Você está na página 1de 66

TECNOLOGIA DO PAPEL

Rubens Chaves de Oliveira


rchaves@ufv.br

0
Floresta – Indústria

1
ORGANOGRAMA GERAL DO PROCESSO DE
PRODUÇÃO DE PAPEL

PREPARO DE MASSA
DESAGREGAÇÃO
* DEPURAÇÃO
REFINO
MISTURAS DE POLPAS
ADIÇÃO DE PRODUTOS NÃO FIBROSOS

SISTEMA DE FLUXO PARA A MÁQUINA

MÁQUINA DE PAPEL

2
DESAGREGAÇÃO

PLACA DE
EXTRAÇÃO

ROTOR

3
LIGAÇÕES INTER-FIBRAS NA ESTRUTURA DO
PAPEL

4
ESTRUTURA DA FIBRA

5
DEPURAÇÃO
PENEIRA ACEITOS ACEITOS
HIDROFOILS INTERNA PENEIRA
REJEITOS
EXTERNA
PENEIRAS (SHIVES)
COMPARTIMENTO ENTRADA
ENTRADA DE PENEIRAS
DE MASSA
DE
MASSA

SÁIDA
DE
ACEITOS
SAÍDA DE
REJEITO
REJEITOS
PESADOS
EIXO
REJEITOS REJEITOS
DO
HIDROFOIL

6
REFINO

EFEITO DO REFINO NA
ESTRUTURA DA FIBRA E SUAS
RELAÇÕES COM AS
PROPRIEDADES DO PAPEL

7
REFINO

8
REFINADOR CÔNICO
ENTRADA SAÍDA
REGULAGEM
MOTOR

BARRA DO
ROTOR
ESTATOR

BARRAS
ROTOR

9
EFEITO DO
REFINO
NA
ESTRUTURA
DA FIBRA

10
EFEITO DO REFINO NA
ESTRUTURA DA FIBRA

11
EFEITO DO REFINO NA
ESTRUTURA DA FIBRA

12
PROPRIEDADES FÍSICO-MECÂNICAS DE POLPA E
PAPEL E SUAS VARIAÇÕES DURANTE O REFINO

PROPRIEDADES

13
REFINO
FATORES QUE AFETAM O GRAU DE
REFINO
Tipo de equipamento, característica de operação e
das barras metálicas.
Diferenças em tipo e qualidade de polpas.
Percentual de umidade das polpas à serem refinadas.
Consistência da polpa durante o refino.
Teor de hemicelulose na polpa.
Teor de lignina na polpa.
Temperatura da polpa.
pH da polpa.
14
TÍPICO SISTEMA DE DEPURAÇÃO COM PENEIRAS
PRESSURIZADAS.
CAIXA DE
NÍVEL

EXCESSO

CAIXA DE ENTRADA
ENTRADA DE MASSA

DISTRIBUIDOR
DE MASSA
NÍVEL DE
ÁGUA BRANCA
PENEIRAS
PRESSURIZADAS

MASSA P/
BOMBA DE MÁQUINA
ALIMENTAÇÃO

12,5 cm/m
15
SISTEMA DE DEPURAÇÃO COM HIDROCICLONES
CAIXA DE
NÍVEL

EXCESSO

ENTRADA
CAIXA DE DE MASSA
ENTRADA

DISTRIBUIDOR
DE MASSA NÍVEL DE
ÁGUA BRANCA
DISTRIBUIDOR
DE MASSA

CIRCULAÇÃO
DOS HIDROCICLONES
16
COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DO PAPEL

POLPA
ADITIVOS
AGENTES DERETENÇÃO
AGENTES DE COLAGEM
AGENTES DE RESIST.A
SECO E A ÚMIDO
AMIDOS
CORANTES
etc...
17
FLORESTA-INDÚSTRIA

18
A MÁQUINA DE PAPEL FOURDRINIER

SISTEMA DE DISTRUIÇÃO DE MASSA


CAIXA DE ENTRADA
SISTEMA DE FORMAÇÃO (TELA, ETC.)
PRENSAGEM
SECAGEM
CALANDRAGEM, BOBINAMENTO E
REBOBINAMENTO

19
HISTÓRIA E DESENVOLVIMENTO
DA MÁQUINA FOURDRINIER

ROLO DE
ROLO CABICEIRA
BAILARINO
ROLO COUCH DE AJUSTE

SISTEMA DE
ALIMENTAÇÃO

MASSA

20
SEÇÃO ÚMIDA NA MÁQUINA
FOURDRINIER
CAIXA DE
NÍVEL

CONTROLE
EXCESSO
DE VÁLVULA
ROLO DANDY ROLO DE
CAIXA DE ENTRADA
TELA SUCÇÃO
ENTRADA DE MASSA
CHUVEIROS ROLO DE
ACIONAMENTO

DEPURAÇÃO TANQUE DO
ROLO DE SUCÇÃO
ÁGUA TANQUE DE
P/ O
BRANCA SELAGEM
ENGROSSADOR

EFLUENTE
BOMBA DE
ALIMENTAÇÃO

21
SEÇÃO ÚMIDA NA MÁQUINA
FOURDRINIER
ROLO DE TELA
CABECEIRA ROLO DE ROLO
SUCÇÃO ACIONADOR

COLETORES COLETORES

RASPADORES

ROLO
ROLO TENSIONADOR ROLO DE CHUVEIROS
GUIA ROLO DE LAVAGEM
ESTICAMENTO

22
SEÇÃO ÚMIDA NA MÁQUINA
FOURDRINIER

23
SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE MASSA PARA A
CAIXA DE ENTRADA

FUNÇÕES DOS DISTRIBUIDORES


UNIÃO DE FLUXOS
DISTRIBUIÇÃO DE MASSA
DIRECIONAMENTO DE FLUXO AO LÁBIO
DISPERSÃO DE MASSA

24
SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE
MASSA
LINHA DE BALANÇO DE MASSA PRESSÃO

P/ CAIXA DE ENTRADA

BAIXA RECIRCULAÇÃO

PRESSÃO

RECIRCULAÇÃO P/
BOMBA DE ALIMENTAÇÃO
ALTA RECIRCULAÇÃO
ENTRADA DE
MASSA

25
CAIXAS DE ENTRADA
TIPOS DE CAIXA DE ENTRADA
DESPRESSURIZADAS
PRESSURIZADAS
FLUXO DIRETO

LÁBIOS (RÉGUAS) DAS CAIXAS DE ENTRADA


FUNÇÃO
TIPOS:
BAIXA VELOCIDADE
MÉDIA E ALTA VELOCIDADE
26
RELAÇÃO ENTRE A COLUNA DE MASSA
E VELOCIDADE DE DESCARGA DE MASSA DA
CAIXA DE ENTRADA

V=Cv(2gH)1/2

V= VELOCIDADE DE DESCARGA DE MASSA


Cv= COEFICIENTE DE DESCARGA À
VELOCIDADE
g= 10 m/s2
H = ALTURA DA COLUNA DE MASSA
NA CAIXA DE ENTRADA
27
FLUXO DE DESCARGA DE MASSA DA
CAIXA DE ENTRADA
Q = Av.V
Q = As.Ca.V
Q = As.Ca.Cv(2gH)1/2
Q = VAZÃO, m3/s
Av = ÁREA DA SEÇÃO TRANSVERSAL DO FLUXO NO PONTO
MÁXIMO DE VELOCIDADE
As = ÁREA DA SEÇÃO TRANSVERSAL (ÁREA DE ABERTURA) DO
LÁBIO
Ca = COEFICIENTE DE CONTRAÇÃO DE FLUXO, Ca = Av/As

VALORES DE COEF. DE CONTRAÇÃO


LÁBIOS DE FLUXO DIRETO, Ca = 1.0
LÁBIOS DE 30º - 60º, Ca = 0.85 - 0.95
LÁBIOS DE 90º, Ca = 0.65 - 0.75
28
CAIXA DE ENTRADA

29
FORMAÇÃO E DRENAGEM

CONVERGENTE DIVERGENTE FORMAÇÃO


C/ PRESSÃO

COMBINAÇÃO

FORMAÇÃO C/
ÂNGULO DE JATO

VELOCIDADE

L/b(ADMENSIONAL)

30
DRENAGEM E FORMAÇÃO EM MÁQUINAS
FOURDRINIER

PRESSÃO HIDROSTÁTICA
PRESSÃO DE INÉRCIA
FORÇA DE SUCÇÃO OU VÁCUO
PRESSÃO DE CILINDROS SUPERIORES

FUNÇÕES BÁSICAS DA SEÇÃO ÚMIDA


DILUIÇÃO
DISTRIBUIÇÃO
COMPACTAÇÃO
REMOÇÃO DE ÁGUA 31
FORMAÇÃO E DRENAGEM
Ton .água/ Ton. fibra

COMPRIMENTO DA MÁQUINA

CONSISTÊNCIA %

MISTURA FORMAÇÃO TRANSIÇÃO ALTO P

32
MECANISMO DE FORMAÇÃO
DA FOLHA

SUSPENSÃO CAMADA
FIBROSA FIBROSA

FORMAÇÃO FORMAÇÀO DA
DA FOLHA FOLHA

DRENAGEM

FILTRAÇÃO CIZALHAMENTO TURBULÊNCIA 33


VARIÁVEIS QUE AFETAM A
DRENAGEM
ARRANJOS DOS ELEMENTOS
DRENADORES
CARACTERÍSTICA DA TELA
TENSÃO DA TELA
CARACTERÍSTICA DA MASSA (FREENESS,
ADITIVOS, ETC.)
ESPESSURA DA MANTA DE MASSA
TEMPERATURA DA MASSA
CONSISTÊNCIA DA MASSA
VELOCIDADE DA MASSA.
34
FORMAÇÃO E DRENAGEM

VÁCUO
ROLETE HYDROFOIL VÁCUO
DESAGUADOR FOIL
POLEGADAS
PRESSÃO EM

DE Hg

POLEGADAS
VÁCUO EM

POLEGADAS Hg
DE Hg

610 m/min 760 m/min

35
FORMAÇÃO E DRENAGEM

TELA

PONTO DE MÁXIMA
PRESSÃO E DESGASTE

TELA MÓDULO DE
DIVERGÊNCIA

PLANO DE
DIVERGÊNCIA

36
FORMAÇÃO E DRENAGEM

REMOÇÃO
DE ÁGUA

LbÁGUA/
Lb FIBRAS

VÁCUO

POLEGADAS
DE Hg

Nº DE CAIXAS DE VÁCUO
37
FORMAÇÃO E DRENAGEM

MD

LINHA D’ÁGUAS

LINHA D’ÁGUA

38
FATORES QUE AFETAM
A RETENÇÃO
CARACTERÍSTICA CONDIÇÕES DA RELACIONADOS
DA MASSA TELA FORMADORA AOS ADITIVOS
GRAMATURA DA QUANTIDADE E
pH FOLHA. ORDEM DE
CONSISTÊNCIA CARAC. DE FOR- ADIÇÃO.
TEMPERATURA MAÇÃO DA FOLHA. FORMA, TAMA-
TIPO DE FIBRA NHO E DENSI-
MESH DA TELA.
GRAU DE REFINO DADE DAS
ELEMENTOS
RECICLO DA PARTÍCULAS.
DRENADORES. BALANÇO IÔNICO.
ÁGUA BRANCA. VELOCIDADE. USO DE AGENTES
VIBRAÇÃO OU DE
NÃO. RETENCÃO

39
SEÇÃO DE PRENSAGEM
FELTRO DO
ROLO PICK UP
PRENSA DO
FELTRO
2ª PRENSA
1ª PRENSA
CILINDROS
PAPEL SECADORES

TELA PAPEL
PRENSA DE
TRANSFERÊNCIA .

FELTRO DA
FELTRO DA
2ªPRENSA
1ªPRENSA

40
DESAGUAMENTO NA PRENSAGEM

41
NIP DA PRENSA DE SUCÇÃO
CENTRO DO NIP
FASE 1: COMPRESSÃO,
SAÍDA DE ÁGUA
FASE 2: EXPANSÃO,
REDISTRIBUIÇÃO
FASE 2 DE ÁGUA
1
SATURADO
C/ ÁGUA PAPEL

FELTRO
REMOÇÃO
DEÁGUA

ROLO DE
SUCÇÃO
CAIXA DE
RETORNO SUCÇÃO
DE ÁGUA

42
DESAGUAMENTO NA PRENSAGEM

43
DESAGUAMENTO NA PRENSAGEM

44
DESAGUAMENTO NA PRENSAGEM

CENTRO DO NIP

PAPEL PAPEL

FELTRO FELTRO

ROLO DE SUCÇÃO ROLO DE SUCÇÃO

2,4”

1.012”

SUCÇÃO ÁREA DE DRENAGEM 22,75%

45
DESAGUAMENTO NA PRENSAGEM

46
DESAGUAMENTO NA PRENSAGEM

47
VARIÁVEIS QUE AFETAM A PRENSAGEM

CARACTERÍSTICA CARACTERÍSTICA VARIÁVEIS


DA FOLHA DO PROJETO DE OPERAÇÃO
CARGA
TIPO DE FIBRA DUREZA E
APLICADA
FREENESS DIÂMETRO DE
TIPO DE FELTRO
WRV ROLOS.
E VIDA ÚTIL.
GRAMATURA CONFIGURAÇÃO LIMPEZA DE
TEOR DE DA PRENSAGEM. FELTROS.
UMIDADE TIPO DE NIP VELOCIDADE DA
TEMPERATURA DE PRENSAGEM MÁQUINA.

48
SECAGEM
DEFINIÇÃO DE SECAGEM
DESCRIÇÃO DA SEÇÃO DE SECAGEM
MECANISMO DE TRANSFERÊNCIA DE MASSA
E CALOR
CILINDROS SECADORES
TELAS DE SECAGEM

EFEITOS DE SECAGEM NAS PROPRIEDADES


DO PAPEL
49
DESCRIÇÃO DA SEÇÃO DE SECAGEM
2ªSEÇÃO DE
1ªSEÇÃO DE
SECAGEM
SECAGEM

SECÇÃO DE
PRENSA

3ªSEÇÃO DE 4ªSEÇÃO DE
SECAGEM SECAGEM

50
DESCRIÇÃO DA SEÇÃO DE SECAGEM

51
SEÇÃO DE SECAGEM

52
TAXA DE TAXA DE
EVAPORAÇÃO EVAPORAÇÃO
NO LADO TELLA NOLADO
DA FOLHA FELTRO DA
FOLHA

IDEALIZADA
ATUAL
MECANISMO DE REMOÇÃO DE ÁGUA

53
CILINDROS SECADORES

SAÍDA DO
CONDENSADO

54
DESCRIÇÃO DA SEÇÃO DE SECAGEM

SECADOR
YANKEE

FELTRO

LÂMINAS
DE CREPE PAPEL

FOLHA

LÂMINAS DE
LIMPEZA

ROLO DE
PRESSÃO

55
CILINDROS SECADORES

ENTRADA DE
VAPOR

SAÍDA DO
CONDENSADO

56
CILINDROS SECADORES
ÁGUA 77ºC ÁGUA 149ºC
10ºC

BOMBA
316ºC 454ºC
82ºC
316ºC

316ºC
(A) (B)

(C)
57
TRANSFERÊNCIA DE CALOR
r1-- r5 = RESISTÊNCIAS

r1 = 1/h1
r2 = 1/h2

r3 = 1/h3

r4 = 1/h4
r5 = 1/h5
h1-- h5 = CONDUTÂNCIAS

FLUXO DE VAPOR
DE VELOCIDADE Vo

TEMPERATURA
DO VAPOR PRESSÃO DE VAPOR DE
ÁGUA E AR - INTERFACE DA ÁGUA

T5
TEMPERATURA PRESSÃO PARCIAL
DE EVAPORAÇÃO DE VAPOR DE ÁGUA

SUB-CAMADA
PAPEL

VAPOR
CONDENSADO PAPEL
INCRUST. PAREDE DO SUJEIRA
SECADOR E AR

58
CILINDROS SECADORES

(A) (B)

(C) (D)

59
CILINDROS SECADORES

60
EFEITOS DA SECAGEM NAS
PROPRIEDADES DO PAPEL
3.5
TENSÃO NA SECAGEM (LB/FT)
FORÇA(lb/in)

ALONGAMENTO (%)

61
TELAS DE SECAGEM

62
CALANDRAGEM

63
BOBINAMENTO

64
REBOBINAMENTO

MOTOR

65