ETEC PROFº.

BASILIDES DE GODOY ROSCAS
DEFINIÇÃO
A rosca é uma saliência ( filete ) de secção uniforme que se desenvolve com uma inclinação constante em torno de uma superfície cilíndrica.
Ø EXTERNO Ø M É D IO Ø IN T E R N O (o u Ø d o N Ú C L E O )

x Ø M É D IO P h

P = Passo da rosca é distância compreendida entre dois filetes consecutivos, medida no mesmo ponto; é sempre um filete e um vão. i = Número de filetes ou entradas que se desenvolvem lado a lado ao redor do cilindro. h = Deslocamento axial correspondente a uma volta completa do parafuso. a= Ângulo de inclinação da hélice, é dado pelas expressões:

tg a = h / p x Ømédio
ou

tg a = P x i / p x Ømédio.

1

h=Pxi

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY
UTILIDADES DA ROSCA
A rosca é um recurso mecânico de grande importância e constante aplicação pois: - possibilita a união não permanente de peças e a facilidade de desmontá-las, quando necessário. - possibilita o movimento de avanço de um elemento de máquina, quando há movimento de rotação em uma das partes do conjunto; uma morsa ou o fuso de um tôrno mecânico são bons exemplos da aplicação do desse recurso. Nas figuras abaixo pode-se ver respectivamente a rosca externa de um parafuso e a rosca interna de uma porca, ambos de filetes quadrados, onde é visível a superfície cilíndrica na qual se desenvolve o filete.

P

PARAFUSO

PORCA

2

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY
ROSCA À DIREITA E ROSCA À ESQUERDA
Uma rosca é à direita quando, para que o parafuso entre na porca é necessário dar-lhe o movimento de rotação da esquerda para a direita, ou no sentido dos ponteiros do relógio (sentido horário).

R S AÀD E A OC IR IT

Uma rosca é à esquerda quando, para que o parafuso entre na porca é necessário dar-lhe o movimento de rotação da direita para a esquerda, ou no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio (sentido anti-horário).

R S AÀE Q E D OC S URA

3

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY
ROSCA DE FILETE SIMPLES
Uma rosca é de filete simples, quando apenas uma saliência (filete) se desenvolve ao redor do núcleo. Também conhecida como rosca de uma entrada.

R o s c a d e file te s im p le s

ROSCA DE FILETES MÚLTIPLOS ( Duplos, Triplos, etc.)
Uma rosca é de filete duplo (ou triplo), quando duas (ou três) saliências (filetes) se desenvolvem lado a lado ao redor do núcleo. Também conhecida como rosca de duas (ou três) entradas. As roscas de filetes múltiplos tem o ângulo de inclinação da hélice mais acentuado Comparando os dois tipos os ângulos de inclinação a (no filete simples) e b (no filete duplo), no segundo caso, esse ângulo é mais acentuado.

Filete 1

Filete 2

1

2

1

2

1

R o s c a d e file te d u p lo
4

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY
FILETE
O filete ( ou fio) pode apresentar secção transversal de vários tipos, e dá nome as roscas acabando também por condicionar sua aplicação. Na Mecânica, os perfis mais comuns são:

-

Rosca de filete triangular: padrão mundial em parafusos e porcas seriadas de fixação na união de peças. Ex.: fixação da rodas dos carros, elementos de máquinas, estruturas metálicas, etc.

PARAFUSO P asso

Ø d ext.

Ø D int.

Ø d int.

PORCA

-

Rosca de filete quadrado: parafusos que sofrem grandes esforços e choques. Ex.: prensas e morsas.

P asso

Ø D int. Passo

PAR AF U S O

Ø D ext.

Ø d ext.

Ø d int.

PORCA

5

Ø D ext.

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY Rosca de filete trapezoidal: parafusos que transmitem movimento suaves e uniformes. Ex.: fusos de máquinas.

P asso PARAFUSO

Ø d ext.

Ø D int. PORCA
Passo

-

Rosca de filete dente de serra: parafusos que exercem grande esforço num só sentido. Ex.: macaco mecânico.

PARAFUSO

Ø d int.

Ø D ext.
Ø D int.

Ø d ext.

Ø d int.

PORCA Passo

6

Ø D ext.

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY Rosca de filete arredondado ou redondo: parafusos de grandes diâmetros sujeitos a grandes esforços. Ex.: equipamentos ferroviários.

OBS: O perfil da rosca de filete arredondado, é também usada em fusos de máquinas-ferramenta do tipo CNC (Comand Numeric Control) combinando esse uso com a adição de esferas metálicas, preenchendo os espaços dos raios entre a porca e o parafuso do fuso principal. Para este tipo de aplicação, tanto o parafuso, como a porca e as esferas que compõem o conjunto são extremamente resistentes ao atrito, as dimensões possuem grande precisão e as superfícies em contato são retificadas e polidas. Essas medidas visam permitir uma folga dimensional mínima entre os componentes, garantindo a precisão de movimentos e possibilidade de maior agilidade nos deslocamentos do sistema. De construção geométrica semelhante (cilíndrica e perfil curvo) e com uma entrada, há uma variação para a opção do filete redondo chamada de rosca Edison. È normalmente utilizada em bases de lâmpadas e fusíveis roscáveis, bem como nas peças fêmeas roscadas dos correspondentes porta-lâmpadas e porta-fusíveis.

Passo

Ø D int. Ø D ext.

PARAFUSO

Ø d ext. Ø d int.

PORCA

IDENTIFICAÇÃO DAS ROSCAS
As roscas não seriadas são geralmente identificadas por: - tipo de perfil ou filete. - dimensão (diâmetro da rosca). - passo (em milímetros ou polegadas). - quantidade de fios contidos em cada milímetro ou polegada (conforme o caso). - espessura do filete (rosca grossa ou fina). As informações acima são básicas e uma identificação criteriosa de uma rosca muitas vezes, pode conter ainda algumas informações adicionais.

7

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY
SIMBOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE ROSCAS
Pode apresentar na maioria dos casos a seguinte sequência para sua identificação: 1º) Perfil: Tr = Trapezoidal. Rd = Redonda. S = Dente de Serra. E = Edison. OBS: No caso das roscas de perfil Triangular, essa característica não é citada, já que esse tipo de perfil, é adotado pelos sistemas internacionais do mundo inteiro como padrão para fabricação seriada de parafusos e porcas, pela simplicidade e facilidades que essa forma de construção apresenta, sendo que, a principal variação existente dentre os perfis triangulares diz respeito ao ângulo do perfil do filete que pode ser de 55º ou 60º.

 G L D P R IL D N UO O E F A R S AT IA G L R= 5 º O C R N UA 5

 G L D P R IL D N UO O E F A R S AT IA G L R= 6 º O C R N UA 0

2º) Diâmetro externo da rosca e o passo (em milímetros ou polegadas).

3º) Número de fios (por milímetro ou fios por polegada).

4º) Espessura do filete (rosca fina ou grossa).

8

ETEC PROFº. BASILIDES DE GODOY
(À direita e com uma entrada): Exemplos: Tr 48 x 8 – rosca trapezoidal, diâmetro externo = 48 mm, passo = 8mm. Rd 40 x 1/8” – rosca redonda, diâmetro externo = 40 mm, passo = 1/8”. S 70 x 10 – rosca dente de serra, diâmetro externo = 70 mm, passo = 10mm. Qr 48 x 8 – rosca quadrada, diâmetro externo = 48 mm, passo = 8mm. E 27 – rosca Edison, diâmetro nominal em mm (dimensões tabeladas).

(À esquerda e com múltiplas entradas): Exemplos: Tr 48 x 8 esq ( 2 ent. ) – rosca trapezoidal, diâmetro externo = 48 mm, passo = 8mm, à esquerda, com 2 entradas. Rd 40 x 1/8” esq ( 3 ent.) – rosca redonda, diâmetro externo = 40 mm, passo = 1/8”, à esquerda, com 3 entradas. Qr 48 x 8 esq ( 2 ent. ) – rosca quadrada, diâmetro externo = 48 mm, passo = 8mm, à esquerda, com 2 entradas. S 70 x 10 esq ( 2 ent. ) – rosca dente de serra, diâmetro externo = 70 mm, passo = 10mm, à esquerda, com 2 entradas.

As informações contidas nesse texto foram compiladas de diversas fontes originais para uso específico em sala de aula, e podem, sem espaço de tempo determinado ou aviso prévio sofrer alterações, atualizações, acréscimos ou mesmo correções por imprecisões aqui contidas. ( Rev. 1 – Ago 2009 ).

9

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful