Você está na página 1de 3

Batismo Com O Espírito Santo 1/2

Batismo com Espírito Santo: Algumas Considerações

por

Felipe Sabino de Araújo Neto

Creio que não seria exagero afirmar que um dos assuntos onde há maior confusão, hoje, é a
questão do batismo com o Espírito Santo e o dom de línguas. Não porque a Escritura não seja
clara no seu ensino com respeito ao assunto, mas sim porque a experiência, e não a Palavra de
Deus, tem ditado a forma de se compreender essa doutrina tão importante.

Gostaria de considerar, brevemente, somente algumas verdades que a Bíblia ensina com respeito
ao batismo com o Espírito Santo, as quais o movimento pentecostal e neo-pentecostal repudiam:

Primeiro: Todos os crentes são batizados com o Espírito Santo.

"Pois em um só Espírito fomos todos nós batizados em um só corpo" - 1 Coríntios 12:13

O texto é claro e não é necessário nenhuma destreza exegética para entender o seu significado.
TODOS, e não somente alguns, foram batizados com o Espírito Santo. Não há uns poucos
privilegiados; a bênção é de todos aqueles que crêem nas Escrituras, ou melhor, no que as
Escrituras dizem acerca do bendito Filho de Deus.

"Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior correrão rios de água viva" - João 7:38-39

Se alguém disser que conhece uma pessoa crente, mas que não é batizada com o Espírito Santo,
deve-se entender que esta pessoa nunca foi um crente genuíno, pois todos os que crêem são ou
foram batizados com o Espírito Santo (pois o batismo com o Espírito Santo ocorre no ato da
conversão ou um pouco antes. Há de se considerar ainda o caso de João Batista, que desde o
ventre de sua mãe era cheio do Espírito Santo).

É engraçado como as nossas visões particulares de certas coisas, e ainda mais quando apoiadas
por certas experiências, nos deixam completa e totalmente cegos. Creio que, sem dúvida alguma,
uma das passagens mais usadas e citadas pelos pentecostais é Atos 2. Nesse capítulo nos
vemos diante do relato do início da Igreja, quando o Espírito Santo veio para habitar conosco e em
nós. Contudo, o que Pedro afirma? Quais são os pré-requisitos que Pedro apresenta para alguém
receber o batismo com o Espírito Santo, para receber o "dom do Espírito"? Vejamos:

"Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de
vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo". - Atos 2:38

Portanto, se alguém disser que fulano de tal não recebeu o dom do Espírito Santo, a promessa
derramada por Jesus, o batismo com o Espírito Santo, será o mesmo que dizer que tal pessoa não
se arrependeu dos seus pecados, e ainda está no mundo sem Deus e sem esperança.

E mais:

"Porque a promessa vos pertence a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe: a quantos o
Senhor nosso Deus chamar" - Atos 2:39

Sim, é para TODOS QUANDO DEUS CHAMAR. Não é só para os Assembleianos, nem
muito menos para só alguns assembleianos. Não é só para os crentes que viveram após 1910.
Não é só para uma elite espiritual. Não, não, não. Cristo morreu por todos aqueles que crêem nEle,
e os benefícios que Ele conquistou na cruz, são outorgados a todos. Todos aqueles que foram
verdadeiramente chamados por Deus, receberam o dom do Espírito Santo, do qual Pedro fala em
Atos 2.

Segundo: O dom de línguas não é sinal de batismo com o Espírito Santo.

Os discípulos falaram em outras línguas em Atos 2, mas nada é dito acerca dos quase 3.000 que
se converteram.

Além do mais, e ainda mais contundente, no mesmo capítulo que Paulo diz "Pois em um só
Espírito fomos todos nós batizados em um só corpo" ( 1 Coríntios 12:13), ele pergunta:

Porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos mestres? são todos operadores
de milagres? Todos têm dons de curar? falam todos em línguas? interpretam todos? - 1 Coríntios
12:30

A resposta óbvia é NÃO a todas às perguntas. Nem todo mundo é apóstolo, nem todo mundo é
profeta, nem todo mundo é operador de milagres, nem todo mundo tem o dom de curar, nem todo
mundo fala em línguas, nem todo mundo interpreta, MAS TODOS FORAM BATIZADOS NUM SÓ
ESPÍRITO. O capítulo ainda dá o exemplo de que nem todos os membros são olho, ouvido, etc, etc,
fazendo então essa analogia com os dons, os quais Deus distribuiu e distribui soberanamente.

O dom de línguas é um dom, que o Espírito Santo concede soberanamente a alguns, mas o
BATISMO É UMA PROMESSA PARA TODOS OS QUE CRÊEM, não que crêem no batismo (como
todos pentecostais pregam), mas que crêem no Cristo que batiza.

O livro de Atos é um livro histórico, e o fato de algumas pessoas terem falado em línguas quando
receberam o batismo com o Espírito Santo, não quer dizer que o falar em línguas seja um sinal do
batismo. Não encontramos esse ensino em nenhum lugar das Escrituras, mas encontramos o
contrário, como apresentado acima. O simples fato de Paulo curar pessoas com lenços dele, não
quer dizer que alguém deva ou possa fazer o mesmo.

Além do mais, não vemos ninguém gritando, clamando, chorando, repetindo "glória, glória, glória,
glória" para receber o batismo com o Espírito Santo. Os apóstolos oravam no Cenáculo e nem
sabiam o que haveria de acontecer com eles. Cornélio e sua casa estavam ouvindo a pregação, e
nem mesmo ouviram desta promessa, pois é claro a partir do texto que Pedro não tinha falado
sobe isso para eles. Esses gritos consecutivos fazem é a pessoa entrar em êxtase e começar a
falar coisas que ouviu outros dizerem; isso está mais para "batismo da mente", do que para
batismo com o Espírito. E o mesmo método tem levado muitos a receberem a "unção" do urso, do
leão, da águia, onde as pessoas imitam esses animais, zombando de Deus e do Seu Evangelho
com tamanha palhaçada.

Terceiro: O dom de línguas é dom de línguas [idiomas], não de expressões extáticas.

É muito fácil para alguém afirmar hoje em dia, no meio pentecostal, que fala em línguas, pois as
pessoas perderam a noção do que é o dom de línguas que a Bíblia fala.

O dom de línguas na Bíblia era a capacidade das pessoas falarem em outros idiomas, sem nunca
terem aprendido ou estudado os mesmos. Isso é claro a partir do relato de Atos 2:

E todos pasmavam e se admiravam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos
esses que estão falando? Como é, pois, que os ouvimos falar cada um na própria língua em que
nascemos? - (Atos 2:7-8)

Isso explica porque Paulo pôde ser um grande missionário, visto que ele aprendera
sobrenaturalmente outros idiomas. Ele mesmo disse que falava mais línguas que todos os crentes
de Corinto.
Contudo, quão tristemente longe disso está o "dom de línguas" de hoje. São meras expressões
extáticas. São blás-blás-blás sem significado algum. Ninguém precisa de algo sobrenatural para
dizer "alabacanta alabachéia" (e percebem quantas pessoas falam as mesmas expressões?").

Paulo disse que as línguas eram sinal para os incrédulos. Por que? Ora, se um alemão entrar numa
igreja, e conhecendo as pessoas humildes e iletradas que ali congregam, ouvir alguma delas
pregando o evangelho em alemão, ele verá que Deus está ali. Mas quem se impressionaria com
expressões extáticas sem sentido? Até meu filho de 3 anos pode falar "Kantus Névias".

Eu creio no dom de línguas, mas infelizmente não vejo manifestação genuína dele no meio
pentecostal e nem no tradicional (embora já tenha ouvido uns dois ou três relatos de
acontecimentos tantos em igrejas pentecostais como tradicionais, de pessoas iletradas falarem
em outros idiomas e estrangeiros serem compungidos com a pregação do evangelho em suas
línguas. Contudo, se isso for verdade, infelizmente é uma das coisas mais raras do mundo).

É isso aí! Língua é idioma, e não língua dos anjos, como as pessoas dizem. Se os anjos falam em
"línguas estranhas", como Abraão, Zacarias, José entenderam as suas mensagens? Eles tinham o
dom de interpretação? E já que falei em interpretação, para que serve os interpretadores de
línguas, se as línguas não tem significado definido?

Além do mais, em 1 Coríntios 14:21 Paulo associa seu dom de línguas com a profecia de Isaías
sobre Israel ouvindo o idioma Assírio. Entender o dom como balbucio, destrói seu ponto de
referência totalmente.

Está escrito na lei: Por homens de outras línguas e por lábios de estrangeiros falarei a este povo; e
nem assim me ouvirão, diz o Senhor - 1 Coríntios 14:21.

Conclusão

Há uma imensa ignorância com relação aos dons e a obra do Espírito Santo, nos nossos dias.

O Espírito Santo está operando, pois senão não haveria conversões, pois é ele que dá vida, não aos
crentes que ficam gritando, mas aos pecadores que estão mortos em delitos e pecados.

Nós crentes, temos que buscar, não o batismo com o Espírito Santo, mas o fruto do Espírito.
Sermos cheios do poder de Deus e dos frutos do Seu Espírito. E qual é a conseqüência disso?
Gritos, cair no chão, línguas? Não, certamente que não. É uma vida de santidade, uma vida de
devoção total a Deus. Os milagres e as maravilhas (é claro, sempre respaldadas nas Escrituras)
acontecerão de acordo com a bondade soberana de Deus, não por causa de homens que possuem
poder e que decretam a história do universo de Deus. O poder pertence única e exclusivamente a
Deus (Salmos 62:11), e Ele é o Soberano Adminstrador do Seu próprio universo.

Que Deus nos encha do Seu Espírito, para que nos amemos como irmãos, pois o amor é um fruto
do Espírito, e a demonstração de que somos discípulos de Cristo, como Ele mesmo disse. Não é
estranho que onde se afirma haver tantos "batismos com o Espírito Santo", há tanta discórdia, ódio
e rancor?

Eu louvo a Deus pelos pentecostais que têm abandonado essa visão do batismo com o Espírito
Santo. E eu particularmente conheço alguns deles, e o meu desejo e a minha oração é que Deus,
pelo Seu Espírito, nos faça amar a Sua verdade acima de tudo, para não moldarmos a nossa visão
de Deus e de Suas obras de acordo com as nossas experiências, mas sim de acordo com o
Manual Sagrado que Ele nos deu.

Soli Deo Gloria!