atribuídas em cada serviço os internos os internos terão como
método avaliativo do rodízio o Itinerário Terapeutico (IT).
Itinerário Terapeutico (IT) é o percurso que cada pessoa realiza dentro da Rede de
Atenção à Saúde (RAS) para conseguir o cuidado às suas demandas de saúde, conforme
nos apresenta Paulo César Alves (2015):
Trata-se de um termo utilizado para designar as atividades desenvolvidas
pelos indivíduos na busca de tratamento para a doença ou aflição. Ao longo
da história das ciências sociais, esse conceito tem recebido rótulos
diferentes, como “illness behavior”, “illness career” e “therapeutic
itineraries”. Cada uma dessas expressões põe ênfase especial em
determinados aspectos dos processos pelos quais os atores sociais buscam
soluções para suas aflições (ALVES, 2015).
O IT desenvolvido por cada interno será composto de cinco (05) sessões: I –
Identificação do(a) interno(a); II – Caso clínico; III – Registro em SOAP; IV – Seguimento
do paciente na Rede de Atenção à Saúde e V – Comentários e Considerações, conforme
o template em anexo.
O mês de CRUTAC é o período definido para envio do IT, porém não
necessariamente o caso tem que ser sobre um paciente visto no CRUTAC. A definição
do prazo tem caráter mais organizativo.

Todos os internos terão que até o final do rodízio de Saúde Comunitária terem
encaminhado o seu Itinerário Terapêutico. O não envio do seu IT implica em ficar com
nota atribuída a essa avaliação igual a zero, que será somada e dividida as demais notas.
Orientações para envio do Itinerário Terapeutico:
➔ Salvar o arquivo com o título “Itinerário Terapêutico – (nome do interno)”.
➔ Encaminhar o arquivo para o e-mail da coordenadora do módulo
(emille.sampaio@ufca.edu.br) com cópia para o e-mail do NAES
(naes.famed@ufca.edu.br).
➔ Colocar como assunto do e-mail “Internato – Itinerário terapêutico – nome do
interno”.
➔ Estabelecido prazo de 48h para resposta com ‘aviso de recebimento’ pela
coordenação do rodízio. Caso não recebam confirmação após as 48h entrem
em contato.
Ao final do rodízio os internos terão um momento de devolutiva sobre seus
Itinerários Terapêuticos.

Referências
ALVES, P.C. Itinerário Terapêutico e os nexus de significados da doença. Revista
de Ciências Sociais, nº 42, Janeiro/Junho de 2015, p. 29-43.
Universidade Federal do Cariri. Projeto Pedagógico do curso de medicina.
Fortaleza. 2001. Disponível em: https://www.ufca.edu.br/portal/ensino/cursos-de-
graduacao/medicina/projeto-pedagogico-medicina/file