Você está na página 1de 68

A p r e s e n t ação

O tema para o próximo trimestre é: Os Milagres de Deus.


Muito importante para o momento em que vive a Igreja pois,
muito se tem falado de “milagres”, sem contudo apresentar
evidências que comprovem a veracidade de tais fatos. Cremos que
o Senhor é o mesmo. Seu poder em nada diminuiu e a sua
disposição graciosa em operar maravilhas é a mesma.
Este tema nos proporcionará a oportunidade de extrair das
Escrituras Sagradas, verdadeiros milagres, com o objetivo de
fortalecer a nossa fé e confiança no Senhor.
Cada lição aborda de forma clara os acontecimentos e mostra,
principalmente, os motivos da operação divina; de que maneira
trouxe benefícios ao contemplado e também às pessoas envolvidas,
direta ou indiretamente e; como o nome do Senhor foi glorificado.
Esperamos que este estudo venha proporcionar fortalecimento
para a nossa fé e, que haja durante e depois das aulas, grande
mover do Espírito Santo para que todos recebam de Deus os milagres
que por sua bondade queira nos dispensar.

Kleber Paulo Santana


Ministro de Educação Cristã
OS MILAGRES DE DEUS
“Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e
várias maravilhas” (Hebreus 2.4)
Sumário
Lição 01 Milagre no rio Jordão
Lição 02 Milagre no ribeiro de Querite
Lição 03 Milagre em Sunem
Lição 04 Milagre no mar da Galiléia
Lição 05 Milagre nas Aldeias
Lição 06 Milagre em Cafarnaum
Lição 07 Milagre na Galiléia
Lição 08 Milagre em Genesaré
Lição 09 Milagre no Tiberíades
Lição 10 Milagre no tanque de Siloé
Lição 11 Milagre em Betânia
Lição 12 Milagre na ilha de Malta
Lição 13 Resumo das 12 lições (Recapitulação)

COMENTÁRIO
Luciano da Silva Menezes (Coordenador de Crianças)
Arnaldo Ribeiro Dias Filho (Coord. Grupos Casais)
Nilma Leite Nogueira (Presidente Depart. Feminino)
Eliude Fernandes Silva Félix (Coordenadora EBD)
Ana Lúcia de Souza Almeida (Ministra de Música)
Evandro Arruda do Nascimento (Diretor do DEC)
André de Oliveira Santana (Coordenador EBD)
Kleber Paulo Santana (Ministro de Ed.Cristã)
Nilton Félix Batista (Coordenador EBD)

EDITORAÇÃO
Kleber Paulo Santana
FOTO DA CAPA
Elaine José Alves
Coordenadora de Artes
SUPERVISÃO
Natanael Nogueira de Sousa
A Nossa Revista Bíblica Pastor Presidente
Dominical
BÍBLIA (Edição Revista e Corrigida)
Direitos autorais reservados à Igreja Assembléia de Deus do Setor
Oeste do Gama - Área Especial 2/4 - DF
MILAGRE NO RIO JORDÃO
Versículo Chave
Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque
amanhã fará o SENHOR maravilhas no meio de
vós (Josué 3.5).

Lição 01 - 03 de outubro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Êxodo 14.16-22) – O Senhor nos faz passar no meio dos mares
Terça – (Salmo 23.1-6) – O Senhor nos faz passar pelos vales
Quarta – (Isaias 43.2) – O Senhor nos faz passar pelo fogo
Quinta – (Daniel 3.19-26) – O Senhor nos faz passar pela fornalha
Sexta – (Marcos 4.35-41) – O Senhor nos faz passar para o outro lado
Sábado – (Josué 3.9-17) – O Senhor nos faz passar pelos rios

SUGESTÃO DE HINOS - 107 - 416 - 509 (Harpa Cristã)

JOSUÉ 3.11-17
11 - Eis que a arca do concerto do Senhor de toda a terra passa o
Jordão diante de vós.
12 - Tomai, pois, agora, doze homens das tribos de Israel, de cada
tribo um homem;
13 - porque há de acontecer que, assim que as plantas dos pés dos
Crescimento Bíblico - 4
sacerdotes que levam a arca do SENHOR, o Senhor de toda a terra,
repousem nas águas do Jordão, se separarão as águas do Jordão, e as
águas que de cima descem pararão num montão.
14 - E aconteceu que, partindo o povo das suas tendas, para passar o
Jordão, levavam os sacerdotes a arca do concerto diante do povo.
15 - E, quando os que levavam a arca chegaram até ao Jordão, e os
pés dos sacerdotes que levavam a arca se molharam na borda das águas
(porque o Jordão transbordava sobre todas as suas ribanceiras, todos os
dias da sega),
16 - pararam-se as águas que vinham de cima; levantaram-se num
montão, mui longe da cidade de Adã, que está da banda de Sartã; e as que
desciam ao mar das Campinas, que é o mar Salgado, faltavam de todo e
separaram-se; então, passou o povo defronte de Jericó.
17 - Porém os sacerdotes que levavam a arca do concerto do SENHOR
pararam firmes em seco no meio do Jordão; e todo o Israel passou em
seco, até que todo o povo acabou de passar o Jordão.

INTRODUÇÃO

O milagre ocorrido no rio Jordão mostra principalmente que nada


está fora do controle de Deus nem mesmo a natureza.
Percebemos claramente neste episódio, o cuidado do Senhor em
prover livramento para os seus, na hora e lugar certos.
Pretendemos com esta lição descrever o cenário do milagre, mostrando
provas incontestáveis de que não foi apenas um fenômeno ocasional da natureza
e também, extrair ensinos de grande proveito para nosso enlevo espiritual.
I – O CENÁRIO DO MILAGRE – (VV 11-14)

É evidente que esta lição tem como alvo os que crêem em Deus e na sua
Palavra. Não é nossa pretensão convencer os resistentes à verdade de que
o Senhor realizou um feito extraordinário, envolvendo as águas do Jordão:

1. O rio Jordão – “Eis que a arca do concerto do Senhor de toda


a terra passa o Jordão diante de vós” - Rio principal da Palestina, que
nasce no monte Hermom, atravessa os lagos Hulé e da Galiléia e
desemboca no mar Morto. O Jordão, que em hebraico significa: “aquele
que desce”, faz muitas curvas, estendendo-se por mais de 200 km numa
distância de 112 km, entre o lago da Galiléia e o mar Morto. O rio tem a
profundidade de um a três m e a largura média de 30 m. Neste rio Jesus
foi batizado por João Batista (Mt 3.13-17).
Crescimento Bíblico - 5
Sabemos que as águas do Jordão, no seu leito estreito e profundo, vão
minando as margens, provocando de vez em quando grandes desabamentos
de terras que podem obstruir por completo, a torrente. A partir desse
lugar, o leito permanece seco até que as águas rompem uma passagem e
encontram de novo o seu caminho. A história conta-nos que isso aconteceu
em 1267, 1914 e 1927.

2. O povo israelita – “Tomai, pois, agora, doze homens das tribos


de Israel, de cada tribo um homem” – Israel já era uma grande nação.
Milhares de pessoas se concentravam às margens do Jordão esperando o
momento certo para Deus agir, enquanto atendiam a única exigência:
“Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque amanhã fará
o Senhor maravilhas no meio de vós” (Js 3.5).

3. O Senhor (Jeová) – “E o Senhor disse a Josué: Este dia começarei


a engrandecer-te perante os olhos de todo o Israel, para que saibam
que assim como fui com Moisés assim serei contigo” (Js 3.7) – Deus é
o fator principal nas realizações de milagres.

4. A arca do concerto – “E aconteceu que, partindo o povo das suas


tendas, para passar o Jordão, levavam os sacerdotes a arca do concerto
diante do povo” – A Arca da aliança era uma caixa de madeira, revestida
de ouro, onde eram guardadas as duas placas de pedra em que estavam
escritos os dez mandamentos. Nela também eram guardados outros objetos
sagrados (Êx 25.10-22). Hebreus 9.4 diz: “ao qual pertencia um altar de
ouro para o incenso e a arca da aliança totalmente coberta de ouro, na
qual estava uma urna de ouro contendo o maná, o bordão de Arão,
que floresceu, e as tábuas da aliança”.

II – A PROVA DO MILAGRE - (VV 15-17)

1. Os fatos aconteceram por meio de operação divina - A principal


contestação por parte de alguns é o fato deste milagre estar relacionado
a fenômenos da natureza, conforme vimos acima. Dizem que: “se
admitíssemos que Deus faz alguma coisa contrária às leis da natureza,
seríamos também obrigados a admitir que Deus age em contradição
com a sua própria natureza” (Espinosa, 1670).
Quem diz isto desconhece que as leis da natureza foram impostas aos
elementos que a constituem, incluindo o homem, excetuando o Senhor
do universo que as legislou.
Em outras ocasiões o Senhor quebrou estas leis físicas: Fez o sol (terra)
parar (Js 10.12,13); o tempo retroceder (Is 38.8); andou sobre as águas
(Mt 14.25); etc.
Crescimento Bíblico - 6
Outra afirmação descabida é a de que o povo poderia atravessar o Jordão
pois, “é um pequeno rio que, em alguns lugares, permite a travessia a pé
enxuto, principalmente graças à abundância de pedras em seu leito”. O
texto afirma claramente que a travessia foi feita na época da sega, quando
o rio “transbordava em todas as suas ribanceiras” (v.15). Devemos
destacar também, que não estava ali meia dúzia de pessoas, eram milhares,
contando velhos, crianças, parturientes, mães com recém nascidos, doentes,
etc. Como seria possível passar por cima de pedras úmidas e escorregadias?

2. Os fatos aconteceram conforme pré-determinados por Deus - O


fenômeno aconteceu no tempo e no modo determinados por Deus. Não foi
coincidência, o Senhor já tinha dito como aconteceria: “porque há de
acontecer que, assim que as plantas dos pés dos sacerdotes que levam
a arca do Senhor, o Senhor de toda a terra, repousem nas águas do
Jordão, se separarão as águas do Jordão, e as águas que de cima descem
pararão num montão” (v 13). Quando os sacerdotes molharam os seus
pés na água é que o milagre aconteceu (v 15). E assim permaneceu “até”
que o povo passou (v 17). As águas só retornaram quando os sacerdotes
saíram do leito do rio: “E aconteceu que, como os sacerdotes que levavam
a arca do concerto do Senhor subiram do meio do Jordão, e as plantas
dos pés dos sacerdotes se puseram em seco, as águas do Jordão se
tornaram ao seu lugar e corriam, como antes, sobre todas as suas
ribanceiras” (Js 4.18), conforme determinado por Deus. Aleluia!

III – OS ENSINOS EXTRAÍDOS DO MILAGRE

Podemos extrair verdades deste fato que com certeza fortalecerão a


nossa fé e aumentará a nossa esperança naquele que pode fazer qualquer
coisa pelo seu povo, visando sempre a sua maior glória:

1. O Senhor é dominador sobre a criação – “o Senhor de toda a


terra”. Esta não foi a única vez que Deus demonstrou seu poder sobre a
natureza. Em outras ocasiões podemos comprovar isto:
- No Mar Vermelho: “Então, Moisés estendeu a sua mão sobre o mar,
e o Senhor fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela
noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas” (Êx 14.21);

- No mar da Galiléia: “E ele, despertando, repreendeu o vento e


disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve
grande bonança” (Mc 4.39);

2. Sem fé o Senhor não opera milagres - “partindo o povo das


suas tendas, para passar o Jordão”. Foi necessário crer na palavra de
Crescimento Bíblico - 7
Deus. Temos outros exemplos de fé em ação: Noé e a sua família (Hb 11.7);
Abrão e Isaque (Gn 22.2; Hb 11.17-19); José no Egito (Hb 11.22). “Ora,
sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que
se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que
o buscam” (Hb 11.6);

3. Sem Deus não existe milagre – “levavam os sacerdotes a arca


do concerto diante do povo”. Temos visto muitos sinais por ai, que são
atribuídos a Deus, no entanto, não passam de ilusionismo, pura magia
(At 8.9). O verdadeiro milagre traz edificação para a Igreja, salva almas
e glorifica a Deus.
Creia hoje, que o Senhor abrirá uma grande porta nas “águas”, no
“fogo”, na dificuldade, na escassez, para você passar vitorioso.

4. Não existe problema impossível para Deus – “porque o Jordão


transbordava sobre todas as suas ribanceiras, todos os dias da sega”.
O Senhor é extraordinário em poder. Enfermidades, dificuldades
financeiras, desordem familiar, fracasso na vida social, tristeza, desânimo,
depressão, etc, nada pode resistir a sua força. “Ainda antes que houvesse
dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos;
operando eu, quem impedirá?” (Is 43.13).

CONCLUSÃO
O milagre realizado no rio Jordão revela o domínio de Deus sobre
toda a sua criação. Ele controla os fenômenos naturais, fazendo-os
acontecer no momento determinado pelo seu poder.
Este fato é determinante para que a nossa fé seja confirmada no Senhor;
nada pode fugir ao controle divino. Não cai uma folha da árvore sem a
permissão do Senhor.
Qual é a tua dificuldade? Deus pode remover as “montanhas” de problemas
e abrir porta onde não há saída. Creia somente, e verás a glória de Deus.

Para reflexão:
• Você já esteve em situação semelhante a do povo israelita?
• Você percebeu que: Conquistar bênçãos de Deus implica em vencer
obstáculos?
• Você tem um problema de solução impossível? Entregue-o a Deus.

Questionário para avaliação e debate:


1. Explique, com suas palavras, o por quê da exigência: “Santificai-vos”.
2. Deus usou um fenômeno natural. Em que implica isto no milagre?
3. O que significa: “Fé em ação”?
MILAGRE NO RIBEIRO
DE QUERITE
Versículo Chave
E os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã, como
também pão e carne à noite; e bebia do ribeiro
(1 Reis 17.6).

Lição 02 - 10 de outubro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (1 Samuel 16.12) – O Senhor usa vacas
Terça – (1 Reis 4.7) – O Senhor usa Leões
Quarta – (Jonas 1.17-2.10) – O Senhor usa peixes
Quinta – (Jonas 4.7) – O Senhor usa bichos
Sexta – (Marcos 14.30; 66-72) – O Senhor galo
Sábado – (1 Reis 17.1-22) – O Senhor usa corvos

SUGESTÃO DE HINOS - 008 - 061 - 336 (Harpa Cristã)

1 REIS 17.1-16
1 - Então, Elias, o tisbita, dos moradores de Gileade, disse a Acabe:
Vive o SENHOR, Deus de Israel, perante cuja face estou, que nestes
anos nem orvalho nem chuva haverá, senão segundo a minha palavra.
2 - Depois, veio a ele a palavra do SENHOR, dizendo:
3 - Vai-te daqui, e vira-te para o oriente, e esconde-te junto ao ribeiro
de Querite, que está diante do Jordão.
Crescimento Bíblico - 9
4 - E há de ser que beberás do ribeiro; e eu tenho ordenado aos corvos
que ali te sustentem.
5 - Foi, pois, e fez conforme a palavra do SENHOR, porque foi e
habitou junto ao ribeiro de Querite, que está diante do Jordão.
6 - E os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã, como também pão
e carne à noite; e bebia do ribeiro.
7 - E sucedeu que, passados dias, o ribeiro se secou, porque não tinha
havido chuva na terra.
8 - Então, veio a ele a palavra do SENHOR, dizendo:
9 - Levanta-te, e vai a Sarepta, que é de Sidom, e habita ali; eis que eu
ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente.
10 - Então, ele se levantou e se foi a Sarepta; e, chegando à porta da
cidade, eis que estava ali uma mulher viúva apanhando lenha; e ele a chamou
e lhe disse: Traze-me, peço-te, numa vasilha um pouco de água que beba.
11 - E, indo ela a buscá-la, ele a chamou e lhe disse: Traze-me, agora,
também um bocado de pão na tua mão.
12 - Porém ela disse: Vive o SENHOR, teu Deus, que nem um bolo
tenho, senão somente um punhado de farinha numa panela e um pouco
de azeite numa botija; e, vês aqui, apanhei dois cavacos e vou prepará-lo
para mim e para o meu filho, para que o comamos e morramos.
13 - E Elias lhe disse: Não temas; vai e faze conforme a tua palavra;
porém faze disso primeiro para mim um bolo pequeno e traze-mo para
fora; depois, farás para ti e para teu filho.
14 - Porque assim diz o SENHOR, Deus de Israel: A farinha da panela
não se acabará, e o azeite da botija não faltará, até ao dia em que o
SENHOR dê chuva sobre a terra.
15 - E foi ela e fez conforme a palavra de Elias; e assim comeu ela, e
ele, e a sua casa muitos dias.
16 - Da panela a farinha se não acabou, e da botija o azeite não faltou,
conforme a palavra do SENHOR, que falara pelo ministério de Elias.

INTRODUÇÃO

A vida de Elias, um profeta dedicado em restabelecer o concerto


de Deus com Israel, nos ensina que, mesmo estando no centro
da vontade de Deus, às vezes somos atingidos pelas conseqüências da
justiça divina derramada sobre aqueles que nos rodeiam. Foi assim nos tempos
bíblicos e assim ainda é. Porém, em meio a tais experiências Deus nos assiste de
maneira diferente e maravilhosa, muito além do que podemos esperar.

I – A PROVISÃO POR MEIO DE UM FILETE DE ÁGUA


Crescimento Bíblico - 10
Este ribeiro de Querite era um filete de água só ativado em tempos de
chuva ou quando a neve dos montes altos derretia (Sl 133.3). Esta pequena
torrente de Querite era um escape provisório na vida do profeta, quando
este se encontrava perseguido.

1. Que o Senhor transformou em esconderijo - “... esconde-te


junto ao ribeiro de Querite” (v.3) Tudo o que Elias fez estava de
acordo com a vontade do Senhor, e ainda assim começaria a ser caçado
como um animal; por isso foi orientado pelo próprio Deus a se esconder
por um momento. Para tanto, Deus mesmo providenciou um lugar de
esconderijo (Sl 91.1), onde o profeta poderia esperar que passasse a
fúria do rei Acabe.
A Bíblia nos garante que em meio às tempestades que se levantam em
nossas vidas sempre haverá um lugar de refúgio (Is 4.6). Mesmo que esse
lugar seja um pequeno e provisório (riacho), Deus é quem nos esconde
de inimigos vorazes (Sl 32.7).

2. De onde o Senhor tirou suprimento - “E há de ser que beberás


do ribeiro” (v. 4) A seca era um instrumento usado por Deus para exercer
juízo sobre os ímpios (Dt 11.16 e 17), mas os justos são sustentados pelo
Senhor (Sl 37.17). Enquanto Elias cumpria a sua missão na terra, Deus
se encarregava do seu suprimento, dando exclusivamente para o profeta
uma fonte no deserto. Aqui podemos perceber mais uma vez que Deus
faz diferença entre o ímpio e o justo (Ml 3.18), assim como fez diferença
no Egito, por ocasião das dez pragas (Êx 10.23).

II – O ALIMENTO POR MEIO DE CORVOS


Sabe-se que os corvos chegam a negligenciar seus próprios filhotes
(Jó 38.41), pois são aves excessivamente egoístas em se tratando de
alimentos. Porém, sob a ordem de Deus, até o egoísta abre a sua mão ao
justo, mesmo que não tenha conhecimento disto.

1. Um alimento sobrenatural - “... Eu tenho ordenado aos corvos


que ali te sustentem...” (v.4) “Ao Senhor pertencem as saídas para
escapar da morte” (Sl 68.20) Por estranho que possa parecer, ser
alimentado por aves consideradas imundas, foi uma providência totalmente
divina. Naturalmente os corvos não quereriam compartilhar alimentos
com o profeta, mas havia ali uma ordem dada por Deus, o que nos ensina
um princípio importante: - Deus não está condicionado nem ao natural,
nem à nossa vontade para prover em nossas vidas. Seus métodos são
especiais e a eles não cabe questionamento. As experiências nos ensinam
que Deus levanta homens ímpios, dando-lhes ordens pára prover
Crescimento Bíblico - 11
milagrosamente na vida do seu povo. Deus ainda dá ordem a corvos para
que alimentem profetas.

III – O SUSTENTO POR MEIO DA POBRE VIÚVA

Quando a água do ribeiro de Querite acabou, Deus deu novas ordens para
Elias. Naquele momento, havia outra pessoa que também precisava da provisão
em sua casa. Deus agora usaria o seu servo para abençoar e ser abençoado.

1. Semeando na pobreza o sustento - “... Eu ordenei ali a uma


mulher viúva para que lhe sustente.” (v.9) Deus, mais uma vez coloca
Elias em situação desesperadora. Ser sustentado por uma viúva pobre,
em meio à tão grande seca, como isso seria possível? O que ela tinha nas
mãos era a sua última refeição, como sustentar um profeta?
Aquela mulher, apesar de estrangeira (fenícia), passava agora por um
grande teste de fé, ante as exigências do profeta para que o poder do
milagre fosse liberado sobre ela.
“... Assim diz o Senhor, Deus de Israel” (v.14). Aquela promessa foi
mais forte que seus temores e necessidades. Agora que creu e alimentou
o profeta, toda vez que a mulher procurava azeite e farinha, lá estava a
mesma quantidade. Assim também aconteceu na multiplicação dos pães e
peixes (Mt 14.15-21).

2. Colhendo o resultado para sustento - “Dai e ser-vos-á dado;


boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos darão; porque
com a medida com que medirdes também vos medirão de novo” (Lc
6.38) Mais um princípio bíblico aplicado no contexto. Deus deu ordens à
viúva para dar o pouco que tinha abençoando assim o profeta. Agora, era
recompensada com o milagre da perpetuidade, provando todos os dias
um novo milagre na provisão de sua casa, pois, teve alimento para si,
para seu filho e para o profeta enquanto durou a fome naquelas terras,
conforme a promessa do Senhor.
Elias experimentou mais uma vez o cuidado de Deus, mas dessa vez,
não exclusivamente para si, mas abençoando quem com ele estava.

CONCLUSÃO

“Deus move-se de maneiras misteriosas para realizar suas


maravilhas” (William Cowper).
Basta nos responsabilizarmos pelo seu reino e ele se responsabilizará
por nós, dando-nos o refúgio em tempos de guerra e o suprimento em
tempos de escassez. Não importa como, Ele sabe fazer milagres.
Sendo Deus nossa fonte de saúde e riqueza, precisamos rogar-lhe que
Crescimento Bíblico - 12
amplie nossa visão sobre o seu Reino.

Para reflexão:
• Em qual das três situações acima você se enquadra?
• Você acha que existe alguma coisa mais difícil, que ser alimentado por corvos?
• Quando você pede a Deus um milagre, você diz para Ele como deve fazer?

Questionário para avaliação e debate:


1. O que você sabe sobre esta ave mencionada no milagre?
2. Porque Deus enviou Elias à uma mulher pobre e não a um fazendeiro rico?
3. Quantas vezes o Senhor lançou mão dos elementos naturais, nesta
lição, para efetivar milagres?

EETAD
Um Curso T eológico
Teológico
- à altura e à sua disposição -
Faça já a sua matrícula!
Fone: 384-1
4-10013 - (Claudio)
384-1
MILAGRE EM SUNÉM
Versículo Chave
Então, veio ela e o fez saber ao homem de Deus; e disse
ele: Vai, vende o azeite e paga a tua dívida; e tu e
teus filhos vivei do resto
(2 Reis 4.7).

Lição 03 - 17 de outubro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Números 11.18) – Multiplica carne
Terça – (Deuteronômio 29.5) – Multiplica roupas
Quarta – (1 Reis 17.14) – Multiplica farinha
Quinta – (2 Reis 4.42-44) – Multiplica pães
Sexta – (2 Coríntios 9.10) – Multiplica nossas ofertas
Sábado – (2 Reis 4.1-7) – Multiplica azeite

SUGESTÃO DE HINOS - 001 - 052 - 564 (Harpa Cristã)

2 REIS 4.1-7
1 - E uma mulher das mulheres dos filhos dos profetas, clamou a Eliseu
dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que o teu servo temia ao
SENHOR; e veio o credor a levar-me os meus dois filhos para serem servos.
2 - E Eliseu lhe disse: Que te hei de eu fazer? Declara-me que é o que
tens em casa. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma
Crescimento Bíblico - 14
botija de azeite.
3 - Então, disse ele: Vai, pede para ti vasos emprestados a todos os
teus vizinhos, vasos vazios, não poucos.
4 - Então, entra, e fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos, e deita o
azeite em todos aqueles vasos, e põe à parte o que estiver cheio.
5 - Partiu, pois, dele e fechou a porta sobre si e sobre seus filhos; e eles
lhe traziam os vasos, e ela os enchia.
6 - E sucedeu que, cheios que foram os vasos, disse a seu filho: Traze-
me ainda um vaso. Porém ele lhe disse: Não há mais vaso nenhum. Então,
o azeite parou.
7 - Então, veio ela e o fez saber ao homem de Deus; e disse ele: Vai,
vende o azeite e paga a tua dívida; e tu e teus filhos vivei do resto.

INTRODUÇÃO

O milagre operado na vida da viúva de Sunem nos trás ensinos


importantes. Com certeza depois de estudarmos este texto
bíblico, a nossa fé será acrescida e aprenderemos a confiar no
socorro divino.
Veremos que as circunstâncias em nada foram favoráveis, para que
acontecesse o milagre, no entanto, o texto nos revela uma extraordinária
maravilha operada por Deus.

I – AS CIRCUNSTÂNCIAS REVELADAS - (VV 1-2)


Alguém já disse que “nunca houve avivamento em tempos de
prosperidade”. Nesta frase encerra-se grande verdade. O Senhor tirou o
povo do Egito quando não havia mais esperanças. Ressuscitou a Lázaro
quando sua carne já estava em decomposição. Deus opera em circunstância
desfavorável como poderemos ver:

1. Situação de luto - “E uma mulher das mulheres dos filhos dos profetas,
clamou a Eliseu dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que
o teu servo temia ao Senhor...” Mesmo hoje em nossos dias, a mulher casada
é bastante dependente do marido. Naquela época, elas dependiam totalmente.
A situação era dramática: Tristeza, solidão, medo, insegurança, incerteza, etc.
Nestas circunstâncias poderia alguém esperar um milagre?
Você que se encontra nestas condições, consegue ouvir a voz de Jesus
dizendo: “Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus?” (Jo 11.40).

2. Situação de escravidão - “...e veio o credor a levar-me os meus


dois filhos para serem servos.” Além de perder o marido corria o risco
Crescimento Bíblico - 15
de perder seus dois filhos, como parte do pagamento das dívidas contraídas
pelo esposo em vida.
Naquela época os filhos eram bens transferíveis. Era a garantia que os
credores tinham de que receberiam o dinheiro emprestado.
A dívida em si mesma, já é uma escravidão, quando ultrapassa limites,
ou quando acontecem imprevistos. Você se sente preso por algum
problema ou necessidade?

3. Situação de escassez – “Declara-me que é o que tens em casa. E


ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de
azeite.” Em situação como esta o nosso coração fica apertado. Nossos
olhos criam escamas e não conseguimos ver porta aberta ou a luz no fim
do túnel. Quando vemos nossas despensas vazias, a nossa conta bancária
no vermelho, ficamos desesperados e começamos a acreditar que até o
pouco que temos é nada. A resposta da mulher foi: “Não tem nada em
casa”. Os discípulos falaram: “Está aqui um rapaz que tem cinco pães
de cevada e dois peixinhos; mas que é isso para tantos?” (Jo 6.9). No
entanto, os pães e peixes alimentaram milhares de pessoas.

II – O MILAGRE OPERADO - (VV 3-7)

O Senhor não respeita circunstâncias, antes a usa para dar livramento


e suprir necessidades. Quando tudo parecia sem saída o Senhor usou o
Mar Vermelho para abençoar Israel e, ao mesmo tempo, para afogar os
inimigos. Você acredita que o Senhor pode transformar a tua escassez em
abundância, teu fracasso em grande vitória?

1. Começou com o que tinha – “Então, disse ele: Vai, pede para ti
vasos emprestados a todos os teus vizinhos, vasos vazios, não poucos.
Então, entra, e fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos, e deita o
azeite em todos aqueles vasos, e põe à parte o que estiver cheio.”
Aparentemente era uma proposta irracional. Como encher vários vasos
com azeite tirado de apenas uma botija? É fácil, se crermos que “Deus
chama as coisas que não são como se já fossem” (Rm 4.17).
Azeite é óleo tirado de azeitonas. Era usado como alimento (1Rs
17.12), remédio (Lc 10.34), combustível (Mt 25.4), etc. Ela tinha algo
precioso em casa, faltando apenas apresenta-lo a Deus para que o
multiplicasse.
O milagre está em tua casa irmão, apresente tua vida, a dos teus filhos
e os teus bens ao Senhor e receba a bênção.

2. Continuou com atitude – “Partiu, pois, dele e fechou a porta


sobre si e sobre seus filhos; e eles lhe traziam os vasos, e ela os enchia.”
Crescimento Bíblico - 16
Se aquela mulher se trancasse dentro de casa apenas lamentando e
murmurando, seus filhos teriam sido levados à escravidão e ela teria
provavelmente morrido de fome. O que proporcionou o milagre foi a
ação dela e de seus dois filhos.
O milagre começa com ação. Os dez leprosos foram a Cristo (Lc 17.12);
o paralítico foi descido pelo telhado até aos pés de Jesus (Mc 2.1-4); o
homem da mão ressequida, estendeu-a para Jesus (Mc 3.1-5); a mulher
hemorrágica tocou os vestidos de Jesus (Mc 5.25-29); o cego de nascença,
obedecendo a ordem de Jesus, foi ao tanque de Siloé se lavar e voltou
vendo (Jo 9.1-7). Você gostaria de dar um passo para Jesus agora?

3. Prosseguiu com fé – “E sucedeu que, cheios que foram os


vasos, disse a seu filho: Traze-me ainda um vaso. Porém ele lhe
disse: Não há mais vaso nenhum. Então, o azeite parou.” Ela
precisou crer na palavra do “homem de Deus” e sua fé foi fortalecida
com o milagre. “Traze-me ainda um vaso”. Ela não duvidava mais
da suficiência de Deus em suprir.
Quando colocarmos a nossa fé em Deus Ele derramará bênçãos sem
medida sobre nós e nossa família. Não há motivo para olharmos para as
circunstâncias, “Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem
haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não
produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas,
e nos currais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor,
exultarei no Deus da minha salvação” (Hc 3.17,18).

III – AS LIÇÕES EXTRAÍDAS

De tudo o que vimos até aqui o mais importante são as lições que
deste milagre divino podemos tirar:

1. Destaca-se o cuidado de Deus com os que o temem – A mulher fez


questão de frisar: “...tu sabes que o teu servo temia ao Senhor...”. O
homem que morreu era um “dos filhos dos profetas”, Na verdade ele era
um discípulo dos profetas. A mulher apela para está posição do seu marido,
considerando que assim obteria ajuda do homem de Deus. De fato, o Senhor
nunca desampara aqueles que o temem. Isto fica comprovado no seguinte
texto: “Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem, sobre
os que esperam na sua misericórdia” (Sl 33.18); e ainda (Sl 34.9; Sl
103.11;13; Sl 111.5; Lc 1.50). Mesmo depois da nossa partida, Deus cuidará
dos nossos, porque tememos o seu nome (Sl 103.17).

2. Mesmo sendo fiel a Deus é possível passar por situações difíceis


– É um engano pensar que o cristão temente e fiel a Deus não sofrerá as
Crescimento Bíblico - 17
agruras desta vida. Basta lembrar que o cenário desta lição é a casa de um
homem temente. A Palavra diz: “...por muitas tribulações nos importa
entrar no Reino de Deus” (At 14.22). No entanto, em todas as situações
que tivermos de passar Ele passará conosco, operando grandes milagres.
Aquele homem morreu deixando dívidas, isto não significa que era
mal pagador, mas que lhe aconteceu um imprevisto, ficando
impossibilitado de cumprir seus compromissos. As dívidas são um péssimo
negócio e um constante risco na vida do crente (Pv 11.15; 17.18). A
recomendação do profeta foi: “paga a tua dívida”.

3. É importante manter um relacionamento sadio com o próximo


– Dificilmente aquela mulher teria conseguido vasos emprestados se fosse
mal relacionada com os seus vizinhos ou se vivesse de casa em casa
tomando coisas emprestadas (Pv 25.17). Com certeza, ninguém lhe
emprestaria se tivesse o mau costume de não devolver.

4. O milagre não tem limites – O profeta conhecia bem o seu Deus,


mandou que a mulher arranjasse vasos, “não poucos”, pois sabia que
Deus mandaria bênção como a chuva torrencial. Aonde só tinha um
pouco de azeite Deus abriu uma “fábrica”, que rendeu à mulher o
suficiente para pagar as suas dívidas e viver do resto. “Ora, àquele
que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além
daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós
opera” (Ef 3.20). A Ele seja a glória!

5. O milagre está relacionado ao tamanho da nossa fé – O azeite


jorrou na proporção da fé. Quando disseram: “Não há mais vaso
nenhum. Então, o azeite parou”. Se tivessem tomado mais vasos, teriam
conseguido mais azeite. Este fato é semelhante ao que aconteceu com o
rei de Israel (2 Rs 13.18,19).
Pode ser que aquele grande milagre tão esperado, ainda não se
realizou por que não oramos um pouco mais. Uma má situação financeira
pode indicar que precisamos ofertar mais um pouco. “Dai, e ser-vos-á
dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos darão;
porque com a mesma medida com que medirdes também vos
medirão de novo” (Lc 6.38).

CONCLUSÃO
Foi de fato um milagre extraordinário. Depois de estudarmos esta lição,
não há porque duvidarmos de Deus, por mais difícil que seja a nossa
situação.
Apresentemos a Ele o pouco que temos e aguardemos Dele uma
Crescimento Bíblico - 18
providência. Deus pode aumentar nossos dias, nosso salário, o mantimento
da nossa despensa, nossa alegria, etc, se o temermos e esperarmos na sua
misericórdia. Há um grande milagre esperando para acontecer em sua
casa. Milagre existe!

Para reflexão:
• Você reconhece o mau que as dívidas causam? Está disposto a livrar-se delas?
• O que você tem para apresentar a Deus para que Ele multiplique?
• Você percebeu que o tamanho do milagre foi na proporção da fé?

Questionário para avaliação e debate:


1. Por que a mulher disse: “tu sabes que o teu servo temia ao Senhor”?
2. Como explicar dívidas na vida de um homem que teme ao Senhor?
3. Explique esta sentença: “O milagre está relacionado ao tamanho da nossa fé”.

Louvai ao SENHOR, invocai o seu


nome, fazei conhecidos entre os povos
os seus feitos. Cantai-lhe, salmodiai-
lhe, atentamente falai de todas as suas
maravilhas. Gloriai-vos no seu santo
nome; alegre-se o coração dos que
buscam o SENHOR. Buscai o
SENHOR e a sua força; buscai a sua
face continuamente. Lembrai-vos das
suas maravilhas que tem feito, dos seus
prodígios, e dos juízos da sua boca (1
Crônicas 16.8-12)
MILAGRE NO MAR DA
GALILÉIA
Versículo Chave
E respondeu-lhe Pedro e disse: Senhor, se és tu,
manda-me ir ter contigo por cima das águas
(Mateus 14.28).

Lição 04 - 24 de outubro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Números 22.32,33) – O Senhor domina sobre os animais
Terça – (Jó 9.7) – O Senhor domina sobre o sol
Quarta – (Jó 28.26) – O Senhor domina sobre a chuva
Quinta – (Salmo 78.26) – O Senhor domina sobre o vento
Sexta – (Daniel 3.26,27) – O Senhor domina sobre o fogo
Sábado – (Mateus 14.22-36) – O Senhor domina sobre as águas

SUGESTÃO DE HINOS - 033 - 256 - 467 (Harpa Cristã)

MATEUS 14.22-33
22 - E logo ordenou Jesus que os seus discípulos entrassem no barco
e fossem adiante, para a outra banda, enquanto despedia a multidão.
23 - E, despedida a multidão, subiu ao monte para orar à parte. E,
chegada já a tarde, estava ali só.
24 - E o barco estava já no meio do mar, açoitado pelas ondas, porque
o vento era contrário.
Crescimento Bíblico - 20
25 - Mas, à quarta vigília da noite, dirigiu-se Jesus para eles, caminhando
por cima do mar.
26 - E os discípulos, vendo-o caminhar sobre o mar, assustaram-se,
dizendo: É um fantasma. E gritaram, com medo.
27 - Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu;
não temais.
28 - E respondeu-lhe Pedro e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter
contigo por cima das águas.
29 - E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as
águas para ir ter com Jesus.
30 - Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o
fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me.
31 - E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o e disse-lhe: Homem
de pequena fé, por que duvidaste?
32 - E, quando subiram para o barco, acalmou o vento.
33 - Então, aproximaram-se os que estavam no barco e adoraram-no,
dizendo: És verdadeiramente o Filho de Deus.

INTRODUÇÃO

O s milagres são operados por um Deus que detém todo o poder e


soberania (2 Cr 20.6). Vejamos o que diz John Wimber sobre o
“mistério da escolha soberana de Deus”: - Deus não opera
milagres por encomenda; - Deus não opera milagres mesmo quando
cremos que são mais necessários; - Mas Deus, que criou o mundo e que
entrou nele para nos redimir, opera milagres quando fazê-lo serve ao seu
propósito soberano. (Todos os milagres da Bíblia, United Press, pp 39).
Jesus tinha uma vida adornada por milagres, mas Ele mesmo disse sobre
as obras que realizava: “O Filho nada pode fazer de si mesmo”; e
“porque as obras que o Pai me confiou para que eu as realizasse,
essas que eu faço, testemunham a meu respeito, de que o Pai me
enviou.” (Jo 5.19-21,30,36). Assim, nós também devemos depender e
atribuir a Cristo as nossas obras. Passemos a ver, então o que nos revela
o milagre no mar da Galiléia.

I - A LIDERANÇA DE JESUS (v. 22-24)

1. Ensina a não exaltação pessoal - Naquela ocasião sabendo que os


seus discípulos poderiam estar entusiasmados com a multiplicação
milagrosa dos pães e dos peixes (Mt 14.13-21) ordena-os a entrarem no
barco para atravessar o mar da Galiléia impedindo assim quaisquer
Crescimento Bíblico - 21
honrarias humanas. Além, disso Ele poderia muito bem, após ter
alimentado os cinco mil, conclamar todo o povo a orar (aparentemente
não estaria errado), entretanto, despede a multidão e vai orar sozinho (v.
23a). Que simplicidade e abnegação! Ele como um verdadeiro líder nos
ensina a não exaltação pessoal.

2. Ensina a ter visão - O lugar que você se encontra pode limitar ou


ampliar a sua visão. Jesus subiu ao monte. Que lugar mais alto poderíamos
estar se não na vontade de Deus? Se você está seguindo a Palavra do
Senhor, então você está no monte. Mas caso, a Santa Palavra tenha deixado
de ser a sua regra de fé e prática, então você está como que dentro de
uma caverna, onde não a luz e portanto sem visão, mesmo sendo ainda
dia. Jesus por estar no alto viu os seus discípulos em dificuldades, mesmo
sendo madrugada (Mt 14.25a) e já estando eles bem distantes (Jo 6.19a).
Além disso, Ele não ficou parado esperando o desenrolar dos
acontecimentos. Mas, agiu.

II - O AUXÍLIO DE JESUS - VV 25-31

Vemos um Jesus solidário em ação! O socorro vem do Senhor (Sl 121.1-2).

1. Manifesta o Seu poder - Jesus maravilhosamente “anda” sobre


um mar tempestuoso, a fim de socorrer seus discípulos. Manifestando
todo o domínio sobre a natureza (Js 10.12-14). Jesus não estava
preocupado com o barco e sim com as pessoas dentro dele. E todos
ficaram confusos, perturbados, não sabendo que se tratava do Senhor.
Mas Ele se fez conhecido, dizendo: “Sou eu” (v. 17; Êx 3.14). E de
imediato ajuda-os a sentirem confiança, e diz: “Não temas” (v. 17;
Gn 15.1). Em meio às dificuldades o Senhor manifesta o seu grande
poder e nos garante a vitória.

2. Manifesta a fraqueza humana - O intrépido discípulo Pedro, expõe


o desejo de abandonar o barco e ir até Jesus, no mar bravio. O líder Jesus
incentiva a sua fé e diz: “vem!” Ainda hoje, a todos quantos estiverem
cansados e sobrecarregados, Jesus diz: “vem!” (Mt 11.28). Pedro confiando
no Senhor anda, também, sobre o mar. Porém, sentiu medo e começou a
afundar, preocupou-se com as circunstâncias adversas, com a revolta das
águas. Muitas vezes desistimos porque vemos só o imediato, só os problemas
que vamos enfrentar. Verdadeiramente somos fracos, mas o crente sabe em
quem confiar. Quando dizemos sim a Jesus, temos a certeza de que Ele
estará conosco nas tribulações e nos momentos de fraqueza.
III - A ADORAÇÃO A JESUS (VV 32-33)
Crescimento Bíblico - 22
Devemos reconhecer a Deidade de Cristo e o Seu poder (Mt 28.18; Jo
10.30), e adorá-lo.

1. Porque Ele é o nosso lugar seguro - Quando Jesus adentrou ao


barco o vento cessou! Reinou a bonança e a paz. Cristo quer adentrar em
sua casa, em sua vida para te dar segurança em meio às aflições. Para te
dar uma vida nova (Jo 3.3-5). Jesus quer estar perto de nós. Aguardemo-
lo, pois, com a honra devida e grande expectação. Aí não mais teremos
tribulações (Ap 21.4), o vento cessará. O milagre no mar da Galiléia fê-
los entender que Jesus é o lugar seguro. No tempo presente, pela confiança
e no futuro, pela certeza.

2. Porque Ele é o Filho de Deus - “E Simão Pedro, respondendo,


disse: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo” (Mt 16.16). O próprio
Deus Pai afirmou que Jesus é seu Filho: “Pois ele recebeu, da parte
de Deus Pai, honra e glória, quando pela Glória Excelsa lhe foi
enviada a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me
comprazo. Ora, esta voz, vinda do céu, nós a ouvimos quando
estávamos com ele no monte santo.” (2 Pe 1.17,18 - ARA). Os
apóstolos o adoraram confessando que Jesus é o Filho de Deus. Nós
devemos confessá-lo como Filho do Altíssimo (1 Jo 4.15). O medo
inicial, foi transformado em adoração real. O milagre fê-los entender
que Jesus é o Filho de Deus.

CONCLUSÃO
Este milagre tinha o propósito específico de fazer com que os
discípulos conhecessem a identidade de Jesus Cristo - O Filho de
Deus. Demonstrando que o poder de Deus estava sobre Ele. Mas o
seu real significado só se faria completo após o milagre da
ressurreição (Rm 1.4).
Vemos também que não importa quão difícil sejam as circunstâncias
desde que mantenhamos a nossa fé continuamente em Jesus.

Para reflexão:
• Você está sob a liderança de Jesus?
• Você tem confiado plenamente no Senhor, independente da situação?
• Se você entendeu o propósito deste milagre adore ao Senhor Jesus!

Questionário para avaliação e debate:


1. No tópico I, subi tópico 1, o que significa: “Exaltação pessoal”?
2. Por que Pedro veio a afundar nas águas?
3. Explique a afirmação de Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo”.
MILAGRE NAS ALDEIAS

Versículo Chave
E Jesus, movido de grande compaixão, estendeu a mão,
e tocou-o, e disse-lhe: Quero, sê limpo!
(Marcos 1.41).

Lição 05 - 31 de outubro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Isaias 38.21) – O Senhor cura Feridas
Terça – (Marcos 1.29-31) – O Senhor cura Febre
Quarta – (Marcos 1.34) – O Senhor cura qualquer enfermidade
Quinta – (Marcos 5.25-29) – O Senhor cura hemorragias
Sexta – (Atos 28.8) – O Senhor cura disenteria
Sábado – (Marcos 1.40-45) – O Senhor cura lepra

SUGESTÃO DE HINOS - 007 - 111 - 277 (Harpa Cristã)

MARCOS 1.40-45
40 - E aproximou-se dele um leproso, que, rogando-lhe e pondo-se de
joelhos diante dele, lhe dizia: Se queres, bem podes limpar-me.
41 - E Jesus, movido de grande compaixão, estendeu a mão, e tocou-
o, e disse-lhe: Quero, sê limpo!
42 - E, tendo ele dito isso, logo a lepra desapareceu, e ficou limpo.
Crescimento Bíblico - 24
43 - E, advertindo-o severamente, logo o despediu.
44 - E disse-lhe: Olha, não digas nada a ninguém; porém vai, mostra-
te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou,
para lhes servir de testemunho.
45 - Mas, tendo ele saído, começou a apregoar muitas coisas e a
divulgar o que acontecera; de sorte que Jesus já não podia entrar
publicamente na cidade, mas conservava-se fora em lugares desertos; e
de todas as partes iam ter com ele.

INTRODUÇÃO

N a busca pela efetivação de milagres, o homem precisa preencher


alguns requisitos que veremos nesta lição, como a proximidade
de Cristo, a humildade e a fé. A partir daí, Deus entra em ação
com amor, efetuando os milagres que necessitamos.

I – CONDIÇÃO HUMANA PARA O MILAGRE


Os evangelhos registram muitos milagres, que vão desde a cura física
até a espiritual, cumprindo o que está registrado em Is 53.4:
“Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as
nossas dores levou sobre si...”. Cabe a você e eu diligentemente
procurarmos o cumprimento dessas promessas em nossa vida diária, estando
cada dia mais próximos de Cristo, exercitando a fé, sendo humildes.

1. Proximidade de Cristo - A nossa vida deve ser de intimidade com


Cristo e isto pode ser comprovado pelo texto de Mt 6.33. Essa busca
pela presença e comunhão com aquele que tudo pode a nosso favor, deve
ser ininterrupta. Falar, ouvir, tocar, são ações que dependem de certa
proximidade para que possam acontecer. Qual a sua distância de Cristo
hoje? Você pode vê-lo, ouvir e sentir seu toque? Nosso personagem, no
texto em estudo, aproximou-se de Jesus para expressar seu desejo, sua
necessidade. A mulher que tinha um fluxo de sangue, enfrentou muitos
obstáculos até chegar próximo de Jesus a ponto de tocar suas vestes.
Você pode fazer isso agora?

2. Humildade - Esta é a segunda condição para alcançar o milagre.


Em Mq 6.8, somos orientados a praticar a justiça, amar a misericórdia, e
andar humildemente com Deus, sendo esta uma característica que deve
acompanhar os santos. Tg 4.10, diz: “Humilhai-vos perante o Senhor,
e ele vos exaltará”. Vejo esta palavra se cumprir no personagem desta
lição, que tendo se colocado de joelhos, ou seja, humilde, suplicante,
Crescimento Bíblico - 25
submisso, encontrou a graça esperada. Deus quer que nos cheguemos a
Ele, que o invoquemos e o resultado será sua presença, sua graça, bênçãos
e amor derramados sobre nós.

3. Fé - “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam


e a prova das coisas que se não vêem” (Hb 11.1). Sendo o milagre a
operação daquilo que está fora da capacidade humana de realizar, entra
aí a necessidade do exercício da fé. Mt 13.58: “E não fez ali muitos
milagres, por causa da incredulidade deles”. A falta de fé é portanto,
empecilho para realização do milagre.
A declaração do leproso, ao mesmo tempo em que reconhece a
soberania de Cristo, é a manifestação de sua fé, é a certeza do poder de
Cristo sobre aquela enfermidade. Como tem sido o exercício da fé em tua
vida? Você tem desafiado o Senhor com declaração tão enfática como
essa “Se quiseres, bem podes limpar-me”?

II – CONDIÇÃO DIVINA PARA O MILAGRE

Talvez pareça estranho dizer que Deus impõe alguma condição para
efetuar um milagre, mas a Bíblia nos fala que os milagres são operados
pela intervenção do Espírito Santo, que habitando em nós, leva nossos
pedidos ao trono de Deus para que sejam atendidos, daí a palavra de
Jesus em Jo 15.7: “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras
permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito”.
Esta é mais uma condição para que sejamos dignos de sua compaixão.

1. Compaixão - Que sentimento é esse, que a Bíblia menciona


várias vezes, como algo freqüente na vida de Jesus. Mc 1.41: “E Jesus,
movido de grande compaixão, estendeu a mão, e tocou-o, e disse-
lhe: Quero, sê limpo!” Mc 6.34: “Ao desembarcar, viu Jesus uma
grande multidão e compadeceu-se deles, porque eram como
ovelhas que não têm pastor. E passou a ensinar-lhes muitas coisas”.
Como e onde nasce este sentimento? O termo é uma característica
manifestada a seu povo no decorrer da história (Sl 78.38).
2. Ação - Jesus demonstrava atitude em relação a seus sentimentos.
Ele se mobilizava em função daqueles que lhe manifestavam as
necessidades. “E, tendo ele dito isso, logo a lepra desapareceu, e ficou
limpo” (Mc 1.42). Seja objeto da ação divina, deixe o Senhor te tocar.
Mt 20.29-34 registra o episódio de dois cegos que clamaram
insistentemente, dizendo: “Senhor, filho de Davi, tem misericórdia de
nós”. “Então, Jesus, movido de íntima compaixão, tocou-lhes nos
olhos, e logo viram”. É assim que o Senhor age, quando tuas petições
Crescimento Bíblico - 26
chegam ao trono da graça e você demora para receber a resposta, não se
desespere apenas compreenda que Deus está agindo em teu favor. Pratique
o Sl 40.1: “Esperei com paciência no Senhor, e ele se inclinou para
mim, e ouviu o meu clamor”. O Senhor quer tocá-lo para que seu pecado
seja perdoado, para que você seja curado.

3. Decisão - “Quero, sê limpo”. Nesta lição temos duas pessoas


que sabem o que querem. O leproso sabia exatamente o que queria e
manifestou seu desejo, ser limpo. Jesus, queria curar a lepra e o fez.
Você tem que dizer para Deus o que quer. A vida cristã exige decisão,
não sendo possível vive-la sem saber o que realmente queremos, não dá
para ficar na incerteza e esperar que Deus venha atender a uma pessoa
que não consegue definir sua própria necessidade. O que você quer
agora? Servir ao Senhor, ser fiel a Ele? Decida-se! A Bíblia nos fala
sobre isso em Mt 6.24. A resposta de Jesus ao pedido daquele homem,
foi cheia de autoridade e poder para limpar a lepra. Jesus ainda tem a
mesma compaixão, autoridade e poder e está oferecendo a você a
oportunidade de ser limpo de tudo o que o tem impedido de viver uma
vida vitoriosa, em que os milagres acontecem.

III – CONSEQÜÊNCIAS DO MILAGRE


Você é o objeto do milagre. Sua existência, cada novo dia que nasce
para você, é um milagre que Deus opera e talvez você ainda não tenha
percebido. Se esse é o seu caso, hoje é dia de reconhecer e ser grato. Em
vários textos bíblicos podemos ler que a manifestação imediata a realização
de um milagre é de gratidão por parte do agraciado.

1. Alegria - É uma característica do fruto do Espírito Santo (Gl 5.22).


É a reação daquele que recebe as bênçãos de Deus (Lc 13.13). A presença
de Deus e a ação do Espírito Santo em nós, são responsáveis pela nossa
alegria. A exemplo do paralítico curado, glorifique a Deus e faça como o
leproso e os demais que receberam a cura e manifestavam seus sentimentos
de prazer, por meio de seus testemunhos.

2. Testemunho - Esta é uma expressão encontrada em praticamente


todos os livros da Bíblia. O testemunho é um exercício estabelecido por
Deus. O povo de Deus é uma testemunha entre todos os povos, anunciando
e confessando o Deus poderoso e seus feitos (Is 43.10-12). No novo
testamento as pessoas que conviveram com Jesus, e partilharam de seu
ministério, morte e ressurreição, são suas testemunhas.
A lepra era uma doença grave, e seu portador era considerado
cerimonialmente imundo. A lepra era símbolo do pecado, e por causa da
Crescimento Bíblico - 27
doença, aquele homem era banido da sociedade, não podendo participar
do culto, e nem desfrutar da companhia da família. Sua cura, fez dele
uma testemunha de grande expressão. Daí porque não pôde conter sua
alegria e saiu imediatamente testemunhando a benção recebida. Proclame
o que o Senhor tem feito em tua vida. Declare ao mundo como você foi
transformado de vil pecador em uma nova criatura.

3. Serviço - O que entendemos por serviço? Esta expressão é


apresentada na Bíblia na maioria dos livros, e em grande parte deles
atribuindo sempre a idéia de algo feito para Deus. Posso apresentar a
Deus o meu serviço de várias formas, podendo ser em mão-de-obra, a
exemplo do que fez Marta, ao receber Jesus em sua casa, demonstrando
grande preocupação em prestar-lhe o melhor atendimento.
As palavras de Jesus nos falam profundamente, quando dizem em Mc
10.45: “Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido,
mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos”.
O poeta foi muito feliz na forma como escreveu sobre o prazer de
trabalhar no serviço do Senhor: “No serviço do meu rei eu sou feliz,
venturoso e abençoado, quando tenho no serviço gastarei, no serviço do
meu rei. No serviço do meu rei, minha vida empregarei, gozo, paz,
felicidade, tem quem serve a meu bom rei...”

CONCLUSÃO

Receber os milagres, ser o próprio objeto do milagre, todos queremos;


a pergunta que nos vem agora é: estamos dispostos a pagar o preço?
Espero que você busque todos os dias de sua vida a realização de milagres,
mas que queira comprometer-se com Deus, recebendo tudo de bom que
Ele tem para os que o amam.

Para reflexão:
• O que você deseja receber do Senhor?
• Você acha que o Senhor quer ti dar o que você está precisando?
• Você viu a resposta do Senhor ao leproso? “Quero”

Questionário para avaliação e debate:


1. Quais as três condições humanas para o milagre, de acordo com a lição?
2. Discuta a resposta de Jesus ao doente: “Quero, sê limpo”.
3. Explique o significado da lepra na vida das pessoas naquela época.

E o SENHOR nos tirou do Egito com mão forte, e com braço estendido,
e com grande espanto, e com sinais, e com milagres (Dt 26.8)
MILAGRE EM CAFARNAUM

Versículo Chave
E Jesus, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho,
perdoados estão os teus pecados
(Marcos 2.5).

Lição 06 - 07 de novembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Salmo 103.1-3) – O Senhor sara todas as nossas enfermidades
Terça – (Isaias 53.1-5) – O Senhor levou as nossas dores
Quarta – (Marcos 1.21-28) – O Senhor liberta os cativos
Quinta – (Marcos 1.29-34) – O Senhor cura os doentes
Sexta – (Atos 10.38) – O Senhor foi ungido para curar e libertar
Sábado – (Marcos 2.1-12) – O Senhor perdoa e cura

SUGESTÃO DE HINOS - 419 - 491 - 510 (Harpa Cristã)

MARCOS 2.1-12

1 - E, alguns dias depois, entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se


que estava em casa.
2 - E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares junto à
porta eles cabiam; e anunciava-lhes a palavra.
3 - E vieram ter com ele, conduzindo um paralítico, trazido por quatro.
Crescimento Bíblico - 29
4 - E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão,
descobriram o telhado onde estava e, fazendo um buraco, baixaram o
leito em que jazia o paralítico.
5 - E Jesus, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão
os teus pecados.
6 - E estavam ali assentados alguns dos escribas, que arrazoavam em
seu coração, dizendo:
7 - Por que diz este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados,
senão Deus?
8 - E Jesus, conhecendo logo em seu espírito que assim arrazoavam
entre si, lhes disse: Por que arrazoais sobre estas coisas em vosso coração?
9 - Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: Estão perdoados os teus
pecados, ou dizer-lhe: Levanta-te, e toma o teu leito, e anda?
10 - Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder
para perdoar pecados (disse ao paralítico),
11 - a ti te digo: Levanta-te, e toma o teu leito, e vai para tua casa.
12 - E levantou-se e, tomando logo o leito, saiu em presença de todos, de
sorte que todos se admiraram e glorificaram a Deus, dizendo: Nunca tal vimos.

INTRODUÇÃO

A cidade de Cafarnaum tornou-se o quartel general de Jesus


durante grande parte do seu ministério. É provável que nesta
cidade Ele tenha fixado residência, para a partir daí, evangelizar
toda a região da Galiléia. Estando em casa, Cristo se viu às voltas com
uma multidão, que estava prestes a presenciar um grande milagre. Um
paralítico era trazido para ser apresentado a Ele. Nesta lição veremos os
obstáculos que o paralítico enfrentou, as prioridades de Jesus na condução
da cura e o resultado do milagre.

I – OS OBSTÁCULOS PARA O MILAGRE (VV. 3,4)


Quantas barreiras você está disposto a superar para alcançar aquilo
que você espera do Senhor? Antes de acontecer o milagre em Cafarnaum,
alguns obstáculos precisaram ser superados. Vejamos:

1. A condição do paralítico - “E vieram ter com ele, conduzindo


um paralítico, trazido por quatro” (v. 3) A impossibilidade do paralítico
se movimentar foi sem dúvida o primeiro obstáculo para o milagre. Para
que ele chegasse até Jesus era necessário que quatro pessoas se
dispusessem a carregá-lo. Sem a ajuda desses personagens anônimos com
tamanha demonstração de amor, ele continuaria na sua situação miserável.
Crescimento Bíblico - 30
Sem o nosso auxílio, muitas pessoas jamais terão condições de conhecer
Jesus. Será que estamos cumprindo a nossa missão?

2. A resistência da multidão - “E, não podendo aproximar-se


por causa da multidão...” (v. 4a) Mesmo vendo a situação do paralítico,
a multidão não se sensibilizou. Formou uma barreira intransponível em
frente aquela comitiva. Estavam mais centrados em seus próprios
interesses que nas necessidades urgentes daquele moribundo. Em uma
outra situação, Jesus censurou a atitude dos fariseus, que não entravam
no céu e não permitiam que outros entrassem (Mt 23.13). Nossa
responsabilidade é a de facilitar o acesso das pessoas até Jesus e não de
impedir que elas sejam alcançadas por Ele.

3. O obstáculo físico - “... descobriram o telhado onde estava e,


fazendo um buraco, baixaram o leito...” (v. 4b) A única possibilidade
de se colocar o enfermo em frente a Jesus era numa operação arriscada
de fazê-lo chegar sobre o telhado, e depois, descê-lo por cordas até o
chão. Era um trabalho tão perigoso que qualquer um teria desistido antes
mesmo de começar. Mas, aqueles obstinados amigos do paralítico, não
descansaram enquanto não o viram diante do mestre. Porventura seriamos
capazes de enfrentar tamanhos obstáculos em favor daqueles que precisam
de Deus? Cristo foi até as últimas conseqüências pelos seus, ou seja: “...
amou-os até o fim” (Jo 13.1b).

II – AS PRIORIDADES DE JESUS PARA


O MILAGRE - VV. 5,11
Este milagre demonstra claramente as prioridades de Jesus para com
o doente pecador. Ainda que não seja algo que tenha acontecido em todos
os milagres, a ordem destes acontecimentos nos chama atenção. Vejamos:

1. A observância da fé - “E Jesus, vendo-lhes a fé...” (v. 5a) O texto


não menciona nenhuma atitude de fé do paralítico, embora faça menção
da fé dos seus amigos. Através das Escrituras, aprendemos que existem
três condições com relação à fé para que a cura possa ser efetuada: A fé
do doente (Lc 8.48); a fé de outros em prol do doente (Mc 2.5); a fé do
que tem o dom de curar (1 Co 12.9). De uma forma ou de outra, a fé é
algo indispensável para a ocorrência do milagre. Os amigos anônimos do
paralítico, além do amor, deram também uma grande demonstração de
fé, que não passou despercebida por Jesus.

2. A restauração da saúde espiritual - “Filho, perdoados estão os


teus pecados” (v. 5b) A principal preocupação de Jesus é com a saúde
Crescimento Bíblico - 31
espiritual do homem. Mesmo que Cristo tenha levado na cruz as nossas
dores e as nossas enfermidades, a cura física é apenas uma extensão da
obra redentora que Ele realizou. O milagre trouxe benefícios instantâneos
e que certamente perduraram até a morte daquele homem; porém, a
salvação trouxe-lhe benefícios eternos. Nenhuma conquista nesta terra,
por maior que fosse, poderia lhe proporcionar uma alegria maior.

3. A restauração da saúde física - “A ti te digo: Levanta-te, e toma


o teu leito, e vai para a tua casa” (v. 11) Depois de perdoado e salvo,
aquele homem estava apto a receber a cura para o corpo, pois o maior
problema já havia sido solucionado. Agora, Jesus restabelece a sua perfeita
condição física, fazendo com que todos os músculos, ossos e nervos
recuperem a sua capacidade funcional normal. O texto não menciona se
o paralítico havia nascido naquela situação ou adquirido à enfermidade
ao longo dos anos, o fato é que Cristo devolveu àquele homem a sua
auto-estima e a alegria que o problema físico lhe tirara.

III – O RESULTADO DO MILAGRE - V. 12


Um milagre é algo extraordinário que nem sempre pode ser explicado
pelas leis da natureza. Por isso, produz resultados tão maravilhosos. Vejamos:

1. O homem andou, segundo as palavras de Jesus - “E levantou-


se e, tomando logo o leito, saiu em presença de todos” (v. 12a) Ante a
ordem de Jesus, o até então paralítico, que havia chegado naquele lugar
carregado por quatro pessoas, se levanta totalmente restabelecido e sai
na presença de todos. Não se tratou de um passe de mágica, ou de um
truque de ilusionismo, mas sim, de uma manifestação sobrenatural do
poder de Deus. De agora em diante, aquele homem era uma testemunha
em potencial do que Deus fizera na sua vida, e por onde quer que passasse,
ele faria com que o nome de Jesus fosse lembrado e louvado.

2. O deslumbramento tomou conta de todos - “... de sorte que


todos se admiraram...” (v. 12b) Ao presenciar um acontecimento tão
maravilhoso, a multidão, que outrora dificultara a entrada do paralítico,
estava agora extasiada. Possivelmente, aquele homem era conhecido pelo
seu infortúnio naquela redondeza. Agora, lá estava ele, plenamente
restabelecido. Embora os milagres fossem rotina na vida dos discípulos,
com certeza não faziam parte do dia-a-dia daquela comunidade. Todos
viram que algo sobrenatural havia acontecido, e se maravilharam.

3. Deus foi glorificado - “... e glorificaram a Deus dizendo: Nunca


tal vimos” (v. 12c) Todo milagre deve resultar em glória ao nome do
Crescimento Bíblico - 32
Senhor. As bênçãos que recebemos da parte de Deus não servem ao
propósito de nos exaltar. Não as recebemos porque nós somos bons, ou
porque fomos tidos por merecedores, mas, para que o nome de Jesus seja
glorificado em nossas vidas. Por isso, jamais podemos deixar de anunciar
aos quatro ventos tudo aquilo que Cristo tem feito em nosso favor. Desta
forma, Deus será exaltado em nosso meio.

CONCLUSÃO

O milagre em Cafarnaum nos trouxe muitos ensinamentos. Dentre


outras coisas, aprendemos que nunca devemos desistir de buscar uma
bênção, ainda que tudo e todos estejam contra nós. Vimos que a fé é
indispensável para que o milagre aconteça, e aprendemos também que o
resultado tem que ser de glória ao nome do Senhor. Portanto, “bendize,
ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga ao seu
santo nome” (Sl 103.1).

Para reflexão:
• Você entendeu que existe em nós problema maior que a paralisia do corpo?
• Você se acha um paralítico porque não ora, não prega, não trabalha na
obra de Deus?
• Você quer a “cura” hoje? Então peça agora ao Senhor.

Questionário para avaliação e debate:


1. Veja a lição e diga quantos obstáculos o paralítico teve de transpor
para obter o milagre.
2. Quanto a frase: “E Jesus, vendo-lhes a fé”, pode ser aplicado na sua vida?
3. Por que Jesus mandou que o paralítico levasse o próprio leito?

Grandes coisas fez o SENHOR


por nós, e, por isso, estamos
alegres (Salmo 126.3)
MILAGRE NA GALILÉIA
Versículo Chave
Ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão,
e tocou na sua vestimenta. Porque dizia: Se tão-somente
tocar nas suas vestes, sararei
(Marcos 5.27,28).

Lição 07 - 14 de novembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda - (Mateus 17.7) – Toque para dar ânimo
Terça – (Marcos 1.41) – Toque para curar
Quarta – (Lucas 6.19) – Toque para receber virtude
Quinta – (Lucas 7.14) – Toque para dar vida
Sexta – (João 20.27) – Toque para tirar dúvida
Sábado – (Marcos 5.21-34) – Toque de fé

SUGESTÃO DE HINOS - 004 - 261 - 360 (Harpa Cristã)

MARCOS 5.21-34
21 - E, passando Jesus outra vez num barco para o outro lado, ajuntou-
se a ele uma grande multidão; e ele estava junto do mar.
22 - E eis que chegou um dos principais da sinagoga, por nome Jairo,
e, vendo-o, prostrou-se aos seus pés
23 - e rogava-lhe muito, dizendo: Minha filha está moribunda; rogo-te
Crescimento Bíblico - 34
que venhas e lhe imponhas as mãos para que sare e viva.
24 - E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava.
25 - E certa mulher, que havia doze anos tinha um fluxo de sangue,
26 - e que havia padecido muito com muitos médicos, e despendido
tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior,
27 - ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou
na sua vestimenta.
28 - Porque dizia: Se tão-somente tocar nas suas vestes, sararei.
29 - E logo se lhe secou a fonte do seu sangue, e sentiu no seu corpo
estar já curada daquele mal.
30 - E logo Jesus, conhecendo que a virtude de si mesmo saíra, voltou-
se para a multidão e disse: Quem tocou nas minhas vestes?
31 - E disseram-lhe os seus discípulos: Vês que a multidão te aperta, e
dizes: Quem me tocou?
32 - E ele olhava em redor, para ver a que isso fizera.
33 - Então, a mulher, que sabia o que lhe tinha acontecido, temendo e
tremendo, aproximou-se, e prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade.
34 - E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai em paz e sê curada
deste teu mal.

INTRODUÇÃO

O s Evangelhos relatam inúmeros milagres feitos por Jesus. As


notícias desses milagres espalhavam-se rapidamente e grande
era a multidão que se aglomerava ao seu redor. Cristo interessava-
se pelas necessidades das pessoas, não negava Sua compaixão e
misericórdia, antes lhes dispensava uma atenção especial. Na narrativa
deste milagre vemos Jesus ministrando na vida de uma mulher. Uma vez
mais, Jesus se revela como doador de graça, cura e salvação.

I – UMA MULHER SEM ESPERANÇA (VV 25, 26).


O texto nos fala de uma mulher que há doze anos estava doente e
cercada por um grande sofrimento. Sofria por ser mulher, que naquela
sociedade era alvo de muitos preconceitos; sofria pelo tratamento da
doença em si e sofria ainda pela solidão que essa doença lhe imputava.
Ela provavelmente vivia sozinha, porque caso fosse casada, esta
enfermidade era motivo para o divórcio. O retrato desta mulher era da
mais pura desesperança.

1. Que é afligida por muito sofrimento – “... havia doze anos tinha
um fluxo de sangue” (v. 25) Essa mulher era afligida por uma hemorragia
Crescimento Bíblico - 35
crônica, provavelmente em decorrência de alterações menstruais. Sua
menstruação ocorria quase sem intervalos, o que a deixava fraca e cada
vez pior. Por determinação da Lei, ela era forçada a isolar-se das demais
pessoas, o que aumentava sua angústia. O fluxo de sangue a tornava
cerimonialmente impura, proibindo-a de tocar coisa ou pessoa (Lv
15.25,26). Sua enfermidade a limitava de tal forma, que ela não podia
exercer nenhum tipo de trabalho.

2. Que padece nas mãos dos médicos – “e que havia padecido


muito com muitos médicos...” (v. 25a) Além do desgaste físico
provocado pela enfermidade, havia ainda o desgaste emocional que a
debilitava cada vez mais. Em nenhum momento ela havia ignorado a
sua enfermidade. Já havia estado diante de todos os médicos de que
tivera notícia. E, a cada nova consulta, a velha prescrição: um tratamento
à base de ervas cruas de sabor extremamente amargo e que produzia
muitos efeitos colaterais. Ao final de cada tratamento a mesma decepção:
nada de cura, o problema persistia.

3. Que gasta tudo o que tem em busca de cura – “... e despendido


tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior” (v.
26b) O texto não deixa claro se a mulher tinha muito ou pouco recurso
financeiro, o fato é que sendo muito ou pouco, ela tinha gastado tudo. Se
ao menos ‘em troca’ ela ficasse curada, seria um investimento na sua
saúde, mas não, em nada melhorava “... antes indo a pior”. Agora, chega
um ponto onde a sua esperança se esvai. Nenhum médico havia sido
capaz de curá-la; todos os seus recursos financeiros se esgotaram e a
enfermidade progredia cada vez mais.

II – UMA MULHER QUE ENXERGA


A ESPERANÇA (VV. 27,28)
Exausta e incrédula devido a tantas tentativas frustradas, a mulher está
quase a sucumbir. Agora, só lhe resta esperar a morte. Ela tentou tudo que
podia ser tentado, tudo que estava a seu alcance. Em meio ao seu desespero,
ouve falar de um homem que realiza muitos milagres. Ainda há esperança.

1. Ela recebe uma boa notícia – “ouvindo falar de Jesus...” (v.


27a) Jesus já tinha operado muitos milagres e sua fama corria por toda à
parte. Provavelmente, na multidão que O seguia, havia muitos enfermos,
pois “... todos quantos tinham algum mal se arrojavam sobre ele,
para lhe tocarem” (Mc 3.10). Ao ouvir que Jesus estaria ali, seu coração
cansado se encheu de expectativa. Ela percebeu que nem tudo está perdido.
Mesmo com sua doença se agravando a cada dia, tinha plena convicção
Crescimento Bíblico - 36
de que aquele homem poderia curá-la.

2. Ela enfrenta os obstáculos – “... veio por detrás, entre a multidão,


e tocou na sua vestimenta”.(v. 27b) A única forma de se encontrar com
Jesus era saindo de casa e se infiltrando na multidão. Agindo dessa forma,
estaria desobedecendo a Lei. Ela tinha que se manter afastada das pessoas,
e na multidão era impossível manter-se sem ‘tocar’ em ninguém. O texto
não fala, mas talvez alguém a tenha reconhecido e recriminado sua atitude
ousada de caminhar entre as “pessoas limpas”. Ela, porém estava decidida.
Nenhum obstáculo (restrições legais, preconceito, medo) a impediria de
ir até Jesus. Ela foi “... por detrás”, afinal era impura, e fez o que lhe era
terminantemente proibido: Tocou nas vestes de Jesus.

3. Ela exercita sua fé – “Porque dizia: se tão somente tocar nas


suas vestes, sararei”. (v. 28) Vemos claramente no texto a ênfase na fé
daquela mulher. Ela não tinha dúvidas de que se tocasse em Jesus ficaria
curada e repetia isso para ela mesma: “Basta que eu O toque”. Não
havia necessidade de que Cristo perdesse tempo com ela. Ele não precisaria
nem mesmo tomar conhecimento do seu infortúnio. E, guiada por sua fé,
rompeu por entre a multidão até tocar na orla do manto de Jesus.

III – UMA MULHER QUE SE ENCONTRA COM AQUELE


QUE É A ESPERANÇA - (VV 29, 33, 34)

No decorrer desses doze anos, essa mulher deve ter ouvido falar de
muitos médicos famosos e provavelmente tenha sido consultada por todos
eles, sem que tenha sido curada. No entanto, sua sorte mudou. Agora ela
se encontra com o médico dos médicos, que pode todas as coisas e que
em fim lhe dará a tão esperada cura e também a salvação.

1. É curada por Jesus – “E logo se lhe secou a fonte do seu sangue,


e sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal”. (v. 29) Ao depositar
sua fé em Jesus, imediatamente o milagre aconteceu. O sofrimento que há
doze anos castigava sua vida já não existia mais. Depois do toque em Jesus
ela teve a certeza de que estava curada. A sensação de bem estar era absoluta.
Jesus, o médico dos médicos, fez a obra por completo. A cura foi imediata
e total, e a mulher foi definitivamente liberta daquele flagelo.

2. É percebida por Jesus – “E ele olhava em redor, para ver a que


isso fizera”. (v. 32) Inúmeros doentes buscavam tocar em Jesus a fim de
serem curados. Lc 6.19 diz: “E toda a multidão procurava tocar-lhe,
porque saía dele virtude que curava a todos”. Essa não era uma situação
nova para Jesus. Ele devia estar acostumado em dispensar Sua virtude
Crescimento Bíblico - 37
aos necessitados. Mas aqui, Cristo faz questão de “... ver a que isso
fizera” (mesmo diante da urgência de Jairo). O interesse de Jesus por
essa mulher é significativo para ela. Por muitos anos ela recebeu apenas
desprezo, e agora, o filho de Deus quer conhecê-la, quer ouvir a sua
história. Pra Jesus ela é muito importante, uma mulher de valor.

3. É salva por Jesus – “E ele lhe disse: filha, a tua fé te salvou...”


(v. 34) O encontro da mulher com Jesus, muda por completo sua vida.
Cristo transforma a sua tristeza em profundo regozijo. Para quem sofria
de uma doença incurável, a cura já era por si só, motivo de muita alegria.
Mas, além da cura do corpo, foi chamada de filha e ainda recebeu a
salvação da sua alma. Tudo isso significou para aquela mulher bênção e
misericórdia sem medida.
A pergunta de Jesus “quem me tocou” tinha um objetivo: o de trazer
a mulher à sua frente e pronunciar-lhe essas carinhosas palavras: “Filha,
a tua fé te salvou; vai em paz e sê curada deste teu mal” (v. 34).

CONCLUSÃO

São muitos os preceitos transmitidos por meio do milagre operado na


vida desta mulher. Ele nos instrui a termos esperança diante do impossível
e nos motiva a depositarmos nossa confiança em Deus, pois Ele “é o
Deus que realiza milagres; e mostra o seu poder entre os povos” (Sl
77.14). Aprendemos ainda que devemos ir até o Senhor, e aos seus pés
contarmos nossa história, e assim d’Ele recebermos o milagre. Deus é
nossa esperança, d’Ele provém a nossa cura e também a nossa salvação.

Para reflexão:
• A sua situação está indo de mal a pior?
• Você percebeu que se não for a Jesus hoje, seu flagelo pode ser fatal?
• Quer tocar em Jesus agora? Então faça-o pela fé.

Questionário para avaliação e debate:


1. De acordo com Lv 15, o que é um fluxo e qual é o seu significado espiritual?
2. Por que a mulher veio pela retaguarda, e tocou apenas nas vestes e não
em Jesus?
3. Explique as palavras de Jesus: “Filha, a tua fé te salvou”, ao invés de
“a tua fé te curou”.

Com a sua voz troveja Deus maravilhosamente; faz


grandes coisas que nós não compreendemos (Jó 37.5)
MILAGRE EM GENESARÉ
Versículo Chave
E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo
trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas,
porque mandas, lançarei a rede
(Lucas 5.5).

Lição 08 - 21 de novembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Salmos 16.11) – Alegria abundante
Terça – (Salmo 72.7) – Paz abundante
Quarta – (João 10.10) – Vida abundante
Quinta – (Romanos 5.15) – Graça abundante
Sexta – (2 Coríntios 9.6) – Colheita abundante
Sábado – (Lucas 5.1-11) – Pesca abundante

SUGESTÃO DE HINOS - 033 - 515 - 578 (Harpa Cristã)

LUCAS 5.1-11
1 - E aconteceu que, apertando-o a multidão para ouvir a palavra de
Deus, estava ele junto ao lago de Genesaré.
2 - E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores,
havendo descido deles, estavam lavando as redes.
3 - E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o
afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão.
Crescimento Bíblico - 39
4 - E, quando acabou de falar, disse a Simão: faze-te ao mar alto, e
lançai as vossas redes para pescar.
5 - E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda
a noite, nada apanhamos; mas, porque mandas, lançarei a rede.
6 - E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e
rompia-se-lhes a rede.
7 - E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco,
para que os fossem ajudar. E foram e encheram ambos os barcos, de
maneira tal que quase iam a pique.
8 - E, vendo isso Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo:
Senhor, ausenta-te de mim, por que sou um homem pecador.
9 - Pois que o espanto se apoderara dele e de todos os que com ele
estavam, por causa da pesca que haviam feito,
10 - e, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu,
que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas; de
agora em diante, serás pescador de homens.
11 - E, levando os barcos para terra, deixaram tudo e o seguiram.

INTRODUÇÃO

O milagre em Genesaré, conhecido como “A Pesca Maravilhosa”,


não é uma resposta ao pedido de alguém como é na maioria das
vezes (Mc 7.24-26; Jo 4.46,47), e sim, a expressão do desejo de
Cristo tal qual em outros casos (Lc 7.11-17; 13.10-13). Contudo, em se
tratando dos mistérios implícitos em um milagre, em nada esse difere.
Independente das súplicas do homem, todo milagre está vinculado ao
desejo de Deus; para por meio deles confirmar o seu Reino entre os
homens. Analisemos alguns segredos da existência do milagre:

I - O MILAGRE E OS DETALHES QUE O


JUSTIFICA - (VV 1-3a)
Todo milagre é acompanhado de detalhes que o justifica, mesmo
que os responsáveis por isto não sejam os principais beneficiados.
Embora o seu surgimento se confirme nas limitações do homem, a atitude
deste é que justifica a realização.

1. Ele advém quando a palavra é valorizada - Um fator relevante


que se observa, é que a multidão estava reunida para ouvir a Palavra de
Deus (v 1). Aquele procedimento foi incondicional, pois a prioridade não
se relacionava ao que iria acontecer, mas ao que Deus ia falar. Ao contrário,
muitos vem se reunindo para buscarem milagres, sem se preocuparem
Crescimento Bíblico - 40
com o que Deus tem a falar.
Mesmo sendo mínima a probabilidade dos milagres, onde não há fé, o
ensino da Palavra não pode parar (Mc 6.5,6), pois o milagre é passageiro,
porém a Palavra é eterna. Desta forma, se você deseja presenciar o mover
de Deus no meio da igreja, valorize a Palavra de Deus em sua vida.

2. Ele advém quando os recursos humanos falham - O texto nos


mostra que a pesca tinha tudo para ser bem sucedida, barcos, pescadores
experimentados e redes (v 2); mas no decorrer da noite, tudo isso falhou
(v 5). Então, ao descerem dos barcos e lavarem suas redes, nota-se que já
não havia mais esperanças naquela pesca.
Por não observarem que a justificativa para o milagre consiste na
inutilidade dos recursos humanos, muitos têm clamado por milagres sem
que deles precisem. Portanto, ao esperar por um milagre, jamais se esqueça
que enquanto o homem confiar em seus recursos, ele terá dificuldades
em reconhecer a superioridade de Deus (Êx 7.8-13).

3. Ele advém quando a presença de Cristo é permitida - Sem a


presença de Cristo no barco não haveria justificativa para o milagre; e
como o barco pertencia a Pedro, a este cabia a decisão de admitir ou não
a entrada de Cristo. Se a decisão de Pedro fosse negativa, ele se tornaria
no próprio empecilho para a realização do milagre, mas como permitiu,
Cristo tomou as diretrizes (v 3).
Independente da escala social, os que temem o ofuscar da reputação,
são os que buscam o milagre, sem permitir a entrada de Cristo em suas
vidas; desta forma, Ele jamais entrará em suas casas (Ap 3.20). Porém,
mesmo não sabendo o que há de ocorrer, ao permitir a presença de Cristo,
isto incorrerá em uma justificativa para o milagre.

II - O MILAGRE E A IMPORTÂNCIA DA
OBEDIÊNCIA - (VV 3b-6)

Para que o milagre seja manifesto é necessário que haja uma ligação
entre Deus e o homem. Além da certeza de que Cristo providenciou esta
ligação, por estar conosco nos momentos críticos, temos a convicção
que ao obedecê-Lo, o milagre advirá.

1. Ele advém se nos colocarmos a serviço do Reino - Por estar


sensível quanto ao que lhe fora designado, ao afastar um pouco da terra,
Pedro se colocou no canal que liga Cristo com a multidão, a obra de
Deus (v 3). Porém hoje, quando o clamor por milagres se tornou constante,
associado a isso, encontra-se a rejeição à obediência; pois obedecer a
Cristo, consiste em compromisso na sua obra.
Crescimento Bíblico - 41
O Reino de Deus é realizado por meio de milagres, através do canal
que interliga Cristo com os homens. Portanto, ao se colocar a serviço
deste Reino, adentrando-se a esse canal, o milagre será para a tua vida o
acréscimo que foi prometido (Mt 6.31-33).

2. Ele advém se nos dirigirmos ao mar alto - Conduzir o barco ao


mar alto, é um procedimento arriscado, porém necessário. Diante de tal
ordem (v 4), além da certeza de não estar sozinho, Pedro estava perante
um trajeto que fazia parte do plano de Cristo, devido a isto, decidiu
obedecer-Lhe. Com esse episódio, entendemos que o mar alto são as
provações estabelecidas por Cristo.
Mesmo que você seja pressionado a desistir (At 21.10-13), não se
recuse a passar pelo “mar alto”. Porquanto, ao enfrentar as tribulações
na certeza de que Cristo está no barco, você terá uma razão para
prosseguir, pois: “...a tribulação produz a paciência; e a paciência, a
experiência; e a experiência, a esperança” (Rm 5.3b, 4).

3. Ele advém se nos dispormos a lançar as redes - Na ocasião em


que nada parecia propício, Cristo então ordenou: “...lançai as vossas
redes para pescar” (v 4b). Mesmo com a situação nada animadora, Pedro
não retrocedeu; então, no momento em que a fé e a obediência se
encontram, o milagre se reluziu de tal forma, que até mesmo as redes se
rompiam com a quantidade de peixes (v 5).
Para vermos o milagre, a fé e a obediência são indispensáveis (Jo
11.39,40); mas o medo de não dar certo e de serem vistos como indignos
da graça de Deus, faz com que muitos recuem quando deviam prosseguir.
Portanto, por mais difícil que pareça, seja obediente quanto ao lançar as
redes, para comprovar a tua fé por menor que ela seja.

III - O MILAGRE E SEUS OBJETIVOS - (VV 7-11)


O milagre consiste em uma ferramenta a serviço do Reino de Deus.
Portanto, analisemos então a finalidade de sua efetivação.

1. Ele advém para que o seu efeito seja coletivo - A quantidade de


peixes era tão grande, que até mesmo outros se beneficiaram (v 7). Por
mais pessoal que seja o milagre, ele sempre terá um efeito coletivo, porém,
vivendo em meio ao individualismo, o egoísta sempre busca o milagre
para gastá-lo em seus prazeres. Por esta razão, muitos têm se distanciado
ainda mais do mover divino (Tg 4.3).
O milagre não está condicionado a caprichos deste mundo, mas aos
princípios ensinados por Cristo: “... de graça recebestes, de graça dai”
(Mt 10.8). Portanto, quanto ao efeito coletivo do milagre, é que em
Crescimento Bíblico - 42
beneficiando a outros, eles receberão a chance de apresentarem um
testemunho autêntico do que Deus fez e ainda pode fazer.

2. Ele advém para que Cristo seja glorificado - Quando Pedro prostrou-
se aos pés de Jesus, além de prestar reconhecimento ao verdadeiro autor do
milagre, ele não se considerou merecedor de tamanha graça (v 8). Para a
satisfação do ego, muitos têm roubado as glórias que seriam de Cristo; porém,
o desvanecimento dos tais é explicado em Ezequiel 17.24. Portanto, como
atribuir o milagre ao homem? Isto consiste em ofensa ao Senhor.

3. Ele advém para que a salvação seja alcançada - Como a salvação


é o maior dos milagres, todos os demais giram em torno dela, pois os que
precisam vê-los, são os que ainda não tem o olhar espiritual (Jo 11.41-
45). Por meio desse efeito, o milagre levou Pedro a se confessar como
um pecador para a sua própria salvação (I Jo 1.9).
Como já ficou entendido que os milagres estão a serviço do Reino de
Deus (vv 8, 10,11), negue-se a buscá-los com objetivos alheios aos
propósitos divinos. Mas se você já recebeu a salvação, seja um militante
do que O Senhor delegou: “...de agora em diante, serás pescador de
homens”. Agindo assim, você não precisará correr atrás dos milagres,
pois conforme Cristo prometeu, eles te seguirão (Mc 16.15-18).

CONCLUSÃO
Analisando esta passagem, vimos que por trás de um milagre encontra-
se o desejo de Deus em nos alcançar com o seu Reino. No entanto, se não
procuramos compreender a situação em que nos encontramos, nem
tomarmos um posicionamento, mesmo que o milagre seja um desejo de
Deus, não teremos resultados para salvação.
É claro que enquanto estivermos aqui, especulações concernentes a
milagres existirão. O que não devemos permitir, é que a nossa fé seja abalada
por procedimentos alheios à verdade divina, pois conforme lemos em
Hebreus 13.8: “Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente”.

Para reflexão:
• Você realmente precisa dos milagres que tens buscado?
• Você tem se disponibilizado a dirigir-se ao “mar alto”?
• Você tem confirmado a tua fé por meio da obediência?

Questionário para avaliação e debate:


1. O que faltava no barco dos discípulos que os impedia de fazer grande pesca?
2. O que significa, de acordo com a lição, a expressão “mar alto”?
3. Comente a expressão: “De agora em diante, serás pescador de homens”.
MILAGRE NO TIBERÍADES
Versículo Chave
E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu-os
pelos discípulos, e os discípulos, pelos que estavam
assentados; e igualmente também os peixes,
quanto eles queriam
(João 6.11).

Lição 09 - 28 de novembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Salmo 37.25) – O Senhor alimenta o justo
Terça – (Salmo 40.17) – O Senhor alimenta o pobre
Quarta – (Salmo 104.21) – O Senhor alimenta os leõezinhos
Quinta – (Joel 1.20) – O Senhor alimenta todos os animais
Sexta – (Mateus 6.26) – O Senhor alimenta as aves
Sábado – (João 6.1-15) – O Senhor alimenta multidões

SUGESTÃO DE HINOS - 126 - 328 - 564 (Harpa Cristã)

JOÃO 6.1-15
1 - Depois disso, partiu Jesus para o outro lado do mar da Galiléia,
que é o de Tiberíades.
2 - E grande multidão o seguia, porque via os sinais que operava sobre
os enfermos.
3 - E Jesus subiu ao monte e assentou-se ali com os seus discípulos.
Crescimento Bíblico - 44
4 - E a Páscoa, a festa dos judeus, estava próxima.
5 - Então, Jesus, levantando os olhos e vendo que uma grande multidão
vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pão, para estes comerem?
6 - Mas dizia isso para o experimentar; porque ele bem sabia o que
havia de fazer.
7 - Filipe respondeu-lhe: Duzentos dinheiros de pão não lhes bastarão,
para que cada um deles tome um pouco.
8 - E um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe:
9 - Está aqui um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos;
mas que é isso para tantos?
10 - E disse Jesus: Mandai assentar os homens. E havia muita relva naquele
lugar. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil.
11 - E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu-os pelos
discípulos, e os discípulos, pelos que estavam assentados; e igualmente
também os peixes, quanto eles queriam.
12 - E, quando estavam saciados, disse aos seus discípulos: Recolhei
os pedaços que sobejaram, para que nada se perca.
13 - Recolheram-nos, pois, e encheram doze cestos de pedaços dos
cinco pães de cevada, que sobejaram aos que haviam comido.
14 - Vendo, pois, aqueles homens o milagre que Jesus tinha feito,
diziam: Este é, verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo.
15 - Sabendo, pois, Jesus que haviam de vir arrebatá-lo, para o fazerem
rei, tornou a retirar-se, ele só, para o monte.

INTRODUÇÃO

M uitos cristãos acreditam que não existe nenhuma participação


humana nos milagres realizados por Deus. Dentro desta visão,
o Senhor é sempre o agente ativo ao passo que o homem o agente
passivo. Todavia, tanto o milagre em Tiberíades como muitos outros
narrados nas escrituras demonstram que as coisas não são exatamente assim.
Nesta lição veremos que para a execução de muitos milagres exige-se a
colaboração não apenas de Deus, mas também do homem. Quando ambos
trabalham em parceria os resultados são extraordinários.

I – A COOPERAÇÃO HUMANA NO MILAGRE


“Ele, porém, respondendo, lhes disse: Dai-lhes vós de comer”
(Mc 6. 37a).
A viúva teve o azeite aumentado, porem cooperou com o milagre tomando
vasos emprestados (2 Reis 4.3-6). Naamã fora curado de lepra, contudo
participou do milagre mergulhando no rio Jordão sete vezes (2 Reis 5.14). O
Crescimento Bíblico - 45
Rei Ezequias foi curado de uma enfermidade mortal, mas cooperou com o
milagre aplicando pasta de figos sobre sua chaga (2 Reis 20.7). De acordo
com o texto o homem pode participar do milagre pelo menos de duas formas:
por meio da doação ou da distribuição. Vejamos cada um delas:

1. Através da doação “Está aqui um rapaz que tem cinco pães de


cevada e dois peixinhos; mas que é isso para tantos?” (v 9) No texto
em questão Jesus realizou o milagre a partir de algo existente. Os pães não
apareceram do nada, alguém os tinha e resolveu contribuir doando-os. Para
a execução de muitos milagres o homem deve cooperar entregando a Deus
aquilo que ele tem. Moisés entregou a vara, Deus transformou-a em cobra
(Êx 4.2-3). O rapaz do texto ofertou pães, Jesus multiplicou-os. Na prática
isto significa que eu e você podemos ser o ponto de partida para a operação
de milagres na vida de muitas pessoas. É vergonhoso nas igrejas, crentes
padecerem fome e necessidades. Se isto ocorre não é por falta de milagres,
mas por falta de cooperação. O milagre já existe. Há muitos que tem com
sobejo, mas não querem repartir como fez o moço encontrado por André.
Na igreja primitiva não havia necessitado algum entre eles porque os crentes
que possuíam herdades vendendo-as depositavam o preço aos pés dos
discípulos (At 4.34-35). Deus espera a nossa participação no milagre.
Sejamos voluntários em dar e veremos coisas surpreendentes acontecer.

2. Através da distribuição “repartiu-os pelos discípulos, e os


discípulos, pelos que estavam assentados” (v 11b) Se por ausência de
recursos não é possível contribuir, nem por isso estamos isentos de tomar
parte no milagre. Podemos cooperar como agentes distribuidores. Os
discípulos não possuíam pães para ofertarem. Quem os tinha era o rapaz
cujo nome não é mencionado. No entanto eles cooperaram na repartição
do que fora doado. Eles serviram toda a multidão. O trabalho deles foi
fundamental para saciar os famintos. Muitas vezes não dispomos dos
recursos, entretanto temos mãos e pés para administrar o que outros
ofertaram. Podemos não ter o cimento para a construção, mas podemos
distribuir o cimento na construção. Uns doam aquilo que possuem, outros
distribuem (no sentido de administrar, trabalhar, multiplicar) aquilo que
foi doado. Tanto um como o outro, são valiosos diante de Deus. Ninguém
é maior do que ninguém. Ambos receberão a mesma recompensa. Quem
tem deve dar o que tem, e quem não tem deve distribuir o que foi dado.

II – A COOPERAÇÃO DIVINA NO MILAGRE


“E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu-os pelos
discípulos” (Jo 6. 11).
Deus participa do milagre executando aquilo que o homem não pode
Crescimento Bíblico - 46
fazer. O homem pode emprestar um machado, mas não pode fazê-lo flutuar
(2 Reis 6.5-6). O homem pode doar pães, mas não pode multiplicá-los (Jo
6.9). O homem pode tirar a pedra do túmulo, mas não pode ordenar que o
morto ressuscite (Jo 11.39-44). Neste tópico veremos que Deus participa
do milagre seja por meio da organização ou da multiplicação. Vejamos.

1. Através da organização “E disse Jesus: Mandai assentar os


homens... Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco
mil” (v 10) Deus não realiza milagres em meio à bagunça. Havia naquele
lugar quase cinco mil homens, além de mulheres e crianças. Se Jesus
multiplicasse os pães sem que houvesse um ordenamento de pessoas, o
tumulto e a desordem seriam generalizados. Jesus fez com que se
assentassem em grupos de cem e de cinqüenta possibilitando uma
distribuição sem atropelos (Mc 6.39-40). Deus é o agente organizador
da vida humana. Do ponto de vista espiritual milagres ocorrerão em nossas
vidas se as mesmas estiverem organizadas em torno de Jesus.

2. Através da multiplicação “E os que comeram foram quase cinco


mil homens, além das mulheres e crianças” (Mt 14.21) Além de ser o
organizador da vida humana, Deus também é o agente multiplicador. Os
pães foram apresentados, Jesus os tomou, deu graças e os repartiu (v 11).
Então o milagre aconteceu. Milhares de pessoas alimentaram-se, fartando-
se. A quantidade era tamanha que recolheram doze cestos cheios de pedaços
de pães (v 13). Desde que existe terra, Deus nunca deixou de cumprir sua
parte. As chuvas continuam caindo, os ventos assoprando e a terra
produzindo colheitas abundantes em razão de leis naturais estabelecidas
por Deus. É difícil compreender como servos fieis conseguem sustentar
famílias inteiras com um salário mínimo. O gás parece não acabar, a farinha
parece multiplicar e o azeite parece não secar. Tudo isto só tem uma
explicação: o justo não fica desamparado e sua descendência não mendiga
o pão (Sl 37.25). Deus multiplica o pouco que temos a fim de nos saciar.

III- OS RESULTADOS DESTA COOPERAÇÃO


Quando o homem trabalha em cooperação com Deus os resultados
são visíveis. Duas coisas acontecem: o homem é abençoado ao passo que
Deus é glorificado. Senão vejamos:

1. O homem é abençoado “E, quando estavam saciados...” (v 12a)


Ao entregar seu lanche a Jesus o moço encontrado por André não apenas
recebeu de volta em abundância, visto que o texto nos diz que todos se
saciaram como também possibilitou que outros fossem abençoados.
Quando cooperamos com Deus o milagre terá não apenas um caráter
Crescimento Bíblico - 47
individual, mas coletivo. As bênçãos alcançarão a todos. Ao cooperar
abençoamos outros e por decorrência a nós mesmos. Se não cooperamos
não há motivos para alegrar-se. A verdadeira bênção e alegria estão no
compartilhar, no distribuir. Se eu retiver posso sorrir sozinho, mas darei ao
sorriso um tom acinzentado e à face uma expressão sem graça. Se eu
compartilhar alegrar-me-ei com outros dando um sabor agradável à vida
tanto minha como à alheia. Associar-se com Deus para a realização do milagre
trará ao homem mais do que possa dar, muito mais do possa contribuir.

2. Deus é glorificado “Vendo, pois, aqueles homens o milagre que


Jesus tinha feito, diziam: Este é, verdadeiramente, o profeta que
devia vir ao mundo” (v 14) O propósito final do milagre é exaltar a
Deus. Abençoar o homem é o meio, glorificar a Deus é um fim em si
mesmo. A multidão fartou-se de pão e Jesus foi reconhecido como o
messias que devia vir ao mundo. Não pode ser diferente. Não sou
abençoado para que meu nome seja elevado ou a fim de que eu tenha
status ou posição. Sou abençoado com a finalidade de que outros percebam
o Deus da minha vida e este Deus seja enaltecido. Ninguém deve valer-se
dos milagres de maneira escusa com fins à propagação de seu próprio
nome. Enquanto Jesus sendo rei retirou-se recusando a coroa real (v 15),
outros se assentam no trono como se reis fossem.

CONCLUSÃO
O milagre realizado por Deus em Tiberíades é um verdadeiro desafio às
nossas crenças. Deus anela que sejamos participantes na realização de muitos
milagres. Isto se dá por intermédio da oração intercessora, etc, ou como
vimos nesta lição mediante a contribuição e/ou distribuição. O milagre não
foi a multiplicação dos pães por si só. Se Jesus multiplicasse e não alimentasse
a multidão não haveria propósito. O maior milagre foi a partir de cinco pães
e dois peixinhos saciar a fome de mais de cinco mil homens alem de mulheres
e crianças. O garoto cooperou com a doação, e os discípulos com o serviço.

Para reflexão:
• O que você faria no lugar do moço citado no texto? Daria o seu lanche a Jesus?
• Você coopera na realização do milagre pela contribuição ou pela distribuição?
• Os milagres realizados em sua vida têm glorificado a Deus?

Questionário para avaliação e debate:


1. Diga, porque a maioria dos milagres começou a partir de algo que
apresentaram a Jesus?
2. Comente o senso de organização de Jesus: “Mandou assentar os homens”.
3. Você acha que os milagres podem levar alguém a salvação? Justifique.
MILAGRE NO TANQUE
DE SILOÉ
Versículo Chave
E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa
o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo
(João 9.7).

Lição 10 - 05 de dezembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Mateus 15.14) – Visão doentia
Terça – (Marcos 8.22-25) – Visão distinta
Quarta – (Marcos 10.46-52) – Visão do discípulo
Quinta – (Atos 10.1-19) – Visão evangelística
Sexta – (Atos 16.9,10) – Visão missionária
Sábado – (João 9.1-16) – Visão salvadora

SUGESTÃO DE HINOS - 015 - 116 - 476 (Harpa Cristã)

JOÃO 9.1-16

1 - E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença.


2 - E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou,
este ou seus pais, para que nascesse cego?
3 - Jesus respondeu: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi assim para
que se manifestem nele as obras de Deus.
Crescimento Bíblico - 49
4 - Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é
dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.
5 - Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo.
6 - Tendo dito isso, cuspiu na terra, e, com a saliva, fez lodo, e untou
com o lodo os olhos do cego.
7 - E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado).
Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo.
8 - Então, os vizinhos e aqueles que dantes tinham visto que era cego
diziam: Não é este aquele que estava assentado e mendigava?
9 - Uns diziam: É este. E outros: Parece-se com ele. Ele dizia: Sou eu.
10 - Diziam-lhe, pois: Como se te abriram os olhos?
11 - Ele respondeu e disse-lhes: O homem chamado Jesus fez lodo, e
untou-me os olhos, e disse-me: Vai ao tanque de Siloé e lava-te. Então,
fui, e lavei-me, e vi.
12 - Disseram-lhe, pois: Onde está ele? Respondeu: Não sei.
13 - Levaram, pois, aos fariseus o que dantes era cego.
14 - E era sábado quando Jesus fez o lodo e lhe abriu os olhos.
15 - Tornaram, pois, também os fariseus a perguntar-lhe como vira, e
ele lhes disse: Pôs-me lodo sobre os olhos, lavei-me e vejo.
16 - Então, alguns dos fariseus diziam: Este homem não é de Deus,
pois não guarda o sábado. Diziam outros: Como pode um homem pecador
fazer tais sinais? E havia dissensão entre eles.

INTRODUÇÃO

A penas o Evangelho de João narra este milagre, diferindo dos


outros evangelhos. O evangelista o escolheu, dentre os muitos
que Jesus operou, porque se encaixa muito bem no propósito geral
do seu evangelho, que é o de revelar Jesus como o Filho de Deus, o
Cristo, o Messias prometido.

I – COMPOSIÇÃO DO MILAGRE – (VV 1-5)

Temos aqui um dos milagres mais tocantes dos registrados nos


evangelhos, pois seu grande destaque é a questão da religião formal e
morta; a cegueira física apontando para a espiritual. Destaca a
necessidade de ver, conhecer e adorar o Filho de Deus.

1. O objeto do milagre – “E, passando Jesus, viu um homem


cego de nascença” (v 1) O homem era cego de nascença, portanto,
não poderia ver Jesus, mesmo que o quisesse. Não tinha o privilégio
que muitos têm, apesar de não quererem vê-lo. A nossa cegueira
Crescimento Bíblico - 50
espiritual pode nos impedir de ver o Senhor na hora que mais
precisamos dele. Quando mais necessitamos de um milagre em nossas
vidas, tudo que conseguimos enxergar é a escuridão dos nossos
fracassos. No entanto, o texto trás luz à nossa esperança: “Jesus, viu
um homem cego”. Deus sempre deu o primeiro passo em socorro do
homem. De fato, nós o amamos, porque Ele nos amou primeiro (1 Jo
4.19), e morreu por nós sendo nós ainda seus inimigos (Rm 5.10).

2. O obstáculo do milagre – “E os seus discípulos lhe


perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para
que nascesse cego?” (v 2) – Como alguém já disse: “A religião é o
ópio do povo”. Certamente o cristianismo é mais que religião. É
ressurreição e vida abundante. Mas a religião formal, cega e morta,
só trás prejuízos para quem nela se enlaça.
O texto mostra os discípulos desenterrando os velhos preconceitos
religiosos, ao supor que a cegueira daquele homem tinha como causa
básica o pecado. O legalista sempre acha que o milagre divino está
condicionado ao merecimento humano. Jesus vê o cego, o religioso
formalista vê o pecado do cego. Jesus vê a possibilidade de cura, o
preconceituoso vê a necessidade de condenação. Jesus vê o momento
de distribuir graça, o radical vê o entrave da Lei (v 16).

3. O motivo do milagre – “Jesus respondeu: Nem ele pecou,


nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras
de Deus” (v 3) O motivo mais nobre dos milagres operados por Deus,
nada tem a ver com o merecimento de quem recebe. Jesus expôs com
clareza o motivo que o levou a curar o cego: “para que se manifestem
nele as obras de Deus”. Quando fores a Ele, amigo, leva tua miséria
e não a tua suficiência. Peça a Ele a cura e não diagnósticos.

II – ENSINOS IMPORTANTES EXTRAÍDOS


DO MILAGRE – (VV 6-10)
1. Deus tem maneiras diversas de agir – “Tendo dito isso, cuspiu
na terra, e, com a saliva, fez lodo, e untou com o lodo os olhos do
cego” (v 6) Se estamos esperando de Deus algum milagre, não
podemos ditar normas. Ele tem as melhores maneiras de agir. Algumas
vezes poderá parecer estranho, mas os resultados serão satisfatórios.
O Senhor realizou em Namã um milagre bastante inusitado, curando-o
da lepra. Mandou que mergulhasse sete vezes nas águas do Jordão (2 Rs
5.1-14); Ao homem surdo que falava com dificuldade: “pôs-lhe os dedos
nos ouvidos e, cuspindo, tocou-lhe na língua” (Mc 7.33). E o que se
poderia dizer da maneira estranha como Jesus curou o cego de nascença?
Crescimento Bíblico - 51
2. Os milagres estão condicionados a fé e a obediência – “E
disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado).
Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo” (v 7) Já temos mencionado
esta verdade nas lições anteriores: Deus atua quando colocamos a
nossa fé em ação. A Moisés foi dito: “Dize aos filhos de Israel que
marchem” (Êx 14.15), estando um mar fechado diante deles.
“A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova
das coisas que se não vêem” (Hb 11.1). Desta forma, Moisés, “pela
fé, deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme,
como vendo o invisível” (Hb 11.27).

3. Quando Deus opera milagres, acontecem mudanças radicais


– “Então, os vizinhos e aqueles que dantes tinham visto que era
cego diziam: Não é este aquele que estava assentado e mendigava?
Uns diziam: É este. E outros: Parece-se com ele. Ele dizia: Sou
eu” (vv 8,9) Todos estavam confusos, pois olhavam para aquele que
antes jazia em trevas pedindo esmolas, porém, agora uma outra
criatura. Se parece com ele no aspecto, mas é um outro homem. “Que
mudança Jesus fez em mim, vindo ele ao meu coração”.

III - BENEFÍCIOS DO MILAGRE


Nenhum milagre deve ser atribuído a Deus, se não apresentar
evidência de resultados benéficos para o contemplado e para outras
pessoas que venham a ouvir seu testemunho. Deste que estamos
estudando nesta lição podemos destacar pelo menos três benefícios:

1. Ele conseguiu a solução instantânea de um problema que o


acompanhava desde o seu nascimento – “lavou-se, e voltou vendo”
A solução de Deus é imediata. O coxo sai andando, o cego vê
imediatamente, o mudo abre a sua boca e louva ao Senhor.
Talvez o seu problema seja tão antigo, que você não consegue acreditar
que haja ainda solução. Você perdeu a esperança. Pare um pouco e pense:
O seu problema é mais difícil e já dura mais tempo que o de Enéias? (8
anos) (At 9.33) da mulher hemorrágica? (12 anos) (Mc 5.25) Do que o da
mulher com espírito de enfermidade? (18 anos) (Lc 13.11) Ou do paralítico
de Betesda? (38 anos) (Jo 5.5) Ou do coxo? (mais de 40 anos) (At 4.22).

2. O milagre suscitou oportunidade para o testemunho pessoal


– “Diziam-lhe, pois: Como se te abriram os olhos?” (v 10)
Evidentemente que todos ficaram curiosos, querendo saber como um
cego de nascença passou a enxergar. A medicina não podia fazer nada
naquela época e desde a fundação do mundo, jamais se ouvira falar de
Crescimento Bíblico - 52
alguém que tivesse aberto os olhos de um cego de nascença (Jo 9.32).
No entanto, ali estava uma prova evidente do poder de Deus. Não foi
difícil para o ex-cego evangelizar, apenas disse: “O homem chamado
Jesus fez lodo, e untou-me os olhos, e disse-me: Vai ao tanque de
Siloé e lava-te. Então, fui, e lavei-me, e vi” (v 11). Simples não?
Você não precisa falar muito ou inventar, basta falar aquilo que o
Senhor fez em sua vida e deixar que vejam o milagre. (At 4.14,16).
Aquele homem teve a oportunidade de testemunhar para seus pais,
seus vizinhos, para os fariseus e para os judeus em geral.
Não sabemos se algum fariseu veio a crer em Jesus por causa do
testemunho da cura. Todavia, sabemos que tiveram a oportunidade de refletir
e ver a diferença entre a religião desprovida de graça que praticavam e a
vida para os que crêem e vivem com Jesus. Por várias vezes insistiram na
mesma pergunta: “Como vira”, e tiveram de ouvir sempre a mesma resposta
(vv 15,16,26).

3. Através do milagre, aquele homem aproximou-se mais de


Deus: “Ele disse: Creio, Senhor. E o adorou” (Jo 9.38) O que Deus
espera de nós quando nos agracia com milagres é que lhe entreguemos
a vida. Ele quer a nossa gratidão e total dependência. O ex-cego
provavelmente tinha princípios religiosos adquiridos de seus pais (Jo
9.18-22), no entanto, precisava de “visão celestial”. Depois do milagre
passou a crer e a adorar a Jesus Cristo.
Se a nossa religião é como bengala nas mãos de cego, está na hora
de pedirmos um milagre em nossas vidas (Jo 9.39).

CONCLUSÃO
Como é glorioso ter os olhos abertos por Jesus. Ver não somente
as coisas desta vida, pois, enxergar é um dom de Deus, mas muito
mais, precisamos ver a glória de Deus e o seu reino que só podem ser
contemplados por quem nasceu de novo.

Para reflexão:
• A sua religião vai além de costumes e regras? Você goza de vida abundante?
• Que área (s) da sua vida precisa de um milagre?
• Você pode testemunhar algum milagre na sua vida que seja notório e
incontestável?

Questionário para avaliação e debate:


1. Por que os discípulos perguntaram sobre a condição espiritual do cego?
2. Explique a frase: “O milagre está condicionado a fé e a obediência”.
3. Conte à sua classe, um milagre em você, que mudou sua vida.
MILAGRE EM BETÂNIA

Versículo Chave
Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória
de Deus? (João 11.40).

Lição 11 - 12 de dezembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (2 Reis 4.32-35) – Ressurreição de um menino
Terça – (2 Reis 13.20,21) – Ressurreição de um homem
Quarta – (Mateus 28.6,7) – Ressurreição de Jesus Cristo
Quinta – (Marcos 5.39-42) – Ressurreição de uma menina
Sexta – (Atos 9.36-41) – Ressurreição de uma mulher
Sábado – (João 11.1-45) – Ressurreição de Lázaro

SUGESTÃO DE HINOS - 423 - 434 - 459 (Harpa Cristã)

JOÃO 11.1-4; 17-27; 38-45


1 - Estava, então, enfermo um certo Lázaro, de Betânia, aldeia de
Maria e de sua irmã Marta.
2 - E Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com ungüento e lhe tinha
enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão, Lázaro, estava enfermo.
3 - Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo
aquele que tu amas.
Crescimento Bíblico - 54
4 - E Jesus, ouvindo isso, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas
para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela.
17 - Chegando, pois, Jesus, achou que já havia quatro dias que estava
na sepultura.
18 - (Ora, Betânia distava de Jerusalém quase quinze estádios.)
19 - E muitos dos judeus tinham ido consolar a Marta e a Maria,
acerca de seu irmão.
20 - Ouvindo, pois, Marta que Jesus vinha, saiu-lhe ao encontro; Maria,
porém, ficou assentada em casa.
21 - Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu
irmão não teria morrido.
22 - Mas também, agora, sei que tudo quanto pedires a Deus, Deus to
concederá.
23 - Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar.
24 - Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do
último Dia.
25 - Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim,
ainda que esteja morto, viverá;
26 - e todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá. Crês tu isso?
27 - Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de
Deus, que havia de vir ao mundo.
38 - Jesus, pois, movendo-se outra vez muito em si mesmo, foi ao
sepulcro; e era uma caverna e tinha uma pedra posta sobre ela.
39 - Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse-lhe:
Senhor, já cheira mal, porque é já de quatro dias.
40 - Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus?
41 - Tiraram, pois, a pedra. E Jesus, levantando os olhos para o céu,
disse: Pai, graças te dou, por me haveres ouvido.
42 - Eu bem sei que sempre me ouves, mas eu disse isso por causa da
multidão que está ao redor, para que creiam que tu me enviaste.
43 - E, tendo dito isso, clamou com grande voz: Lázaro, vem para fora.
44 - E o defunto saiu, tendo as mãos e os pés ligados com faixas, e o
seu rosto, envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o e deixai-o ir.
45 - Muitos, pois, dentre os judeus que tinham vindo a Maria e que
tinham visto o que Jesus fizera creram nele.

INTRODUÇÃO

O presente texto descreve a situação de uma pequena família que,


a despeito de toda intimidade que desfrutava da pessoa de
Jesus, não estava isenta de enfrentar graves aflições como todos
os mortais.
Crescimento Bíblico - 55
A dificuldade bateu à porta, e, naquele momento, Marta e Maria
registraram na história uma valiosíssima lição que deverá ser seguida por
todos os cristãos. Lázaro, seu irmão, estava muito doente e a segurança
da família fora ameaçada. Aquelas mulheres precisavam buscar ajuda.
Mas, qual atitude seria a mais indicada?

I - BUSCANDO O SENHOR JESUS

“Buscai o Senhor enquanto se pode achar” (Is 55.6). Elas sabiam


onde Jesus se encontrava. Conheciam seus passos e por isso puderam
contratar um mensageiro, que, de pronto, levou sua mensagem até o
mestre. Seria assim só nos tempos de Jesus?
Nosso mensageiro fiel, hoje, se chama Espírito Santo, que leva até o
trono de Deus as nossas causas e está ansioso por ouvir a nossa oração.

1. Na adversidade - Esse é o momento em que somos tentados a depositar


a nossa esperança em recursos palpáveis. Daí, em muitos casos, a mão do
homem tenta em vão, não resolve e o que nos resta é a lágrima do desgosto.
Marta e Maria conheciam um caminho mais excelente. “Invoca-me
no dia da angústia; eu te ouvirei e tu me glorificarás”. (Sl 50.15)
Deus nunca deixa a oração de um justo sem resposta (Sl 34.15). Ainda
que tardia, certamente virá.

2. Com humildade - Não há nenhum registro de que Marta e Maria


tenham feito qualquer exigência a despeito da amizade que tinham
com Jesus, mesmo sabendo que, por onde Ele passava, tinha atenção
especial para com os enfermos e os curava. Tudo o que importava a
Elas é que Jesus tomasse conhecimento de que o amigo a quem Ele
tanto amava se encontrava enfermo.
Que grande lição temos aí! Aprendamos com Marta e Maria que não
cabe a nenhum de nós dizermos a Jesus o que Ele tem que fazer ou deixar
de fazer. Ele conhece o que é melhor para nós e a maneira ideal para que
o seu nome seja glorificado por meio de nossas vidas.

II - ESPERANDO O SENHOR JESUS


Talvez seja esse o maior dos desafios na vida de um cristão.
Aprendemos através da experiência que Deus não está condicionado
ao nosso grau de ansiedade. Ao contrário, o seu mover se faz presente
quando aprendemos a descansar nele.

1. Mesmo que pareça demorado - A palavra “espera”, em si, já trás


a idéia de que um tempo deve ser decorrido. Quando o salmista diz:
Crescimento Bíblico - 56
“Esperei com paciência no Senhor” (Sl 40.1), deixa bem claro que
houve uma demora considerável até que a resposta chegasse.
É interessante notar que Jesus não mandou uma resposta imediata à
família, e também não se apressou em viajar para Betânia. Da mesma
forma que não manifestou de pronto qual era o seu plano.
Em muitos casos a resposta de Deus ao nosso clamor se resume em
“espera”. Não se trata de indiferença da parte de Deus, mas os motivos
de Deus sobrepujam ao nosso entendimento e os seus caminhos nos são
inescrutáveis. (Rm 11.33)

2. Mesmo que a situação piore - Lázaro piorou muito desde que o


mensageiro partiu. Suas forças se exauriram até que o pior aconteceu.
Lázaro morreu. Seria esse o momento de murmurar contra Deus?
Se sabemos que o Senhor é Deus, chegou a hora de o servirmos não
por causa de suas dádivas, mas porque Ele é o Deus da nossa salvação
(Hc 3.17,18). Assim como os três jovens da fornalha de fogo que
acreditavam que Deus os poderia salvar, mas, se não o fizesse,
continuariam fiéis esperando no Senhor. Assim deve ser a nossa postura.

III - CONFIANDO NO SENHOR JESUS


E quando não tem mais jeito? Ainda devo confiar? Era exatamente
isso que o Senhor Jesus estava ensinado com aquele milagre.

1. Quando Ele nos chama - “O mestre está aqui e te chama”.(V.28)


Estas palavras ecoaram nos ouvidos de Maria quando já havia quatro
dias que seu irmão e também todas as suas esperanças estavam enterradas.
Será que ainda valia à pena a presença do mestre naquele momento?
Porque ele estava chamando? Maria não sabia o que iria acontecer, mas
se Jesus estava chamando, com certeza algo iria acontecer. Ele nunca
chega atrasado porque não está limitado ao tempo e o seu plano é sempre
perfeito (2 Sm 22.31 e 32).

2. Quando Ele nos dá as suas ordens - “Tirai a pedra...Desligai-


o e deixai-o ir” (vv. 39,44). Palavras diretas e com o verbo no
imperativo. A pedra bloqueava o caminho para o milagre, fechava a
porta da esperança e pintava o quadro da desilusão, trazendo uma
imagem perfeitamente depressiva. Porém, não era da responsabilidade
de Jesus retirá-la. Isso nos faz entender que mesmo diante da
impossibilidade humana, há sempre algo que precisamos fazer a fim
de que o milagre de fato aconteça. Aquilo que está dentro da nossa
possibilidade é de nossa responsabilidade e vice e versa. Deus só faz
o que não podemos fazer.
Crescimento Bíblico - 57
CONCLUSÃO

“A esperança é a última que morre”. Esse é um ditado popular que


não cabe na realidade de vida do cristão que aprendeu a crer e confiar em
Jesus mesmo quando a muralha da impossibilidade se põe à frente. “Se
tu podes crer; tudo é possível ao que crê” (Mc 9.23).

Para reflexão:
• O seu problema é questão de vida ou morte?
• A sua paciência agüenta esperar ainda alguns dias pela resposta divina?
• Aquele que tem poder para ressuscitar um morto, teria dificuldade em
resolver o seu problema?

Questionário para avaliação e debate:


1. Por que Jesus demorou em atender às irmãs de Lázaro?
2. Qual é o significado espiritual das ordens: “Tirai a pedra”, “Desligai-o”
e “deixai-o ir”?
3. Qual é a “pedra” que está impedindo o fluxo normal do Espírito Santo
na igreja hoje?

No
próximo
trimestre estaremos
estudando o seguintetema:
JUSTIFICADOS EM CRISTO.
A repetição deste tema, já estudado
no primeiro trimestre de 1997,
visa relembrar os benefícios
extraordinários e eternos
da justificação conce-
dida por Deus em
Cristo Jesus.
MILAGRE NA ILHA
DE MALTA
Versículo Chave
Feito, pois, isto, vieram também ter com ele os demais
que na ilha tinham enfermidades e sararam
(Atos 28.9).

Lição 12 - 19 de dezembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (1 Reis 17.8-15) – Milagre por causa de uma viúva
Terça – (Atos 8.26-39) – Milagre por causa de um eunuco
Quarta – (Atos 9.10-18) – Milagre por causa de um novo convertido
Quinta – (Atos 10.16) – Milagre por causa de um pecador
Sexta – (Atos 10.9-20) – Milagre por causa de uma oração
Sábado – (Atos 28.1-10) – Milagre por causa dos muitos perdidos

SUGESTÃO DE HINOS - 018 - 058 - 467 (Harpa Cristã)

ATOS 28.1-10
1 - Havendo escapado, então, souberam que a ilha se chamava Malta.
2 - E os bárbaros usaram conosco de não pouca humanidade; porque,
acendendo uma grande fogueira, nos recolheram a todos por causa da
chuva que caía e por causa do frio.
3 - E, havendo Paulo ajuntado uma quantidade de vides e pondo-as
no fogo, uma víbora, fugindo do calor, lhe acometeu a mão.
Crescimento Bíblico - 59
4 - E os bárbaros, vendo-lhe a víbora pendurada na mão, diziam uns
aos outros: Certamente este homem é homicida, visto como, escapando
do mar, a Justiça não o deixa viver.
5 - Mas, sacudindo ele a víbora no fogo, não padeceu nenhum mal.
6 - E eles esperavam que viesse a inchar ou a cair morto de repente;
mas tendo esperado já muito e vendo que nenhum incômodo lhe
sobrevinha, mudando de parecer, diziam que era um deus.
7 - E ali, próximo daquele mesmo lugar, havia umas herdades que
pertenciam ao principal da ilha, por nome Públio, o qual nos recebeu e
hospedou benignamente por três dias.
8 - Aconteceu estar de cama enfermo de febres e disenteria o pai de Públio,
que Paulo foi ver, e, havendo orado, pôs as mãos sobre ele e o curou.
9 - Feito, pois, isto, vieram também ter com ele os demais que na ilha
tinham enfermidades e sararam,
10 - os quais nos distinguiram também com muitas honras; e, havendo
de navegar, nos proveram das coisas necessárias.

INTRODUÇÃO

A seqüência de milagres ocorridos na ilha de Malta é uma prova


de que o Senhor cuida dos seus e provê os meios necessários
para que a sua obra se expanda. Deus mesmo preparou uma
situação propícia para que os fatos acontecessem e os moradores da ilha
tivessem a oportunidade de ouvirem o evangelho. Deus tem propósitos
quando realiza milagres.

I – DEUS PREPARA O CENÁRIO PARA


O MILAGRE – (VV 1,2)
Malta é uma ilha do mar Mediterrâneo, situada 100 km ao sul da Sicília,
Itália. O apóstolo e demais tripulantes rumavam para Roma, a fim de que os
prisioneiros, incluindo o apóstolo, fossem julgados perante César. Mas o Senhor
tinha ainda outros planos para realizar por meio de Paulo como veremos:

1. O Senhor trouxe Paulo e os demais tripulantes até a ilha –


“Havendo escapado, então, souberam que a ilha se chamava Malta”
– O acidente com o navio foi providencial. O Senhor levaria de qualquer
modo Paulo e seus companheiros de viajem àquela ilha (At 27.21-25). Os
nativos daquele lugar precisavam conhecer ao Senhor e, isto foi mostrado
previamente ao apóstolo: “É, contudo, necessário irmos dar numa ilha”
(At 27.26). “Certamente o Senhor Jeová não fará coisa alguma, sem
ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Am 3.7).
Crescimento Bíblico - 60
Jesus também desviou sua rota a fim de levar salvação aos samaritanos (Jo
4.1-14). A Felipe foi ordenado que se deslocasse para um local deserto, porque
ali estava um homem com sede de salvação (At 8.26-39). Antes de esperar de
Deus algum milagre, ouça a sua voz, siga a sua direção, obedeça-lhe as instruções.

2. O Senhor preparou o coração dos nativos – “E os bárbaros


usaram conosco de não pouca humanidade; porque, acendendo uma
grande fogueira, nos recolheram a todos por causa da chuva que
caía e por causa do frio” – Podemos imaginar esta cena. Depois de sair
de dentro do mar ainda enfrentaram a chuva e o frio intenso, por isto, os
nativos, demonstrando muita humanidade, ascenderam uma grande
fogueira para aquecê-los. Foi, literalmente, uma recepção “calorosa”.
Os nativos da ilha foram chamados de bárbaros porque esta era a
designação para quem não falasse grego. Eram descendentes dos fenícios.
Deus preparou o coração deste povo para acolherem a Paulo e os demais
e depois os abençoou com milagres e com a palavra de salvação.

II – DEUS REALIZA MILAGRES – (VV 3-7)


Deus é o único que pode realizar milagres mas, sempre com propósitos
bem definidos. Algumas vezes fica claro que o Senhor preparou o cenário
a fim de realizar o milagre. Temos alguns exemplos na Bíblia: O
endurecimento do coração de Faraó para demonstrar o seu poder tirando
o seu povo do Egito (Rm 9.17); a demora em atender o chamado das
irmãs de Lázaro para que este morresse e fosse ressuscitado manifestando
assim a glória de Deus (Jo 11.3-6;40); o cego de nascença, para manifestar
nele as obras de Deus (Jo 9.1-3); etc.
No texto que estamos estudando, podemos ver a mão de Deus atuando
para favorecer o milagre:

1. Providenciou o aparecimento da serpente – Não creio que o


aparecimento da serpente seja obra do acaso. O Senhor Criador de todas
as coisas, providenciou para que ela estivesse ali. Ele domina sobre toda
a sua criação e, muitas vezes usou a própria natureza e os seus fenômenos
para realizar milagres (Mc 4.39-41). Deus queria que os bárbaros
presenciassem o milagre.
Podemos confiar inteiramente no Senhor que tem poder absoluto sobre
todas as coisas.

2. Aniquilou o veneno da serpente – “Mas, sacudindo ele a víbora


no fogo, não padeceu nenhum mal” – cumpriu-se a promessa de Jesus
Cristo: “Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera,
não lhes fará dano algum” (Mc 16.18) e também: “Eis que vos dou
Crescimento Bíblico - 61
poder para pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do Inimigo, e
nada vos fará dano algum” (Lc 10.19). Os nativos conheciam bem o
tipo de serpente que feriu Paulo e os efeitos mortíferos do seu veneno:
“Esperavam que viesse a inchar ou a cair morto de repente”.
Este foi o milagre inicial que abriu as portas para que o apostolo pudesse
anunciar o Evangelho. Começou logo a seguir certo “endeusamento” de
Paulo e até o governador da ilha tratou de hospedá-los bem.

III – DEUS TEM PROPÓSITO AO REALIZAR


MILAGRES – (VV 8-10)

Com certeza se não vissem milagres os moradores da ilha não teriam


recebido os náufragos. Até porque sabiam que a maioria daqueles homens,
incluindo Paulo, eram prisioneiros. Precisou da intervenção divina, para
mudar a situação. Vejamos porque Deus operou os milagres:

1. Abrir portas para o evangelho – Públio, “principal da ilha” era


governador de Malta. Creio que o Senhor permitiu a doença de seu pai,
pois com a cura as portas do evangelho foram abertas e passaram a ter livre
acesso entre os moradores da ilha. Caso bem parecido é o de José, que
ganhando a confiança de faraó, conseguiu lugar privilegiado para os seus
familiares na terra do Egito além do sustento durante os anos de fome.
“Aconteceu estar de cama enfermo de febres e disenteria o pai de
Públio, que Paulo foi ver, e, havendo orado, pôs as mãos sobre ele e
o curou”. O Senhor abre portas para seu servo que está à seu serviço,
mesmo que para isto seja necessário deixar o ímpio com “dor de barriga”.
O povo estava muito necessitado do evangelho pois estava preso pelo
paganismo. Eles atribuíram a picada da serpente como sendo “a justiça”. A
justiça aqui é personificada. Na mitologia grega justiça aparece como uma
deusa; atribuíram a Paulo o poder do milagre pois “diziam ser ele um deus”.
Para os pagãos é muito comum atribuir divindade à criatura (Rm 1.25).

2. Atrair a si os pecadores – “Feito, pois, isto, vieram também ter


com ele os demais que na ilha tinham enfermidades e sararam, os quais
nos distinguiram também com muitas honras; e, havendo de navegar,
nos proveram das coisas necessárias” (v. 9,10) – Fica evidente que houve
um avivamento na ilha. Deus operou muitos milagres curando todo tipo de
enfermidade. O povo ficou tão grato que os retribuiu com muitos “presentes”
além de suprir o necessário para que a viagem prosseguisse.

CONCLUSÃO
Que milagre extraordinário. Podemos ver claramente a mão poderosa
Crescimento Bíblico - 62
do Senhor controlando tudo. Deus é soberano.
Para os náufragos tudo estava dando errado e chegaram a pensar que
iam morrer. No entanto, para o servo de Deus, tudo estava no controle
daquele que é Senhor sobre toda situação.
Podemos esperar de Deus os milagres, principalmente quando estamos
fazendo a sua vontade.

Para reflexão:
• Você está disposto a ir aonde Deus mandar, para ver o milagre acontecer?
• Você já parou para pensar que os milagres são precedidos de lutas e
dificuldades?
• Aquele que anulou o veneno da serpente, não poderia anular o “veneno”
de Satanás?

Questionário para avaliação e debate:


1. Explique a frase: “É, contudo, necessário irmos dar numa ilha”.
2. Diga quantas vezes Deus usou animais (e quais foram eles) para realizar milagres.
3. Foi “coincidência” a enfermidade do pai de Públio, nos
acontecimentos? Explique.

DEPARTAMENTO
DE EDUCAÇÃO
CRISTÃ

Existe para
Existe para prestar
prestar
ser viços didáticos.
serviços

Procure-nos!
RECAPITULAÇÃO
Versículo Chave
E muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas
mãos dos apóstolos. E estavam todos unanimemente
no alpendre de Salomão
(Atos 5.12).

Lição 13 - 26 de dezembro de 2004


Objetivos da Lição
♦ Destacar os detalhes importantes do milagre;
♦ Chamar a atenção do aluno para as circunstâncias em que se deu o milagre;
♦ Mostrar os benefícios do milagre para as pessoas envolvidas e seu ensino
para nós.

Culto Familiar
Segunda – (Josué 3.9-17) – O Senhor abre portas para o seu povo
Terça – (1 Reis 17.1-22) – O Senhor cuida dos seus servos
Quarta – (2 Reis 4.1-7) – O Senhor aumenta nosso alimento
Quinta – (Marcos 2.1-12) – O Senhor cura nossas enfermidades
Sexta – (João 9.1-16) – O Senhor ressuscita mortos
Sábado – (Atos 5.12-16) – O Senhor nos livra do veneno da serpente

SUGESTÃO DE HINOS - 509 -510- 564 (Harpa Cristã)

ATOS 5.12-18
12 - E muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos
dos apóstolos. E estavam todos unanimemente no alpendre de Salomão.
13 - Quanto aos outros, ninguém ousava ajuntar-se com eles; mas o
povo tinha-os em grande estima.
14 - E a multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como
mulheres, crescia cada vez mais,
Crescimento Bíblico - 64
15 - de sorte que transportavam os enfermos para as ruas e os punham
em leitos e em camilhas, para que ao menos a sombra de Pedro, quando
este passasse, cobrisse alguns deles.
16 - E até das cidades circunvizinhas concorria muita gente a Jerusalém,
conduzindo enfermos e atormentados de espíritos imundos, os quais todos
eram curados.

INTRODUÇÃO

O s milagres abordados nas 12 lições mostram que nada está fora


do controle de Deus. Percebemos claramente, o cuidado do
Senhor em prover livramento para os seus, na hora e lugar certos.
Pretendemos com esta lição relembrar os ensinos mais importantes estudados
até aqui e extrair as verdades práticas para o nosso crescimento espiritual.

I – OS MILAGRES QUE MOSTRAM O PODER DE


DEUS SOBRE A CRIAÇÃO

1. A travessia do rio Jordão (Js 3.11-14) - Os fatos aconteceram por


meio de operação divina. Em outras ocasiões o Senhor quebrou estas leis
físicas: Fez o sol (terra) parar (Js 10.12,13); o tempo retroceder (Is 38.8);
andou sobre as águas (Mt 14.25).

2. A provisão de alimentos – (1 Reis 17.1-16) - Elias foi orientado


pelo próprio Deus a se esconder por um momento. Para tanto, Deus
mesmo providenciou um lugar de esconderijo (Sl 91.1), onde o profeta
poderia esperar que passasse a fúria do rei Acabe. A Bíblia nos garante
que em meio às tempestades que se levantam em nossas vidas sempre
haverá um lugar de refúgio (Is 4.6).
“Eu tenho ordenado aos corvos que ali te sustentem” (v.4). Por
estranho que possa parecer, ser alimentado por aves consideradas imundas,
foi uma providência totalmente divina.
“... Eu ordenei ali a uma mulher viúva para que lhe sustente.” (v.9)
Ser sustentado por uma viúva pobre, em meio à tão grande seca, como isso
seria possível? “Porque assim diz o Senhor, Deus de Israel: A farinha
da panela não se acabará, e o azeite da botija não faltará” (v 14).

3. A multiplicação do azeite - (2 Reis 4.1-7) - Começou com o que tinha


– A mulher tinha algo precioso em casa, faltando apenas apresenta-lo a Deus
para que o multiplicasse. Continuou com atitude - O milagre começa com
ação. Os dez leprosos foram a Cristo (Lc 17.12); o cego de nascença,
obedecendo a ordem de Jesus, foi ao tanque de Siloé se lavar e voltou vendo
Crescimento Bíblico - 65
(Jo 9.1-7). Prosseguiu com fé – Quando colocarmos a nossa fé em Deus Ele
derramará bênçãos sem medida sobre nós e nossa família (Hc 3.17,18).

4. O domínio do Senhor sobre as águas (Mateus 14.22-33) - Jesus


maravilhosamente “anda” sobre um mar tempestuoso, a fim de socorrer
seus discípulos. Manifestando todo o domínio sobre a natureza (Js 10.12-
14). Jesus não estava preocupado com o barco e sim com as pessoas
dentro dele. “Não temas” (v. 17). Em meio às dificuldades o Senhor
manifesta o seu grande poder e nos garante a vitória.

II - OS MILAGRES QUE MOSTRAM O PODER


DE DEUS SOBRE AS DOENÇAS

1. Curando a lepra (Mc 1.40-45) - Os evangelhos registram muitos


milagres, que vão desde a cura física até a espiritual, cumprindo Is 53.4.
Compaixão - Que sentimento é esse, que a Bíblia menciona várias
vezes, como algo freqüente na vida de Jesus (Mc 1.41).
Ação - Jesus demonstrava atitude em relação a seus sentimentos. Ele se
mobilizava em função daqueles que lhe manifestavam as necessidades. “E,
tendo ele dito isso, logo a lepra desapareceu, e ficou limpo” (Mc 1.42).
Decisão - “Quero, sê limpo”. Nesta lição temos duas pessoas que
sabem o que querem. O leproso sabia exatamente o que queria e
manifestou seu desejo, ser limpo. Jesus, queria curar a lepra e o fez.
Você tem que dizer para Deus o que quer.

2. Curando um paralítico (Mc 2.1-12) - A restauração da saúde


espiritual e física - A principal preocupação de Jesus é com a saúde
espiritual do homem. O milagre trouxe benefícios instantâneos e que
certamente perduraram até a morte daquele homem; porém, a salvação
trouxe-lhe benefícios eternos.

3. Curando uma mulher com fluxo (Marcos 5.21-34) - Afligida por


uma hemorragia crônica, era forçada a isolar-se das demais pessoas, o que
aumentava sua angústia. O fluxo de sangue a tornava cerimonialmente impura,
proibindo-a de tocar coisa ou pessoa (Lv 15.25,26). Ela tinha gastado tudo
com os médicos e “...indo a pior”. Vemos claramente no texto a ênfase na fé
daquela mulher. Ela não tinha dúvidas de que se tocasse em Jesus ficaria
curada e repetia isso para ela mesma: “Basta que eu O toque”.

III – OS MILAGRES QUE MOSTRAM O PODER


DE DEUS EM SUPRIR
1. Ele advém quando os recursos humanos falham (Lc 5.1-11) - O
Crescimento Bíblico - 66
texto nos mostra que a pesca tinha tudo para ser bem sucedida, barcos,
pescadores experimentados e redes; mas no decorrer da noite, tudo isso
falhou. Então, ao descerem dos barcos e lavarem suas redes, nota-se que já
não havia mais esperanças naquela pesca. No entanto, a presença do Senhor,
trouxe novas perspectivas: “havendo trabalhado toda a noite, nada
apanhamos; mas, porque mandas, lançarei a rede. E, fazendo assim,
colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede”.

2. A cooperação humana no milagre - (João 6.1-15) - Deus participa


do milagre executando aquilo que o homem não pode fazer. O homem
pode doar pães, mas não pode multiplicá-los (Jo 6.9). Neste tópico veremos
que Deus participa do milagre seja por meio da organização (v 10) e por
meio da multiplicação (Mt 14.21).

IV – OS MILAGRES QUE MOSTRAM O PODER


DE DEUS EM RESTAURAR
1. Deus tem maneiras diversas de agir – (João 9.1-10) - Se estamos
esperando de Deus algum milagre, não podemos ditar normas. Ele tem as
melhores maneiras de agir. Algumas vezes poderá parecer estranho, mas
os resultados serão satisfatórios. O Senhor realizou em Namã um milagre
bastante inusitado, curando-o da lepra. Mandou que mergulhasse sete
vezes nas águas do Jordão (2 Rs 5.1-14). Os milagres estão condicionados
a fé e a obediência. Deus atua quando colocamos a nossa fé em ação. Aos
dez leprosos foi dito: “Ide e mostrai-vos aos sacerdotes” (Lc 17.14),
estando eles ainda leprosos. “A fé é o firme fundamento das coisas que
se esperam e a prova das coisas que se não vêem” (Hb 11.1).

2. Precisamos obedecer quando Ele nos dá ordens – (Jo 11.39,44).


Palavras diretas e com o verbo no imperativo. A pedra bloqueava o caminho
para o milagre, fechava a porta da esperança e pintava o quadro da desilusão,
trazendo uma imagem perfeitamente depressiva. Porém, não era da
responsabilidade de Jesus retirá-la. Isso nos faz entender que mesmo diante da
impossibilidade humana, há sempre algo que precisamos fazer a fim de que o
milagre de fato aconteça. Aquilo que está dentro da nossa possibilidade é de
nossa responsabilidade e vice e versa. Deus só faz o que não podemos fazer.

3. Deus prepara o cenário para operar o milagre – (Atos 28.1-10)


- O acidente com o navio foi providencial. O Senhor levaria de qualquer
modo Paulo e seus companheiros de viajem àquela ilha (At 27.21-25).
Os nativos daquele lugar precisavam conhecer ao Senhor e, isto foi
mostrado previamente ao apóstolo: “É, contudo, necessário irmos dar
numa ilha” (At 27.26). O Senhor preparou o coração dos nativos, por
Crescimento Bíblico - 67
isto, demonstrando muita humanidade, ascenderam uma grande fogueira
para aquecê-los. Foi, literalmente, uma recepção “calorosa”.
O povo estava muito necessitado do evangelho pois estava preso
pelo paganismo. Fica evidente que houve um avivamento na ilha. Deus
operou muitos milagres curando todo tipo de enfermidade. O povo ficou
tão grato que os retribuiu com muitos “presentes” além de suprir o
necessário para que a viagem prosseguisse.

CONCLUSÃO

Cremos que o Senhor já tem abençoado o seu povo e ainda o abençoará


com abundantes milagres para enriquecimento da fé e para a maior glória
do seu grande nome.
Segue o questionário trimestral para avaliação e debates:

QUESTIONÁRIO TRIMESTRAL PARA


AVALIAÇÃO E DEBATES
LIÇÃO 01
a) – Você acha que o milagre do Jordão diminuiu em sua importância,
pelo fato de Deus ter usado um fenômeno natural? Explique.
b) – Diga um dos ensinos extraídos do milagre do Jordão e comente-o.

LIÇÃO 02
a) – Comente sobre as aves que o Senhor usou para alimentar Elias.
b) – Diga com suas próprias palavras, por que Deus enviou Elias a uma
mulher pobre e não a um fazendeiro rico, por exemplo?

LIÇÃO 03
a) – De acordo com o primeiro tópico da lição, qual era a situação da
viúva de Sunem?
b) – Como você explica o fato do falecido ter sido fiel em vida e mesmo
assim deixar dívidas?
LIÇÃO 04
a) – Explique com suas próprias palavras o fato de Pedro ter afundado
nas águas?
b) – O que nos ensina, Jesus andando sobre as águas? Como explicar a lei
da gravidade e outras leis físicas neste milagre?

LIÇÃO 05
a) – De acordo com o primeiro tópico da lição, quais as três condições
humanas para recebermos o milagre?
Crescimento Bíblico - 68
b) – Comente com as suas próprias palavras o fato de Jesus ter tocado o
leproso (cerimonialmente imundo) e o termo: “Quero, sê limpo!”.
LIÇÃO 06
a) – De acordo com o primeiro tópico da lição, quantos e quais foram os
obstáculos que o paralítico teve de vencer para receber a cura?
b) – Explique com as suas próprias palavras, por que Jesus disse: “teus
pecados estão perdoados”, ao invés de “tua doença está curada”?
LIÇÃO 07
a) – Quais os motivos que transformaram a situação da mulher
hemorrágica num problema sem solução?
b) – Comente o fato de a mulher ter tocado nas vestes de Jesus, indo
contra a lei que a proibia de tal ato, por ser ela imunda.
LIÇÃO 08
a) – De acordo com o primeiro tópico da lição, quais os detalhes que
justificaram o milagre da pescaria?
b) – Diante da ordem: “...lançai as vossas redes para pescar”, qual é a
importância da obediência a Palavra de Deus? Dê pelo menos um
versículo que comprove a tua resposta.
LIÇÃO 09
a) – Mencione as duas cooperações humanas e as duas divinas, para a
realização do milagre.
b) – Na tua opinião, por que Jesus ordenou: “Recolhei os pedaços que
sobejaram, para que nada se perca” (Jo 6.12).
LIÇÃO 10
a) – Por que os discípulos fizeram esta pergunta: “Rabi, quem pecou,
este ou seus pais, para que nascesse cego?”
b) – Qual é a explicação para a atitude dos fariseus em renegar o milagre
e expulsar o ex-cego da sinagoga?
LIÇÃO 11
a) – Por que Jesus demorou em atender o chamado das irmãs de Lázaro?
b) – Examine-se a si mesmo e diga: Qual é a “pedra” que te impede de
ser um cristão cheio de vida de dinamismo e de poder?
LIÇÃO 12
a) – Como podemos explicar o naufrágio, o aparecimento da serpente e
a enfermidade do pai de Públio? Seria providência divina para realizar
milagres? Explique.
b) – Dê o testemunho de um milagre em sua vida, acontecido nos últimos dias.