Você está na página 1de 10

MATÉRIA: Direito do Trabalho

PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano
AULA E DATA: 01 – 27.02.2010

Conhecimento= entendimento + memorização
A mente deleta informações a cada 48 horas.

INTRODUÇÃO

O professor fala sobre a relação de trabalho e a gratificação ou realização
que este propicia. Fala sobre buscar um trabalho meramente pelo dinheiro ou
porque tem um dom.
Fala que esta forma de trabalho vem da sociedade moderna, porque nem
sempre foi assim.

FONTES MATERIAIS DO DIREITO DO TRABALHO

A palavra “trabalho” vem do latim tripalium, que significa um instrumento
de tortura. Tripaliari, do latim vulgar, significa “torturar”.
Logo após o homem abandonar o trabalho de subsistência nos primórdios
da humanidade, em que ele trabalhava para si mesmo e para sua família, surgem as
relações de trabalho. E a primeira relação que se verifica na antiguidade (Grécia e
Roma antiga) é a escravidão. Então, grupos mais fortes dominavam os grupos mais
fracos e colocavam como escravos os vencidos, os prisioneiros de guerra.
Aristóteles coloca a necessidade do ócio.
Depois da escravidão surge um sistema na Idade Média chamado
servidão. Seria um 'semi-escravo' que servia ao senhor feudal, propriedade das
terras, em troca de sua subsistência e proteção.
A igreja, no entanto, começa a criticar este sistema, mas continuava a
sustentar a existencia de ricos e pobres pela vontade divina. O servo deveria
trabalhar para pagar seus pecados, porque se era servo é porque era pecador.
Começam a surgir as corporações de ofício em razão do surgimento das
cidades. São os artesãos que faziam cadeiras, mesas, etc.
No final da idade média começa a haver um novo sistema de trocas com
base na moeda.

1

como estabelecida pela 2 .2010 Nas corporações da idade média surgem 3 figuras: . já no século XX.Aprendiz . Á partir de 1850 em reação a essas explorações iniciou-se as associações de trabalhadores que exerciam pressão sobre os donos de indústrias.menor Com a criação da máquina a vapor em meados de 1750 (séc. limitando a Liberdade. E quando os italianos chegam no Brasil o Presidente era Getúlio Vargas (1930 a 1945). futuramente essas associações se tornaram sindicatos. gera desigualdade.O mestre . há migração do campo para cidade.02. sálarios baixos.o companheiro . pois se constatou que liberdade sem intervenção do estado gera desigualdades.trabalhador assalariado. dos meios de produção. as condições de trabalho se tornam degradantes. . a doutrina da liberdade.MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27.detentor da corporção. O empregado trabalhava de sol a sol. “La necessitè obligue” . Como essas associações começaram a fazer certa pressão o Estado sentiu necessidade de intervir.a necessidade obriga. E como isso veio parar no Brasil? O fator externo foi a imigração italiana. Assim. Na frança surge a doutrina do “laisse fair. XVII). Mas a história mostra que a liberdade excessiva. trabalho de sol a sol. 2) FONTES FORMAIS DO DIREITO DO TRABALHO Fontes formais referem-se à própria norma. É necessária a intervenção estatal. com isso os sindicatos também podem ser considerados uma fonte material do Direito do Trabalho. verifica-se que o Direito do Trabalho nasce como reação às condições impostas pela Revolução Industrial no século XVIII. há exploração desta. ocorre a Revolução industrial. há castigos fisicos. havendo exploração do trabalho infantil e da mulher. laisse passè”. porque quando o sol se punha não era possível mais trabalhar. . Como a mão de obra se torna farta.

aquilo que gerou a norma.Princípio protetor Proteção aos mais fracos.Portarias .Leis . As normas coletivas. Próprio vem do grego auto. .Contratos coletivos (sindicatos) As 4 primeiras são criadas pelo estado e são chamadas de heterônomas. mais importante do que a norma vem antes da CF .“in dubio pro operario” ou “in dubio pro misero” Em caso de dúvida sempre se decide a favor do operário 3 .MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27.2010 piramide Kelseniana. Fonte autônoma é aquela criada pelas próprias partes. 3 . daí a necessidade de intervenção do estado.CF . economicamente. Onde nasce o sistema.PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO Os princípios encontram-se em um patamar acima das normas. Porque no sistema onde há mais poderosos. estes impõem sua vontade. Abade La Corteur . O estado é um terceiro e ele cria regras.02.“a liberdade escraviza e a lei liberta”. sempre a favor do operário este se desmembra em: Desmembramentos do princípio protetor: . Fontes materiais refere-se ao momento que antecede a norma. como o contrato de trabalho são criadas pelos próprios entes envolvidos.Regulamentos .

Princípio da continuidade da relação de emprego . Os direitos trabalhistas são irrenunciáveis. Assim trata do empregado.presume-se que o contrato de trabalho é por prazo inderteminado. O que aconteceu de verdade. sempre se utilizará a lei que for mais favorável ao empregado.02.Equivale ao direito adquirido. Assim. não tem termo final. É nulo qualquer contrato ou acordo que vise reduzir direitos trabalhistas. Isto porque quem cria e controla os documentos é a empresa. .2010 .Aplicação da norma mais favorável . do eventual. avulso (portuário).CONCEITO O direito do trabalho lida com a relação de emprego e situações análogas. Contratos que vão contra as normas trabalhistas.Condição mais benéfica (direito adquirido) . . do doméstico. voluntário. mesmo que o empregado concorde não tem validade.a realidade material prevalece sobre a formal. não se pode alterar o contrato para pior. .MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27.art. A lei limita os contratos por prazo determinado. de fato. do autônomo. 9º.Primazia da realidade . 4 . a prova do termo final cabe ao empregador.Irrenunciabilidade . . do temporário.Em direito do trabalho não se aplica a hierarquia de leis. etc. CLT. Presume-se que o empregador dispensou o empregado até prova em contrário. 4 . O que aconteceu de fato prevalece sobre documentos. do estagiário.

7º. Estagiário . A relação de emprego é a mais importante relação de trabalho.MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27. filantrópicas.o empregado não pode se fazer substituir por outro.02. Temporário . estagiário.este ramo do direito não se refere a pessoas jurídicas.Pessoalidade (“intuitu personae”) . etc. CLT e leis esparsas. XXXIV. RELAÇÃO DE TRABALHO A relação de trabalho é um gênero. Voluntário . Características do empregado: . que tem diversas espécies (empregado. Não têm direitos trabalhistas.Aqueles que trabalham para aprender.é o trabalhador portuário. Avulso . Autônomo . voluntário. Ele é contratado em razão de suas características pessoais. etc) Todo empregado é um trabalhador.aquele que obedece ordens (principal característica - Subordinação). mas nem todo trabalhador é empregado. ligado ao OGMO (orgão gestor de mão de obra) .2010 Empregado . Não têm direitos trabalhistas. Observação .Lei 9608/98 .subordinação .trabalha esporadicamente. CF.foi equiparado ao empregado . regidos por lei própria.art.não tem subordinação. destina-se exclusivamente às pessoas físicas. Tem todos os direitos trabalhistas.onerosidade (salário) .são trabalhadores contratados para auxiliar quando há aumento de demanda.habitualidade .) e quais as atividades que podem ser desempenhadas. Eventual . eleitorais. É regulada pela CF. 5 .diz quais ramos (saúde.

não humilhe o empregado. Dispensa motivada (ou por justa causa). se a falta for muito grave. Amauri Mascaro do Nascimento (dica) . A empresa também é responsável pelos atos de seus prepostos.o empregador assume o risco da atividade. Não exclua ninguém. 3º. mas nunca no banheiro ou próxima a este.o empregador pode manter câmeras para fiscalizar empregados. bolsa. Empregado (art. 2º. b . CLT). também é vedada a revista íntima do homem. computador. pessoalidade. para evitar constrangimentos) . Câmeras .Risco do negócio (alteridade) . CLT) Quando estamos diante de um grupo econômico. linha telefônica.punir (poder disciplinar) . salário. revista (desde que seja aleatória e em ambiente fechado. VI. CLT) características . por uma interpretação sistemática das normas.Poder de comando divide-se em: a .“empregador é todo aquele que tem empregados”.pessoa física. 373-A. suspensão até 30 dias. subordinação.MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27. mas pelo princípio constitucional da isonomia. Empregador (art. .poder de organizar.Pessoas físicas ou jurídicas .pessoas físicas ou jurídicas.02. 2º. Para as demais empresas pode ser uma advertência.só pode para atleta profissional. quem será o 6 .2010 Embora o artigo 7º fale “são direitos dos trabalhadores”. c . CLT) . habitualidade. a doutrina pacífica entende que ela quis dizer “são direitos dos empregados”. sem pagamento.desde que não ofenda a dignidade da pessoa humana.vedada a revista íntima da mulher (art. Características: . GRUPO ECONÔMICO (art.fiscalizar (pode fiscalizar e-mail corporativo. Multa .

O grupo é solidariamente responsável pelas obrigações. 2 Art.02. 10 . Todos respondem pelo total da obrigação. Se um empregado trabalha no Extra ele será empregado somente do Extra ou do grupo econômico todo? Outro exemplo é a AMBEV. 448 . 101 e 4482 da CLT) Pela legislação trabalhista o novo empregador (sucessor) assume o passivo trabalhista. TST) (Súmula é uma síntese do entendimento do tribunal sobre o assunto). Se trabalha para uma das empresas. Quando uma empresa compra a outra. fiscais). Extra. é nula perante os trabalhadores. ela leva os ativos e os passivos (débitos trabalhistas.2010 empregador? Exemplo: Sé. esta cláusula só é válida entre os contratantes.MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27. que é aquela que permite que a empresa atinja o seu fim.Qualquer alteração na estrutura jurídica da empresa não afetará os direitos adquiridos por seus empregados.A mudança na propriedade ou na estrutura jurídica da empresa não afetará os contratos de trabalho dos respectivos empregados. Ele torna-se o novo empregador. portanto todo o grupo econômico será o empregador. Sucessão de empregadores (arts. O trabalhador cobra o sucessor. e o sucessor entra com uma ação regressiva para cobrar do sucedido o que pagou àquele. Terceirização (súmula 331. Compre Bem. 7 . Ex1: Empresas de segurança têm relação de emprego com seus 1 Art. Ela não é erga omnes. do Abílio Diniz. Não se pode terceirizar a atividade fim (especialidade) da empresa. mas somente a atividade meio. de quem é a responsabilidade? O Direito do Trabalho nasceu para proteger. Barateiro. são do Grupo Pão de Açúcar. Peralta. Se houver cláusula dizendo que o sucessor só vai se responsabilizar a partir da sucessão. Responsabilidade solidária .

A lei não exige que seja registrado em Cartório. RELAÇÃO DE EMPREGO Sujeitos: empregado (art. Responsabilidade subsidiária do tomador de serviços.agente capaz. Ex2: Curso via satélite do Complexo Jurídico Damásio de Jesus. para depois invadir o patrimônio do tomador.02. e contrato civil de prestação de serviços com os bancos. ele é informal! É um contrato realidade.2010 vigilantes. 8 . Isso significa que primeiro tem que exaurir o patrimônio da empresa contratada. 3º. forma prescrita e não defeso em lei. CLT) e empregador (art. O jurista chama esse contrato de 'contrato realidade'. não exige formalidades.MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27. A simples relação de emprego gera a existência de contrato de trabalho. Qual é a forma do contrato de trabalho? O contrato de trabalho não tem forma. não exige testemunhas. É gerado o direito de se receber um salário como contra-prestação. Contrato é um trato. um acordo. Contratual é um instrumento jurídico criado para gerar direitos e obrigações entre as partes. 2º. CONTRATO DE TRABALHO Validade . A empresa que transmite as aulas representa um meio para o Complexo atingir o seu fim. A atividade fim é preparar os alunos para o Exame da OAB. objeto lícito. CLT) Natureza contratual.

de 28- 02-67.2010 Pegadinha de prova: a CLT.855. DOU 25-10-89) § 1º . sendo facultada a adoção de sistema manual. DOU 25-10-89) d) necessidade de comprovação perante a Previdência Social. de 24-10-89. DOU 25-10-89) § 4º . DOU 25-10- 89) § 3º .855. conforme instruções a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho.855. de ofício. (Redação dada pelo Decreto-lei nº 229. O contrato não exige o registro. DOU 25-10-89) b) a qualquer tempo. a remuneração e as condições especiais.855.As anotações concernentes à remuneração devem especificar o salário. 29 . ou seja. ou (Redação dada pela Lei nº 7. (Redação dada pela Lei nº 7. por solicitação do trabalhador. de 24-10-89. 293. para o fim de instaurar o processo de anotação.855.O descumprimento do disposto no § 4º deste artigo submeterá o empregador ao pagamento de multa prevista no art. de 24-10-89.As anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social serão feitas: (Redação dada pela Lei nº 7. Essa prova é iuris tantum (relativa) ou iuris et de iure (absoluta)? Essa prova é relativa.A Carteira de Trabalho e Previdência Social será obrigatoriamente apresentada. especificamente. de 24-10-89.855. bem como a estimativa da gorjeta. (Redação dada pela Lei nº 7. produza seus efeitos? O art. DOU 28-02-67) § 2º . 104 do CC diz que para que o negócio jurídico seja válido é preciso 3 Art. seja ele em dinheiro ou em utilidades.MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27. DOU 28-02-67 e alterado pela Lei nº 7. 9 .270/2001. determina que o empregador registre o contrato na carteira de trabalho no prazo de 48 horas. Elementos do contrato Quais são os elementos para que o contrato seja válido. (Redação dada pela Lei nº 7. (Acrescentado pela Lei nº 10. de 28-02-67. 52 deste Capítulo. comunicar a falta de anotação ao órgão competente. qualquer que seja sua forma e pagamento. o qual terá o prazo de quarenta e oito horas para nela anotar. DOU 25-10-89) a) na data-base. DOU 30-08-2001). § 5º . (Parágrafo incluído pelo Decreto-lei nº 229. pelo Fiscal do Trabalho. a data de admissão. mecânico ou eletrônico.É vedado ao empregador efetuar anotações desabonadoras à conduta do empregado em sua Carteira de Trabalho e Previdência Social. (Redação dada pela Lei nº 7.A falta de cumprimento pelo empregador do disposto neste artigo acarretará a lavratura do auto de infração. contra recibo. DOU 30-08-2001). (Acrescentado pela Lei nº 10. DOU 25-10-89) c) no caso de rescisão contratual. que deverá. de 24-10- 89. de 24-10-89. se houver.02. pelo trabalhador ao empregador que o admitir. de 24- 10-89. A lei exige o registro para efeito de prova.855.270/2001. no art.

A Justiça do Trabalho garante os direitos de uma mulher que trabalhe carregando mais de 20 quilos. no Brasil. Assim. Para trabalhar. O Juiz não reconhecerá o contrato de trabalho. Quanto à forma O contrato pode ser escrito. não se reconhece. É nulo “ex nunc”. o empregado precisa ter pelo menos 16 anos. a partir dos 14 até 24 anos. irá gerar direitos.MATÉRIA: Direito do Trabalho PROFESSOR: André Horta Moreno Veneziano AULA E DATA: 01 – 27. Nulo desde a formação. Atenção: trabalho ilícito é diferente de trabalho proibido! Proibido. Ele é nulo “ex. jogo do bicho. Outro exemplo: Os homens podem trabalhar carregando até 60 quilos. verbal ou tácito. Um contrato de trabalho com uma criança de 10 anos. embora seja proibido. A proibição visa proteger a pessoa. estrangeiros que estão no Brasil de forma irregular. Ilícito: Ex: Traficante. O contrato ilícito não se forma. Artigo 442. prostituta. 10 . Ex: Trabalho do menor de 16 anos.02. O Juiz reconhecerá o contrato de trabalho. Nulo a partir de agora.2010 que o agente seja capaz. Quanto à mulher. Objeto: trabalho lícito. Ex: traficante. Quando o objeto do contrato for ilícito ele não gerará direitos. salvo na condição de aprendiz. Tunc”. Esses contratos são ilícitos e o juiz não reconhecerá a validade do contrato de trabalho. não se paga nada. o objeto seja lícito e a forma seja prescrita ou não defesa em lei. a lei limita a 20 quilos. O contrato proibido se forma. CLT. serão pagos todos os direitos trabalhista e proibida a continuidade.