Você está na página 1de 8

Autor | Author AGRICULTURA BIODINÂMICA: UMA

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
THIAGO COSTA FERREIRA*
ferreira_uepb@hotmail.com
BIODYNAMIC AGRICULTURE: A BIBLIOGRAPHIC REVIEW

Resumo: Atualmente, a busca por informações que permitam a pro-


moção de uma agricultura mais sustentável tem sido cada vez maior.
Entre essas linhas, a Agricultura Biodinâmica destaca-se como uma das
mais diferenciadas e enigmáticas. Sendo assim, o foco principal desta
revisão foi relacionar os pontos básicos da Agricultura Biodinâmica. Tal
ação foi realizada pela reunião de material literário com conteúdo espe-
cífico dessa modalidade e pela sumarização dessas informações. A Agri-
cultura Biodinâmica tem como linha de trabalho principal a harmoniza-
ção entre as forças cósmicas, a agricultura e o homem. Tais relações são
complexas e precisam ser mais bem detalhadas. A agricultura Biodinâ-
mica pode ser uma alternativa para um melhor manejo de áreas produ-
tivas, visando logicamente à sustentabilidade de um sistema agrícola.

Palavras-chave: Sustentabilidade; Agricultura; Ser Humano; Cosmos;


Conexão.

Abstract: Currently, the search for information that allows the promo-
tion of a more sustainable agriculture has been increasing. Among these
lines, Biodynamic Agriculture stands out as one of the most differentia-
ted and enigmatic. Thus, the main focus of this review was to register
the basic points of Biodynamic Agriculture. This action was accom-
plished by the gathering of literary material with specific content of this
modality and by summarizing this information. The main line of Bio-
dynamic agriculture Works with the harmonization between cosmic for-
ces, agriculture and men. Such relationships are complex and need to be
better detailed. Biodynamic agriculture can be an alternative for better
management of productive areas, aiming the sustainability of agricultu-
ral systems.

Keywords: sustainability, agriculture, human being, cosmos, connection.

INTRODUÇÃO

O modelo de agricultura na atualidade tem sido trabalhado com


uma maciça modernização, tendo para isso o uso de práticas avançadas
de manejo. Entre esses pontos de manejo, a aplicação massal de insu-
mos sintéticos, o modo intensivo de manipulação dos recursos e a ne-
cessidade atenuada do aumento produtivo são os mais importantes
pontos dessa nova fase (WILSON; TISDELL, 2001; EHLERS, 2009; WANG
et al., 2014; NODARI; GERRA, 2015; SHARMA et al., 2015).
Aceito em: 26/07/2018 Tais práticas têm cada vez mais utilizado os recursos naturais ao
Recebido em: 25/01/2018 seu favor. Muitos desses recursos apresentam um ciclo biogeoquímico
Agricultura biodinâmica: uma revisão bibliográfica

longo e têm gerado, assim, um grande desequilíbrio que se manifestaram arduamente para mostrar que tal
dentro desses ciclos naturais em nosso planeta (EHLERS, crescimento tem acarretado mau uso dos recursos natu-
2009; NODARI; GERRA, 2015). Logo, faz-se necessário o rais e gerado, assim, uma insustentabilidade do sistema
estudo e a implementação de modalidades de agricultu- agrícola (NODARI; GUERRA, 2015).
ra que visem à continuidade da produção de alimentos, Para reverter essa insustentabilidade, mais estu-
de combustível e de fibras de origem agropecuária, le- dos relacionados aos conhecimentos básicos e conceitu-
vando em consideração a sustentabilidade desses pro- ais sobre os agroecossistemas e seus respectivos fluxos
cessos produtivos (WILSON; TISDELL, 2001; TIMMER- energéticos têm sido realizados em várias partes do
MANN; FELIX, 2015). mundo (TIMMERMANN; FELIX, 2015).
Para a implantação de tecnologias sustentáveis,
devem ser realizadas mudanças no paradigma dos en- AGROECOLOGIA
volvidos no processo agrário, a fim de que sejam disse-
minados os conhecimentos mais acertados sobre como Essa ciência tem como principal papel a formação
a agropecuária pode ser gerida de maneira sustentável. de opinião sobre a questão da sustentabilidade agrária,
Esse tipo de gerência na agropecuária visa ao uso cons- tendo como bases de conhecimento saberes provenien-
ciente dos recursos naturais encontrados no planeta tes de várias áreas científicas, apresentando também
(TIMMERMANN; FELIX, 2015). um cunho humanístico, levando em consideração a soci-
Tais quebras de paradigma podem ser ensinadas edade que está envolvida nessa relação (GLIESSMAN,
e trabalhadas com a utilização de processos ambientais 2000; CAPORAL; COSTABEBER, 2002; FERREIRA, 2015).
sustentáveis, baseados em diversas fontes de conheci- A Agroecologia trata o ser humano como um per-
mento, inclusive na própria Agroecologia. Essa ciência sonagem-interventor no agroecossistema, sendo este o
atual descreve a questão agrária como um todo, levan- agente de modificação do ambiente de acordo com suas
do em consideração diversos fatores inerentes aos re- necessidades. Ela também descreve que a natureza fun-
cursos naturais, humanos e comerciais que possam ser ciona como grande teia multifuncional e multidimensio-
empregados nesse processo (GONÇALVES, 2009). nal e que conhecimentos científicos e empíricos adquiri-
Diante da importância do tema citado acima, o dos ao longo dos anos podem dar um suporte para a
melhor entendimento de metodologias sustentáveis e produção agropecuária (CAPORAL; COSTABEBER, 2002;
coerentes à produção agrícola e a necessidade de sobre- CAPORAL et al., 2006; FERREIRA, 2015).
vivência humana são extremamente necessários Essa tipificação da produção agropecuária, segun-
(WILSON; TISDELL, 2001; NODARI; GUERRA, 2015; do as ideias da Agroecologia, podem ser divididas em
SHARMA et al., 2015). Logo, este texto tem como ênfase modalidades de agricultura sustentável, que trabalham
discutir informações sobre agriculturas sustentáveis, de diversas maneiras (GLIESSMAN, 2000; CAPORAL;
com ênfase na modalidade denominada de Agricultura COSTABEBER, 2002). Entre elas, uma das mais enigmáti-
Biodinâmica. cas e complexas é a Agricultura Biodinâmica, que será
melhor esclarecida nas seções posteriores.
DISCUSSÃO E DESENVOLVIMENTO
AGRICULTURA BIODINÂMICA
MODELO DE AGRICULTURA ATUAL
A agricultura biodinâmica (AB) nasceu a partir das
A atual revolução no setor agrícola, que vem ideias filosóficas de Rudolf Stainer, em 1924, na Polônia,
acontecendo desde a segunda metade do século XX, que começou a disseminar um conhecimento inovador
tem permitido que vários países no mundo possam sobre a questão agrária e o cosmos. Stainer tratava, em
utilizar tecnologias mais avançadas, favorecendo, seus discursos, das diversas relações teóricas entre os
assim, acréscimos na produção agrícola por meio da agentes constituintes do cosmos e como suas ações in-
utilização de material genético melhorado, automa- fluenciavam sobremaneira a produção agrícola, além de
ção das atividades e uso mássico de insumos sintéti- elucidar essa ação dentro de um conjunto fechado de
cos (WILSON; TISDELL, 2001; NODARI; GUERRA, 2015; transporte, aproveitamento e distribuição de energia
SHARMA et al., 2015). dentro do sistema (STEINER, 2000).
Essas novas metodologias, em muitos casos, fo- Para os defensores dessa linha filosófica, a agri-
ram apoiadas por governantes, cientistas e outros en- cultura atual tem estado emancipada da condição natu-
volvidos nesse segmento da economia. Porém, surgiram ral e normal à qual está intimamente relacionada, pelo
correntes sociais de diversos segmentos da população fato de que a visão mecanicista e individualista empre-

239
Thiago Costa Ferreira

gada tem desbalanceado as lavouras no que tange à como guia por um ponteiro da bússola – qualquer mudan-
ação natural da regulação cósmica (KOEPF et al., 1983). ça na posição do objeto de estudo ou trabalho, a agricultu-
A condição de reforma desse movimento implica ra, sempre apontará qual o caminho mais coerente a ser
num certo papel de incômodo que essa atitude racional percorrido para chegar a um ponto de equilíbrio.
causava em determinados setores da sociedade, princi- Aborda-se, nessa ideia, a relação íntima entre as
palmente naqueles que vislumbravam a proteção e a atividades agrícolas e o cosmos. Para tal abordagem, foi
conservação da natureza como parte de um papel cabí- explicada a relação entre os elementos físicos e quími-
vel aos humanos, o que implicaria num equilíbrio entre cos, que se ajustam para a produção agropecuária, per-
as forças atuantes, evitando assim catástrofes e pragas mitindo, assim, que a vida humana se estabeleça e seja
(KOEPF et al., 1983; STEINER, 2000). constante em diversas regiões da Terra, tendo em vista
Esse novo entendimento descrevia que os agen- que os ciclos naturais existentes na Terra têm relação,
tes participantes do universo trabalham em conjunto e por exemplo, com o ciclo lunar.
concordância dentro desse sistema, que tende a ser har- Dentro dessa abordagem, também foi descrita a
mônico constante e frágil (TURINEK et al., 2009; RAUTA importância dos minerais de sílica (silício combinado
et al., 2014). com oxigênio) e cálcio (Ca), presentes e abundantes no
Tais conhecimentos foram expostos em conferên- planeta, e como são governados por planetas no siste-
cias oferecidas ao público na primeira metade do século ma solar. Esses minerais têm diversas funções, inclusive
XX, na Europa. Foram descritas, nessas conferências, curativas para determinadas patologias.
informações acerca da maneira como os ciclos planetá- Esses fatores delimitavam as épocas de plantio e
rios e lunares poderiam influenciar a agricultura, os de colheita, de acordo com a finalidade de uso dos ve-
quais, por si só, poderiam ser utilizados como conduto- getais e a regência dominante para tal finalidade, alia-
res de ações a serem realizadas no campo (STEINER, das à construção do ideário de uma paisagem agrícola
2000; TURINEK et al., 2009; RAUTA et al., 2014). que pudesse servir mais como um ponto de regulação
Essas palestras (conferências), proferidas na cida- ambiental e cósmico.
de de Koberwitz, Polônia, no ano de 1924, incluíam a
apresentação das ideias biodinâmicas propostas por 2. Segunda conferência: esta palestra teve como tema
Steiner a um grupo seleto de pessoas (KOEPF et al., as forças da terra e do cosmos. Em primeiro plano, a
1983; STEINER, 2000; TURINEK et al., 2009). agricultura foi exemplificada como um resumo de ações
O resumo das informações discutidas nessas con- e conclusões práticas humanas apoiadas pela força dos
ferências está descrito abaixo (KOEPF et al., 1983; STEI- astros, e não somente pela força emanada pelo sol na
NER, 2000; TURINEK et al., 2009; KRUNGER, 2003; SIXEL, forma de luz e calor, ratificando o que foi relatado na
2003; RAUTA et al., 2014): conferência anterior.

1. Primeira conferência: esta conferência teve como Outro importante ponto descrito foi a formação e
foco a apresentação e a introdução do conteúdo progra- a funcionalidade do solo – a porção mineral e a porção
mático do curso a ser realizado. Teve como foco o peri- de organismos vivos fazem parte do organismo que se
go em que a emancipação da vida humana e animal do completa pelo cosmos. Além disso, os planetas mais
mundo exterior (cosmos) pode incorrer. próximos da Terra (Mercúrio e Vênus) e a Lua têm atua-
ção naquilo que se encontra sobre o planeta; já os mais
Essa introdução descreveu a agricultura como uma distantes, atuam em tudo o que está abaixo dela.
enorme teia energética, vista como um ponto de encon- Também foi apontado que a mineralogia do solo,
tro, confluência de diversos pontos cósmicos interligados, com a mássica presença de sílica, promove um fluxo
como parte de um todo. Discutiu-se também como esses contínuo do solo para a planta e, posteriormente, para
pontos têm sido muitas vezes negligenciados. os animais, tendo em vista que o vegetal tem a perspec-
Outro ponto questionado foi o modelo de vida tiva invertida, em que a “cabeça” estaria no solo e o cor-
espiritual moderno, que tem como base a vida empresa- po estaria acima dele, e que esta seria uma ponte de
rial, destrutiva e consumista, promovendo, assim, uma captação de energias diversas vindas do cosmos. Para
agricultura extremamente voltada a uma produção exa- Steiner, esse fluxo também pode ser entendido como
gerada, consumista e insustentável. modelo para a dispersão dos outros elementos para as
Um bom exemplo descrito nessa conferência é de plantas, mesmo que em doses mínimas.
que as práticas agrícolas devem sempre tender ao que a Outro importante conceito descrito foi o da es-
natureza preconiza, como um norte magnético utilizado sencialidade da vida de modo geral, com base na interli-

240
Agricultura biodinâmica: uma revisão bibliográfica

gação constante e coerente do crescimento vegetal rer a partir do momento em que são adubados os culti-
(epígeo e hipógeo), com a influência dos planetas. Esse vos, pois os elementos utilizados podem ser tóxicos a
sistema teria, assim, as energias necessárias para se todos os componentes da cadeia alimentar.
manter em harmonia. A harmonia propriamente dita Tais práticas devem ser realizadas com a utiliza-
pode ser entendida como um conjunto de fatores inter- ção de compostagem e humificação de toda a matéria
ligados que nos confluem a diversos campos da ativida- orgânica, acrescida dos compostos da biodinâmica, des-
de humana e, assim, podem ser atuantes na ocorrência crita a seguir e nos próximos parágrafos.
de determinados fatores. Os compostos biodinâmicos, por sua vez, funcio-
As características de cada vegetal são, em sua nam como canalizadores de energia cósmica para os
maioria, governadas pelas constelações que regeram a cultivos, permitindo que eles possam ser atendidos pela
planta-mãe e o momento da sua semeadura. As partes e harmonia do universo e, assim, fortalecidos; que pos-
as porções do vegetal são governadas pelos astros que sam se sobressair das intempéries do sistema e que pos-
regem as porções acima e abaixo da linha do solo, des- sam produzir dentro de suas normalidades (KRUNGER,
critos acima. Tais vegetais também são nutridos pelo 2003; SIXEL, 2003; RAUTA et al., 2014).
húmus no solo, formado pela matéria decomposta dos Esses compostos são produzidos à base de ele-
vegetais que outrora morreram. mentos presentes no solo ou por partes de alguns vege-
Nessa reunião, também foram elucidadas infor- tais específicos, sendo estes os preparados (CARPENTER
mações acerca do calendário lunar influenciando os rit- -BOGGS et al., 2000; TURINEK et al., 2009):
mos de plantio e colheita, os quais, se obedecidos, favo-
recerão as colheitas. Apresentaram-se, assim, as seguin- a) 500: esterco fresco colocado no interior de um
tes práticas, de acordo com o ciclo lunar e o gênero agrí- chifre de vacas na época do inverno e enterrado
cola: na fase nova, são evidenciados os aumentos da até a primavera, até quando provavelmente será
seiva nos vegetais em geral; por isso, essa é uma boa digerido pela ação natural. Este preparado deve
época para o manejo de verduras folhosas e plantas me- ser aplicado no mínimo duas vezes por ano
dicinais, e para o corte de madeira; na fase crescente, (primavera e no outono), na época do preparo do
são recomendadas as atividades de poda, enxertia e solo ou semeio. O preparo deve ser diluído em
promoção de brotação; na fase minguante, são maneja- água de chuva morna, dinamizado em barril de
dos as raízes ou os tubérculos; e, finalmente, na lua madeira durante uma hora exatamente e pulveri-
cheia, são indicados a colheita de frutos ou sementes e zado para entrar em contato com o solo. A pulve-
o plantio de flores e hortaliças. rização deve ser feita ao entardecer. Esse dinami-
zado tem a função de fortalecer a ligação entre a
3. Terceira conferência: o tema para esta conferência foi planta e os nutrientes do solo, entre a atividade
a “Incursão na atividade da natureza: a atuação do espí- radicular e a germinação de sementes;
rito na natureza”. b) 501: esterco fresco, chifre e quartzo; para este
preparo, o esterco é misturado como descrito
Nesta conferência, os elementos constituintes da anteriormente; com o acréscimo do quartzo, po-
matéria – o Nitrogênio (N), o Oxigênio (O), o Hidrogênio rém. Este preparado tem por função melhorar a
(H) e o Enxofre (S) – foram abordados como constituin- ação metabólica (fotossíntese) e trazer vigor às
tes básicos das proteínas, mediadores das forças cósmi- plantas, induzindo um crescimento sadio e inibin-
cas e da luz (principalmente do enxofre). Também foi do a ação de patógenos;
abordada a dinâmica espacial desses elementos dentro c) 502: Achillea millefolium: atua na captura de Fós-
de nosso planeta. foro (P) e Enxofre (S);
Atrelado a esses elementos, está o Carbono (C), d) 503: Matricaria chamomilla: tem como base a
descrito como a pedra filosofal, constituinte de muitas e quelatização do Cálcio (Ca);
diferentes matérias orgânicas e inorgânicas existentes e) 504: Urtiga dioica (em floração): auxilia nas rela-
no cosmos, sendo portador de propriedades específicas ções construtivas do solo;
como, por exemplo, a reciclagem de diversos nutrientes f) 505: Quercus robur (casca): auxilia na robustez e
e a sua importância como constituinte primordial da proteção contra pragas;
matéria orgânica. g) 506: Taraxacum officinale (flores): sensibiliza as
plantas aos componentes do solo;
4. Quarta conferência: fazendo uma ponte com o tema
anterior, são abordados os problemas que podem ocor-

241
Thiago Costa Ferreira

h) 507: Valeriana officinalis (flores): neste composto, veis contaminantes pode desequilibrar a orientação cós-
são trabalhados os conceitos de equilíbrio contra mica normal do solo, não favorecendo assim a troca de
a intempérie do clima. energias de maneira aceitável. É por esse motivo que
são descritos problemas nos vegetais cultivados, como a
O modo de preparo dos dinamizados 502-507 fitotoxidez, os estiolamentos, a má produção e o maior
descritos foi o seguinte: as porções de cada vegetal são aparecimento de pragas e doenças.
colocadas em água para curtir por pelo menos uma se- É por essas razões que os compostos biodinâmi-
mana e podem ser dinamizadas sob as plantas ou adu- cos descritos no tópico anterior como catalisadores e
bos. Estes são manipulados sob a forma de produtos facilitadores da ação da energia cósmica são utilizados –
homeopáticos, que são, por sua vez, utilizados nas pi- pela simples função de serem compostos que permitem
lhas de compostos orgânicos. Materiais secundários o balanceamento correto dos nutrientes disponibiliza-
também podem ser usados para aperfeiçoar o fluxo dos para as plantas. Ligado a esse ponto, também é ex-
energético – como as partes de animais (mesentério e plicado que a troca constante de fontes de adubação
caixa craniana bovina e bexiga de veado) (CARPENTER- pode permitir que haja um desequilíbrio na área cultiva-
BOGGS et al., 2000; KRUNGER, 2003; SIXEL, 2003; RAU- da, principalmente quando são trabalhadas culturas pe-
TA et al., 2014). renes que exigem adubações periódicas.
Outro ponto, também especificado acima, é o
estabelecimento ou a composição de um cenário agríco- 6. Sexta conferência: a temática dessa conferência girou
la que corresponda aos níveis de sustentabilidade des- em torno da perspectiva de proteção vegetal na agricul-
critos por todos os ciclos encontrados nos escritos biodi- tura, por meio da compreensão da tríade de caráter es-
nâmicos, sendo eles o estabelecimento de policulturas, piritual, anímico e físico – essa relação entre o ser hu-
rotação; a utilização de adubação verde, compostos de mano, que faz parte simultaneamente desses três pla-
esterco ou compostagem; a utilização dos preparados nos paralelos, com a conjuntura da produção vegetal.
acima citados no composto ou diretamente pulveriza- Nesse sentido, são elaborados conceitos em que as
dos sobre os cultivos; o plantio de cercas vivas e a pro- “pragas agrícolas” são meramente seres companheiros
teção de áreas de mata; o manejo consciente e racional que buscam a regulação cósmica da área trabalhada,
dos animais e seus subprodutos; a proteção e a regene- sendo este um tipo de termômetro que delimita a sani-
ração do solo e das espécies nativas (SIXEL, 2003). dade e a ligação cósmica da lavoura biodinâmica.

5. Quinta conferência: esta conferência foi embasada no 7. Sétima conferência: foi então abordada a noção de
papel cósmico da adubação correta dentro dos parâme- homem que pode construir conhecimentos pela junção
tros biodinâmicos, perfazendo a ideia de que a aduba- de ideais cósmicas e eventos diversos. Aqui, foram en-
ção realizada com a utilização de esterco e cifre de bovi- tendidos e descritos os papéis dos componentes da pai-
no, como fora descrito no tópico acima, permite que a sagem agrícola (animais, plantas, solo e homem) como
canalização da força cósmica possa ser dirigida à área de canalizadores da energia cósmica. Essa canalização pode
plantio e, assim, otimizar e completar a função da adu- ser mais harmoniosa, e as energias podem fluir, assim,
bação com o composto orgânico. de maneira mais organizada, melhorando, dessa forma,
todas as possibilidades da cadeia de plantio.
A relação íntima entre os compostos utilizados
para a adubação e a microflora existente na localidade 8. Oitava conferência: teve como tema a ideia do ho-
deve ser observada. O composto orgânico utilizado para mem como agente modificador da paisagem, como ser
a adubação em áreas de cultivo biodinâmico deve ser que tem a capacidade de discernir informações e, dessa
empregado mesmo quando a matéria orgânica estiver forma, melhorar os planos de utilização da natureza em
em avançado estágio de decomposição, formada por prol da produção agrícola, apoiando-se logicamente nas
uma boa parcela de húmus. Ainda existe a necessidade regras que regem o fluxo energético no cosmos. Esse
de que determinados compostos sejam degradados, fluxo energético pondera a visão da nutrição dos vege-
tornando-se, dessa forma, passíveis de assimilação pe- tais e, posteriormente, dos animais que dependem de-
los vegetais cultivados na área em questão. les. Assim, uma vez que haja um equilíbrio na base, as
Outra questão levantada foi a maneira como a outras porções da cadeia energética estarão arrumadas
adubação convencional pode desfavorecer o solo, pois a e colocadas dentro de um plano de equilíbrio.
superdosagem de determinados elementos químicos
contidos na composição básica dos adubos e seus possí-

242
Agricultura biodinâmica: uma revisão bibliográfica

MANEJO BIODINÂMICO al., 1983; CARPENTER-BOGGS et al., 2000; GONÇALVES,


2009; TURINEK et al., 2009).
Para muitos grupos de pensamento envolvidos Outro bom manejo para melhorar as condições
com a agricultura, o manejo biodinâmico demonstra-se do solo é o entendimento da dinâmica biológica do solo
simplificado, rudimentar e bastante empírico; porém, trabalhado, descrevendo para tal quais adubos orgâni-
como descrevem os textos básicos dessa corrente pro- cos podem suplementar minerais e outras substâncias,
dutiva, a produção dentro dos verdadeiros e consisten- mas também quais podem servir de fonte de microrga-
tes moldes do conhecimento biodinâmico parte do prin- nismos benéficos ao sistema. Logicamente, para esta
cípio de que a observação continuada e um conheci- modalidade de agricultura, não são utilizadas técnicas
mento prévio, holístico e experimentado são a base pa- de adubação química, e todos os minerais utilizados são
ra uma implementação satisfatória dessa modalidade de obtidos a partir de matéria orgânica encontrada ou dis-
agricultura. Além disso, a agricultura é tratada também posta no agroecossistema (GONÇALVES, 2009).
como uma parte do conhecimento espiritual dos que a Para a produção do composto orgânico, são mis-
praticam, utilizando uma diversidade produtiva que res- turados em camadas diversos detritos vegetais (folhas,
peita as possibilidades e as necessidades locais gravetos, cascas, frutos, flores e raízes), esterco animal,
(KRUNGER, 2003; SIXEL, 2003; RAUTA et al., 2014). água potável ou residuária, húmus, pós de rocha (sílica,
Para a adubação das áreas agricultáveis, são utili- argila ou cálcio), rejeitos de produção animal e da
zados principalmente estercos produzidos pelos animais agroindústria (sem produtos químicos). Esses rejeitos
que estão dentro do sistema da fazenda, sendo suple- são empilhados preferencialmente à sombra, mantidos
mentados com os compostos biodinâmicos descritos no úmidos e revirados periodicamente. Também são utili-
tópico anterior e, em alguns casos, por compostos ho- zados os compostos biodinâmicos descritos anterior-
meopáticos (KOEPF et al., 1983). mente (KOEPF et al., 1983; GONÇALVES, 2009).
Ainda sobre o manejo dos vegetais dentro de
uma propriedade biodinâmica, estes são tidos como a MANEJO DOS ANIMAIS
base do manejo dos fatores cósmicos e do clima, que
são observados como norteadores de crescimento, sen- Ao tratar os produtos colhidos nessas proprie-
do então manejados de acordo com as diferentes por- dades, são priorizadas a conservação dos meios pro-
ções que compõem a camada vegetal do agroecossiste- dutivos, a qualidade ambiental dos produtos e a rela-
ma. Esta pode ou não ser uma barreira de entrada e ção entre os atores dessa cadeia (produtores rurais,
distribuição de diferentes fatores de crescimento, como, comerciantes e consumidores) e seu trabalho. Tal
por exemplo, a luz solar; tem também uma função pro- corrente produtiva, como em outras pertencentes ao
tetora contra ventos e outras intempéries climáticas, âmbito sustentável, preconiza que deve haver um
sendo assim uma porção protetora para plantas meno- determinado grau de igualdade entre os constituin-
res ou para o próprio solo. Esta cobertura pode ser reali- tes do sistema, de modo que todos os atores sejam
zada com o uso de tecidos vegetais vivos ou não vivos, beneficiados por esse processo produtivo (KOEPF et
provenientes dos mais diferentes materiais vegetais e al., 1983; GONÇALVES, 2009).
em diferentes estados de decomposição (quando cor- No geral, a organização de uma propriedade bio-
responderem a materiais para a cobertura do solo) dinâmica, com respeito aos seus manejos e à paisagem,
(KOEPF et al., 1983; GONÇALVES, 2009). é descrita sob três principais pilares (KOEPF et al., 1983;
Logicamente, os vegetais estarão sendo conside- STEINER, 2000; RAUTA et al., 2014):
rados saudáveis se o solo em que eles foram plantados
estiver dentro dos padrões físicos e químicos necessá-  Ciclos de substâncias e forças: neste ponto, são
rios aos cultivos nele instalados. Logicamente, devem entendidos os fatores que baseiam, criam e promo-
ser respeitadas as possibilidades e particularidades de vem a produção agrícola. Um dos pontos abordados
cada região, sendo essas peculiaridades formadas prin- é o processo de criação e formação dos tecidos vege-
cipalmente pelo clima, pelo tipo de cobertura vegetal, tais, sob a ótica de que o aumento da biomassa vege-
pelo manejo, pela qualidade da água e pela composição tal está ligado aos fatores químicos, físicos e cósmi-
mineral de cada solo. Uma boa opção para o aumento cos que os governam.
da fertilidade natural do solo é a utilização de composto O segundo ponto abordado é o processamento am-
orgânico e de húmus, como foi exemplificado acima, biental, que é governado pela fotossíntese das plantas co-
para promover a fertilidade natural do solo (KOEPF et mo sendo a base nutritiva para elas e para todo o restante
da cadeia que depende dessa energia metabolizada.

243
Thiago Costa Ferreira

Também são evidenciados os ciclos naturais dos EXEMPLOS DO MANEJO BIODINÂMICO


elementos químicos (C, O, N e S) e da água, e suas for-
ças de transformação ao sabor dos ciclos lunares e esta- Entre os diversos exemplos de propriedades que
ções do ano, estabelecendo que os teores desses consti- trabalham no país com a agricultura biodinâmica, se-
tuintes dentro ou em volta dos vegetais são resultados gundo o site da Associação Biodinâmica (2018), podem
dessas transformações, podendo mudar de acordo com ser citados os seguintes:
diversos e complexos acontecimentos naturais. Entre - Fazenda Demétria/Sítio Bahia, situada no município de
eles, as diferentes espécies vegetais apresentam neces- Botucatu, SP; sendo produtora de produtos biodinâmi-
sidades e diversidades de aproveitamento dos elemen- cos como gado de leite, búfalos, frutas e verduras, além
tos químicos e da água. de produzir artigos de panificação e lácteos.
- Fazenda Volkmann, situada no município de Camaquã,
Eficiência da natureza: a eficiência está intimamente RS; produtora de arroz e preparados biodinâmicos;
ligada ao ritmo de reaproveitamento (retorno) em que a - Fazenda Tamanduá, situada no município de Santa
nutrição vegetal, a partir da utilização das matérias nu- Teresinha, PB; sendo produtora de arroz, farináceos,
tritivas encontradas nas soluções do solo, é assimilada, mel, queijos e Spirulina.
processada e promove o crescimento e a produção,
sem, no entanto, essas fontes de crescimento serem CONCLUSÃO
obtidas através da adubação química da área cultivada.
A natureza, por si só, pode restabeler sua susten- A agricultura biodinâmica lança mão de conheci-
tabilidade perdida com um cultivo inconsciente do solo. mentos diversificados vindos de vários ramos da ciência
O nível e a velocidade dessa transformação depende humana, como a Agronomia e a Astronomia, permitindo
muito da maneira como esse agroecossistema é consti- assim que haja um maior entendimento das forças cós-
tuído e manejado. micas influentes em nosso meio e que o ser humano
Sendo assim, um princípio de economia biológica possa produzir alimentos, fibras e combustíveis de ma-
importante para a eficiência dessa regulação natural é a neira sustentável e interligada com as forças que regem
forma como, por exemplo, a decomposição da matéria o universo.
orgânica morta é vista e empregada nos cultivos biodi-
nâmicos; por isso, são evidenciados casos benéficos da
produção de matéria orgânica ou húmus pela utilização
de técnicas de compostagem ou de vermicompostagem. REFERÊNCIAS

Empresas agrícolas biodinâmicas: neste segmento, a ASSOCIAÇÃO BIODINÂMICA. Disponível em: <https://
base conceitual é a seguinte: o habitat é o principal www.biodinamica.org.br/2/estagios>. Acesso em: 26 jul.
meio de trabalho e de sucesso da empresa biodinâmica. 2018.
As diferentes regiões que podem compor uma CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia: enfo-
paisagem rural têm seu manejo diferenciado por meio que científico e estratégico. Agroecologia e Desenvolvi-
da literatura especifica. Os conceitos administrativos, as mento Rural Sustentável, v. 3, n. 2, p. 13-16, abr./maio,
orientações técnicas e as experimentações de cunho 2002.
sustentável e biodinâmico são altamente importantes
para essa frente de trabalho. CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Por uma nova Exten-
A área deve ser dividida de acordo com a tipifica- são Rural: fugindo da obsolescência. In: Agroecologia e
ção e a necessidade da produção agrícola, com áreas Extensão Rural: contribuições para a promoção do de-
para cultivo de gêneros alimentícios, madeira, pasto e senvolvimento rural sustentável/por Francisco Roberto
feno, e também com áreas de preservação e repouso Caporal e José Antônio Costabeber (Orgs.). Brasília:
natural onde a vegetação nativa possa estabelecer o MDA/SAF/DATER, 2007, páginas 5-17, 2007.
equilíbrio com pouco ou nenhum auxílio humano. CAPORAL, F.R. Em defesa de um Plano Nacional de Tran-
Dessa forma, serão bem regidos todos os pontos sição Agroecológica: compromisso com as atuais e nos-
assinalados anteriormente e, assim, aproveitadas de so legado para as futuras gerações. GUAÍBA, 2008.
maneira consciente e sustentável todas as capacidades
CARPENTER-BOGGS, A. C; KENNEDY; J. P. Reganold Or-
naturais e humanas necessárias para a fomentação de
ganic and Biodynamic Management: effects on Soil Bio-
bons resultados produtivos, gerando lucro e bem-estar
logy, Soil Sci. Soc. Am. J., 64:1651-1659, 2000.
aos envolvidos no sistema.

244
Thiago Costa Ferreira

EHLERS, E. Agricultura Sustentável: origens e perspecti- vida nova para a terra. 2. ed. Tradução de Gerard Ban-
vas de um novo paradigma. 2. ed. Guaíba: Agropecuária, nwart. Editora Antroposófica, 2000.
1999.
TIMMERMANN, C.; FELIX, G. F. Agroecology as a vehicle
FERREIRA, T. C. Preceitos ecológicos do Padre Cícero: for contributive justice. Agricultural Humam Values, n.
uma visão agroecológica. Polêm!ca, v. 13, 2013. 32, p. 523-538, 2015.
FUKUOKA, M. Agricultura natural – teoria e prática da TURINEK, M.; GROBELNIK-MLAKAR, S.; BAVEC, M.; BA-
filosofia verde. São Paulo: Nobel. 300 p, 1995. VEC, F. Biodynamic agriculture research progress and
priorities. Renewable Agriculture and Food Systems, 24,
GLIESSMAM, S.R. Agroecologia: processos ecológicos
p. 146-154, 2009.
em agricultura sustentável. Ed. Universidade/ UFRGS,
2009. WANG H. H.; WANG, Y.; DELGADO, M. S. The transition
modern agriculture: contract farming in developing eco-
GONÇALVES, H. R. Alimentação e agricultura natural na
nomies. American Journal Agr. Econ., n. 96, v. 5, p.
Igreja Messiânica Mundial do Brasil e suas dissidências.
1.257-1.271, 2014.
Revista Nures, n. 13, 2009.
WILSON, C.; TISDELL, C. Why farmers continue to use
KRUGER, F. G. Adubação mineral, orgânica e biodinâmi-
pesticides despite environmental, health and sustainabi-
ca de Yacon (Polymniasonchifolia POEP & ENDL): rendi-
lity costs. Ecological Economics, n. 39, p. 449-462, 2001.
mento, qualidade e armazenamento. Tese de Doutora-
do. Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade
Estadual Paulista, Botucatu, 2003.
KRUGER, F. G. Q. Adubação mineral, orgânica e biodinâ-
mica de yacon (Polymnia sonchifolia Poep. & Endl.):
rendimento, qualidade e armazenamento. Botucatu. CURRÍCULO
Tese (Doutorado em Agronomia/Horticultura) – Facul-
dade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual * Doutor em Agronomia/Proteção de Plantas (UNESP),
Paulista, 211 p., 2001. bolsista do CNPq e trabalhando na área de Controle Bio-
lógico de Fitopatógenos na Embrapa Meio Ambiente;
NODARI, R. O.; GUERRA, M. P. A agroecologia: estraté- Licenciando em Biologia (UNICSUL); Mestre em Agrono-
gias de pesquisa e valores. Estudos Avançados, n. 29, v. mia/Fitopatologia (UFLA) com pesquisas na área de Pa-
83, 2015. tologia de Sementes e Controle Biológico de Fitopatóge-
PALMA, A. C.; LAURENCE, G. W. A review of the use of nos; Bacharel em Agroecologia e Técnico em Agro-
direct seeding and seedling plantings in restoration: pecuária (UEPB). Desempenha atividades na interface
what do we know and where should we go? Applied das áreas de Ciências Biológicas, Microbiologia, Meio
Vegation Science, n. 18, p. 561-568, 2015. Ambiente e Produção Vegetal.
RAUTA, J.; FAGUNDES, J. R.; SEHNEM, S. Gestão ambien-
tal a partir da produção biodinâmica: uma alternativa à
sustentabilidade em uma vinícola catarinense. Revista
de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 3, n. 3.,
set./dez., 2014.
KOEPF, H. H.; PETTERSSON, B. D.; SCHAUMANN, W.
Agricultura biodinâmica. São Paulo: Nobel, 1983.
SHARMA, K. K.; SINGH, U. S.; SHARMA, P.; KUMAE, A.
SHARMA, L. Seed treatments for sustainable sustainable
agriculture-A review. Journal of Applied and Natural Sci-
ence, n. 7, v. 1, p. 521-539, 2015.
SIXEL, B.T. Biodinâmica e agricultura. Botucatu: Associa-
ção Brasileira de Agricultura Biodinâmica, 2003.
STEINER, R. Fundamentos da agricultura biodinâmica:

245