Você está na página 1de 3

Atividade Discursiva do ENADE

ENADE 2006, Questão 8 - Uma Biografia/Questão de pontuação


Psicologia
Disciplina: Arte e Subjetivdade
Ano/Semestre: 2014 – 8º Período
Professor: Ana Cláudia Yamashiro Arantes
Acadêmico: Everson Ferreira da Cunha

Considerando o desenho, “Uma biografia”, do cartunista Caulos, que


apresenta uma sequência de cinco quadros e o texto “Questão de pontuação”,
que é um poema de João Cabral de Melo Neto, que apresenta três estrofes de
quatro versos cada, é possível responder a questão analisando que o poeta
utiliza os sinais de pontuação como metáforas de comportamentos ou atitudes
humanas, ou seja, para o eu lírico cabe ao homem escolher como agir ou reagir
diante das diferentes situações da vida: que ele se encante e se espante (viva
em ponto de exclamação); que se questione sempre sobre o que vive ou
presencia (viva em ponto de interrogação); que viva oscilando e, muitas vezes,
que não tome partido, quando se trata de questões políticas.
A resposta da questão é a letra E, sendo que no desenho do cartunista
Caulos representa o quinto quadro, enquanto que no poema de João Cabral se
refere a terceira estrofe.
A fundamentação da resposta está no fato de que o poeta estabelece
uma relação entre a vida e a pontuação, em ambos os casos, mesmo sem
linguagem verbal o ponto final no quinto quadro metaforiza a morte.
Uma vez respondida a questão, se faz necessário ir mais além afim de
discutir o enunciado e extrair um pouco mais da subjetividade do texto.
É preciso entender que o texto se refere a uma metáfora, que por sua vez,
segundo a Wikipédia, significa uma figura de linguagem que produz sentidos
figurados por meio de comparações implícitas. Ela pode dar um duplo sentido à
frase. Com a ausência de uma conjunção comparativa. Também é um recurso
expressivo.
Por esta razão, é obvio que não podemos afirmar categoricamente que o
sentido da morte é o fim da vida ou a cessação da existência como sendo o
ponto final da vida, mas, os sofrimentos, as frustrações, e as circunstâncias
adversas no percurso da vida humana também podem ter este sentido.
Concluo com palavras do poeta Fernando Pessoa:
Nem sempre um ponto final é um ponto final. É possível, sempre, começar
um novo parágrafo, por isso Se achar que precisa voltar, volte! Se perceber
que precisa seguir, siga! Se estiver tudo errado, comece novamente. Se
estiver tudo certo, continue. Se sentir saudades, mate-a. Se perder um amor,
não se perca! Se o achar, segure-o!
Referências

1.https://educacao.uol.com.br/planos-de-aula/medio/portugues-metafora-e-
pontuacao-em-textos-literarios.htm
2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Met%C3%A1fora
3. https://www.pensador.com/frase/MjU5/